Meus Documentos

Meus Documentos Alejandro Zambra




Resenhas - Meus Documentos


13 encontrados | exibindo 1 a 13


Pedro 26/06/2015

Uma Crônica disfarçada de Resenha
Há alguns meses conheci esse extraordinário escritor com Bonsai, logo me apressei em comprar seus demais livros, me encantei pelo intimismo de A Vida Privada das Árvores, e achei excepcional a metalinguagem de Formas de Voltar Para Casa, e Zambra logo se tornou meu autor preferido, predileto, favorito.
Então, a Cosac Naify anunciou que iria publicar Meus Documentos, livro de contos do Zambra, fiquei extremamente curioso, como seria um conto de um autor de romances curtos, me indaguei. O que cabia a mim era aguardar. Certo dia, atualizando o instagram me deparei com um anúncio da Cosac Naify, que 4 perguntas - as melhoras, obviamente - seriam selecionadas e perguntadas diretamente para o Zambra, e os autores dessas perguntas ganhariam um exemplar de Meus Documentos. De certo modo, sabia que venceria, porque a(s) minha(s) pergunta(s) era(m) sincera(s), fiz 2 perguntas, uma boa e outra não tão boa, estranhamente a "não tão boa" foi escolhida. Fiquei feliz e ao mesmo tempo indiferente, porque sabia que venceria, e olha que sou invariavelmente cético.
Algumas semanas depois o livro chegou, mas não o li de imediato, pois não costumo pular minhas leituras, estava lendo O Filho de Mil Homens, de Valter Hugo Mãe, decidi que quando o terminasse iniciaria a leitura de Meus Documentos. Levou uns dias para terminar a leitura de O Filho de mil homens, porque sou um miserável adolescente cursando o último ano do ensino médio, e o que sei fazer de melhor é dormir, porque inexplicavelmente estou sempre cansado.
Em um domingo à noite comecei a ler Meus Documentos, logo após o término de O Filho de Mil Homens. Zambra me encantou logo de cara, contos metalinguísticos e íntimos, após ler os contos iniciais decidi ir dormir, porque já era tarde, e, é prudente dormir cedo quem estuda na parte diurna. Sonhei com diversas coisas, mas acima de tudo sonhei com palavras.
Já disse diversas vezes que bons escritores destilam seus pensamentos mais íntimos e banais nos seus livros, e isso acaba, inexoravelmente, fazendo que o leitor conheça o autor, após ler 4 livros do Zambra sinto que o conheço como um amigo, mas ele não me conhece o que o torna meu amigo platônico favorito.
Sheila 18/04/2020minha estante
Adorei, Pedro! Identifiquei-me no sentido de parecer conhecer o Zambra como um amigo. Um dos meus escritores favoritos! Tenho todos os livros! Já leu Múltipla Escolha?


Pedro 18/04/2020minha estante
Olá, Sheila, sim, já li Múltipla Escolha. Escrevi esse texto há meia década, de lá pra cá o único livro dele lançado no Brasil foi Múltipla Escolha, ano passado ele publicou uma coletânea de crônicas e ensaios intitulado "Tema Libre" e recentemente ele lançou outro romance "Poeta chileno" (boatos que, além de ser o mais longo, é o melhor romance dele).




kalebe 28/09/2015

A contínua evolução de Zambra
4° livro do autor chileno, e se ele já explorou as outras formas de contar histórias (noveleta, novela e romance), nesse livro ele escolheu os contos.
São 11 contos que compõem esse livro singular. Uma espécie de síntese de toda sua obra, 'Meus Documentos' retoma alguns dos temas da obra de Zambra: infância e ditadura no Chile, amadurecimento complicado, metalinguagem no ato de escrever, etc.
Zambra consegue equilibrar a sensibilidade em contos mais divertidos e o tom de pesar da sombra sempre presente da ditadura de Pinochet e ainda uma melancolia que parece inerente ao crescer.
Vale destacar o belo conto "Camilo", o divertido "Eu fumava muito bem".
O impressionante na obra de Zambra é perceber a evolução da sua escrita e "Meus Documentos" é mais um passo importante e decisivo nesse caminho.
Um dos melhores livros de 2015.
comentários(0)comente



Isa(dora) 10/02/2020

Muito bom
Gosto bastante de Zambra e dos livros que li até agora. Recomendo o livro para quem gosta de contos que relatem situações cotidianos sem grandes pretensões mas contado de forma poética e até carinhosa.
comentários(0)comente



