Sonhos Despedaçados

Sonhos Despedaçados Ellie James




Resenhas - Sonhos Despedaçados


29 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Priscila Ferreira 06/09/2020

Bom
Leitura boa, suspense bom, mas achei um pouco fraco. Esperava mais.
comentários(0)comente



clarocarol 18/04/2021

Terminei esse livro na força do ódio, porque a ?vilã? é a única personagem interessante no livro e eu queria muito saber o que tinha acontecido com ela. O livro tem umas passagens horríveis de tempo e é o auge do cliche, sem contar a personagem principal que fica desmaiando pela cidade. Ruim.
comentários(0)comente



Denise 20/06/2020

Com o objetivo de desencalhar os livros da estante acabei pegando esse livro para ler sem saber muito do que se tratava e sem ler a sinopse. Como entretenimento funciona, mas só. O livro tinha todos os elementos para se tornar um favorito mas a autora não soube desenvolver tão bem a história e principalmente os personagens.
comentários(0)comente



Priscila.Antunes 04/02/2021

Um suspense que se perdeu em muitos detalhes
Li Sonhos Despedaçados muito rápido! Foi bem leve de ler, apesar de ser um suspense. A contra-capa do livro alertava que o leitor não conseguiria ler o livro sozinho, por isso pensei que leria uma história muitos detalhista, cheia de mistérios e que me cativaria do começo ao fim.
Li rápido pois queria saber o fim da história e entender tudo. Senti que a autora se perdeu em muitos pontos e acabou não concluindo muitas partes (portanto acabei nem entendendo tudo! Rsrs)
Apesar de ser bom, não me prendeu tanto.
comentários(0)comente



@APassional 24/10/2014

Sonhos Despedaçados * Resenha por: Rosem Ferr * Arquivo Passional
Encrenca Paranormal... Sensacional!

Verdade ou Desafio?

Com uma proposta paranormal Ellie James apropria-se do clima místico da Lousiana e cria uma trama policial repleta de reviravoltas, entremeada de descobertas ancestrais e atuais da protagonista Trinity que em 1ª pessoa nos revela suas aventuras e desventuras frente a condução caótica de seus dons mediúnicos e sentimentos românticos.

Aterrorizada por visões...

Trinity foi criada por sua avó em uma isolada fazenda no Colorado, portanto desconhece a arte de fazer amigos e, ao chegar em New Orleans, torna-se alvo fácil para a turma da mimada patricinha Jessica, será em função de uma demonstração de poder da poderosa abelha rainha que Trinity terá sua vida virada de cabeça para baixo e enfrentará inúmeros obstáculos que colorarão em risco até sua sanidade.

Paixão e premonição... Como controlar as emoções diante do cara Perfeito?

Chase é o príncipe dos contos de fada: belo, gentil, protetor e... parece mesmo estar interessado, porém Jessica o considera sua propriedade e deixa isso bem claro para Trinity, assim quando ela desaparece misteriosamente após um atrito de forças, Trinity é considerada a principal suspeita de uma possível retaliação. Os amigos servos de Jennifer a incriminam, a pressão é cruel, pois tudo aponta para ela, a policia vê sua premonição como culpa. Ela terá que aprender a usar seus dons para provar sua inocência e neste sentido gira a trama.

Aonde está Jessica? Está viva ou morta? Se viva corre perigo, se morta, quem a matou?

A trama policial segue paralela com a busca que a (cada vez mais pirada) Trinity, empreende auxiliada pelo gatíssimo Chase, para descobrir a verdade quanto a morte de seus pais e a herança mística que envolve as mulheres de sua família materna.

De modo que estamos diante de uma trama genial, com dois protagonistas desenvolvidos de forma brilhante e realista, splots de realidade fantástica no quesito mediunidade temperam as cenas e geram muiiiiiita tensão, as buscas envolvem aventura, surpresas, climas de cumplicidade e empatia; já estamos até torcendo para o casal fofo se acertar até que... Tam,tam tam,tam... Dylan Fourcade aparece:

Lobo e falcão, pensei de um modo um tanto obsessivo, mas com uma afeição repentina como Alice e a toca do coelho.
Você precisa ter mais cuidado ele disse, aqueles olhos prateados pairando sobre os meus, um palpitar mais demorado. E, de repente, desapareceu.

