Filhos da Lua: O Legado

Filhos da Lua: O Legado Marcella Rossetti




Resenhas - Filhos da Lua


71 encontrados | exibindo 61 a 71
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Tamy.Diniz 22/07/2016

Incrível
Leitura fácil e bem detalhada. A cada pagina nos instiga ainda mais a ler, e saber se o que você supõe ira mesmo acontecer. Temos a representatividade da história se passar em nosso pais. E o livro terminar cheio de perguntas que so serão sanadas nos próximos livros. Um mundo fantástico dos karibakis que nos leva a estar dentro da história querendo mais e mais de informações. Mega recomendo
comentários(0)comente



29/02/2016

Gostei muito!
Comprei o e-book pela Amazon seduzida pelas ótimas avaliações que li ali (portanto, avaliem mesmo, pessoal, vocês ajudam muito os autores) e confesso que em alguns momentos do livro senti que tinha sido enganada. O fato é que não me atentei, por ser um e-book, que a história seria tão extensa e alguns trechos não me agradaram, por serem repetitivos (sim, várias frases são repetidas exaustivamente para a protagonista, ou pela protagonista, explicando o que explicaram pra ela. Sei que a vida é assim, mas dentro de um livro uma hora você não aguenta mais)
Mas o que fica de um livro, que te faz dar uma nota alta mesmo você não tendo sido 100% seduzido por todas as cenas? O que você sentiu.
Uma das maiores dificuldades que eu sinto com livros, especialmente com protagonistas adolescentes (desculpa, mundo) é criar empatia por aqueles personagens que geralmente são rasos, não conhecem muito da vida e tudo mais.
Mas Bianca vem com uma bagagem, com traumas fortes e mistérios, e você realmente quer saber o que aconteceu com ela, você realmente se importa para onde a história está te levando. Eu senti emoções fortes lendo Filhos da Lua e é isso que eu busco em um livro e foi o que a Marcella Rossetti soube oferecer.
Então, aguente as repetições, algumas lentidões no enredo, vá com fé que com certeza será recompensado!
comentários(0)comente



Vinicius 06/11/2016

Esqueça o mito dos lobisomens e tudo o que você viu em livros como "Crepúsculo", Marcella Rossetti nos traz uma história original, com romance e aventura na medida certa que vai cair no gosto de todos.
Filhos da Lua: O Legado é um livro que faz você mergulhar de cabeça num universo curioso e envolvente. Um misto de todas as aventuras que você já leu com a boa escrita dessa autora que já começou no mundo literário com o pé direito.

Primeira coisa que você deve saber: os Karibakis odeiam ser chamados de Lobisomens, então é bom você se acostumar com uma raça nova de criaturas que possuem uma linha histórica sem furos. O que já é um ponto positivo.

Outro ponto positivo é que, mesmo o enredo se passando no Brasil, a autora teve a sagacidade de escolher bem os nomes dos personagens e locais, fazendo com que aqueles leitores esquentadinhos que odeiam livros que se passam em terra brasilis (até hoje não sabemos o porquê) se sintam confortáveis. (um misto de palavras que vai de "Julian" a "Oca".)

Mas vamos ao que interessa.

Bianca Bley é uma adolescente que vive se mudando com sua meia-irmã Laura e sofre de crise de sonambulismo grave. O primeiro capítulo é disparado o meu favorito, o modo como Marcella inicia o livro é de perder o fôlego.

Em sua mudança para Santos ela conhece Lucas, um garoto incomum que a faz desmaiar em seu primeiro dia de aula. A partir daí tudo começa a se desenrolar rapidamente: ela sofre um ataque numa boate causada por pérfidos (Karibakis desviados) e um Tau ( artefato que abriga os Griats, criaturas malignas que causam o caos quando ativado ).

Ela então descobre ser a última de uma linhagem dos "filhos da lua", criaturas inteligentes com poderes dados pela lua que podem "trocar de pele" ou não.

Os Karibakis possuem seu próprio lar, o Refúgio, lugar incrível com uma tecnologia nem imaginada pelos humanos. É lá que Bianca Bley começa a ser ensinada sobre esse mundo totalmente novo e é colocada à prova.

Eu poderia resenhar mais vinte parágrafos, pois os mistérios, personagens e explicações são inúmeros (tanto é que no fim do livro temos até glossário de personagens e termos).

