100 Dias de Felicidade

100 Dias de Felicidade Fausto Brizzi




Resenhas - 100 Dias de Felicidade


20 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Raffafust 02/11/2014

Demorei mais do que o meu normal para ler esse livro, e tem uma explicação. O livro me destruiu. Quem já teve ou tem algum parente querido que tenha sofrido com essa terrível doença chamada câncer com certeza sabe do que falo. O livro começa com Lucio Battistini já nos avisando que ele tem a doença e chama o tumor de Fritz.
Voltando a antes da descoberta de sua doença ele nos conta como conheceu sua linda esposa Paola, o como tiverem dois filhos lindos e o como qualquer marido que seja imbecil a traiu sem motivos.
Cria-se aí com o leitor uma relação de amor e ódio com o personagem, na verdade de ódio e pena. Paola não o perdoa ao saber da traição e eu muito menos, se em algum minuto a esposa devota pensou " Me traiu? Que morra então..." a vontade foi atendida rapidamente.
Professor em uma academia ele sente os sintomas mas não dá atenção e acha que é algo passageiro. Ao saber do que se trata vê que o mais importante é o perdão de Paola que com pena deixe que ele volte a viver em sua casa com as crianças. Nota -se aí que o autor ao mesmo tempo que nos apresenta um drama nos envolve no dia a dia de um paciente terminal, o personagem tem então 100 últimos dias de vida.
E como ele sabe que terá somente 100? Porque ele define que morrerá na Suíça com suicídio assistido. Lágrimas escorrem e borram o livro todo. Não foi uma vez só, perdi as contas de quantas vezes chorava lendo o livro, porque lembrava de meu avô. Ali naquelas páginas a realidade não engana, o felizes para sempre não existe porque se transformou em um " até logo".
Lucio tenta se despedir da vida de bom humor, a rosquinha na capa do livro são as que seu sogro que é confeiteiro faz e são deliciosas e nos dias alegres ele sempre lembra do sabor delas. Como não chorar muito quando o sogro diz que se a vida fosse justa ele trocaria de lugar com o genro? Um pacote de kleenex por favor!
Como lidar com o saber que vai morrer? É algo tipo ser chamado para um evento no Facebook, recusar e justificar : " Não poderei ir, estarei morto até lá. "
Triste, muito triste.
Ane 04/11/2014minha estante
realmente um livro muito triste.
Amei do inicio ao fim.

Bee.




sarah 16/04/2021

MEU DEUS
Eu ainda estou meio extasiada com esse final.
Não sei nem o que dizer ainda, acho que você precisa ler esse livro para poder compreender esse sentimento.
Uau.
Todos deveriam ler esse livro, de verdade.
Um livro que te faz rir, chorar, ficar com raiva do personagem tudo num só capítulo.
Tipo, Lucio sabe que são poucos os dias que restam, e vive esses dias intensamente, mas, nós são sabemos se estamos vivendo os últimos 100 dias, ou talvez 50, até mesmo os últimos 5, e sem saber vivemos de qualquer jeito.
livro incrível.
?O dia mais perdido de todos é aquele em que não se riu."
comentários(0)comente



Samara 08/08/2016

Sinto como se Lucio fosse um amigo próximo.
Exatamente isto, sinto como se Lucio fosse um dos meus melhores amigos, e enquanto lia o livro me sentia ouvindo confidências de um amigo íntimo. Sempre que vejo rosquinhas cobertas de açúcar na padaria, bem como quando ouço algumas músicas citadas ao longo do livro, lembro-me dele como lembraria de um amigo. Muito disto é pelo fato de ser narrado em primeira pessoa, mas também por apresentar muito da personalidade de Lucio como uma pessoa comum, expondo seus defeitos e sentimentos de forma sincera, além do que, em vários momentos o narrador interage com o leitor.

Cheguei a dar gargalhadas com alguns de seus relatos (como quando ele descreve sua relação com Lobo, o cachorro da família), e a ficar triste em vários momentos, contudo, não foi o bastante para me fazer chorar. Honestamente, senti falta do CLIMAX na trama, fiquei esperando por um momento que não aconteceu. Talvez tenha criado muitas expectativas pelo que já ouvi sobre o livro, o que muitas vezes atrapalha.

100 dias de felicidade é uma leitura leve, gostosa e rápida, tem capítulos curtos e objetivos. Te faz refletir sobre a vida e sobre o que realmente é importante para nós. Vale a pena a leitura!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Clicnatan 14/02/2015

100 dias de boa leitura
Ao ler a introdução do livro você pensa que estará embarcando em um livro na mesma linha de "A culpa é das estrelas", porém não é isto que ocorre.
Os personagens são digamos bem mais reais do que os de A culpa é das estrelas. O autor soube mostrar abertamente os defeitos dos personagens bem como suas qualidades.
Ao longo da leitura você chega a rir com os amigos que saem para as farras relembrando os tempos de juventude.
Quando chega os últimos dias começa a bater aquela aflição sabendo que os dias do personagem principal estão chegando ao fim.
comentários(0)comente



Juliana.Monteiro 21/04/2015

Incrível
Um livro fascinante que te faz não querer largar a leitura!
Nos leva à uma reflexão de vida por nos lembrar que não nos damos conta da vida que levamos, acostumados com a mesmice, até que aconteça algo impactante.
Pessoalmente, depois de ter me envolvido com o livro, torci por um final "feliz" mas que, sim, fugiria totalmente da idéia, que é realmente de nos mostrar que devemos lutar pela vida enquanto é tempo.
comentários(0)comente



Greice Negrini 11/05/2015

100 dias de experiência!
Lucio Battistini é um homem normal. Ou melhor, como caracterizar uma pessoa normal nos dias de hoje? É um homem que tem trabalho, filhos e esposa e talvez estivesse mais satisfeito fazendo outra coisa que sendo professor ou instrutor em uma academia. Esta seria a parte do normal. Mas a verdade é que Lucio descobriu que está com câncer e tomou a decisão de não fazer nenhum tipo de tratamento já que é tarde demais para isso. São 100 dias de vida para sua última decisão e ele pretende viver da melhor forma.

Paola é casada com Lucio há mais de dez anos. Professora que ama sua profissão, descobriu que o marido a traiu com uma das alunas dele e agora não consegue mais acreditar no amor. Mesmo com a descoberta da doença do marido isso não faz seu coração amolecer já que Lucio não teve a mínima compaixão para com ela quando resolveu ter um caso.

Lucio tem três grandes amigos a quem pode contar abertamente tudo. Apelidou o câncer como "Fritz" e mesmo que os amigos tentem convencê-lo a procurar algum tipo de tratamento ele sabe que não vai adiantar. O mais certo a fazer é uma contagem do tempo que ainda resta e usar como forma de metas para a vida. 100 coisas das quais ele sente orgulho, 100 coisas que ele precisa fazer e que vai tentar antes de morrer.

O perdão é algo que buscamos em momentos mais difíceis. O medo constante quando a dor dilacerante nos esmaga. Um filme que passa relembrando toda a etapa e anos que vivemos. Lucio sabe que precisa refazer muitos momentos e que seu pouco tempo traduz sua decisão final. Talvez seja tarde demais para muita coisa, mas é sempre preciso tentar.

O que falo sobre o livro?

Nossa, fazia muito tempo que eu queria ler este livro e só consegui ele há pouco tempo. Fiquei pensando o quão emocionante pareceria a história, mediante a uma biografia, onde uma trajetória de 100 dias mostrando uma lutra contra uma doença enfatizaria um potencial de emoções, sentimentos e vivências. Realmente este é o caso do livro 100 dias de felicidade, porém houve um contratempo que não imaginava: não é de forma alguma uma biografia, e sim uma ficção.

Um banho de água fria. Somente no sentido de não ser uma biografia. Porque assim já não tinha mais em mim aquela sensação tão grande de que uma pessoa estivesse colocando naquelas páginas uma experiência tão forte de vida ao qual eu esperava desde o momento em que desejava o livro.

No restante o livro é uma leitura saborosa com um lado altamente cômico. O que você realmente faria se fosse com você? De forma alguma eu acredito que viveria o que o personagem viveu. Até então ele estava sentindo a vida como ela realmente era, confrontando todos os sentimentos naturais e errando e acertando conforme seus princípios. Mas é quando algo bate à sua porta que precisa tomar uma atitude contraditória.

Em um âmbito normal eu imaginava que tudo seria lágrimas e perdão e emoções conflitantes e é realmente esse contraste que o autor coloca na história. Nem sempre uma doença pode curar as dores que foram causadas pelos atos antes cometidos. E este é o aprendizado maior. Será que os valores éticos devem ser mantidos ou joga-se tudo para o alto? Será que é melhor ficar chorando e esperando a morte chegar ou é melhor ir viver o que resta? É difícil pensar quando a pessoa que pode sofrer as consequências é você, mas neste livro muitas vezes eu me sentia irritada pelo rumo que o personagem tomava. Mas quem disse que eu não faria o mesmo se estivesse com poucos dias de vida?

É um livro conflitante. Diferente do que imaginava e mesmo assim não menos enérgico. A decisão final do personagem me soou tão racional que admiti que foi a melhor escolha, mesmo sendo polêmica. 100 dias de felicidade não é de alegrias e sim de esperanças e de pensamentos aos quais o leitor vai pensar sobre si diante da mesma experiência.


site: www.amigasemulheres.com
comentários(0)comente



Camila 17/09/2015

Homem casado trai a esposa, ela descobre e ele descobre que tem câncer e restam aproximadamente 100 dias de vida. Parte para uma viagem em família com a esposa e os filhos com o objetivo de ser feliz e reconquistar o amor da esposa. Conta com a amizade verdadeira de três amigos que chama de mosqueteiros e do sogro que é como um pai. Paga por morte assistida. Consegue reconquistar a esposa. O triste é a morte dele. Acabei me apaixonando. Faz rir e chorar. É MARAVILHOSO.
comentários(0)comente



Felicity 14/06/2017

Muito bom !
Este é o tipo de livro que te faz refletir bastante sobre a vida, o autor conseguiu me emocionar e ao mesmo tempo fazer com que eu reflita sobre a minha vida. Não é uma leitura doce , mas é um livro com uma escrita agradável . Super recomendo ...
comentários(0)comente



Rebeca 26/07/2017

Uma vida em 100 dias, que nos arranca risadas e muitas lágrimas!
Uma emocionante história, com um antagonista de dar medo, o temido câncer, que o protagonista resolve apelidar de Amigo Fritz (uma ironia, que o faz encarar de maneira mais leve a doença). Os últimos 100 dias de Lúcio são os melhores dias de sua vida, ele faz um balanço, tudo que deu errado, todos os sonhos não realizados, seus medos, seus erros… E, nesse meio tempo, percebe o que a vida trouxe de bom, o que realmente importa, seus amores, seus amigos, sua família… Seu amadurecimento em pouco mais de 3 meses é maior do que em seus 40 anos. É inspirador, apesar de triste! OBS: Acordei com os olhos inchados de tanto chorar! Não sei em que parte do livro começou, apenas sei que as lágrimas rolaram por muito tempo, durante e após a leitura.
comentários(0)comente



madu 01/07/2019

Chorei horrores quando li, é maravilhoso esse livro, muito tranquilo, perfeito. Deveria ter MUITO mais reconhecimento doq tem
comentários(0)comente



Vivi 14/09/2019

Esse é o meu livro favorito da vida, não porquê amo o Lucio e suas escolhas. Mas porque entrei em um questionamento sobre como fazer da minha vida um antro de amor, carinho e respeito.
comentários(0)comente



Cibele 07/03/2021

Bonito, triste, intenso e leve. No decorrer da narrativa, nos apegamos a Lucio, com todos os seus erros e acertos, como qualquer ser humano.
Sua trajetória nos últimos 100 dias é intensa e bonita, mas não deixa de ser triste, considerando seu fim. Apesar disso, a história também é leve, nos fazendo até esquecer por um momento do que está por vir.
comentários(0)comente



Thayná 02/01/2015

O livro conta a história, em 1ª pessoa, de Lúcio, um pai de família, não tão bom marido devido a um deslize e praticamente 40 anos.
Lúcio sentia várias dores no estômago, que com o tempo foram ficando mais fortes e frequentes. Todos diziam para ele consultar um oncologista, porém, ele achava que se tratava apenas de algo passageiro. Quando finalmente resolveu visitar o oncologista, descobriu um carcinoma hepatocelular de 0,7 centímetro de diâmetro, mais ou menos a medida de uma batata frita. Junto com a notícia que hospedava seu amigo Fritz (assim ele chamava o câncer), soube que teria aproximadamente 100 dias de vida. Assim, passou a fazer uma contagem regressiva de 100 à 0, aproveitando cada momento e tendo várias lições de vida desse meio tempo.
"100 dias de felicidade" é um livro que nos ensina que devemos aproveitar ao máximo a vida, pois, como o próprio Lúcio disse "A única tristeza foi ter que descobrir que vou morrer para começar a viver" e, se for parar para pensar, todos fazem a mesma coisa, mas nem todos sabem de sua morte antes que ela tenha acontecido; assim, essas pessoas provavelmente não viveram o quanto gostariam.
Fausto Brizzi fala de um assunto sério com leveza, conseguindo arrancar sorrisos e lágrimas do leitor. Há algumas partes interativas, que fazem você se sentir dentro da história. Além disso, um fato muito interessante do livro é que o autor consegue tornar o útil ao agradável, valendo mais do que anos de história chata na escola.
comentários(0)comente



Thais 06/09/2021

O que vc faria se soubesse que só tem 100 dias de vida ?
Eu ri , chorei , fiquei com raiva , fiquei triste , fiquei esperançosa e chorei mais .
Ao descobri um câncer terminal e que só tem 100 dias de vida , Basttistini resolve fazer desses últimos dias os melhores de sua vida , só que não sair assim como ele planeja , todas as tentativas são um fiasco , as coisas começam a melhorar nas 4 últimas semanas . O final é muito triste , eu não lido bem com despedidas então esse capítulo acabou cmg , porém existe milhares de lições por trás deste livro .Vale muito a pena ler e aprender com essa leitura . A vida é injusta mas eu só tenho um , então bora vivê-la da melhor forma.
comentários(0)comente



20 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR