Reze Pelas Mulheres Roubadas

Reze Pelas Mulheres Roubadas Jennifer Clement




Resenhas - Reze pelas mulheres roubadas


23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Ladyce 22/02/2015

Um mundo sem esperanças
“Você percebeu que as palavras do dia não são as mesmas palavras da noite?” (209) pergunta uma personagem do romance de Jennifer Clement, “Reze pelas mulheres roubadas”. A autora certamente tem o dom da boa escolha de palavras, quer de dia ou de noite. Sua prosa é poética e consegue manter um tom onírico na narrativa.Toda a força deste livro está na narrativa: tom e ritmo são perfeitos. E mesmo que não haja uma trama segue-se a leitura até o fim, embalada pelas belas figuras de linguagem e pelos pensamentos criativos de seus personagens, que pertencem, certamente à uma realidade quase paralela. “A noite pertence aos traficantes, ao exército, à polícia do mesmo modo que pertence aos escorpiões...”(62).

Sou conhecida por abandonar leituras que não me agradam, quero, portanto, enfatizar a voz narrativa de Jennifer Clement. No entanto este livro não chega a ser um romance. É um relato poético, ficcional, uma descrição, um testemunho do que acontece com as pequenas cidades mexicanas, quando os homens emigram e as mulheres ficam à mercê dos cartéis de drogas. “Reze pelas mulheres roubadas” não traz em si os típicos componentes de um romance, com uma linha condutora, com trama e soluções de conflitos. Ele relata a vida de um grupo de está em conflito com a sociedade como um todo, pessoas cuja realidade parece a de um bote largado ao mar, sem rumo e sem capitão, que acaba soçobrando qualquer esperança de um porto seguro.

Este é um testemunho poético de uma realidade horrível e sem nome. Abandono seria um nome melhor para a cidade de Guerrero, onde Ladydi, sua mãe e suas amigas vivem. Jennifer Clement é a jornalista poética que através dessa obra relata a vida das mulheres sobreviventes dos abusos dos cartéis de drogas. Ela escolhe retratar esse mundo, como em um sonho o que faz com que possa ser mais bem degustado pelo leitor. Mas não oferece soluções nem no mundo real, nem para seus personagens fictícios. Todos simplesmente se acomodam às situações bárbaras que lhes são apresentadas na vida.

A distância entre esse mundo e o resto do país é muito grande. Os personagens só se descobrem, só se vêem patéticos, sem esperança, quando um novo professor chega à escola. Professores mudam a cada ano, já que ninguém quer ficar em um lugar tão distante quanto Guerrero. Eles vêm para completar sua obrigação de serviço social. Mas é quando o Prof. José Rosa chega à cidade, repleto do conhecimento e das maneiras citadinas, que os alunos conseguem perceber quem eles são: “Quando olhamos para ele, olhamos para nós. Cada imperfeição, nossa pele, cicatrizes, coisas que nunca nem tínhamos notado, nós vimos nele" (57). No entanto nada é feito a partir desse conhecimento.

Só a televisão com seus programas da National Geographic, com seus documentários, traz a civilização a esse cantinho perdido do mundo. “Minha mãe assistia à televisão porque era a única forma de sair da nossa montanha” (97). E talvez seja por isso que ao final, emigrar, correr o risco da emigração ilegal, para os Estados Unidos seja de fato o único sonho que lhes resta, já que ninguém se preocupa com os habitantes em lugares remotos do México.
Paula 22/02/2015minha estante
Gostei muito desse livro, Ladyce! ótima resenha :) Também escrevi sobre ele no blog hoje :) beijo!


Syl 26/02/2015minha estante
Nossa Ladyce, que resenha maravilhosa! Agora o desejo duas vezes mais.rs.




Dira 29/05/2020

Meninas traficadas, mulheres abandonadas e esquecidas
Que livro Foda! Chorei feito uma criança nas últimas páginas. LadyDi e sua mãe são personagens que reúnem características que tocam a gente de forma muito profunda. A história é difícil, pesada e sofrida, meninas roubadas e traficadas na cidade de Guerrero no México. Mães e filhas abandonadas, trágicas e comoventes histórias, rostos e nomes.

