Para Todos os Garotos que Já Amei

Para Todos os Garotos que Já Amei Jenny Han


Compartilhe


Resenhas - Para Todos Os Garotos Que Já Amei


497 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Jana 02/05/2015

Sabe aqueles livros despretensiosos, como uma história bem simples com cara de clichê? "Para Todos os Garotos que Já Amei" é exatamente assim, mas para minha surpresa eu me vi completamente ligada aos personagens e por mais água com açúcar que a história seja, me apaixonei.

Lara Jean tem dezesseis anos e vive com as duas irmãs (uma mais velha e uma mais nova) e o pai, que faz de tudo para que as filhas não sofram tanto com a falta da mãe que faleceu alguns anos antes. A irmã mais velha, Margot é quem cuida da casa e da família. Quando ela vai pra uma faculdade na Escócia a tarefa passa ser de Lara Jean.

Enquanto a jovem tenta se adaptar com a falta da irmã e com as novas responsabilidades, sua vida amorosa que até então era quase nula, dá uma reviravolta. Acontece que Lara Jean sempre teve um hábito: ela escreve cartas de amor para os garotos por quem ela se apaixona. São cartas em que ela conta tudo o que sente, mas ela não as entrega. Guarda todas em uma caixa no seu quarto. É escrevendo essas cartas que Lara Jean consegue superar seus sentimentos.

Misteriosamente essas cartas são enviadas aos seus destinatários, e alguns garotos começam a procurar Lara Jean para uma explicação. Dentre os remetentes está Josh, o ex-namorado de Margot! Tentando se livrar da encrenca e pra mostrar que as cartas fazem parte de um passado distante, Lara Jean inventa uma relação com um garoto da escola, que por sinal também recebeu uma carta.

A história é bem fofinha. Acho que o me deixou tão ligada ao livro foram os personagens, que são ótimos. Lara Jean é bem ingênua ás vezes, mas ela é engraçada e muito romântica. O livro não foca só na vida romântica da jovem, dá pra perceber que a autora quis mostrar também a relação familiar. Sempre temos aqueles altos e baixos com as nossas famílias e vemos isso no decorrer da leitura. O texto de Jenny Han é muito leve e rápido.

O final do livro me deixou maravilhada. Apesar de toda a história ter aquele ar de "já vi isso antes" no fim Jenny Han deu um grito de originalidade.

site: www.aquelaborralheira.com.br
Nina 04/05/2015minha estante
este seu texto foi o que me deu a vontade de ler o livro :)


Neyla 08/05/2015minha estante
Onde você comprou/leu o livro?


MaAsa.Melo 09/05/2015minha estante
Nossa que vontade de ler esse livro agora :), obrigada pela boa
a dica


Kathleen.Rodrigues 14/07/2015minha estante
Já estava louca para ler e possuir este livro que é a minha cara..kkkk..
Agora depois desta resenha o desejoo maisss!!!


Luciana 15/08/2015minha estante
Humm a personalidade da Margot me intriga, mesmo com o que ela diz no final do livro, que tem que ser forte. Toda reprimida, com auto-cobranças, que tem que ser certinha... Acho que combina muito mais com o Josh do que a Lara Jean! Confesso que cheguei a pensar que ela tinha enviado as cartas antes de ir para a Escócia só pra ver o rolo que ia dar kkkk.


Mia Fernandes 18/01/2016minha estante
Sua resenha me chamou atenção para o livro :D


Mariele 27/02/2016minha estante
Comecei a ler e pensei: 'Nossa que história mais clichê!', mas não consegui me desapegar do livro nem por um segundo. :P É bem o que falou mesmo, história leve e envolvente...
Tomara que na continuação tenha as cartas que não apareceram nessa. Fiquei curiosa pra ler a carta do Josh.


Himory 12/09/2018minha estante
Ouvi falar desse livro, mas não me parece algo que eu iria gostar... se algum dia eu chegar a lê-lo com certeza vai se porque também faço isso, de escrever cartas pra quem eu gosto e guardar, então fico um pouco curioso com a motivo da personagem fazer isso.




Queria Estar Lendo 28/10/2015

Resenha: Para Todos os Garotos que Já Amei
Lara Jean se apaixonou cinco vezes em sua vida. Nessas cinco vezes, ela nunca teve o amor correspondido. Por isso, para se livrar dos sentimentos, ela escreveu cartas para esses cinco garotos, endereçou-as, mas nunca as mandou. Expressar seus amores por meio das palavras ajudava Lara Jean a deixar de senti-los, e estava tudo bem para ela, tudo sob controle. Até que, um dia, as cartas somem, e ela descobre que cada um dos cinco garotos por quem se apaixonou receberam elas; suas maiores preocupações, no entanto, são dois deles: o ex-namorado da sua irmã e um mauricinho bonitão do colégio.

"Não são cartas de amor no sentido mais escrito da palavra. Minhas cartas são de quando não quero mais estar apaixonada. São cartas de despedida. Porque, depois que escrevo, aquele amor ardente para de me consumir."

Através de uma escrita fluída, bem jovem e simples, Jenny Han nos faz assistir toda uma divertida e adorável história de amor improvável. Lara Jean é carismática, é muito engraçada e tem uma família incrível! O pai dela é médico, a irmã mais velha vai se mudar para a Escócia para a faculdade e a irmã caçula tem uma personalidade afiada. Desde sempre, as 3 têm sido as irmãs Song; com Margot prestes a se mudar e Lara Jean precisando assumir todo o papel dela na casa - que, desde a morte da mãe, tem sido praticamente o de uma segunda mãe - o problema com as cartas aparece só para testar a sanidade da coitada.

