Younger

Younger Pamela Redmond Satran




Resenhas - Younger


25 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Sammara 15/01/2021

Simplesmente Perfeito
Uma narrativa fluida em primeira pessoa, através dos olhos de Alice conhecemos tudo e todos os personagens.
Ela uma mulher recém separada, com uma filha de 20 anos que mora em outro Continente e que não tem pretensão de voltar, busca consolo em sua melhor amiga e confidente Maggie para ajudar la em tudo ... Eis que essa mesma amiga decide transforma lá, mudando sua cor de cabelo e suas roupas , na noite de Ano Novo e assim ela conhece Josh que se apaixona por ela e acredita que ela tem 29 anos, quando na verdade ela tem 44 anos. E então que Maggie a aconselha a se passar por essa idade e arrumar um emprego e assim ela volta a uma editora que trabalhou a 20 anos atrás quando ainda não era mãe. E assim se desdobra a narrativa.
comentários(0)comente



MiCandeloro 21/04/2015

Divertido e reflexivo!
Alice sempre foi uma mulher que colocou o bem estar dos outros em primeiro lugar. Quando criança, checava seus ursinhos de pelúcia para ver se estavam bem antes de brincar. Na adolescência, quando todos só pensavam em fazer festa e em parecer descolados, se voluntariou para empurrar a cadeira de rodas de uma menina deficiente para todos os lados. Quando engravidou de Diana, abdicou da sua carreira no mercado editorial e nunca voltou ao trabalho, mesmo depois da filha ter crescido. Sua vida resumiu-se a cuidar da casa, do marido e de Diana.

Agora, aos 44 anos, depois de um divórcio doloroso, da morte da mãe e da ausência da filha, que decidiu se mudar para a África, Alice queria recomeçar, mas se julgava muito velha para isso. Como teria sido se ela tivesse curtido a sua adolescência ao invés de se casar e engravidar, ou então priorizado uma carreira promissora ao invés ser mãe em tempo integral? Essas e outras diversas dúvidas permeavam a sua mente angustiada que não sabia o que fazer para seguir em frente.

"Só nós mesmas temos o poder de transformar nossos sonhos em realidade."

Era noite de ano novo, e Alice tinha um desejo: ela queria ser mais jovem e se reinventar como uma pessoa diferente. De acordo com Maggie, este era um desejo fácil de realizar. Tudo o que Alice precisava era de uma boa tintura de cabelo, uma maquiagem bem feita, roupas que lhe caíssem bem e certamente aparentaria ser mais jovem. Alguns minutos mais tarde, Alice simplesmente ficou embasbacada olhando para aquela loira linda, de 22 anos, no espelho à sua frente.

"A mulher no espelho parecia comigo, de alguma forma, mas era uma versão diferente de mim que nunca existira na vida real."

Agora só dependia de Alice ir atrás de todos os sonhos que deixou em suspenso. Restava saber se ela daria conta de sustentar as suas mentirinhas por muito tempo.

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Younger me conquistou primeiramente pela capa, para depois chamar a minha atenção com a sinopse, mas quando soube que tinha inspirado uma série de TV, fiquei louca para ler, porque parecia ser aquela típica história divertida e reflexiva com a qual eu iria me identificar.

Narrado em primeira pessoa por Alice, conhecemos os dramas de uma mulher adulta que se arrepende de ter se anulado por tanto tempo em detrimento de outras pessoas e circunstâncias e deseja, veementemente, recomeçar. Entretanto, Alice sente na pele os preconceitos sociais por ser estar na meia idade. Os jovens a julgam ultrapassada e incapaz de se habituar ao ritmo frenético dos dias de hoje. As empresas a consideram velha demais para reiniciar no mercado de trabalho numa posição subalterna, e os homens, bom, eles estão numa fase de quererem mulheres mais novas e cheias de vida. Nem a sua filha, Diana, a respeita. Para ela, Alice serve apenas para realizar todas as suas vontades, como uma escrava branca.

Por isso o seu desejo de ser mais jovem, porque Alice acredita piamente que sendo mais jovem, teria condições de recuperar tudo o que perdeu: seu emprego, o respeito das pessoas e o amor próprio. Quando Maggie, sua melhor amiga, decide fazer a transformação total em Alice, ela recebe a chance que tanto queria de se reinventar. Mas nem tudo é tão simples quanto parece. Alice se sente mal por mentir a sua idade para as outras pessoas, e como uma mentira leva à outra, quando percebe, está envolta numa vida que não lhe pertence, fingindo ser quem não é, e isso a deixa muito dividida.

