Quem precisa de Heróis?

Quem precisa de Heróis? Vivianne Fair/ chefa




Resenhas - Cavaleiros do RPG


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Chefa 23/10/2009

Comédiaaaa
Serve tanto para quem conhece RPG quanto pra quem não conhece!
Adorooooo...=3

O livro por enquanto só pode ser comprado através da autora (mais barato) no e-mail: vivi.fantasy@gmail.com, ou no www.cavaleirosdorpg.wordpress.com ou na livraria cultura! Não adianta procurar em outros locais por enquanto; ele é recente!

Comentários e resenhas sobre o livro você pode encontrar no próprio site da livraria no link direto aqui:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/resenha/resenha.asp?nitem=9038354&sid=8912331381193323521821218&k5=2A35B7B0&uid=
comentários(0)comente

Camila 01/12/2009minha estante
O melhor livro de humor que li esse ano e tô vendo que vai ser difícil superá-lo tão cedo! hehe




Camila 20/10/2009

Cavaleiros do RPG
Eu não só achei um livro sensacional, como entrou para a categoria dos meus favoritos! A autora não é somente muito simpática como muito talentosa! Recomendo a todos aqueles que querem um leitura descontraída, muito divertida, mas também com uma mensagem muito bonita! Apesar de ser um livro predominantemente cômico, em vários momentos da história cheguei a me emocionar, de verdade! O momento em que as personagens passam na Floresta da Ilusão para mim foi um dos melhores!! Adorei todos os heróis, cada um do seu jeitinho, mas com certeza a Blaze é minha predileta! Mas já vou avisando logo, se você não é uma pessoa bem humorada e que consegue rir das besteiras mais sem noção possíveis, este não é um livro para você! Mais uma vez, amei!!!!!
comentários(0)comente



ju 25/10/2009

Achei doce e encantador na sua simplicidade.
Houve momentos em que ri em voz alta. Os heróis eram cativantes, impossível você não se identificar com algum; Mesmo repleto de bom humor, ainda não deixa de passar mensagens muito bonitas como a importância da amizade e lealdade. Além de nós fazer questionar o que é de fato heroísmo. Foi uma leitura absolutamente fenomenal.
comentários(0)comente



Mandy 05/10/2009

Impossível não se identificar com algum personagem! Seja ele o vilão sexy, o mago portunhol, ou a famosa garota que pode destruir o mundo em sua primeira TPM... Melhor eu parar antes que acabe citando todos os personagens possíveis ou - pior ainda! - acabe falando algum fato importante do livro.

Enfim, dei boas risadas com essa aventura!

Recomendo!
comentários(0)comente



Aninha 04/03/2010

Na verdade a primeira obra que conheci da autora foi A Caçadora, que já li e adorei! Através blog dela fiquei sabendo que esse não era seu primeiro livro, mas tinha gostado tanto dele ,que tive que comprar o primeiro né? rsrs E não me arrependo nadinha!

Bom, então vamos a ele. Não manjo nada de RPG, meu conhecimento em games limita-se a super mario, rsrs, mas como a própria autora diz, não é preciso ser expert no assunto pra entender, basta gostar de historias de contos de fadas e é claro, ter um ótimo senso de humor! Tem todos os ingredientes e personagens de uma grande aventura de faz de conta(ok, talvez deturpados rsrs). Temos como mocinha e mocinho: uma donzela(que pode destruir o mundo) e um elfo boa pinta(muito do encrenqueiro); e como heróis: um bárbaro(lindo feito um príncipe), um bardo (que não canta nadinha que preste), um mago(que só lança raios e trovões) uma guerreira (que não é aceita em exercito nenhum!) e uma ninja(quem já viu uma ninja em contos de fadas?! O.o ). E é claro não pode faltar o nosso bom e velho(e morto de lindo) vilão! O que pode sair dessa galera toda?!? Eu digo a você, várias situações inusitadas, inacreditáveis e as mais hilariantes possíveis! Se eu gostei desse livro? De forma alguma... eu ADOREI!!! Rsrs

É diversão na certa!