[Agora vamos deixar você feia, minha mãe disse. E assobiou. Sua boca estava tão próxima que ela cuspiu perdigotos em meu pescoço. Senti cheiro de cerveja. No espelho, eu a vi passar o pedaço de carvão em meu rosto. É uma vida sórdida, murmurou.(pg.9)]
comentários(0)comente



leila.goncalves 17/07/2018

?Graças A Deus, Nasceu Um Menino!?
Eu não fazia a menor ideia de que hoje em dia, mulheres jovens, pobres e bonitas são sequestradas no México em plena rua ou na própria casa sob a mira de um revólver.

Jeniffer Clement passou dez anos ouvindo esses relatos, enquanto escrevia "A True Based On Lies", seu romance de estreia, sobre o papel feminino no cartel das drogas. Para tal, entrevistou namoradas, esposas e filhas de traficantes, chegando a trágica conclusão que sei país também é um labirinto de mulheres escondidas, tentando se proteger dessa ameaça.

A grande maioria das ví­timas é usada para tráfico sexual ou outras formas de escravidão, como trabalho forçado, pagamento de dívida ou filmagens pornográficas. Um negócio lucrativo, afinal, "uma mulher pode ser negociada para diferentes donos várias vezes, e até mesmo dezenas de vezes por dia como prostituta, enquanto que um saco plástico com drogas só pode ser vendido uma única vez."

Portanto, foi uma decisão acertada o segundo romance da autora, "Reze pelas Mulheres Roubadas", abordar esse assunto. A narrativa gira em torno de Ladydi Garcia Martínez, uma jovem que nasceu numa comunidade rural dizimada por traficantes de drogas, equivocadas políticas agrícolas e imigração ilegal. Uma pequena aldeia cortada por uma estrada que leva ao porto de Acapulco, lugar de chegada e partida de "qualquer tipo de mercadoria", e apesar dos fatos narrados terem sido inspirados na realidade, seu texto é absolutamente ficcional.

Criada pela mãe, seu pai fugiu para os Estados Unidos há anos, Ladydi tem como companhias inseparáveis o calor e a pobreza. Além disso, no quintal de seu casebre há um buraco cavado que serve para escondê-la, quando preciso. Ela passou a infância fantasiada de menino e a adolescência, suja e enfeada, com a finalidade de enganar o cartel, mas nem sempre essas artimanhas dão certo... Sua amiga Paula, "mais bonita do que a Jennifer Lopez", é a primeira sequestrada entre as garotas de sua idade.

Se você aprecia um romance tradicional, com começo meio e fim, esqueça esse livro. Ele não apresenta uma solução para os conflitos e problemas abordados, mas é um depoimento pungente de uma situação impensável em pleno século XXI. Uma leitura obrigatória para quem defende e crê nos direitos das minorias e que dificilmente irá esquecer a saga dessas mulheres tentando romper com seu destino.

"Agora vamos deixar você feia, minha mãe disse. E assobiou. Sua boca estava tão próxima que ela cuspiu perdigotos em meu pescoço. Senti cheiro de cerveja. No espelho, eu a vi passar o pedaço de carvão em meu rosto. É uma vida sórdida, murmurou." (Ladydi)
comentários(0)comente



Paula 03/03/2015

Para ler a resenha, acesse:

site: http://pipanaosabevoar.blogspot.com.br/2015/02/reze-pelas-mulheres-roubadas.html
comentários(0)comente



Tatiane Buendía Mantovani 07/03/2015

Devo confessar: Tenho pavor do México. (coff meu marido diria: "fica vendo video de decapitação na internet, dá nisso" coff) Los Zetas, coisa e tal. Pavor mesmo, acho que não iria para o México nem que me pagassem. Comecei a ler este livro, achando que ia ser documentário, em tom de reportagem (não presta atenção nas sinopses... não presto mesmo! Já me deparei com tantas sinopses com spoilers que atualmente só passo os olhos para apreender o clima e não fico lendo muito profundamente para não me frustrar com revelações indesejadas).
Mas então, foi uma grata surpresa me deparar com uma ficção dinâmica, com um humor ácido permeado por um pungente apelo sentimental (ainda que nada gratuito).
Retrata a história de Ladydi e da comunidade de mulheres de Guerrero, que são vitimas, mas não indefesas ou resignadas. Elas lutam! Elas refletem! Elas tentam. Mesmo a mais analfabeta, solitária e despretensiosa mulher da comunidade tem uma sabedoria tão cínica que é apaixonante.

Guerrero e uma comunidade só de mulheres. Por ficar próxima a fronteira com os EUA, todos os homens de lá, mais cedo ou mais tarde, acabam partindo para ir tentar a vida do lado de lá da Fronteira. Alguns morrem, alguns conseguem. Os que conseguem, jamais voltam. Os que voltam uma ou duas vezes, trazem dos EUA algo mais do que alguns miseráveis dólares: AIDS, por exemplo. Miss Marple diria: a natureza humana sendo como é... e ela estaria mais do que certa. Algumas coisas só "servem" dentro de uma perspectiva limitada. Abertos os horizontes para perspectivas mais amplas, o ser humano é mais do que eficiente em justificar suas próprias tendências de fazer o que lhe é mais conveniente em todas as situações, mesmo que isto o torne um monstro que abandona a família em um lugar miserável, para nunca mais voltar, nunca mais ligar.
Além da falta de figuras masculinas, (ou talvez até mesmo por isto), Guerrero é constantemente saqueada por gangues de narcotraficantes, que raptam garotas de dez, doze anos para fazerem parte de seus haréns. Por conta disto, todas as garotas do vilarejo, desde bebês, são disfarçadas de garotos. Diz-se que todas as crianças de Guerrero são meninos, mas que desaparecem misteriosamente aos 10/11 anos. Cabelos sempre curtos, dentes esfregados com substâncias para que pareçam podres, tudo para enfeiá-las, descaracterizá-las como mulheres (vítimas) em potencial. Quando a natureza de desenvolve, e os contornos do corpo feminino ficam evidentes demais para serem disfarçados, é só desespero. Elas vivem em estado constante de alerta para a chegada ou passagem de carros para esconderem-se em buracos no solo, tudo para os traficantes não vê-las, não levá-las.

Apesar disto, Ladydi é uma garota que pensa. Acompanhamos livro afora suas aventuras e desventuras e, com o plano de fundo delineado pela autora, vislumbramos fatores psicológicos inerentes a uma vida cheia de rancor, sem perspectiva alguma, cheia de violência. Mas ainda com alguns sonhos simples, desejos normais - pelo menos normais para nós, que vivemos em constante abundância. E em meio a tamanha falta de recursos e em circunstâncias tão estranhas, a força feminina se ergue, como um pilar, um monumento de protesto em meio a um mundo onde somente os homens tem direito de vislumbrar um futuro diferente.
O livro é curtinho, e vale muito ser lido.
Deixa aquele gosto amargo na boca ao tentarmos imaginar quantas Ladydis existem por aí, no México, ou no resto do mundo.
Dentro de todas nós.
Henrique 21/07/2017minha estante
Depois que fiz meu comentário a respeito do livro, vim ler os comentários e olha só como nos valemos quase das mesmas palavras para expressar nossas considerações a respeito dessa fantástica obra.




Renata (@renatac.arruda) 19/04/2015

O desespero de se nascer mulher em um mundo dominado por homens
Reze pelas mulheres roubadas se divide em três atos: o primeiro é o de iniciação, em que conhecemos a protagonista enquanto ela conhece a si mesma: as mudanças no corpo, a descoberta sexual, a clareza sobre sua realidade social, o abandono do pai, o vício alcoólico da mãe. Na parte dois do livro, Ladydi já é uma adolescente que, tendo terminado a escola, arranja um emprego como babá em uma mansão. É onde a vida de Ladydi começa a se tornar mais sombria, permeada de violências, ameaças e dificuldades até chegar no terceiro ato, que se passa na prisão feminina. E aqui, em que uma boa parte é escrito em prosa mais convencional, foi impossível não lembrar de Orange is the new black, o livro — inclusive, há na prisão uma personagem bem parecida com Piper Kerman, uma inglesa loira, rica e gente boa, encarcerada por tentar trazer heroína ao México. Mas dessa vez é como se a leitura trouxesse luz a tudo que Piper não pôde esclarecer: o lado das mulheres latinas e pobres, as assassinas, as prostitutas, as traficadas e vítimas de violência. As abandonadas e aquelas que não têm mais para onde ir. Especialmente tocante e brutal são as passagens em que as presas se reúnem para contar suas histórias através de colagens e podemos perceber que há humanidade até mesmo por trás de mulheres que matam seus próprios filhos:

Leia mais no Prosa Espontânea:

site: http://mardemarmore.blogspot.com.br/2015/04/reze-pelas-mulheres-roubadas-jennifer.html
comentários(0)comente



Nana 17/10/2018

Reze por um mundo melhor!
Esse é um tipo de livro que fica na nossa memória por um tempo, devido a sua história triste, chocante e dolorosa.
É ficção, mas foi baseado em relatos reais de moradoras das regiões mais violentas do México, onde os traficantes de drogas dominam totalmente o local. As personagens vivem sob constante ameaça de violência.
A história é narrada por Ladydi, uma adolescente que mora com sua mãe em Guerrero, na zona rural do México, local onde as meninas precisam fingir-se de meninos para não serem roubadas pelos traficantes e usadas com escravas sexuais. O pai fugiu para os EUA e nunca mais voltou.
Apesar dessa leitura ter sido bastante pesada e ter me deixado angustiada com tantos horrores, me ensinou sobre uma realidade que eu não conhecia e me mostrou o poder do crime organizado no México.
Terminei de ler aprendendo um pouco mais sobre os horrores que o ser humano é capaz e refletindo sobre a minha vida.
comentários(0)comente



Alcinéia 02/03/2017

Reze pra que seja um menino.

“Agora vamos deixar você feia, minha mãe disse. E assobiou. Sua boca estava tão próxima que ela cuspiu perdigotos em meu pescoço. Senti cheiro de cerveja. No espelho, eu a vi passar o pedaço de carvão em meu rosto. É uma vida sórdida, murmurou.”

O que dizer de Guerrero? É uma cidade do México, onde as meninas são disfarçadas de menino até os 11 anos de idade e depois são obrigadas a se transformarem em meninas feias. Uma cidade onde entre escorpiões, que podem matar com uma só picada, cobras, moscas, formigas vermelhas, calor e pobreza estrema nascem as personagens do livro de Clement. Dos olhos de Ladydi conhecemos esse mundo, tão distante e próximo de nós. E nada coloca mais medo nos habitantes dessa cidade do que os homens do tráfico. A mãe de Ladydi, sempre tem um pensamento crítico com relação a realidade o que faz dela uma mulher amarga, por saber muito bem onde esta inserida e as consequências disso. “Não existe nada pior do que uma filha sem pai, minha mãe dizia. O mundo simplesmente devora essas meninas vivas.”.

Sem dúvida o melhor livro que já li, a autora conta a realidade com poesia, é surpreendente, mudamos para Guerrero e podemos ver e sentir cada local e conhecer cada personagem, fazemos parte da história e quando lemos a última página do livro, ele continua dentro de nós. Ladydi estará sempre dentro de cada leitor que se emocionou com sua história. Ela era uma garotinha que fazia orações ao contrário, pois sua mãe sempre dizia para fazer suas orações ao contrário, pois se Deus realmente soubesse do que precisava, ele nunca daria.

“O que todo mundo sabia era que a fila de visitantes esperando para entrar na cadeia feminina era curta. A fila de visitas na cadeia masculina era longa e se estendia por pelo menos dez quarteirões. Podia levar horas para os visitantes finalmente conseguirem entrar para ver os homens. Foi Luna quem me contou isso. Não há nada mais que se precise saber, ela disse. Ninguém visita as mulheres. Todo mundo visita os homens. O que mais precisamos saber a respeito do mundo?”

comentários(0)comente



João 30/05/2017

Reze Pelas Mulheres Roubadas é mais um livro chocante que leio sobre a realidade de muitas mulheres no mundo.
Pelo que entendi a autora se baseou em fatos reais para criar o livro.
Uma realidade terrível para essas mulheres mexicanas.
Não dá pra falar muito sobre o livro,só digo que é uma excelente leitura.
Euflauzino 06/06/2017minha estante
já está anotado :D




Henrique 21/07/2017

Recomendadíssimo
Que grata surpresa não tive ao ler esta obra. Ao leitor menos curioso para saber do enredo, como eu, pode acreditar se tratar de uma obra não fictícia, tamanha é a desenvoltura da autora que dá voz à personagem Ladydi, que vive em um povoado entre a Cidade de México e Acapulco, encrustado nas montanhas. Os parágrafos e frases curtos, mas com uma densidade de significado forte, além de tornar a leitura uma experiência agradável, dão o tom de uma temática que seria muito mais sombria e pesada, não fosse o humor ácido da mãe de Ladydi e da própria Ladydi em relação às circunstâncias. A história de vida de uma criança num país onde ser mulher é um castigo. É a voz daquelas que nunca tiveram a vez de se livrar do estigma que carregam.

"Uma mulher desaparecida é apenas outra folha que corre pela sarjeta durante uma tempestade , ela disse ."
Clement, Jennifer. Reze pelas mulheres roubadas (Locais do Kindle 722). Editora Rocco.
comentários(0)comente



Vaninha 10/10/2017

"A melhor coisa que você pode fazer no México é ser uma menina feia."

Escrito a partir de diversas entrevistas feitas durante anos pela autora, Reze pelas mulheres roubadas é uma obra de ficção escrita para revelar a dura realidade das mulheres no México atual.

Com uma linguagem poética o livro narra o dia a dia das mulheres de Guerrero, uma pequena comunidade de beira de estrada, aos pés de uma montanha a poucos quilômetros de Acapulco e próxima à fronteira com os Estados Unidos.

Não existem homens em Guerrero. Todos os homens vão embora. Alguns se envolvem com o tráfico mas a maioria decide atravessar a fronteira em busca de uma vida melhor, abandonando esposas e filhas. Alguns retornam uma ou duas vezes para rever a família mas a grande maioria jamais volta.

Abandonadas as mulheres da cidade precisam lutar para sobreviver. A maior batalha que elas enfrentam, no entanto, não é contra a pobreza ou a fome e sim contra os traficantes que sequestram todas as garotas consideradas bonitas. As garotas sequestradas não voltam.

É nesse cenário que conhecemos Ladydi e suas amigas. Para que as garotas não sejam levadas as mães usam diversos artifícios para que pareçam feias e sempre que uma SUV é avistada as meninas precisam correr para se esconder. As que não conseguem são levadas e não há a quem recorrer: a polícia e até mesmo o exército estão comprados.

Abandonadas, traídas, usadas como mulas, como bode expiatório, marcadas como se fossem gado, estupradas, roubadas...

Não vou me estender muito para não acabar soltando um spoiler, mas devo dizer que o livro vale - e muito - a pena. Ele é fino e por isso dá para ler super rapidinho.

Se quiser saber mais sobre essa questão, o livro A morte de Sarai, de J. A. Redmerski fala um pouco sobre o assunto e tem um filme chamado Juarez - esse baseado em fatos reais - que denuncia essa situação.

O México é considerado hoje um dos lugares mais perigosos para uma mulher viver.
comentários(0)comente



Gilberto 15/03/2015

Reze pelas mulheres roubadas – Jennifer Clement
Existem alguns livros que parecem terem sido criados com um outro objetivo por trás do de contar uma história, livros onde contar uma história é a forma de se retratar uma realidade local em suas várias nuances; política, social, histórica, cultural. Estes livros se aproximam muito mais de estudos antropológicos do que de literatura, e ai a questão torna-se como fazer com que estes dados aqui retratados sejam atraente a ponto de atrair os leitores para o meu livro sem que ele seja chato, ou somente um amontoado de informações? a resposta desta questão parece ter sido dominada pela autora Jennifer Clement em seu livro Reze pelas mulheres roubadas.

O livro não segue uma estrutura narrativa do tipo clássica começo meio e fim, a história narrada por Ladydi é um relato de sua vida na cidade de Guerreiro, no México, esta cidade fica próxima à fronteira com os Estados Unidos e todos os homens que nela moravam decidem mais cedo ou mais tarde ir para os Estados Unidos na busca por uma vida melhor, a consequência disso é que deixam suas mulheres e filhas e nunca mais retornam nem lhes oferece ajuda alguma, por isso esta pequena cidade passa a ser habitada somente por mulheres.

