Do Amor e Outros Demônios

Do Amor e Outros Demônios Gabriel García Márquez




Resenhas - Do Amor e Outros Demônios


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Renata CCS 05/03/2013

Às vezes atribuímos ao demônio certas coisas que não entendemos, sem cuidar que podem ser coisas que não entendemos de Deus. (página 120)
O AMOR E OUTROS DEMÔNIOS é o primeiro livro de Gabriel García Marques, que surgiu de uma reportagem de outubro de 1949, quando ele é enviado pelo seu jornal ao Convento de Santa Clara, onde antigos túmulos estavam a ser destruídos. De um deles saiu uma cabeleira cor de cobre de vinte e dois metros pertencente a uma jovem. Na lápide constava simplesmente o nome Sierva María de Todos los Àngeles, sem sobrenome nem pista de quem ela seria. O escritor lembrou de uma lenda que a avó lhe contava sobre uma marquesa de doze anos que foi mordida por um cão e que fazia milagres. E é a partir dessa lenda que sai este romance.

A história se passa em uma pequena cidade da América do Sul de colonização espanhola, época em que a Igreja Católica impunha suas crenças e tudo o que não estava de acordo com seus princípios era considerado bruxaria ou adoração ao demônio. É lá que encontramos Sierva María, filha única, resultado de um casamento de interesses, nascida de 7 meses e desenganada pela parteira, a garota que já teve um início de vida complicado foi rejeitada pela mãe, ignorada pelo pai e criada junto aos escravos. Um dia, aos 12 anos de idade, andando pela feira com uma das escravas de sua casa, Sierva María é mordida por um cão raivoso e é então que tem início sua trágica sina. Dias depois Sierva María começa a delirar, apresenta um comportamento estranho e conta mentiras compulsivas, então acredita-se que, por decorrência da mordida, ela tenha adquirido raiva. O médico recomenda que ela seja mandada para algum lugar isolado, já que a doença não tem cura. Desesperado, o pai começa a utilizar todo tipo de benzedura e ungüento para tentar salvar a filha, o que acaba piorando os delírios. Embora estivesse afastado da igreja há anos, ele procura o bispo em busca de ajuda, por não saber mais a quem recorrer. Para a igreja, o caso da menina só poderia ser obra do demônio. O bispo então é claro e irredutível em sua decisão: internar Sierva María no Convento de Santa Clara para iniciar o exorcismo.

O livro descreve muito bem o perfil de um país colonizado, com suas misturas de crenças africanas com o catolicismo. O autor é bastante crítico com a intolerância e preconceito da igreja católica, que condena tudo o que não consegue explicar. Tudo o que acontece de diferente no convento (até mesmo um eclipse) passa a ser culpa de Sierva María e do demônio que a possuiu. O fato da menina ter sido criada junto aos escravos e falar várias línguas africanas somente confirmava o diagnóstico da igreja de que ela estava possuída. Para o padre Cayetano, responsável pelo exorcismo da garota, tudo era questão de dar poder demais ao diabo. E ao duvidar da possessão e ter contato direto com Sierva María, o padre enfrenta algo muito mais difícil de lidar do que demônios: o amor.

O texto é carregado de sentimento e sensibilidade, um romance alucinado, com a mistura inusitada e muito bem balanceada de realismo fantástico, ingredientes ordinários e poesia, características sempre presente nas obras de García Marques. Para mim, ele é belo e triste, e ficou marcado como um livro que fala sobre o amor e a necessidade que todos temos dele. O livro é genial, mais que recomendado!
Regente Deo 11/03/2013minha estante
Poucos são os autores que possuem a capacidade para, através de fábulas como esta, alçar temas ricos para reflexão humana, sem cair no vulgar. A propósito, é uma bela resenha: simples e instigante.


Renata CCS 12/03/2013minha estante
Olá João, obrigada pelo comentário. Realmente GGM é um escritor único, de quem sou grande fã. Um abraço.


Nanci 26/10/2013minha estante
Renata:

Foi García Márquez que transformou minha visão pela literatura; por culpa dele me viciei em livros, na adolescência e não pretendo me curar.

Por outro lado, e em que pese meu enorme apreço por seus contos (os romances são igualmente inesquecíveis), não consegui resenhar seus livros.

Sua resenha é ótima. Parabéns.

Beijo, da Nanci.