Paralelamente à história de Alice, também conhecemos os dilemas enfrentados por Maggie, que também tem 44 anos, é lésbica, uma artista fenomenal e, depois de tanto tempo, decidiu que quer ter um filho. Alice primeiramente se choca com a ideia, afinal, Maggie nunca teve instinto materno e, erroneamente, faz com a amiga o que detesta que façam com ela, diz para Maggie que ela já está muito velha para ter filhos. Mas, Maggie não desiste de sua ideia e batalha para conquistar o seu desejo de ser mãe, contrariando a natureza e tudo o que podem pensar dela.

Na cabeça de Maggie, ela pode muito bem continuar trabalhando e cuidando do filho, algo que Alice não conseguiu fazer e, com isso, a autora nos suscita questionamentos sobre o que deve ser mais importante para uma mulher: as suas realizações pessoais ou profissionais, cuidar dos filhos ou da carreira? É possível ser boa em ambos? Como equilibrar as obrigações para que, lá na frente, a gente não se arrependa das decisões que tomamos e não nos sintamos decepcionadas com a vida que levamos?

"Uma das coisas mais inteligentes que alguém já me disse — contei para Maggie — é que antes de ter filhos, você tenta compreender como vai encaixá-los em sua vida. E quando o bebê chega, você tenta compreender como irá encaixar sua vida na dele."

Younger traz em sua premissa discussões muito interessantes que certamente irão interessar as mulheres mais velhas, afinal, depois de muitos aniversários, sei que a idade pesa para alguns, principalmente num mundo tão preconceituoso no qual vivemos, que rapidamente descarta a força de trabalho dos mais maduros e impõe ditaduras de beleza que ficam difíceis de seguir por quem é mais velho. Assim, a competição entre as gerações se torna completamente desleal.

Apesar de ter gostado da obra, não consegui dar uma nota máxima pelo fato de ter me irritado diversas vezes com a protagonista. A postura imatura de Alice, suas milhares de indecisões e sua falta de posicionamento na vida fez com que me parecesse estar lendo um livro jovem adulto e presenciando dramas adolescentes, e não uma história de uma mulher adulta e experiente.

Younger veio para nos lembrar que não devemos julgar uma pessoa tendo como referência apenas a sua idade. Todos podem nos surpreender e amadurecer a qualquer hora.

"E então, me tornando mais jovem, eu tinha, de alguma forma, amadurecido. Eu me tornara o meu real eu adulto."

Para quem tem interesse em assistir ao seriado, saibam que ele estreou dia 31 de março, vai ter 12 episódios e está sendo transmitido pela TV Land. Estou louca para assistir, porque acredito que essa trama tem grandes potenciais para ser adaptado para a TV e deve nos render boas risadas. Assistam ao trailer abaixo.

site: http://www.recantodami.com/
comentários(0)comente



Cinderelas Literárias 05/05/2016

Comentários da Mari
Gostei deste livro um dia que passeava na Livraria, mas como toda boa leitora, a lista de leituras era tão grande que só agora fui lê-lo. Travei um pouco aos constatar que a protagonista tinha 44 anos, e tinha que refazer sua vida após um casamento desfeito. Achei ela uma velhaaaaaa!!! (Eu tenho 43 anos, mas não sou velha, sou????) Ai Meu Deus, ela tinha pensamentos ridículos… ( E eu?, também era assim???) Mas a personagem vai crescendo, amadurecendo, se descobrindo, realizando o que é importante para ela. E assim a gente vai pensando na própria vida, na nossa idade, no que a gente ainda sonha. Gosto de livros assim, que mexem conosco e nos fazem pensar. Afinal, não importa a idade, ser jovem é um estado de espírito. Dou 4,5!

site: www.cinderelasliterarias.com
comentários(0)comente



Josy de Paulo 22/09/2020

Lembro que assisti o piloto da série quando saiu e achei legal. Não sabia que era baseado em um livro.
Achei a leitura bem gostosinha. Só esperava um desfecho diferente como crush.
comentários(0)comente



La Oliphant 08/05/2015

Você vai se divertir com esse livro
Eu já esperava achar Younger um livro ao menos divertido de se ler, mas confesso que depois dessa leitura eu fiquei simplesmente apaixonada pela Pamela Redmond. Younger não é apenas um Chick-Lit que você vai desejar muito ter na sua estante, mas um livro que também te faz pensar sobre as coisas que você está deixando de fazer seja por medo ou insegurança. E podem acreditar quando eu digo que essa é a sua próxima ressaca literária.

site: http://laoliphant.com.br/resenhas/younger
Daiane Lima 04/09/2016minha estante
Super ansiosa pra ler! ?




