Zaphir

Zaphir G. C. Milezzi




Resenhas - Zaphir


2 encontrados | exibindo 1 a 2


Sofia Trindade - Fórmula do Amor 03/05/2015

Ter um contato com esse livro me causou alguns sentimentos controversos pois vemos a história de dois mundos. O mundo real e o mundo do jogo, que chamamos assim até ter um contato maior e conhecer as histórias encantadoras do novo mundo que Gabriela e Michel vão conhecer.
Já li livros que me deixavam muito cansada por não ter um "lado atraente", e com Zaphir foi quase a mesma coisa. Eu amei o mundo de Az'Hur que o autor narra no jogo e pude sentir que ele planejou cada passo que os personagens iam dar, desde a profecia até o desfecho. Porém eu não consegui sentir isso no mundo real. Os diálogos, e algumas situações, do mundo real me parecem um pouco imaturos em relação ao mundo novo e talvez seja por isso que eu acabei me sentindo mais confortável quando lia as aventuras e histórias de Az'Hur.
O livro tem uma capa linda e gostei muito da diagramação. Uma das coisas que o autor poderia caprichar mais é no que ocorre fora de Az'Hur e colocar mais histórias da vida dos outros personagens do mundo do jogo.
Um dos pontos positivos que notei é a evolução do enredo e dos personagens. Tudo acontece tranquilamente e no seu devido tempo. A mudança em pequenos detalhes tornam o final do livro muito bonito e me deu um gosto de quero saber mais.
É um bom livro, que merece ser bem aproveitado. Como todos os livros que existem no mundo, pode te agradar ou não. No meu caso agradou, mas eu só mudaria um pouco algumas situações e aproveitaria mais alguns personagens que me encantaram e aparecem pouco.

site: http://formula-amor.blogspot.com.br/2015/05/resenha-zaphir-guerra-dos-magos.html
comentários(0)comente



Aline 06/12/2017

Interessei-me por essa leitura ao ouvir a entrevista com o autor Gilmar Milezzi no LivroCast, antigo podcast literário. O fato de ser uma obra de fantasia (meu gênero favorito) e ter como personagem uma garota que não se encaixa nos padrões sociais (qualquer semelhança é mera coincidência) foram atrativos instantâneos para aventurar-me nessa estória.

O início da jornada é marcado pela escrita objetiva e deliciosa do Gilmar. Apesar de ser uma obra de fantasia não é necessário um tempo de adaptação característico de novas leituras, pois a simplicidade da narrativa consegue ambientar o leitor muito rapidamente nesse universo. Igualmente interessante é que o fato de ser um escritor nacional traz consigo expressões características que aproximam o leitor dos personagens, sendo, ora expressões que remetem à infância, ora regionalismos linguísticos que tornam a experiência engraçada (afinal, não é sempre que se imagina um demônio referindo-se a alguém pelo vocativo “guria”). Similarmente bem-humoradas são as referências culturais que não só enriquecem a leitura, mas também a tornam mais leve e fluida.

“Zaphir: A Guerra dos Magos” apresenta ao leitor os amigos Gabriela e Michel em sua jornada desafiadora ao início da adolescência. Não bastando as dificuldades típicas enfrentadas nessa fase, a dupla não corresponde aos padrões sociais e importantes questões como o bullying e autoaceitação serão trabalhados ao longo da narrativa. A adolescência pode ser um período cruel, e escapar para a realidade virtual de um jogo de computador talvez seja, a princípio, confortante. Entretanto, essa realidade pode mostrar-se não tão virtual assim e as aventuras e perigos que Michel e Gabriela enfrentarão mostrar-se-ão bem verdadeiros e desencadeadores de um importante crescimento.

Uma das características mais marcantes dessa estória é a abundância de convites a reflexões. A leitura leva a pensar que todos podemos ter uma “contraparte negra” dependendo de como encaramos as situações, mas também que temos a possibilidade de escolha dentre variados caminhos. Todos podemos aprender com experiências desafiadoras e sair mais fortes e preparados após enfrenta-las. Da mesma forma, temos capacidade de desenvolver estima por relacionamentos interpessoais, bem como começar a valorizar cada momento sem atropelar fases, o que pode ser um aprendizado de difícil aceitação quando se é jovem, porém recompensador quando for finalmente alcançado. Obviamente, a experiência ao desfrutar um livro é sempre distinta para cada leitor, contudo, nessa estória as portas estão abertas para inúmeras interpretações enriquecedoras.

O único ponto a ser aprimorado na obra é que a escrita apresenta alguns (poucos) erros de digitação, o que é compreensível por tratar-se de uma publicação independente. Mesmo assim, não há comprometimento no entendimento geral da narrativa. Apesar desse detalhe é um livro que recomendo por conseguir ser simultaneamente leve e gostoso, mas com ricas reflexões que podem ser válidas independentemente da idade do leitor. O livro está disponível em versão digital na Amazon, e quem tiver interesse pode consultar capítulos (e outros contos) que o autor disponibiliza em seu blog: .
comentários(0)comente



2 encontrados | exibindo 1 a 2