Mensageiros da Morte

Mensageiros da Morte Marcos de Sousa




Resenhas - Mensageiros da Morte


19 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Silvia.Souza 10/05/2018

Razoável...
A história é muito boa, mas achei que poderia ser melhor desenvolvida... Faltou descrição dos detalhes de cada operação realizada... Também achei os diálogos muito simples e pouco elaborados... Por fim, poderia constar na sinopse que a história teria continuação...
comentários(0)comente



Fernanda | @psiuvemler 29/04/2017

Mensageiros da Morte | Blog Psiu, vem ler!
O livro Mensageiros da Morte é o romance de estreia de Marcos de Sousa, autor de Coração de Vidro. Publicado pela APED – Apoio e Produção Editora Ltda. com um total de 168 páginas, já conquistou a nota 4,5 nas avaliações da rede social para leitores Skoob.
Qual é a única escolha para restaurar uma empresa em decadência? Chefe é dono de uma grande empresa de armamentos que está prestes a cair. Algo precisa ser feito antes que um enorme investimento seja esquecido. Um evento tão grande quanto a grande guerra não seria má ideia. É com este pensamento que Chefe procura Antenor, o sócio de uma das maiores empresas petrolíferas brasileiras com uma tentadora proposta, impossível de ser recusada.
Quando os planos começam a ser postos em prática, importantes monumentos históricos e culturais começam a ser destruídos em várias partes de todo o mundo, inclusive o Cristo Redentor, o mais conhecido ponto turístico do Rio de Janeiro. O mundo é um perfeito cenário de guerra: sangue, mortes, destruição, Síria e Irã acima do restante da população; tudo isso leva à criação de um grupo militar especial; os Mensageiros da Morte.
Treinados para invadir o campo inimigo e massacrar qualquer um que aparecer pela frente, o time é formado por oito homens que, além de sofrerem com a batalha, passam por constantes xingamentos vindos de seu general, Pedrosa, como forma de incentivo. Ao longo da história, alguns deles vão ficando para trás.
Durante todo o processo idealizado por Chefe, podemos conhecer Enzo Peixoto e Thiago Ferris, personagens com personalidades totalmente diferentes, mas que no final se veem com um mesmo objetivo. Enzo é um policial militar, afastado de seu cargo no BOPE, largado pela mulher e sendo obrigado a abandonar seu filho. Inscreveu-se para fazer parte do exército enviado para a Síria antes que acabasse morrendo na sarjeta. Thiago é o filho do dono da empresa petrolífera. Só se preocupa com baladas e com o dinheiro dado por seu pai. É enviado para o combate contra sua vontade, por influência de Antenor; tudo como parte do plano.
Este livro chegou até mim através do próprio autor, devido a nossa parceria. Antes, eu apenas via as divulgações nas redes sociais. Arrependo-me de não o ter lido antes. Iniciar essa leitura foi uma de minhas melhores escolhas. Cada página era um novo sentimento e eu ainda não sei o que realmente sinto pelos personagens – mas posso afirmar que Enzo é meu favorito. Tirem o olho. Só quem me viu durante a leitura sabe meu desespero quando as últimas folhas foram se aproximando.
O livro é narrado em terceira pessoa. Para alguns – como eu, com uma memória que não é das melhores – o começo pode ser bem confuso, pois são narradas várias histórias divergentes, mas que no final farão todo o sentido. Cada personagem foi construído com o maior cuidado e atenção, sendo possível se apaixonar um pouquinho por todos. Segundo o autor, em breve será lançado um conto sobre os Mensageiros da Morte e eu, com certeza, estarei aqui para conferir.
Adorei a ideia do Marcos ao escrever esta obra. Inspirando-se em nosso cotidiano, ele nos apresenta a realidade – e, muito possivelmente, o futuro, considerando o jeito como as coisas andam – da melhor maneira possível. Infelizmente, as guerras políticas e sociais são cada vez mais constantes em nossas vidas. Milhares de pessoas inocentes perdem suas vidas diariamente por conta de outros gananciosos por poder, e o autor tratou exatamente isso.
Mensageiros da Morte deveria ser uma leitura obrigatória para todos aqueles apaixonados por derramamento de sangue com um toque de realidade. A escrita do autor Marcos de Sousa é arrebatadora, fazendo o leitor não perceber o decorrer da leitura até que chegue ao final. Acho muito bom a continuação já estar sendo escrita, pois a situação fica complicada depois de ter lido o epílogo.

site: http://www.psiuvemler.com.br/2015/07/resenha-mensageiros-da-morte.html
comentários(0)comente



