Encruzilhada

Encruzilhada Lúcio Manfredi




Resenhas - Encruzilhada


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Alvaro Hendrick 20/07/2017

Viciante
É no mínimo complicado fazer uma resenha de “Encruzilhada” sem soltar algum spoiler. Viciante. Confuso. Inteligente. Essas três palavras definem o que eu pensava durante a leitura. Se você gosta de histórias interessantes, diferentes, com violência e com um “quê” de ficção científica, esse livro é pra você.

Escrevi uma resenha completa sobre esse livro no meu blog, espero que gostem.

site: https://portalgatilho.wordpress.com/2017/06/14/resenha-encruzilhada-de-lucio-manfredi/
comentários(0)comente



DandySSouza 29/06/2017

É tensão que você quer? Então toma!
Até que ponto o desconhecido é real? Descubra no livro Encruzilhada.

Se tem um livro que daria um bom filme, esse livro seria seria Encruzilhada. O thiller é uma produção nacional da Editora Draco que mistura ficção científica e horror, além conceitos superficiais de mecânica quântica e umbanda. Também pudera o autor Lúcio Manfredi nada mais, nada menos é autor roteirista da globo – daí a facilidade em imaginar a trama numa película.

Quer entender um pouco do que estou falado? Então vem comigo que vou te contar um pouco dessa história.

O Enredo

A história começa com o personagem Max, um matador de aluguel, que após entrar numa casa, aparentemente vazia, coisas estranhas começam acontecer – de barulhos nos cômodos, à visões fora de suas crenças. Sua situação começa a ficar preocupante quando ele encontra um porta-retrato no chão, em um dos quartos que ouviu um barulho, e se depara como ele mesmo com uma mulher que ele não conhece.

Muito assustado com a situação, e não querendo tentar descobrir, ele precisa sair o mais rápido possível desta casa estranha, mas só tem um porém: o lugar por onde entrou está bloqueado. Que tal?

E se você pensa que a história vai se concentrar apenas na casa, sente aí que a situação não é tão fácil como você pode imaginar.

Ele consegue sair da casa, ao conseguir pular uma das janelas, mas ao invés de cair num local aberto, ele vai parar no apartamento de seu amigo chamado Alex, ao qual está rolando uma festa bem movimentada. E quer mais uma coisa inexplicável? Nessa mesma festa ele descobre que tem uma namorada chamada Rosa, porém essa mulher foi morta por ele. Aí eu te pergunto: E agora José, ou melhor, Max?

O que Verei?

Encruzilhada é uma daquelas histórias que qualquer comentário vira um spoiler descarado – e não é minha intenção estragar a sua experiência, jamais. Então eu me prenderei às informações superficiais e no final darei meu parecer sobre ela.

O livro tem a capacidade de prender o leitor pelo trabalho do "inexplicável". Conforme mencionado no início, o uso de conceitos superficiais em torno da mecânica quântica e sobre a umbanda, enriquecem demais seu enredo – além de vivenciarmos junto com Max, a busca pelas respostas.

A cada capítulo a história vai alternando entre as fases de Max: criança, jovem, adulto e melhor idade. Despertando a máxima atenção do leitor aos detalhes apresentados para juntar as peças deste quebra-cabeça e compreender o que realmente está acontecendo.

O livro possui uma leitura rápida e de capítulos curtos, podendo ser realizada em um dia – dependendo de sua curiosidade e disponibilidade, lógico.

Vale mencionar que a obra está dividida em quatro partes:

1- Parte I – em que são apresentada a trama e os fenômenos dentro de 25 capítulos;
2- EXU – aqui somos apresentados, em três capítulos, ao passado de Max.
3- Parte II – a correria de Max em desvendar e solucionar essa treta em 19 capítulos.
4- Epílogo – que é a conclusão de tudo que aconteceu.

Desta Forma...

O Thriller é bastante intrigante. É notório que Lúcio Manfredi tem um critério em deixar o leitor esclarecido com a história. Os conceitos apresentados, além de permitir o entendimento do universo em que Max está inserido, ele estimula o aprofundamento dos assuntos abordados através de pesquisas – se você é curioso que nem eu, o “louco das pesquisas”, com certeza vai adorar esta experiência.

