Intergaláctica

Intergaláctica F. P. Trotta




Resenhas - Intergaláctica


102 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Carolina 20/06/2015

Lavagem cerebral da melhor qualidade.
Vou escrever aqui tudo que esse livro não é, pois o impacto que ele teve em mim foi forte e demorei muito tempo pra conseguir dar poder às minhas palavras e escrever algo digno. Vou começar dizendo tudo que Intergaláctica NÃO é: essa NÃO é uma história para pessoas que tem preguiça de usar a cabeça. NÃO é uma história focada em romance, NÃO é uma história para crianças. O que esse livro é: provavelmente a ferramente mais poderosa que já li em termos de prender o leitor e fazer nós refletirmos sobre nosso lugar no universo. A história me moveu, me surpreendeu, me prendeu e acima de tudo, me MUDOU. F. P. criou dois capítulos finais espetaculares, revelando segredos e reviravoltas que estavam na cara o tempo todo mas que eu não previ. O livro já é tão urgente, rápido e sem enrolação que quando o leitor chega ao final se surpreende ainda mais com a reviravolta gigantesca no fim. Não vou dar spoilers, mas não podia recomendar mais. Sublime!
Dine (Navio dos Livros) 28/11/2015minha estante
Nossa... Amei sua resenha... Agora quero ler mais ainda


Niz 04/01/2016minha estante
Uau, sua resenha aguçou mais a minha curiosidade do que a oficial do livro. Parabéns!! Já na minha lista.


Bruno.Barros 16/01/2016minha estante
Só a resenha nos mostra o quanto a história é diferenciada, nos envolvendo e nos mostrados lados ainda desconhecidos por nos mesmo. Será uma verdadeira viagem.
Já está na minha lista. o /


Marques 16/01/2016minha estante
melhor resenha, porque definiu o mesmo que aconteceu comigo. e pensar que eu não acreditava em vida alienígena antes desse livro (juro!!!)


Carol.Bonacim 01/02/2016minha estante
Nossa!!! Já estou indo buscar meu exemplar!!!


Pedro Santos 28/03/2016minha estante
Concordo com tudo. Boa descrição


Publisher 15/06/2016minha estante
Manda pra editora apreciar, com certeza nos interessou, a gente quer apreciar e podemos publicar, claro.


Ana Militz 16/07/2016minha estante
que resenha hein!


Carolina 18/11/2016minha estante
Fico feliz que tenham gostado. Estou ansiosa pela continuação mais de um ano depois que li este


Estante Rosa 12/07/2017minha estante
Faloue disse!! Esse livro é sensacional, nacional de qualidade demais