Maria Ferreira / @impressoesdemaria 28/11/2016

Ficção pulsante de realidade
A narrativa começa no Rio de Janeiro, em setembro de 2016, com uma cena já em andamento e o suspense que será característico até o findar do livro. Logo no prólogo, o leitor depara-se com uma cena que é impactante: a explosão do Cristo Redentor. Esse é o marco inicial para uma série de outros atentados a diversos monumentos históricos ao redor do mundo, em países que são potências mundias: Estados Unidos, Japão, Itália, França. A única coisa que o leitor sabe, é que tais atentados estão ocorrendo por mandato do Chefe. Não se sabe quem é, mas que é uma pessoa extremamente inteligente, dada toda a trama armada para concretização de seus planos.
Após os árabes, Síria e Irã, assumirem a autoria dos ataques, a ONU reúne os principais líderes dos países atingidos, para decidirem quais serão suas posições diante dos ataques. Decidiram por uma ofensiva militar e assim inicia-se uma guerra. O Brasil, então, envia seu exército e convoca novas pessoas para alistamento.
Enquanto isso, está acontecendo nos EUA, a corrida presidencial. O atual presidente, Willian Tyler, compete com o novo candidato, James Fillmore.

Conhecemos Thiago, um típico jovem de classe média alta, mimado pela mãe, filho de um dos homens mais poderosos do Brasil e futuro herdeiro da Brasil Petros. Em sua primeira aparição, está levando uma bronca do pai por ter causado um acidente de trânsito que deixou vítimas fatais, mas Thiago comporta-se de forma displicente, deixando claro que não se importa com as vidas que interrompeu e dizendo que a família seria consolada com a indenização que receberiam.
Logo a seguir, conhecemos Enzo, um policial do BOPE, que após falhar em operação e não conseguir conciliar sua vida profissional com a vida familiar, é afastado do trabalho. Sua esposa, alcoólatra, cobra mais atenção ao filho, que presencia as brigas constantes do casal. Após um trágico acidente, Enzo encontra-se sem perspectivas na vida, até que com com os recrutamentos para serviços na guerra, vê uma nova chance de fazer-se útil.
Thiago, por armação do sócio de seu pai, vai servir no exército e assim, o destino dele e de Enzo se cruzam.

Mensageiros da morte é o nome dado a um grupamento especial, composto por oito homens, que tinham como objetivo sair em missões para sondar o posicionamento do inimigo e com isso antecipar ataques. Thiago e Enzo fazem parte desse grupo. Em seu primeiro encontro desentenderam-se, mas ao longo do livro a relação dos dois vai melhorando. São os personagens mais bem trabalhados, que nos permitem acompanhar sua evolução ao longo da narrativa. Principalmente a de Thiago, que de um filhinho de papai idiota, transforma-se completamente. A guerra muda as pessoas e sua forma de se relacionarem com o mundo.

O autor brinca com o espaço-tempo, indo e voltando na narrativa e pontuando datas. Em um capítulo está no Rio, em outro está em Washington, Damasco ou Estados Unidos, em 2014 ou 2016. Recurso narrativo que promove fluidez na leitura e aumento do suspense. Além disso, fica a sensação de que o livro daria uma boa adaptação para o cinema. Conta, também, com capítulos curtos, que faz com que a leitura seja rápida e dinâmica.
O livro é narrado em terceira pessoa, o que permite vizualizarmos melhor o que está acontecendo em escala mundial e nos permite um certo distanciamento crítico.

Com uma narrativa mais do que concisa e extremamente adequada normativamente, o livro é permeado de suspense e surpresas do início ao final. Queremos saber quem é o Chefe, o motivo dos atentados e onde o autor quer nos levar com cada nova informação inserida, pois nada, absolutamente nada, é sem propósito. Quando percebemos que tudo se encaixa e começam a surgir explicações para alguns de nossos questionamentos, damos de cara com um epílogo que ao invés de nos acalmar, só nos faz ficar boquiabertos e desejar que a continuação saia o mais breve possível, pois além de terminar de uma forma surpreendente, o pensamento que fica é que se este é o romance de estreia do autor, os demais certamente serão tão bons quanto, ou quem sabe, até melhores.
É um livro de ficção que pulsa de realidade, com um enredo tão plausível, que guerra e jogos políticos vestem-se de iminência.


site: http://minhassimpressoes.blogspot.com.br/2016/05/mensageiros-da-morte-marcos-de-sousa.html
comentários(0)comente