Para não dizer que nem tudo são flores, eu tenho uma ressalva a fazer sobre a Encruzilhada. Dos 48 capítulos do livro, 04 considerei não tão relevantes para a história – as descrições fornecidas não interligaram com o resultado apresentado, estavam ali soltas. Mas nada que afete a história e sua sensação agoniante que ela proporciona.

Leia, comprove e deixe seu comentário e me conte o que achou deste thriller nacional de Lúcio Manfredi.
comentários(0)comente



Adeola 23/06/2017

[Resenha] Encruzilhada
Lúcio Manfredi é autor do livro Encruzilhada cuja narrativa é diferente de tudo que estamos acostumados. Aqui o personagem principal é Max que , inicialmente, se vê como um "matador de aluguel" cuja missão é assassinar uma mulher chamada de Rosa. O problema é que isso é possivelmente um sonho, pois Max também se vê como um estudante de filosofia da USP, uma criança assustada tendo pesadelos, um professor de física quântica e como um rapaz tendo diálogos estranhos com uma caveira que nos acompanha de diversas maneiras durante a narrativa.

Alguns personagens são fixos como Max e Rosa, mas o cenário se dissolve a cada capítulo , fazendo com que Max fique em dúvida se está tendo pesadelos, se tudo aquilo é real ou se ele está apenas alucinando devido a um uso exagerado de drogas.

Eu particularmente não estou acostumada com esse tipo de narrativa que a cada capitulo fica diferente e fiquei confusa em alguns momentos mas apesar disso e de o personagem principal ter me incomodado em alguns aspectos, o livro valeu a pena por ser bem escrito e inovador

site: http://minimundoliterario.blogspot.com.br/2017/06/resenha-encruzilhada-lucio-manfredi.html
comentários(0)comente



Gleissianne Dias 19/06/2017

Blog Resenhando
#resenhablogresenhando

? Encruzilhada de Lúcio Manfredi, publicado pela @editoradraco .
?
?
O protagonista é Max, um assassino que decide se esconder em uma casa abandonada durante uma perseguição. Mas, ao chegar nessa casa ele percebe que estranhos acontecimentos se passam nos cômodos. A arquitetura da casa é estranha com cômodos que não se ligam, portas que levam a novos cômodos. Parece que Max se meteu em um lugar que é um nexo para outras realidades. Ou será que tudo não passa de uma alucinação?
.
.
O enredo não é linear, e é cheio de reviravoltas e desconstruções que confundem no começo se o leitor não ficar atento, mas, depois começa fazer sentido e a história começa fluir muito bem. A premissa de um homem querendo matar seus "iguais" em outras dimensões ou algo do gênero não é exatamente original, mas foi muito bem explorada. E, sem dúvida, o ritmo do livro é espetacular, não dá pra parar de ler.
.
.
A história interessante, pois misturando diversos elementos como fantasia, terror, mitologia africana, fazendo com que a história realmente chama a atenção nós leitor.
.
comentários(0)comente



Luís 01/02/2016

Muito Além... Dos Universos em Sua Mente [Encruzilhada - Lúcio Manfredi/ Publicidade Editora Draco]
E para mim, como foi ler "Encruzilhada"?

Três foram os motivos que me interessaram a ler este livro:

1 – Eu o julguei pela capa, e a sinopse fez o resto do trabalho: Achei uma arte de Erick Sama muito bem aplicada a obra, formando um labirinto com as palavras que compõe o título.

2 – Universos paralelos – Meu fascínio;

3 – Curiosidade em conhecer os trabalhos da editora que adquirimos parceria recentemente – Editora Draco – conciliado ao fato de que seu acervo está disponível para assinantes do serviço de Streaming da Amazon – Kindle Unlimeted.

Vamos ao que interessa?

O livro Encruzilhada aborda um dos temas que mais me atraem: universos paralelos e suas possibilidades. Porém Lúcio Mandredi utiliza de premissas da umbanda como eixo de apoio aos fatos narrados, algo ao qual nunca tinha encontrado igual. Como assim? A base desses universos paralelos são as possibilidades de passado, presente e futuro de Max que supostamente se torna refém de sua própria mente, graças a uma intervenção de uma entidade.

