A Pousada do Fim do Rio

A Pousada do Fim do Rio Nora Roberts
Nora Roberts
Nora Roberts




Resenhas - A Pousada do Fim do Rio


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Tamara 23/07/2019

Nora Roberts é aquele tipo de autora que sempre que resolvo embarcar em uma de suas obras, ela me faz sentir uma imensa sensação de conforto, e logo na primeira página de um de seus livros eu já consigo me sentir em casa, à vontade e satisfeita por encontrar aquela escrita tão familiar e gostosa que se encaixa tão bem e que me faz relaxar, ainda que a temática do livro seja intensa. Então, como não havia lido muitos livros dela ultimamente, resolvi finalmente ler A pousada do fim do rio, que foi um dos primeiros livros de Nora que resolvi colocar na minha lista de leituras mas que por diversos motivos sempre adiei.
Para a minha surpresa, o livro já tem início com um apelo muito impactante, e logo fui arrebatada para dentro da trama onde uma menininha de quatro anos chamada Olivia encontra sua mãe, Julie, assassinada, e Julie era uma famosa e bela atriz. O caso impacta o país todo, e o que mais choca é que o principal suspeito é Sam, o pai da garotinha e marido de Julie. O apelo desse enredo é ótimo, apesar de não ser o mais inovador, e achei essa história muito bem construída, com um ritmo interessante, que nos prende do início ao fim, ao mesmo tempo que traz uma dose de sensibilidade que consegue nos tocar devido a todo o sofrimento daquela criança e de toda a família motivado pela perda tão inesperada e brutal.
Como é de praxe em Nora, logo a menininha dá lugar a uma mulher, onde continuamos acompanhando seus dilemas ao longo dos anos. Algo que achei muito interessante aqui, foi o fato de a trama do assassinato da mãe de Olivia ocupar muito da trama central do livro, o que me prendeu e me deixou curiosa para descobrir os fatos verdadeiros sobre aquele assassinato, o que consegui fazer antes da revelação dentro da história, mas que não me atrapalhou em nada, e só me deixou mais ansiosa para confirmar se meus palpites estavam corretos e também me deixou com uma grande dose de apreensão para ver como aquilo seria descoberto pelos personagens e como seriam suas reações. Além disso, o romance, embora não seja o mais incrível que a autora escreveu, também se mostrou bonito e gostoso de acompanhar, e existe uma série de personagens secundários que sempre vem para agregar e deixar tudo mais empolgante, como foi o caso aqui, especialmente com Frank e Celia, o policial que cuidou do caso do assassinato e sua esposa.
Um destaque a parte nessa história é a pousada que dá nome ao livro, com um cenário pitoresco, belo e delicioso, e a autora consegue com suas descrições nos inserir lá na floresta ao redor da pousada e conseguimos imaginar tudo com perfeição como seria aquele lugar, e ela como sempre nos deixa com um enorme desejo de sermos transportados para aquele cenário a fim de conhecer aquelas pessoas e aquela paisagem. Com certeza, esse entrou para a lista dos ótimos romances de Nora que tive a oportunidade de ler, e ao final eu só queria poder ter um pouco mais sobre aqueles personagens e sobre aquela história. Recomendo para aqueles que apreciam a autora ou esse estilo de leitura.
comentários(0)comente



Pretenses 24/03/2018

Drama e Suspense
Prontos para mais um livro com muito suspense e drama?? A Pousada do Fim do Rio é mais um livro emocionante da Nora Roberts que já começa lhe dando no prologo um spoiler de uma cena do final do livro, porém não chega a ser um spoiler significativo já que não contem o nome de nenhum personagem e logo no início da leitura você fica preso pelos acontecimentos que esquece momentaneamente o prólogo. A história tem início na cidade de Beverly Hills na Califórnia, porém irá se intercalar entre Los Angeles e a Floresta Tropical Olympic no Estado de Washington.




