Lírio Azul, Azul Lírio

Lírio Azul, Azul Lírio Maggie Stiefvater




Resenhas - Lírio Azul, Azul Lírio


124 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Queria Estar Lendo 23/04/2016

Resenha: Lírio Azul, Azul Lírio
Eu não sei escrever essa resenha. Eu não consigo. Eu perdi a habilidade de algum dia conseguir. Eu estou absolutamente incapacitada de me expressar gramaticalmente e de forma humanamente decente. Lírio Azul, Azul Lírio pegou tudo o que eu era e transformou em pó.

A busca pelo rei galês continua. Blue e seus garotos corvos estão se aprofundando mais e mais nas descobertas a cerca do paradeiro do adormecido, e conforme algumas repostas chegam aos jovens aventureiros, outras os farão repensar até onde estão dispostos chegar para acordar o rei. A mãe de Blue desapareceu debaixo da terra e as linhas ley cantam para que seus segredos sejam revelados através dos garotos de Henrietta.

"Rainhas e reis
Reis e rainhas
Lírio azul, azul lírio
Coroas e pássaros
Espadas e coisas
Lírio azul, azul lírio."

De novo, eu não sei falar sobre este livro. Esta provavelmente vai ser a minha pior resenha porque quanto mais eu amo uma narrativa, menos eu sei expressar como me sinto a respeito dela. E o que eu sinto pela Maggie chega a ultrapassar o meu amor pela Laini Taylor, o que é uma demonstração muito grande de paixão arrebatadora, se vocês me conhecem o suficiente. A maneira misteriosa, poética e sagaz com que Maggie constrói a sua história e desenvolve os acontecimentos são familiares e ao mesmo tempo inesperados. Quando algumas respostas são encontradas, você não sabe se se sente totalmente arrebatado pela surpresa ou se esperava por isso como uma criança espera pelo Papai Noel. Quando os personagens interagem, você afunda a sua cara em um travesseiro e grita porque é isso o que o relacionamento entre cada um deles causa no seu coração. Quando Blue e seus garotos corvos existem, você existe junto com eles.

"O que ela não tinha percebido a respeito de Blue e seus garotos era que todos estavam apaixonados uns pelos outros. Blue não estava menos obcecada por eles do que eles por ela, ou uns pelos outros."

Depois do sinistro desaparecimento da mãe, Blue está dividida entre a busca por ela, pelo rei adormecido e a banal e esquisita volta às aulas. É estranho, depois de ficar tanto tempo imersa nos mistérios dos sonhos e das realidades bizarras, ver-se frente a frente com um dia a dia que não pertence ao seu coração. Blue é um espírito livre, a garota da Rua Fox, 300, que mora com videntes e leitoras de sorte e mulheres que olham através de espelhos e nunca mais voltam. Blue é um dos elementos que compõe o grupo dos garotos corvos, é um elemento da natureza e parte da natureza e ela é tão real em sua simplicidade, em sua coragem covarde, na maneira como lida com cada um dos garotos e com as mulheres da sua casa e com as descobertas que eles estão fazendo e precisam fazer. Eu amo cada pincelada de personalidade que a Maggie deu a ela; Blue é tão real e ao mesmo tempo tão parte de uma história maior.

"Blue Sargent estava com medo. Existem muitas palavras boas para o oposto de com medo. Destemida, corajosa, intrépida. Mas Blue Sargent era valente porque tinha medo."