Só lendo pra você conhecer Nicole, Rafaela, Lucas, Julian (garotas caidinhas em 3...2...1..., Alexia, a língua Ki, as linhagens, a arquitetura do refúgio, o Metamold... É tudo muito novo e requer muitas e muitas linhas para serem explicados à altura do que Marcella nos apresenta.

Veja mais em: bit.ly/4SFilhosDaLua

site: bit.ly/4SFilhosDaLua
comentários(0)comente



Nadja Moreno - Blog Escrev'Arte 10/11/2016

Excelente história repleta de sensações!
Tem livro que já chega arrasando, tem livro que a gente tenta até o final e nada acontece, e tem livro que vai num crescente tão marcante que você se sente num avião aquecendo as turbinas para alçar voo. Assim me senti na leitura de Filhos da Lua.

Bianca é uma adolescente cheia de lembranças duras, pesadas, que a atormentam rotineiramente. Ela está num momento conturbado, com a troca de cidade, escola e amigos. Possui um trauma, um acontecimento de sua infância a assustou tanto que até hoje ela carrega as consequências daquele dia. Começar numa nova escola já é algo complicado o suficiente, e Bianca ainda tem de lidar com uma turminha um tanto quanto estranha e com – as mais estranhas ainda – sensações que ela tem quando perto deles.

Aos poucos, Bianca vai sendo inserida num mundo completamente novo, assustador, desconhecido e mágico. Vai percebendo que as sensações estranhas que tem, e as lembranças dolorosas que a acompanham têm uma razão de ser. Ela não é quem pensa que é. Nem ela, nem seus pais, tragicamente mortos há alguns anos. E ainda precisa aprender coisas que nunca antes havia imaginado, a partir de novos amigos que nem sempre estão tão dispostos assim a ajudar.

Uma fantasia com uma dose generosa de magia! Este é Filhos da Lua. Uma junção fantástica e bem feita de histórias de vampiros, lobisomens, magia e poder. Mesmo que em alguns pontos da história o enredo nos remeta a outras histórias da literatura de fantasia, o cerne todo e a forma de Marcella apresentar a trama faz com que ela seja única.

O início da trama me pareceu um pouco lento. Bianca foi me dando nos nervos durante páginas e páginas. Ela sucumbia muito fácil aos seus temores e sensações desconhecidas. Parecia que ela nunca iria se desenvolver! Ela foi, durante boa parte da leitura, um tanto maçante e incômoda. Uma personagem fraca, não em sua criação, mas em sua postura. Se autora queria passar a imagem de uma protagonista frágil, conseguiu com maestria. Acompanhando Bianca, os demais personagens do início da história (até por volta de metade do livro) iam compondo a trama como que tecendo uma teia. O leitor vai sendo inserido num mundo novo aos poucos, como que entrando em uma caverna escura. Desta forma a tensão e a ansiedade foram crescendo.

Bom, daí a gente chega na segunda parte do livro – embora não haja claramente esta divisão, ela é percebida na velocidade dos acontecimentos. Daí, caro leitor, segure-se na cadeira quando se aventurar a ler esta história. Tiveram alguns momentos em que eu me via numa dúvida assombrosa: ler novamente para passar por esta sensação mais uma vez, ou seguir a leitura para saciar a curiosidade das consequências dos acontecimentos??? Houve momentos em que eu queria simplesmente aplaudir alguns gestos, outros que me geraram o desejo enorme de sacudir alguém. Enfim: sensações. Isso Filhos da Lua proporciona com abundância. E eu adoro quando a leitura realmente mexe comigo. Quando me faz desejar não ter mais nenhum compromisso para simplesmente ler até que termine. Quando o coração acelera a ponto de se conseguir ouvi-lo. Deliciosa aventura literária!!!

Bianca, que no início me dava nos nervos, amadurece e muda tanto no desenvolvimento da história que quando li a última página pensei: Cara, Bianca é o cara! Algumas coisas que ela fez me dá vontade de tirar um print e colar aqui para vocês lerem! Genial é pouco para descrever! Pena que aí seria spoiler, e tanto você leitor, quanto a autora ficariam bravos comigo. Que pena!

Os momentos tensos de embate e confronto são descritos na medida certa, sem detalhes exagerados, um tanto comuns em livros de fantasia, mas com a descrição ideal para entendermos e entrarmos na cena. Só achei que poderia ser um pouquinho mais detalhado quanto à ambientação em alguns pontos. Não consegui “visualizar” com detalhes alguns lugares onde as coisas mais tensas aconteciam… (ou pode ser que me encantei tanto pela história que queria conhecer mais detalhes do “Refúgio”)

A forma fluída da escrita de Marcella contribuiu muito para esta agilidade na leitura que a trama exige. Não é possível ler calmamente. Há um ânsia para chegar à próxima página. Movimento que não caberia com uma escrita densa e com palavras rebuscadas. Perfeito.