Recomendadííííííssimo!!!
comentários(0)comente



Ronaldo 05/12/2009

Uma história totalmente nova!
Cada livro faz que você faça uma viagem diferente, para um mundo diferente. Só que em 'Cavaleiros do RPG' é uma viagem totalmente diferente da que estamos acostumados em ler nos livros de hoje (pelo menos foi assim para mim). Por isso foi uma experiência totalmente nova. Se ainda há quem pense que este livro é só para aqueles que conhecem RPG, tirem isso da cabeça. Os personagens são realmente cativantes, cada qual com sua característica. Esse foi sem dúvida alguma o livro em que eu mais ri em toda a minha vida. Mas a história não é feita apenas de humor. Tem várias cenas emocionantes e o livro passa uma nova versão de heroísmo. A autora realmente está de parabéns! Estou torcendo para que a continuação saia em breve pois já estou ansioso para rever os personagens.
comentários(0)comente



Stanley 29/12/2009

Melhores de 2009
Como não entendo nada de RPG, confesso que o interesse por esta obra surgiu pelo desenho da capa e após a leitura dos dois primeiros capítulos muito bem divulgados pela rede. A história se desenrola de uma forma que conecta o leitor proporcionando a este uma leitura prazerosa, leve e até certo ponto “real”. Os personagens são ótimos e é impossível não reconhecer alguém com as características dos personagens apontados no livro.
Os capítulos estão montados de uma maneira que você não consegue esquecer o livro sem concluir sua leitura total. É fácil virar a noite na companhia deste livro uma vez que você sempre fica com muita expectativa sobre o capítulo seguinte.
Os detalhes descritos como notas de rodapé dão um toque especial na leitura, um luxo. É quase como se a autora estivesse ao seu lado dando “palpites” a todo o momento ou conversando com você, o que deixa a história com um toque cômico e especial.
Do início ao fim, passando por momentos de pura comédia, romance e até auto ajuda chegando ao fim de maneira única e surpreendente. Não é como em alguns livros que na metade do caminho você já sabe o final. A autora soube cativar o leitor do início ao ponto final da história sem exageros e fru frus (ou perfumarias) mostrando neste primeiro livro competência para figurar entre os grandes autores.
Um livro que recomendo não só para quem curte RPG, pois muitos devem comprar ou não somente pelo título da obra. Aqueles que gostarem de uma ótima história, diferente de tudo que está circulando no momento, um livro para ler em obrigação. Simplesmente por prazer em ler. Assim eu recomendo a todos Cavaleiros do RPG.
comentários(0)comente



maria 05/02/2010

Um dia do nada, de repente... Eu me surpreendo falando com a Autora do livro, lógico que ele estava na estante de algumas pessoas pelas quais eu tenho admiração e respeito, essa foi a minha motivação, afinal de contas, eu era uma leiga em RPG, e acho que continuo sendo, mas isso não vem ao caso.

Principiante ou não, a historia é tão envolvente e divertida que você viaja... Na floresta da ilusão, navega no rio-que-cai, visita aldeias, vilarejos, castelos, bruxas e tabernas, atravessa desertos de desolação, enfrenta o vale do destino... Em companhia de personagens deliciosamente humanos, apesar de se trata do mundo da fantasia... Lógico que eu tenho a minha predileta e, querida...

A Fada mais “louca, imatura, estressada, ciumenta, pessimista e linda” que eu conheci.

Ok. Eu adoro Fadas !!!

É um livro engraçado, se você checar meu Histórico vai confirmar como Ri com a historia, mas você se engana se pensar que o livro não tem conteúdo, porque para ser sincera é um livro profundo, trata de assuntos intensos, dramas, autoconfiança, vaidade, solidão, insegurança, só que de forma leve, entre uma piada e outra, tipo “toda brincadeira tem um fundo de verdade”.

Eu não fazia idéia que a historia ia ser bem humorada, aos pouco fui sendo surpreendida, primeiro pela Guerreira, depois pelo hilário Mago, depois pelo humor sarcástico da Mary Sue representada pelo super ego da autora, o que tornou a historia muito dinâmica, confesso que procurava os asteriscos e adorava encontrá-los e, enfim pelos ataques da FAL.