TGN 23/02/2020

Resenha escrita por Glauber Oliveira

Com uma proposta de enredo diferente e uma protagonista envolventemente “humana” (uso esse termo para exaltar a simplicidade de criação da personagem), Pamela Redmond Satran nos traz em 'Younger' reflexões e lições para leitores de todas as idades diante do olhar de uma mãe de 44 anos.

'Younger' retrata os acontecimentos da vida de Alice, uma ex-dona de casa de Nova Jersey de 44 anos, que depois de sua separação e a partida de sua filha, Diana, para fazer um intercâmbio na África, não sabe bem que rumos tomar. Para ela, que nos últimos vinte anos, só exerceu a função de esposa e mãe, é uma mudança drástica. Porém, com a separação e a distância da filha, a ex-dona de casa tenta voltar ao mercado de trabalho, mas devido a sua idade, as pessoas não a contratam.

Meses depois de sua separação, em uma noite de Ano Novo em Nova York, Alice acompanhada de sua amiga artista e lésbica (e muito sábia, em minha opinião), Maggie, acaba indo parar no consultório de Madame Aurora e revelando um desejo bastante inusitado: ser mais jovem. Após esse episódio, Maggie decide abrir os olhos de Alice para a sua aparência a fazendo perceber que com algumas mudanças no guarda-roupa, ela conseguiria se passar por uma mulher com menos de 30 anos com facilidade. O primeiro teste desta experiência é feito ainda na noite de Ano Novo, quando Maggie e Alice vão para um bar, onde Alice flerta com um jovem design de games, Josh, que acaba se encantando pela “jovem” e misteriosa mulher que lhe dá o primeiro beijo do ano. Depois de ter a prova que consegue se passar por uma mulher mais jovem, ela volta a procurar emprego e acaba conseguindo a vaga de assistente de Teri Jordan, diretora de marketing da Editora Gentility.

No entanto, todos acreditam que Alice é uma jovem recém-graduada de 29 anos com pouco conteúdo, fazendo com que ela passe a ter que agir como uma jovem garota, porém, por quanto tempo ela vai conseguir manter essa mentira? E quando sua filha voltar da África? Como ela vai explicar para todos que tem uma filha de 22 anos, enquanto todos acreditam que ela tem 29?

Diante de todas essas perguntas sobre o enredo, eu me encontrei maravilhado com as lições que 'Younger' traz para pessoas de todas as idades. Na verdade, a obra de Satran tenta nos mostrar que não há idade para começar, recomeçar, ou até mesmo desistir. Independente do momento cronológico, as mudanças devem ser sempre bem recebidas em nossas vidas, pois a mudança é necessária.

O livro é narrado em primeira pessoa, onde a personagem principal, a Alice, é um ser que transita no universo juvenil com o olhar crítico de mãe. Esse diálogo entre dois mundos/tempos torna a protagonista tão interessante e tão envolvente, pois, percebemos que ela, no início, se prende muito por ser uma ex-dona de casa cheia de pudor, porém, quando começa a se soltar e se permitir, ela acaba fazendo isso demais. A humanidade nos erros da Alice é tão próxima do nosso dia-dia, pois, às vezes pecamos pelo excesso, entretanto, em alguns momentos pecamos pela falta. Tal coisa é tão real na constituição da personagem, pois ela comete erros (como mãe e como jovem de 29 anos) por ambos os motivos (falta e excesso), fazendo com que nós nos aproximemos de sua essência e nos identifiquemos com os seus problemas.

Além disso, relação de Alice com todos os personagens, nos permite que consigamos identificar as diversas facetas que a protagonista possui durante o enredo. Diana, a filha de dela, nos mostra o lado mãe que tenta libertar o filho de suas garras superprotetoras para viver no mundo, por mais que tenha aquele aperto no coração. Lindsay, colega de trabalho, nos mostra uma versão mais jovem da protagonista, permitindo esse diálogo da ex-dona de casa com a sua juventude. Teri, a chefe de, evidencia o sonho do passado da protagonista de trabalhar e conseguir criar os filhos. Josh, o namorado/paquera/”peguete”, nos evidencia o que foi a relação de Alice com o seu ex-marido, os sentimentos dela pelo pai da filha e como ela tem medo de se envolver novamente com alguém. E por fim, Maggie, uma das personagens mais sábias de todo o livro, que parece ter uma visão clara de tudo sempre ajudando Alice com conselhos pontuais (A Verdade Verdadeira), pois, em toda a narrativa Maggie funciona como “a consciência” da personagem sempre tentando manter ela nos eixos.