Detalhe muito importante para falar sobre este livro é que ele é dividido em várias partes devido as narrativas interativas, uma das coisas que mais gosto da Nora é que nos livros dela nunca seria necessário escrever outro livro da mesma história com a perspectiva do outro personagem principal, pois ela nunca trabalha com uma narrativa única, você nunca fica preso ao pensamento de um único personagem. A narrativa é fluida e descritiva, e este livro em especifico no traz os pensamentos e momentos dos personagens em fases separadas se conectando todas no final.
.
.
.
Quer saber mais? Leia no blog Pretenses!

site: http://www.blogpretenses.com.br/2017/11/a-pousada-do-fim-do-rio-resenha.html
comentários(0)comente



Franciele M. 06/05/2017

Eu esperava mais
Livro enorme e ainda assim acho que o crime e sua solução não foram bem desenvolvidas. Eu desconfiei (e acertei) quem era o assassino no 2º capítulo. O desfecho foi muito rápido e ao me ver um tanto idiota. O que aconteceu foi algo tão sério mas foi tratado de forma muito banal. =( . Ao menos o romance foi bonito gostei bastante do casal.
Leidinha 10/02/2018minha estante
Concordo com vc fiquei com muita raiva pra mim parece que ficou faltando história ??




Maíra 22/03/2017

Até que curti
Nora Roberts foi a primeira romancista que eu li. Depois dela vieram muitos outros, mas não tem como, eu sempre volto pra ela. É um círculo vicioso, e eu estava MUITO ansiosa pra ler esse exemplar. Porém, acho que depois de alguns (muitos) anos lendo, e lendo, e lendo, chega um momento em que se o livro não for espetacular e não tiver AQUELE diferencial, ele vai ser só mais um, igual aos demais. E, infelizmente, foi a minha sensação ao ler esse livro. Acho que faltou um pouco de originalidade e mais suspense, uma vez que não se trata de um livro que foca apenas no romance. Entendam, depois que o negócio começa a desenrolar de verdade, a história se torna bem gostosa, fácil de ler, e te envolve até certo ponto, mas não é surpreendente.

O livro é dividido na fase da infância da Olivia e do Noah (amor); adolescência; juventude e vida adulta. OK. Logo no começo nos deparamos com um crime brutal, que tem o poder de devastar e arruinar toda uma família. A partir daí, vemos nossos personagens crescerem, amadurecerem e aprenderem (ou não, em alguns casos) a lidar com essa tragédia. A narrativa toda no começo gira em torno desse crime, e confesso que fiquei meio entediada.

Apesar do livro ser contado em terceira pessoa, com o envolvimento de todos os personagens, achei bem cansativo o começo. Tanto é que demorei mais de uma semana para ler. Ainda assim, achei a narrativa muito rica em personagens, e os cenários foram muito bem retratados, estando sempre em minhas lembranças. Aliás, a Nora é mestra em descrever cenários, principalmente a flora dos locais e, muitas vezes, me senti no meio da floresta da Livvy.

Com relação aos personagens: o nosso mocinho Noah é um dos homens mais tudo-de-bom que existem. Ele não se intimida pela nossa super Olivia. Muito pelo contrário. Ele é romântico, sexy, protetor, inteligente, carismático e bla bla bla. Confesso que achei a Olivia e a avó dela um pouco chatas às vezes, mas acredito que tudo seja consequência do trauma. Enfim.

O desfecho, pra mim, foi bem previsível. Desde o começo eu fiquei com a pulga atrás da orelha, e no fim minhas suspeitas foram confirmadas. Gostaria que tivesse tido mais suspense. A Nora não entrega absolutamente nada durante o livro. As revelações finais são feitas nas últimas das últimas páginas. Chega a dar agonia hahahah Mas, como eu disse, minhas suspeitas foram acertadas, mas eu senti falta de uma trama mais "inteligente", como nos livros dela da Série Mortal. Tá, tá, eu sei que o foco aqui não foi somente o crime, diferente da Série, mas acho que como ela se propôs a colocar esse elemento no livro, o "quebra cabeça" poderia ter sido melhor desenvolvido. Questão de gosto PESSOAL.

