A Escolhida

A Escolhida Amanda Ághata Costa




Resenhas - A Escolhida


61 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Jhonatan A. 31/05/2016

Mais mortes para exterminar o vazio.
Não começarei a falar da trama, e sim, começarei me tratando da capa. Que obra-prima! A personagem caminhando pelo bosque, com aquele tom de sépia que nos remete a um sentimento... solidão. Perfeita referência a protagonista. Assim que é Ari: sozinha. Tem como opção não se misturar e possui lá os seus motivos, mas que é muito particular. Com sua tecla de escape na caça, Ari é matadora assídua. Ari mata para de sentir viva.

Eu preciso de mais mortes para me sentir completa. Mais mortes para exterminar o vazio. Nunca é o suficiente.


Por possuir um passado desagradável – o abandono dos pais precisamente – Ari passa a vagar, sem rumo, cada vez mais fria e evitando sentimentos bons. Apesar de tudo é capturada por feiticeiros e levada ao Circulo para ser apresentada ao mestre, Egran.

Ari é mais um ser peculiar em Lostcity. No meio de lobisomens, fadas, vampiros, feiticeiros, banidos e demônios, Ari se destaca por sua origem. Fruto da relação de anjo e demônio, ela é uma híbrida e isso a torna diferente. Logo que Egran percebeu já quis ela em seu meio.

Agora pertencendo ao Circulo, sua vida se torna um mistério. Precisa tanto obedecer as ordens de seu mestre, descobrir sua origem e tentar entender a ligação que teve com um de seus captores, Luke. Ficava claro que era uma coisa forte, que poderia salvá-la como também destruí-la.

Com o passar das páginas, a ansiedade de terminar a leitura só cresce, mas a vontade de terminá-lo é inversamente proporcional. Houve vezes que, lendo no metrô, desembarquei na estação errada e foi necessário voltar. A escolhida faz isso conosco, Ari usa seu encanto e nos hipnotiza firmando-nos na leitura.

Amanda foi generosa na criação do cenário e personagens, não economizou em criatividade pra surpreender-nos. Já havia dito para ela que aguardo ansioso pelo lançamento de A Subestimada, segundo livro da trilogia. Sou muito suspeito para falar dela, até porque é uma excelente pessoa.

site: http://clicheimperial.blogspot.com.br/2016/05/resenha-escolhida-amanda-aghata-costa.html
comentários(0)comente



Lilian 16/05/2016

Me envolveu completamente, cheio de mistérios e romance!
A primeira impressão que tive desse livro é que seria algo que me envolvesse completamente, cheio de mistérios e romance. Não errei, logicamente, pois essa foi uma leitura e tanto!

Temos como personagem principal Ari, ou Ariali como ela descobre posteriormente. A história dela não é nada bonita, ela fora abandonada pelos pais ainda pequena e cresceu sendo desprezada por todos ao seu redor, sendo a aberração que todos queriam ficar longe. Não pela sua aparência, contrariamente, Ari é quase um anjo, literalmente. Mas porque todos sentiam que ela era a personificação de algo extremamente ruim.

Quando digo quase literalmente quero dizer que ela, de fato, é descendente de anjos, possui alguns dons que são característicos deles, como seduzir/hipnotizar uma pessoa para que ela ceda aos seus desejos. Ariali usa isso para buscar suas presas e matar, um vício que ela odeia, mas infelizmente necessita.

Por ser um anjo, supostamente Ari deveria ter lindas asas, mas a cada assassinado elas definhavam e caíam. Por este motivo as asas dela estavam quase desaparecendo, sem vida. Um indício de que ela realmente não foi uma boa menina.

Por ser desprezada a vida toda, Ari criou uma defesa dentro dela e extinguiu quaisquer sentimentos que pudesse ter, como amor, carinho, compaixão ou piedade. Ela se considera uma rocha, fria e dura. Mas sua rotina muda drasticamente ao ser surpreendida por dois rapazes, Edlun e Luke. Ari logo de cara não se dá bem com Edlun e eles acabam lutando, quando ela é tocada por Luke e algo acontece. Mas o quê, exatamente? Ele é um ser misterioso e lindo.

Ela é levada contra a sua vontade para o Círculo. Aparentemente suas técnicas de matança seriam úteis para o mestre, Egran. E Ari é obrigada a ficar por conta de um feitiço que lhe é colocado que, caso ela descumpra, será morta imediatamente. Posteriormente descobrimos que os rapazes eram, na verdade, feiticeiros. E não para por aí, nos deparamos também com demônios, uma hierarquia entre anjos, feiticeiros e até fadas!

A partir daí somos mergulhados nesse mundo e Ari cada vez descobre um pouco mais de seu passado e a medida que ela descobre, acaba também vendo que nada é o que parece. Perigos encontram-se em cada canto e a morte lhe persegue. O que é irônico, já que antes ela se considerava a própria morte.

Também acompanhamos o desenrolar do romance entre Luke e Ari. Vemos o tanto que eles lutam contra isso, já que é proibido relações entre seres de espécies diferentes, mas algo ligado pelo destino não consegue se manter separado por muito tempo. É realmente envolvente e tocante.

Sempre fui muito fã de romances fantásticos, então sou suspeita para dizer que adorei cada pedacinho dessa história e estou ansiando pela continuação. Luke é meu novo amor, admito.

Quanto as partes técnicas, devo dizer que em certos pontos achei que a autora desenvolveu a história rápido demais, por vezes fiquei perdida nos acontecimentos, principalmente no início do livro quando tudo desenrolou-se em um dia só! Mas apesar disso foi plenamente possível entender o que se passava depois. A autora foi nos dando pedacinhos do passado para entendermos o presente e as dúvidas de Ari, então realmente gostei, me deixou envolvida.

Outra coisa que senti falta foi de um clímax. Pelo que vi a história transcorreu mais sobre Ari descobrindo sobre si, suas incertezas, perigos que a envolvia e sobre a descoberta de seu lado sentimental, a descoberta de que pessoas são mais do que alvos para assassinar, ela descobrindo o amor. Mas o auge talvez tenha passado despercebido para mim. Novamente digo que isso não foi um ponto negativo, ainda assim que senti presa na história do início ao fim, mas como leitora crítica devo mencionar esse ponto.

Quanto a diagramação digo que adorei, os inícios de capítulos tinham uma arte linda e detalhes que caíram bem para a história. Além disso todo o texto estava muito bem formatado e sem erros de gramática.

A narrativa da autora também foi perfeita, soube bem descrever cenas, sentimentos, lugares e os diálogos então, mais que perfeitos! Se eu fosse separar cada quote lindo das cenas, talvez transcreveria todo o livro aqui! Por fim, a capa combinou perfeitamente com a história, deu um ar de mistério que ficou tudo a ver, adorei, mais um ponto positivo.

Realmente adorei a história, cheia de mistérios, romances, aprendizados, reviravoltas, ação e amizade acima de tudo. Se quiser fugir de sua realidade e mergulhar nesse mundo fantástico, essa realmente é a melhor escolha, um livro mágico com personagens melhores ainda! Super recomendo e espero ansiosamente para a continuação, que nós do blog possamos ter a oportunidade de acompanhar o desfecho dessa saga!

site: http://www.leitorasvorazes.com.br/2016/05/resenha-37-escolhida.html
Amanda Ághata Costa 31/05/2016minha estante
Amei sua resenha, Lilian! Muito obrigada




Arca Literária 06/04/2016

resenha disponivel em http://www.arcaliteraria.com.br/a-escolhida-amanda-aghata-costa/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/a-escolhida-amanda-aghata-costa/
comentários(0)comente



Ge 26/01/2016

Muitos aqui viram o post de primeiras impressões que eu fiz do livro a um tempo atrás (http://montesualivraria.wix.com/blog#!Primeiras-impressões-do-livro-A-Escolhida-de-Amanda-A-Costa/c1w9k/55e35a590cf2de902a791165) e lá eu disse tudo que senti no inicio da leitura, mas eu preciso dizer um coisa muito séria a vocês. Se eu senti aquilo no começo do livro, vocês não fazem ideia do que eu senti ao continuar a lê-lo, é sério pessoal, eu nunca me surpreendi tanto com um livro como neste, é incrível, é muito mesmo. Minha nossa, essa resenha vai ser impossível!

Nem preciso dizer o quanto eu sou incondicionalmente apaixonada nesta capa não é? Se eu encontrasse a menina da capa por ai, casava com ela, porque ela é muito linda e a combinação de cores no estilo outono traz um ar de solidão, de tristeza, bem a cara da Ari mesmo, quem lê a história com certeza percebe o quanto a capa faz jus ao livro e o quanto a personagem é idêntica à garota da capa, percebemos isso apenas olhando, dá para ver os sentimentos que as duas exalam.

Bom, a história, minha nossa senhora dos livros perdidos, quando iniciei o livro eu jamais poderia imaginar o que estava por vir, sempre ouvia por ai dezenas de elogios a autora e sua obra, mas sinceramente? Agora que terminei de ler sei que nenhum destes elogios ditos é capaz de expressar o que foi lido nestas linhas.

O enredo conta a história de uma jovem hibrida que não sabe nada sobre seu passado e muito menos sobre seu futuro, abandonada quando ainda era um bebê, Ari cresceu e viveu totalmente sozinha, mesmo tendo sido adotada por uma adorável senhora.
Como sede de poder, de vingança e uma fome insaciável por mortes, sempre usava seu arco para caçar inocentes, o que acabava lhe fazendo muito mal, apesar do bem que sempre sentia após um assassinato.

Quando Edlun e Luke a encontra num dia simples de caça, sua vida toda vira de cabeça para baixo. Convocada Evan, mestre dos feiticeiros, ela se vê obrigada a responder e a partir dai passar a ter que levar uma vida em meio ao circulo, onde moram centenas de feiticeiros e onde é totalmente indesejada.