Silvana - Blog Prefácio 29/10/2016

A trama de Mensageiros da Morte, se passa em dois tempos. Primeiro estamos em 2014, onde vemos um plano grandioso sendo engendrado. Nesse jogo temos várias peças se movendo. Cada uma dessas peças, sendo comandadas pela mesma pessoa, mas elas não tem o conhecimento nem de quem está movendo as peças e nem um dos outros. Uma dessas peças é Thiago um rapaz rico e mimado que vive aprontando, mas sempre é salvo de pagar por seus atos por causa do dinheiro do seu pai. Ele acha que pode tudo. Também temos Antenor sócio do pai do Thiago, que aparentemente é um homem honesto. Temos Karina, uma mulher que na aparência transmite bondade e seu visual lembra uma professora. E lá na Síria temos Abdul, um falsificador que todos pensam ser um vendedor de frutas. E por trás de todos eles, temos O Chefe, o autor do grande plano cuja identidade e objetivo ninguém conhece.

Já em setembro de 2016, temos o plano sendo executado. Por todo o mundo ocorrem ataques terroristas. No Brasil o alvo é o Cristo Redentor, que vem abaixo ferindo e matando todos a sua volta. Os ataques ocorrem em vários países como Israel, Estados Unidos, França, Japão e até no Vaticano. E as coisas só pioram quando os agentes da ONU e os presidentes das confederações ligadas a organização se reúnem para discutir a situação e o secretário-geral da ONU é morto na frente de todos. E eles nem precisam investigar quem é o autor de tamanha desgraça, a maior emissora dos Estados Unidos é invadida e no lugar de sua programação normal aparece a imagem de dois jovens árabes assumindo a autoria dos crimes em nome do Irã e da Síria. A guerra está declarada e ninguém mais vai conseguir impedi-la.

Quem vai lutar nessa guerra é Enzo Peixoto, um ex integrante do BOPE. Depois de deixar seu companheiro ser morto em ação, ele é afastado e após uma briga com sua esposa por causa do acontecido, ele sofre um acidente de carro e perde seu filho no acidente. Nada mais importa para ele, por isso ele se alista para lutar nessa guerra. E lá ele vai conhecer Thiago, que é obrigado a se alistar após uma jogada de Antenor para tirar ele do caminho. Mas nem em meio a guerra Thiago deixa de ser ele mesmo e com medo de que Antenor planeje matá-lo, ele suborna o Capitão e acaba junto de Enzo em um grupo especial, os Mensageiros da Morte.

"— Esse local é meio sombrio... — Deixou escapar Thiago.
— Só espero que aqui não seja a minha tumba. — Respondeu Enzo."

Faz tempo que acompanho o blog do Marcos e tinha muita curiosidade de ler esse livro. E estava esperando bastante do livro, já que só li resenhas positivas dele e também pelas resenhas que o Marcos escreve, se já gosto das resenhas, imagine de sua própria história? E ainda bem que minhas expectativas foram atendidas. Não tenho o que reclamar do livro. Só se for do tamanho, que estava tão bom que achei que terminou muito rápido. A escrita do Marcos é dinâmica, interessante e inteligente. Ele escreve de um jeito que obriga nosso cérebro a acompanhar o ritmo imposto por ele. Eu que sou um pouco lerda, não fiquei perdida em nenhum momento, mesmo o tempo da história mudando a cada novo capítulo.

E uma coisa que adorei foram os capítulos curtos, torna a leitura muito mais ágil. Confesso que quando li as resenhas achei que fosse me perder, que a história era mais difícil, mas pelo contrário, logo nas primeiras páginas a história já prende e você não consegue mais largar sem ver o final do livro. Quanto aos personagens são todos muito bem escritos, e uma coisa que achei legal, foi que não pareciam personagens e sim pessoas reais que a gente encontra no dia a dia. Cada um com seu dilema e problemas. Quanto ao grande vilão da história, eu já tinha pego um spoiler em uma resenha lá no skoob e já sabia quem era, mas isso não deixou menos interessante ver a sua trajetória e seu grande plano para conseguir o que ele queria. Recomendo o livro é claro e só me resta aguardar os próximos livros que prometem.


site: http://blogprefacio.blogspot.com.br/2016/09/resenha-mensageiros-da-morte-marcos-de.html
comentários(0)comente



Eric "Julián" Silva 23/06/2016

Uma narrativa rápida, mas chocante
Uma guerra é feita de medo, provocações, sangue e demonstrações de poder e o que resta do lento cozinhar destes ingredientes é destruição, desolação, miséria, dor e perdas incalculáveis. Mas existe uma outra face da moeda, aqueles que lucram e fazem da guerra um grande mercado da morte. Trazendo à tona questões como política, guerra, terrorismo e corrupção, Marcos de Sousa escreve Mensageiros da Morte, uma narrativa rápida, mas chocante. Venha conferir nossa resenha do livro Mensageiros da Morte, de Marcos de Sousa!

site: http://conhecertudoemais.blogspot.com.br/2016/06/mensageiros-da-morte-marcos-de-sousa.html
comentários(0)comente



Aline 26/02/2016

Excelente!
Começo esta resenha dizendo que as minhas expectativas para essa leitura estavam altíssimas, e foram todas superadas!

