A Playlist da Minha Vida

A Playlist da Minha Vida Leila Sales




Resenhas - A Playlist da Minha Vida


24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Queria Estar Lendo 21/10/2015

Resenha: A Playlist da Minha Vida
Hoje a resenha de A Playlist da Minha Vida é patrocinada pelo blog Um papo Entre Páginas, já que foi no top comentarista dele que eu ganhei o livro. Mas brincadeiras a parte, esse foi um livro que eu quis muito assim que vi pela primeira vez, depois não quis mais, ai tive medo de ler e odiar e finalmente, quando li, não quis mais que parasse.

A Elise sempre foi uma garota estranha e rejeitada e isso geralmente faz as pessoas correrem dos livros porque todo mundo já cansou daquela síndrome de patinho feio que é tão inerente a YA's sobrenaturais como Crepúsculo, Fallen, Hush Hush entre vários outros que estouraram uns anos atrás.

Mas a Leila deu vida a Elise de um jeito que é um sacrilégio tentar encaixar ela no meio daquelas outras protagonistas patinho feio. A Leila viaja pela vida da Elise, traçando os momentos definitivos que tornaram ela a "menina estranha", seus esforços para mudar seu status e, no fim, sua aceitação. A forma com a qual ela abraça o seu mundo e descobre que todos são estranhos a sua própria forma.

A Elise é bem viva e identificável, os problemas pelos quais ela passa e a forma com que ela encara eles, mesmo que você não concorde, você compreende e é possível se ver na angústia dela. Porque a verdade sobre os personagens como a Elise é que eles são uma junção de todas as angústias adolescentes com as quais todos podem simpatizar e empatizar.

"Todos nós sempre queremos coisas que não são boas para a gente."

Outro ponto super positivo é que a Leila não tentou fazer a vida da Elise, de repente, funcionar completamente. As coisas não mudam do nada e os relacionamentos entre os personagens se complicam cada vez mais, se desdobrando em problemas e soluções, mostrando que a vida não tem soluções mágicas, não é um conto de fadas, mas pode ser ótima sim.

A Elise tem aptidão para a música e foi tão magoada que acha que vive uma fantasia sempre que ela vai pra balada. A Start é uma balada que acontece apenas as quintas-feiras e é um mundo encantado onde a Elise é legal, onde as pessoas gostam das mesmas coisas que ela e ela acaba magoando algumas pessoas para conseguir essas horas semanais de terapia.

Ela vive um mundo só dela que, a principio parece perfeito, mas no fim das contas não é. É só um lugar melhor do que "a vida real" porque é um lugar onde ela se permite ser mais, onde ela é quem quer ser, sem medo de ser julgada e hostilizada pelos colegas de classe. Lá ninguém acha ela estranha porque ela domina essa estranheza e não tem medo dela.

"As vezes temos aqueles dias em que tudo dá errado. Mas, às vezes, alguma coisa pode dar certo da maneira mais inesperada possível."

Ponto extremamente positivo para os relacionamentos dentro desse livro, que é um dos pontos principais. Eles não são fáceis e nem mágicos, por mais que ela queira acreditar, tanto os familiares como os românticos.

Adorei a forma como a leila criou o romance entre o Charming e a Elise, ele foi tão necessário para que ela crescesse. As inseguranças que ela teve com o Char e quanto mais ela conhecia ele, mais ela descobria a si mesma. Eu realmente gostei desse romance pouco convencional, amei como a Leila conduziu ele e amei que ele fugiu daquele senso comum garoto-mais-que-perfeito-se-apaixona-pela-patinho-feio-e-ela-descobre-que-na-verdade-é-linda.

Porque a Elise não descobre que é linda, ela descobre que é interessante. Ela descobre que é boa em algo, ela descobre que não há problema em ser inteligente, ela descobre que pode fazer amigos e construir uma vida.

Eu amei descobrir tudo isso junto dela, eu amei como ela passou da fase "preciso mudar pra me amarem" para "preciso me amar para me amarem". Porque esse não é um livro sobre como uma garota se apaixonou por um garoto, é um livro sobre como uma garota se apaixonou pela vida. Sobre como aparência não é nada e sobre como nós podemos nos enganar tanto com as pessoas.