Sem saber o que se esconde em seu passado, Ariali precisa descobrir seus segredos e viver seus maiores temores, assim como uma paixão indesejada e totalmente proibida. 
é, sem dúvida alguma este livro me prendeu, quem lê a sinopse já se apaixona de cara, com esta capa magnífica também, quem não vai querer esta obra? (coitado de quem não querer), vai estar perdendo um dos melhores nacionais já escritos a muito tempo.

Amanda tem uma escrita rebuscada, mas que consegue ser simples ao mesmo tempo. De fácil compreensão, com palavras que sem dúvida acrescem nosso vocabulário e nos deixa maravilhado.

Uma fantasia épica, é sim, ÉPICA! A autora consegue nos transmitir várias lições em sua história e nos mostra que todos temos o bem e o mal dentro de nós, apenas devemos saber trata-los e qual queremos para nós. Afinal, Ari é o verdadeiro Anjo Negro, aquela heroína nada comum, que no fim, mesmo fazendo o mal acaba de alguma forma ajudando a quem precisa (até mesmo sem saber).

É intrigante ver como uma história como esta nos prende tão facilmente. Um livro excepcionalmente diferente de uma maneira muito boa, claro, sem deixar um minuto se quer de ser apaixonante! 

Para quem ama seres de espécies distintas, vai amar A Escolhida, para quem ama fantasia, também vai e principalmente para aquele que a o desconhecido, o que é novo e o que é único. Pois é isto que ele é ÚNICO!


site: montesualivraria.wix.com/blog
comentários(0)comente



Nath 13/01/2016

Resenha para o blog Pobre Leitora
Ari é uma jovem bela e doce mas só na aparência. Na realidade, ela é uma caçadora infalível e insaciável, que ocupa seus dias com uma morte atrás da outra, mortes essas que são o ponto máximo de cada dia, são o êxtase completo. Abandonada pelos pais quando ainda era pequena e adotada por uma alma caridosa, Ari não sabe direito porque é assim, só sabe que o desejo de matar a controla e que o demônio dentro de si sobrepuja o anjo.
Tudo corria bem em mais um dia de caça quando dois caras aparecem e dominam Ari, levando-a a contragosto para o círculo, lugar onde vivem os feiticeiros de Lostcity e que é comandado por Egran, um homem cruel e egoísta que está de olho nos dons de Ari. A vida de Ari muda drasticamente após esse dia, com ela tendo que servir ao caprichos do mestre e tendo que viver no meio do grupo de feiticeiros. Mas o que parecia o fim do mundo para Ari acaba se tornando um recomeço, uma nova vida que parece ser muito melhor que a antiga. Ari irá descobrir suas origens, irá descobrir o que realmente é e o mais importante, irá descobrir os sentimentos.
Tenho que dizer que acabei de ler o livro e posso estar um pouco alterada nesta resenha porque eu simplesmente AMEI a história!
A Escolhida é o primeiro livro da trilogia de mesmo nome da autora Amanda Ághata e no momento presto uma reverência a autora. Fui pega de jeito, não tem como negar.
A escrita da Amanda é totalmente envolvente, dinâmica e apaixonante. Você lê e não vê o tempo passar, a única coisa que quer é mais e mais. A história é criativa, tendo os clichês básicos e necessários que caíram muito bem no meio de tudo. Tem romance, tem ação, tem mistério e tem sobrenatural. Eu não poderia pedir mais nada.

Os personagens são muito bem construídos e com personalidades bem marcantes. Ari, nossa protagonista, é uma menina moldada pelas consequências dos atos de seus pais sem nem mesmo saber disso. Ter sido abandonada, não saber de onde veio ou quem é, não saber porque tem tais instintos assassinos dentro de si a transformou numa pessoa fechada, reprimida, solitária, triste, conformada com a situação e ao mesmo tempo desejosa de algo mais em sua vida. E mesmo tendo passado por tantas coisas ruins Ari é muito forte e muito determinada. De sua teimosia nem comento: ela salta das páginas e nos faz querer dar uns sacodes na personagem. Em alguns momentos Ari me pareceu se vitimizar muito mas isso é compreensível, claro. Toda sua desconfiança e inexperiência com as coisas da vida tem motivo, o que nos faz compreende-la e simpatizar com a mesma. Minha vontade era tê-la como amiga, mesmo com todos os seus problemas.
Luke é apaixonante. Se a Ari não quisesse ficar com ele, eu queria! É um cara bom, íntegro e forte. Bonito, charmoso, inteligente, divertido... Ok, to babando no personagem aqui hahaha Ele consegue fazer desabrochar um lado de Ari que nem ela sabia que existia, ajuda-a a se transformar na pessoa que ela realmente é por dentro e é muito bom acompanhar isso. As cenas dos dois são de tirar o fôlego e arrancar suspiros, seja pelas brigas ou pelas reconciliações.
Vincy, Egran e Anabelle são outras personagens que ganharam meu coração. (mesmo Egran sendo do mal e me irritando muito).
O começo do livro pode ser um pouco confuso, para mim pelo menos foi. É um mundo diferente, um ser diferente e não há muitas explicações logo de cara, o que é compreensível já que nem a própria Ari sabe sobre sua vida. Mas de qualquer forma, quando você se acostuma com o enredo tudo fica perfeito. Conforme eu lia fui me vendo cada vez mais presa a história, e não foram poucas as vezes em que desejei entrar no livro pra poder fazer alguma coisa. A autora conseguiu trabalhar muito bem com os sentimentos dos personagens e com os meus.