Como primeiro livro de uma série, é claro que fios soltos são deixados, lacunas a serem preenchidas dão ao leitor uma sensação de urgência pela continuidade. Porém, mesmo com estas pontas, a história aqui fecha. Não termina como que na beira de um precipício, num cliffhanger incômodo. Ainda assim, desejo ardentemente que a autora nos presenteie com a continuação o mais rápido possível, até porque os sinais dados no final deste volume indicam que as emoções contidas no segundo serão bem maiores! Oh lord!!!

Ahh, no final tem um glossário com todos os personagens e sua participação na história, assim como todos os outros termos específicos. Legal que, se algum termo ou personagem passou meio despercebido lá no meio, aqui a gente consegue se situar de novo.

Não posso tecer comentários sobre a edição, porque li a versão ebook. Mas a revisão está bem feita, encontrei bem poucos erros que não incomodaram a leitura. Enfim, recomendável, com certeza!

site: http://www.escrevarte.com.br/2016/11/resenha-filho-da-lua-de-marella-rossetti-avec-editora.html
comentários(0)comente



Ani 11/11/2016

Filhos da Lua: O legado é o primeiro livro da série de fantasia urbana da autora Marcela Rossetti. Protagonizado pela jovem Bianca, que sempre teve uma vida comum e leva alguns traumas de infância com ela. Mas depois de uma crise de sonambulismo, ela acorda perdida em Santo, litoral de São Paulo e vê sua vida mudar completamente.




Com o tempo ela percebe que não sabe muito sobre sua própria vida e acaba conhecendo um novo mundo e mágico, com criaturas que ela nunca imaginou: Os Karibaris. Esses são seres que carregam o sangue da lua. Não são nem lobos, nem humanos, é como se fosse uma espécie muito mais forte e feroz e que estão ligados a nossa protagonista.
Não vou contar muito da história, pois livros de fantasias são maravilhosos por nos deixar com aquela curiosidade e pulguinha atrás da orelha né?
Confesso que não sou a maior fã de livros desse gênero, ele precisa ser muito bom para me conquistar e isso aconteceu com essa obra. Claro que a autora utilizou um início clichê, mas conseguiu contornar e criar algo surpreendentemente bom.
O começo do livro é um pouco arrastado, o que para mim é normal. Eu tenho dificuldades com fantasias, já falei sobre isso, mas com o tempo a leitura se torna fluida e agradável. A escrita de Marcella foi uma grata surpresa.




Não me lembro de ter localizado muitos erros durante a leitura – até porque li rápido demais – e como foi em e-book não tenho o que falar sobre a diagramação. Porém a capa está maravilhosa e foi muito bem trabalhada. Parabéns!
Por ser um livro introdutório, algumas partes ficaram em aberto para os próximos livros e isso é ótimo! Pois nos deixa com mais vontade de acompanhar a série.
A autora usou e abusou de cenas com ações e mistério então, se você adora esse estilo de livro a leitura está aconselhada.
Vale lembrar que no site da série já tem um conto “Noite Eterna” que conta a história da misteriosa Milena.

Beijinhos,

site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2016/11/filhos-da-lua-o-legado-marcella-rossetti.html
comentários(0)comente



Catrine Vieira 20/11/2016

Bianca é uma garota de 16 anos aparente comum; mas levando em consideração seu passado e algumas coisas que ela vem passando, não é bem assim...

Bianca Bley vive apenas com sua irmã de consideração, Laura, desde que perdera sua mãe e seu padrasto durante um assalto quando tinha 9 anos. A jovem sofre com crises de sonambulismo – problema que veio após presenciar a morte dos dois –, e às vezes até chegava a acordar em lugares distantes de casa, o que obrigava Laura a trancar toda a casa e esconder as chaves durante a noite. Além disso, Bley frequentemente tinha pesadelos com sua mãe e padrasto sendo mortos por uma criatura monstruosa. Ela ainda via claramente a grande criatura de olhos amarelos entrando no banheiro em que sua mãe a escondera naquela noite fatídica. Especialistas, e até sua irmã, diziam que os dois haviam sido assassinados por assaltantes que invadiram sua casa, e que tais pesadelos eram apenas frutos de seu trauma, porém, as imagens não saiam de sua mente, deixando-a confusa sobre o que realmente havia acontecido.

Laura trabalhava como arquiteta especializada em restauração, e por conta do seu trabalho as duas viviam se mudando de cidade. Dessa vez, as irmãs vão de mala e cuia para Santos, em São Paulo, e é lá que as coisas começam a desenrolar.

Em sua nova escola, Bianca já fez alguns amigos, Renan e Nicole, que fizeram da adaptação na cidade um pouco mais fácil. Mas como primeiros dias de aula em uma escola nova nunca são do jeito que queremos, sempre algo tem que dar errado. O que acontece? Um micão na frente de todo o colégio. Bianca, assim que conhece Lucas, desmaia. O cara era uma gato “de cair aos pés”, mas desmaiar... Algo estranho, não? Não seria só por conta da beleza dele. As sensações de tontura, que agora ela sentia toda vez que o via, tinham significados bem mais interessantes, pelo menos para o leitor, já que, tadinha da garota, era só ver Lucas que ficava com as pernas bambas.

As respostas começam encontrar o caminho até Bianca quando ela aceita o convite de Lucas para comparecer a festa de inauguração da boate Barba Azul... Porém, se ela tinha planos de dançar a noite inteira, investir no gato do Lucas etc. iria se decepcionar um pouco. Até rola um beijo, entretanto, depois de todo o ocorrido, foi o menos importante da noite. Pois após os Pérfidos, Karibakis desviados, ativarem um Tau, artefato sombrio que "abriga" Griats, dentro da Barba Azul no meio da festa, tudo tornou-se um caus.

Bianca começa a perceber que Griats, (OBS: Até então ela nem sabia o nome de nada disso.) estavam saindo famintos de dentro do Tau atacando os jovens que estavam na boate; ela também presencia Lucas se transformando em um monstro enorme, como aquele que assombrava suas noites, parecido com o que matou sua mãe padrasto em seus pesadelos; e como se não bastasse, sua irmã, a única pessoa que ainda tinha, estava sendo puxada pelo Tau. Felizmente, chega Julian, primo de Nicole, salvando Laura de ser “devorada”. Mais Karibakis chegam, conseguindo, enfim, controlar o problema. Contudo, mais desmaios... Só que dessa vez, ao acordar, Bia estaria cercada por desconhecidos, os Karibakis, e iria descobrir que não só era uma deles, como era uma Farejadora, legado a qual eles pensavam estar extinto.

“A cada um, Lua deu uma gota de seu sangue e também um presente: os dons que deram origem aos nomes das cinco linhagens. O dom do legado dos Destemidos, dos Furiosos, dos Furtivos, dos Uivadores e o dos Farejadores.”

***

Acho que já falei demais! Ai, socorro, nem eu estou mais entendendo o que estou falando!!! Mas, vamos tentar, certo?

Olhaaa, ultimamente estou com uma sorte para livro!!!

site: http://estantemineira.blogspot.com/2016/11/resenha-filhos-da-lua-o-legado-marcella-rosseti.html
comentários(0)comente



MILA 22/11/2016

Maravilhoso!
Dizem que fazer uma resenha de um livro que você amou é difícil e essa afirmação é correta. Também acontece quando este livro é complexo e cheio de aventuras, foram tantos acontecimentos que é difícil saber por onde começar a escrever.

Filhos da Lua mexeu comigo, Marcella Rossetti conseguiu me ganhar logo nas primeiras páginas, o enredo é permeado em mistérios e a narrativa é rica e viciante.

Neste livro conhecemos Bianca, ela e a irmã vivem mudando de cidade, Bianca sofre com as mudanças por nunca poder fazer uma amizade verdadeira, além disso ela tem problemas de sonambulismo, tem um trauma de infância que a assombra em pesadelos, sua irmã para amenizar coloca sempre travas extras nas portas e reforça as janelas, porém, às vezes nem isso a segura, o que será que ela busca?

Tudo fica magnificamente melhor com o primeiro dia na escola nova, um novo recomeço é tudo que ela precisa, conquistar novos amigos, mas sempre paira a dúvida, será que dessa vez ela vai ficar tempo o suficiente?

Confiram a Resenha Completa no Blog Daily of Books Mila


site: http://dailyofbooks.blogspot.com.br/2016/11/resenha-filhos-da-lua-o-legado-marcella.html
comentários(0)comente



Mary.Reis 21/09/2016

Quero ser uma Filha Da Lua.
Primeiro de tudo esqueça tudo que você sabe sobre lobisomens aqui não é uma historia sobre eles a autora criou sua própria fantasia em cima dos lupinos um enredo totalmente inovador.
Ambientada em Santos (siim livros no Brasil amoo) durante todos o livro vamos ficar íntimos de Bianca a personagem principal, esse livro é vendido como infanto juvenil mais sabe aquelas conversas infantis que a gente vê em livros desse tipo? Aqui não tem o crescimento da personagem é muito natural você começa a leitura com uma Bianca em mente e no final tu sente aquele orgulho básico que deveria acontecer em todas as leituras.

Bianca faz parte de um segredo que envolve tanto ela quanto seus pais (já mortos) morando com a irmã Laura, ela nem imagina o que o futuro lhe reserva. Com uma vida normal os únicos problemas que ela tem é o sonambulismo e um pesadelo que acompanha sua vida desde a infância mudando de cidade em cidade devido ao trabalho da irmã Bianca finamente chega a Santos e vamos enfim conhecer um pouco mais sobre esse mundo que a autora criou.

Logo nos primeiros capítulos descobrimos que Laura esconde um segredo e olha eu penei tentando descobri o motivo disso e detalhe que tudo só fica "claro" no final.
As coisas acontecem no livro de forma muito rápida mais eu quero dizer rápida mesmo tu não tem muito tempo para analisar os fatos e acredite em mim deixe para fazer a leitura em um momento livre (eu sei o que estou dizendo) você não vai querer perder seus compromissos.

Já nos primeiros capítulos estamos totalmente ambientados com a historia para Bianca que aparentemente se mantinha cética de qualquer tipo de magia e procurava lógica em qualquer tipo de acontecimento (assim como eu) é um choque descobrir que o mundo não é bem como ela imaginava.
Durante todo o final de semana eu fiquei presa a uma fantasia YA e admito que esperava algo mais leve e acabei me surpreendo positivamente.

Uma coisa fica bem clara durante a leitura tu vai ficar preso a historia até conseguir descobrir todos os segredos e detalhe que esse livro faz parte de uma série então se prepare para sofrer.
Alguns dos personagens são extremamente brasileiros as características físicas deixam isso bem claro o livro é bem fiel a isso muito bem construídos eu poderia fazer uma lista de personagens prediletos principalmente os amigos conquistados pela Bia.

A autora criou seu próprio mundo um enredo totalmente inovador Marcela se apropriou da mitologia lupina sem se perder em nenhum momento a tecnologia metamold me surpreendeu pois é algo que eu consegui imaginar a simbiose de mitologia e tecnologia criou um casamento perfeito.
A criação da raça Karibaki daria um outro livro eu ficava lendo as partes educativas que a Bianca tinha que passar durante um treinamento e pensava "ela poderia ter escrito um livro sobre isso" me colocar no lugar deles é bem difícil as regras rígidas, a maneira como eles precisam conviver, se comportar principalmente as crianças a todo momento eu estava em negação até muito mais que a Bia eu no lugar dela tinha ido embora no primeiro chute (vocês vão entender).

O lado romance da historia foi o que mais me surpreendeu não por ser a maior surpresa mais por ter me pego desprevenida segredos familiares, intrigas, personagens complexos e que te deixam em duvida a maior parte do tempo, amizades verdadeiras, a evolução da personagem principal que veio gradativamente e não de uma hora para outra : esses foram alguns dos motivos que me mantiveram fazendo a leitura loucamente poderia listar mais? Sim porém ficaria aqui por horas e no momento não tenho tempo (hahahaha)

Eu não sei ainda como vai ficar a versão final impressa pois eu li no Kindle mais preciso tê-la na minha estante. A diagramação estava ok! Sem nenhum erro de ortografia e essa capa é muito linda vamos combinar para pessoas que curtem ilustrações como eu dá até uma tristeza por ainda não tê-la em mãos.


comentários(0)comente



Luciana.Gross 01/02/2019

Final não me agradou.
Gostei da dinâmica da leitura mas o final, na minha opinião, foi contraditório ao desenrolar do livro.
comentários(0)comente



Diego Araujo 04/10/2019

“Somos todos imponentes contra monstros.”
Certas criaturas vivem entre nós, só estamos despreparados a conhecê-las. Aspectos bestiais e capacidades sobrenaturais superam os limites da compreensão humana, deixam-nos alheios à comunidade mítica de costumes próprios e objetivos distintos de sobrevivência. Circunstâncias levaram uma garota a viver inconsciente desta realidade, até encontrarem-na e ver capacidades que, além de únicas, são essenciais em uma guerra travada há tempos. A garota precisa tirar o atraso ao viver fora do meio em que vivia, do contrário trará morte a ela e a todas as alcateias dependentes.

Filhos da Lua: O Legado é a estreia da saga de Karibakis, lobisomens com aspectos distintos dos já conhecidos. Publicado em 2016 por Marcella Rossetti pela editora Avec, elabora novos aspectos aos lobisomens.

“Somos todos imponentes contra monstros.”

Bianca vive com a meia-irmã Laura desde a morte dos pais. Tem poucas lembranças da tragédia, sendo elas revistas em pesadelos com a menina escondida no banheiro enquanto uma besta lupina e enorme atacava a família. Com transtornos psicológicos causados por aquele dia, Bianca também sofre de sonambulismo e traz preocupações a irmã. Elas mudam de cidade com frequência, em busca de conforto frente às condições de Bianca — e por outro motivo a revelar no decorrer da história.

Agora na cidade de Santos, Bianca enfrenta outro ritual dos “primeiros dias na nova escola”, onde precisa se enturmar com outros estudantes e prosseguir com suas aulas. Assim conhece pessoas como Nicole, Rafaela e Lucas, e passa mal só de se aproximar deste último. A fonte de seus pesadelos a transtorna inclusive durante o dia, pois ocorrem acontecimentos em Santos relacionados ao que Laura sempre tentou evitar a Bianca: o contato com os seres chamados Karibakis, também conhecidos como trocadores de pele (que rejeitam a denominação lobisomem).

“Era uma criatura bela e terrível.”

O livro apresenta a rotina de Bianca ao sofrer com as noites sonâmbulas e enfrentar os desafios adolescentes de mudar de cidade e estudar em outra escola com frequência. Mostra a dificuldade a cada mudança de casa e as dificuldades da garota por essas situações, também focando nos demais personagens a conviver com a protagonista ou ainda os encontrando antes de revelar a ela — e ao leitor — sobre o que o livro trata. É demorado, mas compensador, pois aborda muito da vida pessoal de Bianca e justifica os conflitos internos da protagonista após ela conhecer os Karibakis.

Falando nas criaturas principais do romance, a concepção delas é original. De linhagens com capacidades distintas, uns nascem com o dom da troca de pele enquanto outros desenvolvem apenas em forma humana, sem falar dos recursos tecnológicos próprios dos Karibakis. Tudo é apresentado aos poucos, através da vivência da protagonista. Esses “poucos” chegam entre longos capítulos e atrasam o prosseguimento do enredo. Soa como se o livro tivesse duas introduções que ocupam dois terços do livro e só depois estabelece o conflito rumo a conclusão deste primeiro volume, com boas revelações e pretextos para uma continuação.

Além desta dispersão de conteúdo, a leitura custa a acelerar por certas abordagens na escrita. Houve um momento quando reuniu diversos personagens na mesma cena e a narrativa alternou de um ponto de vista a outro. Mesmo sabendo o suficiente de cada personagem focado, a leitura tornou-se difícil por mudar de ponto muitas vezes e no intervalo de poucos parágrafos. Outro problema é o abuso de advérbios no texto, dentre eles terminados em “mente”; essas palavras estendem a leitura onde poderiam ter verbos precisos ou estar subentendido, e os advérbios como “constantemente” pioram a situação por alongar a frase com esta palavra de tantas sílabas, e no fim entrega pouco significado. Também foi usado complementos ao descrever a fala, quando poderia deixar claro logo no diálogo. Para finalizar, a autora insiste em explicar muitas das situações presentes no livro, essas possíveis dos leitores compreenderem sem tal auxílio, e por isso foram penalizados nessas descrições estendidas sob a preocupação de deixar entendível.

Filhos da Lua: O Legado propõe novas ideias a criaturas tão bem conhecidas na mitologia de muitos países adaptados ao meio urbano brasileiro. Tem ótimos momentos focados no desenvolvimento pessoal da protagonista e contextualiza conflitos a resolver no próximo volume, que espero conter a narrativa mais dinâmica, poupando certos tipos de palavras e explicações.

site: https://www.ficcoeshumanas.com.br/post/resenha-filhos-da-lua-o-legado-de-marcela-rossetti
comentários(0)comente



71 encontrados | exibindo 61 a 71
1 | 2 | 3 | 4 | 5