Amor em Jogo

Amor em Jogo Simone Elkeles




Resenhas - Amor em Jogo


59 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4


Marcelle B. 28/09/2017

Clichê maravilhoso!
O livro é um clássico clichê colegial, mas eu amei. A leitura é leve e divertida e desde o primeiro momento fiquei apaixonada pelo casal maravilhoso que foi a Ash e o Derek. Ambos são maravilhosos.
Uma menção especial à avó do Derek que foi uma personagem que me surpreendeu.
O livro tem alguns problemas de enredo e desenvolvimento, mas se você quer um romance leve pra passar o tempo, é uma boa leitura!
Recomendo demais!
comentários(0)comente



Cheli 08/08/2017

Recomendadíssimo!!!
Muito romance, superações, diálogo divertidíssimo , e personagens secundários extremamente cativantes. Impossível não se apaixonar pela história. Um romance juvenil bem bonitinho, bem fofinho, dei muitas gargalhadas, mas na hora das partes tristes, não tem como segurar a emoção...
comentários(0)comente



Jeh Diário dos Livros 13/06/2017

Adorei a história!
Ashtyn Parker é atualmente jogadora do time de futebol americano da escola Freemont e é claro uma garota.
Mesmo sendo a única menina do time, mesmo sofrendo no começo para conquistar seu lugar, Ashtyn nunca desistiu de seu sonho ou o abandonou, como muitas pessoas fizeram com ela em sua vida, principalmente sua mãe e sua irmã mais velha.
Agora ela vive com seu pai, que sempre finge que ela não existe mesmo Ashtyn se esforçando ele não parece ser importar com ela, mas mesmo assim ela não abaixa a cabeça. Ashtyn também namora Landon, o quarterback do time de freemont, ambos sempre tiveram um bom relacionamento, mas as coisas ficam meio abaladas quando a equipe resolve nomear Ashtyn como capitã do time e não Landon.

"Todo mundo tem um propósito na vida, ele me disse uma vez. Encontrar o seu é crucial para saber quem você é e o que você quer ser."

Derek sempre foi um garoto bom, sempre se esforçou em seus estudos e esportes que praticava, mas com um passado turbulento ele deixou tudo de lado e hoje não se importa com nada.
Para piorar sua ultima brincadeira na escola para vingar alguns garotos acabou em expulsão e ele terá que ficar com sua madrasta que é só alguns anos mais velha que ele. Mesmo achando que não poderia ficar pior, as coisas complicam. Principalmente quando sua madrasta Brandi resolve levá-lo para morar junto com ela e seu filho de cinco anos Julian para Chicago na casa de seu pai e sua irmã mais nova. Derek não tem o que fazer, pois seu pai trabalha na marinha e ele não tem a mínima ideia de quando voltará. Tudo o que Derek menos quer é participar de mais um drama familiar, mas infelizmente ele não poderá fugir desse.

‘’ Me escute — abaixo a voz e digo suavemente —, merdas acontecem, Derek. A vida continua, quer você queira ou não.’’

Derek e Ashtyn terão seus caminhos cruzados e da primeira vez que se olham já percebem que ambos não se darão muito bem, principalmente pela atração que ambos escondem. Derek é arrogante e gosta de provocar Ashtyn o que deixa ela louca por ele conseguir a atenção de todos em sua casa e ainda conseguir irritá-la. Ashtyn é uma garota durona, que quando Derek pois os olhos sabia que seria problema, com uma língua afiada, ela não deixa de retrucá-lo quando ele a provoca. Ambos tem passados turbulentos e terão que superá-los para poder seguirem frente. Será que Ashtyn e Derek conseguirão vencer essa atração? Mesmo quando ela torna algo mais?

‘’ É sobrepujante e delicioso e maravilhoso e empolgante. Ao mesmo tempo, me deixa nervosa e alerta e emotiva. O amor existe. Eu sei que sim, porque estou louca, profunda e desesperadamente apaixonada.’’

Amor em jogo foi uma leitura muito interessante, aquele clichê gostoso de pegar para uma leitura em um dia qualquer.
Já conhecia a autora e sua escrita por ler Leaving Paradise, então sabia como seria o enredo do livro e seu andamento.
A história começa com Derek um garoto que teve um passado um pouco difícil e que agora ele deixou de se importar com muitas coisas, principalmente depois que seu pai viajou para ficar meses fora em seu trabalho na marinha. Ele agora vive que com sua madrasta que é bem jovem e seu meio-irmão de cinco anos Julian e no meio dessa história entra Ashtyn, uma garota meio durona por fora, mas que ao mesmo tempo é muito sentimental por ter sido abandonada pelas pessoas que ela mais amava. Esses dois por meio do destino acabam se encontrando e a partir daí eles vão aprender um com o outro a superar ao passado e deixar amar e ser amado também.

O livro é narrado pelos dois pontos de vista, tanto de Ashtyn quanto de Derek, confesso que adorei o ponto de vista do Derek, pois ele é um garoto meio badboy que adora provocar a Ashtyn, mas uma pessoa muito boa, que sempre ajuda as pessoas e sempre tenta ser um bom garoto.
A Ashtyn já é uma garota mais chatinha, tem sentimentos por Derek, mas não quer ter e finge que não existe algo entre eles, mas ao mesmo tempo quer que ele só tenha olhos para ela e diga que a ama, mesmo que ela não confesse seus próprios sentimentos.
O livro tem uma história clichê, mas é aquele tipo de clichê bom, que faz a gente gostar da história de qualquer jeito. Os personagens secundários são muito interessantes, vi que a autora deu certo destaque a eles, sempre nos deixando informados do que estava se passando, pois acredito que no próximo livro que será sobre um deles, vai ter um enredo maior.
Posso dizer que Amor em Jogo foi uma ótima leitura, que recomendo para aqueles que gostam de um bom romance clichê.


site: http://diarioelivros.blogspot.com.br/2017/06/resenha-amor-em-jogo.html
comentários(0)comente



Lana Wesley 24/05/2017

ótimo romance clichê
Primeiramente quero dizer que apesar do livro ter uma trama clichê, e totalmente previsível, ainda sim conseguiu me fisgar desde as primeiras páginas, e não larguei enquanto não terminei a leitura. Os personagens foram muito bem construídos,e cativantes. Por isso acabei me apegando a eles, e quero acompanhar muito mais de suas trajetórias. Indico essa leitura, para aquelas pessoas que procuram uma leitura leve, gostosa, e envolvente.
comentários(0)comente



Andresa 02/05/2017

Amor em jogo - Instagram @andresalnrs
Preciso confessar que há tempos não lia nada tão leve e maravilhoso quanto ?Amor em jogo?. E preciso confessar também que não esperava tanto de um livro assim. De início não achei a sinopse empolgante e a capa não é lá das mais bonitas da minha coleção de livros, mas o conteúdo em si ?coloca no bolso? muitas obras famosas por aí.

Derek é um jovem que carrega consigo uma culpa e milhões de sentimentos não explanados. Filho de militar e órfã de mãe estuda em um colégio interno até passar do limite em uma das suas armações e ser expulso. Sem ter para onde ir, a única alternativa é morar em Chicago com sua madrasta.

Depois de ser abandonada pela mãe, Ashtyn - uma das protagonistas do livro ? teve que aprender a se virar sozinha e ultrapassar barreiras por ser jogadora de futebol americano. Sim, aqui temos uma jogadora e líder de um time de futebol americano! Além disso, precisa suportar o desprezo do pai.

Como todo bom romance adolescente e clichê, já temos uma previsão do que nos aguarda: Derek e Ashtyn se conhecem, vivem como cão e gato, mas bem lá no fundo existe aquela atração que ninguém quer assumir. Mas o diferencial na história toda é que ambos precisam superar os acontecimentos do passado e se redescobrirem no presente. E acham um no outro a força que estava faltando para que isso se tornasse real. Impossível não se envolver com o enredo.