Quanto a edição tenho que falar que sou apaixonada por essa capa! É uma das mais lindas da minha estante e acho que tem tudo a ver com a história. Infelizmente encontrei vários errinhos, um ou outro que me incomodou muito, mas nada que não dê para relevar. A diagramação é muito boa e nunca tinha lido um livro com uma qualidade de folha tão boa, é bem grossa e amarelada.

Em resumo e para finalizar, a história é criativa e muito bem escrita, e a cada nova coisa que você descobre sobre Ari e sobre o círculo, mais você quer saber. É um livro muito apaixonante. Não vejo a hora da Amanda lançar o segundo volume, é uma coisa que eu estou necessitando muito mesmo, preciso saber como essa história continua, socorro!

site: http://pobreleitora.blogspot.com.br/2015/07/resenha-escolhida-amanda-aghata-costa.html
comentários(0)comente



jeeeh.carool 08/01/2016

Resenha Love Book S2
Esse livro é incrível gente! A Ari é apaixonante e o Luke... ai meu Deus o que falar dele hehe tem vários personagens que te dão um sentimento de bipolaridade, porque ao mesmo tempo você consegue amar e odiar eles.
Em muitos momentos me identifiquei com a Ari o que fez eu me apaixonar ainda mais nela.


A Escolhida conta a estória de Ari, uma jovem que foi abandonada por seus pais na infância e ainda guarda uma magoa muito grande em seu coração, mesmo tendo recebido amor e carinho de Lina, não foi suficiente para tampar o buraco que ela sente em seu peito.
Ari não é uma jovem comum, ela é metade anjo e metade demônio, ela tem asas como um anjo mas a cada vida tirada parte de suas asas caem.
Depois de algum tempo Ari foi levada para o Circulo (uma comunidade de feiticeiros liderada por Egran) pelo Edlun que é um tanto metido e arrogante e também por Luke que alem de misterioso tem um certo charme. Ari não queria ir para o Circulo, ajudar e muito menos ser controlada por ninguém mas sabia que era mais fraca que Edlun e Luke juntos então decide ir.
Após sua chegada no Circulo, Ari conhece o tão famoso "líder" Egran que propõe para Ari que se ela for obediente, ela ira revelar coisas sobre o passado dela, mesmo ela não gostando dessa ideia de se manter pressa ela decide ficar para poder obter respostas sobre o seu passado.
O que Ari não imagina é que o Circulo esconde muitas coisas, que somente o tempo pode mostrar á ela e que seu coração não é tão duro como ela imagina que seja.
Com uma escrita cativante a Amanda te prende desde a primeira linha ate a ultima te fazendo enlouquecer querendo o segundo livro da trilogia!

site: http://www.lovebooks2.com.br/2016/01/resenha-escolhida-amanda-aghata.html
comentários(0)comente



Suzane Cruz 18/12/2015

Ari é uma jovem que foi abandonada por seus pais e viveu por muito tempo nas ruas, amargurada com sua história e seu destino, aprendendo a se virar sozinha. Até ser acolhida e cuidada com amor e carinho por Lina. Mas todo amor recebido não foi o suficiente para acalmar seu coração, Ari continuava praticando aquilo que lhe dava mais prazer na vida: tirar a vida dos outros. É impressionante a narrativa da personagem, detalhando como seduzia e hipnotizava suas presas para em seguida derramar-lhes o sangue que a deixava "viva".

Ari é metade anjo e metade demônio, fruto de um romance proibido, e a cada vida que ela tirava parte se suas asas caiam, a deixando quase escassas. Mas isso não a impedia, a mágoa e o rancor eram maiores e seu lado sombrio vencia com larga vantagem.

Até que um dia Ari foi levada por dois homens desconhecidos: o arrogante Edlun e o misterioso Luke. Eles a levam para um lugar chamado Círculo que eram uma espécie de comunidade de Feiticeiros. Ari não entendia porque estava ali, e de forma alguma queria estar naquele lugar, mas o líder deles, Egran, tinha planos para ela.

Egran é um líder impiedoso e cruel, que manipula o Círculo impondo medo ao invés de respeito, e esse ser odioso sabia mais de Ari do que ela mesma. E foi dessa forma que ele a obrigou a permanecer no Círculo sob suas ordens, com promessas de revelações sobre sua história se ela fosse comportada e obediente. Mesmo sendo indomável, Ari resolve ficar para obter as respostas que tanto deseja, mas ela não seria tão fiel quanto Egran imaginava...

