Filhos da Lua

Filhos da Lua Marcella Rossetti




Resenhas - Filhos da Lua


63 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Portal JuLund 20/09/2016

Filhos da Lua – O Legado, @AVEC_EDITORA
Sabe aquele livro que você não sabe por onde começar a falar? Então esse é um daqueles livros. Então peço perdão desde agora pela confusão que vai ser essa resenha e pelos possíveis (e prováveis) spoilers que vou dar.

Bianca é uma menina forte, que está costumada com as mudanças constantes de cidade e escola, já que graças ao trabalho da sua irmã não param muito tempo em um só lugar, ela leva consigo um marca profunda, o horror do assassinato de seus pais. E por mais que todos insistam que eles morreram por causa de um assalto os sonhos se infiltram em sua mente, trazendo uma besta de olhos amarelos e garras enormes.

Ao chegarem em Santos tudo piora, ela continua com os sonhos, com as andanças noturnas causadas pelo sonambulismo e quando começa a achar que as coisas não podem piorar, tudo muda. Na escola ela conhece Lucas, um garoto lindo, mas estar perto dele sentir a sua presença a afeta de alguma maneira. Ela conhece Nicole e Renan que se tornam seus amigos.
CONTINUE LENDO EM: portal.julund.com.br

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/filhos-da-lua-o-legado-avec_editora
comentários(0)comente



Ani 11/11/2016

Filhos da Lua: O legado é o primeiro livro da série de fantasia urbana da autora Marcela Rossetti. Protagonizado pela jovem Bianca, que sempre teve uma vida comum e leva alguns traumas de infância com ela. Mas depois de uma crise de sonambulismo, ela acorda perdida em Santo, litoral de São Paulo e vê sua vida mudar completamente.




Com o tempo ela percebe que não sabe muito sobre sua própria vida e acaba conhecendo um novo mundo e mágico, com criaturas que ela nunca imaginou: Os Karibaris. Esses são seres que carregam o sangue da lua. Não são nem lobos, nem humanos, é como se fosse uma espécie muito mais forte e feroz e que estão ligados a nossa protagonista.
Não vou contar muito da história, pois livros de fantasias são maravilhosos por nos deixar com aquela curiosidade e pulguinha atrás da orelha né?
Confesso que não sou a maior fã de livros desse gênero, ele precisa ser muito bom para me conquistar e isso aconteceu com essa obra. Claro que a autora utilizou um início clichê, mas conseguiu contornar e criar algo surpreendentemente bom.
O começo do livro é um pouco arrastado, o que para mim é normal. Eu tenho dificuldades com fantasias, já falei sobre isso, mas com o tempo a leitura se torna fluida e agradável. A escrita de Marcella foi uma grata surpresa.




Não me lembro de ter localizado muitos erros durante a leitura – até porque li rápido demais – e como foi em e-book não tenho o que falar sobre a diagramação. Porém a capa está maravilhosa e foi muito bem trabalhada. Parabéns!
Por ser um livro introdutório, algumas partes ficaram em aberto para os próximos livros e isso é ótimo! Pois nos deixa com mais vontade de acompanhar a série.
A autora usou e abusou de cenas com ações e mistério então, se você adora esse estilo de livro a leitura está aconselhada.
Vale lembrar que no site da série já tem um conto “Noite Eterna” que conta a história da misteriosa Milena.

Beijinhos,

site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2016/11/filhos-da-lua-o-legado-marcella-rossetti.html
comentários(0)comente



Delirium Nerd 09/06/2017

Filhos da Lua – O Legado: Uma série nacional de fantasia
Filhos da Lua – O Legado é o primeiro volume da saga Filhos da Lua, escrito pela autora santista Marcella Rossetti e publicado pela Avec Editora.

A história se passa nos dias de hoje e tem como cenário principal a cidade de Santos, em São Paulo. Essa escolha é incrível pois, honestamente, quantos livros de fantasia nós conhecemos que se passam aqui no Brasil? Mesmo não conhecendo a cidade de Santos, é bem legal ver a personagem circulando em praças e ruas com nomes conhecidos, pegando ônibus e caminhando até o terminal. Dá aquela impressão de que alguma coisa misteriosa e sobrenatural pode acontecer com você assim que você cruzar a porta da sua casa. Na página do facebook da série os fãs pareciam bem ansiosos para que isso acontecesse! Sobre a história, a sinopse na contracapa do livro nos dá algumas pistas (sem spoilers, é claro):

Podemos dizer que Filhos da Lua: O Legado é, principalmente, sobre descoberta. A personagem principal, Bianca Bley (que conhecemos, a princípio, como Bianca Fernandes), é uma adolescente de 16 anos que acabou de se mudar para a cidade de Santos. No entanto, mudanças não são nenhuma novidade para Bianca, já que ela se muda constantemente, em razão do trabalho de sua irmã mais velha, Laura, com quem vive desde a infância.

Além de se acostumar com a nova casa e com a nova cidade, a adolescente também precisa se adaptar à nova escola. Quem já se mudou alguma vez sabe como isso nem sempre é uma tarefa fácil, principalmente se você for um pouco tímida, assim como a protagonista do livro. Além disso, Bianca também precisa enfrentar alguns traumas de seu passado, que têm um impacto direto em sua vida até hoje.