Um homem capaz de tudo para conseguir o quer, um jogo de interesses, uma guerra...
Com genialidade, o Chefe vai conduzindo os acontecimentos, instigando o ódio e a violência em um jogo de cartas marcadas. Do homem mais simples ao mais poderoso do mundo, todos são manipulados e assim, aos poucos, ele consegue atingir seu objetivo: uma nova guerra mundial.


"(...) Tudo dará certo, pensava. Em breve eu serei o dono do mundo." (p. 22)


"(...) Na guerra não havia suspeitos: todos eram culpados." (p. 18)


O Chefe apresenta como característica principal a ganância, pois todas as suas ações giram em torno de seus interesses. Como um jogo de xadrez, onde cada jogada é estrategicamente estudada, ele manipula seus peões, rei e rainha de maneira incrivelmente inteligente.

Os personagens foram bem caracterizados e são apresentados aos poucos, cada um com sua história. E em determinado momento, todos se conectam de alguma maneira, como uma trama minuciosamente traçada.

Thiago foi um dos personagens que mais me surpreenderam e agradaram, por conta de sua mudança e amadurecimento no decorrer da trama. É o tipo de personagem que você começa odiando e no final acaba adorando. Enzo também me agradou, por sua força e superação.


"(...) Traçaria um plano e, após a execução, daria um grande presente a sua mãe. Talvez ela não gostasse muito, mas o fim justificava os meios. Na prática, o mundo sempre funcionou assim." (p. 69)


"- (...)Comemore, acabamos de vencer a guerra.

- E de perder nossas almas..." (p. 163)


Narrado em terceira pessoa, Mensageiros da Morte possui ótimas cenas de ação, diálogos bem articulados e uma trama instigante e muito bem construída. Com uma narrativa inteligente e ousada, Marcos nos conduz com maestria por sua história, sem deixar pontas soltas. Rica em detalhes, porém sem se tornar cansativa, e com capítulos curtos, a leitura flui rapidamente.

(+) Leia a resenha completa no blog.

site: http://literalizandosonhos.blogspot.com.br/2016/02/resenha-mensageiros-da-morte-marcos-de.html
comentários(0)comente



Pâm Possani 15/01/2016

Um bom pedido nacional, surpreendente!

Acho que vocês vão ver muitos quotes e eu queria poder tê-los marcado de coloridinho, mas era livro de BookTour, então eu fui tirando foto e passando pra cá. Tive de me conter! O autor Marcos Sousa disponibilizou o livro para leitura, e gente! Fui arrebatada! Levei uns "tapas na cara" com esse livro e ainda no final fiquei um pouco (muito) chocada. Poxa Marcos!
Mas vamos lá!
Se você espera fantasmas mensageiros que vem trazer a morte: meu bem, você está muito enganado (a)! Os mensageiros que são retratados nesse livro, são reais e estão pertinho de você, de todos nós.
Já no começo do livro, somos sugados por datas, lugares e acontecimentos surpreendentes, que confesso, me deixaram muito confusa ao iniciar a leitura mas depois de alguns capítulos, tudo começou a se encaixar na cabeça. Explosões, destruição, bombas, pessoas morrendo, sangue. O autor intercalou capítulos curtinhos, em lugares diferentes do globo, mostrando que não é só no Brasil que as coisas acontecem, assim como em vários lugares do mundo que elas estão sendo premeditadas.
Com momentos sanguinários, um "Chefe" culpado que está por trás de todas as mortes e ataques, surge então, o Exercito Brasileiro para nos proteger... Mas estes, um comando especial: os Mensageiros da Morte. Isso com a capa do livro achei fantástico. Alvo da morte, alvo das armas! Mas voltando... São homens maravilhosamente treinados, fortes, imbatíveis. Bem, nem todos.

Leia a resenha completa no blog Interrupted Dreamer

site: http://www.interruptedreamer.com/2016/01/resenha-mensageiros-da-morte-de-marcos.html
comentários(0)comente



Nath 13/01/2016

Resenha para o blog Pobre Leitora
Mensageiros da Morte é o novo livro do Marcos de Sousa e eu me sinto muito feliz de tê-lo lido, é incrível!

O "Chefe", dono de uma empresa de armamentos percebe que o melhor para os seus negócios é uma nova guerra e a partir desse pensamento, ele irá mexer em todos os cantos matando pessoas, comprando favores e vendendo ideias, para que essa guerra realmente se concretize.
Pessoas inocentes vão acabar pagando por isso e o que há de pior em cada pessoa será exposto a todos.
Mensageiros da Morte não é só uma história sobre guerra, é uma história sobre inteligência, sobre o íntimo das pessoas, sobre recomeços. A trama criada pelo Marcos é simplesmente demais! É tudo muito bem encaixado, não há nenhuma ponta solta e todos os personagens apresentados são extremamente importantes. Ao chegar ao final do livros (que aliás, não é bem o final pois terão mais livros) eu fiquei apenas de queixo caído!

A escrita do autor é muito dinâmica e junto com os capítulos pra lá de curtos e o pouco número de páginas, o livro passa rapidamente e você mal percebe que chegou ao fim. A narrativa é em 3° pessoa e não há enrolação, o que claro, levanta muitos pontos comigo.
No começo do livro confesso que fiquei confusa pois muitos personagens são apresentados mas não demorou muito pra eu me adaptar a história e ficar totalmente envolvida.

Cada capítulo foca em uma cena, em um personagem. Personagens esses aliás que são muito bem construídos. Dou um destaque aqui para Enzo e Thiago.
Enzo é um policial do BOPE que acaba perdendo o sentido da vida ao se ver sem sua família. Thiago é herdeiro de um império, uma garoto mimado e inconsequente. Eu estava pronta para reclamar do Thiago até que ele e o Enzo entram para o exército brasileiro, na guerra que se inicia. A evolução de Thiago foi clara pra mim e muito prazerosa de se ler.

As cenas de ação são muito boas e os diálogos são pra lá de inteligentes. É um livro que te prende do início ao fim. Se você é uma pessoa que gosta de histórias de guerra, estratégia e que abordem principalmente, o ser humano como ele é, esse livro é pra você. Leia sem medo, garanto que você vai adorar!

site: http://pobreleitora.blogspot.com.br/2015/06/resenha-sorteio-mensageiros-da-morte.html
comentários(0)comente



Alexandre | @blogalexandria 17/12/2015

Um livro e suas mensagens
Quando você lê um livro que retrata uma realidade muito provável e próxima, percebe que aquilo pode mesmo acontecer, e acaba tendo até um pouco de medo de ler. Mas carrego comigo a frase: ao passo que você sente medo daquilo, sente, também, vontade de conhecê-lo. Isso se aplica totalmente a Mensageiros da Morte, do autor carioca Marcos de Sousa.
O livro, lançado este ano (2015) pela editora APED, começa com várias histórias em seus capítulos curtos, que se interligam mais à frente em uma guerra de nível mundial, da qual participa um grupo de soldados brasileiros selecionados para operações especiais na Síria, denominado “Mensageiros da Morte”.
Dois dos membros desse grupo são protagonistas: Thiago e Enzo. Filho de um empresário muito bem sucedido no ramo petrolífero, Thiago era um rapaz rebelde e que adorava ser um daqueles caras corruptos que escapa de emboscadas com cheques gordos. Fora enviado ao exército pelo pai, convencido pelo sócio, Antenor, de que o rapaz precisava de disciplina para comandar os negócios da família com mais responsabilidade. Já Enzo era um policial militar, afastado do cargo após perder um amigo e companheiro de profissão numa operação em uma favela do Rio de Janeiro. Depois de se encontrarem no Mensageiros da Morte e participarem de vários ataques juntos, os dois se tornam grandes amigos.
Nos Estados Unidos, James Fillmore — dono da empresa de armamentos que, no começo do livro, fecha um contrato com a empresa de petróleo do pai de Thiago, Cláudio Ferris —, disputa a presidência com o atual presidente, Willian Tyler, usando uma estratégia nada pacífica. E, em poucas páginas, o leitor descobrirá que este candidato a governar uma das maiores potências mundiais não tem nada de bom a oferecer.
O maior susto que eu levei foi como o livro se enquadra aos últimos acontecimentos — os atentados em Paris e vários outros que o antecederam pelo mundo desde o início do ano —, principalmente pelo fato de o livro falar do passado 2014 e do futuro 2016, do qual não sabemos o que aguardar. Também pelo fato de o Brasil estar envolvido diretamente nisso, contribuindo com petróleo e exército para a guerra, e por ser alvo de alguns terroristas.
É um livro fino, de 168 páginas, trabalhado com muito cuidado tanto da editora como do autor, mas com uma história impressionante e que vale a pena ser lida. Eu, como sempre, com aquele probleminha de leitura lenta, passei mais de um mês para finalizar. Mas tudo tem uma justificativa, e a minha é de que as provas finais da faculdade tomaram qualquer oportunidade que tive de ler o livro mais rápido.
Se eu pudesse, marcaria, no Skoob, como lido e quero ler, porque, daqui a algum tempo, com certeza o lerei novamente. Além do mais, Mensageiros da Morte pode passar duas mensagens: a de que o mundo deve acordar para a realidade e desistir das guerras que tanto insiste em viver; ou a de que esta é uma simples inspiração para o que pode acontecer em um futuro que está a poucos dias de distância. Mas, bom, isso sempre dependerá da interpretação de quem o ler.
P. S.: o livro ainda tem continuação, viu? Então, tipo… Marcos, já pode lançar, tá? (Risos)

site: http://vdeescritor.blogspot.com.br/2015/12/review14-mensageiros-da-morte-de-marcos.html
comentários(0)comente



Patrick Rosário 28/11/2015

(Corujando nos Livros) Resenha: MENSAGEIROS DA MORTE - Marcos de Sousa
O livro Mensageiros da Morte é uma obra que oferece ação com frequência, pois, a história apresenta destruições que resultarão em guerra. Sendo assim, oferecendo uma leitura absorta e eletrizante aos leitores.

Nesta história, conhecemos um homem estrategista e ambicioso. Cujo é dono da maior empresa de armamentos do mundo, e com uma ganância ímpar, rege ocultamente um esquema malicioso para que uma guerra em nível mundial venha ser promovida. Afim de que venha restabelecer seus negócios e poder.
Como marionetes de um frio manipulador, várias pessoas vão sendo direcionadas para o cumprimento desse plano, driblando tudo e todos sem deixar vestígios.

Atentados ocorrem em vários países, como: A destruição do Cristo Redentor no Brasil, o ataque do Capitólio nos EUA, entre outros. Após essas situações, uma gravação é exibida num canal de televisão americana, onde árabes assumem ser os responsáveis pelos ataques e propõe mais destruições e mortes. A partir daí, os presidentes da ONU reúnem-se e os países atingidos declaram guerra contra Síria e Irã.

O Brasil convoca os seus militares para lutarem contra os árabes, e é neste alojamento e campo de guerra em Daara que são formados os Mensageiros da Morte, equipe que enfrentará os maiores riscos e missões desta guerra.

Uma jogada astuta, onde más personalidades e caráteres são os principais diretores de um show de terror.

Enfim, até que ponto a ganância leva uma pessoa? O poder e glória são benéficos quando centenas de pessoas são mortas inocentemente por esses fatores? Qual o valor de uma vida?

Questionamentos como estes são feitos após essas abordagens em Mensageiros da Morte de Marcos de Sousa.

site: http://corujandonoslivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



pereira_renata 25/08/2015

Mensageiros da Morte!
Hoje trago uma resenha diferente das coisas que estou acostumada a ler. Estou participando do Book Tour do Livro Mensageiros da Morte, do autor nacional Marcos de Souza.
Sinopse: O Chefe, dono da maior empresa de armamentos do mundo, passando por dificuldades financeiras, percebe que uma guerra em nível mundial é tudo que ele necessita para que seu império se recupere. Com a maestria de um especialista, aguça a ganância e o ódio nas pessoas certas, preparando terreno para um grande confronto armado. Com uma rede de intrigas e compra de favores entre os altos escalões dos principais governos do mundo, o Chefe age como um fantasma, derrubando mitos, espalhando terror e derramando sangue inocente a cada passo dado. Porém, em toda grande teia, sempre há um traidor. Será que alguém terá coragem de desafiar um dos homens mais poderosos do mundo? Quantas peças desse quebra-cabeça terão de ser arrancadas para evitar o pior? Em um livro repleto de mortes e sangue, Marcos de Sousa apresenta o melhor e o pior de cada pessoa. O amor e o ódio se entrelaçam, formando uma corrente indestrutível. O fim do mundo como conhecemos se aproxima e só uma questão é essencial: quantas almas você é capaz de ceifar por ganância?

Diferente, não? E de um autor nacional....daí minha alegria em poder participar do Book Tour.
O livro já começa bombando, literalmente, abalando as estruturas do Rio de Janeiro já na segunda página de seu prólogo. Me perguntei hã??
Daí diversos lugares-chave do mundo são alvos de ataques. O tal Chefe está por trás da destruição, mas ele acaba conseguindo dar crédito pelos "ataques" ao Irã e à Síria. Como os Estados Unidos da América e sua poderosa Washington foi um alvo, a guerra se torna iminente!
E daí surgem os Mensageiros da Morte. Poucos homens, super treinados, estilo dos filmes americanos ahahahahaha. Menos um soldado, que foi parar lá, provavelmente para ser morto (minha impressão).
O livro possui diversos personagens (eu me confundi um pouco com tanta gente), mas os principais são Enzo, um ex-policial do BOPE; Thiago, riquinho mimado e egoísta, que é mandado por seu pai à Guerra para criar responsabilidade (essa parte eu achei estranha e muito clichê, não me soou muito verdadeira.....) e o tal Chefe, que é o super vilão da história. Dono de uma empresa de armamentos só pensa em lucros ilimitados....Algumas idas e vindas de datas e lugares também me deixou confusa, mesmo sendo uma obra extremamente curta ficava toda hora voltando a página para entender onde realmente estavam os personagens.
As cenas de violência são comuns. Não curto muito, mas até gostei das daqui. Parecem um choque no começo, mas estão super inseridas no contexto dessa história. Marcos de Souza mata mesmo sem dó nem piedade!!!!!!!!!! Ponto para ele, algumas mortes em certas histórias são cruciais para seu enredo.
E as reviravoltas não param por aí, espere de tudo um pouco. O livro é bem curtinho. Se eu falar muito dou spoiler para vocês!
Aguardemos a continuação, que com certeza virá!

site: www.umaleituraamais.com.br
comentários(0)comente



Thati 13/08/2015

ELETRIZANTE!
Marcos e eu, apesar de termos muitas coisas em comum, ainda não nos conhecíamos. Quando ele estava lançando "Mensageiros da morte" enviou um e-mail para alguns blogueiros e eu estava no meio. Nós conversamos e alguns dias depois nos encontramos em um evento literário. Trocamos nossos livros... Ele voltou para casa com "Ponte de cristal" e eu com "Mensageiros da morte". Por conta do atraso nas minhas leituras, demorei mais do que gostaria para iniciar essa obra. Quando iniciei, no entanto, fui fisgada pela escrita ágil do autor.

O livro traz um cenário de guerra e conflitos. A história acontece em diversos lugares do mundo e com vários núcleos diferentes. Também não existe um tempo exato ao longo das páginas. Os capítulos acontecem nos mais variados anos... No começo, precisei ficar indo e voltando para conseguir me situar melhor na trama. Em um determinado momento, no entanto, tudo parece se conectar e a história flui muito bem.

"- Vocês são apenas oito, mas serão mais valiosos que um exército inteiro. Serão os batedores, os enviados. (...) Não importa quem vocês eram antes e muito menos como eram chamados. O que me importa é o presente. E, agora, vocês são os meus Mensageiros da Morte."

Agradou-me muitíssimo o crescimento dos personagens que percebi ao longo da trama. Não consegui escolher um preferido, mas posso dizer que comecei a leitura detestando o Thiago e no final eu já estava gostando dele.

A escrita do Marco é ágil e fluida. As folhas brancas não interferem na leitura. Os capítulos são curtos, o que me agrada muito. A diagramação é simples, mas eficiente. O final do livro chegou e eu pensei: "não acredito!". Trata-se de uma série e eu quero poder ler a continuação logo.

Além disso, vale slientar que a obra traz reflexões interessantes ao longo das páginas. Em alguns momentos fiquei me perguntando se os relatos do autor não poderiam, facilmente, ser a nossa realidade. E sim, definitivamente poderiam. Eu vivo a minha vida tranquilamente, faço o que amo, tenho um bom relacionamento, me envolvo em projetos sociais, mas paralelo a tudo isso pode existir uma enorme conspiração, envolvendo pessoas que talvez até conheçamos. Essa linha tênua que separa ficção da realidade me agrada muito e Marcos soube abordá-la muito bem.

Para quem gosta de suspense, aventura e uma história ágil, "Mensageiros da morte" é leitura obrigatória!

site: http://www.nemteconto.org/#!RESENHA-MENSAGEIROS-DA-MORTE-MARCOS-DE-SOUSA/cmbz/55ca08270cf2244af608d821
comentários(0)comente



Aninha Soares 26/06/2015

ótimo livro!

O livro é bem diferente do que eu estou acostumada, ele conta várias histórias de vários personagens em vários cenários diferentes, desde Rio de Janeiro até Oriente Médio. No entanto, de uma forma ou outra a historia destes personagens se entrelaçam.

O livro é narrado em 3ª pessoa, com um narrador onisciente, ou seja, conhece tudo o que está acontecendo no ambiente. Gostei muito do narrador, ele sempre deixava uma pontinha de curiosidade aguçada na minha mente, o que não me permitiu parar de ler até o término do livro. Li ele em apenas um dia!
O cenário do livro é de guerra, muita guerra, muitas batalhas travadas. Mostra também o que ocorre por trás, que nós não vemos, como a corrupção no exército, no governo, na polícia e nas grandes empresas.

Enquanto eu lia, sempre me vinha a pergunta na cabeça: Senhor Marcos, você já fez parte do exército, polícia ou algo do gênero? Por que, cara, os detalhes, a forma como ele escreveu os embates passava isso, como se ele já tivesse passado por aqueles cenários em geral. Muito bem escrito, amei.

E aquele final? Quando o livro acabou, eu fiquei de queixo caído com o final.


Classificação: ?????
comentários(0)comente



"Ana Paula" 22/06/2015

"- Vocês são apenas oito, mas serão mais valiosos que um exército inteiro. Serão os batedores, os enviados. (...) Não importa quem vocês eram antes e muito menos como eram chamados. O que me importa é o presente. E, agora, vocês são os meus Mensageiros da Morte."

Desde quando vi este livro pela primeira vez, fiquei muito curiosa para lê-lo. Já conheço a escrita o autor e seu gosto literário, que é muito parecido com o meu por sinal, e isso só me deixou mais curiosa quanto a sua obra. Digo que não me arrependi, pois encontramos em Mensageiros da Morte, tudo o que um livro deve conter: ação, suspense, romance, política, guerra e muito mais!

Este é o primeiro volume de uma série, e nele vamos conhecer personagens muito diferentes, alguns insuportáveis por sua ganância e ousadia, outros corajosos e destemidos, que lutam por um ideal. A sinopse é bem explicada, então não vou me demorar em falar sobre a história, são poucas páginas e qualquer coisa a mais que eu diga, pode se tornar um big spoiler! rsrsrsrsrsrs

"Acabamos de ser informados que outros atentados semelhantes ocorreram em Israel, Estados Unidos, França, Vaticano, Japão e alguns outros países. O sentimento de insegurança é mundial. Não há indícios ainda de onde partiram os ataques. Mas a prefeitura do Rio de Janeiro solicita que todos permaneçam em em suas casas até que haja novidades."

O que me deixou muito satisfeita, foi encontrar um enredo nacional com passagens em outros países. Os personagens principais, fora o Chefe, são brasileiros. Brasileiros mesmo! Sabe aquele jeitinho brasileiro de ser? Pois é! Thiago e Enzo possuem a nossa essência, e eu adorei conhecê-los e odiar por um tempo, o Thiago. Mas depois, me arrependi do ódio, fiz as pazes com ele e espero sinceramente, que ele chegue ao final da série.

Mostrar a verdadeira face do ser humano é um caminho longo, e já li vários livros que falharam neste quesito. Felizmente, Marcos de Sousa soube criar seus personagens com maestria e mostra que o ser humano pode ser bom quando quer, e que também pode ser muito cruel quando a vaidade e a ganância falam mais alto.

"- No Brasil, matar diversas pessoas inocentes em uma guerra não é chamado de justiça. Somos um povo pacífico.
Anthony não queria conversar, muito menos sobre aquilo.
- Não é isso que costumo ver nos jornais. Vocês matam, por ano, mais do que o exército americano matou no mesmo período em guerra com o Iraque."

Tenho que falar sobre a trilha sonora que me embalou durante a leitura: Thiago é fã de Rock'n Roll e a doida que vos escreve também. Combinação perfeita? Claro que sim! Afinal, eles estão em guerra e nada melhor do que um bom rock para tirar o estresse ou deixar mais estressado ainda... vai saber? rs
A capa é perfeita e condiz com o enredo apresentado. A escrita do autor é tão concisa que você não vê as páginas passando. A diagramação é simples e encontrei poucos erros de revisão, nada que prejudicasse minha leitura. As folhas são brancas e o livro é fino pelo tamanho de emoções que ele carrega. Quero muito saber como essa história vai terminar e só tenho a agradecer ao Marcos e a Editora APED pela oportunidade de ler este excelente livro!

Em meio a uma guerra, com muitos mortos e bombas, vamos aprender o valor das ações menos esperadas e se deparar com um final que vai tirar o fôlego de qualquer um. Se quero ler a continuação??? CLAROOOO!!!!
Aproveite e compre agora o seu exemplar, tenho certeza que vocês se surpreenderão com mais um nacional maravilhosamente escrito!



site: http://www.livrosdeelite.blogspot.com.br/2015/06/resenha-mensageiros-da-morte-marcos-de.html#.VYf86flViko
comentários(0)comente



19 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2