No começo acompanhamos Max em uma tentativa de fuga. Para escapar de seus perseguidores, Max utiliza suas técnicas de matador profissional e se esconde sorrateiramente em uma casa que aparenta estar vazia.

À medida que o tempo passa dentro da casa... mais no link abaixo

site: http://muitoalemdasaspas.blogspot.com.br/2016/02/muito-alem-dos-universos-em-sua-mente.html
comentários(0)comente



Rahmati 29/11/2015

Descoberta!

Confesso que comprei o 'Encruzilhada' mais por curiosidade. Quando vi os comentários positivos, pessoal dizendo que era bom, imaginei que fosse aquele tipo de bom – que um tanto de gente acha bom mas quando se vai ler… Mas não, era do outro tipo de bom – do tipo que me fez colocá-lo na minha estante de livros de ficção científica à frente de (em ordem de preferência) obras como 'Laranja mecânica', 'Tropas estelares', 'A morte da luz', 'Flash forward'… Sim, ele é esse tipo de bom.

Então 'Encruzilhada' é um livro de ficção científica? Sim. Mas também é de terror. Não parece, no começo, mas do meio para frente… O autor, Lucio Manfredi, conseguiu me causar uma coisa que há muito tempo (nem lembro quanto) não acontece: tive pesadelos. Parece incrível que um livro ainda possa assustar um marmanjão, especialmente quando sua leitura nem foi tão tensa assim. Mas, enfim, o subconsciente é uma força desconhecida. Não sei, ainda, se é por causa do tema pouco habitual – a umbanda, retratada de forma bem respeitosa -; ou se é porque funcionou tão bem seu entrelaçamento quântico com a ficção científica. O que sei é que a teoria de múltiplas realidades apresentada me cativou completamente.

No entanto, ainda não é só por isso que o romance me agradou tanto. Acontece que o estilo de escrita de Manfredi é apenas excelente. Acho que é o autor mais perito na linguagem escrita já publicado pela editora Draco (que fez mais um ótimo trabalho com esse livro) – e olha que meu último livro dela foi o incrível Neon Azul do mestre Eric Novello, hein. (Parênteses: Outro autor foda está vindo aí pela editora – Alexey Dodsworth. Fiquem de olho.) Em alguns momentos achei que estava lendo Saramago – e isso não é exagero. É o que sairia se o Nobel português tivesse escrito uma FC – ou algo muito próximo disso.

Na trama, Max está caçando alguém (ou fugindo), e acaba parando em uma casa. O problema é que ele não consegue sair da maldita. Os quartos mudam, as luzes acendem sozinhas, ele pula de uma janela e cai na sala de estar novamente… (Me lembrou bastante o teaser jogável do próximo 'Silent Hill' que, infelizmente, não irá mais sair.) E isso é só o começo de seus problemas. E da forma que a escrita segue, frenética, em tempo real, nós sentimos a mesma apreensão que Max, descobrimos – ou, mais propriamente dizendo, não descobrimos – as mesmas coisas que ele… nos confundimos ainda mais a cada minuto/página… Só posso dizer que o 'Encruzilhada' é foda.

Parabéns ao Lucio Manfredi, parabéns à Draco. E parabéns à literatura fantástica nacional, que tem provado, nos últimos anos, que pode sim bater de frente – e, muitas vezes, vencer – qualquer literatura fantástica de outro país.

(Para terminar, uma dica: não saia pegando qualquer coisa da rua. Agora está avisado.)

site: http://monomaniacos.com.br/secao/cultura/literatura/descoberta-encruzilhada-lucio-manfredi/
comentários(0)comente



Juliara ZonaC 17/11/2015

Encruzilhada - Lúcio Manfredi
No livro, Lúcio nas dá como personagem principal Max, que em um momento é uma criança, outro um jovem e em um terceiro um adulto. Max, na maior parte da história é um sujeito confuso, mais pela situação que se encontra do que "não bater bem da cabeça" (ou seria a segunda opção mesmo?). Além de Max, nos é falado algumas poucas coisas sobre Rosa, que em diversas situações está com Max, às vezes o acompanhando nas fases de sua vida. Às vezes se transmutando em um ser que Max sempre acaba ficando horrorizado, Carangola, que é outro que se transmuta a todo momento e Tatá, que nunca aparece, mas é essencial à história.