Todos esses personagens, mesmo, aparentemente, servindo apenas para retratar símbolos da vida da protagonista, possuem a mesma característica humana dela. Na obra de Satran, você não encontra estereótipos de personagens, como: a melhor amiga escudeira, o homem perfeito par romântico da protagonista, a chefe malvada e sem coração, entre outros. Os personagens possuem grande dose de realidade em sua essência, o que torna o enredo com poucas reviravoltas drásticas, porém, o livro é algo instigante de se ler. A narrativa “adolescente” sob a perspectiva de uma mulher de 44 anos é algo que traz para a trama um jeito inovador e diferente de descrever as coisas, pois, em uma única personagem nós temos a “mãe” e a “adolescente” (tal característica da narrativa e do enredo me atraiu bastante).

Sobre a parte material do livro, a capa é interessante, porém, considero um tanto infantil (por mais que seu objetivo seja parecer irônica e reforçar um caráter cômico). A revisão e edição do livro são muito boas, não consegui identificar problemas nesses âmbitos, e a diagramação das páginas segue o padrão comum dos livros, não deixando a desejar.

Minha avaliação do livro será cinco estrelas, pois a obra me trouxe algumas reflexões importantes e aprendi bastante com a Alice em suas aventuras como uma mulher de 29 anos. Indico o livro, principalmente para pessoas que estejam passando por mudanças em suas vidas, pois o enredo do livro lhe carrega durante toda a história lhe trazendo algumas lições e frases de efeitos (que me fez lembrar o livro durante outras atividades de meu dia). Considero 'Younger' ótimo para quem quer refletir sobre a vida e suas mudanças.

site: https://territoriogeeknerd.blogspot.com/
comentários(0)comente



Marcos 30/04/2015

Alice é uma mulher de 44 anos recém saída de um casamento que durou anos e que tem uma filha que já está prestes a entrar na faculdade. Ela cursou Letras e foi demitida há alguns anos da editora em que trabalhava passando a se dedicar somente à sua família. Numa noite de réveillon, sua melhor amiga Maggie, uma artista plástica, resolve lhe ajudar a mudar de vida e lhe dá um banho de loja, com roupas novas, novo cabelo e uma maquiagem impecável. Dali elas partem para um pub em que Alice conhecerá Josh, um jovem de 25 anos que não imagina a sua idade real e acredita que ela tenha apenas 29 anos, no máximo.

Com isso, Alice se sente mais confiante e resolve mandar seu currículo para a editora que a demitiu. Logo ela conquista a vaga, sempre mentindo a sua real idade. Porém, sua chefe é uma megera que a atribui tarefas impossíveis e rouba as suas principais ideias sobre o mercado editorial. Como se desenrolará a história de Alice? Por quanto tempo ela conseguirá mentir sobre sua idade para Josh e para o seu atual emprego?

Younger é um chick-lit com pequenos doses de drama e romance, que aborda temáticas de diferença de idade, autoconfiança e superação.

A leitura do livro é rápida. A autora tem uma narrativa muito ágil e, por isso, o texto tem uma forte fluidez. As cenas se passam rapidamente, com resoluções rápidas e concisas. A pequena quantidade de personagens faz com que o desenvolvimento da história seja focado em poucos desdobramentos, o que faz com que o livro seja mais linear, sem grandes meandros. Acredito que essa foi uma das falhas principais do livro, uma vez que alguns personagens, sobretudo Maggie, mereciam um destaque maior.

O enredo é repleto de clichês e de plots repetidos de outros livros do gênero. A história de Alice com a sua chefe durona é extremamente parecida com a de Andy e Miranda em O Diabo Veste Prada. Algumas cenas tomam as mesmas proporções e apresentam os mesmos resultados. A finalização da maioria das situações da narrativa é falha e superficial. Alguns finais são fáceis demais, claramente usados apenas para encerrar a história, sem bons desdobramentos que lhes eram cabíveis. Falta verossimilhança em várias cenas do livro, o que me deixou um pouco decepcionado com a história.

No mais, Younger é um livro para quem gosta de leituras do gênero. Não comece a leitura esperando algo inovador ou um roteiro com bons plots. Apenas uma leitura para passar o tempo, sem grandes propósitos.

site: http://www.capaetitulo.com.br/2015/04/resenha-younger-de-pamela-redmond-satran.html
comentários(0)comente



Fernanda 08/05/2015

Resenha: Younger
CONFIRA A RESENHA NO BLOG:

site: http://www.segredosemlivros.com/2015/05/resenha-younger-pamela-redmond-satran.html
comentários(0)comente