@virginiagraciela 06/04/2020

Os primeiros 6 contos do livro são os melhores , eu me senti completamente envolvida. Só mais lá para o final que tiveram alguns que não curti muito, e o último ativou alguns gatilhos meus e não gostei nem um pouco. Mas ainda acho o zambra um autor muito bom.
comentários(0)comente



Jose 24/07/2020

Estava indo tudo muito bem, até chegar ao último conto. Horrível!
Mesmo assim gosto bastante da escrita do Zambra.
comentários(0)comente



Alexandre Melo @livroegeek 16/05/2016

Zambra e mais uma boa leitura!
Este livro é dividido em três partes, onde somam-se 11 contos. O sentimento que tive ao ler Meus Documentos foi o mesmo que tive ao ler as outras obras do Zambra: de que todos são livros confessionais. As características presentes nos personagens que o autor cria, são sempre muito semelhantes: são homens, professores (seja de literatura, ou história, educação física, etc) que relatam problemas ou situações relembrando sua infância e vida adulta, parecem ser infelizes, ou não realizados, são divorciados, fumantes de cigarros e maconha, e envolvem-se em aventuras sexuais pouco duradouras, etc, contudo ao invés de cair no mesmismo, Zambra se mostra surpreendente! O nível de intimidade a que somos mergulhados na leitura nos faz realmente pensar que Zambra fala de si mesmo... mas talvez não seja... ou seja... No livro, Zambra repete a formula de seu sucesso: histórias curtas, de poucas palavras, e sem muitos "arrudeios"; ele apresenta a situação, e ponto, e é aí que vem outra característica repetidas nessa obra, que é a maneira com que o autor termina seus contos - geralmente meio que abertos - onde nossa mente continua a história imediatamente após o ponto final. Isso é fantástico!

site: http://www.doqueeuleio.com.br/2015/07/meus-documentos-4-obra-do-zambra.html
comentários(0)comente



Pandora 18/03/2020

Sobre mediocridade, desamparo e solidão.
Alejandro Zambra é aquele autor que já me fez tanta companhia que tenho por amigo. Ele tem uma narrativa calma, poética, muito sintética que envolve e embala até tirar todas as minhas reservas e me deixar sozinha na chuva sem sombrinha. Eu amo!

Amo a franqueza do Zambra, a simplicidade da escrita dele. "Meus Documentos" era o único livro dele publicado em português que eu ainda não tinha lido e estava guardando esse livro para um momento especial.

De muitas formas não me arrependo de ter adiado tanto essa leitura. Os contos contidos em "Meus Documentos" carecem mesmo do tipo de atenção que posso da a ele nesse momento no qual me encontro tão fora de ritmo e me sinto tão descoloca em mim mesma sem entender o porquê.

Do jeito próprio do Zambra esses textos falam sobre desamparo, solidão e memórias. Somos invariavelmente apresentados homens vivendo situações absolutamente corriqueiras até sermos surpreendidos pelo absurdo e arremessados em a um final desalentador. A seu modo a maioria das histórias contadas, senão todas, guardam coisas corriqueiramente terríveis.

Os contos que falam sobre memória, o "Meus Documentos" (que empresta o título ao livro) e "Instituto Nacional" são meus favoritos, eles dialogam abertamente com o "Léxico Familiar" da Natalia Ginzburg e despertam ternura e desamparo e afeto e me fizeram ter vontade de contar minhas histórias familiares e escolares também. São histórias com o tom agridoce das memórias boas e dolorosas na mesma medida.
comentários(0)comente



Ve Domingues 02/10/2020

O Alejandro Zambra é, sem sombra de dúvida, um dos meus autores favoritos. Admiro a maneira como ele fala da memória em seus textos, de um jeito tocante e irônico ao mesmo tempo. Os contos presentes em "Meus Documentos" são muito instigantes. É, certamente, uma leitura necessária para nos fazer refletir sobre os nossos fantasmas.
comentários(0)comente



Dani.Peghim 24/11/2016

Zambra
Ler Zambra é sempre uma experiência muito gostosa, já li os 4 publicados dele no Brasil e sou só amores por ele. Meus Documentos foi o livro de que menos gostei de ter lido, talvez por não estar tão habituada a ler contos, pois na maioria deles fiquei com a sensação de que faltava algo, de que as estórias foram pouco aprofundadas, em vários momentos eu ficava pensando: "Mas e aí?! O que aconteceu depois?! Qual foi o destino dele/dela?! Enfim... Gostei muito do conto chamado Camilo, do conto chamada Meus Documentos e descobrir o nome do livro durante a leitura é sensacional! Recomendo muito a leitura!
comentários(0)comente



Guilherme.Marques 23/03/2017

Minhas Decepções
Eu tinha expectativas altas demais pro que seria o primeiro livro do Zambra, mais um escritor chileno da nova geração, que eu leria. E em boa parte, me decepcionei. Dividido em três partes, "Meus Documentos" traz desde contos que lembram a autoficção até experimentos de linguagem (não que um exclua o outro, é verdade), mas o problema é que a maioria do que aqui é contado não passa de razoável, se muito. Seja pelo conteúdo, sem impacto, ou a forma, desinteressante. Apenas da segunda parte para a frente, e novamente somente em alguns contos, é que Zambra mostra a que veio: nessa linha, são o genial "Eu fumava muito bem" (que quase me fez pegar um cigarro com a personagem) e os excelentes "Obrigada", "Vida de família" e "Vida de Família". No todo, contudo, o livro não passa da quase mediocridade, valendo a leitura apenas pelos contos já referidos.
comentários(0)comente



Ronaldo.Carvalho 16/01/2018

Instigante.
Um livro instigante, você começa a ler e fica totalmente envolvido com a narrativa, os contos são uma especie de auto biografia do autor, nunca tinha lido nada da literatura chilena, e conheço pouco da literatura latino Americana, coisa que me faz lembrar de um artigo sobre a negligência da Historiografia Brasileira com a História da América Latina, como se nós brasileiros, olhando geograficamente, estamos de costas para a américa latina, de frente pra a Africa porém a ignorando e por fim olhando para a Europa.

E fica aqui o agradecimento a uma mulher que é admiravelmente tão linda como um conto de
Alejandro Zambra, e tão poética como um soneto de Pablo Neruda, pois sem ela eu não teria lido um livro tão fantástico quanto esse.
comentários(0)comente



Jefferson Vianna 28/12/2019

"Não sei se li mal um romance bom ou se li bem um romance ruim. Mas li..."
Confesso que eu esperava muito mais deste livro. Há muito tempo que eu vinha querendo ler "Meus documentos" do autor Alejandro Zambra, e recentemente, após receber algumas indicações, resolvi iniciar a leitura. A princípio parecia se tratar de uma leitura agradável, no entanto a narrativa tomou rumos confusos e tão logo se tornou cansativa e pouco proveitosa, ou seja, não aguçou a curiosidade e nem prendeu a minha atenção. O livro é composto por textos aleatórios, como uma espécie de diário ou livro de memórias; o autor trás a tona algumas recordações que fazem parte de sua construção pessoal, alguns relatos que parecem construir a sua personalidade. No conto "Eu fumava muito bem" o autor diz: "Não sei se li mal um romance bom ou se li bem um romance ruim. Mas li.", talvez este seja o quote que mais veio de encontro comigo após finalizar a leitura de "Meus documentos". Desconsidero a possibilidade de fazer uma releitura, porém quem sabe eu mude a primeira impressão que ficou, após ler os outros livros do autor...

Quote do livro: "A poesia é loucura, a poesia é selvagem, a poesia é um fluxo de sentimentos externos."
comentários(0)comente



yomaeli 31/03/2020

Meus, seus, nossos documentos
De primeira o livro parece autobiográfico, depois o tom vai mudando e fica mais fácil de ler esses documentos como documentos de várias pessoas. É meu segundo livro do Zambra, mas o primeiro a me causar mistura de admiração, tédio, repulsa, raiva, melancolia e compaixão. Tem alguns contos com ótimas sacadas em algumas partes, porém arrastados em seu desenvolvimento, como o "Eu fumava muito bem". Gostei muito de "Camilo", e com certeza leria mais mil contos sobre isso; "Vida de família" me trouxe uma reflexão de como às vezes a vida que se apresenta pra gente não é exatamente nossa, mas nos apropriamos, resistimos, apreciamos e finalmente nos despedimos. Este foi, sem dúvida, meu conto favorito. Já em "Tentar Lembrar", senti repulsa, raiva, mas muita compaixão por Yasna, desejando que existissem mais linhas para enfim obter seu direcionamento merecedor, mas nas entrelinhas ficou a esperança de que dias melhores chegaram, sim, para ela. Um livro muito relevante do autor, com toda certeza. Zambra escreve mesmo pra gente, de forma crua e familiar, descrevendo histórias que facilmente viveremos algum dia. Além disso, torna tudo real trazendo aspectos regionais em seus textos.
comentários(0)comente



13 encontrados | exibindo 1 a 13