Em resumo, um bom livro, nada mais. Leiam que não se arrependerão :)
comentários(0)comente



Cris Paiva 21/11/2016

Não é apenas um romance. É a história de um assassinato, e a Nora vai passar um pouco pelos personagens principais e contar um pouco da história de cada um.
A primeira história é da Olivia, e do assassinato de sua mãe, Julie MacBride uma famosa atriz de cinema.
Olivia, aos 4 anos de idade, encontra o corpo da mãe, vitima de um assassinato brutal e a culpa recai sobre o seu pai, o também ator, Sam Tanner, que foi encontrado ao lado do corpo de Julie, empunhando a arma do crime, uma tesoura. Olivia é resgatada pelo policial Frank, que se torna o herói da garotinha. Ela é levada pelos avós para viver em Washington, onde eles tem um pousada na beira de um rio, e escapar do assédio da imprensa. Olivia passa vários anos resguardada da verdade, e com poucas lembranças do que aconteceu com a mãe.
Ao ir para a faculdade, ela encontra Noah, filho do investigador Frank, que é um jornalista e pretende escrever um livro contando a história do assassinato de sua mãe. Os dois se envolvem romanticamente antes do Noah poder contar a verdade, e a historia dos dois acaba mal.
Anos se passam antes que o Noah tenha coragem de retomar o projeto do livro e o incentivo para isso vem de onde ele menos espera: Sam Tanner. O pai de Olivia passou os últimos 20 anos na cadeia, e agora, com uma doença terminal ele quer que o crime atribuído a ele seja revisitado e contado por um escritor que ele confia, no caso o Noah, que aliás é o filho do homem que foi o responsável por ele passar tanto tempo na cadeia.
Noah aceita o encargo e começa a investigar o caso, e vai encontrar resistência do próprio pai, o investigador do crime, e parte para falar com a família de Julie, e em especial a filha, Olivia.

Muito drama, e um ótimo romance. Não é um livro que revolve inteiramente em cima do casal romântico, na verdade a relação entre eles vai acontecer da metade para a frente. A historia vai se passando aos poucos, com o enfoque primeiro no drama vivido pela Olivia, depois com a vida dela no floresta e na pousada. O enfoque muda para o Noah e conta um pouco do romance fracassado dele com Olivia na juventude e depois como um jornalista e escritor de sucesso. Quando as duas historias se juntam é que o romance acontece. Mas o fio condutor das duas historias é o assassinato.

Nora não decepcionou nenhum pouco com a história. Os últimos livros dela que eu li achei bons mas medianos, mas esse superou minhas expectativas. Foi tão bom que merecia um filme! E o Frank, pai do Noah se tornou o meu herói.
Monica 21/11/2016minha estante
Também adorei o Frank, principalmente quando ele tem que enfrentar as comidas naturebas da mulher. Morria de rir com o desconsolo dele com a comida da mulher...


Cris Paiva 22/11/2016minha estante
Meu personagem preferido! Eu ia adorar uma historinha sobre o romance dele.




Jessie 08/10/2016

Bom
A narrativa nos prende muito a história é boa e bem desenvolvida, porém esperava mais do final achei muito clichê e poderia falar o que aconteceu ou como reagiram os outros personagens no final da história, enfim deixou a desejar.
comentários(0)comente



Kamila 20/05/2016

A Pousada no Fim do Rio tem quatro partes e a primeira começa com o assassino da atriz Julie MacBride. Ela era casada com o ator Sam Tanner e viviam em Los Angeles. À época do crime, eles faziam muito sucesso, então, esse crime abalou Hollywood. Eles tinham uma filha, Olivia, "Livvy", que tinha apenas 4 anos. Julie foi assassinada por Sam, retalhada com uma tesoura. Sam estava sob efeito de drogas, o que facilitou bastante sua condenação.

O policial que cuidou do caso era Frank Brady. Foi ele quem encontrou Livvy dentro do closet no quarto, depois que a menina viu a mãe morta e o pai com a tesoura na mão, fugindo para salvar a própria vida. O caso foi de grande repercussão na mídia e na Justiça. Olivia foi criada pelos avós Rob e Val, longe de Los Angeles, em Washington, sempre cuidada também pela tia Jamie (que era gêmea de Julie). Jamie era casada com David Melbourne, um empresário do ramo da música.

Do outro lado, Noah Brady, filho de Frank, tinha só 10 anos e ficara impressionado com a repercussão do caso, ao ver seu pai investigando o caso e também ao ver uma imagem de Olivia, assustada, na porta de casa, que estava forrada de jornalistas.

Na segunda parte, Olivia tem 12 anos e descobriu sobre o seu passado, que estava escondido em recortes de jornais e revistas da época do crime. Ela decide entrar em contato com Frank Brady, para esclarecer alguns detalhes. Quando os Brady chegam à pousada, Olivia se impressionou com Noah, agora um jovem a caminho da universidade. Olivia ainda conversou com Jamie sobre o dia do crime antes de falar com Frank, Logo de cara, pinta um clima entre Noah e Livvy, mas que logo se dissipa, assim que os Brady vão embora.

Na terceira parte, agora é a vez de Livvy (que agora é apenas Liv) estar na faculdade. Ela trabalha como guia na pousada e está terminando sua graduação. Noah é um jovem jornalista que trabalha em uma redação, mas gosta mesmo é de escrever livros. Sobre assassinos. Ele tem a ideia de escrever um livro sobre o caso de Julie MacBride e resolve falar com Liv. Mas ele faz da forma errada: primeiro sai com ela e depois tenta contar. Um mal entendido faz os dois brigarem.

Por fim, na quarta e última parte, Liv tem 24 anos e Noah tem 30. Ela é guia na Pousada do Fim do Rio, que é uma das mais conhecidas do estado, além de conhecer como poucos as florestas Olympic. Ele é um autor best-seller, escreve sobre assassinos. Sam Tanner está com um tumor no cérebro, tem meses de vida. Finalmente saiu da cadeia (de condicional, porque tinha pego prisão perpétua) e resolveu falar com Noah. Queria que sua história fosse contada. E é esse livro que fará com que Noah e Liv se reencontrem depois de seis anos. Uma história com várias histórias dentro, formando uma trama intrínseca e surpreendente.

Que história! Nora Roberts mais uma vez me surpreendeu! Depois de chorar, me emocionar e amar com a série do Quarteto de Noivas, ela me apresenta um livro que dificilmente eu associaria a ela. Tem todas as pitadas de um clássico: suspense, drama, romance e umas partes engraçadas também.

Noah Brady é o típico homem perfeito, que faz de tudo para proteger sua amada, inclusive briga com ela. Ele é um jornalista que gostava mesmo era de escrever. E foi isso que escolheu para si: escrever sobre assassinos. Mesmo amando Olivia, ele viveu sua vida, se envolveu com outra mulher, tudo isso porque fez Liv achar que suas intenções eram diferentes - e eram, mas esqueceu de avisar para ela. O caso Julie MacBride faz parte de sua vida desde seus 10 anos, já que seu pai era policial naquela época.

Olivia "Livvy/Liv" MacBride cresceu praticamente isolada. Depois do crime, ela foi morar com os avós em outro estado, numa pousada. Não foi à escola, não teve amigos, sempre viveu com medo e guardou em um canto toda sua vida até o dia do crime. Para ela, as pessoas tinham que viver distantes, ela não conseguia se ver fora da pousada, era tudo para ela. Seu primeiro amor foi Noah, lá longe, quando tinha apenas 12 anos, mas sabia que não podia. Mas com o passar do tempo, o sentimento só cresceu.

resenha completa em:

site: http://resenhaeoutrascoisas.blogspot.com.br/2016/05/resenha-pousada-do-fim-do-rio.html
comentários(0)comente



Pri 04/09/2015

Surpreendente!
Nora Roberts tem esse dom. Já li muitos livros da autora, e nenhum cansa, nenhum te faz querer parar. Pelo contrário, você devora e devora, pelo tanto que cada história te prende! Esse não foi diferente. Como de costume, envolve um crime. Olivia, 4 anos, acorda em sua casa ouvindo gritos e vê sua mãe morta. A partir daí se desenrola toda a história, com a personagem já adulta. Uma outra família, muito divertida por sinal, faz parte da historia. É daí que se desenrola um romance entre Liv e Noah, filho do investigador do caso da morte da mãe de Liv quando ela era criança. Ele nunca se conformou com o final do caso, e nunca deixou de pensar na criança que encontrara naquele dia, em pânico, dentro de um guarda roupa. O final, surpreendente... Aposto que você também nem irá imaginar quem é o (a) criminoso (a)! Vale muito a leitura!
comentários(0)comente



