Rainha de Copas

Rainha de Copas Colleen Oakes




Resenhas - Rainha de Copas


76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Natália 03/01/2015

Surpreendente!
"Alice no País das Maravilhas" não é meu livro preferido e minha apreciação por ele devia-se quase que exclusivamente para a Rainha de Copas e sua célebre frase "cortem a cabeça!". Na animação, essa obra só tinha minha audiência por ela, o gato de Cheshire e meu amado Chapeleiro que nessa versão de Collen Oakes ganharam uma roupagem completamente nova! Dinah, obrigada a conviver com uma meia-irmã que despreza, acuada pelo desprezo sem explicação de seu pai, o desconforto com os Espadas (aliás, um salve para a classificação dos soldados desse livro!) e a sempre má impressão de Cheshire, braço direito de seu pai, dono de um sorriso perturbador e uma mente enigmática, seus únicos refúgios tem como nome Harris, seu tutor e que constantemente a lembra de seus atrasos com compromissos e Wardley, seu melhor e único amigo de infância que faz seu coração acelerar, um sentimento que faz jus à sua linhagem de Copas. Irmã devota de Charles, o jovem príncipe negligenciado e escondido pelo pai por seus acessos de loucuras e obsessão por chapéus, sua vida segue uma rotina monótona até que aos poucos, pistas são deixadas em suas mãos por um cúmplice anônimo, cada ponta encontrada a levando para uma próxima pista com cada vez mais mistérios e segredos obscuros do País das Maravilhas. Uma releitura fantástica de um clássico, uma tradução impecável que a Universo dos Livros trouxe, uma obra que vale a atenção!
E, para você que ainda não leu: atrasado! Atrasado! Você está muito atrasado!
Eloiza Cirne 01/03/2015minha estante
Natália, comprei o livro em uma promoção (ele estava muito barato) e quando fui ver a sinopse percebi que se tratava de um livro em série, o que me levou a já considerá-lo potencialmente fraco. Da mesma maneira que vc, fui bem surpreendida. A releitura do clássico infantil é bem feita e agora, pra mim, a continuação da história está atrasada! Atrasada... Muito atrasada.




Ju 03/04/2020

Que maravilha
Não sei vocês mas eu amooooo livros com temática do País das Maravilhas, achei bem legal essa releitura
Minmin 03/04/2020minha estante
A capa é lindaaaa, amo capas lindas. Aí eu sei q não se deve julgar um livro pela capa mas nossa scrinho


Ju 18/04/2020minha estante
Hahahaha eu também julgo. Eu ando pela livraria e vejo a sinopse de todo livro que a capa eu acho bonita


Minmin 19/04/2020minha estante
sim!! exatamente kkkkk




Clara | @chademiosotis 23/04/2020

Particularmente, amo releituras, principalmente as que envolvem a obra de Lewis Carroll. Mas não sei bem o que dizer sobre essa.

A Princesa de Copas Dinah é bem rabugenta e mimada, e por muitas vezes me irritou com seus seus pensamentos. Ela foi educada pelos criados do castelo, sua mãe faleceu cedo e o pai a odeia. Fiquei muito confusa com algumas coisas no livro, como o porquê do Rei de Copas tratar Dinah como trata e quem era um tal de Wardley que toda hora aparecia o nome no livro mas nunca o personagem em si (depois de ler a sinopse, descobri que era o melhor amigo de Dinah hahaha). Este foi um livro que me arrastei para ler e não sei se quero ler a continuação. Mas minha curiosidade é tanta e sei que não vou resistir. Preciso saber o que houve. O final dá aquela sensação de continuação, sabe?

A narrativa é boa e a diagramação do livro também. É tudo bem temático, cheio de corações. Apesar de toda a confusão que é o livro (nada menos do que esperado vindo do País das Maravilhas), devo admitir que os personagens que conhecemos foram muito bem trabalhados e parece que realmente estive no País das Maravilhas.
comentários(0)comente



Wilderlane Oliveira 16/05/2020

Eita historinha surreal viu!
Esse livro deve ter sabor especial para o amantes de Alice no país das maravilhas.
Livro envolvente, leitura fluida e final inesperado.
Estabelece relação entre o bem e o mal, monarquia e relações familiares.
comentários(0)comente



Taty 17/03/2020

Pode ser ate loucura mais a forma como ela sempre foi tratada me deixa completamente pensativa sobre como colocam ela sempre como vila #amoaquelamaluquinha mais so ela e um pouco da irma mais nesse livro ela ainda n se mostrou muito.
comentários(0)comente



Lívia @_entreler 09/03/2017

A História de uma Princesa que virou vilã
PARA TUDO, que livro foi esse?!?
E eu quero muito a continuação!!!
??????
Hoje vamos fazer a resenha do livro "Rainha de Copas" da autora Colleen Oakes e publicado pela editora Universo dos Livros.
? Esse livro conta a história da Rainha de Copas, isso mesmo, aquela do Alice no país das maravilhas, antes dela se tornar má e antes mesmo dela se tornar uma rainha.
Dinah, uma adolescente, que era a princesa do país das maravilhas, está prestes a ter sua coroação para se tornar rainha, mas antes disso, ela vive em seu castelo em dias entediantes, muitos chás, jantares, tortas e sempre sofrendo humilhação de seu pai, o atual Rei de Copas. Porém, quanto mais chega perto dos dias de sua coroação, vários eventos sangrentos acontecem e Dinah sabe que algo de muito errado está acontecendo por ali. Com isso, a princesa precisa descobrir todos esses mistérios antes mesmo que "ela perca a cabeça para um inimigo sagaz".
Nessa história, também há Wardley, o futuro Cavaleiro de Copas e o grande amigo e amor de Dinah. Ademais, personagens como Gato de Cheshire, o Coelho Branco e o Chapeleiro Maluco estão presentes na história.
-
Não deixem de conferir "a história de uma princesa que virou vilã".
Esse livro ganhou o Next Generation Indie Book Award para jovens adultos em 2014.
Comprei esse livro, além de gostar muito de "Alice no País das Maravilhas", por motivos de preço e adorei demais!!! Com certeza ele merece cinco estrelas ??????????
Estou muito ansiosa com os próximos..
comentários(0)comente



Paola 30/01/2015

Terceira leitura do ano concluída! Rainha de Copas, de Collen Oakes, da editora Universo dos Livros, é simplesmente excelente!

Dinah, ou melhor dizendo, a Rainha de Copas, nem sempre foi uma pessoa ruim. Nem sempre quis ver cabeças sendo cortadas. E sim, ela amou alguém.

O Rei de Copas, seu pai, é um homem muito nervoso e sem amor. Ela e seu irmão, o Chapeleiro Maluco (sim, me assustei com isso), não recebem nenhum amor paterno e convivem com a ausência da falecida mãe, Davianna. Dinah é uma princesa dócil, porém sem amor. Ama o Carta de Copas, Wardley, seu melhor amigo desde a infância.

Ela cresceu e com isso está cada vez mais próximo o dia de seu coroação. No entanto, coisas estranhas começam a acontecer. Recados, enigmas e descobertas horríveis sobre seu pai e seu reinado. Com a ajuda de Wardley, Dinah começa a descobrir coisas que jamais pensou. Será que vai conseguir o País das Maravilhas? Ou será que ainda demora para este dia chegar?

A autora mostrou nas páginas de seu livro que uma vilã nem sempre nasce má, as circunstâncias em que vivem a tornaram assim. A Rainha de Copas passa por várias situações que a deixam endurecida, fria e em alguns momentos sem amor. Eu, como fã dos contos e das fantasias, fiquei apaixonada pelo livro e até comecei a gostar de Dinah. Se você também gosta de Alice no País das Maravilhas, precisa conhecer a história da Rainha de Copas, quando ela ainda era princesa.
comentários(0)comente



sclauras 08/06/2020

Essa leitura foi incrível.
Falando honestamente? Eu não esperava nada do que iria acontecer, achava que iria ser uma leitura que depois de terminada, iria ficar apenas na minha estante. O meu maior erro foi subestimar o tanto que esse livro seria incrível, muito mais que uma princesa chorona. Dinah ao desenvolver do livro vai se tornando uma mulher que futuramente seria uma ótima rainha. Errei em subestimá-la. Não faça isso.
Todos os personagens desse livro foram importantes para mim. Minha vontade no livro inteiro foi proteger principalmente, Dinah, Wardley e Charles em um potinho especial. Esses três são personagens incríveis e estarão SEMPRE guardados em meu coração de uma forma especial.
Acima de tudo nesse livro, o tema mais importante é lidar com a perda. Dinah segue todos os dias de sua vida tentando superar suas perdas, a perda inexplicável do amor de seu pai, a perda dolorosa de sua mãe e agora AQUELA perda. Eu espero de coração que todas essas perdas na vida de Dinah possam torná-la muito mais forte na sequência do livro. Dinah é uma personagem incrível que eu acabei gostando bastante mas não posso me esquecer dos personagens secundários; Harris, Emily, Quintrell e Lucy. Eles foram incríveis.
Fui totalmente rendida a essa leitura a partir da metade, isso é certo. O que acontece no desenvolvimento dessa história foi arrepios atrás de arrepios e lágrimas atrás de lágrimas. Então, se prepare para um furacão de emoções e sentimentos lendo essa obra, porque sem dúvidas, você vai sentir cada coisinha e é necessário prestar atenção nos mínimos detalhes.
comentários(0)comente



