Galveston

Galveston Nic Pizzolatto




Resenhas - Galveston


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Brenda Hévene 09/04/2020

Bem legal! O Roy, um matador/protetor, chega até ser irônico, mas este é o cowboy. Gostei bastante do livro. Do meio para o final ficou melhor ainda. Me surpreendi muitooo com o final, inesperado!
comentários(0)comente



Frederico.Zanitti 07/06/2020

Emocionante e empolgante
O livro começa um pouco atestado mas depois o desenrolar da história nos prende e nos faz querer ler mais e mais até saber o desfecho de tudo. Emocionante pelas diferentes histórias que se cruzam de Roy e Rocky. Empolgante pelas constantes situações em que ambos precisam ser encontram. O final é de chorar.
comentários(0)comente



Maria 31/05/2020

Dessas leituras que fluem bastante e nos faz amar personagens cheios de defeitos e problemas!
comentários(0)comente



Drics 04/08/2015

Galveston, um romance policial com viés existencial
Olhando a bagagem de Nic Pizzolatto, eu sabia o que esperar de Galveston ao me deparar com a premissa: um matador de aluguel com câncer terminal no pulmão. Sacou?

Publicado originalmente em 2010 e trazido pela Intrínseca mês passado (junho/2015), Galveston traz alguns aspectos da série da HBO, destaques para a história envolvente e melancólica e para a escrita crua e dura.

Personagem bruto, porém de carne e osso; escrita dura, história orgânica, livro intenso, introspectivo e viciante.

Com pouco mais de 230 páginas, o livro é dividido em 5 partes, alternando eventos que ocorreram no passado (ano de 1987) com o presente de Roy (20 anos depois, ano de 2008).

Narrado em primeira pessoa, temos uma relação mais profunda com Roy Cady, que apresenta dualidades ao leitor: sua história no aspecto de "condenação" em paralelo à "redenção"; e sua humanidade ora dolorida, ora empática. O autor não tem uma narrativa completamente niilista por conta disso, o texto tem ar de poesia cruel - se é que posso assim dizer - é ágil, direto e com diálogos marcantes.

Difícil, talvez, seja classificar o livro em um único gênero. Galveston tem uma inegável atmosfera noir, elementos de literatura criminal e desenvolve a trama para uma reflexão filosófica de forma sútil. Pra mim, um prato cheio.

Depois de toda a intensidade do personagem Roy Cady e sua história, a última frase do livro me deixou olhando pro nada por uns 10 minutos. Fiquem curiosos ou leiam.

site: http://redatorademerda.com.br/2015/08/resenha-galveston-nic-pizzolatto/
comentários(0)comente



Barbi.Lopes 01/04/2020

A temporalidade e a angústia.
A última página lida de Galveston deixou o gosto amargo do tempo sobre nossas vidas.

Em suas cinco partes nos confrontamos com a dimensão da temporalidade. Seja em reminiscências, onde a saudade de um tempo vivido predomina, ou na incerteza que o futuro transmite. A angústia, sentimento inerente ao ser humano, se faz sentir nas palavras de Roy.

A historicidade dos personagens é rica, sendo possível compreender seu contexto atual ao nos depararmos com os caminhos que os levaram até o presente.

Ressalta-se a relevância do contexto, de se ter uma figura de apego e relações afetuosas para a vida de qualquer indivíduo.

Por estes, e outros motivos, Galveston conversa com o existencialismo, e se configura como uma leitura real demais para ser lida sem se sentir, minimamente, tocado.
comentários(0)comente



Ryllder 13/09/2015

Sublime!
Não tem como ler este romance sem fazer um paralelo com o seriado True Detective.Nic Pizzolatto,criador da série e autor deste Galveston,consegue manter uma qualidade absurda nas duas linguagens.Quem assistiu as duas temporadas de True Detective conseguiu perceber a excelência do roteiro.Neste romance,que é o primeiro de Pizzolatto,tive a chance de verificar que o homem realmente consegue explorar de forma magnífica seus personagens,transformando situações aparentemente bobas e corriqueiras em momentos sublimes.Os diálogos e descrições são colocados de uma forma tal que nada ali é gratuito ou sem importância.Um romance policial existencialista com toques Noir:"Conheci caras assim a vida inteira, caipiras idiotas presos a um estado de permanente ressentimento. Torturam animais pequenos, crescem e dão surras de cinto nos filhos e destroem suas caminhonetes dirigindo bêbados, descobrem Jesus aos quarenta anos e começam a ir à igreja e a sair com prostitutas".Que Pizzolatto tenha uma carreira longa e produtiva,nos brindando com livros e seriados de qualidade
Joislan 15/09/2015minha estante
Esse trecho que colocou parece que está descrevendo o Personagem do Woody Harrelson em True Detective. Muito massa. Vou começar a ler agora.




Kamilla 27/03/2020

Emboscada
Tudo começa quando Roy descobre uma doença terminal e sua intuição o avisa que o serviço para qual o seu chefe o manda é uma emboscada, e ele está certo, mas ainda não é o dia de sua morte, e ele escapa ileso.
Nessa emboscada, Roy salva a pessoa que estava lá pra que ele *salvasse*, uma prostituta de 18 anos, que acaba atraindo mais e mais problemas para ele... É um livro que você não consegue desgrudar desde a primeira página, e o final... Ah, é surpreendente...
comentários(0)comente



Rinaldo 09/03/2020

Um homem...uma história.
Cara durão...mas nem TD é o que parece.
comentários(0)comente



Glaucio 13/01/2016

Excelente narrativa. Li o livro em poucos dias. Puro clássico noir e para aqueles que conhecem a série True Detective, fica fácil identificar as características do autor. Se não é uma obra prima, com certeza irá agradar bastante aos fãs do gênero.
Classifiquei com cinco estrelas e seriam dez se fosse possível.
RECOMENDO
comentários(0)comente



Davi 13/01/2020

Mais perdido que cego em tiroteio
Assim, eu entendi mas não entendi. Mas consegui tirar uma conclusão desse livro: todo roteirista que escreve um livro acaba colocando muita coisa do seu trabalho para construir a narrativa e isso acaba com o livro. é isso.
Pedro H 13/01/2020minha estante
Entendi, mas não entendi muito kk


Davi 13/01/2020minha estante
kkkkkk nem sei mais viu




lore 12/02/2020

Achei que seria um livro muito bom, a história não é envolvente, confesso que esperava mais...
comentários(0)comente



João Felipe 12/11/2016

Um Livro Poderoso
"Você nasce e, quarenta anos mais tarde, sai mancando de um bar, assustado com as próprias dores. Ninguém o conhece. Você dirige por estradas escuras e inventa um destino porque mover-se é fundamental. Então segue em direção a última coisa que tem a perder, sem nenhuma ideia real do que fará com aquilo."
comentários(0)comente



Eduardo.Gomes 08/03/2020

Interessante
A história no começo devagar, me prendeu do meio para o fim, apesar disso o final não é dos melhores
comentários(0)comente



Karime 13/03/2020

Li na sinopse "a morte sempre a apenas um carro de distância" e achei que seria aquela caçada eletrizante, mas isso só acontece uma única vez e é no fim do livro. Sem contar que ele detalha até demais momentos aleatórios e não faz isso com o principal. Porém, apesar disso tudo, gostei do personagem principal.. foi o que deixou o livro bom.
comentários(0)comente



Adriana 21/05/2020

No livro “Galveston” é narrado uma historia de ação com mistura de romance, mas sem muito profundamento no contexto. Não é uma história surpreendente, mas é não tão ruim para quem quer ler algo sem muita exigência.
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3