“Já de volta ao quarto, pegou sua velha mochila. Como ela e sua irmã se mudavam o tempo todo, sempre preparavam uma mochila contendo objetos de emergência, como roupas, produtos de higiene, carregadores de celular e outras coisinhas mais que poderiam precisar nos primeiros dias, até a casa estar habitável novamente. Chamavam-na mochila-mudança e cada uma tinha a sua. Da mochila retirou um porta-retratos contendo a única foto que possuía de sua mãe. Ágata sorria enquanto segurava Bianca, ainda bebê, no colo.”

A partir desse início aparentemente simples, a história vai se desenvolvendo conforme a protagonista encontra outros personagens que, aos poucos, vão fornecendo peças para completar o quebra-cabeças que é a vida da Bianca – e ela só desconfiava!

A autora conseguiu fazer uma mistura bem interessante entre a rotina comum de uma adolescente moradora de um grande centro urbano com elementos fantásticos, principalmente a respeito das criaturas chamadas de trocadores de pele ou Karibakis. De um início bastante ingênuo e quase lento, a narrativa vai ganhando ritmo e novos detalhes que, ao invés de dar respostas, apenas nos deixam mais curiosas.

Como o tom de Filhos da Lua – O Legado é o de descoberta, nós acompanhamos Bianca em todos esses novos encontros e somos introduzidos progressivamente aos novos personagens e a uma série de situações surpreendentes. No início, em uma cena na escola, o livro pode parecer repetir aquele padrão chato de livros ou filmes de fantasia: o da protagonista meio boba, meio ingênua que precisa constantemente ser salva por algum mocinho.

Isso até acontece algumas vezes, mas não é um padrão que se mantém (ainda bem!) ao longo da obra. Além disso, apesar de Bianca não gerar muita empatia no começo da história, é bem legal ver o seu crescimento enquanto personagem. Os leitores mais jovens vão se identificar muito com várias situações que ela vivencia, com as suas dúvidas e os seus medos.

Além de Bianca, Filhos da Lua – O Legado apresenta vários outros personagens bem construídos e com histórias complexas – nossos favoritos são a Nicole e o Julian! Além disso, a autora parece bastante preocupada com a questão da representatividade e consegue colocar em cena um grupo razoavelmente heterogêneo de personagens – ainda que prevaleçam, em certos momentos, certos padrões de beleza meio normativos. No mais, tem até uma representante da comunidade LGBT!

É um pouco difícil dar mais detalhes sobre a história sem dar spoilers, mas a trama toda gira em torno dos mistérios que envolvem os tais trocadores de pele e o passado de Bianca. A autora consegue ir adicionando elementos sobrenaturais e recheia o livro com cliffhangers – nem todos solucionados no primeiro livro! A boa notícia é que a editora AVEC anunciou para esse ano o lançamento do segundo volume!

Ah! Vale a pena comentar que edição do livro é bem caprichada, incluindo até uma ilustração em um ponto super importante da narrativa. E pra quem ficou curioso, iremos publicar logo, logo aqui no blog uma entrevista com a autora. E quem não quiser esperar, dá pra começar a ler o primeiro capítulo do livro por aqui.

Pra quem já leu Filhos da Lua – O Legado e não consegue esperar o segundo volume, a autora anunciou uma série de contos que vão ampliar a série, contando algumas histórias que ficaram de fora do livro principal. Você pode acompanhar as notícias aqui no site da saga.

site: http://deliriumnerd.com/2017/02/28/livros-filhos-da-lua-o-legado/
comentários(0)comente



Tamy.Diniz 22/07/2016

Incrível
Leitura fácil e bem detalhada. A cada pagina nos instiga ainda mais a ler, e saber se o que você supõe ira mesmo acontecer. Temos a representatividade da história se passar em nosso pais. E o livro terminar cheio de perguntas que so serão sanadas nos próximos livros. Um mundo fantástico dos karibakis que nos leva a estar dentro da história querendo mais e mais de informações. Mega recomendo
comentários(0)comente



Fernanda @condutaliteraria 19/08/2016

Envolvente!
Bianca sofre com crises de sonambulismo após o trauma de presenciar a morte de sua mãe e padrasto, porém mesmo estando presente, ela não consegue se lembrar de nada. Sofre constantes pesadelos e sente que na realidade não foi um assalto que resultou na morte de ambos.

Com 16 anos, Bianca agora vive com a meia irmã Laura, e vive mudando de cidade por achar que isso ajudaria nas crises.

A história se passa em Santos e utiliza muito da história da cidade. O que eu gostei muito.

Logo no primeiro dia de aula Bianca conhece Renan e Nicole e logo após Lucas e sua turma, quando o vê sente forte dor de cabeça e desmaia.


“Sentiu o toque leve dela em sua marca de nascimento e Carol soltou uma expressão de reconhecimento”


Como nem tudo é o que parece ser e é certo que por detrás do passado de Bianca tem algo mais, a autora nos conduz a um mundo de fantasia urbana adolescente com Uivadores, Furiosos, Destemidos, Furtivos e Farejadores. E claro, os Karibakis.

Os Karibakis são uma raça única, composta por aqueles que carregam o sangue da lua, nem humanos, nem lobos. São capazes de trocar a pele humana por uma lupina, algo que não chega a ser um lobo, porém maior e mais feroz. Dentre eles tem os que apesar de se desenvolverem dentro da linhagem, não trocam de pele.


“Não amamos o que queremos, mas o que escolhemos.”


Esse mundo paralelo a nossa realidade é muito bem criado pela a autora. A riqueza dos detalhes é perfeita e não deixa nenhuma dúvida ou ponta solta nos acontecimentos. Os Karibakis são bem descritos, bem como sua história, cultura e poderes. E como em toda fantasia urbana, se escondem da sociedade e têm um lugar próprio para viver. O que é muito bem explorado ao longo da história.

A adaptação de Bianca a essa nova realidade em sua vida é também, bem descrita. Cada etapa do processo é mostrada a nós, podemos acompanhar cada sentimento, medos e evolução da nossa protagonista.

Achei a trama bem envolvente, com mistérios que vão se desvendando ao longo da história e várias reviravoltas. Temos também romance, um triângulo amoroso na verdade, e como os Karibakis têm suas regras nesse quesito, isso também foi colocado. A parte da amizade também foi um ponto forte no livro.


“Você precisa abraçar a dor... Senti-la não é o problema. O problema é ficar incapacitada por ela.”


Realmente o mundo dos Karibakis e suas linhagens é muito amplo, quase impossível falar sem dar um spoiler.

Esse primeiro livro é apenas o começo, acho que muita coisa vem por ai e claro que fiquei curiosa pela continuação.

Agradeço a autora pela oportunidade dessa leitura! Foi uma experiência maravilhosa para mim.
comentários(0)comente



Luiza.Ferreira 05/03/2017

Leitura Inesperada
Surpreendeu-me muito esse livro. Comecei a leitura dele sem muita expectativa, por dois motivos: não gosto de histórias sobre lobisomens (ou qualquer outra criatura mística ligadas a lua) e a ilustração da capa (sim, sou uma pessoa que se importa com a capa. Podem me condenar, mas é o primeiro contato que temos com o livro.). A capa não me agradou tanto assim, pois achei um pouco infantil. Mas o ditado popular “Quem vê cara não ver coração” estava correta novamente. Demorei alguns capítulos para libertar a minha mente dos preconceitos iniciais e não me arrependi. A história tem um ritmo gostoso com personagens cheios de segredos, o que provocou muito a minha curiosidade. E como um bom livro teen possuí um leve toque de romance.
A protagonista Bianca é uma adolescente psicologicamente traumatizada pela perda dos pais, além de sonambula. Vive mudando de cidade por conta do trabalho de sua irmã a qual mora após o acidente com os seus pais. Ela é uma pessoa, que devido as experiências traumáticas quando criança, acredita-se totalmente maluca.
Mais uma vez ela está em uma escola nova, tendo que fazer novas amizades ou não já que poderá ficar pouco tempo na cidade de Santos. Na nova escola, Bianca conhece algumas pessoas diferentes e amedrontadoras, mas mesmo que seu corpo lhe avise para se distanciar, algo dentro dela se sente ligada a eles de alguma forma. Logo os seus ataques sonambúlicos e a sua ‘insanidade’ aumentam. De repente, Bianca está envolvida em um mundo extremamente novo e difícil de acreditar que exista, e com pessoas desconhecidas. Aos poucos ela começa a entender como esse novo mundo funciona, apesar de ter muita dificuldade em se adaptar devido aos seus traumas e ao seu bom coração. Em muitos momentos percebemos que a personagem se envolve tanto com suas dores que não percebe o quanto eles a deixa vulnerável em um lugar exigente de força, controle. Quando ela sai do estado de vítima graças a ajuda da última pessoa a qual imaginou, ela começa a enfrentar os seus medos e a controlá-los despertando uma enorme força e coragem. A partir desse instante, muitos segredos guardados rompem mudando todo o rumo da história.
comentários(0)comente



MILA 22/11/2016

Maravilhoso!
Dizem que fazer uma resenha de um livro que você amou é difícil e essa afirmação é correta. Também acontece quando este livro é complexo e cheio de aventuras, foram tantos acontecimentos que é difícil saber por onde começar a escrever.

Filhos da Lua mexeu comigo, Marcella Rossetti conseguiu me ganhar logo nas primeiras páginas, o enredo é permeado em mistérios e a narrativa é rica e viciante.

Neste livro conhecemos Bianca, ela e a irmã vivem mudando de cidade, Bianca sofre com as mudanças por nunca poder fazer uma amizade verdadeira, além disso ela tem problemas de sonambulismo, tem um trauma de infância que a assombra em pesadelos, sua irmã para amenizar coloca sempre travas extras nas portas e reforça as janelas, porém, às vezes nem isso a segura, o que será que ela busca?

Tudo fica magnificamente melhor com o primeiro dia na escola nova, um novo recomeço é tudo que ela precisa, conquistar novos amigos, mas sempre paira a dúvida, será que dessa vez ela vai ficar tempo o suficiente?

