vejo o mundo nos seus olhos

vejo o mundo nos seus olhos Loredana Frescura...




Resenhas - Vejo o Mundo Nos Seus Olhos


6 encontrados | exibindo 1 a 6


Jeh Diário dos Livros 02/06/2019

Fraco
Vejo o Mundo nos Seus Olhos é um romance escrito pelos autores Loredana F. e Marco T.
Eu já tive um contato com um livro anterior da autora Loredana chamado Exótica e a leitura na época tinha sido mediana. Como a capa e a sinopse desse livro é bem interessante, acabei dando uma segunda oportunidade para ver se o problema era o livro anterior ou eu e a autora.

Constância e Ângelo costumam pegar o trem na mesma estação todos os dias para a escola que estudam, mas sempre de longe um mal reparava no outro em meio de tantas pessoas. Só que um dia, por um acaso o destino faz os dois se esbarrarem.
Um olhar, uma conversa faz com que Constância e Ângelo percebam o quanto ficaram encantados com o outro e em meio aos dramas da escola, por fim eles resolvem marcar um encontro para se conhecerem melhor e entenderem aquele sentimento repentino que apareceu do nada entre os dois.

" Ás vezes, é muito doloroso estar assim tão perto. Sim. Porque, quando se está longe, a dor também se distancia.''
Com um inicio de um encontro conturbado, Ângelo e Constância acabam se conectando ainda mais e se conhecendo aos poucos e tentando entender o misto de sentimentos que o amor pode causar entre eles.
Mas por entre obras do destino e reviravoltas da vida, ambos podem acabar se afastando, e se não lutarem e compreenderem o que sentem pode ser que o amor verdadeiro se acabe no final.
" -Só sei que, para mim, tudo é como um sonho. As coisas acontecem assim.- Assim como?- Assim... Em momentos pelos quais você não esperava, e que são momentos perfeitos; em lugares que você frequenta todos os dias e que, de repente, parecem diferentes, mágicos."

Vejo o Mundo nos Seus Olhos tem uma premissa muito interessante, e tinha tudo para ser mais um belo romance e uma história de amor juvenil, mas que infelizmente acabou se perdendo em certos aspectos.
Confesso pouco da história funcionou comigo. O jeito que autora narra a história me deixou muito perdida e confusa em todos os momentos. A narração do livro por completo é confusa, não tem sentido em partes, porque a autora faz a narração pelo ponto de vista dos personagens e Constância é uma garota de 16 anos com uma mentalidade muito infantil, fazendo com seus pensamentos sejam totalmente perdidos e sem sentidos em diversos momentos.

E essa narrativa confusa infelizmente me fez ficar um pouco frustada com a história já que esperava uma personagem mais ''firme''no enredo. Constância é uma garota doce e ingenua, só que de um jeito exagerado. Sua percepção do mundo é totalmente maluca, ela tem ideias estranhas e sentimentos conflituosos em todos os momentos, parecia que eu estava lendo uma história onde uma criança estava narrando sua vida, e não uma jovem de 16 anos.

Outro ponto que me incomodou muito é que depois que Constância poe os olhos em Ângelo, tudo desaparece em sua mente, tudo que vive em seu mundo é Ângelo e pronto. E me incomodou demais que todas as cenas que se passam na escola, Constância está tão no mundo da lua que a professora chama sua atenção todas as vezes e ela nem sabe o que está acontecendo ao seu redor. É como se ela vivesse em uma bolha e nada mais existisse. Não é uma personagem irritante, mas mal trabalhada e bem mal desenvolvida, já que sua infantilidade e mundo do "faz de Conta" prevalesse o livro todo.


Ângelo já um pouco mais sensato, mas confesso que certas atitudes dele me incomodaram muito durante o livro. É um menino doce, mas que apesar de ter uma mentalidade mais sã, ainda sim é bem bobinho e sem atitude. E o ''problema'' que surge na história fazendo o casal se afastar não é nem esclarecido direito no final do livro o que me incomodou também.

Dizendo todos esses pontos negativos até parece que não gosto de livros juvenis, mas pelo contrário, eu adoro. Só que tem histórias que realmente pecam e essa foi uma delas no quesito de personagem muito infantis e sem mentalidade ou responsabilidade nenhuma sobre a vida, como disse lá em cima pareciam crianças de uns 8 anos narrando a história e não jovens de 16/17 anos.

O enredo em si é legal e interessante a trama flui bem apesar da narrativa confusa e temos até uma personagem interessante no livro que é a Clara, e que diferente dos protagonistas tem uma mentalidade mais adulta e apesar de seus dramas lidou bem com as situações de sua vida.

O Romance consegue ser bem construído apesar de tudo, e com apenas 152 páginas temos uma história legal e leve para se ler.
A diagramação da editora está linda! Com páginas todas trabalhadas, com uma capa belíssima o livro nos transmite esse ar romântico.

Concluindo, posso dizer que Vejo o Mundo nos Seus Olhos não funcionou tão bem como eu esperava, com uma narração confusa, com protagonistas mal trabalhados a história que tinha um bom potencial se perdeu totalmente no meio de palavras e sentidos estranhos da narrativa dos personagens. Concluo que eu e a autora não nos demos bem, a escrita dela não consegue me agradar infelizmente.

Mas, que apesar de a história não ter sido o que eu esperava eu ainda deixo minha recomendação, pois se você procurar no Skoob todas as resenhas postadas são positivas e a nota do geral do livro é até alta.
O que não funcionou para mim, pode muito bem funcionar para você, já que li livros que foram muito criticados por ai e eu simplesmente adorei.
Vale a pena dar uma chance e conhecer a escrita da autora.

site: http://diarioelivros.blogspot.com/2019/05/resenha-vejo-o-mundo-nos-seus-olhos.html
comentários(0)comente



Fernanda 30/12/2015

Resenha: Vejo o mundo nos seus olhos
CONFIRA A RESENHA NO BLOG:

site: http://www.segredosemlivros.com/2015/12/resenha-vejo-o-mundo-nos-seus-olhos.html
comentários(0)comente



Kari 24/10/2015

"Quando você se vê nos olhos dos outros, começa a se conhecer de verdade."

Vejo O Mundo Nos Seus Olhos fala de muitas coisas, entre elas: paixão, amor, amizade, imaturidade, amadurecimento; idas e vindas.. Erros e acertos e tantas outras coisas que só você lendo para entender. Trata-se de descobertas, de uma idade onde estamos de fato em transição daquilo que éramos, ao que somos e ao que nos tornaremos!

"Mentem quando dizem que 17 anos é a idade. Mentem quando dizem que o tempo cura tudo. Mentem quando dizem que o pior já passou e mentem quando sustentam com tanta convicção que o amor não morre nunca. Até mesmo as músicas afirmam essas mentiras."

A história é narrada pelo ponto de vista dos dois personagens principais da história: Constância e Ângelo.

"Eu o vejo como uma estação não muito cheia de gente onde a dor vai e vem como bem entender e não se preocupa em qual terminal deve ou não parar."

Hoje:

O início se dá com ambos os personagens, nos dias atuais, em uma estação de trem; aparentemente ressentidos um do outro, mas nitidamente apaixonados. Porém parece que nenhum dos dois está disposto a ceder.

"Vocês não entendem? A passagem é do meu amor, que está indo embora daqui. Que está indo embora de mim. Respeitem um pouco este momento. No fim das contas, um amor nunca é igual ao outro. É algo que pega você de surpresa, que espreme e cria... O Caos. Agora ele quer a passagem. Isso também é amor. Ele precisa ir.
Por minha culpa. Constância que cria caso. Caos."

Por mais que seja Ângelo que sempre vai atrás e luta quando há algum desentendimento; Constância é aquela que desliga o telefone na cara , que ignora o máximo.. Mesmo sofrendo e desejando Ângelo mais que tudo! Ambos estão um de cada lado da estação se encarando, cada qual com seu pensamento a respeito do outro; até que sem que se dê conta a passagem de Ângelo vai parar nos trilhos.

"Tonta! Estou vendo você. Você está lá. Está olhando pra mim. Mas o que você quer? Está bem. Olhe o quanto você quiser. Mas eu não vou falar nada. Não vou mover um músculo. Se você quiser falar comigo, então venha até aqui. Grite o meu nome, faça um sinal com a mão, assobie, mande mensagem ou me chame no celular, mande um sinal de fumaça, abane uma bandeirinha.
Faça o que quiser, mas se apresse. O meu trem já foi anunciado três vezes."

Dois meses atrás:

"Se eu estivesse verdadeiramente apaixonada, estaria feliz, veria coraçõezinhos cor-de-rosa nas paredes da sala de aula e uivaria para a lua.
Então, o que é isso? Um lobo feroz que galopa dentro do estômago e faz um massacre nas vilosidades intestinais e nas outras coisas que se movem."

Temos um retorno no tempo para que possamos entender como tudo começou.
Constância está na aula ansiando por uma ligação. Sabe aquela ansiedade, aquele frio na barriga?

É disso que estamos falando, Constância e Eu!

"O amor deve ser outra coisa, tenho certeza disso. E, além disso, não é possível se apaixonar por alguém que você viu na estação, quase perdido entre as plataformas, com a mochila pendurada e um dos ombros e com os olhos quase fechados."

Ela conhece Ângelo na mesma estação de trem dos dias atuais.. Foi instantâneo; era para ser; desde que o viu nada mais fez sentido! Constância vem deixando sua amiga Clara louca com sua falta de atenção no mundo exterior, nas aulas e no dia a dia; tudo que Constância consegue pensar é na ligação que Ângelo ainda não fez! (seu guincho lindo de três olhos - foi quando ele a levantou de uma queda na estação que Constância o viu e se sentiu atraída).

"O amor que está chegando é devastador. Não é um temporal. É uma bamba que ensurdece, que cega, que anula a dimensão do tempo. Tudo desaparece. Desaparecem as cores, os cheiros e os sabores. Desaparecem todos os outros seres humanos e você fica assim, contemplando o nada. É terrível. O amor que está chegando. Não existe o presente... Eu imploro, guincho, telefone! Eu quero ouvir a sua voz de pistache."

Ângelo sente-se tocado principalmente por Constância ter escrito seu número de telefone ao contrário com facilidade no vidro do trem. Parece bobagem, mas ele já a tinha visto antes, mas naquele momento tornou-se paixão e não apenas uma atração. No passado, Ângelo passou por situações difíceis com a perda da avó e um certo regresso em seu estado natural onde além de muitas coisas lia tudo na rua ao contrário; era como estar em um mundo particular, um mundo só seu!

"- Nosso professor de italiano já explicou isso. Uma vez, Pavese, um escritor, esperou durante horas , debaixo de chuva, pela garota pela qual estava apaixonado.
Oh, meu Deus! Eu disse isso!
Apaixonado.
Como seu eu estivesse escrito em negrito..
Mas eu já sabia disso. Nunca havia me sentido assim antes. Posso até dizer com precisão o momento que isso aconteceu. Quando Constância escreveu na janela do trem, ao contrário..."

Apesar de sentir-se atraído por Constância ele não tem coragem de ligar, mesmo que a iniciativa de trocar telefones tenha partido dela e com isso ela tenha deixado claro seu interesse; o que deixa Roberto (seu melhor amigo) indignado.


"...só sei que, para mim, tudo é como um sonho. As coisas acontecem assim.
- Assim como?
- Assim... Em momentos pelos quais você não esperava, e que são momentos perfeitos; em lugares que você frequenta todos os dias e que, de repente, parecem diferentes, mágicos."

E assim surge o amor entre Ângelo e Constância. Duas pessoas se apaixonando e toda a insegurança de ser rejeitado, não ser correspondido, de entender o que é aquilo que revira nossa cabeça e nos deixa completamente alheios ao mundo!

"E, então, o toque, o beijo, tornam-se as coisas mais simples e naturais do mundo. Parece até que as mãos sabem, sozinhas, por onde devem andar. As suas e as dela. Não é preciso guiá-las.
Então isso é estar apaixonado? É o mundo que gira em perfeita harmonia com você.."


Se quiserem conhecer mais sobre essa história encantadora, terão de ler!


Minha opinião:

Estou encantada com a história do casal! O começo de tudo, os sentimentos .. É como uma viagem no tempo; nostálgico e com uma magia que muitas vezes esquecemos ao longo dos anos!

Claro que nem tudo são flores e amores; assim como amamos, nos apaixonamos; com essa entrega também conhecemos os desencontros, desenganos e sofrimento. Mas o que posso deixar claro sobre o amor, ou sobre Ângelo e Constância é: "o que é para ser, será!". Sentimentos estão além de nossos esforços para evitar ou não algumas situações.. É o destino agindo; simples assim!

O amor acontece e entre idas e vindas; erros e acertos nos vemos nessa enorme roda gigante que nunca para de girar!

Estive diante de um romance encantador e muito próximo a realidade!


"Fecho os olhos e desfruto este momento em que alguém que não é qualquer um tem a coragem de chamar de amor aquilo que o amor é."
comentários(0)comente



Clã 04/10/2015

Clã dos Livros - Vejo o Mundo nos seus Olhos
Constância é uma adolescente que gosta de poesia e está sempre distraída criando temas em sua cabeça criativa. Ângelo é um adolescente que gosta de escrever e ler palavras ao contrário. Eles se conhecem na plataforma 12 de uma estação de trem, inicialmente um pouco hesitantes em se comunicar, mas rapidamente o fazem e se apaixonam.

“— Uma garota que, entre parênteses, você já tinha notado na estação, mas a quem não tinha ousado dirigir a palavra, pede o número do se celular, segue você até o trem, escreve o número do telefone dela na sua janela...
Eu o interrompo.
— Ao contrário. Ela escreve ao contrário.
Sei que é estranho, mas isso foi à coisa que mais me tocou. Como ela conseguiu escrever ao contrário assim tão rápido? E tentei fazer isso, mas não consegui.”

Os dois tiveram um primeiro encontro um tanto desastroso com direito a Papai Noel tarado tentando atacá-la e sendo arrastado pela polícia. Entretanto o segundo, ah esse sim, superou todas as expectativas.

“Ele me abraça. O coração da saltos de coelho. Coelho? Mas é possível ser menos romântica do que isso? De qualquer forma, ele bate mesmo. O meu? O seu? Não me importa o que ele está pensando, nem ele, nem o condutor do trem, nem o mundo. Eu o beijo. Beijo e beijo de novo. Tranquila. A pele macia. Os lábios macios e o sabor de bala de limão. Oh, meu Deus, limão. Mas eu não destetava limão? Talvez eu não me conhecesse bem.”

Tudo é muito fácil, sentimentos quase palpáveis, cada momento é incrivelmente lindo. Até que as coisas começaram a mudar muito e com isso ambos precisaram testar seus sentimentos. Onde Clara e Roberto personagens secundários, seus amigos mais próximos foram essenciais, apesar de seus próprios conflitos individuais.

“Uma história de amor onde cabe o mundo: amizade, escola, traição, o esforço para entender o outro e ser entendido.”

O livro pertence à literatura italiana, tem apenas 145 páginas, foi uma leitura rápida. É todo escrito em primeira pessoa, intercalando os pontos de vista de Constância e Ângelo em diferentes períodos de tempo. Descrevendo cada um de seu jeito e com detalhes na medida certa, apesar de seus pensamentos e conflitos internos às vezes tornarem a leitura um pouco confusa. Senti falta de um aprofundamento maior, com descrições mais claras dos acontecimentos.

Os personagens são peculiares, sem grandes pretensões, adolescentes comuns tentando se encontrar, vivendo seu primeiro amor verdadeiro e passando pelos altos e baixos de um relacionamento.

Adorei e recomendo!

site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2015/09/resenha-vejo-o-mundo-nos-seus-olhos-de.html
comentários(0)comente



Dani_LJI 16/09/2015

Resenha Vejo o mundos nos seus olhos
A história de Constância e Ângelo é sobre dois adolescentes em suas mentes totalmente conflitantes, para quem lê a história acha que a narrativa é confusa, mas ela define o que é a mente dessas duas pessoas.
A rotina familiar, escolar e o círculo de amizade podem ser um desafio grande nessa idade, onde o amadurecimento começa cedo para uns e para outros parece uma grande batalha interna, cheios de altos e baixos e pensamentos desconexos.
É assim que os dois tentam superar o dia a dia até o encontro inusitado na estação de trem, marcando a vida dos dois. Constância tem a mania de escrever invertido e isso é demonstrado no livro quando ela tenta deixar uma mensagem no vidro do trem para Ângelo. Fiquei pensando como alguém consegue escrever assim a todo o momento, isso me deixou intrigada.

No decorrer do livro eles vão se conhecendo, cada qual com seu jeito de ser, Ângelo em suas divagações era o menos confuso, as leituras de seus pensamentos eram mais fáceis de compreender, sempre seguindo o ritmo natural das coisas, já Constância era muito conflitante, misturando assuntos, relacionando situações, uma cabeça bem confusa em fase de amadurecimento.

Mas os dois juntos são algo que definira como fofo, a simplicidade, a troca de olhares e o carinho, desperta no leitor uma certa simpatia pelo amor dos dois. Mas como tudo na vida sempre existem os obstáculos, surge uma situação que cada qual terá que superar, e tentar entender o relacionamento que os dois estão tentando manter, e se vão conseguir superar.

A dinâmica do livro é dividida por esses dois personagens, Loredana e Marco descrevem cada personagem e suas personalidades, arrisco dizer que Constância foi escrita por Loredana. O conflito vivido pelos dois pode parecer banal para alguém com mais idade, mas eu compreendo vendo de fora a vida do meu próprio filho e relembrando alguns fatos da minha própria vida, como é difícil organizar ideias, tomar decisões, enfrentar situações de impacto como a amiga de Constância, Clara enfrente no livro.

Até expor seus próprios sentimentos, seja para amigos ou família, que muito das vezes falam coisas que não queremos ouvir, um exemplo amigo de Ângelo que mesmo conhecendo desde pequeno, tinha comentários imaturos e inapropriados.

A leitura desse livro, não foi rápida como eu gostaria, apesar das suas 145 páginas, os pensamentos dos dois eram bastante confusos em certos momentos, e para não perder o raciocínio me peguei lendo mais de uma vez a mesma página, porém nada que me deixasse insatisfeita. Achei válida essa leitura e indico para os jovens apaixonados, é uma história fofa de duas pessoas que se apaixonam e devem enfrentar uma vida cheia de altos e baixos, e tentar descobrir seus reais sentimentos.




site: http://www.livrosajaneladaimaginacao.com.br/2015/09/resenha-vejo-o-mundo-nos-seus-olhos.html
comentários(0)comente



Izabela 15/09/2015

A primeira coisa que me chamou a atenção nesse livro foi o nome, eu achei tão simples e tão lindo ao mesmo tempo. Só depois que eu fui me tocar que já conhecia uma das autoras do livro, afinal, eu já tinha lido Exótica. Sim, a Loredana (quem lembra que achei super legal o fato de ela ser italiana?) é uma das autoras, o livro é bem no estilo de Dash and Lily's Book of Dares, dois autores e cada um escrevendo um personagem diferente que narra a história. Não conhecia o outro autor, mas não posso negar, gostei mais da escrita dele, achei bem mais leve e gostosa de ler. O livro é legal, mas eu esperava um pouco mais. De começo achei a história bem confusa e demorei um pouco para entender o que estava acontecendo. No geral, é uma história sobre as várias descobertas da juventude e, mais que isso, as várias formas de se sentir amado. O livro ganhou quatro estrelinhas lá no skoob e se você quiser entender um pouco mais do que achei é só continuar lendo a resenha.


Normalmente nós nem reparamos direito o mundo a nossa volta. Quando vamos muito a um lugar ele acaba virando normal demais e deixamos de ver as pessoas que passam por ali, as histórias que começam e terminam naquele lugar e, até mesmo, as coisas que poderíamos viver ali se, apenas, abríssemos mais nossos olhos. Para Constância e Ângelo esse lugar era a estação de trem da cidade. Todos os dias eles passam por lá e sempre era a mesma coisa, pelo menos, era o que ela achava. Ele estava sempre de olho nela, mas o destino demorou um pouco para acertar tudo. Quando finalmente a vida deles se esbarraram, literalmente, tudo foi rápido demais. As apresentações, as trocas de olhares e até mesmo de números. O que eles não tinham ideia era que esse primeiro contato mudaria e muito a vida deles. Às vezes é preciso que algo assim aconteça para olharmos melhor o nosso redor. Percebemos melhor as coisas assim, ainda mais quando somos adolescentes e todo drama parece um verdadeiro furacão de sentimentos. Eles tentam levar as coisas para frente, do jeito deles, mas a vida, da mesma maneira que os uniu, quis também colocar tudo a prova, afinal, será que o que eles sentiam era forte mesmo? Será que aguentaria todos os dramas já citados e momentos não tão felizes? Reza a lenda que precisamos sofrer um pouco para aproveitar mais as coisas boas. O problema é, apenas, lidar com tudo isso quando se é muito jovem.


"Os seus olhos, mesmo sem lua, são o mundo." - Página 52


Algumas partes do livro me deram nervoso, porque um dos personagens principais tem a mania de ler/escrever coisas ao contrário. Só que essa história, para quem não está acostumado com isso, acaba rendendo uma boa dor de cabeça (literalmente). Deixei várias palavras soltas (dessas que estavam ao contrário) sem ler. No geral, é uma história bem adolescente (young adult) mesmo. Todos os dramas e temores que passam na cabeça de uma pessoa de 16/17 anos (idade dos personagens). Como comentei antes, a escrita do Marco é bem mais gostosa de ler, mas até que a da Loredana ficou mais animada (desde que li Exótica). O que me deixou meio perdida, como também comentei no começo, foi que os pontos de vista são trocados sem aviso. Uma hora é um personagem falando, depois passa para outro e ai volta para o primeiro, continua com ele por algumas páginas e depois troca e isso tudo sem aviso. Fiquei perdidinha.


A diagramação do livro está maravilhosa, como sempre. E o que eu peguei do livro (no meio disso tudo) é que a gente sempre vê o mundo um pouco diferente depois que conhece pessoas novas ou depois que passa por momentos novos. O modo como lidamos com tudo vai mudando de acordo com os olhares que vamos aprendendo a ter, ou seja, cada pessoa que é especial para gente ou que, simplesmente, nos marca, nos muda um pouquinho. O livro nos lembra de todos os drama da adolescência e eu indico para quem gosta de reviver essas coisas ou para quem está vivendo cada um desses dramas. O livro é bem rápido e eu li em menos de uma hora, é uma leitura para esquecer o mundo numa sentada para ler.

site: http://www.brincandodeescritora.com/


6 encontrados | exibindo 1 a 6