"As pessoas são o que são. Não importa o quanto você tente, é impossível transforma-las naquilo que você quer que elas sejam."

Também é um livro que fala sobre cyberbullying, sobre depressão e sobre como crianças podem ser cruéis sem nem mesmo entender o que estão fazendo; sobre como existe uma diferença entre ser zoado e ser humilhado, sobre as cicatrizes que isso deixa e as cosias das quais abrimos mão para não nos fazerem sentir daquela forma de novo.

"Encostei a cabeça na janela chorei. Isso parece fraqueza? Você faria melhor? Ótimo. Vai nessa. Manda ver. Mas o que você não entende é o seguinte: quando você é detonada sem dó nem piedade, dia após dia, sem descanso, ano após ano, às vezes a única coisa que resta é a capacidade de chorar."

Foi um livro verdadeiramente tocante que fez com que eu agradecesse a Leila no final e ficasse esperando a Globo Livros trazer Tonight The Streets Are Ours. Porque eu realmente quero ver quais outras garotas maravilhosas ela tem na manga.

Só leiam, ok? Leiam e venham comentar comigo porque eu vou amar ficar falando horas com vocês sobre isso.
comentários(0)comente



Fernanda 24/09/2014

Resenha: A Playlist da minha Vida
Resenha: Pense em um livro que te surpreende desde o começo e que emociona por muitas razões. A playlist da minha vida é esse tipo de leitura, que garante vários momentos de empolgação e tantos outros sentimentos contraditórios. O que mais me encantou e que me fez ficar tão surpresa não foi nem o romance em si, mas a superação de uma personagem que tinha tudo para desmoronar, mas que aos poucos consegue dar a volta por cima.



CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/09/resenha-playlist-da-minha-vida-leila.html
Milena 30/09/2014minha estante
Nossa esse livro parece ser ótimo, bastante emocionante, estou doida pra ler!


Ray 01/10/2014minha estante
Adoro personagens que acabamos dando nada por eles , que se parecem fracos e no final acabam nos surpreendendo no final, é muito triste saber que a personagem sofreu bullying, pois eu também já passei por isso e é muito horrível, gostei muito da resenha, quero muito ler o livro.


Beth 03/10/2014minha estante
Gostei muito do que li aqui. espero poder ler logo. Quero conhecer mais desse livro.


Gabi l Vai um spoiler aí? 11/10/2014minha estante
Esse livro, realmente não se trata sobre nada do que eu achei que tratava. É muito mais profundo e sensível e eu estou louca pra lê-lo.


Amanda 15/10/2014minha estante
gostei muito do livro, me surpreendeu muito mas mudaria algumas coisas no final :/


Suzana 20/10/2014minha estante
Ainda não li o livro, mas através da resenha, me interessei bastante!!


Sara 17/09/2015minha estante
Li em pdf. Mas acho que nao estava completo. O final é mesmo daquele jeito? Ela convida o cara pra sair e ponto final?!


Naty 17/12/2015minha estante
Sara, eu li em PDF também, e depois que comprei o livro, percebi que tem mais uma folha.
Não acaba daquele jeito não, apesar do que, o que tem a mais é bem pouquinho;


Mari 08/07/2016minha estante
Gostei da protagonista. Ela é apenas uma garota de dezesseis anos e cheia de preocupações bem cabíveis a sua idade, mas mostrou muita maturidade na questão de seu relacionamento com Char, não foi melosa e também não houve uma paixão instantânea como geralmente ocorre nesse tipo de livros. Elise também tem um gosto musical incrível. Só acredito que o processo de amadurecimento dela no livro poderia ter sido mais bem feito, me pareceu repentino, quando após algumas explicações tudo pareceu tão óbvio e certo para ela. E também, a cena em que ela briga na casa da mãe dela por ter estragado o trabalho da irmã, naquele momento não curti a atitude da mãe pois a Elise já tinha tentado se matar e mostrou claramente como estava com baixa autoestima e depressiva então acredito que o apoio da mãe e do pai deveria ter sido num caminho de conversar com a garota sobre seus problemas.




