A Ascensão das Trevas

A Ascensão das Trevas Morgan Rhodes




Resenhas - A Ascensão das Trevas


28 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Queria Estar Lendo 28/12/2017

Resenha: A Ascensão das Trevas
Em a Ascensão das Trevas, lançado pela Editora Seguinte que enviou um exemplar para a resenha, Morgan Rhodes mostra o poder em cada personagem que criou e a direção épica em que a história se encaminha.

É visível assim que se começa a ler o quanto a escrita da autora evoluiu, os pensamentos e ações dos personagens estão muito mais naturais, a narrativa mais fluída e continuada. Se antes eu ia lendo como se por partes, frase por frase e tentando juntá-las na minha cabeça, agora eu já leio automaticamente, na imaginação.

É no início desse terceiro volume que começo a compreender Jonas e sua vontade insaciável de vingança e de se rebelar contra o Rei e todos aqueles que contribuíram para tanto sofrimento em sua vida e de outros do reino onde morava, Paelsia, também o mais pobre dos três reinos do continente de Mítica. Ele perde tudo, a vida que tinha, simples mas boa, seu irmão, seus pais e agora, lhe resta muito pouco a não ser a própria motivação e a força que faz para seguir em frente todos os dias, criando um possível plano, mantendo em mente o que precisa fazer para libertar a todos.

"Mas os fatos era inegáveis – e Lucia tinha sido criada para valorizar fatos e verdades acima de tudo. Apenas duas pessoas além dela mesma conheciam a localização do cristal da terra antes de descobrirem que havia sido roubado."

Também entendi algumas das ações anteriores do personagem, como ele estava tão cego e louco pela raiva e desejo de vingança que não conseguia pensar direito em mais nada além de matar o Rei Gaius, Lorde Aron e Magnus a todo custo, mesmo que isso o levasse à morte. No segundo livro, Lysandra era quem o refreava com a ajuda de Brion, agora que uns estão mortos e outros presos no castelo, não sobrou muito para Jonas, a não ser um aliado muito improvável, mas que é tudo o que ele tem. Assim, ele pareceu adquirir uma calma maior, um poder de pensar e refletir antes de agir, sabendo que é a única maneira de salvar seus amigos e a todos. Por causa disso, passei a gostar muito do personagem, pois nesse terceiro livro ficou mais claro de compreendê-lo e enxergar suas motivações e sentimentos.

Já Cleo, antes uma princesinha mimada e metida, agora uma futura rainha muito inteligente e estrategista. Ela é muito, muito esperta e isso reflete em todas as suas ações, falas e planos para o futuro. Ela está usando tudo o que tem, mesmo que sejam máscaras que cria para andar pelo palácio e tentar passar despercebida. Se tornou uma personagem muito forte, na qual sinto orgulho facilmente.

Magnus também demonstra uma boa evolução, pois antes era o príncipe herdeiro sofrido e com um amor não-correspondido e que queria superar as expectativas do pai para si, mas não conseguia. Com o tempo ele foi se tornando mais inteligente e calculista, agora sabendo de verdades sombrias sobre o próprio pai e tendo mais noção de si mesmo e daqueles que o cercam. Muitas coisas acontecem com Magnus e ele passa a enxergar mais claramente, se tornando mais destemido e ambicioso.

É nesse livro que o lado sombrio de Lucia, mostrado já no segundo volume, começa a se alastrar. No segundo, vemos a menina adquirindo esse lado, lutando contra ele mas sem saber ao certo como controlá-lo. Em A Ascensão das Trevas, Lucia já sabe mais sobre seus poderes, a profecia que gira em torno dela e o quanto os elementia estão afetando seu lado humanizado. Ela está cada vez mais poderosa e também, percebendo que nem todos que estão ao seu lado são seus amigos. Lucia se tornou uma personagem muito, muito interessante, em nada com a princesa doce e ingênua do primeiro livro. E essa é uma das coisas que mais gosto na autora, ela está sabendo lidar com a transição dos personagens de forma natural e não forçada como em muitas outras histórias.

