O Lago Negro

O Lago Negro Juliana Daglio




Resenhas - O Lago Negro


37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Bela 14/08/2017

MARAVILHOSO!!
Verônica é uma jovem de 20 anos, ela acabou de passar para a universidade e vai cursar jornalismo, como sempre sonhou. Ela irá morar junto com seu namorado, Enzo, que é um calouro do curso de Letras e pretende aproveitar o ambiente de cidade pequena para começar a escrever o seu livro, pois a faculdade é localizada numa cidadezinha do interior de São Paulo, chamada Lagoana.

"Há algo de errado com meu cérebro. Ele tem tudo para conseguir o que quiser, mas está sempre estacado no mesmo lugar. Ele me faz avaliar demais as pessoas antes de me relacionar com elas; me faz sombria, taciturna, estranha demais para ter amizade com qualquer um."

Ao chegar na universidade, Verônica logo faz uma amiga, Carol, o que lhe surpreende, pois ela nunca se considerou uma pessoa muito sociável. Dona de um visual dark e com um punhado de dificuldades psicológicas, que lhe renderam uma estadia em um hospital psiquiátrico depois que o seu pai faleceu em um acidente de carro, há doze anos, Verônica ainda toma remédios para controlar o seu humor e ansiedade. Ela também estava no carro quando tudo aconteceu, mas foi resgatada à tempo. Entretanto, os últimos doze anos não estão totalmente sólidos em sua memória, há falhas em que ela não sabe exatamente o que vivenciou. Mas, esse é apenas um dos fantasmas que a assombra ocasionalmente. V não é uma pessoa fácil de lidar, é ciumenta, insegura, explosiva e muito curiosa, mas é muito fácil se apegar e identificar com ela, porque é uma personagem muito humana.

Diferente do ambiente festivo e acolhedor da universidade, a cidade de Lagona é escura e sombria. A névoa constantemente presente no ar devido à geografia característica da região parece contaminar seus moradores com o ar fúnebre, que fazem questão de deixar evidente seu desgosto para com os estudantes universitários. Esse tratamento hostil, mantem os alunos dentro dos limites do campus, mas Verônica não consegue ficar presa naquele lugar, ela está determinada a explorar os arredores e quem saber conquistar o afeto de alguns daqueles moradores carrancudos. Assim, ela acaba se tornando babá de uma família muito esquisita, os Caprini. O casal Caprini também enfrenta a antipatia dos habitantes de Lagoana e moram um pouco afastados do centro. Apesar de serem bastante simpáticos com Verônica, ela não consegue impedir de se sentir um tanto quanto incomodada com o ar de mistério e perigo que ecoa daquele casal e da mansão decadente em que vivem. Vindos de uma antiga e importante família da região, Verônica não faz ideia da extensão dos segredos que eles escondem, mas acaba por topar a proposta de tomar conta da pequena Lizandra algumas vezes por semana.

"Era ela... A loucura. Ela é como um desalinho em espiral nos trilhos da sua mente. Quando o trem chega perto das zonas de risco, aqueles espaços se contorcem e retorcem, esgueirando-se dentro do seu cérebro, embrenhando-se no meio da sua carne, como veias enferrujadas intrincadas com as saudáveis. O trem fica desgovernado, acelera em meio a elas, passa por dentro de tudo, rasgando e sangrando.
Isso tudo silenciosamente.
Ah, o silêncio dos loucos é um trem desgovernado."

É quando começa a escrever o seu livro que tudo acontece, a história se trata de uma fantasia e envolve anjos, vampiros, rituais e um misterioso lago negro. Mas, assustadoramente, realidade e ficção começam a se embaralhar, os personagens parecem sair de dentro das páginas de seu rascunho para assombrá-la e os fatos se repetem sem que ela possa fazer qualquer coisa para evitar. Então, ela começa a se questionar se está perdendo mais uma vez o controle sobre a sua sanidade, quando aparece um rapaz atraente chamado Liam fazendo perguntas sobre os Caprini e sobre o passado de Verônica. Liam é um rapaz charmoso, mas também carrega os seus segredos e só começamos de fato a conhecê-lo quando os dois percebem que podem confiar um no outro, pois só assim irão conseguir entender o que está acontecendo. Já Enzo está com Verônica há mais de oito anos e sempre foi o namorado perfeito. É claro que eles tem seus desentendimentos, mas sempre conseguiam se resolver, entretanto, as coisas não estão funcionando muito bem desde que chegaram à Lagoana. Os dois tem reagidos de maneiras bastante diferentes às novas liberdades e responsabilidades da vida adulta.

"Dizem que o passado é algo que vive dentro de você, por mais esforços que faça para esquecê-lo. Dizem que ele molda seu futuro, que influência suas decisões e que acaba passando a fazer parte de quem você é, não importando o que escolheu fazer com ele.
Gostaria que isso não fosse verdade."

O livro é maravilhoso! Ele é dividido de forma que temos uma parte narrada por Verônica, outra por Liam e ainda capítulos do livro de Verônica. Eu fiquei boba com tudo o que aconteceu e vai ser difícil encontrar uma leitura que o supere (talvez os próximos livros da saga? haha). Devorei ele em menos de vinte e quatro horas! No começo confesso que me senti um tanto quanto perdida e estava achando tudo esquisito demais: a cidade, os personagens, o prólogo, os Caprini, o lago. Tudo era muito estranho, mas ao mesmo tempo cada um desses elementos traziam consigo uma curiosidade e um ar tão misterioso que não me deixaram abandonar a leitura. O enredo é muito bem trabalhado e entrelaçado e muitas vezes me perguntei se tudo o que estava acontecendo era mesmo real ou se havia algo de fantasioso, como a capa me sugerira no início. O final foi muito inesperado para mim e apesar desse volume ter concluído uma "aventura", não esclareceu todos os pontos, que provavelmente serão abordados no decorrer da saga, como as memórias perdidas de V. Estou curiosíssima para entender tudo o que lhe aconteceu. Nesse livro, vemos as coisas ainda muito fragmentadas, mesmo que ela tenha descoberto algumas coisas.

O Lago Negro certamente entrou para as minha lista de livros favoritos e fiquei com vontade de ler não só a sequência da saga, mas todos os outros livros da Juliana Daglio, menos Lacrymosa, porque terror não é pra mim... haha. Ela escreve maravilhosamente bem e o livro está lindo, contém detalhes e ilustrações no início dos capítulos, além folhas pretas para separar as partes narradas por Liam e Verônica. Mas o livro, em geral, possui páginas amareladas, para facilitar a leitura.

"-Assim como somos o que absorvemos do mundo, também odiamos nos outros o que vemos de errado em nós mesmos, professor.- Ele me encarou atônito, parecia ter me notado pela primeira vez."

site: http://www.sigolendo.com.br/
Franciele 19/08/2017minha estante
Parece ser um livro interessante. Gosto de livro com temáticas sobrenaturais e ainda mais quando envolve anjos! Com certeza esse livro entrou na minha lista de próximas leituras. Adorei a capa do livro, muito bonita!


Valeria.Sakura 06/10/2017minha estante
muito bem feita a resenha. tudo me atrai nesse livro: a capa, o tema, e a abordagem que voçê fez. gostei muito, parabéns