Izabela 22/05/2015

Quando eu solicitei esse livro para a editora nem esperava muita coisa, escolhi pela sinopse (e pelo fato de que todo mundo fala bem da série que surgiu por conta do livro) e coloquei na fé, mas o fato é que eu amei cada página e fiquei muito feliz por tê-lo escolhido. Não é a toa que o livro levou cinco lindas estrelinhas lá no meu skoob. A autora me lembrou muito a escrita da Sophie Kinsella, a única diferença, na minha opinião, é que os livros da Sophie se passam em Londres (os que já li, pelo menos) e esse livro se passa em New York. O livro é um chick-lit completo e muito gostoso de ler. Quando você começa não quer parar, porque quer, de verdade, saber como a bagunça toda da personagem principal vai terminar. Como disse, é um chick-lit, ou seja, algumas cenas não são indicadas para menores (mas não tem nada tão forte assim). Um livro leve, doce, divertido e que nos lembra o tempo todo que idade é apenas um número, o que importa mesmo é o que somos.

Alice é uma mulher de 44 anos que dedicou grande parte da sua vida à sua família. Quando era mais nova ela até tinha o emprego dos sonhos, em uma editora, mas largou tudo quando descobriu que iria ser mãe. Seu marido era o amor de sua vida e sua filha, Diana, era a melhor coisa de sua vida. Tudo ia muito bem, obrigada, até que do nada tudo mudou. O marido a trocou por uma mulher mais nova e a filha decidiu largar a faculdade e fazer trabalho voluntário na África. Era a hora certa de Alice voltar ao mundo dos negócios literários, só que não. Ninguém queria contratar uma mulher de mais de quarenta anos que tinha passado os últimos vinte anos como dona de casa. É aí que ela percebe que tudo seria bem mais fácil se ela fosse mais nova. É isso! Ser mais nova é a resposta. Com a ajuda de sua melhor amiga, Maggie, ela muda radicalmente o visual e até mesmo o modo como fala. Com as partes certas do corpo recebendo atenção e detalhes da roupa, um penteado da moda e algumas gírias, Alice agora estava com seus vinte e poucos anos de volta. Era hora de voltar a viver, afinal, o que poderia dar errado?

"Senti que isso poderia ser verdade." - Página 40

Coisas importantes primeiro, um emprego, é claro. O que ela não esperava era que conheceria, logo na noite de ano novo novaiorquina, um garoto (com quase a metade da idade dela) que era a definição de 'pedaço de mal caminho'. Ela não queria um relacionamento, afinal tinha ficado presa à um por muito tempo, mas Josh era tudo que ela sempre quis e até mesmo um pouco mais e, para completar, ele podia jurar que ela aparentava ter 29 anos, ou seja, o cara ideal. Ok, um par romântico pode ser riscado da lista. Faltava o emprego, ou melhor, o emprego dos sonhos. Sim, aquele mesmo que ela tinha antes de virar mãe. Essa era sua meta de ouro. Alice agora era jovem de novo, mas, ao mesmo tempo, vivia uma vida de mentira. Será que vale a pena criar toda uma vida diferente para ter um emprego novo e um carinha bonitinho? Entre muitas trapalhadas Alice vai mostrando, e provando, que a idade é realmente apenas um número, mas que a mentira é sempre uma mentira.

"Como vai se tornar uma pessoa inteiramente nova se continuar agindo como a antiga você?" - Página 108

Alice é uma piada. Ela é uma mãezona do subúrbio que tenta se passar por uma jovem mulher descolada, ou seja, receita certa para boas risadas. O mesmo serve para sua melhor amiga, Maggie, uma artista maluca com o sonho de ser mãe. Todos os personagens me renderam risada em algum momento e isso é sempre muito bom em um livro, mas vale lembrar que Josh (amo esse nome) também rendeu muitos suspiros. Não espere uma história muito profunda com todos os segredos e revelações de uma vida, mas pode se jogar (com vontade) se estiver procurando um livro para relaxar e aproveitar. Como disse no começo, o livro tem uma pegada de Kinsella, o que é ótimo.

Gastei vários post-its e fiquei maluca para ver a série que saiu do livro. Ah, achei divertido (e acho digno comentar) que o livro foi publicado nos EUA em 2005, mas pode ser lido como um livro de 2015 sem nem perceber, rs. Só descobri isso porque tenho a mania de ler os detalhes do livro lá no começo, porque, sério, esse livro é atemporal (ok, menos quando fala que Sexy and the City está bombando no momento, rs). Acho que todo mundo devia ler esse livro em algum momento da vida. É realmente bom parar lembrar que nós temos uma idade, realmente, mas que para ser jovem basta querer. Você não precisa se prender às regras da sua idade, você é livre para ser feliz como quer. Fica a dica.