site: http://goo.gl/oUWs4m
comentários(0)comente



Jana 22/10/2015

Curti muito o livro!
A escrita é frenética, cheia de aliterações e recursos de pontuação e de repetição que, certamente, exigiram bastante esforço e mostram maturidade do autor - e a qualidade do texto se mantém até o fim, o que eu achei louvável. O enredo é totalmente não linear, cheio de reviravoltas e desconstruções que confundem no começo, mas que depois fazem todo o sentido. Inclusive, cheguei a achar que o desfecho ia ficar totalmente aberto, mas as pontas se fecharam MUITO bem, chegou a me surpreender. A premissa de um homem querendo matar seus "iguais" em outras dimensões ou algo do gênero não é exatamente original, mas foi muito bem explorada - o toque de envolver religiões africanas no livro também foi genial, gostei muito. E, sem dúvida, o ritmo do livro é espetacular, não dá pra parar de ler.
comentários(0)comente



Ricardo Santos 23/03/2015

Qual é o maior elogio que um autor pode receber? Com certeza: “Eu não consegui parar de ler seu livro até o final”. Enquanto eu devorava Encruzilhada, o novo romance de Lúcio Manfredi, praticamente aconteceu isso comigo. Terminei-o em dois dias, porque eu tinha outras coisas para fazer.

Mais do que um soco no estômago, o livro é um soco no cérebro. Ele tira o leitor de sua zona de conforto para jogá-lo num vórtice de imagens e ideias que, a todo momento, nos questiona sobre as certezas de nossa realidade, sobre as certezas de quem nós somos. Lembrou-me de outro romance nacional recente: Diário da Queda, de Michel Laub.

Em Diário da Queda, o protagonista é um brasileiro e judeu que rememora sua infância e sua participação num episódio de bullying quando criança, e, ao mesmo tempo, rememora a história de sua família, a sobrevivência do avô a Auschwitz, a chegada deste ao Brasil, e a relação difícil entre avô, pai e neto.

Diário da Queda e Encruzilhada são romances diferentes, mas ambos têm em comum o mérito de tirar a literatura brasileira contemporânea do marasmo. Tanto a chamada literatura de entretenimento (basicamente, fantasia, policial e terror; a ficção-científica permanece num certo limbo editorial) quanto a chamada alta literatura praticadas no país ainda sofrem, muitas vezes, de uma imaturidade bem teimosa. A primeira por insistir em referências que merecem todo o respeito, mas que já estão desgastadas, a exemplos de Tolkien, Asimov e Stephen King. A segunda por não sair do círculo vicioso da narrativa centrada na vidinha do jovem urbano de classe média ou na metalinguagem vazia, desconectada do que acontece fora da linguagem, seja no país, seja no resto do planeta. O que me faz ter alguma esperança por um melhor cenário em nossa literatura é a redescoberta de alguns mestres do passado, antes negligenciados por puro preconceito de suas propostas narrativas, e novos autores que propõe uma outra forma de ver o Brasil, o mundo e o próprio ser humano, numa perspectiva mais complexa, não necessariamente positiva. Como é o caso de Encruzilhada.

Vou logo dizendo que o romance é protagonizado por um jovem urbano e é fortemente metalinguístico. Mas isso não são problemas no texto. Pelo contrário. Mostram-se como qualidades poderosas.

Revelarei o mínimo da trama para não estragar as surpresas do leitor.

Uma noite, Max, um matador profissional, está fugindo de antigos parceiros por não ter aceito um último serviço. Ele vê uma casa com as luzes apagadas. Resolve refugiar-se nela. E então começa uma jornada que vai testar os limites de sua sanidade.