Uma vez que Margot terminou com o Josh, o garoto por quem Lara Jean sempre foi apaixonada, rola aquele suspense de "agora a Lara Jean vai ter a sua chance?". Afinal, ela amou ele primeiro. Ela o viu primeiro. Mesmo com a carta descarregando suas frustrações, ele entrou no seu coração antes.

"Josh Sanderson, eu gostei de você primeiro. Você era meu primeiro. E, se tivesse sido eu, eu o teria colocado em uma mala e levado comigo, ou, quer saber?, nem teria partido. Eu nunca abandonaria você. Nem em um milhão de anos, por nada neste mundo."

Mas é com Peter Kavinsky, o rapaz bonitão irritante que, num primeiro momento, acha adorável, mas zomba da carta que recebe de Lara Jean, que o ship acontece. Quando ele toma um pé na bunda da namorada, e Josh parece começar a se importar com a Lara, ela e Peter fazem um contrato de namoro falso para que ambos saiam vencendo com os seus interesses amorosos; ele, para fazer ciúmes na ex, e Lara Jean para mostrar a Josh que já superou o rapaz.

"- Por que as garotas gostam tanto de chuva?
- Não sei... Acho que talvez seja porque tudo parece mais dramático na chuva."

A narrativa sutil mescla inseguranças, medos e aquela insistente sensação de "você realmente sabe o que é estar apaixonada?". No começo do livro, eu pensava em um ship, mas depois de alguns capítulos eu já estava totalmente em outro! Peter e Lara Jean é muito sobre uma amizade inusitada começando, e as personalidades deles não são realmente atraídas uma para outra. A Lara Jean é toda hesitante, quieta e menina de família, a irmã acostumada a sempre ajudar as outras duas. Ela é bem altruísta e extremamente tímida, acostumada a não ser notada por ninguém. O Peter é jogador de lacrosse, um dos alunos populares, fazia um casal de ouro com a ex-namorada, e tem uma personalidade bem fria e mesquinha e um pouco complicada; ele e Lara Jean estão sempre retrucando um ao outro no início do namoro falso. Ele não entende o jeito dela e ela não consegue lidar com o jeito dele. Mas, com o tempo, eles vão se conhecendo melhor, momentos fofos são trocados, Peter conquista a família da Lara Jean e vice-versa, e ela toma um tapa na cara dado por si mesma ao perceber que está se apaixonando de novo pelo namorado de mentira.

"Na verdade, você parece muito a minha avó. - diz Peter. - Odeia todo e qualquer tipo de palavrão. Gosta de fazer bolos. Fica em casa todas as noites de sexta. Uau, estou namorando a minha avó. Que nojo."

O Peter está nisso pra fazer ciúmes, para manter o relacionamento no contrato e não sair dele - tanto que ambos estabeleceram várias regras a serem seguidas. O que ele sente? É com delicadeza e simplicidade que a autora vai estabelecendo essa proximidade entre eles, pequenos detalhes importantes que fazem a diferença e te fazem amar o casal mais do que um simples casal, mas como uma possibilidade!

"Abraço o pescoço dele. Gosto do cheiro de cloro em sua pele. Peter está com cheiro de piscina, verão e férias. Não é como nos filmes. É muito melhor, porque é real."

Amei que a Jenny não se manteve presa só ao romance, mas equilibrou muito em a dinâmica do possível casa com a vivência da Lara Jean com a sua família. Com Margot longe, ela precisa se virar sozinha, precisa dirigir e fazer a comida e cuidar para que seu pai e sua irmã caçula fiquem bem. A estranheza dela a esse crescimento é uma coisa que a gente se relaciona muito, e todo o medo dela com mudanças também. Margot, aliás, me irritou um pouco, mas ela é bastante real; é um espírito livre, que não se importa em deixar tudo para trás para alcançar o que quer, o que significa o distanciamento dela com a família.

"Não quero ter medo. Quero ser corajosa. Quero... que a vida comece a acontecer. Quero me apaixonar e quero que um garoto se apaixone por mim."

A incerteza quanto ao romance do casal, uma vez que a narrativa é pelo ponto de vista da Lara Jean, e a delicadeza com que a autora trata todo o crescimento da personagem foram adoráveis. O final me deu uma facada no peito, no entanto, porque eu achei que esse era um livro fechado, com história que acaba e ganha uma continuação. MAS NÃO! Ele acaba com todos os cliffhangers possíveis e te deixa com a maior expressão de desespero, porque a Intrínseca acabou de lançar o primeiro, então obviamente vai demorar um pouco com PS. I Still Love You - e claro que eu vou comprar a versão em inglês, porque não sou obrigada a ficar esperando, não quando a Saraiva tem ele a um preço promocional.

Para todos os garotos que já amei é amável, delicado e tocante, e vale a pena se você está procurando uma leitura para relaxar as emoções.
comentários(0)comente



Marcela @ler_sim_ler_sempre 27/05/2015

Leitura gostosinha.
Para todos os garotos que já amei


O livro conta a historia de uma garota de 16 anos, Lara Jean, que mora com o pai e duas irmãs, Margot de 18 e Kitty de 9. Onde Margot desde a morte de sua mãe, há 6 anos, passou a ser responsável por todos em casa.
Porem Lara Jean é surpreendida pela noticia que Margot irá para faculdade na Escocia e que ela é que estará no comando a partir de agora. E como se já não bastasse ter que amadurecer de uma hora pra outra para cuidar da família ela também se vê em uma encrenca, pois suas cartas de amor antigas foram misteriosamente enviadas para seus destinatários.


(...)
Ah, Deus. Não. Não. Isso não está acontecendo. Isso não é real. Estou sonhando. Estou no meu
quarto e estou sonhando e Peter Kavinsky está no meu sonho, olhando com raiva para mim. Eu fecho
os olhos. Estou sonhando? Isso é real?
— Lara Jean.
Abro os olhos. Não estou sonhando e isso é real. É um pesadelo. Peter Kavinsky está segurando
minha carta. É minha letra, meu envelope, meu tudo.
— Onde… onde você conseguiu isso?
— Chegou pelo correio ontem. — Peter suspira, irritado. — Olha, não é nada de mais. Só não saia
por aí dizendo para as pessoas…
— Chegou pelo correio? Na sua casa?
— É.
Acho que vou desmaiar.
(...)


Lara Jean em toda sua adolescência teve 5 paixões e a cada vez que ela sentia que esse sentimento acabara, ela escrevia uma carta como sinal de fim. Mas nunca enviava as cartas, pelo contrario, as guardava em sua caixa azul petróleo, presente de sua mãe.

Entre esses rapazes a receber a carta está o ex-namorado de sua Irma, o Josh, que alem de ser namorado da Irma sempre foi seu amigo e sua família o ama. Mas para não restar nenhuma duvida que foi tudo um engano, ela simplesmente evita Josh e acaba entrando em uma enrascada bem maior.

(...)
Esse é o momento em que me dou conta de que não o amo, que já tem um tempo que não o amo.
Talvez nunca tenha amado. Porque ele está bem ali, à disposição. Eu poderia beijá-lo de novo,
poderia tomá-lo para mim. Mas não quero. Quero outra pessoa. É estranho ter passado tanto tempo
desejando uma coisa, uma pessoa, e de repente isso parar.
(...)

Esse livro é daqueles que você lê sem pretensão nenhuma, mas que te faz levar ao mundo da adolescência novamente. Um mundo cheio de medos, sonhos e amores platônicos. Fase na qual temos que provar ao mundo que já sabemos nos cuidar sozinho, porem na verdade queremos colo e alguém que cuide da gente. Onde os amores são intensos e confusos, pois ainda não sabemos lidar com o sexo oposto e nem com nossos próprios sentimentos. Onde a relação familiar normalmente é conflitante.


(...)
Nunca recebi uma carta de amor. Mas, ao reler esses bilhetes, um atrás do outro, sinto que recebi. É
como… é como se sempre só tivesse existido (...) Como se todos os que vieram antes dele
tivessem apenas me preparado para isso. Acho que agora consigo ver a diferença entre amar alguém
de longe e amar de perto. Quando você convive com a pessoa, vê quem ela é de verdade, e ela
também vê você. E (...) me vê. Ele me vê, e eu o vejo.

(...)
Ela dá um passo na minha direção e eu dou um passo na direção dela e nos abraçamos, chorando, e
o alívio que eu sinto é imensurável. Somos irmãs, e não há nada que ela ou eu possamos dizer ou
fazer que vá mudar isso.
(...)


A autora soube construir a historia, numa narrativa divertida e bem leve. E com um final de quero mais. Já que existe a continuação, mas que ainda não foi lançada aqui no Brasil.


Ótima opção pra se ler depois de uma ressaca literária. Que no meu caso foi depois de ter lido “Como eu era antes de você”.
Thyelen 27/05/2015minha estante
Eu tenho o primeiro da trilogia, mas ainda não li, é bom?


Marcela @ler_sim_ler_sempre 27/05/2015minha estante
Gostei muito Thyelen. Ansiosa pelo segundo ja


Thyelen 27/05/2015minha estante
:)




Dolorosam/Lindo 27/05/2015

Resenha: Para Todos os Garotos que Já Amei – Jenny Han
Resenha: Para Todos os Garotos que Já Amei – Jenny Han

Desde que ouvi falar deste livro e do enredo fiquei muito curiosa para saber como a autora iria desenvolver essa história. Confesso que antes de começar a leitura eu tinha um palpite, mas fui surpreendida de uma maneira bem positiva de como ela desenvolveu a trama.

O livro nos traz a história de Lara Jean uma garota de 16 anos que se apaixonou por cinco garotos em sua vida e para cada um deles ela escreveu uma carta de despedida onde revelou suas opiniões mais profundas sobre eles, seus desejos mais secretos e seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas misteriosamente foram enviadas para esses garotos e Lara Jean vê sua vida totalmente transformada por essas revelações e as coisas tomam um rumo que ela não consegue mais controlar.

Jenny Han foi fantástica, desenvolveu a história de uma forma atraente, viciante, e envolvente (Li o livro inteiro sem parar durante uma madrugada). Seus personagens foram bem construídos, de uma forma cativante e não tem como chegar ao final da leitura e não ter se apaixonado por eles. Ela nos transporta de volta a adolescência, ao tempo de escola, das inseguranças dessa época da vida. Mostrou como se dá as relações familiares, a cumplicidade das irmãs Song. Um ponto positivo que não pode deixar de comentar é que as garotas são descendentes de coreano, o que traz um diferencial para a história, pois aborda a cultura, comida e mostra em alguns momentos como as garotas são tratadas de forma diferente devido a sua raça.

É um livro divertido, leve e “Docemente Lindo”, recomendo para você que quer viver momentos de leitura como esse e espero que esse livro se torne um de seus preferidos, pois com certeza está na lista dos meus preferidos.