Confiram a Resenha Completa no Blog Daily of Books Mila


site: http://dailyofbooks.blogspot.com.br/2016/11/resenha-filhos-da-lua-o-legado-marcella.html
comentários(0)comente



Isabela Landim 28/08/2016

Karibakis!
Por conta do trabalho de Laura, sua irmã, Bianca e ela são nômades modernas, sempre mudando de cidade em cidade. É claro que no fundo, Bianca sabe que essa não é inteiramente a verdade por trás mudanças, a verdade é que Laura está convencida de que constantes mudanças diminuem as crises de sonambulismo e pesadelos horríveis que Bianca tem desde o assassinato de sua mãe e seu padastro. Em uma dessas mudanças, acabam em Santos,SP, e é ali, em meio as situações mais estranhas como desmaiar em frente ao cara mais lindo do colégio, ser atacada por braços macabros saindo de uma parede e entender que nem tudo é folclore, que Bianca descobrirá quem realmente é, a ultima Farejadora de uma raça de criaturas chamada Karibaki.


"Não amamos o que queremos, mas o que não escolhemos"

No começo, Bianca me tirou do sério. Ela é meio bobinha mesmo com toda aquela coisa " Garoto mais bonito da escola" e "chego caindo", além de não ter um pingo do quesito Girl Power que tanto chama atenção nas personagens atuais, que conseguem se salvar sozinhas dos perigos que as cercam. Mas criticando a Bia eu percebi uma coisa muito importante sobre os personagens que são apresentados para nós recentemente. O fato é que na época da escola - vulgo ano passado- eu era exatamente como ela, meu crush era mesmo o cara mais bonito da escola e eu era simplesmente um desastre ambulante, e sinceramente, se eu fosse assaltada e corresse o risco de ser estuprada por 3 caras, nem em meus mais mirabolantes sonhos eu conseguiria me salvar sozinha, então porque infernos eu estava esperando qualquer coisa diferente por parte da Bianca? Por que eu estava criticando ela por ser uma garota normal? É que estamos cada vez mais sendo atacados por personagens idealizados que, apesar de terem idade para serem adolescentes, não o são por completos.

" - Nosso Mundo é muito estranho, Bia..."

E é isso que diferencia a Bia desses personagens; enquanto eles tentam ser normais, ela é, apesar do sonambulismo e outras estranhezas . O que acaba por abrir um espaço imenso no livro para a evolução da personagem, ela vai superando seus medos e amadurecendo, se tornando não só uma adolescente forte, mas também uma mulher, e sem perceber, nós estamos torcendo por ela e nos orgulhando por cada conquista. No fim, ela é essa personagem incrível que nós vimos crescer, e não vemos a hora de ver o que ela fará com a vida dela.

"- Eu sou Julian - Imitou ele com voz dramática - aquele cujo olhar ignora o aquecimento global e congela qualquer coisa viva por onde anda. Eu sou Julian, cuja sombra gera blackouts e cuja risada mata qualquer criancinha de medo.

Outra coisa legal de reparar, são as subtramas e os outros personagens. Temos o Renan que é super fofo e a Nicole, que me conquistou na primeira aparição, mesmo cheia de mistérios e uma certa indiferença.E existe sim um "triângulo amoroso", mas o bom é que fica em segundo plano, onde nós temos o Lucas e o Julian como interesses da Bia, e eles não são aqueles personagens que você pode classificar como bonzinho ou Bad Boy. Eles são mais que isso, e principalmente, eles tem defeitos reais. Aliás, todos os personagens tem defeitos reais, não dá pra dizer que nenhum deles é perfeito, e é bom.

"Olá jovem trocador de pele! Não, você não é um lobisomem! E por favor nunca mais use essa palavra aqui novamente. Odiamos ser chamados assim, acredite!"

O que nos puxa para a mitologia criada, ou melhor, reinventada, do livro. É fascinante, e isso é tudo o que eu posso dizer sobre os lobisomens/trocadores de pele do livro, que são chamados Karibaki, sem estragar as grandes surpresas. Até porquê a existência deles é muito bem costurada na nossa, o que a torna muito fácil de acreditar.

" -Talvez ele seja adotado - começou Duda. - Ricardo deve ser parente de canguru e não de Karibaki."

Quando a Marcella Rossetti me enviou um e-mail propondo uma parceria, o interesse foi imediato; lobisomens em Santos? Eu simplesmente não poderia perder essa. Primeiro porque é fantasia brasileira e tem uma dinâmica completamente diferente do que a que vem lá de fora. Os personagens vivem na nossa cultura e são as pequenas coisas que estão presentes no cotidiano de nós brasileiros, igualmente presentes no livro, que possibilitam uma maior identificação com os personagens.

- Vaga-lume? Por que me chamou disso?
- Não sei – respondeu ele dando de ombros. - Acho você lembra esses bichinhos estranhos.

Além disso, existe o fato de que o livro, obviamente, foi escrito em português, o que significa que estamos lendo exatamente o que a autora gostaria que lêssemos. Nada se perdeu na tradução! Ou seja, nada foi mudado e não corremos o risco de encontrar uma personagem com 16 anos que fala como alguém um tanto mais velho. O que por sua vez produz uma certa sensação de familiaridade com a leitura que não encontramos ao ler qualquer outra que não tenha sido escrita por um brasileiro.

Outra coisa a ser ressaltada é o fato de que o livro se passa em terras tupiniquins, em grande parte na cidade de Santos, no estado de São Paulo. É muito mais interessante ler algo que se passa no seu país ao invés de NY, por exemplo. Quer dizer que se você realmente gostar, é muito mais fácil dar um pulinho e ver os lugares em que a personagem se encontra, além de conferir uma certa veracidade do dia-a-dia brasileiro. E falando por alguém que morou em Santos por 4 anos, no fim do livro eu estava meio que stalkeando a personagem, - só pra ficar registrado,ela morava a 20 minutos de caminhada de onde eu morei.

"Você precisa abraçar a dor .. Senti lá não é o problema. O problema é ficar incapacitada por ela."

Dito isso, eu só posso acrescentar que o livro merece ser lido por qualquer um que se interesse por livros de fantasia e se você é um desses, pode adquirir o E-book na Amazon, ou o livro físico, na Saraiva, ainda em Pré-Venda e com um brinde muito legal.

Blog: http://isylandim.com.br/

site: http://isylandim.com.br/
comentários(0)comente



Mariana Teixeira 22/07/2016

Um livro surpreendente
Um livro de fácil leitura que prende o leitor do início ao fim, apesar do começo lento por conta da apresentação de personagens. A adrenalina surge nos momentos mais inesperados, tirando o folego de quem lê. O livro evolui nos campos da narração e do enredo ao decorrer da história e mostra que a continuação da série será ainda melhor que o primeiro.

site: https://www.youtube.com/watch?v=HZZcF0ZnXEc&list=PLcmm-FXoL4-m3KaHpjFGYDRttc_-QnT_N&index=2
comentários(0)comente



Bells 03/11/2015

Resenha: Filhos da lua: o legado
Filhos da Lua nos apresenta uma nova mitologia sobre os lobisomens, mas eles não gostam deste termo preferindo serem chamados de Karibakis. Eles podem ser parentes ou trocadores de pele e são divididos entre as linhagens: Destemidos; Uivadores; Furtivos; Furiosos; e Farejadores. Cada uma da linhagens possui dons especiais. Sendo que a linhagem do farejadores esta extinta até a descoberta do legado na Bianca, que é a protagonista do livro.

No livro também á aparições de taus, fantasmas e espíritos. À existência dos Pérfidos, Vorazes, e os corvos.

Os Pérfidos são os karibakis que traem a própria raça com o intuito de agradar seu deus criador Hoark de todas as formas possíveis. Já os Vorazes são filhos de dois trocadores de pele, onde eles permanecem em sua forma de besta.

O livro é narrado em terceira pessoa, e é dividido em duas parte:

Parte I: O Legado: Essa parte do livro narra quando a Bianca encontrou-se pela primeira vez com os karibakis, e como reagiu diante deles. A estória começa a ficar boa após os acontecimentos na Boate da Barba Azul.
Bianca também se apaixona por Lucas. E é no final da primeira parte em que aparece o personagem Julian (já disse que amo o Julian). Outro fator muito importante ha ser destacado nessa primeira parte é que o cenário é a cidade de Santos.

Parte II: O Refúgio: Essa parte é uma consequência de acontecimentos que se desencadearam na parte I, em especial após a noite na Boate Barba Azul.
Aqui vai ser narrado a chegada da Bianca ao refúgio dos Karibakis, o lugar mais seguro para eles, onde são protegidos por uma tecnologia muito mais avançada do que a dos humanos. Aqui a Bianca vai ser treinada e também vai ser surpreendida.

Os Karibakis estão vivendo em guerra a muitos anos, por isso os inimigos vão tentar de todas as formas capturar a ultima farejadora.
O livro se passa em torno disso, a descoberta de Bianca Bley como a ultima farejadora.

O que dizer desse livro? Sinceramente, esse livro até então foi um dos melhores nacionais que li este ano. O final dele me surpreendeu muito. Ele possui sim alguns erros na escrita, mas nada que atrapalhe a leitura, e também não gostei de algo que aconteceu na Boate Barba Azul. Na Boate aconteceu algo com o amigo da Nicole e da Bianca, mas depois esse acontecimento não foi mais abordado, o que contraria um pouco a personalidade da Bianca, já que em todos os momentos ela se mostrou uma pessoal com fortes sentimentos e sempre tenta ajudar as pessoas de alguma maneira.

site: https://mysecretworldbells.blogspot.com.br/2015/11/resenha-filhos-da-lua-o-legado.html
comentários(0)comente



mouemily 26/08/2016

Filhos da Lua: O Legado foi uma surpresa. Eu não queria ler a sinopse ou qualquer review antes de ler pelo menos uma boa parte do livro para evitar qualquer tipo de spoiler, então não sabia praticamente nada quando comecei a lê-lo.

A começar pelo óbvio: Esse é um livro brasileiro, escrito por uma mulher brasileira, que se passa no Brasil. Talvez a história toda não tenha elementos tão característicos como a gente vê em um André Vianco da vida, por exemplo, mas parte dos acontecimentos se passa em Santos e São Vicente, duas cidades que ficam ali perto de São Paulo, e os personagens têm, em sua grande maioria, nomes tipicamente brasileiros e, o mais importante, diferentes tons de pele. A personagem principal é uma adolescente, criada pela meia irmã mais velha, que faz amizade com outras meninas e está mais preocupada com o que está acontecendo ao seu redor do que com possíveis namorados (apesar de se preocupar com isso, também). Uma de suas amigas, inclusive, é lésbica e faz parte de um dos casais mais importantes da história.

Pode parecer bobagem citar elementos tão corriqueiros assim, mas eles foram essenciais para que eu me apaixonasse pela história. Não é toda hora que a gente encontra todos eles assim, de bandeja. Adicione a tudo isso o fato do livro ter sido escrito, pelo o que eu entendi, por uma professora que queria contar sua história além das classes de aula - Impossível não ficar, ao menos, curiosa.

É claro, nem tudo são flores. A escrita de Marcella não foi uma das minhas favoritas, havendo momentos em que a história parecia correr rápido demais. Faltas de vírgulas e algumas construções de frases me incomodaram um pouco também. Por introduzir um mundo completamente novo, há muitas informações e personagens novos sendo inseridos a todos os momentos, o que pode acabar confundindo um pouco o leitor - Eu sei que demorei para lembrar quem era quem em alguns momentos e em outros eu simplesmente desisti e segui em frente, querendo saber o que acontecia em seguida.

Mas, justamente por apresentar tanta coisa nova, eu deixei de lado essas coisinhas que não me cairam bem e segui em frente porque fiquei presa na história de Bianca, a protagonista. Sabendo tanto sobre seu passado quanto o leitor, ela vai, aos poucos, aprendendo tudo o que acontece e, ao mesmo tempo, levantando novas questões. Os trechos que passavam fora da vista de Bia eram enigmáticos e me deixavam cada vez mais curiosa. Aliás, ainda tem coisa que não foi explicada, o que me deixou louca pela continuação.

Eu não sabia que esse livro não era stand alone. Na minha rápida pesquisa antes da leitura, encontrei pouca coisa sobre ele, então fiquei bem surpresa quando a história acabou e fios ficaram soltos.

Quanto aos karibakis, os personagens fantásticos do livro, posso dizer que me surpreenderam - só não sei se positiva ou negativamente. Como amante de lobisomens que sou, eu estava animada para ler um livro inteiro sobre eles - mas logo percebi que não era exatamente isso que eu teria. Divididos em legados, com poderes especiais e um refúgio maravilhoso com uma tecnologia de ponta e histórias do passado, eles acabaram ganhando um espacinho no meu coração, apesar de serem extremamente regrados e até mesmo violentos, de forma que me assustaram um pouco. Tenho esperanças de mudanças para a continuação, mas por enquanto é só isso. Não sei o que vai acontecer com eles e se minha relação com os mesmos vai mudar. Espero profundamente que sim.

No geral, fiquei apaixonada pelo livro. Muita coisa aconteceu, muitas questões foram levantadas, muitas vírgulas faltaram e o ritmo da história não é exatamente uma obra prima, mas, ainda assim, ele é um romance infanto-juvenil brasileiro sobre minhas criaturas místicas favoritas com personagens femininas fortes e fantásticas, escrito por uma brasileira e se passando no Brasil (eu nem mencionei, mas o Refúgio brasileiro é, segundo o próprio livro, o maior e mais importante do mundo! Take that, USA!!). Mal posso esperar para comprar a versão física do livro, um vez que eu o li no Kindle antes da mesma ser lançada, e mais importante ainda - mal posso esperar pela continuação!
comentários(0)comente



BlogLiteraMente 31/01/2017

#Resenha Filhos da Lua - O Legado (Marcella Rossetti) por Blog Literamente
Olá pessoas!
Já começo dizendo que esse livro me proporcionou novas experiências. Quais?? Calma, já ia dizer. Desde a forma como li (já que nunca lia livro online, tipo nunca) até o gênero que é fantasia nacional (que também nunca tinha lido).

Sem enrolação e sem spoilers, o livro conta a história de Bianca, uma garota de 16 anos, que parece bem “comum”. Só parece mesmo. Ela e a irmã vivem sozinhas, pois a mãe de Bianca e o padrasto morreram. A história se passa no Brasil, na cidade de Santos, São Paulo. Elas se mudam constantemente e Bia (aqui a gente tem facilidade de ser intima das personagens) nunca entende o porquê dessas constantes mudanças. Ela sofre de sonambulismo (coitada) e sua irmã diz que essas mudanças são para o bem dela (bem suspeito ne?).

A protagonista tem pesadelos perturbadores e daí já fica a deixa de como a história, de mistério e aventura, vai ser temperada ao longo das páginas. Que são muuitas, diga-se de passagem, (mais de 400). A partir do seu primeiro dia de aula na nova escola em Santos, Bianca sente que sua vida ali não vai ser como nos outros lugares que passou. Coisas totalmente fora do comum começam a acontecer e ela percebe que sua vida esta longe de ser o que parece ser. A guria é forte e diferente dos demais porque ela passa por cada uma antes de entender tudo, que só Deus na causa!

"Você precisa abraçar a dor... Senti-la não é o problema. O problema é ficar incapacitada por ela."

Outro esclarecimento: Se você for ler esse livro pensando ser mais uma fantasia comum sobre humanos, lobisomens e vampiros, já pode tirar seu cavalinho da chuva porque nem vampiro tem. E não são lobisomens qualquer, são OS(AS) caras, ou melhor os Karibakis como preferem ser chamados. Por falar nisso euzinha achei show de bolas a forma como tudo foi muito bem pensado e criado pela autora. É preciso de bastante atenção do leitor porque é muuuita informação, uma atrás da outra, não dá nem tempo de piscar.

Então aperta os cintos, pega um caderninho pra não se perder e se joga nessa história que é de arrepiar (no bom sentido).

site: https://literamenteblog.wordpress.com/
comentários(0)comente



Cami 13/08/2016

Resenha do Blog Descafeinadas
Quando comecei a ler achei que tudo levaria a uma história óbvia, nas 100 primeiras páginas tudo o que que eu conseguia ver eram personagens rasos e falas tão "falsas" de certo modo que eu não sabia se conseguiria terminar de ler. Mas, nunca desisto de um livro e é bem difícil isso acontecer, sempre procuro ir com ele até o final para saber onde isso me levará. Em Filhos da Lua - O Legado tudo indica para um livro normal, e de fato ele seria, se a autora não tivesse criado, ou melhor, recriado toda uma mitologia incrível em sima dos já conhecidos lobisomens. Da página 100 em diante você vai se sentir imerso na leitura até o final.

O cenário é solo brasileiro, tudo se passa em Santos-SP. A vida de Bianca não é comum, teve uma infância perturbada e para piorar sofre de sonambulismo, então ela se tornou alguém fechada e com poucos amigos, ela sempre se muda muito com a irmã que é restauradora e por isso fixar-se a apenas um lugar é algo que não acontece com frequência. Ao mudar-se para Santos para que Laura (sua irmã) restaure uma igreja tudo volta a tona na vida de Bianca e ela passa a ter pequenos esclarecimentos do seu estranho passado.

Como toda história com adolescentes e escolas novas, Bianca entra na escola como a perdida e acaba fazendo bons amigos. O início da história é beeem arrastado, tive em todo momento a impressão de que nada, absolutamente, nada aconteceria e achei que a história ficaria por aquilo mesmo, porém não posso negar o fato de que essa "lerdeza" é necessária para o desenrolar completo da história. Marcella nos leva a um ambiente em que é preciso esquecer tudo que sabemos sobre lobisomens e abrir a mente para uma nova raça, uma nova mitologia, porque possivelmente vai ser diferente de tudo que você já leu por aí.

Bianca não é normal, ela é muito especial na verdade e isso vai desencadear vários problemas que dão a história o ritmo animado e gostoso de ler. Ela é uma Karibaki, nome que a autora deu ao seus lobisomens, os dons que cada um deles tem é o que mais me chamou atenção, tirou totalmente a visão arcaica que eu tinha dos lobisomens (que nunca foram meus seres da noite preferidos) e eu fiquei tipo SOCORRO! que mitologia incrível! É fácil notar que a autora trabalhou muito em todos os detalhes e eles torna tudo tão perfeito. Com esse trecho tirado do site do livro (clique aqui para acessar) você conhece mais sobre os Karibaki:

Olá, jovem trocador de pele! Não, você não é um lobisomem! E por favor nunca mais use essa palavra aqui novamente. Odiamos ser chamados assim, acredite!
Conhecer a nós mesmos não é tarefa fácil. Há centenas de anos estamos tentando entender como surgimos. Entretanto, o que sabemos é que não somos nem humanos e muito menos lobos.
Somos uma raça única no planeta capaz de trocar a pele humana por uma lupina. Porém, nós não nos transformamos em lobos, mas sim em algo muito maior e feroz. Você já trocou de pele uma vez e sabe do que estou falando. Sim, eu sei que dói, mas será mais fácil das próximas vezes. Eu prometo.
Quando trocamos de pele ficamos maiores e mais fortes. Aumentamos em média 25% a nossa altura e por volta de 300% o nosso peso em massa corporal. Somos mais fortes e mais resistentes, capazes de nos curar mais rápido, além de ganharmos sentidos aguçados, garras e presas afiadas.
Resumindo, nos tornamos terríveis máquinas de matar e por isso não trocamos de pele a todo instante. Mesmo aqui no Refúgio você deve trocar apenas durante os treinamentos e lá fora somente quando estiver disposto a tirar a vida de um inimigo.
Você já sabia que seria um Karibaki e não um parente, pois não desenvolveu os dons de parente de sua linhagem. Pelo menos isso seus pais explicaram para você.
É uma pena que eles tenham abandonado a nossa sociedade anos atrás. Não somos contra escolhas como as deles, mas saiba que precisamos de cada parente ou Karibaki existente, você entenderá o motivo nas aulas de História com Andréa.
Eu sei que você ainda é apenas um garoto de 12 anos e apenas ficará tempo suficiente para completar seu treinamento, mas no final você terá uma escolha. Poderá partir e ficar com seus pais lá fora, fingindo serem humanos e vivendo uma vida comum, ou poderá se juntar a uma de nossas jovens alcateias e se tornar um grande soldado em nossa guerra.
Mas não é só ser um deles, eles também são divididos em linhagens e legados, peguei a informação do site maravilhoso do livro:
Atualmente possuímos quatro linhagens entre aqueles que possuem o sangue da lua, mas no passado havia mais. As linhagens são simbolizadas pelas marcas dos legados, que alguns possuem desde o nascimento.
As marcas do legado:
1º Legado: Destemidos
2º Legado: Furiosos
3º Legado: Furtivos
4º Legado: Uivadores
As personagens são muito legais, passado aquelas 100 páginas elas deixam de serem totalmente superficiais. Bianca é a personagem principal, ela não faz meu estilo de mocinha e confesso que não gostei dela, ela torna-se então a clássica personagem que supera tudo e se torna a super-heroína. São muitos personagens, mas cada um conquistou um pedacinho de mim. Julian fez com que eu me apaixonasse por ele, é o típico folgado, seguro de si e bad boy que todas as meninas adoram e que apimentam o livro. Nicole, Ricardo, Lucas e Rafaela tem cada um sua qualidades, mas confesso que fiquei perdidamente apaixonada de verdade pelo Julian.

Narrado na terceira pessoa nós temos uma visão ampla de todas as personagens, o mundo criado é profundo e incrível, se você leu e não gostou lê de novo porque você leu errado! O livro é uma história original, passada em território brasileiro, com personagens incríveis e um final que vai fazer você desejar por mais! Não quero falar mais para não dar spoiler, é um livro que vale apena e vale seu tempo, não desista dele porque vai se tornar uma leitura incrível!

No começo vai ser difícil se sentir imerso nesse universo, mas quando você se envolver não vai ter mais volta. O livro nos oferece algo que você percebe conforme ler que não é clichê, o começo de fato é, mas depois tudo se torna ÚNICO. É uma palavra que descreve bem esse livro, ele é ÚNICO. A própria escrita da autora ajuda, é gostosa, fluí bem e é apaixonante em todos os sentidos.

Ansiosa por mais !


site: http://www.descafeinadas.com.br/2016/08/resenha-filhos-da-lua-o-legado-livro-1.html
comentários(0)comente



CuraLeitura 21/09/2016

Resenha: Filhos da Lua: O Legado
O título do livro já nos faz imaginar mais ou menos do que se trata: lobisomens. Só que o termo utilizado no livro não é lobisomens, e sim Karibakis ou trocadores de pele.

Nesse mundo secreto existem os filhos da lua, que protegem os seres humanos; os pérfidos, descendente de um karibaki ancestral que se desviou; os desviados, karibakis que abandonam a missão e se unem aos pérfidos; e os caçadores, que caçam todas as criaturas anteriores, mas atualmente estão em trégua com os karibakis.

Entre os filhos da lua temos ainda 5 grupos: Destemidos, Uivadores, Furtivos, Ferozes e Farejadores. Há os trocadores de pele, aqueles que assumem a forma lupina, e os parentes, aqueles que têm o legado, mas não se transformam.

Bianca é uma farejadora, a última, já que há anos os farejadores por algum motivo foram caçados e extintos. Mas ela não sabe de nada disso, não sabe desse mundo. Ainda.

O livro conta sua jornada de descoberta de fazer parte desse povo, desse mundo, e de suas missões.

Se você pensa que é mais um livro sobre lobisomens, você está redondamente enganado. Pode até ser uma história para adolescentes, mas não é nada parecido com o que você já viu.

Marcella criou um novo mundo, uma nova mitologia, ambientando-a em Santos, litoral paulista. Sua história é completamente original. Como eu disse, completamente diferente de tudo o que você já leu.

A escrita da autora é excelente, ela descreve o ambiente e as situações de forma tão precisa que eu me senti dentro daquele universo, dentro do Refúgio. E em momento algum se tornou cansativo. O livro tem um ritmo frenético, em que você passa as páginas sem nem ver e quando dá por si já terminou de ler.

O final do livro foi incrível e me deixou super ansiosa pelo próximo volume.

Não percebi nenhum erro ortográfico, muito pelo contrário, a escrita foi impecável. O livro também não deixou pontas soltas, quase todos os mistérios foram resolvidos e os que não foram são a deixa para o próximo livro.

No mais, é uma obra que eu recomendo, principalmente para quem gosta de fantasia e de coisas relacionadas a esse universo.
comentários(0)comente



Lidoliver 17/08/2018

Final inesperado
De cara, julguei que se tratava de um crepúsculo da vida, só que de lobisomens. Nada contra, eu até li e gostei dos livros da Meyer, mas Marcella Rossetti supera em muito a história com um roteiro envolvente.  É uma espécie de  ficção cientifica, sobrenatural e mitologia, com ação e romance na medida certa, e não como foco. Normalmente, eu detesto personagens principais adolescentes, mas Bianca é menina madura o suficiente para mostrar "a que veio" quando finalmente descobre as suas origens.

Sobre o final, você certamente não vai esperar. Eu simplesmente fiquei chocada, entusiasmada, decepcionada e ansiosa ao mesmo tempo. Confuso? Leia o livro e descubra por quê. 

site: https://lidoliver.wordpress.com
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5