Luana Sampaio 31/10/2016

Músicas de "A Playlist da Minha Vida"
Para quem, assim como eu, ficou curiosíssima para ouvir as músicas.
"Get me away from here, I'm dying" - Belle & Sebastian
"A quick one, while he's away" - Who
"It's the end of the world as we know it (and I feel fine) - R.E.M
"Chapel of love" - Elton John
"Born slippy" - Underworld
"Love will tear us apart" - New Order
"Young folks" - The Kooks
"This must be the place" - Talking Heads
"Quarter to three" - Bruce Springsteen
"Come on Eileen" - Dexys Midnight Runners
"Sweet dreams (are made of this) - Eurythmics
"Whoo! Alright - Yeah... Uh-huh" - The Rupture
"La familia" - Mirah
"Bad reputation" - Joan Jett
"Temptation" - New Order
"Age of consent" - New Order
"A letter to Elise" - The Cure
"How soon is now?" - The Smiths
"Mr. E's beautiful blues" - Eels
"Walking on sunshine" - Katrina & The Waves
"All my friends" - LCD Soundsystem
"Baba O'Riley" - The Who
"I saw her in the anti-war demonstration" - Jens Lekman
"Panic" - The Smiths
"Lives in bars" - Cat Power
"Once in a lifetime" - Wolfsheim
"Mis-shapes" - Pulp
"You! Me! Dancing!" - Los Campesinos!
"You can't always get what you want" - The Rolling Stones
"Teenage kicks" - Undertones
"Cammon people" - Pulp
"We are your friends" - Justice vs Simian


Luke 19/01/2015

Cansativo, mas com uma linda lição
Elise é uma menina solitária. Não tem amigos, a convivência com os pais é distante e sentimentos fortes de depressão atormenta seu interior. Até que um dia ela tentar pôr um fim nisso, mas o suicídio é mal sucedido. Tudo em sua vida muda após esse acontecimento, desde da convivência com os pais até o próprio entendimento de Elise.

Então todas as noites na casa de sua mãe ela anda sem nenhum trajeto final, até se cansar. Até que um dia encontra-se com Pippa e Vicky, duas meninas que mais para frente serão amigas de Elise e mostrará um novo mundo para ela. Elas apresentam a Start, um lugar num galpão escondido, mas é o point do bairro. Elise conhece Char, o dj e terá uma nova paixão, a picapes. Ela terá uma nova visão do mundo, de amizade e acima de tudo, dela mesma.

Quando comecei a leitura desse livro me identifiquei um pouco com Elise. Na escola eu fazia parte do grupo dos "invisíveis", mas não me sentia tão mal assim, era mais um lugar de conforto para ninguém me ver ou apontar para mim sobre algo que fizesse. Elise, infelizmente não. Sua obsessão de ter amigos e que as pessoas gostem dela é grande. É compreensível o motivo de sua depressão? Lógico, quem não ficaria depressivo se não tivesse amigos e sentisse que ninguém gosta de você? Porém, alguns momentos ela exagera e perde até um pouco o sentido.

A história é narrada pelo ponto de vista de Elise, ali conhecemos então seus pensamentos e sua história. A trama começa de maneira bem devagar, por exageros da personagens de maneira constante. Na metade para o final a história já conhece envolver e a leitura se torna agradável e o leitor consegue entrar na história.

Os personagens secundários têm grande importância para o livro. Pippa e Vicky serão responsáveis de mostrar um novo mundo para Elise. Char, o dj que um sentimento por ele brotará é responsável de mostrá-la que alguém pode gostar e achá-la bonita. A música sempre foi presente na vida dela, por causa do pai que é membro de uma banda há muito tempo, mas a música se fundirá com o dom que Elise conhecerá, de ser dj. A danceteria Start tornará como um porto seguro e um lugar que pode ser ela mesma.

A escrita de Leila se perde em alguns momentos e faz com que a narrativa fique um pouco enfadonha, mas consegue voltar ao caminho certo e a história consegue ganhar um ritmo mais rápido. Ela poderia fazer com que a personagem amadurecesse um pouco antes do momento que ela realmente amadureceu, fez com que uma grande parte da história a personagem ficasse melodramática um bom tempo, e num clique ela entendeu as situações da vida.

Um livro com uma lição bem consistente e perceptível, fez com que o livro ganhasse um brilho e mostrar para o leitor que alguns males vem para o bem e que é necessário acontecer para aprendermos algo. Recomendo, mas quando comecei a lê-lo fiquei com altas expectativas, foi o que me decepcionei um pouco.


site: http://eucontodepois.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Carol 16/07/2017

Recomendo esse livro, sem dúvidas!
Se você não é popular na escola, não ligue, possivelmente Elise Dembowski deve ser menos popular ainda. Cansada de tudo isso, Elise decide mudar a sua vida, fica as férias inteira aprendendo a ser uma “adolescente normal”, mas uma coisa ela não consegue mudar: Seu gosto musical.

Mas apesar de tentar tudo para ter amigos, não consegue nenhum sucesso e faz algo radical em sua vida e seus pais acabam limitando a garota. Todos as noites, depois que todos iam dormir, Elise decide caminhar pelas ruas próximas de sua casa pra sentir um pouco mais liberdade e é assim que ela conhece a Start (melhor club underground da cidade) e lá ela encontra a felicidade, amigos e até mesmo o seu primeiro interesse amoroso.

“– E o que você tem? Talento ou problemas?
Parei por um momento e pensei a respeito.
— Os dois — eu disse finalmente.”

Gente! Imagina um livro que você não dá nada no começo e depois acaba se apegando tanto na história que não dá mais para parar até saber o que irá acontecer com a protagonista. Bom, foi isso que aconteceu comigo enquanto lia A playlist da minha vida, escrito por Leila Sales e publicado pela editora Globo.
Narrado em primeira pessoa, conseguimos ver como Elise se sente, em como ela vai evoluindo no decorrer da estória e como são as pessoas ao seu redor, fazendo com que nos apaixonamos por alguns personagens e odiando outros.
Os personagens são bem variados, tem aqueles populares do colégio que precisa realizar bullying para se sentir superior, aqueles que são excluídos, aquelas amigas extrovertidas… Fazendo com que a estória torne-se mais realista, mostrando que existe diversas pessoas no mundo.

Acredito que todo mundo já se sentiu perdida e excluída, pelo menos uma vez na vida, mas com Elise isso acontece desde sempre, ninguém se interessava por ela, todos a ignoravam-a. E foi graças a música que ela pode se sentir viva, com amigos e sendo feliz. Eu amo quando um livro tem música em seu tema, porque para mim música é essencial, tanto para quem compõe, canta ou escuta. Música pode mudar pensamentos, vidas… Acredite, música pode fazer isso sim e foi isso que o livro mostra, a aceitação, a mudança depois de encontrar a sua paixão.

site: http://uniaodefandoms.com/?p=595
Daiana 22/08/2017minha estante
undefined




Consumindo Sagas 22/10/2014

Prepare os lenços e sua playlist
Eu realmente gostei muito da protagonista Elise ela cresceu muito deis de o começo do livro e notamos esse amadurecimento em suas decisões conforme o desenrolar da história. Um dos pontos fortes de " Playlist " é sua originalidade. Não consigo me lembrar qual foi o último livro que eu li, que eu simplesmente não sabia o que viria no próximo capítulo e isso foi muito empolgante.

comente no blog e concorra a um exemplar!!

site: http://lumenseries.blogspot.com.br/2014/10/resenha-playlist-da-minha-vida.html
comentários(0)comente



Iris Figueiredo 28/09/2016

Coloque os fones de ouvido e leia
Elise é esquisita. Sua inteligência e sarcasmo não são qualidades apreciadas no Ensino Médio e por mais que ela tente, não consegue fazer amigos ou escapar do bullying que sofre na escola. Ela faz tudo que está ao seu alcance para chamar atenção, mas um dia desiste e resolve tentar morrer, sem sucesso. Sozinha, ela começa a fazer caminhadas durante a madrugada para espairecer. Por acaso esbarra em uma casa noturna, uma festa incrível, com pessoas que parecem gostar dela e um ambiente onde se sente em casa. Há música, muita música, e nada parece mais perfeito que isso.

“A Playlist da minha vida” é um livro incrível. Leila Sales consegue trazer temas muito complicados como bullying e suicídio de forma leve, mas intensa. É possível entender o peso de todas essas coisas na vida da protagonista e das pessoas que a cercam.