site: http://www.brincandodeescritora.com/
comentários(0)comente



Cathi 28/05/2015

Younger - Pamela Redmond Satran
Alice é uma mulher que tem 44 anos, mas nunca aparentou ter essa idade, sempre pareceu mais do jovem do que é. No momento, está "morando" com sua melhor amiga, Maggie. Alice não teve um dos melhores anos, afinal, seu marido a largou, a filha viajou para longe e muitos outros acontecimentos a deixaram desanimada, sem contar que está desempregada a muito tempo por ter escolhido ser dona de casa e cuidar da filha.
Na noite de ano novo, Maggie convence a deixar Alice arruma-la e transforma-la em uma mulher bonita e atraente (ainda mais do que é), assim Alice não aparenta mais que quase trinta anos, então, ela acaba conhecendo Josh, um homem que com certeza é bem mais novo que mas que desperta uma certa curiosidade por ser lindo e misterioso.

Depois dessa noite, Alice decide voltar ao seu antigo emprego, faz uma entrevista e acaba conseguindo, ninguém pergunta sua idade nem a reconhece, então, ela não fala nada também e assim o que era uma pequena mentirinha passa a se transformar numa bola de neve.

O livro é narrado em primeira pessoa de uma forma bem descontraída, confesso que no começo não estava tão empolgada com a leitura, pois estava viajando mas logo peguei o ritmo e consegui termina-lo em uma madrugada pois certas coisas foram acontecendo e eu ficava cada vez mais ansiosa para chegar ao fim e descobrir todo o desfecho da história.

Eu gostei muito dos personagens do livro, principalmente Maggie e Alice, são amigas bem unidas e as duas possuem uma personalidades engraçada, claro que uma é diferente da outra mas ao mesmo tempo, são parecidas e elas conseguiram me cativar bastante. Porém, senti falta de destaque do Josh, ele poderia ter sido mais construído, não conseguiu me cativar tanto pela falta de adereços de sua personalidade. A filha de Alice também poderia ter sido mais envolvida na história, ela foi aparecer de verdade nas últimas páginas e antes o leitor mal sabe quem ela é, pois aparece apenas em certas ligações que faz a mãe.

Foi um livro muito gostoso e tranquilo sem grande premissa, adorável para passar o tempo, recomendo bastante para quem quer algo bem leve, pois não é legal criar tanta expectativa. Dá sim para tirar algumas mensagens do livro, mas nada demais que vá mudar sua vida.

site: http://realityofbooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-younger-pamela-redmond-satran.html
comentários(0)comente



Crislaine 24/02/2021

gostei bastante
Li o livro porque acompanho a série, é bem diferente sim, achei corrido, mas ok. Apesar de não deixar claro algumas coisas, gostei do final.
comentários(0)comente



Nina 13/06/2015

Younger - Pamela Redmond Satran
Quem me conhece sabe o quanto eu amo chick-lit e não consigo resistir a eles. Adoro as capas fofas, as personagens malucas e as confusões que elas se metem, e principalmente, amo o romance. Então, fica fácil entender porque Younger pulou na fila de espera e foi praticamente devorado essa semana.

Achei incrível a proposta desse livro,uma mulher de 44 anos que consegue passar por 29 e que por isso consegue “consertar” sua vida. Alice estava completamente desorientada, o marido a deixou, a filha foi morar na África e ela se viu sozinha em sua casa em Nova Jersey. Por causa de sua idade e do tempo que ficou afastada do trabalho, nenhuma editora lhe dá emprego e ela começa a acreditar que não vai conseguir reconstruir sua vida. Até sua melhor amiga repaginar seu visual e convencê-la de que pode fingir ter menos idade do que realmente tem. Com seu novo visual, Alice consegue um emprego na revista, faz novos amigos e atrai o interesse de Josh, o problema é até quando ela poderá manter sua farsa?

Eu achei que esse livro tinha tudo para dar certo, afinal esse enredo é incrível, mas infelizmente não foi bem assim. Alice, apesar de já ter 44 anos, consegue ser bem imatura às vezes e não sabe aproveitar a oportunidade que teve. Ela é assombrada pela sua idade e fala nisso o tempo todo, é como se ela não se conformasse em ter quarenta anos. Imaginei que em algum momento ela fosse relaxar a curtir, mas isso não acontece, pois o tempo todo ela está se atormentando. De certo modo, ela mesma cria os fantasmas que precisa enfrentar.