Muitas coisas inesperadas ocorrem nesse livro, e história toma rumos que eu não poderia imaginar quando comecei a conhecê-la. A leitura é muito rápida e assim que finalizei já estava ansiosa para o próximo. O que a autora está criando é algo muito grande e surpreendente, esse universo se apresenta cada vez maior e mais cheio de possibilidades. Posso dizer que ela está suprindo minhas expectativas, e em alguns pontos, até superando-as. Só devo confiar que os últimos livros da série serão ainda melhores.

Ainda assim, é fácil ver que a autora tem mais facilidade com os personagens antigos, pois nos novos percebo que ela comete alguns erros que já cometeu com esses antigos, o que dá a entender que precisa de um pouco de prática para saber mais sobre sua própria criação e sua maneira de agir. Outros personagens, novos no segundo livro, como Lysandra e o ponto de vista do Rei Gaius, já estão bem melhores.

A cada volume as capas surpreendem mais! Esse tom de roxo com o dourado deixou ela muito bonita e chamativa, sem falar que sempre há algo relacionado à história. Como em A Primavera Rebelde, a narrativa é super fluída e rápida, e você lê o livro rapidinho (e pede por mais). Agora, estou no aguardo dos próximos volumes para saber o futuro de Mítica e desses personagens que estão cada vez melhores.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2017/12/resenha-ascensao-das-trevas.html
comentários(0)comente



AndyinhA 08/03/2015

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Eu gosto bastante dessa série, mas confesso que achei esse livro meio ‘embromation’, um livro inteiro procurando a tal Tétrade foi um pouco demais, e apesar de ter ótimos momentos de revelações e personagens evoluindo, senti que a autora poderia ter diluído isso nos dois livros anteriores e nos próximos (porque nada me tira da cabeça que são pelo menos uns 5 livros essa série, no GR já tem ‘cadastrado’ 6).

O ponto alto foi o ‘pokerface’ presente no decorrer da história, quem está acompanhando a saga sabe que esse objeto misterioso pode conceder um poder ilimitado, mas o mesmo é envolto em muitos mistérios, lendas e superstições, apesar do livro falar praticamente apenas dele, a gente continua sem saber de fato o poder do objeto, nós temos mais informações, arriscamos palpites, mas de fato, ninguém chega e diz; ele serve para isso. Então, cenas dos próximos capítulos (ou livros).

Um ponto que muito me incomodou foi a facilidade que todo mundo consegue as informações ou divide as mesmas. Ok, eu entendo que o livro é na base infanto-juvenil/jovem-adulto e talvez eu esteja sendo muito má, mas gente, vamos lembrar que os reinos estão em guerra! Você não fica socializando com o inimigo assim de mão beijada. Algumas passagens são fora da realidade de qualquer suspense/vingança de 5ª categoria.

“(...) Você não chora quando alguém a derruba.
Você levanta. Levanta e revida.
E logo ninguém mais vai empurrar você,
porque vão ver que não vale a pena.
Não deixe ninguém empurrá-la,
nem fazer você chorar.”

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2015/02/poison-books-ascensao-das-trevas-morgan.html
comentários(0)comente



Uly Santos 17/12/2014

O melhor da série até agora!
A Ascensão das Trevas o terceiro livro da série A Queda dos Reinos, como os outros dois da série me deixou mais agoniada e ansiosa para saber dos acontecimentos do próximo.

A escrita da autora continua pobre para uma fantasia medieval(Não me julguem, mas é minha opinião. Se comparada com outros autores do gênero) .

Cleo como visto no livro anterior A Primavera Rebelde, descobre que Lúcia é uma feiticeira e resolve usá-la como arma contra o Rei Gaius(pai adotivo de Lúcia). Tarefa que Cleo descobrirá não ser tão fácil como imagina já que Lúcia fica cada vez mais sombria e desconfiada por causa do aumento de seus poderes. Mas, aos poucos Cleo vai conseguindo se aproximar da princesa Lucia. E quem não vai gostar nada disso, é o seu marido príncipe Magnus. No entanto, essa não é a unica estratégia da princesa , ela também vai ajudar o rebelde Jonas Agallon fornecendo informações sobre o Rei Sanguinário para ajudar a derrotá-lo, e também vai contar com a ajuda de Nic que irá sondar uma possível aliança com o príncipe Ashur e a princesa Amara.

Magnus(que é meu favorito) continua sendo um anti-herói, depois de descobrir que sua mãe foi morta ao mando do rei, ele se torna determinado a encontrar a Tétrade e a não ser mais como o pai. Mas, na frente do pai continua fingindo que o que mais deseja é ser como ele e fingi também dar apoio ao rei incondicionalmente. Magnus e Lúcia se tornam cada vez mais distantes e seu relacionamento com sua esposa a princesa Cleo ficava cada vez mais confuso.

Jonas continua em busca de aliados e brechas para poder acabar com o rei Gaius. Determinado a encontrar sua amiga Lyssandra, Jonas acaba a beira da morte, porém (como sempre), mais uma vez é salvo e dessa vez por um jovem poderoso chamado Felix Gaebras que é um lutador , mas esconde um terrivel segredo…

Lucia se torna uma feiticeira cada vez mais poderosa, e quanto mais seus poderes aumentam, mais desconfiada ela fica de todos. Lucia fica confusa e não sabe se realmente encontrou com o jovem Ioannes ou se fora apenas um sonho. Mas, para a felicidade da princesa ela irá descobrir que seu amor vigilante não foi apenas um sonho.

Em primeiro lugar, quero parabenizar a Editora Seguinte pela sua rapidez para lançar livros!

A Ascensão das trevas para mim foi o melhor livro da série na minha opinião, e se você acha que os segredos vão acabar, não se enganem. Nós descobrimos alguns segredos, porém aparecem outros, muitos outros.
Novos inimigos a vista e novos aliados. Prevejo uma nova guerra chegando e dessa vez envolverá um império. E para os shippers de plantão, aviso de ante mão que é melhor continuarem neutros, porque assim como nos outros livros nesse aspecto a seria continua muito imprevisível.

A série A Queda dos Reinos é cativante e intrigante, com direito a magia, conspiração e romance. Se você ainda não leu a série, eu a indico. Você não vai se arrepender!

*Para quem curte Spoiler, postei um spoiler no post do blog(que para ler tem que selecionar) é só clicar no link abaixo.

site: http://itgeekgirls.wordpress.com/2014/12/17/resenha-a-ascensao-das-trevas-morgan-rhodes/


Luan 21/09/2015

Conforme a história avança, Morgan Rhodes amadurece e o terceiro volume da série comprova isso
Apesar de não ser uma história incrivelmente épica e ser, necessariamente, uma história voltada para um público mais adolescente, tenho um apego especial à série A queda dos Reinos, de Morgan Rhodes. E o terceiro livro, A ascensão das Trevas, mostra uma autora mais madura e ainda mais ousada em suas criações. Ele me deixou com ainda mais vontade de continuar a acompanhar a saga.

Desta vez, depois de mostrar quedas e conquistas de reinos, muitas batalhas e sangue, a história narra a busca definitiva e incessante à Tétrade. Todos, ou praticamente todos, os personagens estão com uma única ideia na cabeça: ter a Tétrade. Os motivos variam, a forma de chegar lá varia, mas o objetivo é o mesmo: eles querem os quatro cristais perdidos. E para isso, muita morte vai novamente acontecer.

No livro, Jonas - que perdeu a maior parte de seu grupo rebelde, encontra um novo parceiro misterioso que o ajudará no desejo de vingança contra o Rei Gaius. Cleo e Magnus vivem uma relação ainda mais conturbada que pode ter um fim inesperado. Lúcia começa a entender o seu poder e, enquanto treina como dominá-los, buscará ainda mais sua independência. Principalmente depois que um vigilante conhecido voltará a cruzar seu caminho. Esses quatro protagonistas também estão entre aqueles que querem a Tétrade. Agora, para saber como tentarão encontrá-la e o motivo disso, só lendo mesmo.

Como eu disse, a escrita está mais madura. Mas não houve aqui um avanço que chega deixar a história voltada para um público mais adulto. Talvez, o que a autora esteja fazendo é tentar acompanhar o crescimento aquele público a que ela se destinou a escrever no primeiro volume. Mas, de qualquer forma, é notável a melhora no texto, a melhora no desenvolvimento e nos próprios diálogos, que agora soam menos falsos.

E isso deu ainda mais prazer para dar prosseguimento à leitura. Tanto que terminei de ler em pouco tempo com vontade de mais e mais. No entanto, apesar desses avanços que citei acima, é preciso dizer que a primeira metade de A ascensão das trevas é quase parado. Pouquíssimas tramas são desenvolvidas com acontecimentos que possam mudar o rumo da história. É um desenvolvimento bem lento. Mesma coisa não ocorre na segunda metade, que tem ação, mistério e revelações a todo tempo.

E a partir desta parte pode-se dizer que já é a reta final, afinal os acontecimentos têm uma crescente a partir de determinado fato e tudo se desenrola com em cima disso até chega ao ápice nas últimas páginas. Realmente, isso me deixou muuuuuito satisfeito. Elogiei em voz alta a autora a cada capítulo que eu terminava nesta "segunda etapa de leitura". Cara, ela trabalhou muito bem o roteiro da história, uma pena a enrolação das primeiras páginas. mal posso esperar para ver o que ela preparou nos livros seguintes - e espero, eu, sem enrolações.

Sobre os personagens, falando rapidamente um pouco dos protagonistas, parece que agora cada um definiu sua personalidade, amadurecendo junto à história e à autora. Jonas, dentre todos, era o que tinha o perfil mais claro. Agora, isso fica evidente. Mas o destaque fica para os outros três, que estavam, até então, com uma personalidade ainda um pouco nebulosa - não sei se propositalmente por parte da autora ou se era mesmo um defeito. E não sei por quem eu torço, só sei que quero muito acompanhar o desenrolar da luta de cada um deles.

Os outros personagens, entre eles, apenas um novo, se não me falha a memória - e é Félix, o misterioso novo ajudante de Jonas - pode acrescentar muito à história, mas até o momento isso não aconteceu. Teve sua função na história, mas não tanta quanto pensei. A diagramação da Seguinte para esta série é algo que não precisa de muitos comentários: apenas dizendo que está sensacional já basta. Todos os detalhes são muito caprichados e cuidados e não há muitos problemas evidentes na revisão.

Enfim, dou nota quatro à história, que poderia ser perfeitamente cinco e só não é por dois motivos: o início sem graça; e um motivo mais pessoal: estou ficando velho e a história é focada para um público um pouco mais jovem que eu. Mesmo assim, minha experiência tem sido, sim, prazerosa. E fica a ansiedade para ler Laços Congelados (em tradução livre), o quarto livro da série que, pela premissa, promete ser o mais incrível da série. Aliás, por falar nele, assim que eu comprá-lo (lançamento previso para o fim do ano aqui e nos Estados Unidos) terei uma das mais lindas capas da minha estantes - que coisa mais bem feita.


Naty 29/06/2015

Bom é pouco, ótimo é pouco, demais talvez, mas o correto é sensacional.
O primeiro livro faz você achar que essa série vai ser mais uma fantasia na qual o leitor consegue prever tudo como eu até disse na resenha do primeiro livro, mas acabou. Quem imaginaria onde esse livro chegou?
Primeiro vou falar dos personagens. O livro se passa na visão de tantos personagens que é realmente impossível para mim listar todos. Cleo é a minha preferida, mas todos tem seus pontos positivos e negativos, mas a minha maior surpresa foi com Darius que eu achava chato e, ele ainda continua sendo, mas acabou me conquistando um pouco. Todos os personagens são únicos, mas Darius é o mais único de todos na minha opinião, pois não é tão fácil encontrar um personagem como ele num livro de magia no qual a maioria dos personagens é totalmente mal ou totalmente bom. Nos personagens esse livro é 10.
Quanto ao enredo posso afirmar que dá vontade de continuar lendo, mas não é uma leitura que eu classifique como fácil, simples e rápida. Talvez apenas simples, pois, enquanto muitos livros de magia embananam a cabeça d leitor, esse explica bem e a magia, pelo menos para mim, foi aceitável.
Mas se não gosta de mortes, realmente esqueça um pouco esse livro. Ele não infestado de mortes, mas elas não são tão poucas quanto na maioria dos livros YA.
Nunca li Game of Thrones, mas acho que esse seria uma espécie de Game of Trones mais infantil. Não tenho pretensões a ler Game of Thrones por achar que ele pode ser muito pesado, mas essa série de Morgan Rhodes não é pesada, na minha opinião. A partir de uma quatorze anos o leitor já entende bem ou até menos, mas não aconselho pela quantidade de morte e vingança que esse livro apresenta. Não são sentimentos bons, mas não posso negar que coisas como essa (tirando a magia) acontecia nos reinos de antigamente e, para pessoas que gostam de desvendar o medieval com uma pontada de magia, aventura, romance e até mesmo distopia, acabam de ser convidadas por mim a embarcar nessa história.
O final é totalmente alucinante e quero o próximo livro para antes de ontem. Parabéns para a autora. Não sei como ela conseguiu imaginar tão longe e tomara que os próximos livros sejam tão bons quanto esse ou até melhores.


Benditos livros - Luana 09/07/2018

Ainda tenho minhas reservas....
Agora que terminei o livro #3, posso dizer que,realmente, a história de Mythica cativa a gente.
O desenvolvimento desse volume foi bem interessante, e gostei mais dele que do volume antecessor. Eu inclusive curto o fato de que a autora não tem piedade e continua matando personagens importantes!

Mas ainda acho que a série não é lá tudo isso que dizem. Os personagens são muito imaturos/em momentos, até pouco inteligentes. Por tudo que já aconteceu até aqui, eu esperava um pouco mais de tenacidade desses protagonistas. Eles são facilmente enganados e, para mim, isso atrapalha demais a historia.
Ainda quero saber como termina esta saga, e por isso continuo lendo. Espero
comentários(0)comente



Isadora 04/06/2017

Tem diversão, mas tem furos
Não posso negar. Esse livro tem muitas reviravoltas e coisas interessantes acontecendo.

Conhecemos novos inimigos e temos mais mortes inesperadas. Sra Morgan não está poupando ninguém.

O relacionamento de Cleo e Magnus quase fica na mesma, mas lá para o final isso muda.

Jonas continua sendo um songa monga despreparado para qualquer tipo de situação que exija habilidade de guerreiro ou estrategista. Ele é o personagem mais maltratado pela autora, coitado. Nada do que ele faz da certo. Só sabe dar manota.

Lucia e Ioannis é o casal mais sem química que existe. Já não torcia por eles desde o segundo livro.

ALERTA DE SPOILER

Agora, para mim, as duas partes mais ridículas, mais furadas e mais fracas desse livro:

1 - A motivação de Melenia.

Sério, essa era sua motivação?

Tudo o que você fez, os amigos que matou, os aliados que formou, o sangue que derramou, FOI POR ISSO?

Por um cara?

VOCÊ ESTÁ DE BRINCADEIRA COM A MINHA CARA?

2 - A morte de Melenia.

Depois de todo poder absorvido, depois de ter derrotado vários anciãos, essa é a forma que autora encontrou para derrotar a Melenia?

Com a Lucia? Uma feiticeira de 16 anos que está treinando há uns 4 meses?

ISSO É BRINCADEIRA?

No fim, as partes divertidas vencem os furos.
comentários(0)comente



Stefânia 13/04/2019

Estou insistindo pq sempre espero mais
Minha saga com essa série até agora foi a seguinte: decepção com o livro 1. Daí resolvi dar uma chance pro 2 e foi maravilhoso. Já o 3 foi um meio termo. Apenas nas 100 últimas páginas é que realmente algo de interessante se desenvolve. Estou interessada em ler o próximo livro mas já com uma preguiça de ser mais encheção de linguiça considerando que ainda faltam mais 3 livros para finalizar.
comentários(0)comente



Marcos Antonio 15/01/2017

Ascensão das Trevas
O livro é bom, cheio de tramas a ideia muito boa. Nesse que eu li tinha muitos erros de português e palavras pela metade. O livro me prendeu do inicio ao fim. Só não gosto das capas escolhidas, pois não vejo relação com a história do livro. E esse livro comprei ppor causa da capa.
comentários(0)comente



Thaty.Bazoni 08/02/2016

A Ascensão Das Trevas
Depois de conquistar Mítica inteira, o rei Gaius ainda não está satisfeito: sua nova missão é encontrar a Tétrade, quatro cristais mágicos perdidos, capazes de conferir poderes indescritíveis a quem os reunir. Para isso, ele conta com os conselhos de Melenia, uma imortal que o visita em seus sonhos e que o instruiu a construir uma estrada ligando todos os reinos.
Gaius acredita que está no caminho certo e que Lucia, sua filha adotiva, será a chave para encontrar e despertar os cristais. Para seu deleite, os poderes de Lucia estão cada vez mais fortes, e um vigilante exilado aparece para orientar a feiticeira.
Mas o Rei Sanguinário não é o único que cobiça essa magia milenar: vindos de Kraeshia, um império vizinho muito influente, o príncipe Ashur e a princesa Amara conhecem as lendas de Mítica e desconfiam que a Tétrade não seja apenas um mito. Logo eles entram na disputa e buscam seus próprios aliados nessa corrida pelo poder.
Um período de trevas se abate sobre Mítica, e nesses tempos sombrios Jonas, Cleo, Maguns e Lucia o quanto antes em quem podem confiar.
comentários(0)comente



Nat 27/06/2018

Gaius conquistou Mítica inteira, mas ele ainda não está satisfeito. Agora ele está em busca da Tétrade, um conjunto de quatro cristais cuja magia torna quem os tiver no ser mais poderoso do mundo. O que ele não sabe é que seus filhos, Magnus e Lúcia também querem os cristais. Nessa corrida pela Tétrade, Lúcia ainda está aprendendo a lidar com seus poderes, enquanto Magnus não consegue mais se entender quando está perto de Cleo. A princesa também começa a vê-lo com outros olhos, mas o ódio e desejo de vingança pela família ainda são muito fortes. Outro que não sabe o que sente é o rebelde Jonas Agallon, dividido entre a princesa e a amiga Lysandra. Traições, mortes, amores, tudo está entrelaçado nessa busca por poder e vingança.

Peguei esse livro num dos raros momentos em que eu não tinha mais nenhum outro a vista para o tema. Não lembrava mais nada do segundo livro da série (esse é o terceiro), mas consegui me situar depois de poucas páginas. A história segue o mesmo ritmo das primeiras, a ação não para. Eu vibrei com a mudança entre Magnus e Cleo, estava torcendo fazia tempo por eles. Algumas coisas me surpreenderam, outras me deixaram com muito ódio (não posso falar que coisas para não dar spoiler, esse é umas das leituras em que isso acontece, não posso alongar a resenha se não escrevo mais do que devo). Não vejo a hora de ler os livros seguintes.

site: http://ofantasticomundodaleitura.blogspot.com/2018/06/a-ascensao-das-trevas-morgan-rhodes.html
comentários(0)comente



Alessandra 21/12/2019

Motivações duvidosas.
Para o cruel rei Gaius a conquista de Mítica não foi suficiente. Ambicioso e sanguinário, ele agora anseia pela Tétrade, um poder de cristais milenares capaz de grandes feitos.

Entretanto, em meio as rebeliões que assolam seu mundo, também precisará enfrentar inimigos maiores vindos de fora para conquistar seu objetivo, fazendo com que todos se tornem suspeitos.
.
Nessa confusão, alianças improváveis serão formadas e sentimentos impossíveis acordarão. Uma jornada de descobertas e escuridão está prestes a ascender.

Neste volume a autora desenvolve o relacionamento de diversos personagens que já conhecemos desde o primeiro livro. Os estratagemas começam a tomar forma, apesar da imaturidade de todos os envolvidos.

Embora cativante e de leitura rápida, temos uma queda de qualidade nesse tomo, pois conhecemos as verdadeiras motivações da grande vilã do momento que se mostram fracas e deixam a desejar. Confesso que esperava mais de uma mente supostamente tão perversa e dissimulada.

Quem menos evolui é Jonas, o líder rebelde, que continua trocando os pés pelas mãos na hora de tomar boas decisões. Dentre as várias visões da narrativa, minha personagem preferida é a princesa Cleo, que usa de todo o seu sangue frio para se adaptar aos horrores que enfrenta e buscar uma reivindicação ao trono roubado pelo pai de seu marido.

Uma série de fantasia que faz jus ao gênero e merece uma chance do leitor. Não vejo a hora de me aventurar pelo próximo volume e descobrir os caminhos que essa história vai percorrer.

site: https://www.instagram.com/euamolivrosnovos
comentários(0)comente



Amycolaco 04/07/2017

Nem tudo está perdido...
Foi com esse pensamento que iniciei essa leitura, depois de aceitar a minha frustração com o segundo livro, tentei não criar muitas expectativas, mas nada como os recomeços não é mesmo? E o que começou bem terminou ótimo.
Nesse livro existe uma consistência maior na trajetória dos personagens, algo mais definido. Diferentemente do anterior, aqui conseguimos acompanhar capítulos com histórias mais completas e embora tenha pequenos erros o livro é legitimamente bom.
Preciso destacar que o romance de Cleo e Magnus é algo que me arranca um sorrisinho despretencioso, eu amo casais relativamente incompatíveis e amo ver a forma como a autora desconstrói o amor ditado.
Devo confessar que também apreciei a morte (pasmem) de Ioannes, mas, isso abriu caminho para o crescimento de Lucia nos próximos livros, já que no segundo ela foi ofuscada e nesse terceiro romantizada ao excesso.
Enfim, gostei do livro, gostei dos desfechos, reconheço o crescimento da autora e chega de falácias; vamos ao quarto!


steph (@devaneiosdepapel) 16/11/2017

A Ascensão das Trevas
Depois de ter uma ótima experiência com A Primavera Rebelde, é triste admitir que A Ascensão das Trevas não foi uma leitura tão boa quanto eu esperava.

A história deste terceiro volume dá continuidade à busca da Tétrade e a algumas outras subtramas que já vínhamos acompanhando nos dois primeiros livros. Pela sinopse, acho que A Ascensão das Trevas tinha um grande potencial, mas que pecou muito na execução e acabou caindo na “maldição do segundo livro” já conhecida em diversas trilogias. Ou seja, o livro acaba sendo pura encheção de linguiça.

Pra ser bem sincera, eu tenho bastante dificuldade de continuar a escrever essa resenha porque não sei o que falar sobre a obra. Há poucos acontecimentos marcantes, pouco desenvolvimento dos personagens e muita enrolação em cenas desnecessárias. A escrita de Morgan Rhodes continua fluida e gostosa de ler, mas é nítido que nem a própria autora sabia muito onde queria chegar e preferiu enrolar com a busca da Tétrade (que no fim das contas também nem foi assim tão ~emocionante).

Magnus continua sendo meu personagem favorito e o único que se destacou positivamente na obra, apesar que gostei bastante de Lysandra também. O restante evoluiu muito pouco, como Jonas, Cleo e Lucia. É incrível como esses três seguem tomando as mesmas decisões, caindo em um looping que não decai e nem melhora.

No geral, A Ascensão das Trevas é um livro morno, sem nada que me faça dizer que adorei ou detestei. Alguns problemas foram resolvidos de maneira bem preguiçosa e rápida, perdendo as características narrativas que vi nos primeiros livros. Não sei o que esperar da continuação, mas é uma pena que após esta leitura eu não esteja nem um pouco empolgada.

site: http://www.devaneiosdepapel.com.br/2017/11/resenha-ascensao-das-trevas.html
comentários(0)comente



Marlei 31/08/2016

Resenha: "A Ascensão das Trevas (Morgan Rhodes)
Por Sheila: Oi pessoas! Como estão? Trago a vocês hoje a continuação de "A primavera Rebelde", da sequência iniciada com "A queda dos Reinos". Você pode conferir as resenhas anteriores feitas por euzinha aqui no Dear Book aqui e aqui.

Como esta é uma sequência de livros, ao falar do terceiro é inevitável que alguns spoilers dos livros anteriores acabem surgindo, assim àqueles que não gostam de saber de antemão de detalhes da história recomendo parar por aqui.

Aos que prosseguem vamos lá. A primavera Rebelde nos fez terminar a leitura com um gostinho ácido na boca. Ao invés de uma "primavera" o que vemos é um caos rebelde. Ações mal planejadas, planos que não dão certo, dor, morte e sofrimento.

Lysandra estava presa com o irmão no aguardo de sua execução, Cleo continua encarcerada pelos Damora, e uma amizade improvável estava se formando entre Cleo e Lúcia, perdida e sem conseguir controlar bem seus poderes.

Muita coisa aconteceu. Mas nada aconteceu realmente em "A Primavera rebelde", me fazendo ansiar por um pouco mais de ação em "A Ascensão das Trevas". E, ok, já adianto que não fiquei decepcionada não. No início do livro, vamos encontrar Jonas com seus arrependimentos, e o que lhe restou de seus rebeldes.

Além dele, Rufus foi o único rebelde que apareceu no ponto de encontro naquela manhã. Jonas o encontrara ali parado, com lágrimas escorrendo pelo rosto sujo, tremendo de medo e divagando sobre fogo mágico, bruxas e feitiçaria.
Apenas dois, de quarenta e sete, restaram. Tinha sido uma derrota avassaladora em diversos aspectos, e, se Jonas pensasse muito sobre isso, ficava cego e paralisado pelos sentimentos de culpa e luto.
Seus planos. Suas ordens.
Sua culpa.
De novo.
Cleo continuou tentando aproximar-se da princesa Lúcia e a fingir cordialidade e aceitação aos Damora, sempre arquitetando secretamente uma forma de se vingar e retomar o reino que lhe foi brutalmente retirado pelo Rei Gaius, o temido Rei Sanguinário. De posse da informação de que Lucia é uma forte feiticeira, começa a acreditar na lenda da tétrade e acreditar que será achando-a que poderá reconquistar tudo que perdeu.

Magnus continua uma bagunça; ele é bom ou mal como o pai? Ele venera o pai ou quer destruí-lo? Ele quer Lúcia, a irmã de criação que o rejeitou, Amara, a princesa Kraeshiana que surgiu em "visita, ou esta começando a sentir alguma coisa por sua esposa de mentirinha, a princesa Cleiona?

- Sua opinião é irrelevante para mim princesa.
- Você é todas essas coisas. - Ela assentiu como se concordasse consigo mesma. - Mas quanto mais penso a respeito, mais você se torna um enigma. Ontem foi apenas mais um exemplo. Antes disso teve a oportunidade de me expor como espiã ao seu pai, mas não fez nada. Podia ter deixado aquele rapaz me esfaquear em Limeros, mas o impediu. Você me defendeu quando Aron expôs a perda de minha castidade. Caso contrário, o rei teria me expulsado. E não contou sobre a adaga nupcial que o principe Ashur me deu.
Cleo falava como se ele tivesse feito aquelas coisas de proposito para ajuda-la.
- Esta imaginando gentilezas onde não existem.

Já Lúcia parece estar finalmente superando sua insegurança em relação à própria magia ... ou será que a magia vem apropriando-se de seu ser, tornando-a uma jovem egocêntrica e fervilhante pelo sentimento de poder absoluto?

Em "A Ascensão das trevas" vemos uma frenética caça ao "tesouro" das tétrades, a chegada de novos personagens de fora de Mítica, alianças improváveis, amores impossíveis, reviravoltas sem fim. Pessoas a beira da morte praticamente ressuscitadas, pessoas que num parágrafo estavam ali e em outro tinham sido simplesmente varridas para fora da trama de Rhodes.

Confesso que fiquei impressionada e looouuuucaaaa pela continuação. Se recomendo? Não só recomendo, como espero ansiosa por pessoas para discutir esse final!

Abraços e até a próxima.

Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


site: http://www.dear-book.net/2016/08/resenha-ascensao-das-trevas-morgan.html
comentários(0)comente



28 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2