Esse é um romance de formação. Mostra a jornada de amadurecimento de Elise com uma trilha sonora incrível e seus momentos de autodescoberta. A personagem passa, ao longo do livro, por várias etapas e situações que a fazem crescer e perceber que tem que bastar por si própria e encontrar o que a faz feliz, sem se preocupar com o que os outros acham que importa.

Amo a família de Elise, tão diferente do convencional. Seus pais são divorciados, mas tanto o pai quanto a mãe possuem uma presença muito grande na vida dela, especialmente por compartilharem a guarda da personagem. Ela tem irmãos do segundo casamento da mãe, que por acaso é uma mulher engajada em diversas causas e sempre ensinou a filha a buscar ser quem é. Apesar de serem liberais, seus pais impõem limites e a relação deles não é absurda demais – só às vezes.

Uma das coisas mais legais é como Elise vai percebendo que sua visão das pessoas – especialmente de outras garotas – está errada e muitas vezes influenciada por puro preconceito. Ela vai descobrindo que existem diferentes formas de amizade e que as pessoas não são completamente más ou boas, que nem todo gesto tem uma justificativa, mas que outros podem agir de forma errada pensando fazer o certo. Ou seja: que o mundo é repleto de falhas, que nem sempre nos leem da forma correta, apesar de Elise saber ler a multidão como ninguém.

Li o livro sem saber muito bem sobre o que era e amei as subtramas e os núcleos da história, o desenvolvimento das personagens e tudo mais. É um Young Adult mais que recomendado e o “clima” dele me lembrou, ainda que vagamente, outro YA que gosto muito: “A música que mudou minha vida”. A escrita da Leila é deliciosa e o livro me fez rir e chorar.

site: http://irisfigueiredo.com.br
comentários(0)comente



Ingrid Micthell 27/03/2017

Resenha por- Mariene
Elise Dembowski tem 15 anos e é uma garota completamente solitária e deprimida: não tem amigos, sofre bullying e nem mesmo teve seu primeiro beijo. Ela acredita que sua inteligência, ou sua opinião formada sobre vários assuntos pode afastar as pessoas, quando ela decide tentar mudar o que ela realmente é pra tentar fazer amigos, ou simplesmente ter uma vida adolescente normal, algo em que se dedica arduamente. Depois de uma tentativa carregada de frustrações, a jovem planeja cometer suicídio. Porém ao se cortar com um estilete, ela foi capaz de perceber que não era exatamente isso que ela precisava.

“O que você chá que é preciso fazer pra se reinventar como uma pessoa totalmente nova, uma pessoa coerente, quee pertence a algum lugar? Você mudaria suas roupas, o seu cabelo, o seu rosto? Vá em frente então. Faça isso. Mesmo assim eles verão quem você é”

Meses após o ocorrido, Elise havia criado o hábito de andar pela cidade a noite, ouvindo as músicas de suas bandas preferidas pelas ruas escuras de Glendale. Em uma de suas saídas furtivas pela cidade durante a madrugada, ela conhece Victoria (ou apenas Vicky) uma jovem cantora com uma banda de Rock chamada “Dirty Countais”, e Pippa, uma garota inglesa criada em Manchester. A partir daí, Elise é apresentada a uma nova sensação para suas madrugadas de quinta feira: a Start era considerada a melhor balada underground do mundo. Os movimentos underground são aqueles voltados para os variados estilos de rock, o que fez Dembowski amar o lugar, já que ela odiava música pop.

Char é o DJ da Start há dois anos, com uma grande ambição do que a noite o poderia oferecer, conquistando o corações de garotas entre uma música e outra. Pippa sempre foi apaixonada por Char, mas a relação dos dois nunca passou de algo casual. Alguns dias depois de Pippa viajar para Manchester, Elise e Char se vêem atraídos um pelo outro. E muito além de beijos, os dois se comprometem com a música quando Elise assume uma posição como DJ e com a ajuda do garoto e suas horas praticando sozinha no quarto, se mostra muito talentosa.

Mas ao descobrir um diário na internet supostamente assinado por Dembowski em que ela expõe várias tristezas e mágoas, começam a surgir problemas: até mesmo o convite para ter sua grande noite como a DJ da cidade a fez perder seu relacionamento com Char e ela já não sabe mais se vale a pena tudo o que tem arriscado e não sabe mais se cumprirá todos os seus propósitos.

“Na escuridão da noite, aquilo fazia algum sentido. Lá estávamos nos, dois DJs, um ao lado do outro, compartilhando uma noite em que todas as músicas que tocávamos viravam ouro. Porém, na luz cortante da manhã, eu não conseguia entender mais nada. Ele já tinha quase vinte anos. Eu ainda estava no ensino médio. Ele era descolado, eu não”

O livro tem uma linguagem muito simples e divertida, fala diretamente ao leitor e expressa sua ideia de maneira espontânea. Apesar de ser uma leitura cansativa no início, demonstrou leveza no decorrer das páginas. Cada capítulo se inicia com referências musicais que narram os acontecimentos seguintes, mostrando que a autora é uma amante do bom e velho Rock'n Roll e tem uma coletânea respeitável. A personagem principal pode ter sido dramática em alguns momentos, mas se mostrou empolgante e soube expressar os sentimentos de forma nítida. A narrativa em primeira nos aproxima da história de maneira agradável.

Todos os personagens têm uma história própria, sendo citados detalhes de histórias segregadas, mas unidas por solidariedade. “A playlist da minha vida” apresenta um drama comum encontrado em diversos livros com um enredo previsível. Durante toda a leitura, a obra não conseguiu me prender mesmo me proporcionando algumas risadas. Nenhum personagem ascendeu na história, o que causou uma certa monotonia em uma história sintetizada, o que lhe assegurar três estrelas ao original “This song Will save your life”


site: https://resenhaatual.blogspot.com.br/2017/03/resenha-playlist-da-minha-vida-leia.html
comentários(0)comente



Mia 22/05/2016

A Playlist da Minha Vida
“Você acha que é fácil mudar o seu jeito de ser. Você acha que é fácil, mas não é. O que você acha que é preciso fazer para se reinventar como uma pessoa totalmente nova, uma pessoa coerente, que pertence a algum lugar?Você mudaria suas roupas, o seu cabelo, o seu rosto? Vá em frente então. Faça isso. Fure as orelhas, corte o cabelo, compre uma bolsa nova. Mesmo assim eles verão quem você é. “
É com essa narrativa envolvente que a Leila Sales nos apresenta a Elise, uma garota de pais separados, estudante e que tem um grande amor pela música. A Elise é uma típica estudante americana, numa típica escola americana onde há a garota loira e popular e o musculoso do time de futebol que rouba o lanche dos nerds.

Acontece que nossa Elise não é a garota mais popular da escola, não, ela é a menina esquisita, a que ninguém gosta ou suporta, a que fica sentada sozinha porque não é boa para ninguém.

Nossa protagonista sofre inúmeras maldades, até que, nas férias, decide que não vai mais passar por isso. Ela vai mudar. Infelizmente, essa mudança só levou a um problema bem maior e agora Elise terá que lidar com as más escolhas que fez. A forma que ela arruma para superar todos os problemas é escapando de casa à noite para dar umas caminhadas, e é numa dessas noites que ela encontra o lugar onde, pela primeira vez, se sente acolhida pelo ambiente e pelas pessoas.

Será essa a salvação de Elise? Será que ela finalmente poderá se aceitar?

Narrativa fluida, história bem elaborada, personagens bem construídos e temas sociais bem abordados para reflexão. Enfim, é um livro com uma bela lição e que não me decepcionou em nada. Traz algumas referências a músicas muito legais. (o que eu ameeei!!!). No começo de cada capítulo tem um quote de música que tem a ver com o momento que a Elise está vivenciando.


site: https://miaestanteliteraria.wordpress.com
comentários(0)comente



Maria.Fernanda 06/03/2018

Vou começar dizendo que no início a leitura foi bem complicada e que demorei quase 100 páginas para realmente me envolver com a história. Senti que a autora não soube abordar a questão do suicídio e acabou desmerecendo as pessoas que tem problema com isso (lembrando sempre que esta é a minha opinião).
.
O livro é narrado em primeira pessoa, ou seja, por Elise, uma personagem principal que eu não achei convincente no começo, mas a partir do meio do livro conseguia sentir certa empatia por ela. É incrível como pessoas alheias a nossa vida conseguem moldar nossas atitudes.
.
Os personagens secundários são bons, apesar de alguns terem me irritado profundamente, personagens como Vicky (que me fez gargalhar e chorar ao mesmo tempo) e o pai de Elise fizeram o livro ter um bom desfecho.
.
Esse livro me fez lembrar muito da minha época do ensino médio e de como existem algumas pessoas que parecem que nascem para infernizar a nossa vida, eu ri, chorei e senti aquela nostalgia dos tempos de adolescente.
.
Ganhou 3,5 porque me fez rir, chorar, e apesar da trilha sonora incrível (cada capítulo começa com um trecho de música diferente) tem muitos problemas que fazem o livro passar longe do perfeito.


site: https://www.instagram.com/formiguinhasliterarias/
comentários(0)comente



Naty 17/12/2015

Simplesmente eu amo.
Bem, eu simplesmente amo livros que de alguma forma fala sobre música, amo música e me empolgo com qualquer livro que fale sobre essa temática.
A Playlist da Minha vida, eu vi no skoob de uma amiga e fiquei realmente curiosa para ler, e não me decepcionei, é um livro lindo que dá vontade de estar sempre relendo.

“O que você acha que é preciso fazer para se reinventar como uma pessoa totalmente nova, uma pessoa coerente, que pertence a algum lugar? Você mudaria as suas roupas, o seu cabelo, o seu rosto? Vá em frente, então. Faça isso. Fure as orelhas, corte o cabelo, compre uma bolsa nova. Mesmo assim eles verão quem você é. Eles verão você, a menina que continua assustada, que continua fingindo ser esperta, que está sempre um passo atrás, que continua sendo – sempre – a errada. Mude o que quiser, mas isso você não pode mudar.
Eu sei disso por que eu tentei.”

Elise é uma adolescente que acaba de completar quinze anos e decide se reinventar, decide que vai mudar, que no próximo ano no colegial não vai mais ser a menina assustada, que não vai mais ser motivo de piadas e quem realmente vai ser enturmar. O que não dá certo, nem um pouco certo.

Isso faz com que Elise tome uma atitude drástica para pelo menos tentar ter uma amiga, o que acaba piorando mais ainda, um dia depois da escola, uma decisão estupida, uma ligação, tudo faz com que as coisas piorem.
Ela começa a fazer caminhadas durante a madrugada, apenas para esfriar a cabeça, para pensar na vida e é numa dessas caminhadas noturnas que Elise muda sua vida.
Ela topa, sem querer com uma balada numa quinta feira, em um lugar chamado Start, e é ali que ela descobre quem realmente é, que pode sim, ter amigas e que a vontade de aprender que ela tem, seu amor por desafios e sua inteligencia, junto com o gosto musical a levam a começar a aprender um pouco sobre ser DJ.

É interessante ver a mudança na vida dela, como ela tem um relacionamento com o DJ da balada, o Char que faz com que, acima de tudo, ela aprenda mais um pouco sobre ela mesma, que faz com que ela se descubra um pouco mais, mesmo que o relacionamento não seja perfeito, mas se mostra um aprendizado. As amigas que ela nunca imaginou ter ela encontra nessa balada, com pessoas completamente diferentes e que acabam se mostrando completamente iguais a ela.
É interessante ver como ela percebe que consegue ter amigos sim, como consegue se enturmar, como realmente podem e vão gostar da pessoa que ela realmente é.

Esse livro fala sobre o bullyng, sobre o cyberbullyng, sobre amizade, sobre aceitação, sobre reviravolta. Fala como os adolescentes podem ser cruéis e como as coisas podem levar um caminho diferente se termos escolhas diferentes. Fala sobre crescimento, amadurecimento.

É um livro gostoso de ler, com uma linguagem jovem, aquele livro que você lê super rápido e depois pensa: “Por que eu li tão rápido assim?”. É um livro que dá vontade de reler sempre (o que eu já estou fazendo).

Enfim, eu amo, e aconselho a você, a ler também. Elise com seu amadurecimento vai te emocionar, vai te frustrar, mas acima de tudo, você vai te ensinar.

“ Você acha que é fácil mudar quem você é. Você acha que é fácil, mas não é. Sério, as coisas não continuam as mesmas para sempre: sofás são substituídos, os garotos se vão, você descobre uma música, o seu corpo ganha cicatrizes que te acompanharão para sempre. E em cada um desses momentos você muda, várias e várias vezes, o seu verdadeiro eu se revira, muda de posição – mas sempre, no final, volta para você, como alguém numa pista de dança. Porque, durante todo esse processo, você ainda é – e sempre será – você: bonita e machucada, conhecida e irreconhecível. E ser assim – simplesmente quem você é – não é o suficiente?”

site: http://psicoticamenteleitor.blogspot.com.br/2015/12/resenha-playlist-da-minha-vida-leila.html
comentários(0)comente



Aline 23/09/2015

Decepção
O final do livro foi tão simples que fiquei com uma ressaca literária séria. Esperava mais.
comentários(0)comente



Simeia Silva 27/02/2016

Reflexivo
Profundo se você tiver sensibilidade e for uma manteiga derretida como eu sou :3 , sensível, triste e muito reflexivo. Um livro que conta a vida de uma garota de 6 anos que sofre bullying na escola, pena pra caramba, onde em muitos momentos se mostra uma garota fraca, que aceita tudo ( me deu raiva em alguns momentos até ) de tudo e de todos. Mas que no final da a volta por cima, encontra o seu caminho e prova para todos, principalmente para a sua família, que ela pode mais, que com o apoio deles ela pode e poderá fazer e ser o que ela quiser.

Os relatos são tristes em algumas ou várias passagens dos comentários de Elise, mas dei algumas risadas em algumas outras partes também. Muitas passagens te faz refletir muito, outras te deixa bem triste, e várias outras te faz lembrar das coisas que passou na escola, principalmente do bullying. É uma história que vai fundo e fala muito sobre essa agressão que é triste, que é assustadora, que nos deixa de cabelo em pé e torcendo todos os dias para que nossos filhos e outras pessoas queridas não passem também por isso. Suicídio ou a tentativa dele? Tem também nesse livro.

É uma história que foi contada de uma forma muito simples pela autora, mas que senti todos os sentimentos conflituosos junto com a personagem. Uma leitura rápida e que recomendo. Vai ficar morando na minha estante pra sempre com certeza

site: www.adorkable.com.br
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nat 28/07/2016

Elise Dembowski é uma adolescente comum. Não é popular, não tem amigos, só se sente bem no mundo das músicas que escuta em seu Ipod. Ela tenta se encaixar de todas as formas, e quando não consegue, decide se matar. Felizmente, a tentativa dá errado. Seus pais, que são separados, ficam loucos com isso. Uma noite, em uma de suas caminhadas, ela acaba indo parar na boate Start, onde conhece Pipa e Vicky, um DJ chamado Char e o segurança Mel. A partir desse momento, Elise consegue ver uma luz no fim do túnel. Sua paixão por música a leva a conhecer mais essas pessoas, com as quais a menina sente segura e não precisa mostrar o lado que seus colegas de escola conhecem. Mas uma falsa Elise começa a perturbar sua vida com relatos muito pessoais e perturbadores.

Eu esperava um chick lit quando peguei esse livro pra ler. Não é nada disso. A temática, de primeira parece leve, principalmente por tratar de música, mas a medida que se vai lendo, percebe-se que a autora utiliza uma linguagem leve para falar de assuntos bem atuais como o bullying e suas conseqüências. Claro que ela fala bastante de música também, e isso que eu achei legal. Elise é como tantas outras garotas da idade dela, e ao utilizar seus medos e inseguranças como pano de fundo para falar sobre o bullying, mesmo não sendo uma forma inédita de expressar o tema, chama atenção por causa da maneira carismática que a autora utiliza. Outro ponto alto: cada capítulo tem como título trechos de músicas que combinam com o que se vai falar nas páginas seguintes. Recomendo.

site: http://ofantasticomundodaleitura.blogspot.com.br/2016/07/a-playlist-da-minha-vida-leila-sales-rc.html
comentários(0)comente



24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2