No mais o livro é muito divertido. Josh é muito fofo, ele se apaixona completamente por Alice e não tem receio de demonstrar seus sentimentos. Os personagens são ótimos e muito bem trabalhados, e eles trazem mais movimento para a história, pois cada um deles traz um drama próprio. A narrativa leve e divertida foi o ponto mais forte do livro, afinal a autora poderia ter escrito algo muito depressivo ou escrachado demais ao representar uma mulher com os problemas de Alice, mas ela conseguiu unir melancolia e bom humor na medida certa. Além disso o livro traz críticas ótimas sobre conflitos de geração e a relação trabalho/maternidade.

Younger foi adaptado para um série de TV, com ninguém menos do que Darren Star como produtor (o mesmo de Melrose Place, Barrados no Baile e Sex and The City), e tem no elenco Sutton Foster e Hillary Duff. Até agora foram exibidos 12 episódios e a segunda temporada já foi confirmada. Eu não assisti, mas pelo que vi no Youtube parece ser bem parecida com o livro, tirando a troca de alguns nomes.

Enfim, o livro é uma delícia de ler e imagino que muita gente vá gostar, eu teria amado não fosse a lamúria excessiva de Alice. Recomendo para quem procura um chick-lit leve e despretencioso.

site: http://www.quemlesabeporque.com/2015/06/younger-pamela-redmond-satran.html#.VXzpHc9Viko
comentários(0)comente



Iris Figueiredo 26/09/2016

Inferior à série de TV
“Younger” é o livro que inspirou a série de TV de mesmo nome com Hilary Duff, uma das minhas favoritas. O livro é bem diferente da série, mas também é uma história divertida de acompanhar – embora dessa vez eu precise assumir que achei a adaptação melhor que o original.

Alice acabou de se separar do marido e sua filha está fazendo intercâmbio. Sua vida saiu completamente dos trilhos e ela não consegue um emprego de jeito nenhum. Seu sonho era voltar a trabalhar no mercado editorial, mas parece que todo mundo só quer contratar recém-formadas com roupas descoladas e cortes de cabelo diferentes. Na véspera do ano-novo, sua melhor amiga faz uma mudança em seu visual. Maggie tinge os fios brancos de Alice, muda um pouquinho seu jeito de se vestir e, durante uma noitada em um bar em Nova York, ela descobre que seu novo visual a deixa mais jovem.

Depois de mentir a idade para um garoto que poderia ser seu filho e ele acreditar, Alice resolve mergulhar naquela loucura. Muda algumas informações, omite outras e consegue um emprego em uma editora, onde todo mundo acha que ela é bem mais jovem do que realmente é. Claro que isso não vai dar certo!

A narrativa é bem divertida e fácil de se envolver. Uma das coisas que eu mais gosto na série de TV é a rotina do mercado editorial, que é bem próxima da realidade, mas no livro senti falta disso. Claro que falta espaço para explorar esse lado, pois o foco são os problemas da Alice. A certa altura acabei ficando um pouco cansada, mas talvez por esperar algo um pouco diferente quando comecei a ler.

É um chick-lit bem escrito e rápido de ler. As personagens e os conflitos são bem distantes da nossa realidade, mas ainda assim é uma leitura agradável. Senti que deixou um pouco a desejar, mas a trajetória até a resolução do conflito foi uma boa distração.

site: http://irisfigueiredo.com.br
comentários(0)comente



Mad28 31/12/2016

3/5*

"Fiquei bastante relutante em começar este livro pelo simples facto de que aqui acontece um romance entre personagens de idades muito diferentes e, se fosse mal explorado, eu iria detestar. No entanto, surpreendi-me bastante pela positiva pela forma como a autora explora esta questão. E foi exatamente a escrita da autora que eu mais gostei no livro, sendo que era tão direta e fluída que ação parecia quase que verídica, apesar de que a idade da protagonistas acaba por deixar uma pessoa de pé atrás relativamente a se esta transformação iria realmente resultar, o que só complicou ainda mais quando algumas personagens começaram a parecer irreais.
Em geral, a história em si é bastante esperada mas o final está muito bem feito.
Não é propriamente um dos melhores livros de sempre mas é um bom livro para quem quer um romance e passar um bom tempo. Vou ver a série, apesar de que não sei como é que eles conseguiram fazer tantos episódios tendo em conta que o livro tem apenas perto de 300 páginas. Em geral, recomendo sim."

Opinião completa em baixo

site: http://presa-nas-palavras.blogspot.com/2016/12/younger-mais-uma-oportunidade-opiniao.html
comentários(0)comente



Felippe.Paiiva 27/02/2017

...
O livro conta a história de Alice, uma dona de casa, em que aos 44 anos se vê obrigada à procurar emprego, pois seu marido pediu divórcio, e agora ela tem que trabalhar para se sustentar.
Alice não trabalha a mais ou menos 20 anos, pois teve que largar o emprego por causa da gravidez, que era de risco, e depois de ter o bebê, Diana, continuou nessa vida pacata de dona de casa, cuidando da casa e da filha.
Depois do divórcio, Alice passa por um ano bem depressivo, procurando emprego, mas não consegue por ser 'muito velha', e além de tudo sua filha Diana, resolve viajar por um ano.
Mas tudo na vida de Alice muda, na noite de Ano Novo, ela e sua amiga Maggie estão passando na frente de uma vidente, Alice resolve entrar, lá ela é confrontada pela mulher, que a pergunta o que ela mais quer na vida, e pensando muito Alice responde que queria ser jovem de novo, com isso Maggie, tem a idéia de transformar a amiga, a deixando mais jovem.
E ela consegue, então elas resolvem sair para passar a noite de réveillon em uma bar. Neste bar, Alice conhece um jovem chamado Josh, que a confunde com uma moça nova.
Ela e Maggie vêem que a transformação deu certo, e Alice aparenta ser nova. Então Maggie a convence de procurar emprego desse jeito, fingindo ser mais nova, e ela consegue!!!
Alice então começa a trabalhar em sua antiga editora, o que é bem surreal, pois no ano passado ela não só tinha ido procurar emprego lá, mas tinha ido duas vezes!
No 'novo' emprego, Alice da pior maneira percebe a realidade, sua chefe Teri, é uma megera, e não vai deixar a empregada se dar bem com suas idéias para a situação da editora melhorar em vendas.
A editora está passando por problemas financeiros, e por isso Ali propõem uma nova linha com os clássicos da editora - Novas capas, apresentações de escritoras novas sobre os clássicos - para chamar a atenção de novas leitoras. Será que esse plano vai dar certo?!
Enquanto Ali segue com a vida trabalhando no departamento de marketing na editora Gentility Press, resolve se jogar no romance com Josh.
E também tenta conciliar isso tudo, com sua verdadeira vida.

Apesar do romance ser centrado em Alice, temos muitos personagens de apoio, como Maggie, a melhor amiga dela que é uma artista lésbica e a ajuda muito. Maggie sempre viveu uma vida sozinha, namorando um monte de garotas e não querendo firmar uma família, mas do nada ela percebeu que quer ser mãe, Ali tinha a inspirado muito nessa decisão, e é interessante acompanhar a história dela tentando ser mãe através de uma adoção ou inseminação.
Temos Josh, que é o carinha que ela conhece no ano novo e vira o ficante dela e é um amor de pessoa.
Temos Lindsay que é a primeira amiga de trabalho que ela conhece. Essa personagem teve um começo bem chato, ela é típica garota submissa, com um macho meia boca, que faz tudo o que ele quer, mas felizmente, ela com o tempo tem uma bela evolução.
Temos Diana, filha de Alice, que é um pouco chata no começo não dando valor a mãe que tem, mas no final do livro se mostra uma pessoa boa.
E todos esses personagens são maravilhosos.
Mas como sempre nem tudo é um mar de rosas, em contra partida com os personagens bons, temos Thad, namorado de Lindsay, um rapaz mimado e controlador e Teri, a chefe mandona e muito sacana de Ali.

O livro é uma leitura muito boa, leve, e fácil de ser lido, o livro é bem pequeno e dá para lermos em um dia mesmo – o que fiz. A escrita é em primeira pessoa, do ponto de vista da Alice.
Apesar do livro ser meio bobo, e conter muitas coisas surreais demais no meu ponto de vista, o mesmo também aborta MUITOS temas sérios e legais de se discutir, como o tema centra, a senhorita dona de casa, que tenta voltar ao mercado de trabalho depois de muito tempo e não consegue um emprego por ser velha demais, e se vê obrigada a mentir – não sei se eu conseguiria mentir, e você se passasse pelo mesmo que Alice, faria o mesmo que ela?!
O livro também aborta outros temas, como a gravidez/vontade de ser mãe quando é bem difícil ser através da personagem de Maggie. Fora o fato de Maggie ser lésbica e solteira, o que poderia dificultar uma adoção.
E através de Lindsay, uma garota que no começo vive uma vida a favor de um namorado lixo e que não se importa com ela, aborta o tema de uma mulher submissa e que vive só pela vontade desse mesmo namorado lixo e não se importa para ela.
Também temos como temas, o conflito entre gerações, o conflito entre mulheres jovens e mais ‘velhas’ no ambiente de trabalho, e isso tudo de uma forma sutil.
...

site: Resenha no blog http://livroslapiseafins.blogspot.com.br/2017/02/terminei-de-ler-younger.html#more
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2