Em uma narrativa fluída, empolgante e divertida, somos presenteados pela autora com pontos de vista alternados entre Derek e Ashtyn. A ideia da autora de escrever algo jovem e ao mesmo abordar assuntos sérios foi uma jogada de mestre que tornou o livro uma das minhas melhores leituras.
comentários(0)comente



Carlinha - Paradise Books 16/03/2017

Um clichê bem escrito é sempre maravilhoso!
"Ashtyn Parker é perigosa. Ela tem esse exterior durão, fala como um cara e se veste como um, na maior parte do tempo. Daí tem a outra metade, a metade que é vulnerável e insegura, e usa roupas sexy para se certificar de que as pessoas saibam que ela é uma mulher por baixo daquela fachada de durona. Achei que a irritando, ela se afastaria. Mas talvez fosse para destruir aquele muro que ela construiu."

Derek Fitzpatrick aprontou novamente, e dessa vez o colégio não vai dar mais chances, ele vai ser expulso. Como seu pai é da marinha e está em viagem, ele vai ser obrigado a morar com a madrasta que tem a metade da idade do pai e de quem ele não gosta muito. Mas como as coisas não poderiam ficar piores, ele acaba de receber a notícia que eles estão se mudando da Califórnia para Illinois, e ele não tem escolha a não ser ir junto.

Ashtyn Parker acabou de receber uma notícia que ela não esperava, sendo a única menina no time de futebol americano, ela foi escolhida como a capitã da equipe, e seu sonho parece cada vez mais próximo, dessa forma ela tem ainda mais chances de conseguir uma bolsa de estudos em alguma faculdade. Entretanto em sua casa as coisas não vão tão bem assim, sua irmã está de volta, depois de ter ido embora sem nenhuma explicação quando Ashtyn tinha 10 anos de idade, e ela não está sozinha trouxe junto o seu filho, um sobrinho que Ashtyn vai fazer de tudo para conquistar a afeição, e seu enteado, um garoto com a mesma idade da dela e que devia ter ENCRENCA tatuada no rosto. Ela vai fazer de tudo para evitá-lo e continuar vivendo sua vida como antes, ela só não esperava ter tanto em comum com Derek e ainda ser prejudicada pelo fato de ele ser tão atraente.

Conheci Simone Elkeles quando li "Leaving Paradise" (RESENHA), e me apaixonei completamente pela escrita da autora. De uma maneira muito fluida e recheada de romance, a autora escreve histórias muito tocantes, que enchem os nossos corações e nos deixam suspirando, além de abordar temas comuns aos jovens e que vocês que acompanham sabem que eu adoro! Nesse livro a autora abordou as questões dos dramas familiares, relacionamentos abusivos, machismo na sociedade e as descobertas que a juventude, e as fases de transição trazem.

"Posso dizer que Ashtyn é uma menina que joga suas próprias regras e se recusa a reconhecer que há algum tipo de eletricidade entre nós. Quanto mais ela protesta, mais sabemos que eu a peguei de jeito."

Ashtyn nunca se deixou acovardar por ser a única menina em seu colégio que jogava futebol americano, inicialmente incentivada pela vontade de chamar atenção do pai, a garota se envolveu tanto com o esporte que passou a enxergá-lo como uma prioridade em sua vida, e como uma oportunidade de futuro também. A satisfação ao ser escolhida como capitã do time e enxergar o respeito que ela conquistou em meio aos garotos, é quase jogada por água abaixo por seu namorado, o quarterback do time que esperava receber o posto. Nesse ponto a autora costura muito bem a questão dos relacionamentos abusivos que acontecem tanto na vida real, o fato de um garoto não aceitar ser comandado por uma garota, o fato de ele acreditar que simplesmente por seu gênero ele tem mais direito a pulseira de capitão do que ela, e o fato de que por serem namorados ele acreditar que ela deveria desistir de tudo em favor dele, são alguns fatores que enxerguei na história e espero que leve a todos os leitores a pensarem nessas questões machistas que estão tão impregnadas.

Derek tem os seus demônios muito bem guardados, e logo percebemos os motivos porque o garoto não quer se envolver em um relacionamento com Ashtyn, ele acredita que ela é uma garota pra se levar a sério, mas o seu medo da perda o fazem evitar seus reais sentimentos pela garota a todo custo. Ele é um provocador, e quando percebe que suas brincadeiras a atingem em cheio, esse passa a ser seu passatempo favorito enquanto se vê obrigado a permanecer na mesma casa que ela. E nesse relacionamento gato e rato, vai surgindo um amor tão doce e intenso, que os dois não estavam preparados para encarar.

"Sinto muito que você e eu tenhamos essa atração que não vai embora. Sinto muito que você quer alguém que fique com você quando ninguém mais estiver. Sinto muito que não pude ter apenas uma noite quando eu sabia que você estava chorando por causa disso. Sinto muito não ser o cara que você quer que eu seja."

Em meio a um gênero que é sempre recheado de clichês, Simone Elkeles consegue ainda sim surpreender o seu leitor, não com um enredo inovador, mas com uma história tão bem escrita, envolvente e que te leva a se apaixonar por seus personagens a cada nova página e diálogo. Um livro que nos faz refletir sobre as escolhas que fazemos, sobre nunca abaixar a cabeça ou desistir dos nossos sonhos, e é claro sobre encontrar o amor verdadeiro.
comentários(0)comente



Andresa @escritoselivros 07/03/2017

Amor em jogo | Estante
Sinopse: Derek acabou de ser expulso do colégio, se as coisas já iam mal agora vão ficar pior ele vai ter que abandonar sua amada cidade a Califórnia para morar na cidade natal de sua madrasta. Já Ashtyn se esconde atrás das suas boas notas para tentar esquecer os dramas e problemas familiares em que vive.
E acabou de virar capitã do time de futebol americano, é namorada do quarterback e única garota do time. Os caminhos desses dois se cruzam de uma forma inusitada, desejos e segredos virão a tona quando eles menos precisam.

Uma família desestruturada, uma irmã que fugiu de casa e uma vaga de capitã inesperada. A vida da Ashtyn tem muitas reviravoltas em poucos dias. Desde que sua mãe os abandonou a relação com seu pai não é mais a mesma, ela entrou no time de futebol, pois era a única coisa que mantinha os dois ligados de certa forma. Mas isso não obteve uma recepção muito positiva pelos aos olhos de seu pai.

Após ser expulso Derek terá de ir morar com sua madrasta em Chicago sua cidade natal. Com seu filho de cinco anos, grávida de outro bebê e um enteado Brandi volta para casa de seu pai. Para melhorar isso tudo ela é a irmã de Ash que fugiu de casa. Ao chegar na sua antigo casa a confusão está formada. Desde o começo eles trocam farpas e dizem um ao outro o que ninguém tem coragem de dizer a ambos.


Minhas impressões:
Livros que tem como ponto principal crescimento, amadurecimento de personagem me ganham e com esse não foi diferente

Leia a resenha completa em: http://www.escritoselivros.com/2017/03/amor-em-jogo-estante.html

site: http://www.escritoselivros.com/2017/03/amor-em-jogo-estante.html
comentários(0)comente



Nicoly Mafra - @nickmafra 17/01/2017

Resenha - Amor em Jogo
Como vocês já devem ter percebido, eu adoro ler contemporâneos YA; um dia eu pedi uma indicação de autores para vocês e a fofa da @cjessferreira me indicou a Simone Elkeles; então eu resolvi dar uma chance para o livro Amor em Jogo.

Amor em Jogo conta a história de dois jovens, Derek e Ashtyn. Derek tem pinta de badboy, mas a gente sabe que no fundo, no fundo ele é bonzinho. Ele frequenta um colégio interno para garotos na Califórnia e adora pregar peça em seus colegas; porém, sua última pegadinha não deu certo e ele acabou sendo expulso do colégio. Já chateado pela expulsão, Derek é surpreendido pela notícia que terá que se mudar para Chicago para morar com a família de sua madrasta, já que não pode ficar com seu pai, pois ele está em uma missão da marinha.

Ao chegar em Chicago, Derek conhece a irmã de sua madrasta, a Ashtyn. Ashtyn é uma garota nada convencional, ela acabou de conseguir o título de capitã do seu time de futebol americano – detalhe, ela é a única garota deste time -, namora o ex-capitão do time, e, infelizmente, foi abandonada por sua mãe e não possui apoio algum do seu pai.

Os sentimentos dos dois jovens começam a ser afetados pela presença um do outro, o que irá desencadear alguns acontecimentos surpreendentes na vida dos dois.

Amor em Jogo é uma leitura bem cliche, mas bem agradável. Gostei bastante da escrita da autora, Simone Elkeles, e não consegui largar o livro até descobrir o que irir acontecer com os dois personagens. Confesso que não foi nada muito diferente daquilo que eu tinha imaginado que aconteceria no final do livro, mas, mesmo assim, foi muito legal ver o desenvolvimento dos personagens.

Amor em Jogo é o primeiro livro da série “Wildcards”, mas é uma série que acompanha personagens diferentes, então, no próximo volume, “A Garota Dele”, acompanharemos o desenvolvimento de outros personagens. Estou bem curiosa para ler o próximo volume, adoro este tipo de leitura.

site: www.instagram.com/nickmafra
comentários(0)comente



Anne 07/01/2017

Encontrar o caminho pode ser árduo, mas termina como um docinho de côco.
Eu estou simplesmente apaixonada por esse livro. Já conheço a escrita da Simone em outras obras, mas ela conseguiu cativar ainda mais com essa estória.
Derick é um rapaz interessante e de qualidades indiscutíveis, no entanto, depois de sofrer algumas perdas, anestesiado pela dor, passa a agir de forma indiferente com relação ao mundo ao seu redor, evitando qualquer tipo de apego. Já Ashtyn é doce, meiga, corajosa e muito abandonada por sua família.
Quando o destino resolve cruzar suas vidas, ambos tentam resistir. No entanto, o que de início é apenas atração, desenvolve-se e passa a outros níveis, quando percebem que ambos são a cura para as dores um do outro. A preocupação mútua para com o bem estar dos dois faz com que se apaixonem e vivam uma intensa paixão ao mesmo tempo um conflito imenso baseado em "o que minha racionalidade baseada em experiências passadas quer, e o que meus sentimentos, baseado nessa loucura presente quer".
O livro é fantástico porque mostra com perfeição os diversos conflitos que a maioria de nós passamos, as dificuldades em se decidir coisas importantes com tão pouca idade e nem sempre com orientação adequada. Também fala sobre amizade, carinho, respeito, enfim todos os liames básicos para fornecer uma boa estrutura a um ser humano.
Os personagens trazem a vulnerabilidade da juventude, a sensibilidade à flor da pele e a força das grandes paixões, nem sempre fáceis de conquistar. É uma leitura leve, gostosa e repleta de reflexões saudáveis.
Pode causar choro.
comentários(0)comente



Dri - @oasisliterario 12/10/2016

Quando recebi o livro "A Garota Dele" e fiquei sabendo que era um spin-off (uma história derivada de outra) do livro "Amor Em Jogo" fui logo pesquisar sobre o primeiro livro da série "Wildcards". A sinopse me chamou a atenção e decidi dar uma chance ao livro.
A história se inicia com Derek, um garoto conhecido pelos problemas que causava em seu colégio interno e que facilmente levava a fama de bad boy. Seu pai nunca esteve presente em sua vida pelo fato de ser da marinha (passava mais tempo no mar do que com a família) e sua mãe faleceu há um tempo vítima do câncer.
Derek acaba sendo expulso do colégio após uma pegadinha mal sucedida e se vê obrigado a se mudar da Califórnia para Chicago com sua madrasta grávida, Brandi, e o pequeno Julian (filho de Brandi com um namorado que a abandonou).
Logo no primeiro dia em Chicago, Derek conhece Ashtyn, a irmã de Brandi.
Uma garota nada comum, Ashtyn ama jogar futebol americano e é capitã do time de sua escola. Abandonada pela mãe ainda jovem e duramente críticada pelo pai todos as vezes que tenta contato, Ashtyn reluta em se aproximar novamente da irmã que também a abandonou anos atrás.
Seu jeito durona passa a mudar quando ela percebe que o novo morador da casa está causando sentimentos confusos nela.
Alternando entre a perspectiva de Derek e a de Ashtyn, Simone Elkeles nos conduz por uma narrativa divertida e cativante que promete alguns suspiros por esse possível casal.
Apesar da história ser, em sua maioria, um pouco previsível, confesso que gostei bastante.
Se você, assim como eu, gostar de romances adolescentes mais clichês de vez em quando, "Amor Em Jogo" é uma ótima opção. Leve, divertido e fofo, o livro consegue cumprir com o que promete e acaba descontraindo o leitor através de uma narrativa que flui facilmente sem muitas reviravoltas inesperadas.

(Link: https://www.instagram.com/p/BKd-5A9hlNa/)
comentários(0)comente



Cris 03/09/2016

Fraquinho... Simone, era você escrevendo 'Amor em Jogo'?
"Acho que ter esperança é melhor do que desistir e pensar que a vida vai ser uma droga para sempre."

'Amor em Jogo' é o primeiro livro da trilogia Wild Cards e, em cada volume vamos conhecer a história dos jogadores de futebol americano de uma cidadezinha em Chicago. Neste livro, Simone Elkeles nos apresenta Ashtyn, uma garota de dezessete anos que há pouco tempo foi nomeada capitã do time masculino de futebol... isso mesmo, um time de futebol masculino. Ashtyn mora com o pai e acabou de saber que sua irmã mais velha, Brandi irá passar uma temporada em sua casa, a visita além de inesperada irá proporcionar momentos complicados para ela pois junto com sua irmã, virá Derek, o enteado de Brandi que acabara de ser expulso de um colégio interno na Califórnia.

Derek e Ashtyn assim que se olharam sentiram uma forte atração entre eles, no entanto, rapidamente tentaram lutar contra esse sentimento por inúmeras razões que eu não contarei Rs!
Ter um enteado como o Derek morando debaixo do mesmo teto, era tudo que a Ashtyn não queria no momento, pois além de não estar tão bem com seu atual namorado, ela não estava preparada para novos relacionamentos/complicações. Já ele, estava ali, naquele lugar, por obrigação, sua única vontade era sumir e nunca mais voltar. Sendo assim, tudo seria fácil, não é mesmo? Não, acho que não!

"Derek está arruinando tudo, porque, na realidade, isso me acerta como um atacante num drible surpresa. Derek não apenas invadiu minha casa, meus amigos e minha vida, ele deu um jeito de entrar no meu coração."

Bem, não é de hoje que conheço esta autora, para falar a verdade, já li praticamente todos os seus livros e, desde 'Química Perfeita' me vi fã de sua escrita envolvente e totalmente apaixonante. Creio que isso me dá um certo poder para categorizar suas histórias e, infelizmente, 'Amor em Jogo' está no rol dos livros mais fracos já escritos por ela. Por mais que a premissa seja figurinha repetida num jogo, devo dizer que isso pouco me incomodou, para mim, Simone Elkeles nos apresentou personagens rasos e um enredo mal trabalhado que apenas se perdeu com o passar dos capítulos.

A construção da história nos dá a entender que seus personagens centrais, Derek e Ashtyn, sofreram perdas irreparáveis no passado e devido a isso acabaram criando um mecanismo de defesa tão grande que nem mesmo nós, os leitores, conseguiríamos desarmar e muito menos irromper. Se pararmos para pensar, a intenção da autora tem coerência pois o protagonista masculino além de não ter a presença do pai por perto em várias etapas de sua vida, acabou perdendo a mãe para o câncer muito cedo e de quebra sofreu uma traição da única namorada que já tivera. A Ashtyn teve de aprender a não confiar em ninguém, afinal, sua mãe e irmã mais velha, praticamente, a abandonaram na infância, deixando sua criação nas mãos de um pai inerte e desprendido de atenção. Todos esses traumas dariam um bom pano de fundo ainda mais pelo fato do livro ser narrado pelo ponto de vista dos dois, porém como já informei faltou profundidade e, embora eu tenha lido um YA, que não tem aquela "obrigatoriedade" de esmiuçar nada a fundo, não poderia deixar de pontuar o que não gostei. Por vezes, também não conseguia entender a muralha que ambos colocavam entre eles a fim de não se envolverem, tentei ao máximo entrar na mente de um adolescente e pensar igual, às vezes dava certo, outras não. E quando comecei a me envolver e torcer por eles, o livro acabou. Isso mesmo, não deu tempo... o abruto desfecho levou consigo todas as minhas esperanças Rs! Entretanto, a história não é cem por centro ruim, pude ver alguns medos serem vencidos e sonhos serem realizados. Em todos os seus livros, Simone Elkeles aborda muito bem o que mais breca o amadurecimento na vida dos adolescentes: o medo, a incerteza, o maior se desfazendo do menor, o mais rico se sobressaindo em cima do menos privilegiado e etc. Todas as vezes, podemos tirar lições, e isso sempre será válido.

A escrita continua fluída e superfácil, isso acabou contribuindo bastante para que eu terminasse em um curto espaço de tempo minha leitura. Mas, infelizmente, não obtive o que esperava e ainda não sei se lerei a continuação da trilogia, no momento estou um tanto decepcionada com a autora e deixarei para lá 'A Garota Dele', segundo volume lançado recentemente pela editora Globo Livros.
É isso, acho que vou reler todos os seus livros para despistar essa sensação ruim que se apoderou de mim nos últimos dias.
comentários(0)comente



vortexcultural 09/08/2016

Por Thiago Augusto Corrêa
Em sua primeira obra, lançada no Brasil pela Editora Globo, Simone Elkeles apresenta um tradicional universo adolescente típico da maioria das narrativas young adult. Amor em Jogo possui dois narradores diferentes, um garoto e uma garota, intercalando o desenvolvimento da trama. O ideário proposto pela história de amor adolescente ainda está preso no padrão entre mocinho e mocinha, ambos populares à sua maneira e descritos energicamente como sedutores. Uma repetição que parece comum no gênero, sempre destacando personagens ou com muitas qualidades positivas ou com muitas negativas, sem uma dosagem que equilibre a composição das figuras ficcionais.

O estilo alternado de narradores promove maior dinamicidade e evita a parcialidade proposital ao observarmos somente um narrador. Mesmo sob dois pontos de vista diferentes, a história é linear, sem mudanças bruscas de estilo, afinal, não faz parte da intenção da autora buscar vozes diferentes na narrativa, mas sim demonstrar o desenvolvimento da história de amor em ambos os lados da relação.

Ashtyn Parker e Derek Fitzpatrick têm em comum um passado atribulado de difícil compreensão diante da imaturidade natural do adolescente. Capitã do time de futebol americano do colégio, Ashtyn foi abandonada pela mãe quando criança, e o trauma impede-a de aproximar-se de qualquer pessoa, com medo de uma futura rejeição; enquanto o jovem Derek perdeu a mãe na infância e convive somente com a madrasta, já que o pai trabalha em alto-mar como integrante da Marinha. Após um trote na escola, que lhe rende uma expulsão, o garoto é obrigado a mudar-se para Illinois com a madrasta e começar uma nova vida.

O encontro das personagens produz certa originalidade à obra, foge de um tradicional encontro em lugares comuns, como uma escola ou locais de lazer juvenil, para se apresentar em laços fundamentados por parentes: a irmã de Ashtyn é a namorada jovem do pai de Derek. Um acaso que coloca os dois jovens vivendo sob o mesmo teto.

A antipatia inicial de adolescentes contrariados pela invasão do espaço é quebrada aos poucos pela atração física que um sente pelo outro. A narrativa desenvolve pequenas intrigas para dificultar a aproximação amorosa: Ashtyn namora outro rapaz, e Derek é tido como um galinha galanteador. Dificuldades que se sobrepõem e geram uma tensão interna entre amor e medo.

Leia a crítica completa no Vortex Cultural.

site: http://www.vortexcultural.com.br/literatura/resenha-o-amor-em-jogo-simone-elkeles/
comentários(0)comente



Adriana.Carvalho 06/08/2016

Perfeito!!
Amor em Jogo, E um daqueles livros que você sente saudade, já no primeiro segundo que terminou,
O livro fala de adolescentes, se conhecendo, curtindo e lutando pelo que sonham, vou sentir falta do Derek e da Ashtyn!!!
comentários(0)comente



Shuwortz 19/07/2016

Viciante
Sou apaixonada por livros de histórias mais adolescentes que se passam na escola ou na faculdade e esse é um dessea romances comédias , em vários momentos dei risadas .

Um casal mais improvavel do mundo , quando a garota implica tanto com um garoto é porque se gostam foi a explicação dada no livro para um garotinho de 5 anos .

Totalmente diferentes , uma jogadora de futebol e um sedutor da Califórnia por uma coincidência do destino vão morar na mesma casa , como resistir ao charme sem sair da pose de única jogadora de fotebol americano feminina da sua escola ?
Amei , ja procurei a continuação . aguardo anciosa ??????????
comentários(0)comente



Lisse 31/05/2016

Mais uma vez Simone Elkeles me deixou abismada com o seu talento e percepção do mundo. Poucas autoras conseguem fazer isso: transformar uma história que aparentemente seria clichê para torná-la algo grandioso. Foi assim em Quimíca Perfeita - quem me conhece sabe que o reli, sei lá, umas 15 vezes, e Leaving Paradise também não foi diferente. E ela veio com a mesma "química" ou seja lá que nome se dê a isso, mas é incrível, ela me fez amar esses personagens assim como amei os anteriores e jogou tudo em cima de disse "se vira, não quero nem saber". E o resultado é apenas um: releitura pra ontem.

E tudo começa na criação dos personagens. Segundo seu pai, Ashtyn deveria largar de mão a ideia de ser a única jogadora no time de futebol americano na sua escola - Freemont High . Mas isso está longe de acontecer, por que se tem uma coisa que ela faz bem, é isso. Após ser abandonada pela mãe, a irmã ir embora, poucas coisas fazem sentido, porém o futebol deu a ela o que precisava, já que não tem a atenção e o apoio do pai.

Em outro estado, na Academia Preparatória Regents, encontramos Derek, que acabou de fazer algo inapropriado e está sendo expulso da escola. Vivendo com sua madrasta já que seu pai é da Marinha e sempre está em missões, o jeito é se sujeitar com as decisões de Brandi. Como Derek e Ashtyn se encontram eu não vou dizer (spoiler gente, isso é feio! rs), mas lá está os dois juntos agora. E o que vai acontecer agora? Bombas, farpas, foguetes soltos no ar. Que é a parte dos livros da Elkeles que eu mais gosto. Como ela consegue fazer um casal brigar tanto e se dar bem ao mesmo tempo, fazer toda a loucura da química funcionar. Tem noção?

“Se você me chamar de Sugar Pie novamente, eu vou derrubar você.”

Umas das coisas que gosto quando a autora constrói um livro é a percepção de que tudo irá melhor se ela contar sob a visão de ambos. Então leitor, você terá a capacidade de saber o que os dois estão pensando e sentindo, sem aquela interrogação se o que uma pessoa só está falando. Capítulo a capítulo vi pensamentos e ações lindas. Derek tentando ser útil e compassivo, e a Ashtyn tentar abrir espaços pra novas coisas.

Personagens secundários tornaram a leitura bem agradável. Trev, Vic e Jet são amigos jogadores do time da Ashtyn, também temos o Landon (idiota-babaca-que-merece-umas-porradas), e o fofo do Julian (eu quero aquela criança pra mim! sou apaixonada por crianças literárias), e a vó de Derek que figura, muito comédia.

"Julian, às vezes as meninas são como junk food [...] tem um gosto bom, mas você sabe que não é saudável pra você e causa cáries, por isso é melhor apenas abandonar. Entende?" - ele é ridiculamente sem graça, mas eu ri

E como eu sou apaixonada por Road Trip, dei um grito louco quando esses dois embarcaram numa aventura. Porque nada seria melhor do que ver duas pessoas que se gostam fingindo que não gostam, enclausuradas num mesmo espaço #amo \o/
comentários(0)comente



59 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4