Acesso aos Bastidores

Acesso aos Bastidores Olivia Cunning




Resenhas - Acesso Aos Bastidores


50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Clube do Farol 17/02/2019

Acesso aos Bastidores. Clube do Farol
Resenhado por: André

Oi, queridos faroleiros. Sabem aquele livro que não é excepcional, mas que você não consegue parar de ler? Fiquei tão envolvido com os personagens que queria voltar logo do trabalho para acompanhar os próximos acontecimentos.

Foi assim a leitura de Acesso aos Bastidores, de Olivia Cunning, publicado pela Paralela, selo da Companhia das Letras. Mais um Guilty Pleasure para a coleção.

Myrna Evans é professora de Psicologia e especialista em sexualidade humana. Durante uma conferência ela encontra os integrantes da banda de rock Sinners bebendo no bar do hotel e resolve ir conversar com eles.

"Eric Sticks, baterista. Três bumbos, catorze pratos. Perfeito no ritmo.
Sedric Lionheart. Vocalista. Sua voz deixa qualquer garota com a calcinha molhada.
Jace Seymour, baixista. O mais baixo dos integrantes. Com um jeito durão, meio James Dean.
Trey Mills, guitarrista base. Olhos verdes sonhadores de derreter corações. Dedos ágeis que, bem, fazem as meninas cultivar os mais indecorosos pensamentos. "

Mas é de Brian ?Mestre? Sinclair, o guitarrista, que ela mais gosta. Myrna costuma usar os riffs dele durante as suas aulas para comprovar que os acordes de guitarra refletem sexualmente em quem os escuta.

É claro que Myr e Brian vão se envolver e ter um tórrido romance. Claro que Myr e Brian têm problemas do passado. Enquanto ele acabou de sair de um relacionamento que acabou mal (não vou dizer o porquê... rsrs), ela passou por um relacionamento abusivo com o ex-marido. Ela sempre foi muito reprimida sexualmente pelo ex-marido e acaba encontrando Brian, um homem sete anos mais novo do que ela e tão aberto a experimentar coisas novas.

?Meu bem, faz meses que não escrevo um riff. Você é incrível demais.? E riu para ela, enfiando com força e ritmo. ?Fazer amor com esse corpo perfeito estimulou mais do que o meu pau.?

Acesso aos Bastidores é mais um romance erótico envolvendo bandas de rock. Tem todos os clichês do gênero, mas é bem escrito e envolvente. A narrativa da americana Olivia Cunning é fluida e as cenas de sexo são bem detalhadas. Ela não floreia, descreve abertamente os atos e taras sexuais. O livro é indicado para quem realmente gosta de livros eróticos. É o primeiro da série Sinners on Tour que já foi toda lançada nos EUA. Infelizmente, a editora Paralela só lançou o primeiro por aqui. Ele foi lançado em 2015 e até hoje, nada das continuações.

O livro ganhou os prêmios de Melhor Primeiro Livro pela Readers' Crown Award by RomCon® (Romance Conventions Inc.) e Melhor Romance Erótico pela More than Magic, ambos de 2011.

A culpada por ler Acesso aos Bastidores foi minha amiga Karla, do IG Literário Não é a Terra do Nunca. Ela disse que um dos personagens era bissexual e fiquei curioso para ver como esse personagem seria retratado dentro de uma história que não é voltado para o público bi ou gay. Para minha surpresa, há vários personagens com gostos singulares onde tudo pode acontecer. Será que você tem uma mente aberta?

Apesar das várias cenas picantes, nada é de mau gosto ou vulgar. Olivia Cunning nos entrega um romance clichê, mas fiquei totalmente envolvido com os personagens e seus jogos sexuais. Shippei muito o casal Myr e Brian. Quero ler o segundo livro da série que conta a história do vocalista Sed. Como acho que que a editora Paralela não vai lançar os outros livros da série, devo partir para a leitura das edições em inglês. Para quem não domina o inglês, a única opção seriam os PDFs que devem existem pela internet. Não apoio essa opção, mas, às vezes, as editoras não deixam outra alternativa. Esse é um ótimo tema para discussão, não acham? As próprias editoras incentivam a leitura de livros alternativos ao não lançarem as edições nacionais? Concorda? Não? Deixe a sua opinião nos comentários.