Muita coisa acontece e o Círculo se torna um lugar de grandes mudanças para Ari, seu coração duro e imune a qualquer sentimento começa a se render a amizade e ao amor. O misterioso Luke se revela um grande cara que irá amolecer o coração de Ari. Mas não será tão fácil assim, Ari não sabe lidar com os novos sentimentos e por medo foge deles. Apesar de o romance deles ser fofo aconteciam muitas briguinhas bobas, por ciúmes, por falta de compreensão e coisas do tipo... ok, é normal! Mas quando se torna recorrente acaba ficando cansativo...

Mas algo que eu amei no livro foi a amizade de Ari com as meninas do Círculo que se unem para tirar Egran do poder (talvez as ações me encantem mais que os romances, hihi). Elas juntas formam planos para encontrar algo secreto que aparentemente derrotaria o líder carrasco, tudo é feito com o máximo de sigilo e planejado e eu estou louca para ver o desfecho disso... "UÉ SUZANE, MAS VOCÊ NÃO SABE O DESFECHO?!" Não, caros terráqueos, a autora fez um final cruel, deixando os leitores com água na boca pelo próximo livro.

A Escolhida é o primeiro volume de uma trilogia, e quem acompanha a autora nas redes sociais já sabe que ela está fazendo um final de arrancar os cabelos. E a autora acabou de ser contratada pela Editora Arwen (que também é nossa parceira), muito feliz por essa conquista linda

site: http://memoriasdeumaleitoraa.blogspot.com.br/2015/08/resenha-escolhida-amanda-aghata-costa.html
comentários(0)comente



Juliana Garcez 08/12/2015

A Escolhida
"A Escolhida" é uma obra nacional escrita por Amanda Ághata Costa. O livro pertence ao gênero romance fantástico, possui 452 páginas e foi publicado em 2015 pela Editora Arwen. Este é o primeiro título da trilogia escrita pela autora.

Nesse primeiro volume, conhecemos Ariali, uma garota abandonada e desprezada pelos pais ainda criança. Ari sente profunda mágoa em relação a isso e cultivou esse sentimento por boa parte de sua vida.

Ariali fez das ruas o seu lar e muitas vezes era vista pela sociedade como aberração. Com feições delicadas, ninguém poderia supor quem Ari é e o que gosta de fazer... Ari é um anjo com sede de sangue, sempre disposta a ceifar novas vítimas.

A história começa a se desenvolver quando nossa protagonista écapturada por dois feiticeiros e levada para o círculo, lugar onde eles vivem sob a liderança de Egran, um homem cruel que não mede esforços para conseguir o que quer.

Acredito que uma das coisas mais difíceis ao se escrever uma resenha de um livro do qual se gostou muito é colocar em palavras a intensidade desse sentimento. Tarefa árdua esta a que me proponho cumprir.

Narrado em primeira pessoa, conseguimos conhecer Ariali muito bem. Com personalidade forte e marcante, é com certeza uma personagem que consegue seu cantinho no coração do leitor. Determinada e corajosa, Ariali é uma bela metáfora de que ninguém é perfeito e que ninguém é totalmente bom e nem totalmente mau.

Apesar da narrativa em primeira pessoa, é possível obter um panorama dos demais acontecimentos e personagens. Achei incrível a maneira que a autora construiu sua escrita, a fim de criar esse efeito admirador, visto que até mesmo as personagens secundárias são bem construídas. Além disso, vale ressaltar quão bem desenvolvida é a comunidade que a autora criou.

Gostei muito da escrita de Amanda. A história prende o leitor do início ao fim.
Ao final, ficam algumas pontas soltas que creio (e espero) que serão resolvidas ao longo da trilogia.

Enfim, espero que tenham conseguido entender quão envolvente essa obra é. Nunca tinha lido romance fantástico e adorei a experiência. Estou muito ansiosa pela leitura dos próximos volumes!

Recomendo a obra a todos que acreditam no poder do amor. Aquele amor capaz de mudar até uma "alma de pedra" como a da Ariali. E a todos os fãs de literatura nacional.

site: http://www.livroseflores.com/2015/12/resenha-escolhida-amanda-agatha-costa.html
comentários(0)comente



Ka Veloso 30/10/2015

Resenha | A Escolhida
Uma assassina. Um feiticeiro.
Um amor destinado a dar errado.

Lostcity abriga vampiros, lobisomens, fadas e outros seres sobrenaturais, entre eles Ari, uma garota que foi abandonada por seus pais quando ainda bebê, e no presente, com seus 18 anos, não sabe nada sobre sua espécie, pois além de uma beleza estonteante e asas, que perdem suas penas a cada dia, não tem nada de muito angelical.

Durante uma de suas emboscadas, a jovem que era literalmente o predador, se torna a presa, e tem que aceitar seguir dois desconhecidos a fim de descobrir por quais motivos um poderoso feiticeiro solicita a sua presença.