Segue meu trecho predileto:

“Não são cartas de amor no sentido mais estrito da palavra. Minhas cartas são de quando não quero mais estar apaixonada. São cartas de despedida. Porque, depois que escrevo, aquele amor ardente para de me consumir. Posso tomar o café da manhã sem me preocupar se ele também gosta de banana com cereal; posso cantar músicas românticas sem estar cantando para ele. Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam.” (By Lara Jean)

Trecho: Para Todos Os Garotos Que Já Amei/To All the Boys I’ve Loved Before – Autora: Jenny Han


By Talita Devecchi – Dolorosamente Lindo


Espero que tenham gostado, te espero lá na minha página... não deixe de dar um “curtir” e venham viver momentos “Dolorosamente Lindos” junto comigo.


site: https://www.facebook.com/dolorosamentelindo
comentários(0)comente



Ler é viver 20/08/2018

Bom...
Eu li esse livro em 03/2017, e achei um livro ok. Nada de demais. Achei até que estavam dando muito ibope para ele. Mas me identifiquei com Lara Jean pelas confusões amorosas, de não saber de fato por quem está apaixonada. De achar que gosta de um, mas depois descobrir que gosta é de outro.
E voltei para dar todos os créditos possíveis para o filme. O filme é PERFEITO. Melhor que o livro. Me apaixonei por Peter no filme, porque acharam um ator muito fofo para interpretar o papel. E conseguiram fazer da irmãzinha mais nova, um personagem engraçado, o que não acontece no livro, porque no livro achei ela uma pentelha enjoada e mal-humorada.
Ana Leticia 21/08/2018minha estante
Concordo plenamente!!


Jana 30/08/2018minha estante
Primeira resenha da qual gosto. Tds as outras fazem o livro parecer o máximo e ele não é. Primeira vez que vejo uma adaptação melhor q a obra original.




rafazaakar 13/06/2015

ZaaKar.com Resenha: Para todos os garotos que ja amei
Cuidado, pode ter alguns Spoilers!!! Mas leia mesmo assim!

Sinopse: "Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.
Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar".


***

É com muito prazer, e com lágrimas nos olhos, que anuncio que essa semana teremos Jenny Han como destaque na resenha. Eu já estava com muita saudade, e confesso que o último volume de “O verão que mudou minha vida” me decepcionou um pouco... Mas isso não acontecerá essa semana!
Para quem não conhece, a americana Jenny Han é uma escritora de romances “adolescentes” – acho essa classificação ridícula, já que não sou adolescente e amo os livros dela – nascida e criada em Richmond, Virginia. Graduada na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, com um mestrado mestrado em escrita criativa na New School, Han, que atualmente vive em Brooklyn , Nova Iorque, ficou conhecida mundialmente pelo triangulo amoroso mais FDP de todos os tempos. Canrad, Jeremiah e Belly, em “O versão que mudou minha vida”, uma trilogia que arrematou muitos corações pelo mundo todo. Logo depois disso veio sua parceria com Siobhan Vivian, na trilogia – à lá “Carrie, a estranha” – “Olho por olho”. Esta semana, eu li seu mais novo lançamento. “Para todos os garotos que amei”, e é com lagrimas nos olhos que eu grito: “JENNY HAN ESTÁ DE VOLTA NO MEU CORAÇÃO!”.

“Abraço o pescoço dele. Gosto do vheiro do cloro em sua pele. Peter está com cheiro de piscina, verão e férias. Não é como nos filmes. É muito melhor, porque é real”.

As irmãs Song sempre foram inseparáveis – pelo menos depois da morte de sua mãe -, mas chega uma hora em que tudo tem que mudar. Margot, a mais velha das três, agora vai para a faculdade... Na Escócia. Lara Jean e Kitty – apenas para os íntimos, para você que não leu o livro ainda é Katherine, obrigado – vão ter que aprender a se virar em casa com seu pai, um médico que trabalha mais do que devia. Tudo parece tranquilo, no início. Margot não está mais em casa para fazer nada, mas deixou no caderninho tudo que precisa se saber, desde quanto pó e agua se coloca na cafeteira até mesmo os dias em que Kitty tem passeio.
Mas tudo se torna um caos, quando, num lindo dia de – não sei qual estação elas estavam, por ser volta ás aulas deve ser Verão ainda – verão, Lara Jean é parada na aula de Educação Física por Peter – um típico garoto bonito daqueles filmes de hollywood, sabe, o mais bonito de todos? -, ele está com uma carta na mão... Coração parando em 3, 2 1... Basicamente, para não estragar a sua experiência, Peter, numa forma de esclarecer meio que para si mesmo, diz que não, ele não come sempre a última fatia da pizza sem perguntar se alguém quer, e não, ele não tem herpes.
E essa é a hora que você me pergunta: Rafael, que merda é essa? Porque ele falaria isso para ela?
Lara Jean, gosta de preservar coisas. Não coisas importantes como a natureza, as baleias e até mesmo pessoas. Lara Jean gosta de preservar coisas bobas. Papéis de bala, bilhetes, porcelana, fitas, unicórnios de cristal e cartas. Ela guarda em sua caixa de chapéu azul-petróleo as cartas que escreveu para todos os garotos que amou. Foram cinco até então. As cartas são como exorcismos para ela. Ela as escreve para deixar de amar o garoto, ela passa horas escrevendo tudo o que sente, chorando e no final ela lacra, endereça e guarda na caixa. Até que alguém decide enviá-las... E Peter é o primeiro a receber.
Ela corre para casa, pois quer ter certeza que apenas uma carta foi enviada – o que seria impossível, mas, sejamos otimistas né! -, pois se todas foram enviadas, a coisa vai ficar feia! Quando Lara Jean abre seu armário e vê que a caixa que sua mãe lhe deu antes de morrer havia sumido, o pânico a corrói. Se Peter recebeu uma, Josh também vai receber!
Josh, nada mais é que o vizinho da frente, ex namorado de Margot – que terminou com ele antes de ir para a Escócia - e primeiro amor de sua vida. Lara Jean gostou dele no final do nono ano, antes mesmo de Margot se interessar por ele, mas quando sua irmã disse que Josh a pediu em namoro, ela resolveu escrever uma carta, exorcizar aquele amor, e esquecer, pelo bem geral da nação.
Esse era o fim de Lara Jean? Sim, pois Josh a procura para falar sobre isso – depois de várias tentativas ele consegue encontrar ela no corredor da escola – e ela decide improvisar. Diz que aquilo é passado – nós sabemos que não é -, diz que já está namorando e corre para os braços de seu namorado... (SPOILER) Peter. E desta forma, a trama mais incrível que eu já li está feita. Jenny, eu te amo!

“Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam”.

Ás vezes eu acho que exagero demais ao elogiar um livro, mas, esse livro é tão incrível, tão intenso e maravilhoso. Sabe? Eu realmente me apaixonei pela Laranjinha – diga o nome Lara Jean rápido, várias vezes sem parar, parece Laranjinha – durante o livro ela se contradiz, os sentimentos dela se contradizem. Ela não amava mais o Josh, mas ele a beija e ela volta a sentir aquilo de novo. Mas ela não pode, por conta de Margot. Ela sabe que Josh ainda ama Margot, e ela não tem esse direito. Só que daí tem o Peter Kavinsky, alguém que não faz nem um pouco o estilo dela, mas com o namoro (SPOILER) fake, ela passa a ver uma parte dele que ela nunca viu. E ela se apaixona por ele, mesmo sem poder. Pois ele está apenas fingindo namorar com ela para criar ciúmes na Gen, sua ex namorada que o largou por um cara da faculdade. Laranjinha só aceitou isso para fazer com que Josh esquecesse essa história das cartas... Mas não está dando tão certo, pois ele está ficando com ciúmes...
Eu amei o andamento desse livro. Eu li ele tão rápido que hoje me arrependo. O próximo nem tem previsão de lançamento. Me senti muito próximo da Laranjinha, porque eu tenho essas manias também, de guardar tranqueira. Sabe, são lembranças. Ainda mais com esse site que a Editora Intrínseca fez, em que você pode fazer uma carta para alguém, e deixar online para todos verem. Fiz a minha e imprimi, e já guardei também.
Já falei demais. A escrita é divina, muito engraçada, estou em uma relação de amor e ódio com a Kitty, e você também estarão. Achei apenas que aquele suspense de “Quem mandou as cartas” não foi tão “suspense assim”, eu descobri assim que ela falou que a caixa sumiu. Mas no fim, o foco nem era esse, o foco do livro em sí é mostrar o amadurecimento sentimental de Laranjinha, não só o dela, mas o de Peter, de Josh e Kitty também.
As cartas são apenas um “start” para algo maior. E eu não vejo a hora de chegar esse algo maior!
Obs.: O pingente de coração não estava mais na loja. Eu tenho certeza que ou o Peter ou o Josh compraram para ela. Jenny Han, do jeito que é, não ia retomar esse assunto no final do livro se algo não fosse acontecer. Então sim, tenho certeza que esse pingente de coração vai voltar!
21/50

site: http://zaakarcom.blogspot.com/2015/06/resenha-para-todos-os-garotos-que-ja.html
comentários(0)comente



Núbia Esther 29/07/2015

Já havia lido Jenny Han antes, em sua parceria com a autora Siobhan Vivian. Já havia percebido que sua narrativa era fluída, daquelas que quando você menos espera já chegou ao fim do livro. Mas, ler um livro escrito somente por ela, foi uma experiência mais divertida. Não desmerecendo a Siobhan, até porque não li nenhum livro escrito somente por ela para tecer maiores comentários, mas, o romance escrito apenas à duas mãos, mostrou-se mais cativante, mais fluido, com personagens mais carismáticos e com uma trama que depois que te fisga, você não consegue mais largar. Já gostava da Jenny Han antes, mas agora fiquei com vontade de ler outros livros dela.

Para todo os garotos que já amei compõe uma duologia com P. S. I Still Love You (Intrínseca por favor não nos deixe esperando muito tempo!) e conta a história de Lara Jean, uma garota de 16 anos que aprendeu a expurgar (ou pelo menos tentar) seus sentimentos escrevendo cartas de amor.

“Não são cartas de amor no sentido mais estrito da palavra. Minhas cartas são de quando não quero mais estar apaixonada. São cartas de despedida. Porque, depois que escrevo, aquele amor ardente para de me consumir. Posso tomar café da manhã sem me preocupar se ele também gosta de banana com cereal; posso cantar músicas românticas sem estar cantando para ele. Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam. ” (Página 7)

As cartas são apenas para ela. Apesar de colocadas em envelopes e endereçadas, o objetivo nunca foi enviá-las aos seus destinatários. Lara Jean as guardava em uma caixa de chapéu que ganhara da mãe. Cinco cartas foram escritas e agora todas as cinco foram enviadas misteriosamente aos seus destinatários, Lara Jean nem imagina o quanto sua vida irá mudar…

Principalmente porque uma das cartas fora escrita para Josh. Josh o vizinho da casa ao lado, com quem Margot (a irmã mais velha de Lara Jean) namorava até partir para fazer faculdade no exterior. O Josh que Lara Jean decidiu esquecer em prol da irmã, mas que ao que parece não foi lá bem esquecido. E para evitar maiores complicações, um outro dono de uma das cartas, Peter Kavinsky, é adicionado a jogada. Um namoro, um contrato, segredos sobre sentimentos antigos, uma ex-namorada com um forte sentimento de posse, toda a liberdade que um namoro sem pretensões permite (leia-se sem necessidade de papas na língua, o que recheia essa história com diálogos hilários) e uma irmã mais nova que com seu jeitinho cativa a todos. Pronto, eis os elementos que tornam impossível não ser cativado pela narrativa da Jenny Han.