E aí... o clima UAU! Realmente esquenta hahahahaha! Dylan Fourcade vai roubar a cena e... Nosssssssa!

Com um final fechadinho, após muiiiiiiiiiiitas emoções Ellie James fecha esse tomo #1, com uma cena épica da cidade de Nova Orleans, aliás existem generosas descrições de pontos turísticos no decorrer da leitura que nos envolvem completamente no clima da cidade, com direito a um Mardi Gras muito louco hahaha! Amo.

E fiquei sabendo que nos próximos volumes tem muiiiiiiiiiito Dylan Fourcade, aiiii será que vou ter que ler em inglês? Gente, li ele em horas, grudei e... Ameiiiiiiiii.

By Rosem Ferr.

Resenha publicada no Blog Arquivo Passional em 24/10/2014.

site: http://www.arquivopassional.com/2014/10/resenha-sonhos-despedacados.html
comentários(0)comente



Marcos 07/11/2014

Resenha feita por mim para o blog Psychobooks
Comentários

Enredo

Trinity é uma jovem de 16 anos que perdeu os pais muito cedo, quando ela ainda era bebê. A morte deles ainda é um mistério para ela, que só sabe que eles morreram em um acidente de carro. Depois que ficou orfã, ela teve que morar com sua tia Sara, em Nova Orleans, uma cidade do interior dos Estados Unidos. Na nova escola, ela ainda tem poucos amigos amigos, porém se vê muito próxima de Chase, garoto mais popular da escola que namora a também popular Jéssica, líder de torcida. Eles dividem a bancada na aula de química e ela, sem nunca ter namorado antes, não sabe se o que sente por ele é amor ou amizade.
Uma noite, no início do ano letivo, Jéssica, Chase e mais alguns amigos resolvem fazer um jogo de verdade ou desafio dentro de uma propriedade abandonada que tem fama por ser assombrada. Como a cidade ainda se recupera da passagem do furacão Katrina, muitas propriedades foram dizimadas, mas essa continuou intacta, misteriosamente. É durante o jogo que coisas estranhas acontecem com Trinity. Ela começa a ver pessoas e sinais que ninguém mais consegue enxergar. Depois de uma brincadeira de mal gosto feita por Jéssica e suas amigas para envergonhá-la, ela decide nunca mais confiar em Chase, que a levou até essa situação.
Porém, no dia seguinte, Jéssica desaparece misteriosamente e Trinity começa a ter sonhos que podem indicar seu paradeiro. Neles, a cheerleader implora por socorro, dentro da mansão asombrada. Ela então partirá em uma jornada para encontrá-la mas, ao mesmo tempo, acaba descobrindo muito sobre o seu passado e o mistério que ronda a sua família.
Narrativa

Todo o livro é narrado em primeira pessoa, pela visão da protagonista. A autora tem uma escrita muito gostosa e ágil, focando mais nas cenas de ação e nos diálogos. As descrições da cena são bem dosadas e diluídas ao longo dos parágrafos, o que não torna a leitura enfadonha ou arrastada.
Gostei da maneira como o elemento paranormal foi utilizado na história. Claro que, como essa é uma temática muito abordada na ficção, o livro tende para o clichê várias vezes, sendo até mesmo previsível em muitos momentos. As cenas não trazem grandes elementos surpresa, mesmo quando se tem grandes pontos de tensão na narrativa, como quando Trinity descobre o segredo por trás da morte de seus pais ou quando se tem o desfecho do sequestro de Jéssica. Não se deve esperar um grande boom ou uma grande reviravolta na história.
O desenvolvimento do romance também ficou bom, na medida certa, sem interferir demais no plot principal. As histórias em paralelo são curtas e rapidamente resolvidas, dando maior ênfase para a principal, o que ficou interessante no texto.
Personagens

Trinity é uma protagonista que aprende a ser destemida à medida que as coisas acontecem em sua vida. A ausência de seus pais não lhe faz grande peso, pois ela sequer se lembra deles, tendo sido criada por seus avós. Ela é aquele tipo de garota que só quer ser mais uma na multidão, sem se destacar ou ser conhecida. Seus dons, no entanto, a levam para outro caminho.
O grande destaque do livro foi Chase. Ele carrega um segredo consigo e, ao lado de Trinity, conseguirá buscar respostas às perguntas que sempre o rodeavam. Sua construção mescla o típico mocinho dos romances de escola americanos com o herói que sempre salva a protagonista do perigo. Formará com ela um par romântico que enfrentará alguns altos e baixos.
A tia de Trinity, Sara, também tem uma forte importância no enredo, apesar de só aparecer mais na história nos capítulos finais.
Suspense paranormal

Mesmo este livro sendo classificado como Terror, existem poucos elementos desse gênero presentes na narrativa. O foco maior é no sequestro de Jéssica, o que faz do livro um suspense, e na paranormalidade de Trinity, o que o faz um paranormal, uma vez que esta será usada para se obter pistas do crime.
No geral, eu sou uma pessoa que dificilmente sente medo em livros com essa temática. Com esse não foi diferente. As cenas iniciais na casa assombrada criam uma boa atmosfera de temor, mas no decorrer da narrativa ela se dissipa, salvo por uma cena ou outra.
Considerações

Este é mais um livro para se ler sem pretensões. Indicado para quem gosta de suspenses leves e de histórias envolvendo jovens paranormais. Consegui terminar em uma tarde, pela leitura ser rápida e ágil. Tirando os clichês e a falta de profundidade em alguns momentos, gostei da leitura e continuarei lendo essa trilogia.

site: http://www.psychobooks.com.br/2014/10/resenha-sonhos-despedacados.html
comentários(0)comente



Igor 13/11/2014

Ótima premissa, péssimo desenvolvimento de história.
Confesso que quando li a sinopse eu fui surpreendido, a capa não aparente ser uma história de horror e com essa sinopse tudo o que eu esperava era algumas noites mal dormidas após alguns pesadelos. Decepção é a palavra para o livro de hoje, decepção total.

O livro não é todo ruim ele começou legal pra caramba, um verdade ou desafio dentro de uma casa abandonada como fama de ser assombrada, muita ação e suspense e tudo para seguir a direção de uma ótima história. Adolescentes, intrigas, amores não correspondidos e vingança, tudo sendo jogado durante o verdade ou desafio, tudo estava indo bem até que do nada tudo desandou.

Assim que Jéssica some e Trinity começa a ter sonhos com ela, os capítulos vão nos enrolando e nos enchendo de coisas desnecessários, ficamos sabendo que Trinity vem de uma família de videntes e que seus sonhos com Jéssica são reais. O problema é que Trinity não sabe como isso funciona e única pessoa que pode conversa com ela, sua tia, também não sabe como fazer esses sonhos pararem ou como ajudá-la. E é ai que entramos no mundo sem fim de suspense confuso e forçado e altas sessões de romance desnecessário.

Parece que de um dia para o outro Trinity e Chace (que namorava com a Jessica antes disso tudo acontecer) passaram a se amar e só dependem um do outro, as vezes o contato é evitado por parte dela, mas isso não dera nem um capítulo. Os dois vão atrás do passado da personagem principal, somos bombardeados com muitas cenas e confesso que algumas delas foram até boas, mas do nada passavam a ser estranhas e muito confusas. Eu amo suspense em livros, mas esse tem em excesso, ficou chato, parado e super monótono.

O final foi um pouco surpreendente, não esperava a revelação do sumisso de Jéssica nem como tudo foi desenvolvido, mas foi só isso, um que começou bem, se perdeu completamente no meio e no final tentou ficar bom, mas não superou o começo… O livro faz parte de uma trilogia, mas não pretendo ler os próximos livros.

site: http://www.odevoradordelivros.com/sonhos-despedacados-ellie-james/
PorEssasPáginas 14/11/2014minha estante
Melhor resenha que li até agora desse livro. A mais sincera e mais crítica. Esse livro é horrível. A sinopse é totalmente enganadora. Detestei.


Natasmi Cortez 21/01/2015minha estante
Nossa... Literalmente enganada pela capa e sinopse... Estou detestando... Esperança que fique bom em algum momento :(




PorEssasPáginas 23/11/2014

Resenha: Sonhos Despedaçados - Por Essas Páginas
Foi difícil vir aqui fazer a resenha desse livro. Ele foi um título da Novo Conceito que me interessou imediatamente, assim que coloquei meus olhos nessa sinopse incrível. O problema é que eu não imaginava que a única coisa boa do livro fosse exatamente a sinopse. Por isso mesmo essa resenha é difícil, porque não há outra a dizer sobre Sonhos Despedaçados além de é um livro muito, muito ruim.

Trinity é uma garota atormentada por um passado cheio de mistérios e dor. Seus pais morreram quando ela ainda era pequena demais para se lembrar e ela foi criada pela avó de maneira reclusa, sem frequentar a escola nem fazer amigos. Mesmo assim, ela era feliz, mas tudo começou a ir por água abaixo quando ela começou a ter sonhos premonitórios, um dos primeiros deles quando sua cachorra morreu. Depois disso foi sua avó, e a garota teve que se mudar para a casa da tia. Por causa disso, começou a frequentar a escola e teve que enfrentar a estranheza e provocações das outras garotas do colégio, por ser uma caloura. O pior: ela se apaixonou pelo namorado da menina mais popular da escola, que por sinal também a odeia. Depois de um perverso jogo de Verdade ou Desafio em uma casa mal assombrada, essa garota some e Trinity precisa lidar com novas visões sobre a menina e a desconfiança da polícia.

Parece interessante não? Pois é, eu também achei que seria imensamente interessante. Uma trama sobrenatural de mistério e suspense, com um toque de romance, certo? Errado.

Sonhos Despedaçados é um livro extremamente mal escrito, com cenas atropeladas e um desenvolvimento fraco e confuso. Ele pretendia ser uma trama de suspense, mas fracassa miseravelmente, repetindo-se em mistérios sem criatividade e totalmente previsíveis. O romance, que deveria ser apenas um toque adicional, acaba sobrepondo-se ao restante da história e não convence. Os personagens não tem profundidade alguma, são estereotipados e seus diálogos são monótonos, tendendo ao melodrama. Trinity é uma protagonista fraca, que não encanta, muito menos comove; ela é excessivamente frágil e dependente de Chase, envolvendo-se prematuramente num romance sem graça. Os dois têm uma conexão instantânea, impossível de envolver o leitor.

A leitura é sofrida, confusa e arrastada. Foi muito difícil terminar o livro; se não fosse meu código de conduta de não abandonar obras, especialmente as de parceria, com certeza eu o teria largado logo nas primeiras páginas, no máximo nos primeiros capítulos. O livro facilmente poderia ter sido cortado em inúmeras cenas, quase todas inúteis, e o final fraquíssimo passou longe de salvar a trama. Na verdade, fico surpresa que uma editora conceituada como a Novo Conceito traga um romance tão fraco para cá. Primeiro livro de uma trilogia, espero sinceramente que a editora não se dê ao trabalho de trazer o restante da série para o Brasil. Passem longe.

site: http://poressaspaginas.com/resenha-sonhos-despedacados
silvanasartori 25/11/2014minha estante
Concordo em tudo que vc está falando na resenha
estou terminando a leitura e sinceramente tenho que dizer que eu achei o livro um pouco fraco em relação a escrita da autora. Eu me senti por várias vezes muito confusa durante a história e também achei meio estranho a guria desaparecer e só ficar em cima da Trinity e pronto sabe? Poww...se tivesse continuado com a trama do começo, tenho certeza que o livro seria uma maravilha, massss...seila


Lucineide 16/03/2015minha estante
Ah já estou arrependida de ter começado, pois desde o início não tenho gostado.




Sha 23/10/2014

Espero que o segundo seja melhor
Trinity quer finalmente ser um pouco normal, depois de passar a vida morando com sua avô nas montanhas do colorado, ela vai morar com sua tia em Nova Orleans e finalmente está frequentando uma escola de verdade.

"Nunca saberei o que aconteceria se eu tivesse apenas me voltado e partido."
Querendo se misturar e fazer novos amigos, ou melhor, fazer amigos, Trinity aceita ir a uma casa abandonada com um grupo de novos amigos. Mas ela sabe que algo de ruim vai acontecer... afinal, ela viu...

"Não, disse a mim mesmo. Não! Não agora.
Não aqui!
Não na frente dessas pessoas..."

Quando Jessica, a garota mais popular da escola e capitã das líderes de torcidas da escola desaparece, Trinity começa a ser cada vez mais assombrada por sonhos e alucinações com pistas sobre onde a garota desaparecida está.

"Eu sabia disso. Todos sonham [...] Mas nem todos os sonhos eram bons, e nem todos mereciam escapar do teatro de sombras da mente."

Em sua tentativa de ajudar nas investigações, Trinity acaba sendo vista como um dos suspeitos. Além de toda a confusão com o desaparecimento de Jessica, Trinity acaba se envolvendo cada vez mais com Chase, o ex-namorado da líder de torcida, o que acaba contribuindo ainda mais para as suspeitas contra ela.

"Estranho me lembrar daquilo ao lado de Chase, mas, naquele momento, era assim que eu me sentia, como aquela frágil libélula de vidro assoprado."

Além de ter que lidar com o sumiço e as acusações feitas a ela, Trinity tem que enfrentar os segredos guardados sobre sua herança e a morte de seus pais, e até mesmo sobre quem ela é. Mas não é fácil lidar com sua "herança" quando não se consegue diferenciar o que é real e o que é apenas um sonho.

"- Odeio - falei sem hesitar. - Odeio dormir porque odeio a sensação que tenho ao acordar..."

Trinity é uma personagem confusa, em alguns momentos é possível constatar sua coragem, já em outros ela corre, vendo apenas um meio de enfrentar os problemas: fugindo.

Por a narração ser feita na primeira pessoa não é possível ter uma visão muito ampla sobre o que acontece, na verdade em alguns momentos a escrita da autora chega até mesmo a ser confusa, o que pode até ser consequência de uma má interpretação na tradução ou não.

Eu tinha uma grande expectativa sobre esse livro, a sinopse me deixou curiosa e ansiosa para a leitura, mas uma coisa sobre as expectativas? Quando não atingem o que esperamos a decepção é maior do que se não tivéssemos esperado nada. A única coisa me manteve motivada a terminar a leitura foi realmente saber o que acontece no final, quem havia sequestrado Jessica e porquê.

Além do desenrolar da trama ser de certa forma decepcionante encontrei alguns erros na revisão, erros estes que me faziam voltar a ler a frase novamente para saber o que era a fala de um personagem e o que era narração. Por ser uma trilogia, eu tenho certa esperança - mas nenhuma expectativa- de que a história ainda possa melhorar, então sim, em um futuro próximo estarei lendo o segundo livro.


site: http://muchdreamer.blogspot.com.br/2014/10/resenha-sonhos-despedacados.html
comentários(0)comente



Fernanda 17/11/2014

Resenha: Sonhos despedaçados
Confira a resenha no blog Segredos em Livros:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/11/resenha-sonhos-despedacados-ellie-james.html
comentários(0)comente



Felipe Miranda 08/12/2014

Sonhos Despedaçados - Ellie James por Oh My Dog estol com Bigods
E o troféu de decepção do ano vai para...
Confuso, mal construído e, por vezes, sem sentido algum. Ellie James que me perdoe, Sonhos Despedaçados foi um erro. Vendê-lo como um suspense paranormal chega a ser um absurdo. Ambientada em Nova Orleans, a estória se passa em um momento em que as marcas do furacão Katrina ainda são visíveis na cidade. Ao término da leitura, eu me perguntei se o livro não seria mais um destroço dessa catástrofe natural. Ainda considerei a hipótese da tradução ter desvalorizado a obra, mas não, não acredito que tenha sido isso.

Aos 16 anos Trinity não sabe absolutamente nada sobre os pais. Não existem lembranças ou histórias de que se lembre. Não há se quer uma fotografia. Ela tinha apenas dois anos de idade quando eles morreram em um acidente de carro. Bem, essa é a versão que ela conhece. Agora ela mora com a tia Sara em Nova Orleans.

Já nos primeiros capítulos Trinity está em uma casa mal assombrada jogando verdade ou desafio com um grupo de jovens que fez amizade no novo colégio. Percebem o potencial disso tornar-se algo incrível dentro do que o livro se propõe? A expectativa começa alta e não é correspondida desde já. Jéssica, a patricinha popular acaba de levar um pé na bunda do desejado Chase e resolve se vingar de Trinity, possível causa do rompimento do casal. A brincadeira é uma armação.

A cota de paranormalidade da história fica por conta das premonições de nossa protagonista. Ela tem visões de coisas que irão acontecer em breve, coisas ruins, mórbidas. Na casa mal assombrada ela tem uma visão de Jéssica morta e isso passa a perturbá-la. Não que seja algo habitual de Trinity, é uma novidade para ela. Um dom, ou maldição, que a cidade despertou. Algo que estava adormecido. Uma espécie de herança.

Quando Jéssica desaparece a história toma um rumo novo. Chase acredita que se trata de mais um jogo de sua ex-amada. Já a polícia não descansará até achá-la. Trinity, coitada, passa a ter sonhos em que enxerga a garota implorando por sua ajuda. A cada visão uma pista nova é detectada. Dá pra acreditar que ela procura a polícia a cada sonho desse? Não tarda para as autoridades enxergarem-na como suspeita. Ou louca. Ou ambas as coisas. Um homem com uma faca passa a persegui-la. É, isso poderia funcionar como algo assustador mas é tudo tão mal conectado que só aumenta a taxa de rejeição da história.

No meio disso tudo, Chase e Trinity se aproximam e passam a compartilhar intimidades. Outro ponto negativo da história. Preferiria que Chase tivesse sumido. Imaginem um personagem chato... Pronto? Agora multipliquem por 100. Aí está ele. Sem sal, sem graça e dispensável. A porcentagem de coisas legais aumenta quando tia Sara resolve contar algumas verdades para Trinity. Revelações sobre os pais da garota e sobre o dom premonitório. O que acontece após isso rende alguns capítulos legais.

Sobre o desfecho? Considerei positivo diante de tudo que li.
Sonhos Despedaçados é uma trilogia que não farei questão de acompanhar.

site: http://www.ohmydogestolcombigods.blogspot.com.br/2014/11/resenha-sonhos-despedacados-ellie-james.html
comentários(0)comente



RUDY 18/01/2015

RESUMO SINÓPTICO
Trinity Monsour foi morar com a tia em Nova Orleans após à morte da avó que a criou. Seus pais morreram enquanto ela ainda era criança e quase não tem lembrança deles, nem ao menos fotos...



Tudo que queria era ter uma vida normal porque desde criança tem visões e para quem está nelas, sempre é tarde demais. Não entende bem sobre sua vida e seu passado.



Na nova escola procura fazer amizades e acaba se interessando por Chase, ex-namorado de Jéssica, a garota mais popular da escola.



Jéssica, Amber, Chase e Drew,levam Trinity e resolvem jogar Verdade ou Desafio em uma casa abandonada. E Jéssica acaba desaparecendo de forma ‘mágica’. Trinity começa a ter visões de Jéssica e tenta fazer de tudo para encontrá-la, entretanto, a polícia, os pais de Jéssica e alguns colegas maldosos acreditam que ela seja a pessoa responsável pelo desaparecimento.



No decorrer dos dias, Trinity começa a conhecer um pouco mais sobre seu passado e de seus pais, o porque do dom da visão e tenta desesperadamente encontrar Jéssica com vida...

site: http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2015/01/resenha-07-sonhos-despedacados-ellie.html
comentários(0)comente



Greice Negrini 20/01/2015

Uma história sem um fim!
Trinity está com 16 anos e precisou voltar para Nova Orleans após o falecimento de sua avó. Agora mora com sua tia, pois desde quando era apenas um bebê seus pais se envolveram em um grave acidente que a deixaram órfã. A questão é que Trinity não se sente nem um pouco feliz por estar naquele lugar e principalmente por estar em uma nova escola com pessoas que não são nada agradáveis.

Trinity tinha certos problemas que uma adolescente normal também tinha, porém algo nada normal acontecia com ela. Tinha visões em forma de sonhos em que via acontecimentos, fatos meio desconexos que geralmente se concretizavam logo depois, mas que ela mesma não conseguia juntar as peças até que tudo ocorresse. Sua avó sempre dissera para que ela escondesse isso de todos para que ninguém a considerasse maluca e ela isso que ela fazia.

Estar em Nova Orleans era triste, principalmente após o Katrina, que destruiu parte da cidade e muitas pessoas haviam ido embora e milhares de locais estavam abandonados. E foi em um dos locais abandonados que foi com alguns amigos e amigas. Nesta casa havia uma lenda de que um crime havia ocorrido e tudo permanecia vivo por ali.

Chase e sua namorada Jessica, Bethany, Pitre, Amber, Drew e Trinity estavam vasculhando o local. Todos, menos a nova garota da cidade havia ido até lá alguma vez. Quando chegaram a um quarto, o que encontraram foi o sinal de algo muito estranho. De repente tudo mudou. Com uma aposta boba, tudo ficou escuro, todos começaram a correr e Trinity caiu em uma emboscada que não passaria de uma brincadeira boba.

A partir daquele dia, o sumiço de uma das pessoas que estavam entre o grupo culminou em um pesadelo. Ninguém sabia exatamente o que havia acontecido, já que tudo havia sido uma armação. Mas Trinity começou a ter sonhos cada vez mais frequentes e sensações aterradoras do que poderia estar acontecendo de verdade e quando seu desejo era se tornar uma ajuda, acaba se tornando a maior suspeita.

Mais do que isso, quando começa a pesquisar sobre seu passado, descobre que seus sonhos podem ter uma justificativa: estava mesmo louca ou seria algo genético? O tempo começa a se esgotar.

O que falo sobre o livro?

Para início desta parte crítica vou começar com um ponto positivo deste livro que foi a capa. Adorei a iniciativa da Novo Conceito em introduzir uma capa mais real para esta história que como é narrada em Nova Orleans na época da tragédia do Katrina, dá uma sensação de perda e isolação. A libélula que consta na capa e nas outras que coloco acima que foram utilizadas em outros países, é algo como uma pista para alguns dos segredos da história e foi estratégico não a terem tirado da capa.

Quando eu vi que a Novo Conceito havia publicado Sonhos Despedaçados e colocado à venda na Livraria Saraiva já fiquei animada. Fiquei pensando em quando receberia meu exemplar de parceria e a chamada abaixo do título "Em algum momento eu teria que dormir", me instigava que a leitura iria levar a algum suspense emocional, um thriller de tirar o fôlego ou algo assim.
Bem, foi no máximo um fraco suspiro o que me causou.

O primeiro capítulo consegue capturar totalmente a atenção. A narrativa dos amigos indo para um local abandonado, com a descrição do caos deixado por toda aquela água que invadiu Nova Orleans e a mistura de escuridão, medo e pânico levam você a imaginar cenas de tensão. E é o ponto central da história, já que é ali que tudo vai começar e que geralmente você pode imaginar que um grupo de adolescentes tentando se aventurar em um local assim não termina muito bem, ao menos em filmes de terror. Terminei o primeiro capítulo já querendo correr para os seguintes.

Então é onde tudo começa a se perder. No momento você tem um suspense sobre algo em uma mão e de outro você começa a ver algo sobrenatural misturado a algo que envolve pouco do contexto real do primeiro capítulo, para a autora poder dar gancho ao passado da personagem principal.

Se você decorar estas falas:
- Deus!
- Não!
Bem, você vai ter decorado 70% das falas do livro. Não é besteira minha, mas essas duas palavras são usadas tão repetidas que cheguei a cansar.

A história é como se você realmente estivesse em Nova Orleans em meio ás águas do Katrina, você sobe e desce na história e seu estômago certamente vai te enjoar em diversas páginas. Em um momento eu estava em um ponto central e em outro a autora me colocava do outro lado da cidade sem um ponto de ligação e fiquei imaginando que estava dentro de um tornado.

O que gostei foi a forma como ela descreve a realidade da cidade com a tragédia. Isso me fez pesquisar um pouco mais sobre, mas foi só. Os personagens são pouco explorados, mas o sobrenatural é, mesmo que de forma tortuosa, bem elaborado.

Agora, quando chega-se ao resultado final, a tragédia realmente fica completa! É como que se para o livro ficar melhor você devesse arrancar as últimas páginas e não ver o resultado. Nunca vou entender como a autora conseguiu estruturar uma história completa e no final terminar como se eu estivesse em outro livro com outras pessoas. É neste ponto que deduzi que ela própria despedaçou seus sonhos em ter publicado esta obra da forma que o fez.


site: www.amigasemulheres.com
comentários(0)comente



Psychobooks 07/02/2015

Classificado com 3,5 estrelas

Enredo
Trinity é uma jovem de 16 anos que perdeu os pais muito cedo, quando ela ainda era bebê. A morte deles ainda é um mistério para ela, que só sabe que eles morreram em um acidente de carro. Depois que ficou orfã, ela teve que morar com sua tia Sara, em Nova Orleans, uma cidade do interior dos Estados Unidos. Na nova escola, ela ainda tem poucos amigos amigos, porém se vê muito próxima de Chase, garoto mais popular da escola que namora a também popular Jéssica, líder de torcida. Eles dividem a bancada na aula de química e ela, sem nunca ter namorado antes, não sabe se o que sente por ele é amor ou amizade.