Gansey é o mesmo apaixonado por aventuras e pelo prazer daquela busca incansável, mas mais motivado pelos amigos do que por ele mesmo. É isso o que mais me causa encantamento. Eu amo tanto toda e cada cena com o Gansey, porque ele é puro e vivo e ele é frágil e pode morrer a qualquer momento, igual a todos eles, mas os riscos envolvendo o garoto são tão maiores. Você sente a necessidade de amá-lo intensamente e protegê-lo de todos os males, tal como seus amigos fazem por ele. Gansey é o verdadeiro norte daquele grupo, de todos eles. Com Blue, ele continua naquele ímpeto de desejo e compreensão e o óbvio fato de que nunca poderão ficar juntos, pelo menos não se ele quiser continuar vivo. O ardor entre eles é forte, são raios que estalam de suas mãos quando se tocam ou quando se olham, e eles se amam tanto quanto é possível dois jovens se amarem. É um amor explícito, está ali para o leitor e leitora se apaixonar junto com eles. O amor de Gansey pelo amigos é outra coisa intensa, poderosa e indescritível. Ele, Ronan e Adam são uma coisa só. Uma irmandade. Um coração. Um espírito aventureiro. Eles são as linhas ley e o rei adormecido e eles são os garotos corvos por quem Blue se apaixonou.

"A violência era uma doença que Gansey não acreditava que pudesse pegar. Mas, à sua volta, seus amigos estavam lentamente infectados."

Adam... Ah, meu Adam Parrish. Tão quebrado, tão forte. As consequências do primeiro livro ainda o assombram, mas ele está muito mais familiarizado com as energias e o poder dentro das linhas ley. Ele é o poder. Se acostumou com ele a ponto de aceitar a ajuda de uma das mediúnicas da rua Fox, 300, para descobrir tudo o que puder sobre os espíritos adormecidos debaixo de seus pés. A relação dele com os amigos continua instável de um jeito familiar. Ainda há orgulho e esse orgulho ainda fere a ligação entre eles, mas Adam se torna mais forte conforme aceita as próprias fraquezas. Especialmente em relação a Gansey e Ronan. Deus, eu não consigo nem pensar em palavras pra descrever o que foi Adam Parrish e Ronan Lynch neste livro! O fato de eles se odiarem e se amarem tão abertamente, mas tão misteriosamente. Adam é o segundo segredo de Ronan; Adam é o garoto real para o ladrão de sonhos. Adam é do Ronan e já era muito antes de ambos perceberem isso.

"Adam Parrish é desejável, vale uma paixão, não da parte de qualquer pessoa, mas de uma pessoa como Ronan, que poderia querer Gansey ou qualquer outro, mas escolheu Adam para seus olhos famintos."

Ronan! MEU GAROTO CORVO SOFREDOR. Ele, o mais durão e bad boy do grupo, é talvez o mais afetado pelas emoções. Ronan é o tipo de cara que se esconde atrás da faceta séria e assassina, dos olhos frios e perigosos, da aparência bruta e mortal. O fato de Gansey e Adam estarem ao lado dele o tempo todo prova que eles o entendem; eu preciso focar muito em Ronan/Adam, no entanto, porque neste livro enquanto Gansey era da Blue, Ronan era do Adam. Cada cena entre eles era um incêndio. A Maggie destrinchou um casal arrebatador, um ship que pisoteia tudo o que você tem de sentimento porque eles são tão intensos e são tão infernalmente simples nessa intensidade. Nada mais do que alguns olhares e gestos e palavras que significam tanto quanto ou até mais do que um beijo ou um abraço. A busca e o entendimento de Ronan a respeito dos seus próprios sonhos une os dois rapazes ainda mais, criando uma conexão diferente do que a que Ronan tem com Gansey, Noah ou Blue. É tão... ARGH. EU QUERO MORRER. EU QUERO GRITAR. EU QUERO BATER A CABEÇA DOS DOIS NA PAREDE E DEPOIS EMPURRAR UM PRA CIMA DO OUTRO PRA QUE ELES SE BEIJEM ATÉ O FIM DO MUNDO!

"O cheiro de Cabeswater, de todas as árvores após a chuva, passou por Adam, e ele percebeu que, enquanto estivera olhando para Ronan, este estivera olhando para ele."

Noah aparece menos neste volume, mas seus sumiços são importantes. As mudanças nas linhas ley significam mudanças em Noah, no seu espírito e na maneira com que ele se porta diante dos amigos. Ele não é mais só o Noah. Ele é outra coisa também.

"- Trata-se de um número estável, três. Cinco e sete são bons também, mas três é o melhor. As coisas estão sempre crescendo em três ou diminuindo para três."