Letícia 03/09/2015

Eu vou me mudar para Lagoana!
(....)
A escrita da Juliana é muito limpa, clara e ao mesmo tempo poética, algo que já é uma marca registrada da autora, pois também está presente em Uma canção para a Libélula, mas em O lago negro, o clima da história é muito mais "descontraído" e jovial. A personagem principal, Verônica, é uma garota complicada, cheia de traumas e tão bem delineada que eu sentia como se ela fosse uma amiga próxima. Na verdade, consigo ver muito da autora na personagem, algo que me motivou a ler ainda mais rápido. Enquanto eu lia, pensava que Verônica podia ser uma das amigas da Elvira... Por que não? As semelhanças entre a mocinha de O lago negro e a mocinha de Jurada pelas sombras são poucas, mas ao mesmo tempo são tão enigmáticas e parecidas que eu me pegava sorrindo para o livro e voltava várias vezes para ler de novo!
Eu adorei a ambientação da história, a cidade de Lagoana foi tão bem descrita que eu consegui imaginar o ar fúnebre, as pessoas transitando silenciosas pelas ruas e seus semblantes tristes. É fantástico este contato com a obra! Portanto, em termos de enredo, o que posso dizer? Juliana foi inserindo doses de realismo mágico de um jeito tão, tão inovador que você começava a duvidar de sua própria sanidade! Isso foi uma tacada de mestre, só o que posso dizer! O livro tem aquela oscilação que te dá prazer de ler, aquele começo com mistério, aquela tensão que tende a aumentar, o ápice estrondoso e a aparente calmaria, algo que eu acredito ser uma das coisas mais importantes para te manter preso a uma leitura. Livros com pouca oscilação não me prendem, sou sincera, acho que fica tudo muito igual e você mal consegue perceber o ápice, o que neste caso, não aconteceu, graças a Deus! Todas as partes estão bem delimitadas e te fazem querer mais urgente! O segundo volume, para minha alegria, chega em minhas mãos muito em breve, o que me deixa muito tranquila! Em termos de personagens, como já comentei, o livro não deixa a desejar. Temos personagens secundários tão bem descritos quanto a principal, em especial, gostaria de destacar o casal Caprini e Liam, foram personagens que me conquistaram demais e eu estou louca para saber mais sobre a enigmática Katarina. A escrita da Juliana é muito limpa, clara e ao mesmo tempo poética, algo que já é uma marca registrada da autora, pois também está presente em Uma canção para a Libélula, mas em O lago negro, o clima da história é muito mais "descontraído" e jovial. A personagem principal, Verônica, é uma garota complicada, cheia de traumas e tão bem delineada que eu sentia como se ela fosse uma amiga próxima. Na verdade, consigo ver muito da autora na personagem, algo que me motivou a ler ainda mais rápido. Enquanto eu lia, pensava que Verônica podia ser uma das amigas da Elvira... Por que não? As semelhanças entre a mocinha de O lago negro e a mocinha de Jurada pelas sombras são poucas, mas ao mesmo tempo são tão enigmáticas e parecidas que eu me pegava sorrindo para o livro e voltava várias vezes para ler de novo!
Eu adorei a ambientação da história, a cidade de Lagoana foi tão bem descrita que eu consegui imaginar o ar fúnebre, as pessoas transitando silenciosas pelas ruas e seus semblantes tristes. É fantástico este contato com a obra! Portanto, em termos de enredo, o que posso dizer? Juliana foi inserindo doses de realismo mágico de um jeito tão, tão inovador que você começava a duvidar de sua própria sanidade! Isso foi uma tacada de mestre, só o que posso dizer! O livro tem aquela oscilação que te dá prazer de ler, aquele começo com mistério, aquela tensão que tende a aumentar, o ápice estrondoso e a aparente calmaria, algo que eu acredito ser uma das coisas mais importantes para te manter preso a uma leitura. Livros com pouca oscilação não me prendem, sou sincera, acho que fica tudo muito igual e você mal consegue perceber o ápice, o que neste caso, não aconteceu, graças a Deus! Todas as partes estão bem delimitadas e te fazem querer mais urgente! O segundo volume, para minha alegria, chega em minhas mãos muito em breve, o que me deixa muito tranquila! Em termos de personagens, como já comentei, o livro não deixa a desejar. Temos personagens secundários tão bem descritos quanto a principal, em especial, gostaria de destacar o casal Caprini e Liam, foram personagens que me conquistaram demais e eu estou louca para saber mais sobre a enigmática Katarina.
(...)

Leia a resenha completa no blog

site: http://eraumavezlivrosecia.blogspot.com.br/2015/09/resenha-o-lago-negro-juliana-daglio.html
Juh 29/11/2015minha estante
Oi, onde você comprou o livro? Não encontro ele nem pra download!


Letícia 08/06/2016minha estante
Ju, comprei aqui!

www.arwenstore.com.br




Cami 23/12/2015

Resenha do Blog | Descafeinadas (Livro Cortesia)
Fico imensamente feliz quando livros brasileiros me agradam tanto, saber que as editoras (A Arwen em especial) vem acreditando que temos tesouros escondidos aqui no Brasil assim como no exterior. O Lago Negro tinha tudo para ser só mais um livro e infelizmente ele não é só isso. Autores brasileiros vem cada vez mais me surpreendendo com sua escrita e criatividade. Quem disse que aqui não tem mais bons livros? Infelizmente se você pensa assim, sinto muito você é desinformado e não conhece escritoras como a Juliana e editoras como a Arwen.

A história é toda intrínseca em mistérios e peças deixadas para trás, ao iniciar a leitura nos deparamos com questionamentos discutindo o que ou não é a sanidade, isso sinceramente é o charme do livro. Verônica, nossa personagem principal, se questiona sempre sobre o que realmente é real e o que está saindo da sua cabeça. Ela, além de tudo, é uma personagem misteriosa por si só. É muito fácil se afeiçoar as "maluquices" da Verônica e ficar curiosa junto com ela.

"Pessoas que se julgam sãs, como mentes saudáveis, quando param param para pensar nos loucos a correr pelas ruas, ou nos trancafiados em hospitais, sente-se inundados de uma repulsa disfarçada de pena, o que os motiva a buscar mais e mais pela sua própria sanidade" (Página 25)

As personagens desse livro são integras e de longe muito bem construídas, temos o Enzo (diga-se de passagem que não gostei dele desde o início) que é o namorado da Verônica, a própria Verônica, o Ancião que é um velho pra lá de estranho, uma família muito esquisita que são pais da fofa e estranha bebê que não chora Lisandra, o Liam que é um amor incondicional de fofo. Todos parecem ter sido minunciosamente criados para que nos impressionasse a cada virada de página.

A narração tem duas partes, a primeira delas é narrada em primeira pessoa pela Verônica logo vemos tudo pelos olhos dela. A segunda é narrada pelo Liam em primeira pessoa, então temos a visão de duas das personagens sem perder o foco inicial da trama. Porque devo deixar bem claro que eu achei o livro psicológico e misterioso, tem um pouco de thiller e romance.

"Os Humanos nunca fora fáceis de abater. A esperança os mantinha unidos;a fé os mantinha fortes. Tais sentimentos foram os pilares onde a sobrevivência se sustentou por séculos e mais séculos" (Página 165)

O livro é bem misterioso, a única coisa que me incomodou um pouco durante a leitura foram os trechos do livro da Verônica. Ela tem um livro na cabeça desde que tudo mudou em sua vida (o grande mistério do livro, então sem spoiler) aí ela vai para Lagona no interior de SP (Sim, o livro se passa aqui no Brasil) uma cidadezinha pra lá de esquisita e os personagens do livro acabam ganhando vida, quase que no sentido literal da palavra porque eles parecem para ela. Verônica é mesmo estranha.

Ela vai para Lagona que é bem misterioso, tem muita névoa e pessoas que odeiam forasteiros. Eu adorei o cenário além de bem misterioso parece aquelas cidadezinhas no estilo de Forks, lá as pessoas são misteriosas, tem seres mitológicos, assassinos e muita névoa. Vocês vão amar esse livro !

É um livro incrível, tem tudo que um bom livro precisa. A autora me surpreendeu muito, falar muito desse livro é dar spoiler por isso também é uma resenha misteriosa para vocês terem vontade de ler. Super recomendo essa leitura!

site: http://www.descafeinadas.com.br/2015/12/resenha-o-lago-negro-livro-1-de-juliana.html
comentários(0)comente



Pri 26/11/2016

O que fazer quando a vida real e a fantasia se misturam?
Recebi esse livro através do Book Tour organizado pela autora. Não sabia o que esperar direito dessa personagem tão enigmática e fiquei muito feliz em ter as minhas expectativas ultrapassadas!

"— Você não é louca. Só tem uma maneira diferente de lidar com as coisas.
— Não gosto dela — concluiu, uma tristeza profunda na voz. — Queria ser normal.
— Ser normal é ridículo. Não gostaria de você se fosse normal."

Verônica Cattani tem 20 anos e passou no vestibular para jornalismo, na Universidade Federal Interiorana, que fica na cidade de Lagoana, no interior de São Paulo. Ela e seu namorado, Enzo, estão ansiosos para aproveitar a liberdade e iniciarem sua vida a dois.
O maior dos desejos de Verônica é poder afastar-se do seu passado e começar realmente uma vida nova. Ela tinha 12 anos quando aconteceu o acidente em que seu pai faleceu, e ela foi resgatada antes que se afogasse. Desde então, traumatizada, ela já tentou suicídio, ficou internada em hospitais psiquiátricos, e até hoje toma remédios para acalmar seus monstros interiores. Uma parte do passado foi apagada de sua memória, e muitos mistérios circundam esses acontecimentos.

"As pessoas acham que eu sou psicótica. Confesso que eu mesma já pensei sobre isso algumas vezes, mas depois me dei conta de que tenho muitas dúvidas na vida para ser louca. Pessoas lúcidas é que vivem de incertezas, os loucos tem certezas demais e por isso vivem em outro mundo."

O ar sombrio da cidade desperta sua imaginação e ela finalmente sente que escreverá o livro que a atormenta há anos: O Lago Negro. A história de uma nefilin que precisará enfrentar uma batalha contra vampiros. Os personagens gritam em sua mente, aparecem em seus sonhos, mas ela nunca conseguiu escrever a história até por os pés em Lagoana.
Durante uma de suas visitas à cidade, onde os moradores odeiam os universitários, ela conhece uma família simpática, embora um tanto assustadora. Os Caprini vivem isolados da população e escondem muito mais segredos do que aparentam. Apesar de amedrontada, também tem a curiosidade despertada por esse casal excêntrico e misterioso, que decide contratá-la para ser babá de sua filha, Lizandra. Mas o mais espantoso nessa história é o lago que ela encontra nos fundos da mansão, negro e vasto, exatamente como o que aparece em seus sonhos e está descrito em seu livro.

"Numa tarde escura e triste ela conheceu o lago negro. Uma porção de águas escuras que se olhadas superficialmente davam a entender que eram um manto de veludo que ondulava sutilmente, mas quando olhadas com intensidade, revelavam uma profundidade hipnótica, eterna, amedrontadora e fascinante.
A garota via sua silhueta refletida na água e pensava na vontade de mergulhar ali e sentir a maciez aveludada na pele, mas ao mesmo tempo julgava que não suportaria afundar tanto. Talvez não voltasse nunca mais."

Diversos acontecimentos parecem querer arruinar a frágil sanidade de Verônica. Seu livro e a vida real começam a se mesclar de uma forma incompreensível, e sem saber o que é real e o que é fantasia, ela sente a necessidade de perscrutar seu passado em busca das respostas, sem imaginar o perigo que está correndo. O surgimento de Liam, um gringo de sorriso cafajeste e piadas irônicas, que parece persegui-la em todos os lugares, só aumenta suas desconfianças e temores. Como será que essa história irá terminar?

"— Você tenta parecer um cara legal, cheio de si, todo certo de ser gostoso e atraente, mas eu consigo ver que no fundo você é igual a mim — falou, agora em um tom calmo e convicto. — Você está sozinho, Liam. E esse é um tipo de solidão que ninguém no mundo pode preencher. Sei bem como é."

Verônica tem um humor instável e explosivo, se irrita muito fácil e é bastante ciumenta. É uma garota perturbada pelo passado. Era muito próxima do pai e, depois da perda abrupta, nunca mais conseguiu ter uma vida normal. Agora que está na faculdade, tem esperança de que conseguirá superar os fantasmas que a perseguem, com o apoio de Enzo, que está ao seu lado desde o acidente. Enzo é o primeiro e único namorado de Verônica, e ambos aprenderam tudo o que sabem sobre um relacionamento um com o outro. A expectativa para finalmente viverem juntos é alta, mas infelizmente nem tudo ocorre como o planejado. A liberdade adquirida com a universidade é grande e Enzo começa a mostrar um lado que nunca apresentou. Liam é um cara gato e misterioso que esbarra na vida de Verônica. De início, ela o repele, mas depois percebe que ele também tem seus próprios segredos e fantasmas, e o destino se encarrega de fazer os dois se encontrarem mais vezes do que esperam. Durante a leitura, também conhecemos outros personagens marcantes, como Carol, a única amiga que Verônica faz na faculdade; Antonietta, a avó dela, que a criou desde a morte do pai; Carlos Velásquez, o professor que era amigo de seu pai; e Vicente e Katarina Caprini, o misterioso casal para quem trabalha; entre outros. Todos os personagens tem papéis importantes no desenrolar dos sinistros acontecimentos em que a protagonista se envolve.

"(...) Verônica Cattani era a pessoa mais solitária que já encontrei no mundo, mesmo quando estava entre as pessoas. Mesmo quando deitava no peito suado e ofegante de seu namorado perfeito e o ouvia murmurar que a amava; mesmo quando respondia com sua voz amorosa, vazia por dentro, e até mesmo quando o via olhá-la com amor, acreditando que era verdade. Verônica Cattani acreditava amar Enzo Cervantes, por isso fez dele o centro de seu universo. Sem ele, ela era só uma menina louca com cicatrizes de auto mutilação."

A história é narrada em primeira pessoa e o livro é dividido em três partes. A primeira e terceira são pelo ponto de vista da Verônica; a segunda, pelo do Liam. Confesso que gostei mais do ponto de vista dela. A Verônica é uma personagem fácil de se identificar. Mesmo que você não chegue nem perto de passar pelas dificuldades dela, vai se identificar de alguma forma. Mas gostei de poder ter mais acesso à mente do Liam, entender melhor como ele pensa, o que sente e o que esconde.
A Juliana tem uma escrita maravilhosa e muito encantadora, o que fez a leitura ter uma fluidez surpreendente. Eu fiquei totalmente envolvida na história criada, não queria parar de ler. A forma como o suspense e o mistério ficam entremeados com a fantasia, enquanto acompanhamos o que Verônica vai descobrindo e como seu livro vai se desenvolvendo, sem sabermos o quanto de realidade e imaginação tem naquilo tudo, é de tirar o fôlego. Torcemos não só para que dê tudo certo para Verônica, apesar de sabermos que se envolveu em algo muito perigoso, como também para Liriel, a protagonista de seu livro, do qual também há alguns capítulos intercalados durante a leitura.
O enredo é fantástico e a forma como a autora conduziu a história foi perfeita. Ela conseguiu responder muitas das questões levantadas durante a leitura, mas soube deixar o suficiente de mistério para os próximos volumes. O final me deixou satisfeita, mas também muito ansiosa para poder ler logo Submersão.

"(...) As pessoas no mundo são, em sua grande maioria, um bando de idiotas convencidos de suas verdades inúteis. Poucas pessoas param para pensar no outro, no que ele sente, pensa, ou na forma como enxerga as coisas. Você tem que aprender isso na teoria, pois na prática é como apanhar repetidas vezes de uma mão invisível. Nunca sabe de onde vai vir o tapa."

Sobre a diagramação, achei muito boa. O livro possui páginas amareladas e é bem confortável de ler. Tem detalhes muito lindos, que já percebi serem comuns nos livros da editora, sempre ao iniciar os capítulos. E a capa é belíssima (tenho uma queda por capas com garotas de vestidos longos, escuros e sombrios rs), combinando muito com a história.
Se você já tinha visto esse livro por aí, mas não sabia se deveria ler, aproveite minha dica e leia. Se não conhecia, indico um dos melhores livros nacionais que li esse ano. Tenho certeza de que irá amar e se surpreender, assim como eu! ❤

site: http://www.sigolendo.com.br/2016/11/resenha-o-lago-negro.html
comentários(0)comente



Francine 02/05/2016

Dentro de uma ficção, há outra escrita e vivida pela própria protagonista. Isso é genial!
Tive a alegria de ler O Lago Negro através do Book Tour organizado pela própria autora, Juliana Daglio, a quem agradeço por acolher minha participação.

Narrado em primeira pessoa, n'O Lago Negro conhecemos Verônica Cattani, uma jovem que acaba de se mudar com o namorado Enzo para a cidade de Lagoana, no interior paulista. Ambos iniciarão suas vidas universitárias na Universidade Federal Interiorana de Lagoana (UFI) e morarão juntos pela primeira vez.

Logo nas primeiras páginas, notamos que Verônica não leva uma vida comum. Ela se sente constantemente no limite de suas emoções e precisa, muitas vezes, recorrer a medicamentos psicotrópicos para se controlar. Impulsiva, desconfiada e irritadiça, não é exatamente alguém com muitos amigos. O problema é que Lagoana não parece ajudá-la. O lugar é mórbido, úmido e suas densas nuvens nunca permitem que o sol as penetre. Será que Verônica deveria mesmo estar nessa cidade?

Apesar disso, é nesse lugar que Verônica se sente inspirada para escrever seu romance, intitulado O Lago Negro. No entanto, quanto mais Verônica escreve sobre a batalha entre seus personagens, nefilins e vampiros, mais distante de Enzo e de sua realidade começa a ficar. Isso porque os acontecimentos de seu livro e da sua vida começam a se mesclar perigosamente, e somos levados a nos questionar: o que é verdade e o que é fantasia?

Com histórico psiquiátrico, Verônica coloca à prova sua própria sanidade. Será que, de algum jeito, foi influenciada a escrever O Lago Negro ou, quem sabe, há algum elemento sobrenatural envolvido no seu processo de escrita?

Gostei muito do modo como Juliana Daglio produziu esse romance! O enredo nele apresentado é completamente diferente do que podemos esperar. Dentro de uma ficção, há outra escrita e vivida pela própria protagonista. Isso é genial! Ao mesmo tempo, Lagoana é um lugar cheio de mistérios, do tipo que adoraria ver num filme. A cidade possui uma história perigosa, na qual Verônica acaba completamente envolvida.

Algo que gosto muito na narrativa da Juliana Daglio é a facilidade em caracterizar seus personagens de modo complexo e humano. No início, percebi que Verônica estava cada vez mais perdendo o controle de sua vida por faltar uma decisão pessoal, por faltar uma coragem que ainda não descobrira possuir. Foi muito interessante vê-la se desenvolvendo, revelando sua própria força e enfrentando seus fantasmas. Considero um ponto forte a autora abordar, através de Verônica, o estigma que as pessoas com transtornos psiquiátricos enfrentam quando decidem viver com autonomia.

Como fragilidades, aponto que alguns elementos me incomodaram, embora entenda sua importância. Houve cenas de ação que foram inverossímeis e, em minha opinião, o desfecho precisaria de um desenvolvimento um pouco mais lento. A revisão também apresenta fragilidades, mas não afetam o entendimento do leitor.

Estou muito interessada na continuação, esperando mais de Verônica e do Liam (personagem que ganhou meu coração assim que apareceu). Adorei a capa, que tem tudo a ver com a história, e a diagramação está maravilhosa. Recomendo para quem gosta de romances misteriosos!

Resenha postada no My Queen Side:

site: http://www.myqueenside.com.br/2016/05/resenha-144-o-lago-negro.html
comentários(0)comente



SahRosa 17/11/2016

Resenha Exclusiva do Blog Da Imaginação à Escrita
Depois de um tempo namorando esse livro, finalmente tive a chance de conhecer as águas escuras e misteriosas de O Lago Negro. Quero ressaltar, que a obra é uma das melhores que li atualmente, Juliana Daglio, possuiu um talento incrível e O Lago Negro sem dúvidas me marcou muito. Com uma atmosfera que mescla romance, um pouco de fantasia e elementos mais dark, O Lago Negro é um livro incrível, que facilmente envolve o seu leitor, você vai sentir o lago te chamando e quando decidir escutar essa voz, não terá volta, afinal, o enredo é tão cativante, que quando percebe, as páginas finais estão chegando e tudo que quer é mais desta história tão boa!

A obra é divida em três partes, Loucura e Sanidade, Respostas e Escuridão e O Lago Negro, e sua narrativa é feita em primeira pessoa, sendo a primeira e terceira parte, pela visão da Verônica, personagem principal e a segunda por Liam, um jovem enigmático e um tanto egocêntrico, mas que ao longo da trama, percebemos que assim como Verônica, o rapaz tem seus próprios demônios para enfrentar e uma missão importante pela frente. Confesso que de início, não fui muito com a cara do Liam, sua atitude um tanto prepotente e com aquele ar meio cafajeste e badboy, sem dúvidas não me agrada, como já mencionei em outras resenhas, mas Liam é um personagem diferente e em sua narrativa, vemos que essas atitudes trazem mais do que ele aparenta e assim como Verônica, o leitor passa a compreender melhor o personagem.

Mas, a narrativa de Verônica, foi a que mais me agradou sem dúvidas, que traz um grande diferencial se levarmos em conta as mocinhas dos livros, Verônica tem seus momentos mais complicados e é uma jovem com uma fragilidade constante, mas nem por isso, ela deixa de ser forte, Verônica transmite sentimentos únicos em sua narrativa, é aquela típica personagem que o leitor vai se identificar, talvez por isso mesmo, me senti tão apegada a ela e quando a o narrador passa a ser o Liam, torci o nariz, pois eu queria apenas a Verônica (vai entender, né?), mas isto se deve ao fato que ela é uma personagem que mostra a que veio, sua garra, suas atitudes, comovem o leitor de O Lago Negro, sentindo um apego grande com essa jovem que precisa encarar os fantasmas do passado e compreender as lacunas deixadas em sua vida. Verônica é uma personagem que conquista facilmente e isto se deve ao grande talento da autora, que mostra a que veio, a escrita de Juliana Daglio é tão boa e gostosa, que O Lago Negro revela-se uma obra poética, lírica e fascinante.

O modo como os personagens são desenvolvidos, como é descrito cada ambiente, emoção e sentimento, fazem de O Lago Negro um livro fundamental aos leitores que gostam de um bom romance com elementos sobrenaturais, mas não pense que essa é apenas a característica marcante de O Lago Negro, a obra traz muito mais do que apenas um romance, mas também uma história cercada de segredos e reviravoltas, você fica com aquela ansiedade a flor da pele, torcendo para que Verônica descubra cada parte desse quebra-cabeças tão bem delineado. Em relação aos personagens secundários, gostei bastante de cada um, que interpreta um bom papel na trama, todos tem uma parte importante que se completa em O Lago Negro. No entanto, como qualquer leitura, tenho algumas ressalvas, mas nada que tire o brilho desse livro encantador. Logo que iniciei a leitura, percebi uma falha na revisão, algo que me deixa bem triste, pois O Lago Negro é um livro ótimo, e ver alguns erros bobos, como frases inteiras repetidas em parágrafos, partes de frases também repetidas e troca de palavras que deixam o texto sem sentido, foi bem chato de encontrar, principalmente no começo, quando você está tendo aquele contato tão especial com uma história, por tanto, aqui fica minha recomendação a editora, que caprichou na diagramação e na capa, mas que infelizmente deixou a desejar na revisão.

Outro ponto que devo citar, é que o desfecho desse primeiro livro da série, foi um pouco corrido e confuso, mas acredito que talvez pelo fato de muitos segredos ainda estarem encobertos, talvez o leitor sinta mesmo que alguma coisa não foi explicada, por isso mesmo, não é algo que eu venha a levar como estreitamente negativo, pois O Lago Negro possui uma história fantástica, com ótimos ganchos e uma enorme carga de sentimentos, visto que este é o principal ponto que faz de uma obra merecedora do leitor, a forma como essa emoção foi transmitida, deixa a história de O Lago Negro tão palpável, que sentimentos parte dela, e tudo que personagens vivenciam.

Enfim, nem preciso dizer o quanto recomendo O Lago Negro, não é? Quem escolher mergulhar nessas águas, terá em mãos uma das melhores obras da atualidade do mercado nacional, Juliana Daglio é uma escritora que todo leitor deve ficar de olho, pois a qualidade de sua escrita é impressionante e O Lago Negro é uma leitura fundamental para aqueles que procuram uma boa história!

site: http://www.daimaginacaoaescrita.com/2016/11/resenha-o-lago-negro-juliana-daglio.html
comentários(0)comente



ClauClau 26/12/2015

Segredos Submersos.
O Lago Negro – Livro 1
Autora: Juliana Daglio
Editora Arwen
Pag.355
Ano: 2015
1ª edição
ISBN: 9788568255117.
Capa: Bernardo Manfredi
Gênero: Literatura Brasileira / Suspense psicológico
Fonte: Muito boa, com espaçamento adequado.

Olá turminha boa de leitura, é com muita alegria que apresento a minha amiga e parceirinha Juliana Daglio, psicóloga, fã de histórias de vampiros e outros seres sobrenaturais, uma garota que resolveu colocar suas fantasias no papel e nos brindar com uma história deliciosa e cheia de mistérios temperado com muito suspense.
A primeira vez que vi a chamada desse livro, fui arrebatada pela estética visual que se descortinava na minha frente. Uma capa linda, de um gosto primoroso, sua textura é suave e aveludada, produzida em papel soft touch, um Luxo! A cena da capa já me transportou vendo um céu em final de tarde melancólico, com um jogo de cores perfeito, uma jovem perdida olhando para o nada e uma casa sinistra na parte de trás da capa. É uma bela apresentação para um enredo sombrio e psicológico, e tem romance!
Bem no inicio nos deparamos com uma gravura com três jovens: Enzo, Verônica e Liam que os conheceremos no decorrer da história.

Agora prepare-se e mergulhe no “Lago Negro” da mente de uma jovem perturbada e perdida com um único desejo, libertar aquilo que não sabe o que é, mas sabe que existe. Ou não?

Verônica era uma bela menina, que tinha uma família nos padrões normais, sua avó Antonietta Cattani, uma senhora forte e muito amorosa, sua mãe Anna Cattani, uma mulher vaidosa e cheia de vida, mas o seu grande amor era o seu pai André Cattani um escritor de renome internacional que escrevia sobre histórias reais, mais precisamente romances policiais. Mas nem sempre a vida é uma eterna felicidade a após seu pai ter morrido em um acidente de carro, no qual ela estava também e conseguiu se salvar ela se fechou em um mundo conturbado e insano. Verônica havia enlouquecido. A saudade e a revolta em ter perdido alguém tão precioso fez com que ela se afastasse de sua mãe Anna, a ignorando e sempre que possível evitando o contato com ela. Verônica morava com a avó e passava os seus dias entre a razão a loucura e seus remédios.
Os anos se passaram e Verônica tornou-se uma jovem um tanto rebelde. Seus cabelos loiros eram tingidos de preto como se ela tentasse se esconder ou esconder algo, seus olhos eram de um tom incerto ás vezes roxeado em outros momentos eram quase de um negro profundo. Ela era bela, inteligente, forte e perspicaz e ao mesmo tempo instável, sem estabilidade emocional com uma estima baixíssima, antissocial e que se culpava por tudo. Mesmo vivendo a base de medicações para manter o controle emocional ela tinha um namorado chamado Enzo, que há adorava e a rodeava com todos os cuidados possíveis e eles estavam juntos desde a infância. Com ele Verônica teve o 1º beijo e muitas descobertas, muitas vezes ela sentia-se destruída e sabia que não era uma boa companhia para ele, mais acima de tudo eles se amavam e faziam tudo junto, até mesmo prestar vestibular para ingressar em uma mesma faculdade e o que tanto almejavam aconteceu eles foram aceitos na faculdade. Agora eles iriam sair da comodidade dos lares de suas famílias para conduzirem as suas próprias vidas. E lá se foram o casal de namorados para a UFI - Universidade Federal Interiorana que estava localizada em Lagoana, uma cidade entre São Paulo e Sorocaba. Uma nova vida se descortinava para o jovem casal mais precisamente para Verônica que acreditava que agora em uma cidade do interior ela conseguiria colocar no papel uma história que pipocava em sua mente transloucada. Ela agora escreveria o seu livro “O Lago Negro”. Muito do seu entusiasmo foi contido ao chegarem em Lagoana e se depararem com uma cidade estranha com um clima bem hostil. De inicio não conseguiram saber onde ficava a Universidade, até que avistaram um senhor e ao perguntarem eles sentiram que não eram bem vindos naquele local, pela forma em que ele se referiu á eles, acharam estranho em saber que a Universidade ficava longe dos arredores da cidade e esse era um sinal que os moradores do local não toleravam pessoas de fora da cidade. Ao chegarem à universidade conheceram 3 estudantes Paulo, Vinicius e Carol e essa se tornaria uma grande amiga para Verônica. Com o decorrer do tempo Verônica passou a conhecer as particularidades da cidade de Lagoana e seus moradores. A cidade tinha constantemente uma névoa espessa e o sol não conseguia penetrar era uma luta diária, era como se o sol lutasse para resplandecer e a névoa não permitisse, era muito bizarro. Um lugar sinistro e muito aterrorizador que ocultava um segredo. No decorrer dos dias Verônica saia do alojamento para percorrer a cidade e aos poucos foi se aproximando de algumas pessoas do local, mesmo sabendo que não era bem vinda e ela começou a descobrir o porque! Durante os dias que se seguiram Verônica escrevia seu livro dando vida á seus personagens e eles eram tão reais que saltavam de sua cabeça e participavam de seus dias, o seu livro tinha uma história que martelava em sua mente para ser libertada, contada e sentida. Em um desses passeios diurnos ela avistou um casarão tão longe da cidade que ela sentiu que os seus moradores faziam questão de ficarem longe dali. Verônica então resolveu ir até aquele lugar, pois percebeu que ele estava abandonado, achou o local misterioso e percebeu que ali seria uma boa fonte de inspiração para o seu livro, mais foi quando ela se deparou com aquele lago tão negro quanto seus sonhos, com águas turvas e sombrias murmurando um convite! Ela sentiu-se hipnotizada, pois aquele lago era uma criação de sua cabeça. Era enlouquecedor, pois aquele lago existia e ela estava em frente á ele e ela constatou que ele existia e sempre esteve lá! Ela não sabia mais apartir daquele momento sua vida tomaria um sentido assustador. Ao conhecer os donos do casarão “os Caprinni” ela percebeu que havia algo de errado naquele lugar, pois Vicente e Katarina tinham uma aparência estranha e tinham uma filha, Lizandra que carregava consigo uma anormalidade. O mais estranho foi que o casal mesmo sem conhecê-la insistiram para que ela cuidasse da filha deles, pois ninguém da cidade aceitaria trabalhar para eles. Verônica ficou incomodada e achou tudo muito estranho, pois eles não a conheciam e queriam entregar aos seus cuidados uma criança! Demorou alguns dias para que ela aceitasse o trabalho e logo começou á descobrir nessa casa alguns assuntos adormecidos. Verônica e Enzo começaram a se distanciar e se tornaram quase estranhos e abriram espaço para que outra pessoa entrasse na história e bagunça-se completamente a vida dos dois, porem o que Verônica mais queria era se aproximar do prof. Carlos Velásquez amigo de seu pai e pedir ajuda no livro que ela estava escrevendo e claro que não foi fácil, pois o professor a desencorajou assim que leu a sua história, mas existia um bom motivo para isso! Enquanto isso apareceu nas redondezas alguém que iria perturba-la, um rapaz de nome Liam que trazia consegue uma missão e ele e Verônica tinham mais em comum do que eles imaginavam, pois a solidão que cada um carregava era tão forte que podia ser tocada, ser vista!
Verônica era perseguida e assombrada por um passado nebuloso como alagoana, que estava escondida nas entranhas de sua memória perturbada e adormecida que oscilava entre o real e a fantasia, sem saber ao certo o que era.
Fatos estranhos haviam acontecido com ela, o que de tão horrível aconteceu que sua mente manteve guardada?
O que mais incomodava Verônica era que não podia acreditar que ela havia escrito sobre o lago com todas as suas características, sem te-lo visto antes! Será?
Quais segredos estão submersos nas águas do Lago Negro?
E agora fatos que estavam no passado da universidade e da cidade voltaram a acontecer e o que Verônica não imaginava era que ela era mais ligada àquela cidade do que ela podia imaginar. Até que ponto fantasia e realidade se cruzam e tornam-se uma só? Verônica sabia que em seus devaneios os fantasmas do Lago Negro gritavam para sair, e eles sairão!
Uma história perturbadora, onde a mente de uma pessoa em desequilíbrio pode causar, dor, temor e solidão, você fica na duvida se encara o Lago Negro e mergulha em suas águas turvas e perigosas ou se afasta e corre daquelas mãos enormes e cruéis!
Entrei na mente de Verônica e o sentimento é angustiante e pesado. Uma trama psicológica que me fez querer mergulhar e desvendar os mistérios do Lago Negro.
Muitas vezes temos que nos deparar com a verdade e ela podem ser cruel, dolorosa. Mas sempre será necessária. Essa é uma história com muitas perguntas, sofrimentos, promessas feitas, segredos, confiança, traição, destinos cruzados, sacrifício e superação.
Essa é uma história bem contada, ricamente elaborada e irresistivelmente apaixonante. Juliana Daglio é uma dessas autoras que consegue nos prender com suas histórias com enredos suaves, fortes e muito bem elaborados. Os personagens são bem construídos, tanto os principais como os secundários. Gostei das ilustrações em cada inicio de capítulo, diagramação muito bem cuidada. O livro é dividido em 3 partes: 1ª Loucura e Sanidade, 2ª Respostas e Escuridão e a 3ª O Lago Negro. A 1ª e a 3ª parte são narradas por Verônica e a 2ª por Liam, gostei muito de poder saber o que se passava na cabeça de Liam, pois geralmente nós vemos apenas um lado.
Obrigada Juliana pela confiança e parabém pelo capricho com a história e agora me resta aguardar pelo Livro II para desenrolar a trama, pois o final não aconteceu e ficou com um sabor de quero mais!

Recomendo para todos que curtam uma história temperada com suspense psicológico, e fiquem de olho, pois Juliana Daglio é o nome de uma escritora da nova safra e promete nos encantar com suas belas histórias e além de tudo é brasileiríssima.


Uma dica ao leitor:
Ao terminar de ler o livro, releia as páginas 15 até 28 e alguns acontecimentos ficarão mais claros.

Percebi que você faz parte dos leitores do André Vianco, então em nome do fã clube do Vianco, muito obrigada!
Vamos apoiar os nossos autores nacionais!

É isso, beijos e tchau!



site: Eu leio sim e dai?
comentários(0)comente



Marina 11/01/2016

Não tinha como não amar!

Um livro lindo, com uma capa linda e uma autora queridíssima. Não tinha como não amar! Desde que tinha lido o início desse livro para fazer as primeiras impressões, fiquei cheia de expectativas e louca para ler o resto. E claro, a Ju não decepcionou!

Tudo começa quando Verônica se muda para Lagoana com seu namorado Enzo para estudar jornalismo, e nessa cidade nebulosa e sombria acaba encontrando muito mais mistério e perigo do que jamais poderia imaginar.

Verônica sempre sonhou que um dia escreveria seu livro, e ao chegar em Lagoana finalmente tem a oportunidade de começar, e ainda mais, de buscar a orientação do professor Carlos Velásquez, o mesmo que havia orientado o seu pai, o escritor Andréas Cattani.

"As palavras que brotam de meus dedos aparecem na tela magicamente, acordando dentro de mim como se sempre estivessem lá. Não era como escrever um livro, ou inventar uma história. Era como despertar uma história."

Mas ao se deparar pela primeira vez com o Lago Negro, Verônica começa a se questionar de onde realmente vinha a história que a tanto tempo já povoava sua mente. Seria possível que os personagens que habitavam sua história não fossem meramente frutos da sua imaginação?

Assim começa sua busca por respostas. Enquanto escreve seu livro, Verônica também precisa lidar com seus fantasmas interiores, e essa é para mim uma das características mais interessantes desse livro. Sou absolutamente fascinada pela loucura, e a Ju, que para quem não sabe é psicóloga, soube com toda certeza representar todos os conflitos internos da sua personagem com uma maestria excepcional!

"Sinto as coisas acontecendo dentro de mim. As muralhas desmoronando, o desequilíbrio dando sinais. É ela... A loucura. Ela é como um desalinho em espiral nos trilhos da sua mente. Quando o trem chega perto das zonas de risco, aqueles espaços se contorcem e retorcem, esgueirando-se dentro do seu cérebro, se embrenhando no meio da sua carne, como veias enferrujadas intricadas com as saudáveis. O trem fica desgovernado, acelera em meio a elas, passa por dentro de tudo, rasgando e sangrando."

As dúvidas e a loucura de Verônica são contagiantes, a ponto de o leitor não conseguir mais saber o que é mesmo realidade e o que é fruto da mente da personagem. Em vários momentos me perguntei o rumo que a história estaria tomando, e no fim ainda restaram tantas dúvidas que mal posso esperar para ler a continuação!

Em meio a toda essa confusão em sua vida, Verônica acaba se afastando do seu namorado, e é nesse momento delicado que ela conhece Liam, que além de lhe ajudar a desvendar os mistérios que a assombram, acaba entrando de vez na sua vida.

"Ele tinha um ar levemente cínico, como se soubesse de tudo e não se importasse com ninguém. Seu sorriso enviesado parecia ensaiado, mexia a cabeça e falava como se estivesse bêbado, mesmo que de forma teatral. Resumindo, Liam tinha um jeito de cafajeste, manipulador, cheio de más intenções."

E como se não fosse suficiente, Liam morou boa parte de sua vida em Chicago, e além do seu sotaque ao falar, ele ainda acaba soltando uma expressões em inglês de vez em quando.. Ah Ju, fala sério, como você faz isso comigo? Mais um personagem para eu me apaixonar? Hahaha.

Tem tanta coisa que eu ainda queria falar sobre esse livro, tantos personagens a comentar, tantos elogios que queria fazer, principalmente a edição e a diagramação linda que a Arwen fez. Mas sinto que já falei demais e no fim só o que me resta dizer é que a Ju Daglio é uma escritora e pessoa maravilhosa, e que merece todo sucesso que está fazendo, e que ainda vai fazer, com seus livros! Com toda certeza já virei fã de carteirinha e é com muito orgulho que exibo meu autógrafo, hahaha. Leiam, leiam e leiam!
A mente. Algo indubitavelmente incontrolável, mas que insistimos em dizer que podemos dominar.

"Pessoas que se julgam sãs, com mentes saudáveis, quando param para pensar nos loucos a correr pelas ruas ou nos trancafiados em hospitais, sentem-se inundados de uma repulsa disfarçada de pena, o que os motiva a buscar mais e mais sua própria sanidade.
Para mim, os loucos são esses!
Sonho com um mundo em que os loucos vivam nas ruas e internem-se os ditos sãos em hospitais horrendos, com paredes tomadas pelo mofo e comida com cheiro de lavagem."

site: http://www.naestradadafantasia.com/2016/01/resenha-o-lago-negro-de-juliana-daglio.html
Juliana 25/01/2016minha estante
Marinaaaaaaaaaaaaa!! Poxa, como demorei para achar sua resenha!!
ADOREI ADOREI ADORE!

Sinto-me com a missão cumprida e estou ainda mais ansiosa para lançar o livro dois.
Obrigada por ser essa pessoa tão querida.

Ps: roubei todas as fotos, porque ficaram lindas!!!




Kate 11/12/2015

Maravilhoso, viciante, tenebroso...
Comecei a ler à meia noite de ontem e hoje às 22h35 acabo de finalizar a leitura e estou sentindo aquela velha sensação que se tem quando algo muito bom chega ao fim. Uma vontade de ler mais um pouco, um tantão de 500 páginas, pois valeria a pena a vista cansada e as noites mal dormidas. O lago negro é de longe um dos melhores suspenses que já li e ainda mais em se tratando de um nacional, pois se tornou um dos meus favoritos. A história de Verônica Cattani, seu pai Andreas, os Caprini e o agouro e mau presságio que a cidade de Lagoana emana de forma natural, foi uma experiência única. A escrita da Juliana é fluída, direta e ao mesmo tempo poética. O livro tem um grande potencial e merece ser lido mil vezes.
comentários(0)comente



Helena 29/08/2015

Vou virar gótica!
O Lago Negro conta a história de Verônica, que acaba de passar no vestibular e se mudar para o interior com o namorado, Enzo. Ela acredita que aquele é o lugar perfeito para transformar sua imaginação em um livro, porém Lagoana é uma cidade um tanto estranha e meio tenebrosa, cheia de pessoas pouco amigáveis. O clima nebuloso da cidade não apenas despertará a criatividade de Verônica, mas também acordará seus fantasmas internos.

Primeiramente eu gostaria de dizer que foi bem difícil começar essa resenha. Foi complicado por vários motivos, mas principalmente porque são tantas coisas dentro desse livro que eu fiquei com muito receio de falar demais. "Ah, Helena, mas um spoiler pequeno não tem problema." Mas, claro que tem. Um: muitos não gostam nem dos pequenos (como eu), e dois: qualquer spoiler desse livro, por menor que seja, pode revelar algo que parece inofensivo a princípio, porém que vai estragar alguma coisa adiante na história. Então, tive que ler; e reler; e reler; e reler até cansar para ter certeza de que tudo que escrevi estava de boa!

Vamos começar falando da escrita da Juliana. Para aqueles que já acompanham o trabalho da autora, sabem o quanto a nossa Libélula Rainha escreve de uma forma tão poética, que beira os limites do clássico. Em O Lago Negro, todavia, a sua escrita toma um estilo um tanto diferente. A poesia ainda continua em sua maneira de escrever, porém um pouco mais contemporânea, eu diria.

Leia a resenha completa:

site: http://www.cafecomlivroo.com/2015/08/o-lago-negro-juliana-daglio.html
comentários(0)comente



Giuliana Sperandio 31/12/2015

Mergulhe de cabeça nessas águas misteriosas ...
O livro começa com um jovem casal se mudando para a pequena cidade de Lagoana. Eles irão ingressar na faculdade e morar pela primeira vez longe dos olhares críticos das suas famílias. A cidade é daquelas nas quais seus habitantes parecem estar perdidos no tempo. A universidade local destoa e não é bem vista pelos moradores que hostilizam e ignoram os forasteiros. Então, começa a pergunta: Por que escolherem logo Lagoana entre tantas e tantas espalhadas pelo Brasil??

Calma, porque isso você só vai começar a entender lá por meados do livro.

Verônica Cattani e Enzo Cervantes se instalam na nova cidade e começam a freqüentar a faculdade. Verônica tem um passado do qual vive assombrado por lembranças e pesadelos. Uma vontade imensa de escrever um livro, assim como fazia o seu pai, rodeia sua mente. Ela nunca conseguiu se entregar à escrita, mas algo naquele lugar parece emitir um chamado mudo que a faz começar seu livro “O Lago negro”, uma fantasia que tem por personagens uma Nefilin que vai atrás das respostas por trás da morte de seu pai, vingança, vampiros e morte. Os personagens parecem falar com Verônica para se fazerem ouvidos. Em um dos passeios pela cidade para saber mais sobre o local e escrever, acaba por se deparar com um casarão no topo da mais alta colina de Lagoana, um local à beira de um lago, o lago que ela descreveu no seu livro....


"No mesmo instante pensei naquele enredo fantasioso e misterioso que brotava em minha imaginação desde meus catorze anos; lembrei de Liriel me perseguindo em sonhos com seus olhos púrpura, seus cabelos que mudavam de cor frente a grandes mudanças."

A curiosidade faz com que ela vá até a propriedade e conheça o misterioso casal Caprini e sua pequena e peculiar filha Lizandra. Estranhamente o casal parece confiar à primeira vista em Verônica e a convida para se tornar baba da menina,e ela vai embora sem aceitar.

Mas, com apoio inicial de Enzo, ela muda de ideia e aceita trabalhar na casa dos Caprini. Com o seu livro a todo vapor, ela vai mostrá-lo a um professor na universidade, que era o melhor amigo de seu pai, Andreas Cattani. Ao ver o livro o professor tenta desencorajá-la de continuar a escrevê-lo, como se algo estivesse errado...

A relação de Verônica e Enzo vai se deteriorando, a forte insegurança de Verônica faz crescer uma abismo entre eles e assim o amor de anos fica fortemente abalado... Ela se afasta mais e mais para a casa dos Cattani e a estranha ligação com a menina Lizandra que tem uma personalidade peculiar e sinistra... A escrita do Lago Negro só fluí quando ela está na propriedade dos Cattani e isso é outra coisa que a mantém mais e mais submersa nos mistérios daquele lugar.
"Pessoas que se julgam sãs, como mentes saudáveis, quando param param para pensar nos loucos a correr pelas ruas, ou nos trancafiados em hospitais, sente-se inundados de uma repulsa disfarçada de pena, o que os motiva a buscar mais e mais pela sua própria sanidade"
As coisas que Verônica escreve começam a se parecer com a realidade e com as lendas e passado de Lagoana, contadas por um ancião da cidade, que conta histórias assustadoras sobre os Caprinis. Seriam apenas lendas? Até que ponto sua mente insana pode pregar peças? Seu pai passa a ser a chave desse grande enigma. Quando tudo está estranhamente confuso e perigoso, um forasteiro aparece em Lagoana. Ele é Liam, filho do professor amigo de seu pai, um misterioso homem com muitos segredos e algumas respostas para as dúvidas de Verônica...

Gente, eu tentei contar o máximo sem spoiller, mas é um livro muito denso e difícil de explicar. Se você não ler, não vai ter a mínima ideia de como a história é bem escrita e montada. Todos os pontos se cruzam e você dá um grande mergulho de cabeça em um lago cheio de mistérios e segredos. Verônica Cattani é uma personagem intrigante, pois ao mesmo tempo em que parece ser frágil e insegura, mostra-se forte e decidida e com muitas interrogações em seu passado devido a um trauma que ocasionou um transtorno de estresse pós traumático e perda de algumas de suas memórias do dia em que seu pai morreu. Esse primeiro volume (porque é o primeiro de três volumes... haja coração) é recheado de suspense do começo ao fim do livro. Na verdade, termina magistralmente com um novo mistério e um gancho para o próximo, nesse conhecemos um pouco de Liam e confesso já fiquei bem intrigada e apaixonada pelo seu jeito protetor e sarcástico.
-Quero dizer que Liriel mão terminou a sua missão, e que vocês se surpreenderão com o seu despertar.
Esse livro mistura fantasia e realidade, sanidade e loucura. A escrita da Juliana mais uma vez me surpreendeu e reafirmou minha admiração pela profundidade que ela penetra em nossa mente, nos faz ter total conexão com os personagens, através de seus conflitos e sentimentos. É mágico isso, pois ela transforma palavras em sentimento, e sentimentos em algo próximo à poesia. Não tem como descrever o que sinto ao ler as palavras que a Ju escreve. Você sente, sente e sente até não prestar mais atenção em nada que não seja o livro que está em suas mãos. Ali ele não é mais um livro. É um mundo, o mundo da Ju com todas as neblinas necessárias para se perder e se assustar.


A diagramação do livro está um sonho, com ilustrações entre seus capítulos que remetem aos personagens. A capa tá de uma beleza absurda. Sentir esse livro nas mãos tão mágico que quase chorei e surtei quando o peguei nas mãos (ganhei de Natal da minha BFF Vandinha). Ele tem textura aveludada perfeita (a Arwen está de parabéns pelo capricho). As folhas são amareladas e com tamanho perfeito para tornar a leitura confortável e prazerosa. Erros de revisão não foram perceptíveis aos meus olhos, até porque quando estou mergulhada em uma história, só reparo erros se estiverem em letras garrafais e gritantes. Quando pego um livro ele deixa de ser um livro e passa a ser o meu mundo...

Gente, se vocês gostam de ler uma história cheia de suspense, mistério , fantasia, drama e romance, leiam esse livro e não irão se arrepender em mergulhar de cabeça nesse profundo Lago Negro.


site: http://clubedolivro15.blogspot.com.br/2015/12/resenha-nacional-o-lago-negro-juliana.html
Zana 31/12/2015minha estante
Sua entusiasmada e bem escrita resenha me fez colocar na lista, com certeza vou ler ; )


Giuliana Sperandio 01/01/2016minha estante
A escrita da Juliana é incrível Zana pode ler sem medo de ser feliz com a leitura ;) eu amei!!




Larissa Benevides 26/04/2016

Resenha: O Lago Negro - Juliana Daglio
"A linha entre a loucura e a sanidade é muito tênue. Uma fronteira frágil."

Hoje a resenha é sobre esse livro lindo!!!

O Lago Negro vai nos apresentar a Verônica, que é uma jovem que perdeu o pai quando criança e desde o acidente demonstra pertubações psicológicas.

O livro começa mostrando a empolgação de Verônica e seu namorado, Enzo, com as mudanças que a vida de ambos vai sofrer daqui pra frente. O casal passou para a mesma faculdade, cursos distintos mas mesma localidade, e vão dividir um apartamento na cidadezinha de Lagoana.

Enquanto Enzo foi para UFI (Universidade Federal Interiorana de Lagoana) para cursar Direito e sair da casa de seus pais. Verônica passou no curso de Jornalismo e vai para a faculdade com intuito de conhecer um amigo de seu pai, a quem ele disse para que ela apresentasse seu livro quando ela começasse a escrever.
"Meus planos eram de não contar de quem era filha antes que avaliasse meu texto. Não conseguiria me sentir merecedora daquilo se fosse somente o nome Andréas Cattani que me abrisse as portas, e não um possível talento para a escrita."
O professor Carlos Velásquez é como um deus na faculdade. Todos os alunos buscam um minutinho de sua atenção ou uma avaliação dos seus textos. Verônica busca apresentar o esqueleto de sua história para ele pois sabe que Carlos também revisou as histórias de seu pai no passado.

Verônica, há muito tempo, tem os personagens da sua história criados na sua cabeça. Ela sonha com eles, ouve suas vozes, até mesmo os vê. Esta história realmente assombra a sua vida.
"Por muitas vezes eu sentia o mundo ao meu redor como se fosse apenas uma alucinação prolongada. Era como se eu estivesse constantemente sonhando. Durante esses períodos, coisas terríveis me vinham em mente."
Somente quando chega em Lagoana que o processo de passar o conto para o papel ( ou computador, como ocorre hoje em dia) começa fluir naturalmente. E páginas e mais páginas vão sendo escritas.

Só que a história criada acaba mesclando com a vida real. Fatos que aconteceram na cidade e que realmente deixam Verônica com a pulga atrás da orelha.

Nesse ponto a composição do livro foi muito bem esquematizada. Pois temos capítulos que são transcrições do livo de Verônica e capítulos da história contada pela autora, Juliana.

Assim, junto com Verônica, tentamos desvendar não só mistério que envolve a cidade, mas também, os mistérios que envolvem a vida de Verônica e de seu falecido pai.

A editora e autora estão de parabéns. O livro está lindo, capa bonita e condizente com a história, diagramação boa que facilita a leitura.

Quando recebi fiquei encantada como o livro pois cada detalhezinho tem relação com a história que está sendo contada.

A leitura foi super rápida, pois eu queria saber que fim ia levar. Mas vou continuar na vontade pois o livro tem continuação. hahaha


site: http://www.aculpaedosleitores.com/2016/04/resenha-o-lago-negro.html#more
Juliana 26/04/2016minha estante
Obrigada pela resenha linda




Conchego das Letras 26/09/2016

Resenha Completa
Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Hoje eu vim aqui para falar de um livro espetacular que tive o prazer de ler... É isso mesmo que você ouviu! Hoje vou falar de O Lago Negro da autora Juliana Daglio, a nossa libélula.

Depois do sucesso estrondoso com os livros Uma Canção para a Libélula parte I e II, Juliana se arriscou por outras águas e digamos que são águas negras e extremamente cheias de significados! O Lago Negro é uma série dark fantasy mais voltada para o público jovem e adulto e conta a história de Verônica Cattani, uma garota considerada estranha pela sociedade ao seu redor.

Verônica não se lembra muito de seu passado e sua infância, somente que sofreu um acidente de carro com seu pai, André Cattani, onde o perdeu para a morte e quase morreu. Porém, este episódio tirou muito mais do que todos poderiam imaginar de Verônica: ele tirou dela sua sanidade.


V, como um dos personagens costuma chamá-la, ficou internada em um hospital psiquiátrico por vários anos até que recebeu alta e tentou viver de uma maneira "normal", ao lado de sua amorosa avó, Antonietta. Mas as marcas do passado sempre a atormentam. Agora, na vida adulta, ela decide se mudar com seu namorado, Enzo, para Lagoana, uma cidade de interior onde fica situada a UFI, uma universidade bastante conceituada onde ela quer estudar.

Porém, a volta a Logoana representa muito mais do que V pode imaginar: os seus fantasmas interiores a atormentam, novas ideias surgem e a motivam a colocar no papel o livro que sempre quis escrever e ele se chama... O Lago Negro!

Cheio de reviravoltas, mistérios e um "q" de fantasia que só Juliana Daglio consegue fazer, O Lago Negro é só o início dessa trajetória conturbada e misteriosa de Verônica Cattani. É surpreende do começo ao fim! E na próxima resenha trarei para vocês Submersão, a continuação desta história fantástica!
Até a próxima!

site: https://conchegodasletras.blogspot.com.br/2016/09/resenha-o-lago-negro-juliana-daglio.html#more
comentários(0)comente



lane 30/12/2015

Aprovei e recomendo!
O lago negro é uma estória viciante e envolvente, durante esses dias em que estive lendo, minha mente ficou preza ás páginas que ainda estavam por vir, imaginando várias possibilidades do quê poderia acontecer...
A autora me surpreendeu com a elaboração da estória, com a descrição dos personagens, as conexões entre os fatos; esse livro conseguiu ultrapassar todas as minhas expectativas; a capa, a diagramação, o Liam... rsrsrs
Só não quero mais saber do Enzo, sinceramente achei a atitude dele muito covarde (Logo vocês vão ler esse livro fodástico e saber a safadeza que esse criatura fez com a minha Verônica).
Enfim estou ansiosa para o próximo livro, pois o final me deixou com várias dúvidas e perguntas na cabeça, preciso da continuação urgente!!!

Ps: vejam o restante da resenha lá no blog!!

site: http://falandodiferentesobrelivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Gessica 14/03/2016

Um livro misterioso que prende o leitor do início ao fim
Olá geeks, tudo bem com vocês?

Hoje trago-lhes a resenha deste maravilhoso livro que é O Lago Negro da autora Juliana Daglio. Eu estava de olho nesse livro já tinha um tempo e quando a autora colocou ele em promoção não hesitei e acabei comprando, o mesmo veio autografado e com dois lindos marcadores.

No prólogo do livro nós nos encontramos dentro da mente de um rapaz, ou melhor em seus sonhos. Há uma garota com ele e seus olhos tem a cor de púrpura. Ele a chama de V, mas ela sempre pede para que ele não a chame assim e sim pelo nome dela.

Ela o leva para um local sem tocá-lo ou o mesmo poderia acordar. Eles estão de frente para O Lago Negro. V pede para que ele a procure, mas ele tem medo de que ela não exista, que tenha morrido ou que seja apenas uma parte de sua imaginação.

Já no primeiro capítulo somos levados ao que está acontecendo com Verônica Cattani, ela se vê a beira da morte, não, ela está temendo morrer. Ao seu lado há um bebê onde ela busca proteger. A sua angústia é incrivelmente narrada e no próximo capítulo damos início àquela história toda para vermos o que aconteceu antes de acontecer aquilo com Verônica.

A mesma se muda para a cidade Lagoana em São Paulo para cursar jornalismo na Universidade Federal Interiorana. Ela está com o seu namorado Enzo e o que encontra naquela cidadezinha são pessoas que não quer contato com forasteiros pois pretendem manter as tradições da cidade.

Obviamente a Universidade é um pouco afastada da cidade e lá é como se fosse um outro lugar, além de que a cidade de Lagoana quase nunca tem sol é sempre aquele nevoeiro.

Desde o começo eu já não gostei do namorado da Verônica, Enzo, pelo qual ela sentia um ciúme que chegava a ser doentio. Na verdade a mesma é um pouco psicótica devido ao seu passado e já até tentara se matar algumas vezes, mas agora ela tenta seguir em frente e escrever o seu livro O Lago Negro. Irônico, não?

Aqui você irá encontrar um livro dentro de um livro, pois em alguns capítulos nós podemos desfrutar O Lago Negro escrito por Verônica Cattani do qual é imprescindível para o entendimento da história. Logo o relacionamento de Verônica com Enzo cai na rotina e na minha opinião é muito tedioso o namoro deles, eles vivem na mesma casa e já namoram há algum tempo, porém tudo muda quando eles conhecem a sua vizinha Angelina.

Verônica logo percebe que sua vizinha está com os olhos cravados em seu namorado e pede para ela ficar longe, porém ela começa uma guerra já que agora Angelina quer provar que é melhor. Aos poucos eu podia ver o relacionamento deles ruir, tanto com as atitudes de Verônica quanto as de Enzo.

A única amiga de Verônica é a Carol, no início achei que ela fosse uma patricinha, mas apesar de se vestir espalhafatosamente ela é divertida e muito animada conquistando assim a amizade de nossa protagonista.

Nesse meio tempo Verônica vê uma casa afastada em cima de uma colina e vai para lá, porém o que conta lá a assombra profundamente... Lá estava o lago negro de sua história... Um homem que morava por lá vê a intrusa de suas terras e resolve falar com ela.

Verônica logo descobre que se trata de um casal, Vicente e Katarina Caprini. Os dois possuem um bebê chamado Lizandra, porém a mesma tem uma peculiaridade: ela não chora. Vendo que Verônica não é da cidade eles pedem que ela seja a babá de sua filha, já que eles tem que trabalhar e acaba sendo cansativo para a filha ficar levando-a com eles e assim Verônica aceita.

Toda aquela "paz" muda quando alguém começa a ameaçar Carol pelo telefone. Um novo rapaz aparece na cidade, ele se chama Lian e é todo charmoso, porém está pesquisando sobre os Caprini a família para quem Verônica trabalha.

Houveram algumas mortes naquela cidade há muito tempo e Verônica se vê intrigada à investigar o que houve e assim toda a história começa a se desencadear.

Não posso contar mais que isso ou a história perderia totalmente o seu ar de suspense e mistério. Eu devorei o livro, li capítulo atrás de capítulo e só parei quando acabei.

O Lago Negro é uma série composta por quatro livros e mal posso ver a hora de continuar a leitura. A capa do livro é magnífica e a diagramação está belíssima!

Apesar de a revisão estar ótima eu acabei encontrando alguns errinhos bobos de ortografia, mas eles não atrapalham em nada o entendimento da história.

Boa parte do livro é narrado pela Verônica, mas a segunda parte já é narrada por Lian, adorei essa alternância pois dá um compreendimento maior para a história.

Me apaixonei completamente pelo livro e com certeza vai para os meus favoritos. Parabéns a autora, Juliana Daglio, que escreveu essa belíssima história, apesar de Verônica ser um pouco psicótica ela não é mórbida e sem vontade, pelo contrário, ela faz as coisas que quer como se para viver uma vida sem arrependimentos. Seu mente louca nos dá divertimento e acabamos nos apegando à essa personagem assim como nos apegamos a todos os outros pois cada um tem sua peculiaridade. Os personagens são tão vívidos que é como se realmente fossem pessoas reais. Amei cada segundo que li este livro e quero mais!

E você? Já leu O Lago Negro? Dê-me sua opinião!

site: http://www.cantinhogeek.com/2016/03/resenha-o-lago-negro-juliana-daglio.html
comentários(0)comente



37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3