Marques 18/11/2015

Na minha opinião, de longe o melhor lançamento nacional de 2015
O que me deixou fascinado logo de início foi a ambientação. A história começa na Islândia e a rica descrição dos cenários me fez sentir o frio daquela região. O autor tem uma habilidade incrível de te levar para dentro da história, te fazer visualizar o ambiente e assim te aproximar dos personagens. Acho mágico quando isso acontece. Logo no início a história dá alguns pulos no tempo, que me deixaram um tanto desnorteado, mas logo a ação se fixa numa determinada época, que é o ano
2031 e então temos mais tempo para conhecer os personagens, que são muito bem delineados.
A primeira impressão que se tem da personagem principal Amanda é a de uma jovem sofrida, mas muito forte, que enfrenta seu pai por motivos que nos vão sendo apresentados aos poucos. Porém, já na idade adulta, Amanda se torna uma pessoa amarga, cínica e rancorosa, o que me gerou uma antipatia instantânea. Coloquei na balança seu passado traumático, mas mesmo assim a
arrogância da personagem é insuportável. Mas temos o contraponto que é Lina, uma jovem cujo destino se cruza ao de Amanda. Lina é desiludida com a vida, mas ao invés de reclamar, ela apela para o humor. É uma pessoa que consegue rir de si própria, o que contrasta com toda a seriedade de Amanda. Lina quer um sentido para sua vida, e o encontra após ser colocada numa situação crítica, envolvendo Amanda e mais dois amigos, Rypler e Stryker. Rypler é uma ex fuzileira naval que, paradoxalmente tem uma alma gentil e bondosa. E Sryker, personagem fascinante, é um gênio da computação de temperamento extremamente explosivo. Por várias vezes ele entra em conflito com Amanda, dadas às suas personalidades fortes e o resultado sempre é de soltar faíscas. Conforme é abordado em um de seus diálogos com a amiga, que é também sua psiquiatra, Stryker se refugia na previsibilidade dos números, para se preservar do medo que o desconhecido lhe causa. Ele representa na verdade toda uma geração que tem medo de seus próprios sentimentos e busca somente aquilo que consegue controlar.
O ritmo do livro é eletrizante. Franco não nos dá trégua, muito menos aos seus personagens, e antes que uma situação se desenvolva, surge outra logo por cima, mudando os rumos dos acontecimentos e nos levando por uma viagem imprevisível. Quando achamos que conhecemos o mote do livro, quando um poblema é colocado e começamos a tentar prever quais serão as atitudes dos heróis, surge uma nova dificuldade para ferrar com a vida dos personagens e nos deixar afoitos em saber que rumo as coisas vão tomar.
O livro trata dos assuntos mais diversos: vida após a morte, abusos da ciência e a existência de vida fora da Terra. Mas uma das questões principais é o egocentrismo. Até onde uma pessoa pode ir para alcançar seus objetivos? Quantas vidas podem ser sacrificadas para satisfazer a ambição de um único ser? Qual o valor da vida e das questões morais quando estão em jogo os delírios de um megalomaníaco? O livro te faz pensar no quão pequenos e frágeis, nós,seres humanos somos, em como a nossa raça é vulnerável e manipulável devido ao interesse de uns poucos. Oswald, pai de Amanda, o grande vilão do livro, representa o sentimentos mais mesquinhos do ser humano. De um egoísmo doentio, ele só pensa em seus próprios interesses e relega o resto do mundo à destruição. Uma triste metáfora do que a humanidade sempre passou para atender os caprichos de uma parcela mínima da população que é aquela que detém o poder. Mas não é só o mal que tem força. Amanda e seus companheiros são incansáveis em sua luta pra sabotar os planos de Oliver, representando aí a esperança, a amizade e o coragem. Amanda, que no início do livro não ganhou minha simpatia, cresce conforme os acontecimentos vão se sucedendo e conquistou o meu respeito.
Tenho de ressaltar alguns pontos negativos. Primeiro, a revisão que está péssima. À cada cinco páginas há um erro, e são erros gritantes. Um toque aí para a editora se atentar mais, pois quem sai mais prejudicado nisso é o próprio autor, que mesmo tendo potencial, pode perder leitores. Muitos leitores são exigentes e colocam o livro de lado quando há muitos erros de digitação, acentuação e até concordância. Foram muitos mesmo. Além disso, a sintaxe de Franco em alguns momentos é um tanto desajeitada, tornando algumas frases difíceis de compreender. E por final, há uma passagem , logo no início, onde Amanda rende um grupo de cinco agentes armados, inclusive matando um deles. Franco se esforçou ao escrever o trecho, inclusive deu detalhes lance a lance dos movimentos dos personagens, para que o leitor compreendesse como a personagem conseguiu tal façanha, num perfeito roteiro de cinema, mas não me convenceu. Senti uma influência de séries como Nikita, por exemplo, que tem seu valor, mas dentro de um determinado contexto. Uma mulher sozinha e desarmada vencer cinco caras, foi forçado.
Mas detalhes a parte, o livro é um grande aventura não só para quem lê, mas certamente, para o autor quando a concebeu. Digo isso porque Franco foi ousado, misturando elementos de realismo fantástico, ficção científica e questões e fundo existencialista, criando um mundo no futuro e também tentando impiedosamente destruí-lo. A descrição da catástrofe que assolou (ou assolará) nosso planeta devido às manipulações de Oswald, além de habilmente concebidas, são atordoantes. Faz pensar sobre o caminho que a humanidade está tomando. Quanto ao tema de vida fora da Terra, Franco foge aos clichês, não se limitando somente a demonstrar o quanto outras culturas tem a nos ensinar, mas também mostrando que mesmo em nossa insignificância perante o universo, também temos algo com o que contribuir em sua evolução. Além disso, expõe de maneira tanto direta como indireta, o quanto nossas convicções são criadas pelo medo. O quanto nos iludimos chamando de verdade, o que é apenas uma cortina de ilusões erguida para nos proteger daquilo que tememos: o desconhecido. E o quanto essa rede de proteção é prejudicial à nossa própria evolução.
Intergalática é uma sequência de surpresas que te faz virar as páginas febrilmente, uma obra que o instiga a devorar cada página. Franco brinca com o leitor, surpreendendo-o à cada instante e mexendo com as suas convicções. Uma obra pra ser lida com a mente aberta.
Estante Rosa 12/07/2017minha estante
Linda resenha!!




MarcosPaulo 20/06/2015

Um livro que te leva LONGE
F.P.escreveu algo quase impossivel: o sonho molhado de um nerd que ainda apele a um público mainstream. "Intergaláctica" tem múltiplos mundos alienígens e um universo cheio de vida, mas no seu coração ainda é um espetacular drama pessoal da jornada psicológica de uma anti-heroína, e sua vingança contra seu pai. O livro cresce da página 1 até a final, e me lembrou de uma versão mais fantasiosa de Duna, de Frank Herbert. Os dois criaram não só uma história, mas um mundo memorável com uma elaborada filosofia de idéias, com três temas principais: ecologia, política e religião. A de Frank é mais seca e adulta, mas a de F. P., na minha opinião, é mais sádica ( o que é ótimo). A dualidade do homem é questionada e o autor pede ao leitor re-avaliar inúmeros princípios, e essa é a definição de pura ficção científica.
comentários(0)comente



Thays 10/07/2015

Fantástico.
O livro começa com a nossa protagonista Amanda em 2009 em uma cena com seu pai, e logo depois em 2010, quando Amanda começa a descobrir algumas mentiras do seu pai, e segue assim alguns capítulos, nos dando informações sobre a vida de Amanda, uma menina que era doce, sensível e amorosa, que hoje por conta do seu pai ganancioso, fez de Amanda uma mulher um pouco fria. Seu pai acha que pode concertar as pessoas, tirar todas as suas emoções e as tornar forte, e ele tentou essa experiência com a Amanda, porém foi mal sucedida e ela conseguiu fugir dele com sua “babá. ”
Em 2031 Amanda acordou de um coma por conta da meningite aguda, ela acorda e logo começa a contar sua incrível experiência para seus amigos Ripley e Stryker do que ela vivenciou enquanto esteve em coma, uma realidade, um planeta, diferente de tudo que já estudou. Amanda é cética, e ela vivenciar algo assim de tamanha grandeza e acreditar é fabuloso.
Ela acordou exatamente no dia em que a NASA comunica ao mundo uma viajem a uma das luas de Júpiter, com o objetivo de buscar vida terrestre em outro planeta, tudo isso gera um em Amanda uma grande ansiedade de descobrir tudo que realmente está acontecendo, e algo tão grandioso assim, só poderia ser organizado pela Firma, onde seu pai é fundador, e seu único objetivo é colocar o caos na terra e destruir aqueles que o cercam.
Amanda, é abordada por alguns homens da firma vestidos de policiais em um restaurante com seus amigos e Lina, e só resta nela uma única opção, atirar nos homens e fugir, isso foi estratégico, para que ela buscasse seu pai pedindo ajuda para limpar seu nome e dos seus amigos. Então Amanda tem a brilhante ideia de se infiltrar na Firma e destruir todos os planos do seu pai, o que não será nada fácil, tudo é vigiado e filmado, mas Amanda entra em uma missão com seus amigos e está decidia de ir até o fim, um ex militar, uma analista de sistema, e Lina uma mulher que não tem nada a perder e que faz de tudo para ter novas experiências.
Vivenciando cenários incríveis, testando seus limites, se conhecendo e indo até o fim pelo bem da humanidade.
Eu tentei escrever essa resenha sem dar nenhum spoiler, o livro foi uma experiência incrível para mim, o autor descreve cenários fascinantes, tudo que eles vivenciaram foi exatamente explicado cada detalhe, não deixado nada passar, nos leitores sempre imaginamos imagens na nossa cabeça, eu não só criei imagens, como vivi e senti cada cena me levanto a uma aventura extraordinária.
Os personagens são marcantes, cada um deles, com suas historias, ambições e jeito de lidar com as dificuldades, por ser uma protagonista mulher, forte e concentrada como Amanda, deu um toque especial em toda história, amo livros com protagonistas femininas, mas Amanda? Não tem para ninguém, que mulher mas decida que eu já conheci!
O livro tem uma escrita muito inteligente, tanto falando da neurociência como o conhecimento dos outros planetas, é inteligente, mas não chato, não quero ofender nenhum autor aqui, mas aqui entre nós, as vezes uma escrita inteligente é difícil ser interpretada, mas esse livro é inteligente de uma forma que você consegue entender exatamente tudo, as descrições são tão fascinantes que eu lia e relia o trecho só para visualizar tudo.
Quanto mais você lê mas você descobre sobre esse mundo extraordinário, a leitura vai avançando de forma, que você não consegue simplesmente para de ler, eu tive insônia, eu não dormi até acabar de ler.
O final é uma reviravolta tão grande e inimaginável. Leiam, esse livro merece ser lido e apreciado! Fantástico, e o melhor! Tem continuação, o autor não enrola em suas histórias, então podem esperar muitas aventuras na próxima história!
OBS: Franco com todo respeito você é foda cara! Sem mais! Fantástico. Estou com ressaca literária! Amei absolutamente tudo

site: thaysmdelima.blogspot.com.br
comentários(0)comente



desencaixados 29/06/2015

FINAL SURPREENDENTE
O livro começa em 2009. Nesse inicio conhecemos o relacionamento de Amanda com seu pai e descobrimos que não anda muito bem. O pai de Amanda é um criador e uma vez tentou usar a filha para novos experimentos. Isso agravou muito Amanda e até hoje ela tem ódio do pai.

Amanda estava com meningite aguda e acorda de seu coma contando um estranho sonho. Ripley e Stryker á ouviram e lhe informaram sobre a expedição espacial que irá deixar o mundo boquiaberto.

Incomodada com essa noticia Amanda começa há pesquisar um pouco sobre a noticia que o mundo inteiro não para de falar, e em poucos dias ela faz amizade com Lina.

No dia que os quatros marcam de conversar em um lugar especial, uma grande tragédia acontece. Amanda atirou em “policiais” e fugiu do lugar; pela cidade foram filmados e os jornais de Chicago começaram a espalhar o ocorrido.

Amanda não tinha escolha. Ela teve que explicar oque tinha acontecido e é a partir desse momento que os quatros conhecem tudo sobre Amanda, e sem escolha eles tem que encarar a maior aventura de suas vidas.

Posso dizer que esse livro é simplesmente surpreendente. A cada página que se passar e a cada capítulo lido F.P. Trotta lhe surpreende de uma forma inesperada. Sem se falar do final que me deu uma grande lição de vida.

F.P. Trotta escolheu o gênero ficção cientifica e fantasia. Posso dizer que gostei muito do jeito que ele escreveu as parte de fantasia. Eu nunca fui de “adorar” livros desse gênero, mas ele me fez descobrir que realmente gosto desse estilo. Eu não sei como não gostava, eu não sei dizer, pode até ser um pequeno preconceito, mas não sei explicar.... kkkkk.

Todos os personagens desse livro são bem construídos. Eu acho que não tinha forma melhor dele descrever e criar Amanda e Lina. As duas são personagens fortes e marcantes. Que lhe ajuda muito e em certos momentos nos fazem pensar em algumas coisas.

Galera eu tive o imenso prazer de ler esse livro, até porque o Trotta gastou MUITO dinehiro para me enviar um exemplar. Pra quem não sabe o livro foi publicado primeiramente em inglês e agora teve sua edição em português. Eu adorei o desfecho do livro, não teria final melhor e como disse; ele é surpreendente.

Uma coisa que às vezes me incomodou foi os erros de gráfica que ficou na diagramação do livro. Isso não é um grande ponto negativo, mas nada que uma pequena revisada melhore. Gente essa capa é perfeita, mas a ela é um pouco mole (isso não é um ponto negativo). Eu fiquei apaixonado por essa capa e as folhas (simplesmente amo as folhas dos livros da Editora Livros Ilimitados).

site: http://desencaixados.blogspot.com.br/2015/06/resenha-intergalactica.html
comentários(0)comente



Ronaldo 29/06/2015

Uma viagem alucinante que devorei em menos de três dias Resenha completa no link:

http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2015/06/intergalatica-uma-montanha-russa-de.html
comentários(0)comente



Vinii 13/02/2016

Resenha
Conta a história de Amanda uma pequena jovem, filha de Oswald que era um grande inventor que tinha acabado de criar uma esfera conhecida como Órbita que tinha como objetivo trazer mais luz a este mundo. Oswald era um homem super inteligente e dedicado com suas " obras " mas tinha também seu lado obscuro, até um dia em que ele (Oswald) aprisionou sua filha para tentar fazer testes com ela, Amanda com medo conseguiu escapar das mãos de seu pai e fugiu com a empregada da casa que era como se fosse a mãe dela (pois a mãe dela havia morrido) Shirley e nunca mais nem Amanda e Shirley viram novamente Oswald os anos se passaram e Amanda já tinha construído uma nova vida com a ajuda de seus pacientes que se tornaram amigos Stryker, Ripley e Lina descobrem que Oswald estava sabotando o projeto da NASA querendo adquirir a energia de Júpiter para poder construir uma nova Órbita com muito mais poder que causaria varias desgracas pelo o mundo do que a primeira. Amanda e seus amigos tem como plano de não permitir com que os projetos de seu Pai vão para frente...
comentários(0)comente



Alex 28/03/2016

Legal, mas cansativo.
Como descrever esse livro ? Vamos lá, com calma.
Estava esperando muito mais desse livro, por parecer ter uma temática espacial.
O Livro é interessante. Tem uma história até legal, mas torna-se muito cansativa. Achei alguns personagens muito voláteis, no início, por exemplo, uma conversa sem nexo com muitos palavrões, muitos ataques sem sentido, comportamento que não acontece durante todo o livro, vê-se esse tipo de comportamento em vários pontos. Também não entendo porque autores brasileiros inventam personagens com nomes americanos e histórias que se passam fora do Brasil.
A história também torna-se muito cansativa, a narrativa é muito rápida, não fornece muito detalhes. Algumas explicações rápidas simplesmente não dá para entender. Estou acostumado com livros tipo O Físico, Uma Odisséia no Espaço, Operação Cavalo de Tróia, etc... com uma narrativa mais aprofundada, o que não é o caso deste livro. Acho que está mais voltado para o público Infanto Juvenil, onde os fatos acontecem muito rápido e previsivelmente. Além disso, ficou um pouco "largada" a última parte, onde depois de derrotar o grande inimigo a personagem é levada em outra aventura totalmente separada da história principal. Para mim, se o livro fosse mais aprofundado somente na primeira parte, ele seria muito melhor, podendo deixar a segunda parte em um livro separado, uma continuação do mesmo.
Lia Cavalcante 06/09/2016minha estante
undefined




Um Simples Leitor 07/03/2016

Intergaláctica | Resenha
Já nas primeiras vinte e quatro (24) páginas, podemos ler algumas partes da vida de Amanda. Sendo divido em três partes, temos o crescimento dela. Desde o momento quando criança com uma relação estável com seu pai, até o descobrimento de que seu pai tem uma vida secreta mais próximo do que ela imagina. Contudo, depois de fugir de seu pai, Amanda se torna uma mulher, adere a profissão de psiquiatra e passa algum tempo em coma.



Ao acordar ela se depara com dois de seus pacientes, Stryker e Ripley em seu quarto. Eles saem pra comemorar com mais uma conhecida, Lina. Eles estão no bar tendo uma noite normal de amigos até chegar alguns homens que querem a levar presa. Ela sabe muito bem que aquelas pessoas foram mandadas pelo seu pai. Amanda sozinha os detêm e seus amigos ficam sem saber o porque daquilo ter acontecido. Eles vão para a casa de Amanda que é mega hiper ultra protegida e lá eles ficam sabendo do que Oswald está atrás. Ele é considerado um gênio para o mundo e trama explorar novos mundos, o que pode trazer a destruição para a Terra.

Depois de serem considerados fugitivos pelo atentado no bar, eles passam alguns dias se preparando para poder se infiltrarem a equipe de seu pai para o deter do mau que planeja.



Agora eu pergunto: CADÊ OS PRODUTORES DE CINEMA BRASILEIRO pra poder levar isso para as telonas?. Cada capítulo que eu lia eu imaginava a cena como se eu estivesse vendo o filme dele. O livro é cheio de suspense, não é do tipo que você já lê sabendo o que vai acontecer. A partir do momento em que Amanda, Stryker, Ripley e Lina se infiltram Na Firma, eu fiquei literalmente com medo por eles.

Franco é mais um da minha lista que digo de boca cheia: O CARA É FODA!. Quero ler tudo que esse homem escrever na vida. Eu fiquei com medo de não gostar do livro porque eu criei uma grande expectativa em cima dele. Quando eu o peguei para ler, eu estava ouvindo "Cheap Thrills - Sia" - Franco, guarde essa música no seu coração- e imaginei uma certa cena em minha mente com essa música de fundo. Eu literalmente viajei no livro e gostei muito.



Cada personagem me trouxe uma lição. Amanda não tem medo de praticamente nada. Ela coloca a cara no sol e encara tudo que pode ser um grande risco. Stryker é aquele personagem que ao contrário de Amanda, tem medo de tudo. Ao ser encorajado por tal, ele se abre e se torna uma peça fundamental na história. Ripley, a moça que fiquei na dúvida se era moço - heuehuehehue. Já Lina, não tenho nada que dizer... A mulher é foda e pronto.

Gente, vocês precisam ler esse livro e presenciar cada mundo nele descrito. O Brasil é pouco para o Franco. Na verdade, O MUNDO precisa conhecer essa história. Além de ser uma ficção, eu acredito que possa sim ser uma verdade que nos espera.

Se eu ficar mais aqui vocês vão passar dias lendo essa postagem, por isso vou parar. Qualquer coisa me chamem no Facebook que eu falo mais pra vocês.

Então é isso galera. Espero que tenham gostado da resenha, porque eu amei o livro do fundo do meu coração. NACIONAIS MERECEM RESPEITO!, vamos subir uma campanha.

site: umsimplesleittor.blogspot.com
comentários(0)comente



Vickawaii 18/02/2016

Uma fantástica viagem espacial
Intergalática é o romance de estreia de F.P. Trotta, que conseguiu transportar o leitor para mundos novos e fantásticos. Apesar da trama futurística, Intergaláctica traz questionamentos bem atuais e uma narrativa repleta de ação para quem gosta do gênero, repleto de novas descobertas. É verdade que se eu fosse Lina dificilmente deixaria minha vida para trás e partiria rumo ao desconhecido, mas como leitora, tenho que dizer que apreciei a viagem.

(Resenha completa no blog Finding Neverland)

site: http://wheresmyneverland.blogspot.com.br/2015/08/resenha-intergalactica.html
comentários(0)comente



Sr. Tito 13/09/2015

Resenha - Submerso em Palavras
Olá, submerso! Resenha saindo do forno!

Pense que você está em um futuro não muito distante. Imagine que o mundo está esperando por um dos maiores eventos espaciais. Seu próprio pai é seu inimigo. Você e seus amigos são alvo de pessoas poderosas. O perigo está à espreita. Acaba de descobrir que a Terra em que vive é nada diante da imensidão de planetas. Esse é o contexto do science fantasy INTERGALÁCTICA, do autor F.P. Trotta, parceiro do blog.
O livro inicia no ano de 2009, no qual Amanda Collins, a protagonista, ainda é uma criança de 9 anos. O leitor começa a compreender um pouco da vida da personagem, conhecendo Oswald, o pai dela, e Shirley, a empregada, que para Amanda era uma grande amiga. Ao meu ver, uma mãe. Oswald não faz o tipo "paizão". Ele é mau, uma cientista louco que tenta usar Amanda em um de seus experimentos. É o pai que todos desejariam ter, não?

"Amanda abriu os olhos e se viu em uma sala branca, com um corredor no fim: ela imediatamente se localizou, estando dentro da sala à esquerda do laboratório de seu pai. [...] Ela tentou se mover, mas notou que estava amarrada à cadeira: tentou abrir a boca, mas notou que sua boca também havia sido presa. Seus músculos estavam imóveis e então ela viu Oswald andando em sua direção sorrindo."

Bruscamente, Trotta nos direciona para o ano de 2031. Amanda, já adulta, dirige uma grande empresa especializada em neurociência. Mas uma meningite atrapalha sua vida, pondo-a em um coma. Seus amigos, Ripley e Stryker, presenciam o seu despertar. Nada normal. A mulher, totalmente fraca, fala de um sonho bastante estranho que teve enquanto em coma estava.

"- Eu juro que lembro disso vividamente... E então de cima, algo tão lindo, tão perfeito... [...] Eu podia lhes dizer todos os adjetivos do mundo para descrever a beleza daquele lugar em que eu me achei. Era vibrante, vivo, etéreo, superior, magistral. Parecia que meu corpo todo flutuava em êxtase. Embaixo de mim, um campo. Era brilhoso, verde, tão verde, tão que nem a Terra. Mas ao mesmo tempo não era aqui. [...]"

Nesse meio-termo, o mundo treme em expectativa com um dos eventos mais importantes da NASA: a expedição para a lua de Júpiter. Oito astronautas em busca de vida extraterrestre. Mas tal fato gera muita polêmica. A humanidade começa a criar especulações, enquanto os mais conservadores e religiosos começam a contestar tudo isso, em uma ignorância, ao ver de Amanda e também do autor, à infinidade de possibilidades do Universo. Amanda, por sua vez, mostra-se extremamente excitada, visto que anima-se bruscamente após despertar do coma com a notícia da expedição.

"Eu sei que existem muitos outros mundos. Muitos mares e florestas. Uma infinidade de tipos, raças. Eu não consigo entender como chegamos tão longe como sociedade com mentes tão estreitas, uma estupidez alucinante."

E então a trama passa por uma série de reviravoltas. E quando digo "reviravoltas", não estou brincando! Tudo mudo de uma para outra. Verdades vão à tona. Mentiras e segredos são desintegrados. Creio que vale avisar a vocês que o Trotta é especialista na fina arte de trollar um leitor. Digo, algo acontece no decorrer da estória. Sofremos com o fato, aí depois descobrimos que não é verdade e nos sentimos um completo idiota! Ha-ha.
O leitor faz uma viagem sem igual por planetas, conhecendo diversas formas de vida, costumes e sociedades em demasia. Com isso, o autor nos lança a mensagem de que nós, terráqueos, não somos absolutamente nada comparado à vastidão de mundos e galáxias que nos rodeia. Que por milênios nos sentimos os donos do Universo e superiores à tudo e todos. Lendo Intergaláctica, começamos a entender que não é bem assim.
O que falar do vilão da estória? Submerso, eu tenho que aplaudir o Franco! É muito, mas muito difícil me fazer odiar um vilão, visto que sou fã de vários. Davi sendo das trevas. Mas sério, Oswald ganhou de mim meu ódio eterno. Eu simplesmente sinto vontade imensa de esganá-lo, talvez pelo fato do mesmo ser pai da Amanda. Ou seja, pai e filho se detestam! Isso achei bem interessante, divergindo do senso comum.

Sobre os personagens:

Amanda: Destemida e corajosa, a protagonista é simplesmente demais! Conhecedora da mente humana e bastante crítica, a mulher é bastante inteligente e determinada. Diferente das protagonistas mais recentes, Amanda não perde tempo com romances e mágoas. Ela não perde o foco e vai até o fim.

"- Ninguém acha que podemos. Ninguém acreditaria que viríamos a conseguir executar algo assim - disse para si mesma, abrindo os olhos e vendo seu reflexo. - Exatamente por isso que vamos seguir em frente."

Stryker: É um dos pacientes e amigo de Amanda. Muito divertido e animado, o rapaz é hacker, sendo bastante útil para missão do grupo de amigos.

"- Pode acreditar no que estamos fazendo nesse exato momento? - perguntou Stryker. - Cruzando um oceano alienígena junto de um grupo que acabamos de conhecer, o primeiro contato entre civilizações inteligentes que aconteceu na humanidade, e aqui estamos nós, parecendo quase... normais."

Lina: A nova amiga de Amanda busca por um sentido para sua vida. Apesar de possuir muito dinheiro como fruto de seu trabalho, sente-se um fracasso, por assim dizer. Como se o que tanto almejou, nunca tivesse acontecido. Embarcando nessa missão, tudo muda.

Oswald: Líder da "Firma", sempre foi uma criança prodígio. Desde pequeno, já mostrava-se apto para criar coisas. Essa habilidade desenvolveu-se a ponto dele tornar-se uma das pessoas mais poderosas do mundo. Infelizmente, usou seu talento para a maldade.

"Colaborou com o governo militar contra a a guerra no Iraque, construindo a maior parte das armas de fogo."

Muitos personagens poderiam ser citados, mas esses são para mim os mais marcantes. Amanda, juntamente com Stryker, Lina, e também Ripley, se aventura em uma missão fora do normal contra forças que querem destruí-los. Tal embate cresce, atingindo proporções gigantescas. Mais uma vez, Franco surpreendendo o leitor.
Sinceramente, não consigo encontrar defeitos! O livro foge de clichês, não é nem um pouco previsível. Podemos tecer uma infinidade de teorias acerca do final, e nenhuma delas chegarão perto da verdade. Não dá para prever a conclusão!
Por isso indico, sem exitar, Intergaláctica, de F.P. Trotta. Um livro original, instigante, surpreendente, que possui uma boa dosagem de ação, ciência e fantasia. Tudo na medida certa, prendendo quem o ler ás páginas. Então, o que está esperando? Garanta urgentemente o seu exemplar antes que seja tarde. Mundos e seres te aguardam nessa aventura surreal!

site: http://blogsubmersoempalavras.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Guerrero (Janika Banks) 15/01/2016minha estante
Honestamente, sinto que vc não compreendeu o final do livro, porque dizer que os saltos foram sem lógica ou desconexos foi o mais doido pra mim, visto que disse na minha resenha que achei eles extremamente bem conectados... tudo que está no livro me parece ser o contato da Amanda com as tecnologias de Nitro. Por isso 2009 está lá, e por isso ela só acorda em 2031. Todos os eventos diretos da Ascensão para com a Amanda estão lá (e eu também li a versão em inglês)....mas realmente deve ser algo de gostos diferentes, porque como assim alguém não gosta da Amanda!! kkkkk


Carlos.Vicente 15/01/2016minha estante
oi Natalia, na minha edição a frase que mencionou como Lina está como Xev. Deve ter sido um erro. procurei furos na narrativa de Intergaláctica mas acredite , não os encontrei ... não se preocupe, sempre tem a diferentona, acontece kkkk


Francesco.Procat 15/01/2016minha estante
Na verdade considero a construção gradativa dos personagens um diferencial na obra de Trotta, enquanto que a narrativa não linear nos faz organizar os acontecimentos de forma que a linha de interpretação da personagem de Amanda nos faça mais sentido, sem tirar o mistério por trás de cada pensamento e cada ato, técnica comum no cinema (Tarantino mandou um abraço), que complementa e eleva a qualidade narrativa. P.S. Vale ressaltar que uma narrativa tal como esta nas mãos de qualquer autor poderia gerar um emaranhado incontendivelmente ruim. Entretanto, o autor consegue fazer deste não um oito ou oitenta, mas um oitocentos sem sombra de dúvida.
Algo realmente incoerente é a sua resenha :)

P.S 2 (?) Amanda, para mim, é uma das melhores personagens do sci-fi desde Arthur Dent,


Nascimento 15/01/2016minha estante
oi natália, acho que vocÊ não entendeu a história realmente. é claro que os objetivos eram alcançados sem grande esforço! o livro inteiro faz parte da ascensão. esse é o propósito de tudo! o tempo todo eles estão sendo "trollados". acham que conquistaram algo, quando na verdade é Nitro que está por trás dos panos só assistindo e caminhando com as 7 etapas da Ascensão. claro que Lina em sua vida entediante iria querer se infiltrar na Firma. ela pode não ser próxima de Amanda, mas era melhor amiga de Stryker e Ripley. Stryker não quebrou o sistema de segurança da Firma - A FIRMA DEIXOU STRYKER QUEBRAR A SEGURANÇA. Tudo era parte da Ascensão.


amanda.antonia. 15/01/2016minha estante
Oi Nathalia!
Não estou aqui para te julgar por não gostar da obra, isso é uma questão de gosto, particularmente eu adorei, mas sim para questionar os pontos que você apresentou, a impressão que passa para qualquer leitor que leu Intergaláctica é que você leu superficialmente o livro, ou seja, não prestou atenção na história.
Vou começar pelo o que mais me deixou com a certeza do que comentei acima: Todos os fatos estão interligados, a infância da Amanda até os dias atuais, tudo está conectado e mesmo com as puladas de ano você consegue compreender o que está acontecendo sim e o porquê das atitudes e o jeito dela ser.
A obra do autor Trotta é uma das obras mais diferente que já li por apresentar uma história de filme de ação e não deixa pontas soltas, acredito que você não estava acostumada a esse estilo de escrita pois não conseguiu acompanhar o que estava acontecendo com os personagens. Recomendo que você leia novamente o livro com mais atenção para perceber esses pequenos detalhes que não apenas eu citei, mas muito outros leitores, que por sinal até deram alguns spoilers para você compreender melhor a história.
Abraço e até logo! Espero que compreenda essa mensagem.


Pitty 10/04/2016minha estante
Natália, concordo inteiramente com você. Mas somos a minoria aqui com certeza.

Achei a estória sem desafios, sem uma trama mais complexa. Como você disse muito bem, tudo acontece muito, muito fácil. Como, por exemplo, acordar de uma hibernação de 10 dias e do nada já embarcar em uma nave espacial, voando para um planeta distante? Sem qualquer tipo de treinamento ou conhecimento especializado?

E a explicação no final, de que tudo já estava planejada por essa misteriosa raça que vive a apenas 12 anos luz daqui, foi bem simplória.

Minha edição é Kindle, comprada na Amazon. Talvez não tenha sido revisada. Espero que saia uma edição com uma revisão de texto primorosa, pois tem muitos trechos com escolhas ruins de concordância.

Comparado com outros autores nacionais, como Eduardo Spohr, para mim está bem longe de ser o melhor lançamento de 2015.


Rafaela 27/06/2017minha estante
Concordo com você Natalia, não me agradou a construção de personagens e o relacionamento entre eles. Achei que há muitas ideias misturadas na trama, parece que o autor "atira para todos os lados", tudo acontece rápido demais e leitura ficou cansativa. As reviravoltas não me impressionaram, pois não consegui levar o livro a sério. Também há os palavrões desnecessários e os erros de edição. Acredito que quando uma pessoa não gosta, nem sempre significa que ela não entendeu.




Lorrane Fortunato 09/09/2015

Resenha - Intergaláctica / Dreams & Books
"Onde estaria a segunda Terra?"

Comecei a escrever essa resenha exatamente há 30 minutos após ter concluído a leitura. E ainda estou em choque. A sensação é de estar zonza e em um sonho ao mesmo tempo. Não estou conseguindo assimilar tudo agora.

Eu tinha quase certeza que iria amar o livro. Todos os comentários positivos, o sucesso em um mês de lançamento e as avaliações sempre de 5 estrelas me davam quase certeza. Mas, apesar de 99% de certeza, aquele 1% me deixava ansiosa e temerosa.

E se eu não gostar? E se eu achar chato? E se eu não me identificar?
Eu me perguntava dia a dia ate chegar o momento de ler.

Quando comecei logo houve o estranhamento com a revisão que não foi feita. Você pode encontrar erros ao longo de todo o livro e muitos deles. Que é um ponto negativo, felizmente, o único.

E assim que começa a ler é imediata a sua identificação com a escrita do autor e com os personagens. A escrita do Trotta é direta, fluida e sem nenhuma enrolação e eu admiro muito isso em um escritor. Odeio enrolação e palavras desnecessárias. Tenho certeza que se lesse a versão em inglês (que tem 30 mil palavras a mais), não iria gostar tanto do livro como gostei.

A história é viajada. Totalmente louca e surreal. Mas, a forma como o Franco escreve faz com que você consiga acreditar em tudo aquilo, não importando o quão não crível possa ser.

Foto tirada pela blogueira. Instagram @dreamsebooks

O autor tem uma imaginação fértil, fértil como eu não via há tempos. 
Eu ficava tentando entender como ele conseguiu criar aqueles seres e lugares. Como ele criava tanta coisa louca e sem nenhum sentido e conseguia amar essas coisas e acreditar nelas a ponto de passar isso para os leitores e fazê-los amá-las e acreditar nelas também.

Muitas passagens são ricas em detalhes e, apesar de eu normalmente não gostar de narrações muito detalhadas, nesse caso tem todo sentido e ajuda muito a construir os cenários e os seres.

Os personagens são muito bem construídos e trabalhados. Suas características e personalidades são bem exploradas e logo você consegue se identificar com uns e com outros, nem tanto. A personagem principal, Amanda é uma mulher forte e decidida. E no geral, eu gostei muito dela, só as vezes que ela me irritava um pouco, por ter atitudes que passavam a mensagem que ela tinha a verdade soberana e incontestável e que era melhor do que todos ali.

Os personagens secundários não ficaram em segundo plano e são tão bem trabalhados quanto os principais. (Trotta, falando em personagens, não te perdoo por ter matado meu crush!)

Há ação do começo ao fim, o livro não fica entediante em nenhuma parte. Vai chegando um ponto que é tanta coisa que nem há tempo para respirar e o final... Meu Deus, que final! Mais surpreendente impossível! Não vi até agora, ninguém que tenha sequer suspeitado desse final. E duvido que haverá alguém que o faça.

O Trotta é com certeza, uma revelação da nossa literatura, que estreou de uma
forma brilhante! Seu sucesso em tão pouco tempo não me deixa mentir. O segundo volume de Intergaláctica, Interdimensional que também é a conclusão da história, tem previsão de ser lançado em janeiro de 2016.
Confesso que estou contando os dias para lê-lo. Te convido a embarcar nessa viagem e te desafio a não se apaixonar! ;)

site: www.dreamsandbooks.com
comentários(0)comente



Pedro Santos 28/03/2016

Uma sequência de surpresas que te faz virar as páginas febrilmente
O que me deixou fascinado logo de cara foi a ambientação. A história começa na Islândia e a rica descrição dos cenários me fez sentir o frio daquela região. O autor tem uma habilidade incrível de te levar para dentro da história, te fazer visualizar o ambiente e assim te aproximar dos personagens. Acho mágico quando isso acontece. Logo no início a história dá alguns pulos no tempo, que me deixaram um tanto desnorteado, mas logo a ação se fixa numa determinada época, que é o ano
2031 e então temos mais tempo para conhecer os personagens, que são muito bem delineados.
A primeira impressão que se tem da personagem principal Amanda é a de uma jovem sofrida, mas muito forte, que enfrenta seu pai por motivos que nos vão sendo apresentados aos poucos. Porém, já na idade adulta, Amanda se torna uma pessoa amarga, cínica e rancorosa, o que me gerou uma antipatia instantânea. Coloquei na balança seu passado traumático, mas mesmo assim a
arrogância da personagem é insuportável. Mas temos o contraponto que é Lina, uma jovem cujo destino se cruza ao de Amanda. Lina é desiludida com a vida, mas ao invés de reclamar, ela apela para o humor. É uma pessoa que consegue rir de si própria, o que contrasta com toda a seriedade de Amanda. Lina quer um sentido para sua vida, e o encontra após ser colocada numa situação crítica, envolvendo Amanda e mais dois amigos, Rypler e Stryker. Rypler é uma ex fuzileira naval que, paradoxalmente tem uma alma gentil e bondosa. E Sryker, personagem fascinante, é um gênio da computação de temperamento extremamente explosivo. Por várias vezes ele entra em conflito com Amanda, dadas às suas personalidades fortes e o resultado sempre é de soltar faíscas. Conforme é abordado em um de seus diálogos com a amiga, que é também sua psiquiatra, Stryker se refugia na previsibilidade dos números, para se preservar do medo que o desconhecido lhe causa. Ele representa na verdade toda uma geração que tem medo de seus próprios sentimentos e busca somente aquilo que consegue controlar.
O ritmo do livro é eletrizante. Franco não nos dá trégua, muito menos aos seus personagens, e antes que uma situação se desenvolva, surge outra logo por cima, mudando os rumos dos acontecimentos e nos levando por uma viagem imprevisível. Quando achamos que conhecemos o mote do livro, quando um poblema é colocado e começamos a tentar prever quais serão as atitudes dos heróis, surge uma nova dificuldade para ferrar com a vida dos personagens e nos deixar afoitos em saber que rumo as coisas vão tomar.
O livro trata dos assuntos mais diversos: vida após a morte, abusos da ciência e a existência de vida fora da Terra. Mas uma das questões principais é o egocentrismo. Até onde uma pessoa pode ir para alcançar seus objetivos? Quantas vidas podem ser sacrificadas para satisfazer a ambição de um único ser? Qual o valor da vida e das questões morais quando estão em jogo os delírios de um megalomaníaco? O livro te faz pensar no quão pequenos e frágeis, nós,seres humanos somos, em como a nossa raça é vulnerável e manipulável devido ao interesse de uns poucos. Oswald, pai de Amanda, o grande vilão do livro, representa o sentimentos mais mesquinhos do ser humano. De um egoísmo doentio, ele só pensa em seus próprios interesses e relega o resto do mundo à destruição. Uma triste metáfora do que a humanidade sempre passou para atender os caprichos de uma parcela mínima da população que é aquela que detém o poder. Mas não é só o mal que tem força. Amanda e seus companheiros são incansáveis em sua luta pra sabotar os planos de Oliver, representando aí a esperança, a amizade e o coragem. Amanda, que no início do livro não ganhou minha simpatia, cresce conforme os acontecimentos vão se sucedendo e conquistou o meu respeito.
Tenho de ressaltar alguns pontos negativos. Primeiro, a revisão que está ruim. À cada cinco páginas há um erro. Além disso, a sintaxe de Franco em alguns momentos é um tanto desajeitada, tornando algumas frases difíceis de compreender. E por final, há uma passagem , logo no início, onde Amanda rende um grupo de cinco agentes armados, inclusive matando um deles. Franco se esforçou ao escrever o trecho, inclusive deu detalhes lance a lance dos movimentos dos personagens, para que o leitor compreendesse como a personagem conseguiu tal façanha, num perfeito roteiro de cinema, mas não me convenceu. Senti uma influência de séries como Nikita, por exemplo, que tem seu valor, mas dentro de um determinado contexto. Uma mulher sozinha e desarmada vencer cinco caras, foi forçado.
Mas detalhes a parte, o livro é um grande aventura não só para quem lê, mas certamente, para o autor quando a concebeu. Digo isso porque Franco foi ousado, misturando elementos de realismo fantástico, ficção científica e questões e fundo existencialista, criando um mundo no futuro e também tentando impiedosamente destruí-lo. A descrição da catástrofe que assolou (ou assolará) nosso planeta devido às manipulações de Oswald, além de habilmente concebidas, são atordoantes. Faz pensar sobre o caminho que a humanidade está tomando. Quanto ao tema de vida fora da Terra, Franco foge aos clichês, não se limitando somente a demonstrar o quanto outras culturas tem a nos ensinar, mas também mostrando que mesmo em nossa insignificância perante o universo, também temos algo com o que contribuir em sua evolução. Além disso, expõe de maneira tanto direta como indireta, o quanto nossas convicções são criadas pelo medo. O quanto nos iludimos chamando de verdade, o que é apenas uma cortina de ilusões erguida para nos proteger daquilo que tememos: o desconhecido. E o quanto essa rede de proteção é prejudicial à nossa própria evolução.
Intergalática é uma sequência de surpresas que te faz virar as páginas febrilmente, uma obra que o instiga a devorar cada página. Franco brinca com o leitor, surpreendendo-o à cada instante e mexendo com as suas convicções. Uma obra pra ser lida com a mente aberta.
comentários(0)comente



Becca 21/06/2015

Meu novo livro preferido (de todos os tempos!)

F.P. escreve diálogos muito bem? Do terceiro capítulo pra frente eu já estava presa até o final. O livro é violento, complexo, emocionante e muito épico, crescendo sempre para vários climaxes. A batalha final que eu imaginei que aconteceria no fim do livro acontece na metade!
Fazia tempo que eu não lia algo que desse tanta força para uma personagem feminina. Duas, na verdade. E o tema é extremamente argumentativo: é o tipo de livro que faz você passar em frente assim que termina. Não podia recomendar mais!
comentários(0)comente



102 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7