Amanda 28/12/2014

Realmente surpreendente
Comecei a leitura um pouco receosa, afinal, não sou das mais fãs de quando um autor escreve algo sobre uma história já existente. Devo confesar, porém, que fui surpreendida a cada página.
Dinah, a futura Rainha de Copas, vive uma vida difícil no palácio sofrendo humilhações de um pai cruel, principalmente depois da chegada uma personagem importante (não é spoiler, isso acontece logo no começo kk). E, tentando sobreviver dia após dia, vive várias aventuras.
Uma leitura que me prendeu da primeira à última página (li o livro em um dia) e que me fez cada vez mais torcer por Dinah e achar que ela não passar de uma personagem totalmente mal compreendida por todos.
Super indico a todos!
comentários(0)comente



Gabriella Gen 11/02/2015

Surpreendente de certa forma...
Uma nova perspectiva do país das Maravilhas...
Onde uma rainha má se torna vítima, e precisa renunciar a coroa...
...ou perderá a cabeça.
História de uma rainha guerreira, que luta por respostas. Personagens famosos presentes nesta nova versão, como o chapeleiro maluco, o coelho branco, o gato cheshire, e as cartas d copas. E outros que não estavam presentes.
No início, surgiu uma certa resistência a leitura, porém o final é digno de um filme de ação. Mas o livro apresenta muitas perguntas sem respostas, e com isso, fui pesquisar sobre o livro, e não estava errada, pois ainda este ano será lançado o segundo volume da rainha de copas! Resumindo, a principio não me agradou, e no final tava querendo mais...
comentários(0)comente



Ericaesteves 12/05/2020

Ação e Aventura!
Comecei essa leitura sem muitas expectativas por se tratar de uma releitura da personagem, porém, a história conseguiu me surpreender bastante com vários enigmas, confusões e aventuras!
Ansiosa para ler a continuação...
comentários(0)comente



Paula 15/01/2016

Quando começa a ficar bom, acaba...
Eu achava que era um livro só, mas o livro não termina.
A continuação ainda não tem publicação aqui no Brasil, o que me deixou um pouco decepcionada...
comentários(0)comente



Felipe 13/04/2020

Rainha de Copas: um livro que promete ser inesquecível, mas entrega o contrário
Prometendo ser uma releitura do clássico Alice no País das Maravilhas, Rainha de Copas, é, de longe, um dos livros mais fracos que já li em quase dez anos de hábito de leitura. Depois de ler uma obra magnânima como Nós, os Afogados, o livro norte–americano serve perfeitamente como um daqueles livros que só servem para passar o tempo e que depois você joga no esquecimento. Com uma premissa boba, um desenrolar monótono e arrastado, apesar do bom texto de Collen Oakes, Rainha de Copas entrega uma experiência que, ao leitor mais experiente, pode transmitir um pouco de raiva.
A trama se passa no País das Maravilhas, tendo como foco central a princesa Dinah, que vive às turras com o pai, o Rei de Copas, que busca qualquer razão para humilhá-la e maltratá-la, principalmente depois da vinda de Vittiore, fruto de uma relação extraconjugal do soberano, o que faz com que a já azeda relação entre pai e filha se acirre ainda mais, já que o monarca usa de suas energias para mimar a filha bastarda, o que causa fúria em Dinah. Em meio a esse pé de guerra, Dinah possui duas pessoas as quais se constituem em seu porto seguro, Wardley, seu amigo e provável candidato para ser o próximo Rei, e seu irmão, Charles, o qual possui problemas mentais, mas que torna a vida já amarga da futura rainha um pouco mais doce.
Dinah, por ser a primogênita da Família Real naturalmente se tornará a Rainha, no entanto, só poderá tomar posse do trono apenas se contrair matrimônio. Todavia, às vésperas de se tornar Rainha, Dinah recebe um aviso, e nesse momento percebemos uma referência ao clássico de Carrot, quando o bilhete diz “coma-me”, e o mesmo ainda faz referência a uma prisioneira das temíveis Torres Negras, Faina Bakes, que, para ela, pode ser a detentora de um grande segredo no qual o seu reino está envolvido.
Decidida a descobrir o que há por trás desse misterioso acontecimento, ela conta com a ajuda de seu amigo Wardley para que eles possam ir até o lugar, arriscando suas vidas ao explorar um lugar tão horripilante e no qual nenhum membro da realeza pode entrar, o que, no caso de Dinah, pode custar até sua vida, pois as Cartas de Espadas, que guarneciam as Torres, não possuíam simpatia alguma pela Família Real. Pouco depois da ida às Torres Negras, às vésperas da coroação de Dinah, acontecem uma série de assassinatos no palácio, com o objetivo único de caçar a futura rainha, já que o Rei não possuía intenção alguma de entregar a coroa a quem ele mais odiava. Dinah, depois de ser avisada, resolve fugir do palácio e se refugiar nas Florestas Retorcidas, lugar que, apesar de ser distante do palácio, ainda pertence aos domínios do reino.
O texto da trama, apesar de ser o único aspecto que se pode encontrar de bom, possui altos e baixos. Oakes é excelente em descrever cenários, atiçar a imaginação do leitor, no entanto, percebe-se uma escrita ainda primária, repleta de clichês em histórias desse gênero. O mesmo pode-se dizer das cenas de ação, nos quais a autora não sabe manter o leitor vidrado na história, acabando por entregar partes lentas e maçantes. Até que a reta final possui uma leve evolução da história, mas novamente se perde depois.
A estrutura da narrativa é algo que poderia ser melhor desenvolvido, pois a trama, apesar dos clichês, escrita de uma maneira um pouco mais refinada, pode causar algum êxtase em um leitor mais experiente. Digo isso porque o dinamismo que Oakes busca dar à história soa um pouco afoito demais, a exemplo da não explicação da razão de o Rei possuir tanto ódio pela sua primogênita. Neste ponto, a autora tenta justificar o fato de que a esposa do Rei, Davianna, morreu logo quando Dinah nasceu). Também o fato de o primeiro capítulo ser recheado de acontecimentos apressados que Oakes não possui o cuidado de guardar, mantendo a atenção de quem está lendo, bombardeando o leitor com muita informação, soa incômodo. Em relação ao tom do conflito entre pai e filha, pode ser que o motivo para tamanho ódio seja explicado no segundo livro, mas acredito que a premissa seja fraca demais para manter o leitor interessado na saga da rainha que virou vilã.
Os personagens são construídos sem alguma personalidade, sem nenhuma camada, extremamente caricatos, a não ser Dinah. Ela é o mote e por ela você consegue ter alguma empatia pela relação quase bélica entre o Rei e ela, no entanto, sua passividade perante ao seu pai faz com que, ao leitor mais experiente, passe um pouco de raiva. No entanto, para a premissa da história, tal personagem é coerente com a proposta da trama, pois se trata de uma rainha que se tornou a malvada. Parece que Oakes ficou muito preocupada em apenas se ater na perosnagem principal e construiu o restante de qualquer maneira, apesar da inspiração no clássico que deu origem à história.
Por fim, o desenrolar da trama é extremamente arrastado, apesar de ler quase vinte páginas por dia ou mais. Neste ponto, é a escrita da autora que ajuda a trama a avançar, a não cair no marasmo completo. Ao contrário de outras resenhas, acredito que a descrição em alguns momentos ajuda o leitor na compreensão da evolução do enredo, a exemplo da Caixa, que auxilia no entendimento do plot da visita às Torres Negras, sem dúvida, um dos raros pontos positivos do romance. E que final mais arrastado que já li, sem nenhuma conclusão, nenhum gancho que mantenha o leitor interessado na trama.
Totalmente esquecível para mim, recomendo Rainha de Copas para aqueles leitores que apenas gostam de ler mesmo, sem compromisso algum, seja por simples evasão da realidade, seja pelo gosto com histórias desse gênero. Com um enredo fraco, personagens construídos às pressas, salvando apenas a escrita de Colleen Oakes, Rainha de Copas prometeu ser uma grande leitura, com altas expectativas, e acabou se constituindo num dos maiores fracassos que eu já tive conhecimento em dez anos de leitura, e evidentemente não irei prosseguir com o segundo livro. Mas se a curiosidade é tanta a ponto de saber como irá se desenrolar essa nova fase da guerra já desencadeada entre o Rei, obstinado a matá-la quando encontrar, e Dinah, lutando para sobreviver em um outro lugar, boa sorte nesta empreitada.
comentários(0)comente



Giu_SR 24/05/2020

O livro traz a história da Rainha de Copas de um jeito nunca visto antes, deixando o leitor curioso para entender todos os acontecimentos desse universo.
Porém, a leitura é cansativa e nos deixa com mais perguntas do que resposta. Ao final, eu me senti mais perdida do que no começo.
comentários(0)comente



Line 12/02/2020

null
Sem ler os outros livros da trilogia, fica, realmente, difícil defender. O final é arrastado e a autora se preocupou mais em detalhar os ambientes e os vestidos, que com o roteiro que o livro seguia... Que os próximos o salve.
comentários(0)comente



76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6