Renata CCS 28/10/2013minha estante
Obrigada pelo gentil comentário, Nanci. García Márquez é um dos meus escritores preferidos tb, e é muito difícil tecer qq comentários sobre suas obras. Mas acho que sou movida pela paixão por seus livros e tento passar um pouquinho disso qd escrevo.
abraços!


Elwing 30/04/2014minha estante
Resenha perfeita, parabéns! =)


Gabriella.Cardoso 26/01/2017minha estante
Foi o primeiro livro do Gabo que caiu na minha mão e eu achei que todo esse intróito da reportagem e da lenda que a avó contou era uma invenção só para fisgar o leitor. E mesmo pensando assim, ele me fisgou direitinho.

Mais tarde também li "Amor nos tempos do cólera" e parece que é recorrente na obra dele essa relação entre amor e doença. Cólera... raiva... Ele era um gênio.




Tábata Kotowiski 06/12/2010

Do Amor e Outros Demônios é o primeiro livro de Gabriel Garcia Márquez, importantíssimo escritor latino americano, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, que leio. Sempre quis ler 100 Anos de Solidão, também dele, mas por um motivo o outro, nunca tive a oportunidade. Do Amor sempre esteve na minha estante, acho que veio na leva de livros que trouxe da casa da mama e eu tentei lê-lo um vez mas larguei logo no início. Eu sou muito de lua quando o assunto é livros. Dependendo do meu estado de espírito, o livro se torna desinteressente e eu acabo largando. Mas eu sou brasileira e não desisto nunca, por isso sempre procuro retomar a leitura em uma outra ocasião pra ter certeza que o problema era comigo e não com livro. E foi o que aconteceu com Do Amor. Aproveitei o Desafio e me fiz um desafio. :)

Gabriel Garcia Márquez se inspirou para escrever o livro depois que, encarregado de uma reportagem em Bogotá para cobrir a remoção das criptas funerárias do convento de Santa Clara, encontra um caixão com a ossada e cabeleira ruiva de 22 metros de uma menina. Márquez lembra então de uma lenda que sua avó contava sobre a filha de um marquês, idolatrada no Caribe por ser considerada milagrosa e que havia sido mordida por um cachorro e morrido de raiva. Empolgado pelo fato de que talvez aquele túmulo fosse o de Sierva Maria, Márquez cria uma história para ela e escreve o livro.

Eu fiquei particularmente espantada e encantada com a riqueza dos personagens criados por Márquez. Não poderia citar um personagem dito normal no livro. São todos tão esdrúxulos, com hábitos esquisitos e personalidades ímpares que assusta mas ao mesmo tempo fascina. No entanto são todos tão marcantes que ficam impressos na mente. Definitivamente, não são personagens simples de esquecer.

O livro como um todo tem um “q” de loucura, de fantasia, de sobrenatural. A história de Sierva Maria é bela, maluca e triste. No fim, ao virar a última página do livro, é a tristeza que fica. Uma história que te prende, te cativa e te conquista como só livros bons conseguem fazer.

site: randomicidades.wordpress.com/
comentários(0)comente



Evelyn Ruani 11/10/2011

DESAFIO LITERÁRIO 2011 - Tema: Nobel de Literatura / Mês: Outubro (Livro 1)
Já li alguns livros de G. G. Marquez e por isso posso dizer com certeza que admiro muito sua narrativa. A história que ele conta poderia até não ser tão interessante ou fugir daquilo em que acreditamos, mas a maneira com que descreve os fatos é tão apaixonante que tudo se transforma como mágica. Afinal, não é a toa que ganhou o prêmio Nobel de Literatura. A leitura de seus livros é sempre prazerosa e com este não poderia ser diferente.

Para criar a história, Márquez se inspirou em uma reportagem que ficou encarregado de cobrir em Bogotá sobre a remoção das criptas funerárias do convento de Santa Clara. Um dos caixões abertos abrigava uma ossada com longos cabelos que chegavam a 22 metros de comprimento, e o autor relaciona este fato a uma lenda que sua avó contava sobre uma marquesa de 12 anos que possuía uma cabeleira "que se arrastava como a cauda de um vestido de noiva" e que morre pela mordida raivosa de um cachorro.

Marquez demorou anos até escrever a história baseada na marquesinha de imensa cabeleira e o fez já um escritor de sucesso. A menina Sierva Maria de Todos los Ángeles, filha do Marquês de Casalduero é rejeitada pelos pais desde pequena e acaba se criando entre os escravos da fazenda. Certo dia é mordida por um cachorro com raiva e começa a ter certas reações estranhas que são interpretadas a princípio como causa da mordida e depois como se ela estivesse possuída pelo demônio. Muito embora na narrativa a todo momento essas reações de Sierva se mesclam com os costumes aprendidos com os escravos.

A partir de então, com medo de perdê-la, seu pai começa a dar-lhe maior valor e recorre a curandeiros, feiticeiros, bruxas e tudo para salvá-la do mal ao qual ele acreditava que ela estivesse fadada. Até que o causo chega aos ouvidos do Santo Ofício e o Marquês é pressionado a deixar a filha em um convento, para ser ajudada pelos obreiros de Deus. E é então que Sierva conhece Padre Cayetano Delaura, encarregado de ajudá-la e que com o correr dos dias se apaixona por ela. Paixão esta correspondida por Sierva, ainda que 24 anos mais nova que ele.

É muito interessante como na narrativa de Marquez, o fato de Sierva ter 12 anos e Cayetano 36, não parecer relevante diante do encantamento e sutileza com que descreve os momentos em que os dois estão juntos. Incrível também o fato de eu ter, em certos momentos da narrativa, torcido para que ficassem juntos e que Cayetano fosse, enfim, a salvação de Sierva. Ainda que seja absurdamente contra este tipo de relacionamento na vida real. Como já disse em inúmeras outras resenhas, admiro demais autores que são capazes de transportar o leitor para a história e Marquez é mestre neste quesito.

Narrativa impecável, história interessante e personagens ricos e bem desenvolvidos. Leitura super recomendada!
comentários(0)comente



BáCamargo 17/03/2010

Do Amor e Outros Demônios...
Só mesmo Gabriel Garcia Marquez para contar uma história tão pequena e ao mesmo tempo tão profunda e impossível de esquecer.
Com este livro é possível aprender que todos temos demônios dentro de nós(nossos defeitos, mágoas,ódios...), o amor acontece não quando conseguimos eliminá-los do outro, mas justamente quando estamos dispostos a enfrentá-los dia após dia porque no fundo sabemos que o amor é o melhor dos exorcistas.
comentários(0)comente



.Sté. 09/12/2009

Do amor e outros demônios
"Ó doces prendas por mim mal achadas (...)
Quando paro a contemplar meu estado e ver os passos por onde me trouxeste
Eu acabarei, pois me entreguei sem arte a quem me saberá perder e acabar (...)
Enfim a vossas mãos hei chegado (...) onde sei que hei de morrer (...)
Para que só em mim seja provado o quanto corta uma espada num rendido".

comentários(0)comente



Aline Memória 03/11/2010

"Confessou que não passava um instante sem pensar nela, que tudo o que bebia e comia tinha gosto dela, que a vida era ela a toda hora e em toda parte, como só Deus tinha o direito e o poder de ser, e que o gozo supremo de seu coração seria morrer com ela."

Essa é a declaração do padre Cayetano à Sierva María, menina de 12 anos tido como possuída. É ou não é covardia do Garcia Marquez retratar a relação deles assim, de uma forma tão bonita? Porque se fosse em qualquer outra situação, eu nem esperaria para julgar, acharia inadmissível uma relação entre um padre de 36 anos e uma menina de 12. Mas lendo o livro eu não só não senti nojo nem repulsa a eles juntos (o que seria o normal), mas cheguei a torcer por eles em certo momento. O motivo disso? A belíssima narrativa de Gabriel Garcia Marquez, e só por ela o livro já merece cinco estrelinhas.

Mas não é só pela sua narrativa que me encantei pelo livro, como também pela história, que se passa na Colômbia do período colonial, em uma cidadezinha que é como se fosse duas cidades em uma: quando os navios negreiros estão lá, há festas e danças; mas quando os navios se vão levam junto a alegria da cidade, que vira uma sombra do que é no resto do ano. Lá, convivem juntos o catolicismo (mais exaltado do que no Brasil devido à colonização espanhola) e as crenças e religiões africanas dos negros escravos. É exatamente nesse contexto em que é criada Sierva María, filha de pais ausentes que relegaram sua educação aos escravos. Por isso, a menina fala diferentes línguas africanas, pratica alguns rituais de macumba, enfim, é mais acostumada à cultura negra do que à branca. Um dia, é mordida por um cachorro e daí surge a dúvida que em nenhum momento o autor deixa claro: ela pegou a doença raiva?