"O caminho mais fácil é aquele que força alguém a ir contra os seus princípios" – Ari

site: http://veiasliterarias.blogspot.com.br/search/label/Resenha
comentários(0)comente



Micheline 22/09/2015

Uma princesa chamada Amanda Ágatha Costa
Não-resenha" da série "dia do pijama" - 1 Parte. A Escolhida, da princesa Amanda Ághata Costa.

site: https://www.facebook.com/amasuprema/videos/1484880478479736/
comentários(0)comente



Renata 12/09/2015

Resenha - A Escolhida
Ariali poderia ser apenas mais uma garota comum, uma simples cidadã de Lostcity, não fosse por dois fatores: 1. Ela tem asas, muito pequenas e que não possibilitam o voo, mas as possui e 2. Mata pessoas para saborear os últimos instantes da existência delas, a única forma que encontrou de sentir algo. Não sabe quem são seus pais e desde pequena viveu nas ruas até, quando criança, ser acolhida por Lina, uma mulher afável e generosa, que sempre acreditou que Ari seria, sim, capaz de experimentar as emoções.

Já com 18 anos, e vivendo sozinha novamente, sua rotina muda de uma maneira drástica quando, em um dia normal, dois jovens a abordam. Eles se apresentam como Luke e Edlun, integrantes do Círculo, uma espécie de lugar restrito à comunidade bruxa de Lostcity. Os dois a convocam para conhecer o mestre deles, o líder do Círculo, que possui assuntos a tratar com Ari, uma vez que já havia ouvido falar da sua fama de impiedosa. A garota não gosta de como os garotos soam, superiores e arrogantes, porém se vê compelida a ir encontrar com o grande mago.

Ao longo da viagem pelo meio da floresta, Ari acaba descobrindo que não consegue influenciar nenhum deles a fazer o que deseja com o seu talento especial e também sobre os poderes de ambos Edlun e Luke; o primeiro pode entrar na mente das pessoas e o último, descobrir coisas sobre o passado de alguém com apenas um toque, o que acaba acontecendo com ela por acaso, durante a caminhada. Ela insiste em saber o que o mago viu, mas o garoto não cede e se nega a lhe contar.

Logo que chega ao Círculo, esbarra em uma garota ruiva, que lhe dá uma recepção nada amigável. Ariali, entretanto, não está preocupada com a menina. Foi até o lugar para encontrar com o Mestre e, como pretende sair de lá o mais cedo possível, é para o escritório dele que se dirige, assim que o caminho lhe é indicado. Sem delongas, o mago se apresenta como Egran, e propõe uma troca: irá lhe dizer o que sabe sobre os pais de Ari, se ela concordar em fazer alguns serviços para ele, tarefas essas que envolvem assassinatos e não fazer perguntas.

Confira o resto em:
http://lucyintheskywithbooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-escolhida.html

site: http://lucyintheskywithbooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-escolhida.html
comentários(0)comente



Andresa 25/08/2015

Amei!
Ariali é uma menina que foi abandonada pelos pais quando ainda era um bebê. Acolhida por Lina, Ari (seu apelido) teve uma infância e um desenvolvimento muito difícil. Por ser metade anjo, metade demônio, ela possui asas que despertam a curiosidade das pessoas. Além disso, existe algo nela que a faz ser temida. Apesar de todos os esforços de Lina para tentar fazer Ari se socializar, ela não consegue se aproximar de ninguém.
Em meio a tanto sofrimento, Ari tornou-se uma rocha, uma pessoa fria e sem sentimentos. Assim, o seu lado demônio sempre falou mais alto. Sua sede de poder e de sangue é enorme e, com apenas 18 anos, ela carrega vários assassinatos nas costas.
Certo dia, ela é interceptada por dois feiticeiros que, por ordem de Egran, devem levá-la até o Círculo. Egran é o líder dos feiticeiros e o Círculo é a morada deles. Todos o obedecem sem pestanejar, por puro temor. Ciente dos dotes de Ari, Egran arma para que ela o ajude a concretizar certos planos e fazer alguns serviços para ele. Em troca, ela terá o que mais deseja: respostas sobre quem é, sobre seus pais e seu passado sombrio.
Ariali é uma personagem completamente diferente de todas as outras que já encontrei, mesmo as mais duronas! Ela simplesmente não é uma mocinha convencional. Não precisa ser salva, não é frágil, delicada, sensível. Muito pelo contrário. Embora tenha aparência angelical, derivada de sua origem, uma parte dela, a mais obscura, é a que vem à tona. Ela não segue regras e não se preocupa com as pessoas, o que a faz bloquear qualquer tipo de sentimento. Sem respostas sobre quem é e o que veio fazer no mundo, Ari é completamente ressentida com seus pais, que a abandonaram.
Confesso que não simpatizei em nada com a personagem, sempre tão agressiva e sorrateira. Ela tem respostas atravessadas na ponta da língua sempre, em qualquer situação, e muitas vezes me deixava irritada com sua pretensão, rs. Quando Egran a rapta para que ela trabalhe para ele, Ari vê uma pontinha de esperança em obter informações sobre seu passado que finalmente vão poder esclarecer quem ela é de verdade. Enquanto vive no Círculo, ela é forçada a conviver com outros feiticeiros. Dentre eles, está Luke, um rapaz (perfeito!) com um enorme coração, que passa a acompanhá-la em sua rotina e em suas missões. A ligação entre eles é estranha e, ao mesmo tempo, inevitável, intensa, e logo Luke passa a agir como seu protetor.
Ari também tem que dividir um quarto no Círculo com Vincy, irmã de Luke, uma garota dona de uma personalidade bem peculiar. Divertida, histérica e teimosa, à princípio as duas se odeiam. No entanto, Vincy também tem um coração muito bom, e faz com que Ari integre seu círculo de amizades depois de muita relutância.
Luke e Vincy também tem um histórico semelhante ao de Ari: uma vida sofrida, sem os pais, o que acaba os unindo. Eles serão os principais responsáveis por transpassar os muros que Ari construiu em volta de si. É muito gostoso ver a transformação da personagem, a forma como ela, aos poucos, começa a abrir as portas do seu coração, se permitindo finalmente sentir. A autora a trabalhou de uma forma genial e é aí que entendemos o motivo de Ari ser do jeito que é. A batalha interna dela, de combater o bem com o mal, é visível. Podemos sentir seus altos e baixos, suas indecisões e medos vindo à superfície. Eu nem tenho palavras suficientes para descrever o quanto gostei desse livro! A cada página em que li um trecho que gostava, fazia uma marcação. Quando terminei, tomei um susto: foram 72 quotes preferidas, um super recorde (até mostrei no Instagram)! Geralmente marco umas 15 passagens que me agradaram, então, só por isso, vocês podem entender o nível do meu sentimento por "A Escolhida".
O personagem que mais amei foi Luke e acho que ele se tornou minha paixão literária atual, rs. Ele é simplesmente um amor! Sempre preocupado em ajudar Ari e mantê-la à salvo, em trazer a melhor parte dela para fora e fazê-la enterrar seus demônios, Luke é simplesmente um mocinho perfeito! No entanto, todos os outros são muito, muito bem construídos. A personalidade deles transborda das páginas. Ari, com sua agressividade e sua dualidade. Luke, com sua benevolência e bom caráter. Egran, com sua prepotência e excentricidade. Vincy, com sua teimosia e afetuosidade... O livro e os personagens conseguiram me despertar muitos sentimentos... Embora o início seja meio confuso, pois estamos adentrando um terreno desconhecido e os diálogos ainda não se encaixam bem na nossa cabeça, a história é muito original, bem escrita e tem uma carga emocional muito grande. Entre cada fala, cada pensamento dos personagens, existem mensagens e filosofias que nos fazem repousar o livro e ficar refletindo por horas, sabe? Certos trechos são poesia pura. Chorei, ri e torci muito durante a leitura! O mais legal de se observar é que, mesmo em meio a tantas criaturas (feiticeiros, anjos, demônios, fadas, lobisomens...) e a tantas situações de vida ou morte, os personagens são... apenas jovens! Sim, desses que se preocupam com o amor, a aparência, em se divertir em festas, fofocar sobre meninos no quarto. Essa mistura de algo tão rotineiro mesclado com o sobrenatural ficou muito interessante! A única coisa de que senti mais falta foi ver Ari em mais missões envolvendo o Círculo. No entanto, como é uma trilogia, creio que ainda há muito mais por vir, o que aguardo ansiosa!

site: http://www.umdiamelivro.com.br/2015/08/livro-escolhida-amanda-aghata-costa.html
comentários(0)comente



Anny Martins 22/08/2015

Resenha do livro A Escolhida - Blog Meu Pequeno Vício
Esse livro é perfeito. P-E-R-F-E-I-T-O! ❤
Eu acho que o que mais chama atenção no livro é o fato de que a protogonista não é nem um pouco comum. E eu adorei demais a Ari por ela não ser como a maioria das outras protagonistas. Ela é muito mais do que uma simples personagem que fica a espera de alguém para salvá-la, ela é forte o suficiente para sobreviver sozinha. A escrita da Amanda é tão boa que te transporta para o mundo da Ari de uma maneira que fica impossível parar de ler o livro. Enquanto eu lia o livro, eu ficava me perguntando porque eu demorei tanto para ler ele. Eu passei a história toda me surpreendendo com o que ia acontecendo, eu que sempre desconfio de tudo, fui surpreendida bastante por A Escolhida. Ahh, outra coisa que me fez perder noites de sonho enquanto lia o livro foi o Luke ,*suspiros*. O Luke já está na minha lista de personagens que eu queria muito que fossem reais. Impossível não se apaixonar por ele. Além dele, vários outros personagens me conquistaram, como a Vincy e a Tyla. Da mesma maneira que alguns personagens me fizeram morrer de raiva, como o Egran, líder do círculo. Uma coisa que eu amei no livro foi a junção de vários tipos de personagens que eu tanto amo, como anjos, feiticeiros e vampiros - apesar de que em A Escolhida eu não senti tanta afeição por eles quanto eu costumo sentir...
Eu estou mais do que ansiosa pela a continuação de A Escolhida.

Acesse o blog para ler os trechos que eu achei mais marcante no livro *--*


site: http://meupequenovicioo.blogspot.com.br/2015/08/resenha-livro-escolhida-da-autora.html
comentários(0)comente



Daia 10/08/2015

Fantasia e Romance
A Escolhida é o primeiro livro da Amanda Ághata Costa. A personagem principal é Ari, uma garota forte que não acredita em amor, criou um muro em volta de si em uma forma de se proteger.

Sua vida começa a mudar quando é sequestrada por Egran, líder dos feiticeiros e é levada pro círculo. A convivência com os feiticeiros começa a arruinar seu muro, o motivo principal é Luke um feiticeiro que mexe com seu coração e aos poucos a transforma em outra pessoa, uma pessoa boa.

Já faz tempo que abri minha mente para outros gêneros além de Nicholas Sparks e Julia Quinn e embarquei na fantasia. No começo foram os livros da "moda", Saga Crepúsculo, Harry Potter e The Vampire Diaries depois, fiquei surpresa com o talento de escritores no wattpad e que estão ganhando espaço como O Penhasco e A Herdeira. Posso dizer que passei a gostar desse gênero.

A Escolhida mistura fantasia, romance, vampiros, fadas, lobisomens além de anjos e demônios( os pais da Ari) mas sem perder o foco. A estória é leve ao mesmo tempo intensa, a evolução da Amanda e o jeito que os personagens te prende do começo ao fim é viciante. Recomendo

site: http://omliteratura.blogspot.com.br/2015/07/a-escolhida-amanda-aghata-costa.html
comentários(0)comente



Quel 09/08/2015

As vezes quem machuca é o que fica machucado.


Em " A Escolhida " conhecemos Ari, uma menina de aparência angelical, mas que apesar da sua incrível beleza impõe medo nas pessoas por ser incomum. Após ter sido abandonada pelos os pais, uma mulher chamada Lana passa a criá-la, dando-lhe o carinho que merece, porém devido a sua infância ter sido traumática e pela falta de socialização, acabou se tornando fria, deixando que sua natureza mais obscura tomasse conta se si. 



A meninha cresce e começa a seguir por um caminho sem volta, passando por cima de quem esta a sua frente, fazendo de sua beleza uma arma mortal, sem ao menos ter um vislumbre se sentir sentimentos que a levem ao arrependimento por acometer atos maldosos. Mas, sua vida a certo ponto a leva ao inimaginável quando em meio a seu caminho é surpreendida por dois misteriosos rapazes que a guiam para um lugar chamado círculo. 

?A verdade é que, no início, caçar era uma forma exclusiva de entretenimento. Eu me sentia bem ao conseguir realizar algo sem falhar no meio do processo. O sangue me aquecia, me tornava menos frívola e consequentemente preenchia os meus espaços vazios.?

Círculo é uma pequena comunidade comandada por um homem chamado Egran, que utiliza seu poder para que os habitantes obedeçam suas ordens visando satisfazer seus interesses pessoais. Infelizmente, com Ari não é diferente e apesar dela não suportar se curvar para ninguém decidi ficar na comunidade por estar curiosa a respeito dos moradores, e a sobre a sua própria história que pode ser descoberta se ficar e mostrar que faz parte do círculo, pois muitos moradores parecem saber algo sobre sua história. 


E é justamente nesta comunidade que Ari irá sentir emoções antes desconhecidas por não se permitir se dar uma chance, e rodeada de amigos é apresentada ao maior dos sentimentos, o amor. Com ele, enfim começa a se sentir viva e a perceber os simples detalhes da vida que perdeu por ter si tornando uma mulher fria e solitária

" Ninguém nunca me olhou assim tão profundamente. Em muitos anos, ninguém nunca me quis por perto, ao menos.? 

? Quando comecei a ler este livro, pensei por várias vezes em abandonar, como dizer por aí " Meu santo não bateu " com o da personagem Ari. Ela é muito fria, e algumas vezes me vi chocada as cenas relatadas, e até mesmo com os próprios pensamentos, mas fiquei muito feliz no fim da leitura por ter visto que eu fui até o fim e não desisti, até porque eu teria perdido a chance de conhecer uma grande história, e principalmente a oportunidade de ver que Ari é um ser humano apesar de muito incomum, ela é capaz sentir sentimentos fortes e arrebatadores, e o que eu mais gostei foi que ela se entregou ao amor, apesar de relutar, e isso foi lindo. Tenho que parabenizar Amanda por ser maravilhosa, por ter imaginado e posto a escrever e da a cara á tapa lançado o livro de maneira independente, e por hoje estar colhendo os frutos de sua força e determinação. E é lógico que eu recomendo a história para quem adora um bom romance, um drama ou fantasia. 
comentários(0)comente



61 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5