Memórias da Casa dos Mortos

Memórias da Casa dos Mortos Fiódor Dostoiévski




Resenhas - Recordações da Casa dos Mortos


38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


sheila 05/03/2020

A triste realidade de um preso na Siberia de 1849, pior ainda pra ele um homem estudado, que sempre foi olhado de longe pelos outros, por mais que conseguia fazer certas "amizades" ele sabia que no fundo eles não aceitaram ele por pertencer a nobreza. Neste livro ele não se centra no seu encarceramento, senão tenta cortar em terceira pessoa a rotina do dia a dia na prisão. Ele era muito observador e isso fez ele detalhar cada personagem, e em poucos momentos deixava sair seu próprio sentimento e o que mais deixava ele mal era não encaixar nesse povo da prisão. Forte porém muito bom pra poder conhecer uma etapa de um escritor destacado como ele
comentários(0)comente



Jaqueline 23/02/2020

Na vila desde 2011
Denso, cheio de detalhes e de uma realidade cruel. Me Senti interessada em conhecer mais obras do autor.
comentários(0)comente



Lusia.Nicolino 09/01/2020

Não, não é um livro sobre fantasmas
Li uma versão no kindle, então...
Alerta 1: esse e-book contém muitos erros de digitação, o que é irritante, mesmo quando se olha para os centavos que custou.
Alerta 2: Não, não é um livro sobre fantasmas.
Alerta 3: Se nunca leu Dostoiévski, não comece por esse título.

Dostoiévski foi condenado à morte porque conspirou contra Nicolau I, o Czar, mas teve a sua pena comutada para trabalhos forçados na Sibéria, em 1849. A história da Casa dos Mortos é como nos traduziu a sua experiência, ainda que seja uma ficção, incorpora o personagem principal e nos descreve as situações com uma propriedade acima de qualquer suspeita.

É inquietante como, em alguns momentos, queremos mesmo é entender melhor o crime desse personagem principal – Alexander Petrovitch Goriantchikov – nobre russo que matou a esposa por ciúmes e, por isso, cumpre dez anos de prisão, com trabalhos forçados. Mas, não é esse o foco do livro e sequer sabemos o nome da moça.
O relato fluído nos faz sentir um deles, enfurecidos, embriagados, serviçais, lutando por moedas, ignorando os cães e amando os cavalos.
Alexander sai da prisão, mas a prisão sai de Alexander? Onde e quando reencontramos o nobre letrado, angustiado que era com a impossibilidade de ficar sozinho.

Quote: “Eu jamais poderia, por exemplo, imaginar tormento maior do que não poder ficar sozinho um momento, ao menos, nos dez anos da minha sentença. No trabalho, vigiado; no presídio, com a companhia dos outros duzentos condenados; e nunca, nem uma só vez, a solidão!”

site: https://www.facebook.com/lunicolinole
comentários(0)comente



Felipe 15/12/2019

apesar de triste, maravilhoso.
comentários(0)comente



Nilson 10/12/2019

Pesadelo real
Chocante o relato minucioso de seus dias como prisioneiro na Sibéria. A forma como descreve seu sofrimento, suas angustias em meio aos mais terriveis criminosos da época acaba por nos fazer parceiros em seu sofrimento. Incrível como somos levados a esse tempo com tanta clareza, com tantos pormenres que acabamos sofrendo como se ali estivesse. Um pesadelo real que certamente eu não suportaria. Ler Dostoiévski é ser transportado para outros tempos com um realismo que poucos conseguem. recomendo com certeza.
comentários(0)comente



nevermore_1845_ 09/12/2019

Cansativo
Livro bem claustrofóbico, cansativo e tenso... Embora retrate de maneira bem fiel como é a vida de um forçado na Sibéria, o livro fica cansativo com os parágrafos grandes e a escrita descritiva e melancólica que faz o leitor sentir de forma bem intensa como é passar dias e mais dias pagando o preço de cumprir uma pena.
comentários(0)comente



Gláucia 30/06/2019

Recordações da Casa dos Mortos - Fiódor Dostoiévski
Pode ser considerado auto-ficção, já que através de um personagem fictício que passou dez anos na prisão siberiana por ter assassinado a mulher, o autor traz suas próprias experiências após ter passado quatro anos lá por questões políticas.
Ao final temos cartas dele ao irmão, escritas durante esse período e através delas podemos constatar que vários eventos e personagens não são fictícios.
É muito bom do ponto de vista histórico e muito bem detalhado em seus vários aspectos. Podemos através dessa leitura conhecer o funcionamento dessa instituições, suas regras e peculiaridades pela visão acurada de quem passou tanto tempo vivendo esse suplício.
comentários(0)comente



Rodrigo.Moritz 17/12/2018

Médio
Apesar de ser interessante a história sobre a prisão na Sibéria, a narrativa é cansativa e arrastada. A edição que eu li era de português de Portugal o que piorou mais ainda. É uma literatura clássica e bem datada incompatível com a escrita moderna.
Recomendo o livro Humilhados e Ofendidos do mesmo autor, este sim é um livro clássico muito bom.
comentários(0)comente



J.S.Moraca 22/06/2018

Recordações da casa dos mortos
Livro impressionante. A prisão na Sibéria não era fácil!
comentários(0)comente



Gladston Mamede 15/01/2018

Ganhei esse Dostoiévski da Rita Caminhoto, amiga de Londrina. Não o leria, não fosse assim. E fui arrebatado pelo texto que é simplesmente irretocável. Romance? Não diria. Não há história, no sentido estrito do termo: não há fatos que se encadeiam, nada por supor ou esperar. São recordações sobre o cumprimento da pena de 10 anos pelo narrador, sem sequência cronológica certa: vão e voltam. Teria tudo para ser chato e ruim, mas é soberbo e delicioso de ler, mesmo com descrições excessivamente detalhadas de quase tudo: fui capturado pelo texto e não consegui parar de ler. Detalhe: um ensaio penitenciário fabuloso que poderia - e deveria - ser dado a ler aos alunos de Direito Penal, Processual Penal ou Penitenciário, tanto quanto o Marquês de Beccaria e seu "Dos Delitos e das Penas". Impressionante.
comentários(0)comente



Felipe Cyrillo 03/08/2017

O grande literário Russo
O livro é uma descrição detalhista e também subjetiva de um presídio da Sibéria da segunda metade do século XIX. Tudo é descrito com meticulosidade. Apesar do elevado nível descritivo, Dostoiévski consegue manter a narrativa corrente em boa parte do livro, salvo algumas exceções. O livro é bastante denso, há trechos que causam um impacto forte, grande marca do literário. Suas Digressões refletem sobre a natureza do criminoso, ética do presídio e do sistema prisional, e até mesmo a relação interpessoal entre classes (Nobreza e Mujiques) elaborada por monólogos do narrador. Minha opinião sobre este livro e sobre Dostoiévski é demasiadamente apreciativa. Muitas de suas digressões são reflexões que eu mesmo faço acerca dos temas abordados. Preciosíssimo. Ao final desta edição da editora Nova Alexandria, há uma carta de Dostoiévski ao seu irmão, quando o mesmo saiu de sua pena no presídio da Sibéria. Esta carta deu um toque final e completante a obra. Onde o mesmo diz para o irmão lhe ajudar e que, ele ouviria falar o nome dele, que ele seria um grande escritor. Realmente, seu esforço e suas promessas foram cumpridas. Dostoiévski é sem duvida, um dos pilares não só da literatura russa mas de toda a literatura mundial.
comentários(0)comente



JJ 10/03/2017

Ler outro livro de Dostoiévski é como reencontrar um velho amigo. Por mais voraz que seja o leitor, dificilmente este autor russo passa menos de uma semana em nossa cabeceira - ou em nossas cabeças, dada a força de suas histórias. Mesmo assim, dos 17 livros lidos este ano, Recordações da Casa dos Mortos foi apenas o quinto mais demorado até agora.

Isto porque, em um ritmo de conversa, Fiodór conta meticulosamente o funcionamento de um presídio na Sibéria, baseado em sua própria experiência de vida. Não é à toa que ele é um dos meus autores favoritos. Dostoiévski une não só uma trama de qualidade com discussões e devaneios sociais fundamentais até hoje. Nesta obra, o foco no sistema carcerário, na efetividade da aplicação de penas duras (banimento, cruéis e de trabalhos forçados), aumenta o interesse de amantes do Direito, como eu.

O primor na escrita dispensa comentários. O ritmo da trama consegue se manter alto quase todo o tempo. Da chegada do autor da história à Sibéria, da divisão por classes, do fruto do trabalho reservado aos vícios, dos raros dias de banho e festas... Todos os pormenores ajudam a entender uma sociedade específica (a Rússia czarista do século XIX) sem deixar de ser fonte de argumentos para defender qualquer tese na área jurídica na sociedade atual.

Quando, em fls. 209 da edição lida, ele levanta bandeiras ao dizer "... esses cegos e surdos cumpridores da lei não compreendem nem percebem sequer que a aplicação literal da lei, sem a interpretação do seu sentido, leva a reações, dessa prática só advindo consequências piores..." nós entendemos porque Dostoiévski é tão fundamental como Montesquieu ou Ihering, além do flagrante caráter filosófico de uma obra desta magnitude.

Apesar disto, Recordações da Casa dos Mortos ainda se encaixa como obra pré-existencialista do autor, apesar de ser a última. Ele ainda se socorre a expressões como "inefável" e "acepção" de forma corriqueira, mas quem é fã interpreta isso como algo típico do nosso velho amigo. Ainda há espaço para momentos extremamente descritivos. No início da segunda metade da obra, quando o narrador vai à enfermaria e convive com a parte mais desumana do cárcere (roupas sujas, latrinas à noite para suas necessidades e os grilhões sem sequer um desaperto) a riqueza de detalhes faz parecer que ele escreveu a obra na própria prisão.

Porém, mesmo quando se socorre a narrativas mais diretas, como da realização de uma peça de teatro pelos detentos, o russo se mostra preocupado com aspectos internos do ser humano. Em fls. 160 da edição lida, por exemplo, ele finca que "... a tirania é um hábito, tem a propriedade de se desenvolver, e se dilata a tal ponto que acaba virando doença ...".

Quando decide concluir a história e pesa sua experiência no presídio - para ressuscitar da casa dos mortos - diz que se forçou a isso porque, se pudesse, escreveria cinco vezes mais. Mas, sabe que isso seria uma boa ideia?
comentários(0)comente



Dani Moraes 11/12/2016

Observando presidiarios e refletindo sobre a vida
Fala sobre a vida em um presidio de trabalhos forçados na Sibéria no século XIX, através de um presidiário nobre muito observador vamos conhecer as diferentes personalidades existente nos presídios, sendo que, essas observações podem ser transportadas para a sociedade Russa do período ou até mesmo com relação a humanidade em geral.De maneira geral é um bom livro, gostei, mas esperava ter gostado mais.

site: http://asverdadesqueopinoquioconta.blogspot.com.br/2016/11/recordacoes-da-casa-dos-mortos.html
comentários(0)comente



Wagner Oliveira. 17/08/2016

Um relato muito preciso da vida em uma prisão na Sibéria.
Um livro onde o autor relata através de um personagem suas impressões de como é a vida em um presídio na Sibéria. O talento de Dostoiévski em ser um excelente descritor, torna a compreensão dessa narrativa bem simples e fácil.

A Vida dentro desse temível local no grande país chamado Rússia foi descrito por um homem que não apenas imagina como a vida era lá, mas que viveu nesse local. E, vale ressaltar para quem não sabe que Dostoiévski foi mandado para a prisão na Sibéria.

Ele consegue deixar as coisas muito claras, há nesse relato um poder tão grande que é possível vivenciar as cenas descritas nessas páginas.

Eu não tinha um livro desse autor. Mas em uma semana comprei 3 e depois ganhei 1.
Recomendo que todos leiam Dostoiévski, ele é um autor indispensável para os nossos dias.


Atenciosamente - Wagner Oliveira.
comentários(0)comente



38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3