Essa mordida do cachorro é o que muda toda a história. A partir daí, o que seria uma simples mordida, muda todo o curso da narrativa: seus hábitos incomuns provenientes da cultura negra em que foi criada e os supostos sintomas da raiva se mesclam num contexto da Inquisição e começam a pensar que a menina está possuída. A possível raiva que ela pegou também provoca uma mudança em seu pai, que percebe como estava agindo mal com a filha até o momento, e tenta se redimir de 12 anos em pouco tempo. O marquês foi um dos meus personagens favoritos exatamente por causa dessa mudança quase epifânica, que levantou até certos valores morais nele.

Aliás, todos os personagens da história mereceriam destaque na resenha: sua mãe Bernarda, Dulce Olivia, Martina, o bispo, Abrenuncio... realmente, não há um personagem que não tenha algo de especial, algo de excêntrico que enriquece a história - outro ponto para Garcia Marquez, junto com as descrições do ambiente que me transportaram ao cenário colonial.

A partir do momento em que se pensa que Sierva María está possuída e ela é transportada ao convento, inicia-se outra parte da história, e é aí que o padre Cayetano nos é apresentado. A ele é incumbida a missão de exorcizá-la, mas à medida em que surge no padre a dúvida se ela está de fato possuída, ele se apaixona por ela.

O resto não vou dizer para não estragar a surpresa, mas recomendo o livro, que foi meu primeiro contato com Garcia Marquez, e posso dizer que já estão procurando outros livros dele.
Evelyn Ruani 10/10/2011minha estante
Aline, parabéns pela belíssima resenha!
Adoro ler essas resenhas passionais. Estou lendo esse livro e estou encantada também com a narrativa de Marquez, embora eu já a conhecesse por ter lido 100 anos de solidão, O amor nos tempos do Cólera e Crônica de uma morte Anunciada! Você deve mesmo procurar outros livros do Marquez pra ler, você vai gostar :)
Abraço!




Vanessa 11/08/2013

Realismo fantástico
Comecei a ler tentando imaginar o que viria pela frente e quando dei por mim já tinha acabado. Gostei demais desse livro, não sei bem explicar se pelo realismo fantástico. A personagem principal é uma marquesa de 12 anos, e o livro gira em torno dela. Todas as demais estórias estão de alguma forma ligadas a ela. A menina é mordida por um cachorro raivoso e o restante da narrativa nos deixa em dúvida se ela tem os sintomas da raiva ou se está possuída pelo demônio, já que a menina tem costumes e um jeito de se comportar muito estranhos...

“Às vezes atribuímos ao demônio certas coisas que não entendemos, sem cuidar que podem ser coisas que não entendemos de Deus”.
comentários(0)comente



Adelson 01/07/2012

O mestre da solidão.
Gabriel Garcia Marques é o melhor escritor entre todos os escritores vivos. Para compará-lo com alguém do ramo, precisaríamos escanear a história desde o primeiro indivíduo que rabiscou um monólito de caverna, passando pela primeira digital impressa, até os tempos modernos de farta escrita. Aos que duvidarem, deixamos o desafio de escrever por ofício, visto que esta experiência, em si, levará à compreensão da magia literária de Garcia Marques.

No presente caso, Do Amor e Outros Demônios, temos uma história, em tese, simples e monótona, manuseada por um artista da palavra que a enriquece com uma textualidade ímpar.

Existem escritores e contadores de história. Entre os escritores, por exemplo, estão os poetas e entre os contadores as vovós. O contador é do texto, o escritor da palavra. Gabriel Garcia Marques é dos poucos que estão enquadrados nos dois casos. Sabe narrar e embelezar as suas histórias com construções poéticas e sacadas frasais estupendas, que nos deixam de boca aberta.

Há frases, parágrafos e construções textuais nos livros de Garcia Marques que somente ele, com seu talento, consegue fazer. Este Colombiano possui um dom natural para criar arranjos soberbos, que nós, particularmente, somente vimos, até hoje, em Dom Quixote e em alguns textos de Machado de Assis.

Aos que leem por lazer, o caminho é outro. Do Amor e Outros Demônios é para ser degustado e não apenas lido. Não veio para vitrinas, ampliar acervos ou substanciar a função social da literatura, mas para tatuar a escrita artística.

É um livro que pode ou não agradar, dependo do gosto literário do leitor e da pujança do Gabriel narrador. Para quem escreve é um manual amorfo, um amuleto, fonte de inspiração e humildade. Um objetivo inatingível a quase tudo, até porque, além do escritor, o sonho chega a qualquer nível.
Renata CCS 06/03/2013minha estante
Adoro Gabriel García Marques e seu estilo único. Adorei este livro e gostei muito de sua resenha.


Adelson 06/03/2013minha estante
Obrigado, Renata CCS. Você não é BBB, mas espio, suas resenhas, também. Já lhe disse isso.
Não me via lido por aqui. Vou escrever outras, depois deste tapinha no ego.
Tudo que escrevemos nos apresenta. Vale mais que roupa nova de shops. heheheh




Mara Vanessa Torres 23/06/2009

Profundo, enternecedor.
"Do Amor e Outros Demônios" revelou muito mais do que um amor proibido entre um padre (Cayetano Delaura) e a menina possuída pelo demônio (Sierva Maria). Descrito sob a égide do paradoxal, apresenta perfis bem traçados e, acima de tudo, leveza de espírito. É uma das obras mais tocantes de García Márquez. Me ocupou, tirou o ar. Excelente!
comentários(0)comente



Raquel Lima 27/11/2009

Sem palavras...
Um louco amor, uma louca protagonista, no sentido real da palavra;um cachorro louco, culturas diversas, mandinga,amor. Nesta louca mistura o romance de Gabu se configura. Adoro seus livros, sou suspeita. Na verdade, o romance surgiu da cobertura de um caso sensacionalista que ele cobriu quando repórter, ainda novo, antes da fama. Comparo ao Amor nos tempos do cólera como um grande livro sobre o amor. Não o amor hollywoodiano, mas o amor comum, aquele que não escolhe o belo ou o normal, simplesmente, um sentimento. Mais um grande capítulo da saga que são seus livros.
comentários(0)comente



Li 03/02/2010

romance
Um livro que nos faz refletir sobre preconceito , religião, tabus, etc.
A influência que a igreja tem sobre a vida e o pensamento das pessoas acaba gerando muitos preconceitos e injustiças.
Confesso que em certos momentos da leitura a emoção vem à flor da pele.
Li e recomendo
comentários(0)comente



Angélica Roz 01/12/2012

Instigante!
Nossa, como é bom ler um livro bem escrito! Gente, o colombiano realmente é o cara!

Quando iniciei a leitura pensei “será que vou ter paciência para chegar ao fim?” e, então, algo muito misterioso aconteceu. Grudei-me no livro! Não consegui largá-lo nem para ir ao banheiro! Sério mesmo!
Comecei a leitura em uma noite e na tarde do dia seguinte já havia terminado.

O ponto de partida da história é o próprio Gabriel García Márquez que, em 1949, participa de uma reportagem sobre a remoção das criptas funerárias do convento histórico Santa Clara.
O convento havia sido convertido em hospital e, agora, estava sendo vendido para construírem um hotel cinco estrelas no local.

Gabriel Gárcia Márquez fica impressionado quando, ao primeiro golpe da picareta, em uma das criptas, uma cabeleira viva, de cor cobre intensa, se espalha para fora. Ficando ali dentro do túmulo apenas uns ossinhos miúdos e dispersos.
Essa cripta pertencia a uma menina, que possuía apenas um nome, sem sobrenomes - Sierva Maria de Todos los Ángeles.
Estendida ao chão, ficou a cabeleira, presa ao crânio, que media vinte e dois metros e onze centímetros.
Essa imensa cabeleira faz Márquez se lembrar das lendas narradas pela sua avó materna, em que havia uma marquesinha, venerada no Caribe por seus milagres, que acabou morrendo de raiva devido à mordida de um cachorro.

Essa marquesinha possuía uma “cabeleira que se arrastava como a cauda de um vestido de noiva”. Então será que a marquesinha ali enterrada seria a mesma da sua infância?
A ideia de que aquela cripta pudesse ser a dela, fez com que o livro De Amor e Outros Demônios fosse originado.

Então é assim que começa a história de Sierva Maria de Todos los Ángeles, uma menina de 12 anos que, enquanto acompanhava a escrava da família ao mercado público, foi mordida por um cão raivoso.

A partir do ocorrido, todos passam a acreditar que a menina está contaminada. Então começam inúmeras e inusitadas tentativas de curá-la.
A menina é levada ao médico, a curandeiros e, por último, é colocada em um convento para passar por um exorcismo. Pois, depois de inúmeras tentativas de curá-la e de mudar o seu comportamento estranho, chegam à conclusão de que a menina não está somente com raiva, mas, sim, dominada pelo demônio.

Enquanto a história vai acontecendo, você vai conhecendo as pessoas que cercam essa menina e o porquê de ela ter comportamentos um tanto estranhos perante os olhos da sociedade.

Os seus pais são pessoas peculiares. Eles não tinham contato algum com a filha e, por isso, não sentiam nenhum carinho por ela. A mãe da menina nunca a quis, então ela foi criada pelos escravos da fazenda.
Mas não é só isso! Os seus pais possuem muita história. Conforme você vai virando as páginas do livro, vai montando um quebra-cabeça extraordinário.
Todos os personagens possuem algo bizarro e é justamente isso que os tornam tão reais. Não são pessoas idealizadas como acontece na maior parte dos livros, são pessoas que erraram muito e que, por diversas vezes, sentem-se perdidas e frustradas sem saber que rumo dar às suas vidas.

Quando a menina é levada para o convento, para o posterior exorcismo, passa a ter contato com um padre que acredita que ela não está possuída. Ele crê que aquilo é um grande mal entendido e tenta fazer de tudo para liberar essa menina do cárcere que está sofrendo no convento.
Mas o problema é que, conforme ele vai convivendo com a menina, vai apaixonando-se por ela. E, a partir daí, só você lendo para saber o que irá acontecer... ;)

Enfim, o livro aborda as relações humanas de todas as formas e aborda momentos doloridos da nossa história, como a Inquisição e a Escravidão.
Acredito que nenhuma resenha consegue passar tudo o que o livro transmite, pois realmente o autor consegue nos tocar durante a narrativa.

Então, se você está com vontade de ler um livro de grande qualidade e que seja uma leitura rápida, está aí uma bela dica! Super indico!
comentários(0)comente



09/02/2019

Minha segunda experiência com García Márquez. O primeiro foi "100 Anos de Solidão", que se tornou o meu livro favorito da vida. E esse novo contato não decepcionou mesmo. Que narrativa! Que escrita! Que envolvente a estória de Sierva María!
comentários(0)comente



Rogéria 26/12/2014

Que livro triste! Embora já comece com o túmulo sendo aberto, eu me vi torcendo durante toda a narrativa que a pequena marquesa conseguisse sobreviver ao fanatismo religioso e à ignorância que a cercavam naquele convento. Em vão. Mais uma personagem de GGM que nasceu em um péssimo ambiente e que o mundo destruiu por não conseguir compreender sua beleza e espírito diferente. O livro é ótimo, mas como todos que li do autor, termina com aquele gosto amargo de injustiça e tristeza.
comentários(0)comente



Mayara Rogeri 17/12/2013

Do amor e outros demônios
Do amor e outros demônios foi o quarto livro que li do Gabriel García Márquez. E como sempre, foi mais um livro que me surpreendeu. Gabriel é sempre muito descritivo em seus livros - isso pode dificultar a leitura - e com muitos personagens (todos muito bons), mas para mim fluiu muito bem. Adoro o realismo fantástico! E ao ler essa história acabamos ficando endemoniados tbm... Nos faz querer saber o que vem depois...
Gostei muito do Abrenuncio, que vira e mexe soltava umas frases muito boas como "O corpo humano não foi feito para os anos que a pessoa é capaz de viver" ou como "Não há remédio que cure o que a felicidade não cura".
Ao terminar, fiquei com um pesar na consciência, pois eu não queria terminar. Peguei muito carinho pela história...
Em suma, o livro é muito bom, vale muitíssimo a pena ler. Mas ainda sim considero cem anos de solidão o melhor! Dá vontade de ler todos do Gabriel pra ver se algum supera! :)


site: http://lettersandcappuccino.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5