Uma noite, no início do ano letivo, Jéssica, Chase e mais alguns amigos resolvem fazer um jogo de verdade ou desafio dentro de uma propriedade abandonada que tem fama por ser assombrada. Como a cidade ainda se recupera da passagem do furacão Katrina, muitas propriedades foram dizimadas, mas essa continuou intacta, misteriosamente. É durante o jogo que coisas estranhas acontecem com Trinity. Ela começa a ver pessoas e sinais que ninguém mais consegue enxergar. Depois de uma brincadeira de mal gosto feita por Jéssica e suas amigas para envergonhá-la, ela decide nunca mais confiar em Chase, que a levou até essa situação.

Porém, no dia seguinte, Jéssica desaparece misteriosamente e Trinity começa a ter sonhos que podem indicar seu paradeiro. Neles, a cheerleader implora por socorro, dentro da mansão asombrada. Ela então partirá em uma jornada para encontrá-la mas, ao mesmo tempo, acaba descobrindo muito sobre o seu passado e o mistério que ronda a sua família.

Narrativa
Todo o livro é narrado em primeira pessoa, pela visão da protagonista. A autora tem uma escrita muito gostosa e ágil, focando mais nas cenas de ação e nos diálogos. As descrições da cena são bem dosadas e diluídas ao longo dos parágrafos, o que não torna a leitura enfadonha ou arrastada.

Gostei da maneira como o elemento paranormal foi utilizado na história. Claro que, como essa é uma temática muito abordada na ficção, o livro tende para o clichê várias vezes, sendo até mesmo previsível em muitos momentos. As cenas não trazem grandes elementos surpresa, mesmo quando se tem grandes pontos de tensão na narrativa, como quando Trinity descobre o segredo por trás da morte de seus pais ou quando se tem o desfecho do sequestro de Jéssica. Não se deve esperar um grande boom ou uma grande reviravolta na história.

O desenvolvimento do romance também ficou bom, na medida certa, sem interferir demais no plot principal. As histórias em paralelo são curtas e rapidamente resolvidas, dando maior ênfase para a principal, o que ficou interessante no texto.

Personagens
Trinity é uma protagonista que aprende a ser destemida à medida que as coisas acontecem em sua vida. A ausência de seus pais não lhe faz grande peso, pois ela sequer se lembra deles, tendo sido criada por seus avós. Ela é aquele tipo de garota que só quer ser mais uma na multidão, sem se destacar ou ser conhecida. Seus dons, no entanto, a levam para outro caminho.

O grande destaque do livro foi Chase. Ele carrega um segredo consigo e, ao lado de Trinity, conseguirá buscar respostas às perguntas que sempre o rodeavam. Sua construção mescla o típico mocinho dos romances de escola americanos com o herói que sempre salva a protagonista do perigo. Formará com ela um par romântico que enfrentará alguns altos e baixos.

A tia de Trinity, Sara, também tem uma forte importância no enredo, apesar de só aparecer mais na história nos capítulos finais.

Suspense paranormal
Mesmo este livro sendo classificado como Terror, existem poucos elementos desse gênero presentes na narrativa. O foco maior é no sequestro de Jéssica, o que faz do livro um suspense, e na paranormalidade de Trinity, o que o faz um paranormal, uma vez que esta será usada para se obter pistas do crime.

No geral, eu sou uma pessoa que dificilmente sente medo em livros com essa temática. Com esse não foi diferente. As cenas iniciais na casa assombrada criam uma boa atmosfera de temor, mas no decorrer da narrativa ela se dissipa, salvo por uma cena ou outra.

Considerações
Este é mais um livro para se ler sem pretensões. Indicado para quem gosta de suspenses leves e de histórias envolvendo jovens paranormais. Consegui terminar em uma tarde, pela leitura ser rápida e ágil. Tirando os clichês e a falta de profundidade em alguns momentos, gostei da leitura e continuarei lendo essa trilogia.

"- Mentiras não protegem. (...) Mentiras destroem."
Página 113

"Gritos.
Terror.
No mínimo, o terror estaria lá."
Página 176

site: http://www.psychobooks.com.br/2014/10/resenha-sonhos-despedacados.html
comentários(0)comente



29 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2