À medida que o tempo passa dentro da casa, Max entra em contato com situações e objetos que o fazem questionar inclusive sua própria identidade. Presente, passado e futuro se intercalam numa intensidade que é difícil de avaliar o que é real, o que é sonho. Aliás, os eventos inexplicáveis que lhe acontecem são realmente sonhos?, ele se questiona. De repente, ele se vê transformado em outra pessoa, localizada em outro espaço, em outro tempo. Agora não é apenas com o presente, passado e futuro do Max matador que ele tem de lidar, mas dele como outra pessoa, como outras pessoas. E também com o deslocamento no espaço-tempo de outros personagens ao seu redor. Para piorar as coisas, o clima de terror aumenta, chegando ao nível do insuportável para ele.

Enquanto eu avançava na leitura, seis nomes me vieram à cabeça: Julio Cortázar, Adolfo Bioy Casares, Kurt Vonnegut, William Burroughs, Thomas Pynchon e Philip K. Dick.

De fato, no site da editora Draco, que publicou Encruzilhada, é possível conhecer quais autores Lúcio Manfredi elencou como as maiores referências na construção do seu romance. Quatro dos autores mencionados estão lá (Cortázar, Burroughs, Pynchon e K. Dick). Mais o americano Don Delillo (aliás, um autor que ainda não li e preciso fazer isso urgentemente).

Um contato prévio com a obra desses autores é interessante, porque enriquece a leitura do romance de Manfredi. (Ou senão, Encruzilhada poderia servir como uma introdução indireta a nomes não só importantes para os acadêmicos, mas principalmente que podem transformar sua maneira de entender o mundo, a História e o ser humano, fazendo-o olhar pelas brechas da realidade e ver coisas não muito agradáveis, realmente, mas bastante reveladoras.)

Claro que outros leitores, a partir da bagagem e do entendimento de cada um, poderiam elencar outros nomes, como Borges, Kafka, Virginia Woolf, Edgar Allan Poe, James Joyce, Swift, isso sem falar em nomes de outras áreas do conhecimento, como Jung, Baudrillard, Platão, Heráclito e por aí vai. A riqueza de interpretações que o romance oferece permite uma leitura bastante particular, não se esgotando em si, deixando muitas portas abertas.

Em relação aos seis autores que mencionei, cada um tem um determinado grau de influência na construção de Encruzilhada. Em menor grau estão Cortázar, Bioy Casares e Vonnegut. Os dois primeiros são mestres argentinos do fantástico, mas um fantástico que nunca diz seu nome. Em contos de Cortázar, como Casa Tomada e As Babas do Diabo, e no romance de Bioy Casares A Invenção de Morel, o fantástico invade a realidade, sem maiores explicações, e com o poder de abalar certezas. Já Vonnegut entra com sua ironia triste e os elementos de ficção-científica que invadem o romance mainstream. Como bem podemos observar em sua obra mais famosa, Matadouro 5.

Em maior grau, constata-se a influência de Burroughs, Pynchon e K. Dick.

De longe Burroughs é o autor da geração beat mais interessante. Sua ousadia não se dá apenas na linguagem, mas também em suas ideias sobre o homem e a sociedade. Considerado um rebelde da literatura mainstream, também podemos dizer, com certeza, que ele foi um autor de ficção-científica dos mais incomuns. Ele criou distopias totalmente na contramão da ficção-científica conservadora americana a partir dos anos 1950, em textos cheios de uma poesia brutal e uma sátira devastadora. Seu polêmico clássico Almoço Nu (Naked Lunch) é um divisor de águas na cultura americana. Borroughs influenciou muitos artistas contestadores nas gerações seguintes.

O texto de Encruzilhada é gostoso de ler, fluido e preciso. Mas também não tem medo de ser exagerado em certas passagens, rasgando com o maior prazer qualquer manual da chamada boa escrita. Metáforas estranhas e vulgares. Objetos inanimados, como uma vassoura, tornam-se personagens. Essas loucuras do texto tanto podem vir de Burroughs quanto de K. Dick, mas a musicalidade vem do primeiro. Outra grande influência de Burroughs é a não linearidade, o texto picotado.

Max não é exatamente uma pessoa. Ele é o pivô de um jogo literário. Nesse aspecto, o romance se aproxima da obra de Thomas Pynchon. Édipa Mass, a protagonista de O Leilão do Lote 49, cumpre a mesma função. Ela é uma dona de casa americana que, ao se tornar inventariante do testamento de um ex-namorado, um magnata do ramo imobiliário, acaba em meio a uma aventura sombria e obsessiva. A existência de Édipa e de sua obsessão por selos postais, um determinado símbolo gráfico e sociedades secretas é um mecanismo de Pynchon para discorrer sobre uma série de tópicos, indo da história dos correios americanos à cultura de massa. O mesmo acontece com Max e sua jornada para recuperar sua sanidade. Manfredi utiliza os percalços de seu protagonista para fazer reflexões sobre os complexos desdobramentos da percepção humana da realidade. A partir de certo momento, Max acha que é a única vítima de uma conspiração bizarra. Assim como Édipa.

Encruzilhada não é chato. Tudo bem que algumas passagens necessitam de um pouco mais de calma; e o leitor não vai perder nada com isso. Mas o romance também é bastante movimentado, como um bom thriller. Apesar de não existir propriamente um enredo. O suspense se dá pela tensão dos acontecimentos, pelo acúmulo de dúvidas de Max, e pela expectativa do que pode vir no capítulo seguinte. Como o desenvolvimento da trama é maleável, o leitor pode esperar qualquer coisa mais à frente.

As maiores pirações de Encruzilhada eu atribuo à influência de Philip K. Dick. Para mim, entre os seis autores que mencionei, PKD é o mais complexo, complicado, fascinante e influente deles. O próprio autor se considerava um filósofo que escrevia a verdade através de sua ficção, principalmente, em seus últimos livros. K. Dick era um pensador autodidata, tendo abandonado a Universidade de Berkeley, na Califórnia, logo no início. Ele considerava os professores de lá treinados demais, bitolados. Então ele foi estudar Filosofia e outras disciplinas por conta própria. E suas leituras de autores clássicos e contemporâneos ganharam interpretações bastante particulares. E muitas dessas interpretações estão presentes em seus romances, contos e não-ficção, seja numa abordagem mais pessoal, como no romance Valis, ou através da estória sobre o estado policial e o consumo de drogas no futuro (O Homem Duplo – A Scanner Darkly), ou a disputa entre terráqueos e os estranhos habitantes de uma lua, onde já funcionou um hospital psiquiátrico (Clãs da Lua Alfa), ou ainda de maneira mais direta na sua Exegesis, um texto místico-filosófico publicado num livro de quase mil páginas, mas o texto bruto tendo mais de oito mil páginas.

Depois de abandonar o sonho de ser um escritor mainstream, K. Dick passou a ver na ficção-científica a melhor possibilidade literária para especulações filosóficas. O melhor veículo para entender a verdade: basicamente, de que nossa realidade não é a verdadeira realidade. Escrever sua obra não era apenas seu ganha pão, ou apenas uma maneira de prazer pessoal. Ele considerava que havia algo mais profundo, algo mais necessário em sua escrita. Na literatura mundial, esse sentido de missão não é exclusivo em K. Dick. Mas nele serviu como um propulsor de ideias que extrapolaram o campo da literatura. Já há muitos anos, sua obra se tornou importante em vários ramos do conhecimento humano, das artes e do entretenimento, utilizada tanto por indivíduos e grupos contrários ao status quo quanto, ironicamente, por forças do mercado e da indústria, as quais ele tanto combatia.

Eu sei que é um clichê, mas também associei Encruzilhada e suas influências a certos filmes. Geralmente adaptações literárias para o cinema simplificam ideias e conceitos, não conseguem dar conta de todo o conteúdo de um livro. É por isso que as melhores adaptações são infiéis às obras de origem. Realizadores inteligentes não tentam fazer a versão de um romance em duas horas de filme. Eles são inspirados no universo daquele romance para criar outra coisa. Por isso, David Cronenberg fez uma ótima adaptação de Almoço Nu. Ele se sentiu livre para criar dentro do estranho universo imaginado por Burroughs. E ainda tem aqueles filmes que não são adaptações diretas de nenhuma obra do autor, mas isso é um mero detalhe. Donnie Darko é um das melhores representações do universo de K. Dick no cinema, com seus questionamentos sobre os limites da realidade e os mistérios do espaço-tempo. Quanto a Pynchon, é possível analisar qual a influência do autor em filmes como Blow-Up e The Big Lebowski.

Encruzilhada não é uma colcha de retalhos. Não é apenas uma homenagem a esses autores, não são referências sem filtro. Manfredi pega tais referências para criar algo seu. E ele deixa sua marca principalmente em três aspectos. Primeiro, no uso de elementos da umbanda e de xamanismo indígena. Não para tornar a narrativa exótica ou estereotipada. Não para dar uma cor local. Tais elementos estão bem integrados a tudo aquilo que no texto questiona as bases de nossa realidade. Segundo, o humor, curiosamente, esculhambado. Ainda mais inserido numa narrativa tão tensa. Não é alívio cômico. Os personagens se tratam de forma coloquial, com palavrões e obscenidades, com a malícia do dia a dia. Novamente, é algo brasileiro, sem apelar para o estereótipo. Esse contraste entre a linguagem cotidiana e a linguagem reflexiva acaba gerando o terceiro aspecto de originalidade do romance.

Mesmo o romance centrado em um protagonista jovem urbano, que tem relação com a classe média, o que seria mais um vício narrativo em mãos menos habilidosas, aqui se justifica e supera as expectativas. Ao longo do texto, Max tem cada vez menos certezas da concretude do que está ao seu redor e de sua própria identidade. Não estamos tratando do draminha de um fracassado por escolha. Mas de alguém que está desorientado em um macabro labirinto. Max não tem controle sobre sua situação. Porém, essa subversão de usar o protagonista jovem urbano de outra maneira poderia ter ido mais adiante, chegando ao mundo fora da linguagem. Mesmo em romances muito focados nos dramas internos dos protagonistas (homens e mulheres de diferentes idades, formações, e estilos de vida), autores como Pynchon, K. Dick e Burroughs encontraram espaço para refletir sobre o que acontece na sociedade, no caso a americana, fazendo críticas bem sombrias sobre temas como consumo, controle do Estado, guerras, conservadorismo e violência. Seria bem interessante se Manfredi tivesse ido pelo mesmo caminho, desenvolvendo melhor uma crítica à sociedade brasileira.

Outra coisa. Seu final não me agradou muito. Considero-o aquém de toda a excelência da jornada. Não que eu estivesse em busca de respostas. Eu não esperava que tudo fosse explicado. O que eu esperava mesmo era uma pergunta ainda mais desafiadora. E ela não veio. Terminado o romance, fiquei com ele na cabeça, pensando na jornada, não em sua resolução.

Quanto à edição, no formato e-book, só posso dizer que a capa é belíssima em sua simplicidade. Na revisão, encontrei apenas três errinhos bobos. E a diagramação foge um pouco dos padrões, fazendo parte da narrativa e abrindo possibilidades para novos enigmas e interpretações.

Este é um romance necessário na literatura brasileira contemporânea, que merece ser apreciado pela ousadia em unir apuro literário, ficção-científica, terror e fantasia.
Luís 28/01/2016minha estante
Parabéns pelo texto, o usei em muitas partes como referencia para enriquecer minha analise...

Concordo com você que é uma obra bastante interessante, contemporânea e de qualidade. Possui sim suas falhas, mas acredito que com o tempo, o autor possa evoluir sua escrita.

Sabia que estava sentindo uma referencia de algo que já havia lido e você conseguiu coloca-la em palavras para mim. Características de Philip K. Dick na abordagem do personagem em seu questionamento com a relação ao que é real.

Obrigado pelo ótimo texto!!!


Ricardo Santos 31/01/2016minha estante
obrigado, luís! fiquei tão empolgado com o livro que acabei exagerando no texto rs precisamos de mais romances como este em nossa literatura abs


Thiago 20/06/2017minha estante
Eu (ainda) não li Encruzilhada, mas excelente o seu texto. Além da analise pontual da literatura nacional, prestou o serviço de motivar a ler o livro resenhado.




9 encontrados | exibindo 1 a 9


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR