A Assombração da Casa da Colina

A Assombração da Casa da Colina Shirley Jackson




Resenhas - A Assombração da Casa da Colina


60 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Rachel 26/03/2019

Esse livro é recomendado para as pessoas que gostam de suspense psicológico, e não terror com cenas de gore, sustos e aparições horrendas que vão degolar todos. Talvez por isso vejo tantas decepções em relação a essa leitura, pois o livro é vendido como o original da adaptação pela Netflix, que parece que não tem nada em comum com o enredo original e seguiu um caminho mais de ação. O tipo de terror apresentado no livro me remete a histórias mais antigas desse gênero, onde o psicológico pesa mais do que monstros e coisas explícitas acontecendo.
A história conta uma semana na vida de quatro pessoas que vão a uma casa misteriosa a procura de fenômenos sobrenaturais, e tudo que acontece em seguida é ambíguo e o leitor nem os personagens sabem se o que se passa é real ou fruto da imaginação deles, guiados pelo medo da fama que a casa tem de ser assombrada. Talvez não tenha nada de errado com a casa e isso é muito legal, notar essas precipitações da mente humana.
O clima, a ambientação, as descrições e a escrita da autora são incríveis e essa situação do desconhecido e da dúvida acabaram me fazendo favoritar o livro.
comentários(0)comente



A.H. 22/03/2019

Livro, Filme & Série: A Assombração da Casa da Colina
Ganhei esse fabuloso livro em janeiro esse ano (2019), daí que por ter crescido vendo o longa The Haunting (por aqui conhecido como "A Casa Amaldiçoada"), de 1999, ler esse livro era praticamente uma meta de vida.

Confesso que fiquei um pouco chocada com a Eleanor da obra. Primeiro que a história dela é muito mais dura nas palavras da Shirley Jackson do que da contada no remake, segundo que ela também divaga bastante, e quando digo "divaga", quero dizer que ela literalmente viaja.
No filme sabemos apenas que ela cuidou da mãe (por duros e longos anos), e que sua irmã, cunhado e sobrinho não valem muita coisa no quesito empatia e consideração. Ela é apresentada como uma personagem forte, triste e amorosa.
No livro entretanto, Nellie se mostra perdida e desorientada em mais da metade da obra, isso acaba confundindo um pouco o leitor, já que o foco do livro em sua maioria, é dela.
Daí vem a série, The Haunting of Hill House - A Maldição da Residência Hill (de 2018, Netflix), que assim como o filme, é baseada na obra da sra. Jackson, mas que incrivelmente não tem muito a ver com ela.
Particularmente gostei das 3 obras: Livro, série e filme. Separadamente, como obras distintas e sem muitas ligações. O filme se assemelha mais ao livro, mas claro, por se tratar de algo que foi baseado nele, existem mudanças de mais na trama.
A série, a gente acaba nem comparando, já que tirando os nomes de alguns personagens (e alguns pontos de suas personalidades), e o fato da casa ser enorme e causar grande confusão mental, não tem muito mais que o ligue ao originalmente publicado em 1959.

No filme, os fantasmas surgem o tempo todo e gostam de mostrar que estão ali. Estátuas ganham vida, sussurram, choram e atacam. É como se a própria casa tivesse vida.

Na série, não há estudo algum. Uma família de 7 membros se muda para a residência Hill afim de reformá-la e vendê-la por uma boa fortuna. Os planos são concertá-la o quanto antes e dar o fora dali. Só que as crianças passam por experiências bizarras, os pais (em especial a mãe), acabam afetados pela casa, que estando faminta, vê a todos como uma boa e merecida refeição.
A cada episódio temos idas e vindas do passado ao presente dos personagens, seus traumas, seus medos e amores, tudo é mostrado com uma boa dose de sentimentalismo e tristeza.

Acredito que, se gosta de terror, os três são indispensáveis, mas novamente, como obras distintas. Sem muitas comparações.
O livro é muito bom, o filme é de tirar o fôlego, e é impossível não se emocional e sentir com a série.
Depois de finalmente ter lido o livro, decidi rever a série e novamente me assustei e chorei da mesma forma que fiz quando vi pela primeira vez. Revi o filme também, e decididamente valeu a pena.
Existem muitas coisas baseadas na Assombração da Casa da Colina, desde músicas à citações em outros livros e filmes, acho que isso deve dar uma base de como o negócio é famoso.


site: https://pensamentosinsoluveis.wordpress.com/2019/03/23/livro-filme-serie-a-assombracao-da-casa-da-colina/
comentários(0)comente



Isabela | @sentencaliteraria 18/02/2019

Resenha originalmente postada no IG @sentencaliteraria
A Assombração da Casa da Colina / 1 ⭐️

❝... o silêncio se escorava com equilíbrio na madeira e nas pedras da Casa da Colina, e o que entrasse ali, entrava sozinho.❞

É com esse quote que começo a resenha dessa história de “terror”, que foi a escolhida por mim como a leitura de Janeiro do #ProjetodeLeituraSL. A ideia é sempre ler um livro de um autor novo, que nunca lemos antes, e o tema do mês era “um livro que já foi adaptado”. Escolhi esse pois assisti na Netflix a série baseada nele, e como gostei demais decidi descobrir de onde veio essa inspiração.

O livro vai contar a história dessa casa mal assombrada, que sempre atrai olhares de curiosos. O Dr. Montague, um estudioso do sobrenatural, convida alguns jovens especiais para se juntarem à ele na casa por algumas semanas, enquanto tentam descobrir o porque de a mansão ter essa fama.

Eleanor fica encantada ao receber uma carta do Dr. Montague convidando-a para passar um tempo na Casa da Colina. Esse mesmo convite é feito a Theodora, uma alma artística e “sensitiva”, e a Luke, o herdeiro da mansão. Mas o que começa como uma exploração bem-humorada de um mito inocente, se transforma em um pesadelo para seus moradores.

Só posso dizer que, se você assim como eu assistiu a série e adorou, saiba que o livro não tem NADA haver com a história da adaptação. Decidi escolher “A Assombração da Casa da Colina” para o projeto pensando que ia gostar ainda mais da história, mas fazia tempo que não me enganava tanto assim! Dá para ver o quanto adorei o livro pela minha nota né? 😐

Ainda estou tentando entender porque na sinopse do livro é dito que ele se trata de uma história de terror. Durante toda a leitura esperei por algo que me desse medo, ou pelo menos me assustasse, já que essa é “uma das melhores histórias de terror do século XX”. Na verdade, tudo que temos aqui é um livro que mostra as loucuras que estão na cabeça de Eleanor, a personagem central, o que faz o livro se tornar mais cansativo ainda. Tenho a certeza de que mesmo se não tivesse visto a série, ainda assim não gostaria do livro!

❝Jornadas terminam no encontro de amantes❞ - William Shakespeare.

site: https://www.instagram.com/sentencaliteraria/
comentários(0)comente



Mauricio (Vespeiro) 14/02/2019

Um livro que irá assombrá-lo... por ser tão ruim!
Chato pra danar! “A Assombração da Casa da Colina” está muito longe de ser “uma das melhores histórias de terror do século XX”. De terror, verdadeiramente terror, arrisco dizer que não existe nada. Algum suspense psicológico e nada mais que isso.

O antropólogo Dr. John Montague quer escrever sua obra definitiva: causas e consequências de transtornos psíquicos em uma casa conhecida como assombrada. O mote, para bom entendedor, já explica tudo. Não haverá terror. Dr. Montague aluga uma casa famosa por episódios inexplicáveis e planeja passar um tempo lá, na companhia de alguns convidados. Entre os candidatos, seleciona aqueles cujo perfil possa-lhe ser útil. Obviamente, escolhe pessoas nas quais ele identifica alguma desordem psicológica e que possam ser sensibilizadas pela história de uma hipotética casa assombrada. Assim, escolhe a perturbada Eleanor e a fútil Theodora. De brinde, a dona da casa fecha contrato obrigando que seu sobrinho, o vida-torta Luke, participe do projeto.

Em boa parte do livro, Shirley Jackson descreve a casa. Desde um breve histórico de quem e como a construiu, até chegar ao último proprietário, a Sra. Gloria Sanderson. Porém, o enredo pouco se aproveita das histórias lá vividas. Na verdade, tudo se passa na cabeça de Eleanor. Apesar dos seus 32 anos, pouco saiu de casa, não cultivou amizades nem relacionamentos e cuidou da mãe moribunda até seus últimos dias. Talvez isso explique a sua completa infantilidade. Se existe algo de tenebroso no livro são seus diálogos com Theodora. A autora até que escreve bem e se esmera na construção da psiqué de cada personagem, mas colhe pouquíssimo das informações que ela mesma plantou, fazendo com que os personagens se tornassem figuras caricatas.

Há um clima de tensão em todos na casa causado pela expectativa (criada pelo Dr. Montague) de que algo assustador acontecerá em breve. Mas... nada acontece. Seria bem mais interessante se o grupo realmente tivesse na prática as experiências que ficam imaginando ter, mas ficam apenas conversando sobre as hipóteses. Ademais, são portas que se fecham, vultos que aparecem e os surtos da Eleanor. A narrativa é lenta e só começa a ganhar algum (pouco) ritmo no terço final do livro, quando chega a esposa do Dr. Montague, uma especialista em casos paranormais.

Se a autora tentou fazer com que o final criasse alguma dúvida no leitor sobre existir assombração na casa ou serem coisas da mente dos convidados, em mim fracassou completamente. O encerramento abrupto tornou o livro ainda pior do que vinha sendo: uma modorrenta historinha infanto-juvenil.

Uma tradução sem erros, mas percebe-se pobre em muitas passagens, equivocada em outras. Por exemplo: ao invés de escrever “móveis reformados”, escreve “móveis renovados”.

Se quiser ler algo bem escrito com essa proposta de interpretação dúbia, recorra ao clássico e extraordinário “A Volta do Parafuso” (também chamado de “A Outra Volta do Parafuso”, dependendo da tradução), escrito por Henry James.

Nota do livro: 4,99 (1 estrela).
comentários(0)comente



Nu e As 1001 Nuccias 11/02/2019

Resenha Blog As 1001 Nuccias
"A casa da colina, desprovida de sanidade, se erguia solitária contra os montes, aprisionando as trevas em seu interior; estava desse jeito havia 80 anos e talvez continuasse por mais 80."

A assombração na Casa da Colina é um clássico da literatura de terror que entrou na moda esse ano com o lançamento da série no Netflix (BTW, puta série!!!), cujo enredo é baseado no livro. PAUSA EXPLICATIVA: o seriado NÃO É uma adaptação do livro! É um enredo BASEADO, tem traços, personagens, histórias do local, apenas.

Bom... e de que se trata esse livro? Você vai achar que é um clichê. Só que tem de se lembrar que os livros POSTERIORES é que copiaram a diva do terror. Shirley Jackson é a primeira de seu nome, é a rainha da literatura do medo.

O livro fala de um grupo que decide passar um verão na chamada Casa da Colina que é, conhecidamente, uma casa com aparições, fantasmas. O esquema? O ​Doutor Montague é um cientista que deseja estudar as chamadas assombrações. Só que ele quer refutá-las! Deseja mostrar que as emanações, as ditas assombrações, são na verdade frutos da psique humana.

"Era uma casa sem bondade jamais feita para ser habitada, não era um lugar adequado a pessoas ou ao amor ou à esperança."

Assim, ele consegue autorização acadêmica, depois de muito custo e chacota, para fazer sua pesquisa na casa. Entra em contato com a família proprietária e convida algumas pessoas para serem seus "assistentes" durante essa época de pesquisas em uma casa famosa por seus fantasmas.

Os assistentes? Theodora, uma sensitiva comprovada através de experimentos, Luke, um dos herdeiros da casa, e Eleonora, uma pessoa totalmente sozinha no mundo, com um passado conturbado.

A mansão chamada de "Casa da Colina" é enorme, circular e seu terreno não é frequentado pelos caseiros após o anoitecer. Rígidos, eles nunca põem os pés dentro da casa à noite, na escuridão. Nenhum hóspede ou locatário ficou mais do que alguns dias na casa. Ninguém consegue permanecer lá por muito tempo.

"A reputação da casa da colina é de insistir na hospitalidade; ao que consta, ela não gosta que seus hóspedes escapem."

Dentro da casa, as coisas, que começam de uma forma leve e descontraída, passam a se tornar assustadoras. Pela narrativa, você percebe a mudança na personalidade de cada pessoa da casa, a perda gradativa de sanidade, o domínio que a Casa exerce.

Sobre a narrativa? Eu gostei bastante do jeito como a Shirley colocava as mudanças. Sem perceber você saía, junto com o personagem, do reino da realidade para a loucura. É muito sutil. E o final, surpreendente, é claro. Quando você acha que tudo vai ser de um jeito, bem...

"O medo é a renúncia da lógica, a renúncia voluntária de padrões sensatos. Ou cedemos a ele ou lutamos contra, mas não nos e possível encontrar um meio termo."

O que me incomodou foram os diálogos entre aspas, ao invés de usar o travessão. Eu sei que é o estilo comum da época, mas me atrapalha demais a leitura. Coisa particular minha mesmo.

Como disse, é um clássico. E fã de terror que não leu, não pode ser chamado de fã de terror. ;)

"A senhora não vai gostar, ele afirmou. Vai se lamentar por eu ter aberto o portão."


site: https://1001nuccias.blogspot.com/2019/02/resenha-livro-assombracao-casa-colina.html
comentários(0)comente



Joyce 21/01/2019

Terror subjetivo
A assombração da casa da colina tem um aspecto subjetivo que o diferencia consideravelmente da série que inspirou. Enquanto a série mostra um fenômeno paranormal explícito, o livro tem como estrutura a ideia que a casa pode, ou não, ser assombrada. A história em si não assusta, sendo mais similar aos ditos ?terrores psicológicos?; a ideia de que todos os acontecimentos podem não ser reais é mais perturbadora que eles.

Recomendo fortemente que quem amou A Maldição da Residência Hill leia o livro que a inspirou. Acredito que se complementem de uma maneira peculiar, não encontrada na maioria das adaptações.
comentários(0)comente



Cabine de Leitura 15/01/2019

Terror é um gênero que quase sempre me agrada, então quando vi o mestre, Stephen King, falando sobre esse livro ser a história de casa mal-assombrada mais próxima da perfeição que ele já leu, eu tive certeza de que precisa ler o livro que a mais de meio século vem sendo ponto de referência da literatura gótica. A trama apresentada pela autora, Shirley Jackson, foi tão promissora para o gênero que rendeu dois longa-metragens.
Agora que já sabemos se tratar de um clássico vamos a minha experiência com essa leitura.

A Assombração na Casa da Colina é exatamente o que o título diz. temos uma velha casa, que desde que foi construída, a cerca de oitenta anos, vem sendo relacionada com as desgraças que acompanha os moradores dela, isso segundo os habitantes da cidade rural de Hillsdale, onde a colina está situada. Sabendo disso o Dr. John Montague, um analista de manifestações sobrenaturais, decide por formar uma equipe para provar os fenômenos relatados.
Uma casa isolada, transtornada, que a mais de vinte anos permanece sozinha contra as colinas, mantendo a escuridão lá dentro, até as portas serem abertas por Montague, Theodora, Luke Sanderson e a nossa protagonista. Eleanor Vance.

As pessoas, [...], estão sempre ávidas por dar nomes ás coisas, mesmo que o nome seja sem sentido, contanto que tenha uma sonoridade científica.

A construção dos personagens é um show a parte nesse enredo. São quatro pessoas distintas, cada um com seu problema interior. Vemos que Luke, o herdeiro da casa, é um desajustado social, mas que sofre as consequências de uma vida sem a presença materna. Theo é uma moça mimada, sensitiva e a frente do seu tempo. Especulasse que ela sente uma certa atração por Eleanor, uma mulher que se anulou para cuidar da mãe inválida e hoje se culpa pela morte dela. Montague tem um ar professoral, sempre tentando manter o bom senso. Não posso deixar de falar sobre a Sra. Dudley, a governanta, que ao lado do marido toma conta da casa é um poço de mistério, metódica, que nunca fica na casa depois do anoitecer. Dando assim ainda mais corda para nossa imaginação.

Um grupinho de fato agradável. [...] Destinados a ser amigos inseparáveis, a bem da verdade. Uma cortesã, um peregrino, uma princesa e um toureiro. Não há dúvida de que a Casa da Colina nunca viu algo semelhante a nós.
Não tenho muito o que falar sobre o desenrolar da história, pois tudo se resume na rotina destas quatro pessoas dentro da casa, percorrendo seus infindáveis e labirínticos cômodos para tentar comprovar alguma coisa, até a espiritualista, Sra. Montague, aparecer.
A esposa do doutor chega, com seu amigo Arthur. em uma noite de sábado e trás um novo fôlego a narrativa. Mulher forte, que não brinca em serviço e se mostra bem mais prática que o marido, a quem ela sempre está diminuindo.

A casa exerce um certo fascínio sobre os hospedes, mas nada se compara ao que ela faz com a pobre Eleanor. Fica implícito que a casa desejava a vinda dela, fazendo com que a mulher crie a obsessão de que deve permanecer lá, mesmo depois que, pelo seu próprio bem, todos a expulsem de lá.

Jornadas terminam no encontro de amantes. Mas eu não vou, [...], A Casa da Colina não está tão tranquila quanto eles estão; com o simples fato de me mandarem embora, eles não podem me obrigar a sair, não se a Casa da Colina pretende que eu fique.

O que mais chama atenção no decorrer da narrativa é que quase tudo parece ter sido escrito com o único proposito de mexer com a imaginação do leitor, da mesma maneira que mexe com os personagens dentro da casa. Nada de sobrenatural é realmente comprovado, todos os acontecimentos são ambíguos. Portas que se fecham sozinhas, barulhos ensurdecedores pela madruga e risadas fantasmagóricas são algumas das coisas que acontece na Casa da Colina depois que o sol se põe, mas sempre fica aquela sensação de que talvez seja algum dos hospedes da casa pregando uma peça.
Outro ponto interessante é a relação entre eles, que de hora para outra começa a ruir, o que se é comum em situações de confinamento. Ou seja, pode ser que a casa seja mesmo mal assombrada, mas também pode ser que tudo não passe da imaginação dos visitantes. E é aí que está toda beleza do livro.

O medo é a renúncia da lógica, a renúncia voluntária de padrões sensatos. Ou cedemos a ele ou lutamos contra, mas não nos é possível encontrar um meio-termo.
Para mim que estou habituada ao gênero é algo fantástico poder me assustar simplesmente por achar que os acontecimentos dentro da casa são sobrenaturais, em momento algum isso é afirmado por qualquer que seja o personagem, é tudo subjetivo. Com maestria a autora aguça a imaginação do leitor, fugindo dos estereótipos de terror que vemos por aí. Então não se engane achando que vai encontrar monstros ou mesmo almas penadas nesse enredo, pois a matriz desse terror está no medo interior que cada um carrega.

O desfecho é simples, direto e daqueles de deixar qualquer um sem fôlego. Shirley Jackson soube de forma concisa colocar um fim espetacular a está história, daqueles imagináveis, mas sem dúvida o mais consistente com todo enredo que acabamos de acompanhar.
A Assombração na Casa da Colina é uma obra prima, um clássico que conquista e amedronta com suas possibilidades e incertezas, onde uma casa é quem protagoniza todo ação e o psicológico dos personagens e do próprio leitor é quem dita o que de fato é real.

Como eu disse na postagem de apresentação do livro aqui na Cabine, além de suas duas adaptações cinematográficas, o livro vai ganhar uma série na Netflix ainda esse ano, então corre que ainda dá tempo para conferir esse clássico e me responder se a Casa da Colina é realmente assombrada.

site: https://acabinedeleitura.blogspot.com/2018/07/resenha-assombracao-da-casa-da-colina.html
Mauricio (Vespeiro) 18/01/2019minha estante
Camila, se ainda não leu, experimente "A Volta do Parafuso", de Henry James, um clássico sobre casas assombradas (seja por fantasmas ou pelos devaneios da mente humana). Excelente! Outro que li, mas detestei, é o "Estranha Presença", de Sarah Waters. Publiquei a resenha dos dois aqui no Skoob.




Najla 12/01/2019

Casas nascem más...
De leitura fluída e com ápices de suspense psicológico. Se termina o livro com aquela pergunta: mas é os outros? Mas e depois? Casas nascem más e livros bons deixam essa sensação de querer muito mais do que ele ofereceu.
comentários(0)comente



Lidy 10/01/2019

Caso raro...
Apesar da escrita sedutora da Shirley Jackson e de toda crítica positiva em torno desse livro, até mesmo do King, acredito que o mesmo tenha tido seu espaço levando em conta quando foi escrito e a forma como foi escrito. Estou surpresa porque para mim esse deve ser um daqueles casos raros onde a série que foi inspirada no livro parece levar a melhor no seu propósito.

Vale a pena se aventurar pelas páginas, a escrita te prende logo nas primeiras linhas e te leva de forma empolgante até o final. O que me frustrou, de certa maneira, foi ver as páginas chegando ao fim e a sensação de que ainda tinha tanta coisa a ser contada que era injusto acabar daquele jeito. Ainda assim, não me arrependi em momento algum.

Há pouco tempo terminei de ler O Iluminado, de King, e eu mesma comparei os dois, o Overlook e a Casa da Colina, porque tinha acabado de ver a série que foi inspirada nesse livro aqui. Hoje, pensando bem, se eu tivesse começado pelo livro, eu diria que ele serviu como um pontapé inicial para o hotel do King, aquele livro ali sim me pareceu estender o clímax até onde precisava.
comentários(0)comente



Marcella 09/01/2019

Livro que inspirou a série "A Maldição da Residência Hill", enfatizo que a série é inspirada e não uma cópia do romance, logo você não vai encontrar no livro a história da família da séria, mas vai encontrar muitas referencias ao livro na série e é bem empolgante conhecer tais referencias. O livro é muito bom, "foi elogiado por Stepen King", conta a história de um professor que quer provar, acho que pra si mesmo (ou talvez pra sua mulher que é absolutamente insuportável), que assombrações existem (ou não existem, enfim... ) e pra isso convida alguns jovens, que tiveram algum contato com o sobrenatural no passado, para passar o verão na casa da colina e ver o que acontece e o que acontece é que essa casa é realmente monstruosa, me lembra um pouco o Hotel Overlook de "O iluminado"'. Para concluir, é uma história bastante envolvente, você vai ter dificuldades em parar de le-lo.
comentários(0)comente



Lê | @lelendolido 07/01/2019

A Assombração da Casa da Colina
A Assombração da Casa da Colina foi publicado originalmente em 1959 e agora ganha pela Companhia das Letras uma edição lindíssima em capa dura, combinando com o lançamento anterior da autora Sempre Vivemos no Castelo. O livro, que intercala fenômenos sobrenaturais com psicologia, é considerado um dos mais importantes romances de terror do século XX, essa e outras obras de Shirley Jackson influenciaram escritores como Neil Gaiman e Stephen King.

Sobre o livro

O dr. Montague descobre que a Casa da Colina, uma mansão isolada, no interior, é famosa por ser assombrada e por nunca ter moradores. Como ele gosta de investigar esse tipo de lugar, aluga a casa para uma temporada de investigações. Para isso, ele convida três pessoas, duas com histórico de passar por eventos sobrenaturais, para fazer companhia a ele: Eleanor, Theodora e Luke, o herdeiro da mansão.

Ao chegarem na casa, tudo é novidade e divertimento, contudo logo na primeira noite eles já têm um vislumbre do que será a estadia na casa. Com o passar dos dias, eles começam a perceber a Mansão tem um efeito estranho nas pessoas que lá permanecem.




Minha opinião

Ano passado, o livro Sempre Vivemos no Castelo (resenha aqui) entrou para a minha lista de melhores leituras do ano. Esse fato e as informações que A Assombração da Casa da Colina é considerado uma referência quando o assunto e casa mal-assombrada e que Stephen King diz que esse livro é um dos melhores de terror que ele já leu na vida, fizeram-me com que eu não pudesse deixar essa leitura passar. Contudo, apesar de trazer um início instigante e muito interessante, a obra como um todo não me ganhou.

A primeira coisa que me chamou a atenção quando comecei a ler foi o primeiro parágrafo, a escrita de Shirley Jackson é única e intensa. Ela começa descrevendo a casa de uma maneira tão poética e profunda, é uma obra prima. A autora escreve com maestria suas cenas descritivas, fazendo com que a leitura seja tensa em alguns momentos.




A narração é feita em terceira pessoa e tem o foco em vários personagens, contudo fica claro que Eleanor é o foco. Eleanor é uma personagem peculiar, um pouco retraída, logo no inicio fica feliz com o convite que recebeu do dr. Montague, mas depois ela fica se questionando se tomou a decisão certa. Sem falar que ela é a mais afetada pela casa. Theodora é o oposto, alegre e disposta. Eu acabei vendo Luke como um penetra, ele está ali somente por ser o dono da casa, achei ele chato. Dr. Montague me passou uma sensação estranha em alguns momentos, como se ele soubesse o que estava acontecendo o tempo todo.

Há um casal que cuida da Casa da Colina durante o dia, eles são um mistério só, fica evidente desde o começo que eles sabem de algo sobre a casa, mas nunca dizem claramente o que é. Eles permanecem na mansão somente quando está claro e vão embora sempre antes de o sol se pôr.



Não encontrei cenas assustadoras e cheias de terror, mas sim com muita tensão. Tudo é voltado mais para o psicológico e para a confusão da mente dos personagens. Os pequenos episódios vão aos poucos influenciando o comportamento de cada personagem e na relação entre eles, e com isso a narrativa ganha um ar de loucura. A pergunta será que isso é real fica martelando a cabeça o tempo todo.

Acredito que por estar esperando uma leitura mais assustadora e cheia de seres fantasmagóricos, e somando isso com uma decisão do grupo mais para o final da história, eu tenha me decepcionado um pouco com o livro. Contudo A Assombração da Casa da Colina tem algo de especial e de que vale a pena.

site: https://www.lelendolido.com.br/2019/01/resenha-assombracao-da-casa-da-colina.html
comentários(0)comente



Nayara.Lucena 06/01/2019

Livro/Série
Depois da série a maioria das pessoas compra o livro achando que será um terror de dar susto, quando lê se decepciona, pois é totalmente ao contrário disso.
Shirley Jackson constrói um terror psicológico, consegue fazer com que você sinta a Casa da Colina e a enxergue como uma personagem.A história é envolvente, um pouco lenta no início, mas o enredo te envolve de uma forma incrível.
Para ler o livro após assistir a série é preciso entender que são duas histórias bem diferentes, além dos nomes dos personagens, o local e alguns pequenos detalhes em comum as histórias não se parecem em nada.
Deem uma chance ao livro, não tem como se arrepender.
comentários(0)comente



Kari 18/12/2018

Olá leitores queridos. O livro da vez é A Assombração da Casa da Colina. Eu li já tem um tempinho, porém estava em final de período na faculdade e precisei dar um gás nos estudos e sumi um pouco das redes e publicações.. Mas não pensem que se livraram de ler minha opinião.. rsrs Cá estou eu, plena e cheia de leituras e impressões novamente para compartilhar com vocês!

Bora lá?

Acho que a essa altura, a grande maioria das pessoas mais antenadas já sabem que esse livro foi adaptado pela Netflix e se tornou um seriado curtinho, porém que conquistou totalmente meu coração e da minha filha... Se não assistiram ainda, corram e assistam! Garanto que é mais do que o comecinho aparenta, a história foi muito bem adaptada. Eu amei.. E olha que sempre temos aquela impressão de que adaptações nunca valem o tempo gasto, pois jamais irão ser igual ou melhor que o livro.. #ficadica

Vamos ao livro.. Me pergunto como antes eu não o conhecia? Ele é um clássico, lançado em 1959, que veio repaginado por uma das Editoras que eu mais amo, Suma de Letras. Pelo que me informei, essa obra é tão grandiosa como se pode esperar.. Pois ela foi inspiradora de outras adaptações que antecedem a nova da Netflix e até mesmo meu querido mestre King teve algumas inspirações vindas dessa autora que tinha passado despercebida por mim.

Bom, a história tem início com um investigador diferente, ele investiga manifestações sobrenaturais e seu próximo estudo nada mais é que a Casa da Colina, cujos donos foram a família Crain. Bom, o que esperar? O Dr.John Montague acredita que passando um tempo na residência ele irá descobrir fatos que comprovem que a mesma é mal assombrada. Com isso, ele resolve alugar a casa e levar consigo algumas pessoas que parecem já ter tido experiências sobrenaturais para passar o verão com ele na casa. Com isso teremos Theodora, Eleanor e também Luke Sanderson, que é o próximo herdeira da casa.

Falando um pouco dos personagens:

Eleanor, ou Nell, dedicou muito tempo de sua vida a cuidar de sua mãe e agora que está em uma situação que não lhe trás muita alegria, vê nessa oportunidade de passar o verão na Casa da Colina uma chance de ter o que precisa; liberdade, coragem e outros. Digamos que Nell, é uma das pessoas que sofrerá mais com as ocorrências da casa. Bom, Nell, não conhecia Theodora, e a conhece na já na casa. Theo é uma pessoa bem peculiar, assim como os artistas costumam ser e ambas acabam se tornando boas amigas. Só que a casa pode ter planos diferentes para ambas.

Outros personagens que valem muito mencionar são os Dudley, eles são estranhos por si só e são os caseiros, ou aqueles que estão, assim como suas famílias (antepassados), cuidando da Casa da Colina, e para ficar mais estranho ainda, eles se negam a ir até a residência no período da noite. Quem tem medo de escuro ou algum receio, irá pensar muito antes de conseguir se mover sem pensar milhões de coisas a respeito da Casa.. Ou mesmo ir ao banheiro, durante a leitura.. rsrs A Sra. Dudley tem seus critérios e horários para trabalhar na residência, o que soa bem esquisito desde o começo. Mas ela não causa medo, na verdade a situação em que ela e seu marido se colocam com relação a casa é que causa um certo estranhamento e insegurança, dos motivos.. A Sra. Dudley até que parece aquela tia maluca, se é que me entendem.. porém com um "Q" de verdades e muitas explicações nas entrelinhas que ainda não temos conhecimento no começo.

Assim como todas as histórias de casas mal assombradas, a Casa da Colina tem uma história e aí vamos conhecemos a história da família Crain e o que ocorreu no tempo de permanecia da mesma na residência.

O que achei:

Eu adorei a leitura tanto quanto amei assistir a série. E se é possível modificar algo e melhorar em uma outra perspectiva, isso foi feito no original Netflix, na minha opinião.

O livro é excelente, tem aquele terror psicológico e um friozinho na barriga conforme vamos virando as páginas.. Assim como o seriado. As histórias do livro e seriado são diferentes em vários aspectos o que torna a experiência ainda mais interessante e me fez amar, tanto livro quanto série.

Quem está aguardando um terror cheio de pessoas decepadas e mortes sangrentas, veio ao lugar errado. Essa história, como eu disse no começo, é um clássico antigo do terror.. Então esperem por muito terror psicológico e um enredo bem delineado e com bases mais sólidas do que vemos nos filmes ou livros de terror atual..

Beijos, e espero que tenham curtido a minha opinião!
comentários(0)comente



Nana 11/12/2018

Clássico de Shirley Jackson, lançado em 1959, ganhou uma nova e bela edição pela Editora Suma. A história, que se encaixa no estilo gótico, inspirou dois filmes (três se contar Todo Mundo em Pânico 2, haha), uma peça e a nova série da Netflix, A Maldição da Residência Hill. E claro, inspirou outras produções estilo casa assombrada e autores, como Stephen King.

Este clássico se inicia com Dr. John Montague, um investigador de manifestações sobrenaturais, relatando sobre seu próximo estudo: A Casa da Colina, que pertencera a família Crain. Ele acredita que encontrará provas de que a propriedade é assombrada. Durante o verão, ele decide alugá-la e convidar algumas pessoas que tiveram experiências com o sobrenatural em algum momento de suas vidas. Eleanor e Theodora aceitam e se juntam a Luke Sanderson, o futuro herdeiro da propriedade.

Eleanor Vance, ou Nell, é uma jovem que passou boa parte da vida cuidando de sua mãe. Agora que praticamente depende da irmã, ela vê o convite como uma oportunidade de se libertar. Sua irmã e o cunhado negaram lhe emprestar o carro para a viagem, então Eleanor decidiu roubá-lo. Ela é a personagem mais afetada pelos eventos da Casa e tem o destaque maior na história.

Na propriedade, Eleanor conhece Theodora, uma artista extravagante que se torna uma grande amiga, até o clima na Casa testá-las. Quem não é nada amigável são os caseiros, o casal Dudley, que se recusam a pisar na casa durante à noite. E tudo deve ser servido e retirado no horário proposto pela senhora. Mas, a Sra. Dudley acaba por ser um certo alívio cômico na história, em vista que seu tom afeta divertidamente alguns dos presentes.

Logo Montague resolve contá-los sobre seu estudo e toda tristeza por trás do legado da família Crain e como o patriarca, Hugh Crain, via a Casa como uma maldição em sua vida. Ao mesmo tempo em que as primeiras manifestações começam a surgir.

"Nenhum organismo vivo pode existir muito tempo com sanidade sob condições de realidade absoluta..."

Quem assistiu a série certamente vai estranhar o resumo. Sim, é bem diferente. E já sinalizo: quem procura sustos a todo momento, não vai apreciar esta leitura. A Assombração da Casa da Colina foi lançado em 1959, época que o estilo de terror não era tão sanguinário como hoje. Se você já assistiu filmes do estilo, de anos anteriores ao lançamento, sabe que valorizavam e muito o cenário para entreter a audiência. Como trovoadas, o uivo do vento, as portas batendo, o som de objetos quebrando, a expectativa dos personagens, entre outros. A narrativa de Shirley Jackson se fixa na expectativa e se preocupa e muito com detalhes, principalmente em expor o tormento na sanidade de sua (não dita) protagonista Eleanor. É incrível como suas emoções oscilam no decorrer das páginas. Sem dúvida, a personagem mais atingida pelo ambiente.

As personagens femininas se sobressaem na história, até mesmo as de pequenas aparições como a Senhora Montague, que mantém um tom superior; rígido. Infelizmente, o herdeiro da propriedade, Luke, acaba não demonstrando tanto carisma no decorrer das páginas, é um personagem apagadinho. Por outro lado, a dupla Nell e Theo domina as cenas e incidentes na casa. A maneira que a amizade delas se constrói é bem bacana, parecem amigas de infância. Mas fiquei bem sentida pela Nell, quando ela questiona sobre morar com Theodora.

Eleanor é aquela personagem sem uma direção na vida. Ela ressente pela morte da mãe e se vê obrigada a depender da irmã e do cunhado. Ir até a Casa e ser alvo de algumas das manifestações, acabar por despertar seu interesse em ficar ali, talvez eternamente. De alguma maneira, ela se sente importante e com um propósito. Agora, se as manifestações da Casa são reais ou não, ainda tenho minhas dúvidas. Começa pelo foco em Eleanor. São travessuras espantosas que qualquer um ali poderia fazer para manter o clima. Por outro lado, a autora não deixa muitas evidências de uma possível mentira. A única certeza é que a escolha de Eleanor foi triste e bem real.

Sei que vocês devem estar pensando se rola climinha romântico de algumas das meninas com Luke. Paquera, talvez. Mas nada super concreto ou tão explorado nesse ponto. A autora se preocupa mais no individual. E claro, não custa lembrar que a Casa tem tanta importância quanto qualquer personagem nessa história.

"...a Casa da Colina é repugnante, é doente; vai embora daqui."

A Assombração da Casa da Colina é um baita clássico do gênero, principalmente para aqueles leitores que amam uma boa dissertação. Não é um terrorzão, é mais para o lado paranormal. Creio que seja uma ótima pedida para quem deseja escrever algo do gênero, pelo fato da autora se prender ao cenário e psicológico dos personagens. Há momentos densos e alguns personagens devaneiam em excesso, o que pode incomodar alguns leitores.

A edição em capa dura está muito bonita e com ótima revisão. Adorei a ideia da arte, é bem como mentalizo casas assombradas, em voltas de galhos. A fonte está agradável, com formatação centralizada no início dos capítulos. Vou ser bem sincera, apesar de parecer leitura de um dia, não é!

site: https://cantocultzineo.blogspot.com/2018/11/livro-assombracao-da-casa-da-colina.html
comentários(0)comente



Fes Nepo 19/11/2018

A leitura é fácil o que contribui para que seja bem rápida também.
Acho que foi um erro da minha parte ter pego o livro pra ler logo depois de concluir a série, já que foi inevitável não fazer comparações; e talvez por esse motivo eu achei o livro bem fraquinho.
Embora não seja tão interessante, a leitura me prendeu pelo fato de que eu esperava que acontecesse algo muito surpreendente no final...
Enfim, dessa vez terei que dizer, prefiro mais a série do que o livro rsrs
comentários(0)comente



60 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4