O Jogo do Assassino

O Jogo do Assassino Ngaio Marsh




Resenhas - O Jogo do Assasino


8 encontrados | exibindo 1 a 8


wroduit 04/09/2010

Um bom romance policial
Achei o livro bom e de fácil leitura, porém não tão fácil interpretação, principalmente no início. As personagens ora são chamadas pelo primeiro nome e ora pelo sobrenome. Até acostumar e identificá-las fica um tanto confuso os diálogos. Seguindo a leitura após esta adaptação, torna-se algo muito prazeroso e de um magnetismo incrível. A riqueza de detalhes é ampla. A obra torna-se ótima até certo ponto, onde nos deparamos em uma espécie de "subcaso" que envolve os personagens de uma forma que as coincidências são incríveis e não explicadas. Uma pena, pois a explicação e a interpretação dariam margens a mais algumas páginas na obra e facilitaria a compreensão. A conclusão e a forma em que o detetive a obtém é deveras interessante e profissional, mas particularmente não tive grande êxtase ao concluir e descobrir o culpado. O decorrer da narração final fez-me suspeitar de um personagem que me deixaria de queixo caído tamanha a surpresa se fosse o real culpado, mas no fim a surpresa maior é a forma como acontece o crime e não a descoberta e nem os motivos do culpado.

No geral gostei da leitura. Procurarei mais obras da escritora.
Recomendo o livro.
comentários(0)comente



Lucia Sousa 29/03/2014

Apesar de interessante titulo,nao gostei muito da historia e nem consegui gostar muito do inspetor Alleyn.
comentários(0)comente



Claire Scorzi 30/01/2016

Roderick Alleyn Apresenta-se
Este é o primeiro livro policial de Ngaio Marsh, onde ela nos apresenta ao seu detetive Roderick Alleyn, detetive-chefe inspetor da Scotland Yard. Alto, magro, moreno, oriundo do serviço diplomático inglês que só depois ingressou na polícia, ele parece ter trazido algo da elegância e educação dos meios diplomáticos para a atuação como policial. Ainda assim, neste livro de estreia, Alleyn ainda não está completamente "formado", eu diria; é como se, para Ngaio Marsh como para o leitor, sua figura permanecesse, em parte, indistinta e às vezes soando contraditória.

O mistério do crime num único cenário - uma casa de campo onde seis convidados mais o anfitrião veem-se às voltas com um deles assassinado - é engenhoso em sua solução sem chegar a ser irreal, e a estrutura do policial clássico inglês - apresentação de personagens, atmosfera, indicações de conflitos entre eles, até que por fim o crime aconteça - é bem orquestrada. Há uma sub trama envolvendo os anarquistas que numa única cena soa um pouco exagerada, mas é só. Não é o melhor de Marsh, mas ela aprenderia rápido a fazer melhor. No geral, uma boa estreia.
comentários(0)comente



Renata.Reis 06/11/2017

Interessante
Eu fiquei bastante perdida com a narrativa, principalmente com os personagens, eu não entendia quem era quem no começo. Isso me irritou tanto, que a narrativa ficou cansativa. Depois fui pegando a história, que é interessante. Nigel Bathgate é um jornalista, um dos convidados de Hubert Handseley para uma festa, no qual, teria uma espécie de jogo do assassino. Em meio a esse jogo realmente ocorre um assassinato, e os seis convidados são mantidos em Frantock, porque são os suspeitos. O único salvo da lista de suspeitos, do inspetor Allyen, é o Nigel. O jornalista tem uma grande contribuição na revelação do assassino.
comentários(0)comente



Cabrardo 29/12/2017

Quase um Agatha Christie... Quase.
Primeiro vamos só gongar essa capa porque, apesar de eu achar muuuito linda (é sério, é linda.) não tem absolutamente nada a ver com a história do livro. Naaaaaada!! Capa congada, prossigamos.
Não me surpreende Ngaio ser considerada uma das quatro Rainhas do Crime, ao lado da Diva (Oh, Agatha Fucking Christie), tendo em vista que sua criatividade e habilidade de criar boas tramas é invejável. O estilo tanto na narrativa quanto da estrutura me lembra bastante os romances da Agatha e isso foi tãaao gostoso, mas tãaao gostoso. Claro que, como bom fã, eu ainda prefiro Agatha à Ngaio, mas isso não diminui a qualidade dessa "Senhoura" escritora. Já quero pegar novos romances dela.
comentários(0)comente



Thiago 11/11/2018

Apenas regular
Esse é o primeiro romance escrito pela autora neozelandesa Ngaio Marsh. Aqui somos apresentados ao detetive criado por ela e que vai aparecer em muitos de seus livros, Inspetor Roderick Alleyn.

Um grupo de pessoas vai passar o fim de semana no casarão de Sir Hubert Handesley e jogar o jogo do assassino, que estava muito em voga na época. Nesse jogo, uma das pessoas é escolhida para ser o assassino, ela mata alguém (encostando a mão na pessoa e dizendo "Você é o Cadáver") e após descoberto o corpo de mentirinha, os participantes se reúnem e tentam descobrir, por meio de interrogatórios, quem foi o assassino e por que ele matou.

No entanto, o jogo dá errado e alguém é realmente morto naquela casa. Sendo assim, temos um enigma estilo Agatha Christie, do "quarto fechado" para responder, pois somente algum dos convidados poderia ter matado a vítima.

Achei o romance apenas regular. Nem o detetive me pareceu cativante, nem a trama policial em si me prendeu. Ngaio Marsh até tem umas tiradas bem humoradas e algumas sub tramas engenhosas que fazem o leitor "olhar para o outro lado" enquanto ela esconde o verdadeiro vilão, mas é só.

Um ponto positivo é que pelo menos no final fica tudo explicado, inclusive o raciocínio do detetive para chegar à conclusão da história.

A edição em que li, do antigo Círculo do Livro, possui duas obras da autora: essa, a primeira, e Os Artistas do Crime, seu sexto romance. Achei legal, pois dará para ver a natural evolução de sua escrita. Espero que o próximo livro seja melhor.
comentários(0)comente



Deisinha 06/05/2020

Lembro que esse foi o primeiro livro policial que li na vida e com o passar dos anos acabei esquecendo da história e resolvi fazer a releitura dele. Pra quem não conhece Ngaio Marsh, ela é considerada uma das quatros Rainhas do Crime, junto com a tão aclamada Agatha Christie.
O jogo Assassino é a primeira história do inspetor Roderick Alleyn, o qual não se conhece muito da sua vida e tem um certo ar de mistério e sua fama de ser um pouco arrogante. Tudo se inicia com uma reunião entre amigos e alguns conhecidos na casa de Sir Hubert Handesley, que para dar uma animada resolve fazer um jogo que alguns ali na casa já conhecem, o jogo do assassino, mas Sir Hubert altera alguns detalhes do jogo para deixar mais emocionante. Os convidados ficam animados com o jogo até que algo muito sombrio e misterioso acontece, um dos convidados aparece morto e cabe a eles a desvendarem o mistério de quem matou.
A trama envolve uma investigação longa e o inspetor Alleyn é chamado para cena do crime pra tentar capturar o assassino o mais rápido possível, muitas suspeitas são levantadas e muitas dúvidas são postas para os participantes do jogo. Até a metade do livro parece que todos tem alguma culpa do assassinato, porém quase final tudo começa a afunilar e alguns momentos desconfiamos desde os russos que se envolvem no enredo até os empregados da casa. É um livro curto, cheio de detalhes como qualquer livro do gênero, mas cheio de detalhes que em alguns momentos atrapalham, porém é cheio de intrigas, traições e romance, clássico enredo de um livro policial.
comentários(0)comente



8 encontrados | exibindo 1 a 8