letícia 01/05/2015

Como ele é grande, porque acabou tão rápido?
Que livro incrível esse da Nora, eu amei esse e eu adoro todos os que ele li. Esse romance gir em torno de um amor que trás lembranças horríveis para a protagonista. A medida que ela se apaixona, ela descobre que além de se apaixonar por uma pessoas diferente, ela sabe que essa pessoa quer mexer na sua ferida que nunca cicatrizou.
Nora, não faz de fato uma investigação policial, ela nos conta as pistas para do clímax do livro, mas de vários pontos, de acordo com a vivência e ponto de vista de cada um.
Os personagens são incríveis e super bem descritos. Os lugares que se passa a história, do jeito que a autora conta, nos faz se sentir ali.
A história é ótima e vale muito a pena colocar o pé direito e mergulhar profundamente.
Podem ler, que vocês vão gostar. E o final é surpreendente, ninguém consegue imaginar. Há cenas que te diverte e outras que você sofre e fica na expectativa junto com os personagens.
comentários(0)comente



Lucimar 20/12/2014

Instigante
Quando li a versão compactada do livro, fiquei pasma! Achei tudo coerente, instigante, personagens idem, trama perfeita. O começa já aguça/atiça o leitor e a medida que você vai percorrendo as páginas, mas perguntas vão surgindo em sua mente: Como? Porquê? É isso que v. leu? E v. se depara com um final surpreendente. E isto nos serve como uma lição de vida: Não conhecemos ninguém mesmo! As pessoas estão sempre nos surpreendendo e eu costumo falar que v. passa vida toda convivendo com alguém e de repente, ela nos pega de surpresa com suas ações! Simplesmente perfeito!
comentários(0)comente



Monica 02/08/2014

Toda vez que eu termino de ler um livro da Nora, eu paro e me pergunto: como ela consegue? Ela tem o dom de nos envolver nas histórias criadas por ela e mesmo quando a trama não é das mais empolgantes, ficamos completamente absorvidos pela leitura.

Com esse livro aconteceu exatamente isso: a história não chega a ser ruim, mas o suspense deixou um pouco a desejar, porém o jeito que ela descreve os personagens e as situações é fascinante e me torna cada vez mais fã dela.

Nessa história, por exemplo, ri alto com a descrição da família do Noah (o mocinho) e com o sofrimento dele e do pai por ter que suportar as refeições naturebas que a mãe gostava de fazer, além de ouvi-la falar a respeito das causas ambientais que ela abraçava (e foram muitas).

A maneira que ela descreve as situações dá a impressão de que ela está contando um "causo" da vizinha da esquina. E daí eu volto a questionar: como ela consegue?

Não tenho a resposta para isso, mas certamente ela conseguiu de novo. Outro livro dela que dá peninha de terminar.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Caroline Curi 18/01/2014

Por Caroline Curi.
Confesso que a expectativa foi grande e a frustração maior ainda. Não que o livro seja ruim, até porque ele não é, mas o início do livro me levou para um caminho completamente diferente do qual ele seguiu posteriormente. Isso me desagradou porque eu estava esperando outra coisa. Quando você lê a sinopse do livro, o que você pensa? "Ah, deve ser um livro de suspense, talvez um suspense policial em que o objetivo está em investigar um assassinato e condenar o responsável." Acertei? Pois é, eu pensei a mesma coisa, mas o que percebi lendo o livro foi o seguinte: início crime brutal + enrolação, romance, enrolação, enrolação, romance e...mais um dose de enrolação + final crime brutal desvendado. Conseguiram entender mais ou menos? Quando digo aqui que vi muito enrolação no decorrer da história, não estou dizendo que o livro foi um saco e cansativo, apenas traduzi todo o desenrolar de um romance que, no início do livro, parecia que seria algo sem tanta importância, tanto foco, mas que foi totalmente o inverso... o livro é muito mais romance do que propriamente o tal suspense policial.

Olivia MacBride é a filha de Julie MacBride e Sam Tanner, astros de Hollywood cercados de muito sucesso, fama e dinheiro. Mas como nem tudo são flores e esse meio em que eles vivem é bem... incentivador, digamos assim, Sam acaba seguindo um caminho errado e entra no mundo das drogas também.

Olivia tem 4 anos e numa madrugada fatídica, está em seu quarto brincando e de repente, sai à procura da mãe. Ela, então, sai do quarto e desce as escadas... o corpo de sua mãe está no chão completamente coberto de sangue e ao lado está o monstro com as mãos sujas de sangue segurando a tesoura que estava cravada em suas costas. O monstro que ela chamava de pai. Ela é encontrada escondida dentro do closet pelo policial Frank Brady que a acalma e lhe tira dali. Depois deste ocorrido, Olivia vai morar com os avós que possuem a Pousada do Fim do Rio.

Após oito anos, o detetive Frank Brady vai visitar a Pousada à pedido de Olivia através de uma carta. É aí que ela acaba conhecendo o seu filho, Noah Brady, que desde a época do crime, quando tinha 10 anos, alimenta um grande interesse pelo caso.

Depois de mais seis anos, agora com 18, Olivia mora sozinha em um apartamento devido a faculdade, quando sua campainha toca e lá está Noah Brady parado na sua frente. A partir daí, eles se sentem completamente atraídos um pelo outro, mas Olivia acaba se sentindo traída por Noah e pede para ele esquecê-la e nunca mais procurá-la.

Mais seis anos se passam e, então Noah volta a procurar aquela garota que nunca mais saiu de seus pensamentos. Ele tenta a todo custo se redimir e conquistar o coração – mais duro que pedra – de Olivia. Ela não dá uma trégua pro rapaz e juro que em vários momentos eu queria que ela existisse de verdade para que eu pudesse dar umas boas bofetadas na cara dela pra ver se acordava! Concordo que ela passou por grande tragédia na vida dela, um trauma da infância que a acompanhará para o resto da vida por culpa do homem que jurou amar a sua mãe para sempre, portanto entendo perfeitamente o receio dela de se entregar para Noah, que ela também acreditava ter a traído anos antes, pois o ‘exemplo’ de homem que ela tinha, era justamente aquele que causou a maior dor de sua vida. Mas por favor, né gente, tudo tem limite... Vários momentos em que o Noah se esforçou, era todo fofo com ela, a agradava de todas as formas possíveis e ela lá, nem tchum pra ele. Sério, ficava com pena dele, coitado! Hahaha

No meio a isso tudo, ela recebe a notícia de que seu pai deixará a prisão em breve e, então, recordações de um passado apavorante começam a assombrá-la novamente. Será que é o assassino querendo dizer que ainda não acabou e que ela será a próxima? Bem, nos primeiros capítulos do livro acerca de todo o crime... eu juro gente, já desconfiava e muuuito do final! Então, para mim, não foi um final tão surpreendente como promete ser.

Bom, a Nora Roberts consegue nos cativar com sua narrativa maravilhosa. O único fato que me desagradou, além da capa que eu achei horrorosa – desculpem-me a sinceridade –, foi realmente o que descrevi no início. Porém, o erro foi meu, por criar expectativas muito grandes e o livro não conseguir superá-las. Tenho que aprender a não esperar nada das histórias, e aí poder ser surpreendida de forma positiva.

site: carolinecuri.blogspot.com.br
comentários(0)comente

tatielma 28/07/2012minha estante
concordo contigo! até que li esse livo rápido mas a parte do romance teve muita enrolação... achei a Olivia uma chata de galocha e o mocinho subserviente demais a ela(devia ter mandado logo pra PQP)
Enfim
O livro É só legalzinho




Marta Lourene 29/09/2013

Amei!
Estou começando a conhecer Nora, sei que tem livros ótimos, mas esse me pegou de jeito! Adorei o jeito de Noah e Livy, um lado meio adolescente que vive em mim ficou pulando hahahahaha. Junta duas coisas que gosto, os casos de policia com romance. Gosto muito de Sidney Sheldon por causa da parte policial, mas Nora vem tendo espaço no meu coração jogando a pitada de romance! Valea pena ler, o começo fica um pouco chato, mas depois fica bem legal.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3