Outros personagens importantes, como o Sr. Cinzento, Calla e Persephone aparecem bastante no decorrer da história, sempre acompanhando um dos protagonistas em sua jornada de descobrimento. Não pense que esse é o volume final, não. O Rei Corvo será lançado no primeiro semestre deste ano lá fora, e o final de Lírio Azul, Azul Lírio deixou uma brecha tão perigosa que eu tenho até medo de pensar no que está por vir. A Maggie já me provou que é capaz de tudo.

"- Armas e poesias andam lado a lado."

Em uma narrativa de tirar o fôlego, intrincando suspense a revelações bombásticas e um final arrasador, Maggie Stiefvater se consagra como a rainha da minha alma e senhora da minha existência. E que Deus salve a América, porque o último volume vem aí.
Nath 24/04/2016minha estante
SOCORRO QUE TIRO


Nath 24/04/2016minha estante
MELHOR RESENHA. Disse tudo que eu tinha em mente S2


Nath 24/04/2016minha estante
"Adam é do Ronan e já era muito antes de ambos perceberem isso." adam e ronan OTP SUPREMO P SEMPRE SEM PALAVRAS


Gabrielle | @portrasdascapas 26/04/2016minha estante
Amei a sua resenha! Me deu vontade de ler o livro novamente...


Liliane 18/07/2020minha estante
Que resenha excelente! Meu Deus, quero ser sua amiga ??


Mi 20/09/2020minha estante
Que resenha heim!!! ?




Leticia 04/09/2020

Aaaaaah
Como estou apaixonada por essa série ??! Me tirou totalmente da zona de conforto, fazendo com que cada personagem começasse a ganhar um espacinho no meu coração.
comentários(0)comente



mírian 24/04/2020

Melhora a cada livro
É incrível como essa autora consegue criar personagens e uma estória tão bem desenvolvida que melhora a cada momento. Não tenho como expressar tudo o que senti lendo esse livro, recomendo muito!!
comentários(0)comente



Joana 01/05/2020

...
Amei como os personagens estão se desenvolvendo e lutando as próprias batalhas, além da em grupo.

É Ronan Lynch toma meu coração...
comentários(0)comente



Raf¡nha 10/10/2020

todos dizendo que esse foi o livro preferido da saga, porém eu achei o mais chato ??? realmente não sei, mas o livro todo era tão intenso, ao mesmo tempo em que acontecia tudo, todas as informações jogadas na mesma hora, também não acontecia NADA. Foi tudo muito confuso e pra mim, não explicado

Uma ponto que eu amei no livro, foi ver a evolução do personagens, porque é nítido o quanto eles amadurecerem, foi fantástico! Gostaria de ter lido narrações do Ronan aqui, porque se não estava claro, ele é meu corvo favorito, porém não teve nenhuma (eu sofro)

Achei os vilões (que não são bem vilões), Piper e Colin muito ??? sla acho que deveriam ter mais história por trás deles. E não apenas eles serem ricos que correm atrás de objetos sobrenaturais e matam pessoas pra conseguir isso! Inclusive, com toda a história do segundo livro, do Homem Cinzento falando tudo aquilo do Colin, eu esperava bem mais dele em Lírio azul, azul lírio. Ele se mostrou um bata covarde do caralho ao invés daquele embuste que Homem Cinzento tanto falava. Parecia maia que ele estava descrevendo a Piper, e eu realmente não duvidaria que ela estivesse por trás de tudo em Ladrão de Sonhos.

O final também terminou do nada ???? Uma hora eles estavam naquela caverna aí do nada aqueles animais ressuscitam por causa da obra que o Ronan criou nos sonhos, aí a Blue entra no lago e finalmente encontra a mãe que tava desaparecida o livro inteiro, junto com o pai aí do nada a Piper aparece, acontece uma discussão quase teve mortes aí do nada a Blue foge com a mãe, o pai e o Homem Cinzento e passado pouco tempo eles saíram da caverna e já pula pro epílogo ??? E aliás, QUE EPÍLOGO!!! AQUELA DESGRAÇADA DA NEEVE APARECEU DE NOVO PRA FAZER MAIS MERDA QUE ÓDIO

enfim, achei o mais chato exatamente por ter muitas informações e quase nada explicado, parecia que eles estavam parados no mesmo lugar e não iam sair tão cedo, espero que o próximo livro seja melhor
comentários(0)comente



Marcos LC! 26/06/2020

Em fim terminei Lírio azul, Azul lírio e esse livro bugou ainda mais minha cabeça, a complexidade das coisas que a autora apresenta nessa estória é grande, em alguns momentos da leitura fiquei meio perdido mas isso não tirou o brilho do livro, já vou logo ler a sequência porque o final de Lírio azul foi bem instigante.
comentários(0)comente



maluverao 16/07/2020

MEU DEEEEUS PIPER LENDÁRIA
eu amo a piper meu deus melhor ?vila? KKKKKKK NÃO ACREDITO NESSE FINAL NÃO ACREDITO QUE ELA FEZ ISSO MDS. Mas enfimmmm blue e gansey continuam nessa de me fazer sofrer e é, vamos de último livro
comentários(0)comente



Velaris 14/09/2020

Que surto foi esse meu Deus
comentários(0)comente



charlie 11/06/2020

Nesse livro, somos bombardeados com supresas e aventuras caóticas. Tipo, literalmente os personagens embarcam em uma aventura e tanto.

O fato do livro focar mais na Blue e em seu desenvolvimento ganhou meu coração todinho! Tudo o que me frustrou no outro livro sobre a personagem, melhorou nesse.

Outra coisa que eu achei incrível é como Ronan, que nos livros anteriores só era realmente amigo do Gansey, iniciou uma amizade melhor com os outros personagens, criando uma profundidade maior ainda em si mesmo.

A Maggie tem um poder de chocar o leitor na medida e na hora certa, além de criar personagens muito bem construídos e cenários maravilhosos.

Porém, algo que me incomodou foi o fato de as perguntas só aumentarem mais e mais a cada livro, e isso me deixa meio receosa sobre como ela vai responder todas elas no próximo livro, mas sigo esperançosa.
comentários(0)comente



Babi 23/05/2020

Uma evolução crescente.
O terceiro volume da série, "Lírio Azul, Azul Lírio", levou a narrativa criada por Maggie Stiefvater a outro nível.

Nesse livro, Blue e seus garotos corvos têm que lidar com as consequências de sua busca implacável pelo rei galês, que vão muito além das linhas ley e afetam suas vidas. Maura, mãe de Blue, está... distante. Ela foi em busca do Artemus, deixando todos para trás e nossa protagonista tem que lidar com a estranheza que sente diante de sua própria vida normal, enfrentando questionamentos comuns a alunos do último ano, enquanto sente falta da estranheza habitual dos meninos de Aglionby e luta contra seus sentimentos por Gansey. Richard Gansey III continua em busca de Glendower, dessa vez trazendo até Malory para Henrietta, e enquanto restabelece seus laços com Adam, sufoca os seus com Blue em nome do grupo. Adam está menos instável que nos livros anteriores, aqui ele volta a ser o Adam Parrish estável, calmo e icognoscível que conhecemos em Os Garotos Corvos, contudo, ele está bem mais maduro, místico e poderoso, agora como os olhos e ouvidos de Cabeswater ele aprende a olhar para dentro para olhar para fora e conforme aceita suas fraquezas, torna-se ainda mais forte. Ronan Lynch continua o bad boy impenetrável, Greywaren durão, que nós amamos mas aqui nós sabemos o segredo dele e vê-lo interagir com o Adam, sinceramente, é uma das melhoras coisas do livro, enquanto ele faz de tudo para proteger aqueles que ama. Noah aparece menos no livro, contudo, cada aparição sua é pontual e precisa e ele se torna menos o Noah que conhecemos e mais outra coisa que temos que descobrir.

Esse livro me fez sentir mais ainda que Ladrões de Sonhos foi um livro de aprofundamento nesses personagens para que aqui, no terceiro volume, nós possamos conhecê-los melhor e vê-los mais maduros, pois esse livro tem muito mais ação que seu antecessor, mas mantém a aura sombria e de mistérios típica da Maggie Stiefvater, ele é um crescimento dentro da série The Raven Cycle e termina abruptamente fazendo o leitor ansiar pela conclusão "O Rei Corvo".
comentários(0)comente



Bia 27/06/2015

✷ Sad Beautiful Tragic ✷
"Rainhas e reis
Reis e Rainhas
Lírio azul, azul lírio
Coroas e pássaros
Espadas e coisas
Lírio azul, azul lírio."

Este é o 3º volume, então vou explicar sobre a trama.
Nossa heroína, Blue, cresceu em uma família de médiuns e sempre foi alertada de que se beijar seu verdadeiro amor, ele morrerá. Ela nunca ligou muito para isso até que os garotos corvos entram em sua vida.
O que faz seus mundo se colidirem é a determinação de Gansey em localizar Glendower, um nobre que, segundo a lenda, está dormindo durante sáculos e que irá conceder um favor a quem encontrá-lo.
Assim, Blue se junta a esse grupo composto por: Adam, que luta por um vida longe de seu triste presente; Gansey, rico, maduro e com boa aparência; Ronan, badboy, imprevisível; e Noah, uma alma perturbada que sabe mais do que demonstra.
Blue não é uma médium, ela é como uma “bateria” que amplifica os poderes/energia da pessoa/local e, neste 3º livro, descobre algo muito importante sobre si mesma. Acho-a uma ótima protagonista. Gosto do fato de ser feminista, sensível, excêntrica e, apesar de estar descobrindo um novo sentimento, está focada e determinada em encontrar sua mãe durante todo o livro.
O plot é um pouco lento no começo da série, pois a autora vai juntando cuidadosamente as peças do quebra-cabeça e, admito, a mitologia faz mais sentido conforme evolui. Porém essa lentidão combina com o suspense, o que me fez ainda mais ansiosa durante a leitura.
Neste conhecemos melhor alguns personagens e uma mulher com sangue frio e língua afiada surge para deixar tudo mais interessante. Gostei como a autora conduziu a história e realmente não fui capaz de adivinhar o final.
Amo o relacionamento complicado entre os meninos, desde suas diferentes origens à preocupação um com o outro. Senti a conexão profunda entre os personagens e, apesar do romance ser intrigante e complicado, o amor de irmão entre eles realmente é meu ponto favorito.
A autora realmente conhece seus personagens e, aos poucos, vamos descobrindo suas camadas mais profundas, nos apaixonando por eles e, ao final, percebo o quão únicos são. Muitas respostas ainda não foram respondidas (quem é o pai da Blue? mds), mas esse é apenas o penúltimo livro, então que venha The Raven King!

"Ouvi dizer que, se você quer que magia seja feita, deve pedir para um mágico fazer."

site: https://instagram.com/p/4cwhEKhbav/?taken-by=trechosdelivros
comentários(0)comente



Paula 17/02/2020

Uma continuação perfeita para dois primeiros livros perfeitos. O crescimento dos personagens é nítido, e parece que cada vez mais estamos conhecendo eles verdadeiramente. Tanto o mistério quanto o romance se desenrolam de forma suave, sem ficar maçante, e se conectam naturalmente. O mistério vai sendo resolvido sem parecer enrolado nem apressado. Só posso esperar que o próximo livro traga um final a altura dessa saga, e com todas as impressões positivas que tive até agora, acredito que trará.
comentários(0)comente



Ellen 29/05/2020

O livro é bom. Gosto da narrativa da autora. Agora é esperar para ler o último livro da série.
comentários(0)comente



Larissa.Gimenes 08/09/2020

LEIAM, LEIAM ESTE LIVRO IMEDIATAMENTE
é isso mesmo que você leu, confia no pai e nos meus livros favoritos
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 05/02/2016

Lírio Azul, Azul Lírio
O Greywaren foi revelado e está sobre a proteção de Cabeswater, que agora tem uma linha direta com Adam. Porém, Maura desapareceu deixando Blue em desespero. Agora ela, com a ajuda de Gansey, Adam, Ronan e Noah precisam encontrar sua mãe e, quem sabe, no caminho, encontrar o Rei Galês Glendower.

Mas a jornada não vai ser tão simples assim, já que aquele que contratou o Homem Cinzento para ir até Henrietta atrás do suposto objeto que podia trazer sonhos para a realidade, resolveu vir pessoalmente descobrir o que está acontecendo e que fez seu “free lancer” mudar de lado.

“Blue jamais acreditara na morte até então. Não de maneira real.”

Na busca por Maura eles descobrem uma nova pista e também um enigma. Há três seres adormecidos, um deve ser acordado e um não deve. Mas como saber qual é qual? E o que fazer com o terceiro? Mais uma vez Maggie Stiefvater entrega ao leitor um pedacinho dessa intrigante história e, ao invés de começar a responder algumas dúvidas, lança ainda mais perguntas ao vento.

CAPA E EDIÇÃO
Essa é a capa mais bonita até o momento na minha opinião e eu acho super engraçado que o título do livro possui duas vezes a palavra azul, mas a capa é verde. TOC de gente louca, eu sei. O livro tem mais de 350 páginas, mas a leitura flui que é uma maravilha pois esse é um dos melhores livros da Saga dos Corvos até o momento.

MINHA OPINIÃO
A cada livro terminado mais e mais perguntas se empilham. Pouquíssimas são as respostas que Maggie Stiefvater nos deu até agora e confesso que temo muito o quarto e último livro, pois ou ele será genial ou uma enorme e frustrante decepção. Porém, isso de forma alguma diminuiu a maravilha que é Lírio Azul, Azul Lírio.

Como o foco mais voltado na Blue e no que ela está passando foi muito bacana encontrar a personagem em controle, ao invés de uma adolescente desesperada como a situação poderia requerer. Aliás, isso é algo muito bacana também sobre os outro personagens. Apesar de estarmos no terceiro livro, na história se passaram apenas alguns meses, mesmo assim o crescimento e amadurecimento de todos os eles é muito perceptível, engrandecendo ainda mais a história.

Maggie tem o dom de bombardear o leitor nos momentos certos, com revelações importantes não só no final, mas no meio da trama também, o que faz com que seja impossível largar o livro até que ele esteja finalizado.

Em Lírio Azul, Azul Lírio vamos ter a introdução de novos personagens que vão acrescentar ainda mais a trama, bem como o reaparecimento de alguém que estava esquecido e a morte de um personagens importante e querido do leitor. E ela veio sem dó e sem aviso, como quase tudo na Saga dos Corvos.

Como mencionei, estou com muita expectativa para o próximo livro, pois definitivamente tudo pode acontecer e eu realmente espero que aconteça, porque as perguntas estão se empilhando e eu desejo do fundo do coração que essa série termine de forma maestral.

Como uma fantasia contemporânea que envolve o paranormal, eu super recomendo a leitura pois você vai se surpreender. Desde sempre tive uma birra com a sinopse do primeiro livro, pois ela apresenta uma história que parece um romance bobo, quando na verdade temos uma trama complexa e cheia de ramificações. E o romance é sutil e leve, jamais tirando o foco do que realmente é importante aqui, que é a história sobre as linhas ley e Glendower. E afinal, onde diacho está esse homem?

E é claro que mais uma vez somos assombrados pela morte iminente de Gansey e isso, cada vez mais, preocupa o leitor. Será que ele realmente irá morrer? Será que quem despertar o mítico Rei vai usar o pedido para salvar sua vida? Será que Maggie vai achar outra forma? E o pai de Blue que apareceu do nada e parece estar mergulhado profundamente na história? Mais e mais perguntas para serem respondidas.

site: http://resenhandosonhos.com/lirio-azul-azul-lirio-maggie-stiefvater/
dani 14/02/2016minha estante
Ai meu deus essa série é td




124 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |