Rockfeller

Rockfeller Alexandre Apolca




Resenhas - Rockfeller


18 encontrados | exibindo 16 a 18
1 | 2


Cath´s 19/02/2015

Resenha Rockfeller.
Primeiramente, farei um resumo sobre a história... O livro conta a vida de Beto Rockfeller, que começa nos anos de 1988/1989. Rockfeller tem um sonho de fazer sucesso com sua banda de rock, mas acaba tendo que sair de São Paulo depois de ser preso em um protesto, acontece que toda a banda resolve ir junto para São Thomé das Letras.

Cada um dos integrantes começa a trabalhar com algo e dividem a mesma casa, até Rockfeller se apaixonar por Anita, namorada de um dos seus amigos. Porém, pouco depois se descobre que Anita está doente e esse amigo foge, deixando-a com Rock uma namorada e uma decisão nas mãos sobre salvar a vida da garota.

O livro poderia ser bom, mas ao meu ver, não é. Foi uma leitura altamente entediante e previsível. Começando pelo fato de todos os personagens, sem exceção, me desagradarem profundamente, um bando de drogados, ao meu ver. Não é para menos que Rock depois fique imaginando coisas.

Sim, eu sei que naqueles anos estava em uma certa modinha ser drogado, mas sempre vou achar algo de pessoas fracas, que querem fugir da dor e recorrem a isso, logo os personagens não conseguiram meu respeito. Além disso, até o final do livro eles ainda se drogam, e a obra se passa em vários anos.

Ademais, quando chega na parte do drama e você acha que vai melhorar, ele é corrido, assim como toda a história, e acaba virando só um pretexto para os acontecimentos posteriores. Não sei se é porque tudo basicamente no livro vai contra o que eu acredito, mas achei a história toda do Rock totalmente sem noção.

O livro também tem certas cenas de sexo e referencia a ele pelo ponto de vista do Rock. Eu não tenho problema nenhum com cenas eróticas, mas o ponto de vista dele me pareceu ainda o de um adolescente mesmo depois de adulto.

A Editora do livro ainda cometeu um erro que foi cortar várias palavras de uma linha para outra, o que também se tona irritante, pois é muito seguido. Embora eu tenha achado a capa bonita, nela eles fizeram um bom trabalho.

É o segundo romance que o autor escreveu, talvez por isso ainda esteja fraco, eu diria que os personagens tem que ser melhor aprofundados, pois não consegui achar um personagem com essência e que não esteja só correndo junto com a história.

Em conclusão eu achei o livro muito fraco, com personagens detestáveis, o enredo poderia ser bom, mas acabou sendo corrido demais, não convence e ainda acabou se tornando altamente previsível.

site: http://www.some-fantastic-books.com/2015/02/resenha-livro-rockfeller-alexandre-apolca.html
comentários(0)comente



Naty 19/01/2015

Rockfeller é a segunda obra que leio de Alexandre Apolca. O primeiro livro publicado pelo autor foi Legna e que eu tive a oportunidade de resenhar. Quando Apolca me mostrou o livro, eu fiquei impactada com a capa. Li a sinopse e tinha certeza que precisava mergulhar na história e, claro, embarquei nela.

Beto Rockfeller Araújo, vocalista da banda Escória Humana, é o protagonista e ele mesmo quem narra a sua própria história. Na realidade, ele escreve um livro sobre o seu passado e apresenta ao leitor como as coisas aconteceram. Tudo começa com o show que eles estão prestes a realizar na casa noturna Madame Satã, em São Paulo. A última banda a tocar é a dele e, como já poderia prever, a maioria das pessoas foram embora. Porém, mesmo com apenas metade do público assistindo, eles conseguiram um honroso fechamento do festival. Após o espetáculo, Rockfeller decide fazer um protesto na Avenida Paulista e convida a todos para irem até lá. A esperança dele é que teria uma multidão; ledo engano. Apenas sete pessoas resolveram acompanhar a banda nessa ideia. É exatamente nessa hora que a vida do protagonista muda de repente.

“- Relaxa. Não existe momento certo. O momento certo somos nós que fazemos” (p.46).

Preso! Rockfeller foi preso injustamente. Um dos sete integrantes do protesto estava carregando uma mochila com coquetel Motolov e a culpa cai no inocente Rock. Além de já ter sentido o cheiro e o gosto da prisão ao ser detido por desacato à autoridade, o protagonista estava prestes a sentir, mais uma vez, essa mesma sensação. Rock é uma pessoa totalmente imatura, só queria saber de festas, mulheres, drogas e sequer se importava em levar uma vida mais digna. Sempre deu vergonha e desgosto ao seu pai, até que um dia este decide que é a hora do seu filho mudar de estado.

A obra é carregada de emoção e, por vezes, sentimos dó dos processos em que ele passa. É evidente que ele é uma das piores pessoas que já conheci como personagem, porém, no decorrer da obra tudo muda e meu sentimento de raiva e ódio dá vazão a um sentimento de pena.

“Tentei me convencer de que estava num jogo de videogame, mas isso também não ajudou. Se tudo desse errado e eu morresse, morreria feliz porque era uma morte digna, uma morte com a qual eu sempre sonhei. Morrer por uma causa, por alguém...” (p.74).


Além da presença dele, do seu grupo, existem outros personagens que complementam o enredo, um deles é Anita. Ele nutre um sentimento por ela, porém, a garota namora um dos amigos de Rock e mesmo assim ele não perde a oportunidade de se envolver com ela. Contudo, ele não contava que esse simples envolvimento acarretaria em uma paixão avassaladora, capaz de arrancar a sua própria pele para proteger a dela. Temos a presença também de um personagem com o nome do autor. Ele declara em sua nota que esse era um sonho antigo dele. Confesso que eu nunca tinha visto, então até nisso o autor me surpreendeu.

Como se ainda fosse pouco, Rock possui uma síndrome da mão alheia e, ainda, diariamente consegue enxergar um enigmático corvo que o persegue e ele não sabe o que isso significa. Psicoses, desilusões e delírios são vivenciados e sentidos pelo protagonista. A grande dúvida é saber os motivos de tudo isso.

“O tempo é a estrada que nos trouxe para vida e que, um dia, nos levará para a morte. O tempo é o papel no qual deixamos nossas marcas e, se forem bem marcadas, nunca se apagarão” (p.101).

Como disse anteriormente, essa capa foi um dos motivos que me fizeram ler o livro. Há quem siga à risca o “Não julgue pela capa”. Quando me encanto por ela, preciso ler a obra imediatamente. Contudo, quando não me chama a atenção eu não deixo de julgar, mas não deixo de conhecer a história por esse fator. Felizmente, dessa capa, não tenho o que reclamar. Está perfeita e retrata bem o que se passa no livro.

A diagramação é muito bem feita e tem corvos nos finais dos capítulos, são bem sutis, mas o efeito que fica é gamante. As páginas são amareladas e o espaçamento é excelente, isso faz com que a leitura fique agradável. Notei que a separação das palavras de uma linha para a outra sofreu um pequeno problema na hora de diagramar, mas acredito que as próximas impressões serão arrumadas. Isso não interfere no entendimento e nem na fluidez da leitura, garanto.

A obra é recheada de reviravoltas, mistérios e muita adrenalina. Para quem está esperando uma obra com uma história totalmente inesperada, essa é uma das garantias de seu conteúdo. É difícil prever o pensamento conturbado do personagem e o que acontecerá com ele no desenrolar do livro. Só lendo para saber e para se surpreender.
comentários(0)comente



Fernanda 19/01/2015

Resenha: Rockfeller
CONFIRA A RESENHA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2015/01/resenha-rockfeller-alexandre-apolca.html
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 16 a 18
1 | 2