Os livros da série Sinners on Tour são:

1. Acesso aos Bastidores (Sinners on Tour #1)
2. Rock Hard (Sinners on Tour, #2)
3. Hot Ticket (Sinners on Tour, #3)
4. Wicked Beat (Sinners on Tour, #4)
5. Double Time (Sinners on Tour, #5)
6. Sinners at the Altar (Sinners on Tour, #6)
7. Take Me to Paradise (Sinners on Tour, #6.5)
8. One Starry Night: Sinners on Tour Extras (Sinners on Tour, #6.6)
9. Almost Paradise (Sinners on Tour, #6.7)
10. Sinners Rock the Cradle (Sinners on Tour, #7)

Beijos, André.
comentários(0)comente



Debs 12/10/2018

Cadê a historia????
Eu adoro um romance erótico, mas não suportei esse livro.
A trama é bem interessante, que trabalha vários assuntos como a violência doméstica e a liberdade sexual da personagem principal, Myrna.
Porém, o livro tem tanta cena de sexo que ficou muito chato. Toda hora eles transam e se pegam, e transam de novo, e se pegam de novo, e transam de novo...
O livro poderia ter sido bem melhor trabalhado se abordasse mais as questões de insegurança e passado de Myrna e a história dos integrantes da banda, e retirasse algumas cenas de sexo e pegação.
Abandonei, mas quero terminar de ler muito em breve, porque ainda quero saber o que acontece hahahaha
comentários(0)comente



24/08/2018

Acesso aos bastidores
Pensa num livro hot??agora multiplica ao quadrado,kkkkk....esse livro é hot muito hot,do começo ao fim, confesso q algumas cenas me deixaram chocadas,mas a história em si é show....
comentários(0)comente



Elisângela S. Mills 27/07/2018

Pega fogo, cabaré!
Acesso aos Bastidores - 1 da série Sinners on tour - Olivia Cunning.

Myrna é uma professora de psicologia que é louca pela banda Sinners. Depois de um encontro com a banda no saguão do hotel que estava hospedada para um conferência de trabalho, ela se sente atraída pelo guitarrista Brian 'mestre' Sinclair. Depois de uma 'decepção' amorosa ele bebe todas com seus amigos, mas não deixa passar as investidas de Myrna ao seu redor. Enfim eles se entregam à essa atração.

Sabia através de algumas resenhas que essa séria haveria muita cenas hot então depois de sair de uma leitura densa mergulhei em algo que leria com certa facilidade, realmente à muita cenas quentes, mostra um pouco de cada personagem da banda, mas que achei suficiente já que a estória envolve muito do passado de Myrna, gostei que a autora trabalhou sobre as incertezas dela em relação ao seu antigo casamento que não deu certo, e que ela foi muito mal tratada, psicológicamente e fisicamente. E Brian é um amor. E sendo fã de livros com astros do rock nunca tinha lido algo que o personagem escuta e escreve músicas quando está no ato íntimo e adorei isso.

Enfim me divertir com os outros caras da banda e já estou louca pra ler o de cada um.
comentários(0)comente



Notas.Literarias 19/07/2018

Uma Guitarra quente
Hello pessoas, hoje é dia de Rock bebê!!! então vamos comemorar com uma resenha de banda de Rock. Com um livro que é um dos meus queridinhos da vida, mas infelizmente é mais uma série cancelada aqui no Brasil.

O que dizer de um livro que tem essa capa? O que dizer quando a autora presta uma singela, porém linda homenagem, a um cowboy da guitarra? O que dizer quando os rumores na internet levam a crer que a banda que a inspirou para essa série, é uma de suas bandas preferidas? E que a playlist divulgada pela autora tem o riff de guitarra mais sexy da banda?! Você lê!!! E lê muito rápido, pra poder ler novamente em algum momento, certo?!


É gente essa resenha está completamente comprometida, pois eu me derreti pela série antes mesmo de ter a oportunidade de lê-la, quando eu soube em 2013 que a série era baseada, (rumores indicam, eu não achei nada oficial por parte da autora, inclusive se alguém tiver a confirmação, deixe nos comentários ok?!) no Avenged Sevenfold já gostei, já amei e com certeza vou colocar nos favoritos da vida! E se não for baseado na banda, eu assumo que sim, devido as características dos integrantes que ela descreve na história!



Mas vamos falar do livro, Myrna é psicóloga, professora de sexualidade humana e costuma usar as músicas da banda Sinners em suas aulas, para demonstrar a sensualidade masculina de acordo com os integrantes da banda, inclusive ela tem certeza de que Brian Sinclair, ou Mestre Sinclair como é conhecido nos palcos, guitarrista solo da banda, é dono do melhor e mais sexy riff de guitarra existente.

O que Myrna não contava era que, encontraria com a banda em um hotel, onde participava de uma conferência e que, teria a chance de conhecer mais intimamente o homem que povoa seus sonhos molhados. Bryan apesar de um roqueiro no estilo mais clássico da palavra, tem um sério problema, é um romântico incurável, está mais uma vez afundando suas mágoas na bebida quando a conhece, a professora careta que sabe mais sobre eles e sua banda do que ele próprio e, quando ela o convida para ir até seu quarto ele simplesmente não tem certeza se conseguirá sequer chegar até lá.

Quando ele decide ir seus amigos de banda: Sed, Trey, Eric e Jace, fazem uma aposta que ele não terá sucesso em encontrar seu quarto e muito menos de fazer qualquer coisa, que não seja desmaiar de tão bêbado e, eles se enganam totalmente. Quando ele chega ao quarto dela está tão bêbado que tudo o que ela faz é ajudá-lo a amenizar os efeitos do álcool, mas contando com sua pronta recuperação para o dia seguinte!

Depois de passarem alguns dias juntos, chega o dia da despedida, apesar de Brian pedir que ela fique, obviamente que ela não pode abandonar sua vida por causa de um caso com uma estrela do rock, que ainda por cima é mais novo que ela. Depois de amargar semanas de saudade, alternando estados de embriaguez com mau humor, Brian consegue o telefone dela e a convence a encontrar-se com ele para ficarem mais um tempo juntos.

Diante da possibilidade de ele ainda a querer por perto, Myrna decide que vai usar a bolsa de pesquisa que conseguiu, para avaliar o comportamento das fãs dos Sinners e passar mais algum tempo perto de Brian. Tudo está indo muito bem até que mais uma vez ela precisa voltar pra casa e para seu trabalho, mas seu passado aparece para cobrar seu preço. Nesse momento o livro perde o foco na banda e toma um caminho diferente, que empolga e nos mostra que roqueiros também amam e querem ser levados a sério (ok é ficção tá gente, lembrem-se disso risos).




Eu recomendo o livro totalmente, e sim ele com certeza não é indicado para menores de dezoito anos devido ao conteúdo explícito do texto. Inclusive a autora criou um site fictício da banda Sinners que vocês podem conhecer AQUI, a playlist oficial vocês conferem AQUI. Eu já assisti Synyster Gates (no caso, Mestre Sinclair, que por acaso também se chama Brian) fazendo solos ao vivo e é realmente a coisa mais linda, se tiverem a oportunidade confiram também!

site: http://www.notasliterarias.com/2018/07/resenha-acesso-ao-bastidores.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Maria.Helena 28/02/2018

Maravilhoso!!!
Este romance hot simplesmente roubou um pedaço do meu coração! Arrisco dizer que gosto tanto Qnt gosto da saga Crossfire! A história tem um enredo divertido e cativante ??
comentários(0)comente



Dandara 09/01/2018

Isso não é uma resenha
Como não amar um cara tão romântico ?
Estou suspirando aqui até agora!
Myrna minha filha tu uma puta sorte!
comentários(0)comente



Tamille.AnastAcia 30/12/2017

Maravilhoso
História bem objetiva que não enrola na trama...
comentários(0)comente



Vivi 22/12/2017

Bom...
Bom, muito sexo e loucuras do rock!!! Não é um grande livro, com uma super história, mas leria os demais da série, porém a editora não pretende publicar os demais. Motivo? Não explicaram quando questionei! Penso que quando uma editora compra o direito a uma série deveria se comprometer com a publicação dela completa.
comentários(0)comente



Taynara Lima / @limataynara 20/05/2017

Que livro louco é esse?
Odeio dar UMA estrela para livro, mas nesse foi necessário. O livro é muito ruim, personagens fracos, escrita pobre e por se tratar de um livro erótico, esperava cenas melhores. Não percam seu tempo, vagando por aí você vai encontrar algo muito melhor.
Glendanara 06/07/2018minha estante
undefined




ELB 20/03/2017

Every Little Book
Acesso aos Bastidores é um achado erótico que, apesar de conter muito, muito sexo (ménage incluso), consegue desenvolver uma boa trama e exibir uma excelente dinâmica entre os personagens, os respectivos membros da banda de rock The Sinners e a nova figura que acaba sendo adotada por essa família com excesso de testosterona, a personagem Myrna.

Myrna é uma doutora em sexualidade humana que está participando de uma conferência sobre o tema, no mesmo hotel em que a renomada banda está hospedada. O compositor e guitarrista principal da banda, Brian, também conhecido como “romântico incurável”, está no bar afogando as mágoas de uma desilusão amorosa quando conhece Myrna e imediatamente melhora de ânimo.

A partir do encontro, Brian e Myrna dividem vários momentos de muito sexo e consequentes composições musicais derivadas do ato. Myrna se torna a musa inspiradora de Brian e os dois não conseguem se desgrudar, literalmente.

A Doutora passa a acompanhar os músicos em vários shows e inicia um projeto de pesquisa sobre o fanatismo das groupies da banda, acabando assim por embarcar com os músicos na turnê.

Com o desenrolar do relacionamento sexual, vemos que Myrna enfrenta uma dificuldade enorme para aceitar que o que eles têm pode vir a se desenvolver. Os esqueletos no armário de Myrna batem de frente com a persistência de Brian, que o que mais deseja é compromisso sério. É, compromisso, como em casamento. Uma ida rápida a Las Vegas é cogitada várias vezes.

Brian fitou-a por mais um instante, contemplando sua expressão sincera. “Quer fugir para Las Vegas e se casar comigo?”





Quando falei que há muito sexo, o que quis dizer é que os pombinhos só dão intervalos para outras necessidades fisiológicas e compromissos profissionais inadiáveis. De vez em quando tem um ménage básico, com dois “instrumentos” disponíveis para a doutora gulosa, e sim, isso mesmo, Brian realmente escuta riffs de guitarra, entrando em transe bem na hora do ato.

“Ah, Myrna”, murmurou. “Acho que minha musa mora fundo dentro de você.”

Algumas coisas me incomodaram no livro, entre elas o Brian quase sempre acabar os relacionamentos depois que as namoradas o traem com um colega da banda e ele não ficar com tanta raiva do amigo fura-olho quanto fica das meninas. Ele é bem tapado nesse aspecto, não pensa e nem analisa o que realmente está acontecendo.

Outra coisa são as mudanças da Myrna. Uma hora ela é superousada e safadona, aí lhe vem uma voz do passado na mente nos melhores momentos para acabar com a festa. Daí então, ela fica toda insegura e com vergonha dos próprios desejos, o que mesmo sendo a realidade de muitas mulheres, cansa bastante a leitura e não condiz com a mulher decidida apresentada no primeiro capítulo.

A autora ainda mostra que existe um amor não correspondido entre dois músicos da banda, mas deixa o assunto inexplorado, já preparando terreno para as continuações, que infelizmente não têm publicação por aqui.

Achei interessante como ela é recebida e aceita pelos demais membros da banda, de uma forma tão natural e sem dramas desnecessários. Isso para quem sabe que mulheres sempre são acusadas, justamente ou não, de arruinarem bandas, dá um alívio enorme.

Sem falar do fato de ela ser sete anos mais velha que o mocinho, o que quase não se vê nesse gênero. Ponto para o livro.

Os dois têm uma química e sincronia fantásticas dentro e fora de quatro paredes, os diálogos são bem elaborados e a dose de comédia e romance acerta o alvo do leitor que deseja um livro com história e muita safadeza.

site: http://www.everylittlebook.com.br/2017/02/resenha-acesso-aos-bastidores-olivia.html
comentários(0)comente



Valquíria 19/03/2017

Uma história com um único cenário
Fui com muita espectativa para ler esse livro, pensei que leria rápido e ia adorar...Bem não aconteceu nada disso, a escritora enche muita linguiça e a leitura fica um tanto massante, o que é uma pena porque os personagens são muito bons, espero que no próximo ela melhore as histórias, e que não fique apenas dando voltas, voltas e voltas...
comentários(0)comente



Mayhara 02/03/2017

E o povo se assustou com 50 Tons de Cinza, é brincadeira de bebês perto desse, esse livro é perturbante!

Não gostei muito, não. Me senti desconfortável com certas situações.
comentários(0)comente



Carol 15/02/2017

Surpreendente!
Estou lendo,,,, e faltam apenas 50 pg, para encerrar e vejo que o início da trama n{ao agrada porque é realmente como as mulheres são tratadas por muitos homens (famosos ou não), não digo que concordo, pelo contrário, acredito que a mulher é livre para realizar as suas vontades... mas e aí se a vontade da Myrna era se entregar a luxuria de uma banda de rock? Quando se lê uma história, é como estar entre "quatro paredes", vale tudo.... Mas no livro, também achei que as cenas de sexo iniciais eram realmente fortes e fora do "meu" contexto, não se trata aqui de dizer se a mulher que gosta de um sexo a três é ou não "Puta" ou coisa do tipo..... São realidades diferentes..... imagina sei lá um cara famoso te pedindo algo indecente.... vc negaria? ou pensaria que "Já que não tenho chance, de romance, vou me entregar? Sei lá... mas se vc for persistente como eu vai perceber que "Sim" Brian se apaixona por ela, e quer um relacionamento... pode ser que seja diferente do mundo real e "comum", mas no fundo do erotismo muiiiiiiito hot do livro, o amor existe.... e o mais louco é que no inicio vc acha que todos são só pegadores, porcos, sem coração... kkk mas no fundo cada um deles tem vontade de ter uma "Myrna", claro cada um com as suas peculiaridades... mas não posso concordar e dizer que foi o pior livro que li... apenas incomum... principalmente as atitudes da mulher... que é super resolvida... hj termino e posto final
Maria.Helena 28/02/2018minha estante
Eu tbm amei o livro!!




50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4