Nesta mesma cidade narcotraficantes roubam meninas de 10 anos para cima para levarem elas para seus haréns onde elas se tornarão suas amantes, as mães destas meninas nada podem fazer, o pouco que conseguem é cavar um buraco no chão para esconder suas filhas quando os narcotraficantes chegarem. Não é somente nestes narcotraficantes que reside o perigo, tudo na cidade sofre com a violência lenta e torturante que é o descaso; só existe professores lá quando algum vai cumpri seu serviço obrigatório após o curso, e quando vão nem todos dão aulas de forma como deveria, não existe um atendimento básico de saúde e por ai vão as coisas.

Não existe perspectivas para as mulheres que vivem ali as duas únicas certeza destas mulheres é que mesmo que elas se casem logo vão ser abandonadas e esquecidas pelos maridos que atravessarão a fronteira para os Estados Unidos, como é o caso da mãe de Ladydi, por isso a filha tem o nome igual da princesa para lembrar a dupla traição do marido, primeiro com outra mulher e depois esquecendo da sua família. A segunda certeza é de que um dia suas filhas serão levadas pelos narcotraficantes e nunca mais retornarão a suas casas, a exceção disso foi Paula, amiga de Ladydi que todo consideravam a menina mais linda do México, ela foi captura, mas voltou após um ano cheia de marcas a traumas. Então quando nascem meninas com deformações ou até mesmo lábio leporino as mães comemoram.

Um destaque especial é para a mãe de Ladydi, ela não faz a linha delicada ou coitada, pelo contrário é uma mulher que bebe, vomita ao ouvir canções românticas (literalmente) e tem um senso prático incrível, o temperamento dela que já não era exemplar quando tinha um marido (convenhamos uma mãe que aposta corrida com sua filha para ver que vai cumprimentar o marido primeiro, e nesta mesma corrida pisa de propósito no pé da filha, ou a empurra para longe não é nenhum amor), fica pior após ser traída por ele, vingativa, egoísta, alcoólatra e por ai vai, mas nem tudo que ela faz é culpa do marido, como por exemplo sua cleptomania. É desta personagem que eu tive grandes risadas pois as situações beiram o absurdo constantemente.

O livro flui de forma rápida e interessante, por trás de uma linguagem leve existe um nítido relato da violência de gênero que existe naquele lugar, mostrando que ali mulheres são sobre-humanas, onde a cada dia lutam e sobrevivem as mais variadas formas de violência e miséria.

A Minha única reticência em relação ao livro é a impressão de que ele não tem um objetivo, nem um ponto de partida e chegada, talvez a autora tenha se preocupado demais em dar ao livros tons reais e precisos com informações e tenha perdido em alguma parte do percurso o controle narrativo. Apesar de muito bom fica a impressão de que em algum momento ela se cansa desta brincadeira e vai fazer algo melhor.



site: https://lerateaexaustao.wordpress.com/2015/03/16/reze-pelas-mulheres-roubadas-jennifer-clement/
comentários(0)comente



margarida 12/04/2015

Ficção?
verdade ou ficção é uma realidade traumática vivida por uma comunidade mexicana, escrita de forma fantástica. um livro que nos leva a entender o significado de viver e sobreviver.
e compreender que: "o amor não é um sentimento. é um sacrifício" [frase "entre aspas" retirada do próprio livro] e o que é realmente verdadeiro em todo seu conteúdo. um livro que nos impede de parar...e entusiasticamente nos leva ao desfecho final.
comentários(0)comente



San... 15/09/2016

Fico me perguntando, como, em pleno século XXI, nos deparamos com uma realidade inaceitável, onde a lei do mais forte ainda seja um imperativo. Embora ficcional, a realidade vivida nos locais onde os quartéis ditam as regras é exatamente essa. Boa leitura para que saibamos que, no resto do mundo, a vida segue cursos completamente divorciados de nossas experiências pessoais.
comentários(0)comente



23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2