A dinâmica familiar da casa de Lara Jean por si só emociona. As três irmãs que perderam a mãe cedo e se auto intitulam de irmãs Song em homenagem a ela, desenvolveram um relacionamento fraternal digno de admiração. Margot, a mais velha, chamando para si a responsabilidade de guiar as irmãs e tornar a tarefa do pai mais leve. Katherine, a Kitty, mais nova, sendo o alívio cômico, a garotinha com as tiradas certeiras, mas que sabe guardar rancor como ninguém. E Lara Jean, a garota certinha (todas elas são), rebelde só na pessoa que escolheu para ser sua melhor amiga, idealizadora de relacionamentos e com medo de se arriscar e que de repente se vê responsável pela casa quando a irmã decide ir estudar do outro lado do oceano. E é claro, há também o pai, que mesmo vivendo às voltas com os plantões no hospital, sempre tenta estar presente nos momentos importantes e faz de tudo para manter as filhas em contato com a cultura da esposa que era coreana. Todas as readequações que eles têm que fazer depois da partida de Margot, a saudade, as mudanças na dinâmica familiar, o estremecimento das relações, tudo é trabalhado de forma bastante sensível e certeira.

Adicionado a isso, temos todo o drama adolescente vivenciado por Lara Jean. O desespero de ver seus sentimentos mais secretos sendo espalhados aos quatro ventos. A mudança que isso ocasionou em sua amizade com Josh e o perigo que isso representa para sua relação com Margot. E todas as surpresas reservadas por Peter. Um dos personagens que mais gostei (depois da Kitty é claro, aliás, melhor que isso só quando os dois estão juntos), justamente por esconder tantas facetas, que aos poucos vão se revelando e nos cativando. Com Peter a máxima de que não devemos nos guiar apenas pelas aparências, mostrou-se totalmente verdadeira. Aliás, não só ele como também a Chris, a amiga doidinha da Lara Jean.

Preparem-se para gargalhar muito com as confusões armadas por Lara Jean. Ficar na torcida para que alguns sentimentos tomem outros rumos. E ficar na espera ansiosa pela continuação depois do final em suspenso reservado por Han. Terminar o livro assim foi pura maldade Jenny Han! E ah, eu sei que o foco da história é Lara Jean, mas bem que eu gostaria que alguns personagens pudessem deixar mais evidentes seus pensamentos. Nem que seja em cartas de amor…

E como quem avisa amigo é. Depois que você começa é impossível largar a leitura. Comece a ler o livro de dia, de preferência no final de semana. As chances de ficar às voltas com a história das irmãs Song e dos amores de Lara Jean e se deparar com o amanhecer, são bem grandes.

[Blablabla Aleatório]

site: http://blablablaaleatorio.com/2015/07/29/para-todos-os-garotos-que-ja-amei-jenny-han/
comentários(0)comente



juliana.vital.7 09/01/2016

Impossível parar de ler!!!
Devo confessar que ultimamente pouca coisa do que estava lendo estava realmente me agradando. Eu lia um livro e pensava "Nossa é bom mas não é aquele livro maravilhoso que você te vontade de sair falando pra todo mundo como é bom". Estava começando a pensar que o problema era eu e não livros, até que eu li Para todos os garotos que já amei.
Fazia muito tempo que eu não gostava tanto de uma leitura, e quando eu digo muito tempo quero dizer uns três meses. A história flui muito facilmente. Eu queria muito saber qual seria o desfecho da personagem e resisti a ler alguns spoilers só para ter o gostinho de descobrir eu mesma.
Os personagens são muito bem arquitetados. Lara Jean ou "Laranjinha" é uma protagonista muito real, o que foge do padrão de muitos livros . Acho que não há uma maneira melhor de descrever suas fantasias e atitudes inocentes e isso só a tornou uma personagem incrível e engraçada. Muitos trechos fazem os leitores rirem sem ao menos se darem conta. Peter K., um dos garotos para os quais Lara Jean enviou uma carta, e Kitty, irmã caçula da protagonista também são tão bons quanto Lara Jean.
Confesso que Josh e Margot, vizinho (outro amor de Lara Jean) e irmã mais velha, não me agradaram nem um pouco, apesar de supostamente a "vilã" do livro ser Genevieve, a ex-namorada de Peter.
A história também não deixa nem um pouco a desejar. Ela envolve, comédia, romance e drama na medida certa sem ficar enjoativa ou repetitiva.
Bom, eu diria que este livro consegue ser a clássica comédia romântica, mas de um jeito que você se sente muito feliz por ter lido e não ter se decepcionado.
Preciso ler urgentemente a continuação P.S ainda amo você e espero que autora não estrague essa história tão boa de se ler.
comentários(0)comente



tety 08/09/2015

Apaixone-se
A diferença já começa com a natureza asiática da protagonista, que nos transporta para um ambiente novo junto com sua família . A cada trecho nós nos apaixonamos junto com ela, . Ela é engraçada, falante, "peculiar".
A cada página você espera mais e mais, e o livro termina com a esperança de maiss. Agora só resta esperar.
comentários(0)comente



Leh 30/07/2016

Viciante, porem com pouco a acrescentar
Esse livro foi um dos unicos que fiquei tao dividida entre gostar e não gostar.
Ele conta a historia de Lara Jean, que para "diminuir" o amor por alguem ela escreve cartas de "amor" se despedindo deles, contando tudo que ela sente ou pensa deles, porem ela nao as manda, ela as guarda.
Porem um dia essas cartas misteriosamente sao enviadas aos seus 5 ex-amores .
O livro se passa praticamente sobre a Lara Jean tentando entender e resolver seus sentimentos, alem de ter que lidar com a nova responsabilidade de ser a nova responsavel pela irma, ja que a mais velha foi para a faculdade e sua mae ja morreu.