"Mal sabe ele que uma mulher apaixonada é a criatura mais instável da face da terra"

"Nem todas as nossas perguntas devem ser respondidas. algumas nós aprendemos ao longo da vida, outras nós nunca vamos obter respostas. não saberíamos aceita-las ou lidar com elas caso as soubéssemos”.

"Até hoje não soube de ninguém que tenha conseguido lutar contra o que carrega na própria alma”.

"Não há ser no mundo que seja capaz de enfrentar a si mesmo e sair vitorioso”.

VALE A PENA, eu adorei!
comentários(0)comente

kassya 07/03/2010minha estante
Gostei, fiquei curiosa. Quer trocar?




Maluquinha 16/12/2009

O livro é bem divertido e interessante, pra quem gosta de rpg ou pra quem só está procurando uma aventura. Tem coisas bem inusitadas que mesmos os leitores mais experientes não conseguiriam prever e tem coisas que ainda bem que aconteceram como previ, se não eu ficaria brava.

Os personagens são, na minha opnião, a melhor parte da obra. Você se apaixona por todos e, se conseguir eleger um único favorito, será depois de horas de consideração. E os outros, empatados em segundo lugar, terão perdido por pouco.

A linguagem é simples e informal, como uma conversa, o que reforça a idéia de que você está ouvindo um amigo contado uma coisa muito louca que aconteceu com ele, ou que ele viu em algum filme.

Falando nisso, bem que deveria virar filme.
comentários(0)comente



MÁRSON ALQUATI 20/01/2010

SIMPLESMENTE BRILHANTE!
Recomendadíssimo! Um excelente livro para todas as idades, que merece destaque na literatura nacional, por sua originalidade e bem bolada trama. Ambientado em um cenário de RPG, com personagens cativantes (e por vezes protagonistas de cenas hilariantes) mistura elementos épicos, aventura, ação e suspense em uma história muito bem escrita. É o tipo de livro que cura qualquer mau-humor, pois é impossível ler mais que uma página sem soltar uma boa gargalhada. Parabéns à Vivianne por esta maravilhosa contribuição à literatura nacional! Que venham os próximos!
comentários(0)comente

Lucia Sousa 30/11/2010minha estante
Adicionado!




EricRossi 26/12/2009

Esse livro EXPLODIU A MINHA CABEÇA
O livro me surpreendeu de inicio, a linguagem é simples e clara e o livro flui bem.

Acredito que nunca li história que misturasse tão bem comedia, aventura, RPG e uma pontinha de drama tão bem.

A historia se divide em muitos momentos sérios e outros muito engraçados deixando a leitura leve, a não ser que vc esqueça que se trata de um livro cômico.

Enquanto lia, me sentia em uma mesa de RPG, só observando o desenrolar da historia, com direito aos comentários off game hahahahah

Vc pode descobrir mais sobre a autora e seus livros (e muitos outros livros e autores) em: http://migre.me/f1iI (Blog LEITORA COMPULSIVA)

comentários(0)comente



Vivi 30/08/2011

O que você faria se de repente topasse com uma moça linda, descalça, com o vestido manchado de sangue e que tem o poder de destruir o mundo em uma simples TPM??
Eu diria: Simbóra cambada!!! Corre.. corre... corre!! rsrsr

Então... Sephira é uma jovem donzela (indefesa? #Not) que desde seu nascimento foi aprisionada em uma aldeia de feiticeiros seladores que a manteve em uma espécie de redoma mágica, com todos fazendo o possível e o impossível para não aborrecê-la, afinal, se uma pessoa que tem um poder como o dela ficar aborrecida, pode simplesmente explodir tudo!!

O único contato que já teve com o mundo “exterior” fora através dos livros que sua amiga Innana trazia as escondidas, alguns livros de títulos bem duvidosos e pouco recomendáveis para moçinhas que tem o poder de destruir o mundo! É essa mesma amiga que resolve libertar Sephira de seu cativeiro e nos proporciona essa fantástica aventura!

Assim que é liberta, Sephira é perseguida por dois homens encapuzados e é salva por um grupo de heróis (muito bizarro!!) e quando esses acham que a moça vai agradecê-los, ela simplesmente mata a todos em segundos!
Após isso Sephira segue seu caminho e encontra Djin, um elfo muito estiloso que será seu companheiro durante toda a estória, diga-se de passagem, um personagem muito cativante!!

Eu simplesmente ri em praticamente todas as páginas desse livro!! Não sei o que é ter uma leitura descontraída assim há muito tempo, a escrita da autora é muito gostosa e as notinhas de rodapé com seus comentários são simplesmente indescritíveis!!

Algo que achei bem legal é que, esse livro é em formato RPG, eu nunca joguei antes e fiquei bem apreensiva de começar a leitura, mas a Vivianne tem um cuidado muito grande em explicar os termos RPGsistas (vocabulário da Vivi!) e não tem como ficar perdido durante a leitura!

Há também uma mistura muito grande de seres fantásticos nessa estória, fadas, elfos, dragões (nesse caso só um), fantasmas, vampiros, uma tênia gigante (sem comentários), além de outros que não lembro agora... mas ao contrário do que alguns podem achar, essa mistura ficou muito boa!! Realmente acho que é um dos pontos que mais gostei no livro, quando eu pensava que não podia acontecer mais nada de extraordinário, #Bum!!! Lá vinha a Vivianne com mais novidade....

“ Ela podia claramente mexer com os poderes da natureza.
Se chorava, inundava a aldeia; se batia no chão, um terremoto surgia.
Por Deus, o que poderia acontecer se ela tivesse gases?” Pág 86

“Mas não era bem culpa dele. Afinal, todos esses encantamentos não estavam ao seu alcance.
Mago bom era mago rico. Ou filhinho de papai. Ou no caso de alguns, um convite da faculdade por meio de uma coruja, mas isso era muito raro de acontecer” Pág 265

Bjokas!!!
comentários(0)comente



Isa Souza 12/06/2012

Sephira é uma jovem que passou a vida toda presa em uma cúpula que selava seus poderes e sendo tratada a pão-de-ló, para que não se irritasse e nem acontecesse nada que fizesse com que seus poderes se manifestarem, de modo que ela não destruísse o mundo. Por ter sido criada nessa redoma, não sabia a diferença entre certo e errado. Não sabia o que era amor, ódio, amizade. Quando finalmente ela consegue fugir, sua amiga diz a ela para ficar longe de heróis pois ela era uma ameaça e heróis iriam atrás dela. O que faz com que a nossa mocinha mate os coitados que a ajudam a escapar.

Quero agradecer muitomuitomuito a Vivi Fair pela oportunidade de ler seu livro. Simplesmente maravilhoso x)

Fiquei apaixonada pela escrita. Parecia que eu não estava lendo, mas conversando com uma amiga. E a Blaze então? MEU DEUS, ela me veio como uma mistura minha e de uma amiga. Porque apesar de não ser corajosa (oi, medrosa é meu segundo nome), minha amiga é e ambas somos bocudas como a Blaze haha. E confesso que o mau humor, da minha parte, é também algo com que me identifiquei.

É um livro vergonhosamente engraçado. De modo que não é uma boa ideia ler em locais públicos.

Eu amo! diálogos perspicazes. E em Quem precisa de heróis? tem pra dar e vender. Não tem realmente como se cansar. Todos os personagens tem seu charme. Até mesmo Alex, o bárbaro, quem sem falar uma só palavra, só grunhindo encanta. Você consegue até gostar do vilão, não muito é claro, mas devo dizer que teve momentos que eu simpatizei com ele, por ser engraçado. E não tem um personagem nesse livro que não seja. Eu ri com todos.

Nunca joguei RPG. Não entendo nada desse universo. Mas isso de maneira alguma atrapalhou meu entendimento. A autora coloca notas quando cita termos de RPG e assim quem nunca jogou não fica perdido :D~. As notas do rodapé são um charme a parte, que também nos faz rir.

Recomendo muito! DISPARADO o livro mais engraçado que eu li. Não lembro de outro que eu tenha gargalhado tanto.
comentários(0)comente



Acad. Literária 17/09/2013

Resenha - Cavaleiros do RPG/ Quem precisa de Heróis
Atenção: Resenha de propriedade única e exclusiva da Academia Literária. Caso copie, coloque a fonte. Obrigado.


Sephira é uma garota (ela não sabe quantos anos tem, mas acha que é algo em torno de 20 anos) que passou a vida inteira presa em uma cúpula mágica sendo velada pelo clã dos feiticeiros seladores. O motivo? Shepira tem um poder imenso capaz de destruir o mundo. Ela não o usava para se libertar porque desconhece sua existência e, naturalmente, os magos que a mantiveram cativa também trataram de selá-lo. Mas, apesar da privação da liberdade, sua vida não era ruim. Tinha tudo o que precisasse e desejasse, sempre da melhor procedência, e seus algozes (ou guardiões) sempre se esforçaram para mantê-la contente e satisfeita (não é o mesmo que feliz). Contudo, além de sua liberdade, outras coisas mais lhe eram negadas: cultura, conhecimento, carinho, afeição, amor. Até mesmo a razão da sua clausura lhe era incognito. Somente uma única feiticeira da aldeia via em Sephira algo mais que uma ameaça, tornando-se sua amiga e contrabandeando secretamente livros para ela. E Sephira cresceu sendo imensamente poderosa mas desprovida de sentimentos ou noção de certo e errado. E tornou-se uma mulher insensível e ingênua com poderes para destruir o mundo. Até o dia em que aquela feiticeira, contrariando todas as precauções, lhe revela a razão de seu cativeiro e a ajuda a escapar de sua prisão. Livre, a jovem Sephira tem a primeira oportunidade de conhecer o mundo, conhecer o cansaço, a fome, o frio e a dor, de correr até desfalecer, a primeira chance de se sentir viva. Mas tem também que escapar de seus captores e, considerando-se uma ameaça ao mundo, escapar de eventuais heróis que possam querer acabar com sua vida – porque é isso o que os heróis fazem: livram o mundo das ameaças. E em sua jornada de descobertas e autoconhecimento, ela encontrará um grupo de heróis (!), uma elfo renegado, uma pequena fada cintilante, um dragão e um feiticeiro maligno interessado em tomar o seu poder para si e conquistar o mundo. Cada um deles terá um importante papel na formação e no crescimento de Sephira e das escolhas dela e de cada um deles dependerá o destino do mundo.
“Quem precisa de heróis?” é intencionalmente uma história de clichês. Todos os chavões presentes em toda boa aventura e em toda campanha de RPG estão ali: do clássico grupo de aventureiros (bardo, guerreira, ninja “ladina”, mago, bárbaro) à donzela indefesa (nem tanto assim); do personagem capaz de grandes atos e sacrifícios em prol de uma causa ou de uma pessoa ao vilão maligno e poderoso querendo conquistar o mundo; dos elfos, fadas e dragões; tudo no livro segue a conhecida fórmula das grandes aventuras. Tudo absolutamente proposital para despertar a familiaridade no leitor. As inúmeras referências da cultura pop, nerd e RPGistica estão espalhadas fartamente pelas páginas. Nomes como Rio que Cai (Domingão do Faustão), Lantis (Guerreiras Mágicas de Rayearth), Rohan (O Senhor dos Anéis), Uni, Tiamat (Caverna do Dragão), Lando (Star Wars) e Axel (Guns’n’Roses) são alguns dos exemplos. Para os jogadores e apreciadores de RPG, a trama trará muitos elementos conhecidos e também muitas citações diretas. Para os leitores em geral, não saber nada sobre RPG não afetará em nada sua compreensão da história porque, como já ressaltado, os clichês estão ali para torna-la familiar a quem quer que a leia.
Além dos clichês, há outro ponto de destaque para o livro: o humor. Toda a trama é permeada por situações cômicas, os personagens se expressam com respostas bem colocadas e frequentemente engraçadas, as reações geralmente são fora dos padrões esperados e as piadas são frequentes. E há as notas de rodapé. Estas são uma das maiores sacadas deste livro. As notas de rodapés, geralmente usadas em outras publicações para explicar alguma passagem do texto principal, aqui são inseridas pela própria autora com o objetivo principal de completar ou ser a piada – embora vez ou outra também cumpra o papel de dar algumas explicações. Então se lê coisas como: “*Chegada dos heróis! - *música de Indiana Jones no fundo*” (pág. 18); ou “Não pergunte! Também não entendi” (pág. 148); ou “Djin já sabia que o feiticeiro morava em um castelo. Todo vilão super poderoso mora em um, claro” (pág. 254). É impossível segurar o riso.
Brincadeiras, clichês e piadas a parte, a trama de “Quem precisa de heróis?” é bem construída e envolvente. Vivianne Fair, carioca residente na capital federal, tece uma narrativa que prende a atenção. O leitor se verá curioso para ver que fim levará as trapalhadas do grupo de heróis aventureiros, o altruísmo e a afeição verdadeira de Djim, as reviravoltas causadas pela ambiguidade gerada pelo extremo poder e a igualmente extrema ingenuidade de Sephira e as maquinações de Angeal. Vale ressaltar que a autora utiliza-se da trama para transmitir uma mensagem: que a definição entre bom e mau é ambígua e que são as escolhas de cada um, e não nossas capacidades ou poderes, que define nosso caráter e nossa influência no mundo que nos cerca. Há também (quem poderia esperar) um fundo de fé nas palavras da autora, nítida em várias passagens da narrativa. O texto é gostoso de ler, tem linguagem simples e clara, condizente com aquilo que a autora se propõe a fazer: uma história de heróis e donzelas indefesas e um mundo que precisa ser salvo do perigo. Bem ao gosto de uma boa partida de RPG.


site: http://academialiterariadf.blogspot.com.br/2013/09/resenha-cavaleiros-do-rpg-quem-precisa_17.html
comentários(0)comente



Renata G. S. 27/01/2011

"Quem Precisa de Heróis?"
O livro começa nos mostrando a jovem Sephira, uma garota muito bonita, com longos cabelos negros misturados com fios prateados e olhos verdes incomuns, correndo pela floresta. Na verdade, ela estava fugindo da sua “prisão”, em busca da tão sonhada liberdade. Só que seria comum se ela fosse uma jovem normal! Mas ela é o oposto disso, ela tem o poder de destruir o mundo!
Por isso, dois encapuzados perseguem ela para aprisioná-la, quando de repente, quatro heróis surgem para salvá-la. Mal sabem eles que vão ser mortos... pela donzela indefesa. Afinal ela odeia heróis! (só lendo o livro para entender)
Enquanto Sephira continua sua fuga, já sem perseguidores... os heróis são ressuscitados por um clérigo, e como os heróis não tem dinheiro, tem que arranjar até a meia-noite senão morrem novamente o.O Com isso se metem em várias confusões...
Sephira já cansada encontra em seu caminho um elfo chamado Djin, de cabelo vermelhos e lindo (próprio dos elfos). Depois de convencer Sephira dizendo que não era um herói, ele á leva para sua aldeia. Mas acontece vários contratempos e acabam tendo que fugir novamente.
Um mago super poderoso chamado Angeal está de olho no poder de Sephira, será que ela conseguirá resistir a ele?
Quem é que está do lado certo? Como saber quem é o herói ou vilão? Será que Sephira destruirá o mundo no final das contas?

É um livro cheio de ação, aventura, comédia, romance e estilo RPG. (Quem não sabe nada de RPG, pode ler também)
Os capítulos são alternados pela Sephira e Djin, Heróis, Angeal. Adorei, porque deu para se aprofundar e saber mais de cada personagem. Cada personagem tem uma personalidade marcante e diferente.
O livro é entusiasmado, cheio de tiradas sarcásticas, e menções famosas como Harry potter e animes... Ele é muito bom e leve de ler. Garante muitas gargalhadas. Recomendo muito!!!

Leia a resenha em: http://leiturasdokokoro2.blogspot.com/
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2