Eu achei que a personalidade de Lara ficou meio perdida entre as das irma. A mais nova é a ousada e a mais velha é a estudiosa e responsavel, ja a Lara Jean eu nao consigui indentificar.

A base da historia é legal, porem achei que poderia haver um desenvolvimento melhor.

Mas apesar disso, a escrita é leve e viciante e com certeza quero ler a continuação.
comentários(0)comente



lymendez 18/08/2018

Fofo...mas nam!
Pensei sinceramente que gostaria desse livro, foi recomendando por uma amiga, ela gostou bastante{...}
Resolvi ler para então assistir ao filme da Netflix, péssima escolha. O livro me deixou com aquela ressaca da história, dos personagem, até mesmo do nome. Olho o catálogo e quando vejo o filme fico eeer.
..A garotinha era a personagem mais legal do livro. Achei o Josh um pedante, foi tipo ranço instantâneo, sabe, embora admire seu gosto por literatura...Gostei bastante do Peter, embora eu revirasse os olhos toda vez que o nome Genevieve aparecia.
Enfim, talvez em outra época, com outra idade, eu tivesse curtido mais o livro, por que sinceramente não foi dessa vez. Tinha a sensação de estar lendo uma fanfic bem escrita no wattapad. (fanfic no sentido clichezona)
Lizandra.Mello 19/08/2018minha estante
undefined


Bruno 21/08/2018minha estante
moça diga que assistiu o filme? PQ É MUITO MELHOR Q O LIVRO


lymendez 24/08/2018minha estante
Ainda não consegui, mas estou vendo muitos spoilers legais.
P.S: Por favor que seja melhor kkk


Bruno 24/08/2018minha estante
Kkkkkkkkk




Camila 30/10/2015

Resenha: Para Todos os Garotos que já Amei (Por Livros Incríveis)
Lara Jean é a irmã do meio da família Song, protegida por Margot, a mais velha, e protetora de Kitty. Quando Margot se muda para a Escócia, Lara começa a sentir a pressão de se tornar a mulher responsável pela família. E tudo piora quando as cartas que ela escrevia secretamente para todos os garotos que já amou são enviadas aos respectivos destinatários. O que ela não entende é como foram enviadas, já que guardava bem escondido numa caixa azul-petróleo dada pela mãe, e não sabe como sair dessa furada.

“O amor é assustador.; ele se transforma, ele murcha. Faz parte do risco.”

Já li um livro da autora, O Verão que Mudou a Minha Vida, mas não gostei muito do conteúdo em geral. Porém, não me impediu de dar uma nova chance a Jenny Han, e fiquei realmente feliz por ter dado, já que adorei Para Todos os Garotos. É uma obra mais envolvente, melhor escrita e desenvolvida e bem narrada, além das personagens terem me cativado bem mais.

A história é uma bela comédia romântica. É recheada de situações engraçadas, momentos de tensão, garotos bonitos e romances inusitados. Em muitas passagens é possível visualizar perfeitamente a cena, como num filme, e dar muitas gargalhadas. Tem um ritmo rápido, com capítulos curtos, mas que não atrapalham a leitura.
Mas por falar em garotos bonitos, esse foi o único livro até hoje que me deixou em dúvida para qual garoto torcer. No início eu fui totalmente a favor de Josh, depois fiquei tentada com Peter e no fim, eu não tinha ideia de quem escolher.
Josh é a grande paixão de Lara Jean. É tímido, nerd, inteligente, gentil e apaixonante, o que faz com que a família Song toda o adore. Já Peter é quase o oposto: atleta, carismático, extrovertido, gentil e apaixonante. São personagens diferentes, com personalidades fortes e bem construídos, e apesar de serem 5 garotos ao todo que receberam as cartas, eles possuem o maior destaque na trama.
As irmãs Song me lembraram bastante as garotas do filme Meu Malvado Favorito. A cumplicidade e personalidade delas são bem similares às orfãs do filme. Margot é a irmã mais velha e responsável, muitas vezes agindo como a mãe das meninas. Infelizmente ela não aparece muito, porque se muda para outro país logo no início, voltando apenas no fim. Foi uma personagem que me surpreendeu, e oscilei entre gostar ou não dela. Espero que ela apareça na continuação, sendo melhor explorada. Kitty é a irmã caçula, e é a mais inteligente e decidida das três. Mesmo tendo apenas 9 anos, ela é esperta e respondona, e a grande conselheira de Lara Jean. E o que mais gostei é que apesar de a autora ter inserido todas essas características nela, Kitty não deixa de ser e agir como uma criança, como deve ser. Já Lara Jean é a irmã mais dependente da família. Ela não tem grandes ambições para o futuro, mas tem certeza de que não quer deixar ninguém. Apesar de não ter nenhuma característica marcante, é uma ótima protagonista, sendo a romântica impulsiva.

Mais do que sobre cartas de amor e suas despedidas, Para Todos os Garotos que Já Amei fala sobre cumplicidade. É muito bonito ver o quão Margot é protetora e cuidadosa em relação às irmãs, e o quanto elas são unidas, dedicadas inteiramente a família. Mas é ainda melhor ver o amadurecimento de Lara Jean na ausência da irmã, mesmo quando sua vida vira de cabeça para baixo.
O livro nos mostra que devemos ser gratos a nossa família, porque é a coisa mais importante que temos. E que, quando se ama alguém, devemos fazer algo em relação a isso. Seja correr atrás, se meter em confusões, ou até mesmo escrever uma carta de despedida.

“Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam.”

Sobre a duologia:
Para Todos os Garotos que Já Amei é um romance escrito Jenny Han, e que possui uma continuação, entitulada PS.: I Still Love You (PS.: Ainda Amo Você, em tradução livre). O segundo livro será lançado aqui no Brasil no primeiro semestre de 2016, também pela editora Intrínseca.

Leia mais resenhas em:

site: http://porlivrosincriveis.blogspot.com.br/2015/10/resenha-para-todos-os-garotos-que-ja.html?m=1
comentários(0)comente



Leo Oliveira 29/07/2018

Divertido, despretensioso e super fofo.
"Para todos os garotos que já amei" foi o primeiro livro da Jenny Han que li e, com toda a certeza, foi uma das minhas leituras favoritas do ano. Não quero entrar em méritos narrativos, nem mesmo de enredo. O que mais me encantou nessa história foi a forma como ela foi contada, a simplicidade na construção dos personagens e a sutileza na hora de tratar cada um dos assuntos abordados.

Estou apaixonado por Lara Jean!
comentários(0)comente



Andressa 11/06/2015

Pensa num livro que é uma fofura. Estou vomitando arco-íris!
Para Todos Os Garotos Que Já Amei nos conta a estória de Lara Jean, uma garota de 16 anos, irmã do meio de Kitty e Margot, que tem uma espécie de tradição para superar seus amores não correspondidos: ela escreve cartas com o propósito de desabafar, as endereça e guarda para si. Um certo dia, essas cartas são enviadas para seus respectivos destinatários e a nossa protagonista se vê numa situação completamente esquisita, mas adorável (para nós).

Preciso repetir que esse livro é tão fofo quanto um filhote de panda? Eu simplesmente adoro livros que conseguem me trazer leveza e um sorriso no rosto. Aqui temos um ambiente familiar saudável, uma adolescente boazinha (nada de sexo, drogas e rock’n’roll), o retrato do primeiro amor, os medos e os receios da adolescência…

Li que muitas pessoas acharam a protagonista infantil, no entanto, eu não concordo. Inclusive me identifiquei com a Lara Jean, seus questionamentos sobre o amor e sobre a vida. Achei correspondente com a idade dela, afinal, assim como existem adolescentes super avançadinhos, também existem os mais ingênuos e inexperientes. E a Lara Jean é uma menina encantadora, vale a pena conhecer a sua estória, suas preocupações e devaneios.

O lado romântico do livro é aquela coisa: unicórnios cor-de-rosa. Para quem gosta de romances mais leves e bonitinhos esse é um excelente livro para suspirar!

Minha única reclamação é que o livro terminou do nada e eu tenho que aguardar o próximo. Ah, além disso, eu achei a Margot um pouco chatinha. Fora isso é uma delícia!

A capa se manteve fiel à original e é uma graça. O trabalho da Intrínseca ficou muito bom.

Recomendo para quem gosta de ler sobre esse lado mais puro do amor, sobre primeiros relacionamentos e para quem gosta de fofuras, claro!
comentários(0)comente



Café com Texto 24/09/2015

Resenha de Para todos os garotos que já amei
Sabe quando aquele título que você lê chama a sua atenção a ponto de colocar o livro na sua lista de compras na mesma hora? Foi o que esse livro significou para mim... e a estória é bem legal.

Lara Jean é a filha do meio de um pai viúvo. Ela e suas irmãs fazem de tudo para substituir a ausência da mãe e quando Margo, a filha mais velha, se muda para fazer faculdade na Escócia, Lara Jean se vê na responsabilidade de cuidar da casa, da irmã caçula e do pai. Como se não bastasse toda essa pressão, suas cartas de amor, escritas por ela mesma para os caras que ela já amou um dia, somem de repente. Quando percebe que suas cartas foram enviadas para os devidos destinatários, é que começa a confusão.

"Somos irmãs, e não há nada que ela ou eu possamos dizer ou fazer que vá mudar isso."

"Você sabe como é gostar tanto de alguém que é insuportável saber que essa pessoa nunca vai sentir a mesma coisa por você?"

Os personagens são bem escritos, sólidos e verdadeiros. O livro é narrado em primeira pessoa, pela Lara Jean, e mostra o amadurecimento dela de forma bem visível, aprendendo a lidar com as dificuldades de cuidar da irmã, da casa e de tudo o que antes sua irmã fazia, aprendendo a lidar com a surpresa de sentimentos que nunca antes imaginou ter. Ainda sim, por vezes cheguei a pensar que a Kitty, a irmã mais nova, era bem mais madura do que a Lara...

Eu gostei da estória, achei criativa e original, mas poderia ser beeeem melhor. A autora aborda tantas coisas: amor não correspondido, novas possibilidades, um amor que faz a pessoa abdicar de seus próprios sentimentos, de uma forma tão simples, que a leitura flui rapidamente e o leitor se vê cada vez mais viciado com a estória, e aí quando ela acaba, você se pergunta “É isso?”. É um romance muito divertido, mas chega a ser bem bobo e ingênuo. As cartas perdidas foram um mero detalhe, o que, na verdade, deveria ser o ponto alto do livro, já que tudo aconteceu por causa delas. Entretanto, foi tudo resolvido rapidamente e não acho que tenha causado tantos problemas assim.

O final é algo que não dá pra prever, mas eu realmente preciso saber o que acontece na continuação P.S. I Still Love You, e quem sabe posso me surpreender e mudar meu ponto de vista sobre essa estória?

Se eu o recomendaria? Sim, o livro é bem fofinho.

BLOG: cafecomtexto.net

site: cafecomtexto.net
comentários(0)comente



497 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |