Sedução no convento

Sedução no convento Jacques Lagôa




Resenhas - Sedução no convento


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Paula Juliana 20/08/2015

Resenha: Sedução no convento # 1 - Jacques Lagôa

Sendo advogada do diabo...

Recebi Sedução no Convento da autor Jacques Lagôa em parceria com a Companhia Editora Nacional, e fiquei muito apaixonada pela beleza física da obra, a capa lindíssima, contracapa, o trabalho no fim e no início dos capítulos, muito, muito bonito e caprichado! Li a sinopse e fiquei ainda mais ansiosa, pois amo um bom romance erótico, pensei que a premissa ia ser meio uma coisa ''Hilda Furacão'', mas não foi bem assim!

Marcel é um homem muito bem resolvido, que agradece por tudo que aconteceu na sua vida, não tem vergonha ou receio de seu passado ou de sua sexualidade, seus desejos e suas mulheres. Marcel conta a sua história para o leitor, na Bretanha, foi criado em um convento, cresceu bonito e forte, ''um rapaz órfão empregado no convento que o abriga'' e junto com a adolescência e seu crescimento, Marcel se encanta e descobre o desejo pelos olhos da noviça Collete.

Collete é uma noviça que aos poucos se vê caindo pelas armadilhas do desejo e da paixão. Entre a fé e o amor!
Entramos em um jogo de desejo e atração proibidos e condenados.

O livro é narrado por Marcel, realmente achei que iria seguir por um caminho e foi por outro, não consegui me envolver, ou mergulhar na história, porém foi uma leitura direta e rápida, com capítulos curtos, uma leitura legal que fez seu papel, mas não funcionou muito bem comigo.

Talvez por ser narrado por um homem e ter uma linguagem mais crua, sem muito romance, voltado para o sexo, não conseguiu me encantar, é uma boa história, também é clichê, acredito que os leitores que gostam mais de leituras eróticas bem diretas, que curtem uma história bem focada na vida, sentimentos e necessidades masculinas vão viajar em Sedução no Convento. Outro ponto que me incomodou bastante foi que para mim não ficou claro o tempo que se passa a história e também que o autor poderia ter desenvolvido o enredo muito mais em inúmeros pontos. Collete é uma boa personagem, mas não consegui me conectar com seu interior, Marcel poderia ter tomado atitudes e caminhos diferentes, nada contra a sua visão, mas não necessariamente concordei com seus atos.

Literatura é literatura e somos mestres em julgar os personagens e seus atos. Espero que leiam Sedução no Convento, que conheçam esse romance de Jacques Lagôa e tirem a suas próprias conclusões!


site: http://overdoselite.blogspot.com.br/2015/08/resenha-seducao-no-convento-1-jacques.html
comentários(0)comente



Livros Encantos 22/09/2015

Sedução no Convento
Um viagem nas lembranças de Marcel ...


Assim começa o livro narrado em primeira pessoa por Marcel nosso protagonista, ele não conheceu seus pais, morava no orfanato das freiras.

Marcel foi se tornando um homem bonito e sua sexualidade foi despertada por uma noviça chamada Collete, ambos trocavam olhares cheios de malicia e desejos.


Em suas idas a vila para buscar algo, Marcel sempre ia acompanhando Collete, um dia trocam beijos, as carícias vão se intensificando.em um dia que as freiras sairam do orfanato a paixão explodiu e viveram dias intensos de muitas descobertas e um sentimento verdadeiro até serem descobertos e Collete ser obrigada a partir sem deixar rastro.

Marcel se sentiu culpado por tudo e buscou Collete em vários conventos e não a encontrou, sai dou orfanato arrumou emprego e sua vida seguiu em frente conheceu uma turista que lhe incentivou a melhorar estudar e ser guia de turismo. Viveu com ela grandes experiências .


Em uma banco em frente ao Saint Michel e suas lembranças são narradas ao leitor de uma maneira bem sutil.

E em meio a tantas doces lembranças de um amor, o destino vai trazer uma grata surpresa a Michel, e a certeza que muitas vezes é preciso vivenciar outras experiências, crescer como ser humano para vivenciar o amor verdadeiro inteiro .


Minhas impressões

O livro foi uma grata surpresa, pelo título imaginei um romance hot entre uma noviça, o autor me surpreendeu com um romance entre dois jovens descobrindo o amor e a sexualidade de uma maneira verdadeira.

A escrita do autor fluiu muito bem sendo direta e prendendo atenção do leitor, li em apenas um dia. O livro tem uma beleza singular em cada lembrança do amor sincero e repleto de saudade.

A cada capítulo é um convite para viajarmos juntos com nosso protagonista para suas lindas lembranças regado a uma linda vista do Saint Michel.

O livro tem poucas páginas com uma diagramação linda e delicada em cada capítulo.


Quotes
"Como é bom gostar de meu passado! Mesmo que problemas tenham existido, me sinto como se estivesse assistindo a um filme que me encanta e me excita" Marcel
"Reviver é viver com intensidade tudo novamente. Fui feliz, e essa constatação me devolvia a felicidade daqueles dias." Marcel

site: http://www.livrosencantos.com/2015/09/seducao-no-convento-jacques-lagoa.html
comentários(0)comente



Leila 23/09/2015

“Quando amor e desejo rompem barreiras”
A história se passa na França e é narrada em primeira pessoa por Marcel. Basicamente, fala sobre suas aventuras amorosas da juventude. Marcel nos conta como descobriu sua sexualidade junto com a noviça Collete, seu primeiro amor. Ele se descreve como um homem bonito, forte e cheio de vigor (pretencioso, não?), e Collete é descrita como uma jovem bela e sensual.

É um livro pequeno, rápido de ler. A leitura flui facilmente, sem enrolações. É uma obra nacional. A diagramação e a ortografia estão perfeitas. A capa é muito bonita. No início dos capítulos, há um detalhe de flor, que achei muito bonito.

Recomendo para quem quer se distrair com uma leitura leve e picante (tem muitas cenas quentes!). É um livro interessante tanto para homens como para mulheres.

Resenha publicada no blog: Meus Livros e Sonhos

site: www.meuslivrosesonhos.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Liachristo 28/09/2015

Sedução no Convento - Jacques Lagôa - Companhia Editora Nacional
Quando recebi este livro para resenha, não sabia bem o que esperar da leitura. Nunca li nada do autor antes, nem conhecia nada sobre seus escritos.

A capa é bonita e há todo um capricho em sua diagramação. O livro tem apenas 165 páginas. Os capítulos são curtos e a narrativa é feita em primeira pessoa pelo personagem Marcel. A história alterna entre o passado e o presente, mas não consegui me situar muito bem em que época a história se passa.

Marcel começa o livro nos contando sobre uma parte de sua vida que se passa na Bretanha, onde ele um jovem órfão, trabalha em um convento para ganhar a vida. Foi lá neste convento que ele ficou conhecendo Collete, uma jovem e linda freira que lhe despertou os primeiros desejos. Foi com ela que teve sua primeira vez.
Collete por sua vez sabe que está cedendo as tentações, mas não consegue se manter longe de Marcel, a quem passa a desejar e em seguida a amar.

O enredo é simples, acompanhamos a trajetória deste amor que sabemos estar fadado a chegar ao fim, assim que for descoberto. Depois de serem flagrados, os dois são separados. Collete é mandada embora e Marcel se sente culpado por tudo que acontece em relação a eles dois. Por um tempo sai a procura de Collete por outros conventos, mas depois acaba desistindo de sua busca e continua com sua vida. Ele nos conta suas aventuras, e sua vida depois de Collete.

Ele também nos conta como conheceu Aline e o quanto ela o ajudou a transformar a sua vida até chegar ao homem que ele é no presente. Podemos perceber o quanto Marcel amadureceu com o passar dos anos, e o quanto ele aprendeu com Aline. O autor nos mostra o quanto é importante nos darmos uma chance para seguirmos em frente, e que às vezes de onde menos se espera recebemos aquilo de que precisamos para vivem em paz.

Infelizmente não tenho como falar mais sobre a história, pois estaria dando spoiler. O que posso dizer é que são capítulos curtinhos, de fácil leitura e que dá pra ler em poucas horas. Eu mesmo o li em uma tarde.

Sedução no Convento é um livro erótico, com algumas cenas quentes, mas tudo nos é mostrado de forma muito crua. Senti falta de mais romance. Vemos os acontecimentos através da visão masculina. Isto não seria um problema, se não fosse o fato de tudo ser descrito de uma forma meio que sem emoção, como se o personagem estivesse somente contando uma história sobre outra pessoa que não ele mesmo. E acho que por este motivo, não consegui me conectar a história e nem aos personagens. Também senti falta de um melhor desenvolvimento no enredo, esperava mais da história. O livro não funcionou muito bem pra mim.

Mesmo assim, eu recomendo que leiam Sedução no Convento, pois só desta maneira poderão ter a sua opinião sobre o livro.
Bjus

site: http://www.docesletras.com.br
comentários(0)comente



Clã 05/10/2015

Clã dos Livros - Sedução no Convento
Alguns pontos me chamaram muita atenção para o livro quando o recebi. Primeiro que é um livro hot escrito por um homem. Legal né?? Eu pré juguei, achei que seria bem escancarado e sem sentimento, sei lá. Mas isso me pegou de surpresa, pois não foi. Até o fim da resenha você vai entender porque.

É um livro curto 165 páginas de muita inocência e paixão. Ahhh sejamos francos, vindo de um homem inocência e paixão não seria a palavra certa (risos) mas neste livro eu encontrei isso. Além disso, em cada capitulo vemos uma flor, super delicado.

Sedução no Convento conta a história de Marcel narrada por ele mesmo. Ele passa o livro todo em um banco com vista para Sait- Malo, um lugar lindo a noroeste da França, região da Bretanha. Relembra momentos de sua vida alegre, tranquila, apaixonada. Tem capítulos que seus pensamentos voltam a realidade no banco e logo em seguida ele continua com suas lembranças.

Marcel é órfão de pai e mãe, o pai morreu pouco antes dele nascer e a mãe morreu horas depois do parto. Sendo assim ele foi criado e educado em um orfanato de freiras.

Ele cresce e vira um homem vistoso que chamava atenção por sua beleza e força. Não tem intenção de seguir carreira religiosa, e procura ao máximo se manter afastado das propostas da Madre superior.

“Sempre fui uma incógnita para as pessoas, mas até que gostava dessa situação. Preferia assim. Ah, que vida!!”

Marcel já na adolescência conhece a noviça Collete, e na mais pura inocência ele descobre o desejo, descobre sua luxuria, digamos assim. Ele descreve os dias de tortura que passou desejando aquela Noviça, perguntando a Deus:

“Ó, Deus, como podes querer para Ti esta que tanto desejo? É injusto! Nos faríamos um casal lindo, não acha? ”

E Entre Beijos escondidos e passeios tímidos, o amor era reciproco. Em uma noite eles se amaram com enorme pureza, delicadeza, inexperiência, em uma cena repleta de erotismo. Marcel descreve essa noite...

“Os beijos eram ininterruptos e, com todo cuidado do mundo, passei a mão em seus seios. Sentia-os durinhos e os mamilos, entumecidos. Coloquei a mão por dentro de sua blusa e senti pela primeira vez a pele de seus seios...”

Eles se amaram até onde foi possível, pois depois de serem descobertos tudo mudou, Collete sumiu e Marcel só ficou com a lembrança da noite de amor.

O tempo passou e com ele vieram as consequências de um amor proibido. Marcel começa a trabalha com turistas da cidade e conhece Aline. Aline é estudante de arte, e claro que quem mostrou a ela toda a cidade, foi o lindo louro e másculo Marcel (risos). Eles eram perfeitos juntos, mas o coração de Marcel era de sua noviça.

“(...)Você foi o melhor”, ela afirmou.... Ela era realmente generosa e linda, com um sorriso que eu jamais esqueceria, além de me comer com um tesão delicioso. ”

Foi um relacionamento curto, o de Aline e Marcel, porém regado de amadurecimento, com incentivo de Aline que ajudou-o muito. Depois de uma viagem a Paris, Marcel voltou com planos e conseguiu colocar tudo em pratica.

“Marcel
Este dinheiro é para alguma emergência na viagem.
Você é a pessoa mais admirável e tesuda que conheci.
Estude, cresça e tenha outros prazeres na vida
Meu melhor e mais carinhoso beijo
Aline “

Não cabe a mim dizer o fim desse romance, mas posso dizer que Marcel reencontra Collete, lindo e sem perder a essência da pureza do amor deles.

Recomendo o livro, você pode se perder um pouco se não prestar atenção, mas penso que o autor teve esse cuidado para chamar atenção do leitor.

Você pode se questionar no fim sobre o tempo que se passou até o reencontro. Acredito que o autor deixou para cada leitor decidir e refletir que: o tempo que passaram longe um do outro não foi o mais importante e sim o que aprenderam com a saudade que ardia, o pensamento diário e as experiências que viveram.

O livro foi escrito por um homem então não espere detalhes, porém garanto que você não vai sentir falta disso.

Eu me apeguei as belas paisagens que ele descreve, ao desejo e erotismo, ao sexo nunca saciado, e o mais legal, sem ser vulgar: erotismo puro e inocente.

site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2015/08/resenha-seducao-no-convento-de-jacques.html
comentários(0)comente



Rafaela 15/10/2015

Sedução No Convento é um romance erótico e, sendo assim, um gênero que não costumo ler com frequência. Como não sou o tipo de pessoa apaixonada por esse estilo de livro, acabei por não apreciar a leitura tanto quanto eu imaginava.

De início quem se apresenta a nós é um Marcel experiente, em seus 55 anos de idade. Muitas são as memórias do tempo em que viveu uma grande paixão proibida, e essa é a história que agora ele pretende nos contar.

Marcel foi um garoto órfão. Seu pai morreu tempo antes de seu nascimento, e sua mãe faleceu após dar à luz. Sozinho, ele acabou sendo acolhido pelas freiras e passou a conviver com elas no convento, na cidade de Saint-Malo, na França.

Com o passar dos anos ele cresceu, e assim sua sexualidade começou a aflorar. Aos poucos ele começou a sentir-se atraído por uma das noviças do convento, Collete.

Para quem não sabe, são chamadas de noviças as mulheres que estão estudando e se preparando para realizar seu votos religiosos. Como noviça, Collete deve se preservar e não se relacionar com ninguém.

O problema é que a atração entre os dois começa a ser forte, e o que inicialmente parecia apenas algo físico, pode tornar-se um sentimento mais profundo.

O enredo passa a seguir então essa paixão perigosa, deixando o leitor curioso a respeito de que forma tal relacionamento se desenvolverá. Será que esses jovens apaixonados conseguirão ficar juntos, ou o destino lhes reservará outras surpresas?

A narrativa em primeira pessoa realizada por Marcel não me agradou como um todo devido ao grande tom de masculinidade que a história acabou tendo. Assim, temos toda a perspectiva apenas do ponto de vista do jovem, quando eu gostaria muito de ter conhecido mais profundamente Collete e entendido quais os seus sentimentos com relação a todos os acontecimentos.

Apesar de ser uma leitora apaixonada por romances, mas que não curte muito o gênero erótico, essa masculinidade foi o que acabou fazendo eu não gostar e não me envolver muito com o enredo, já que o livro acaba sendo voltado mais para o teor sexual masculino, e esse amadurecimento de Marcel.

A alternância existente entre passado e presente foi, inicialmente, um pouco confusa para mim. Algumas vezes em que um novo capítulo iniciava, precisava ler as primeiras linhas a fim de me situar para o momento em que o narrador estava nos levando, tempos anteriores ou atuais. Depois que o leitor acaba pegando o ritmo do livro, esse estado de confusão acaba por diminuir.

Sendo um livro breve, a leitura fluiu rapidamente e em cerca de uma sentada eu havia terminado a obra. Apesar de esse ser um ponto positivo, que permite uma leitura rápida e sem rodeios, eu ainda sim gostaria de ter visto mais páginas de desenvolvimento, já que alguns pontos poderiam ter sido abordados mais profundamente, além de uma visão alternativa da história.

Com relação ao final, eu já tinha uma teoria a respeito do que poderia ter acontecido, mas a minha agradável surpresa foi saber que esses fatos acabaram se confirmando e foram apresentados a nós leitores. Eu apenas não esperava que as revelações viessem de tal forma, e isso me deixou muito feliz.

Para leitores que apreciam livros eróticos e uma belíssima diagramação, o nacional escrito por Jacques Lagôa pode ser uma boa pedida. Mesmo sendo uma história que, para mim, deixou a desejar, Sedução No Convento lhe trará um romance proibido com um final inesperado.

site: http://eterna-leitora.blogspot.com.br/2015/10/resenha-seducao-no-convento-jacques.html
comentários(0)comente



Fernanda 14/12/2015

Resenha: Sedução no convento
CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG:

site: http://www.segredosemlivros.com/2015/12/resenha-seducao-no-convento-jacques.html
comentários(0)comente



Francine 09/03/2016

Aprendi com Marcel que viver e VIVER são duas coisas diferentes.
A princípio, dois fatores me atraíram em relação a esse livro: 1) o título, que claramente aborda um relacionamento proibido; 2) e o fato de ser um homem a escrevê-lo, considerando que seu gênero é romance erótico.

Logo nas primeiras páginas, encantei-me com a narrativa direta e objetiva – embora bastante masculina e sexualizada. O protagonista, Marcel, é um senhor de 55 anos de idade. Ele narra com saudosismo as experiências vividas, celebrando os bons momentos compartilhados com pessoas queridas. Os capítulos se alternam entre o passado de Marcel, quando ainda era jovem, e seu presente enquanto revive suas próprias memórias.

Entendemos que Marcel é órfão desde criança, e passou a ser educado pelas caridosas freiras de um convento em Saint-Malo (França). Conforme os anos se passaram, Marcel assumiu responsabilidades no convento numa tentativa de retribuir os cuidados recebidos e, nesse processo, naturalmente se tornou um rapaz forte. Com a juventude, outros interesses surgiram. A puberdade fez Marcel observar uma das noviças de outro modo... Colette era jovem, bela, esbelta e gentil. Ela estava sendo educada para, em breve, assumir os votos perpétuos de castidade.

Entre olhares e pequenos segredos, Colette se encanta por Marcel e ambos vivem um proibido romance. O modo como os acontecimentos são narrados mantém o agradável sabor das expectativas e, embora com uma descrição sexual e masculina, notamos que Marcel nutre um sentimento puro por Colette: o primeiro amor.

No entanto, será que o casal conseguirá ficar junto?
O sentimento de Colette será suficiente para fazê-la decidir abandonar o convento?

Eu gostei de Sedução no Convento, porque o autor (de modo simples) conseguiu problematizar uma situação ainda comum em alguns contextos: até que ponto a vida religiosa permite às freiras experimentar os encantos que a vida traz? Durante a narrativa, Marcel aproveita as belas paisagens históricas e litorâneas de Saint-Malo, mas sente pena da vida árdua que as freiras levam... Ele sente pena de Colette por não conseguir parar alguns minutos para apreciar o pôr-do-sol, por exemplo. Observando a preocupação constante das freiras em sempre fazer serviços comunitários ou rezar, Marcel considera a vida religiosa uma prisão.

É pecado ter lazer?
É pecado se refrescar com um sorvete num dia quente?
É pecado parar o trabalho por alguns minutos, apenas para contemplar as ondas contra as rochas?

Ao mesmo tempo, o autor conseguiu fazer com que Marcel amadurecesse. Apreciei ver o que esse personagem escolheu para si próprio: viver sem arrependimentos; viver sem perder a sensibilidade diante de uma bela paisagem. Ele observava o mar como quem lhe é um amigo íntimo, com o olhar poético que apenas as almas livres têm. Aprendi com Marcel que viver e VIVER são duas coisas diferentes.

No entanto, por sua brevidade, o livro possui fragilidades. O desfecho é inverossímil, mas entendi que o autor não se preocupou em dar mais sentido aos acontecimentos... Ele se centrou em dar ao personagem (e ao leitor) o que esperava. Da mesma forma, a narrativa em primeira pessoa e tão masculina não permitiu ao leitor descobrir como os demais personagens se sentiam. Eu quis desvendar mais de Colette, mas não foi possível. A alternância entre presente e passado também deixou a desejar, porque "o Marcel de agora" está apenas relembrando sua vida, sem mencionar "o eu atual". Não houve, portanto, enfoque sobre a vida desse personagem aos 55 anos.

Por tudo isso, considero Sedução no Convento um romance erótico diferente. Com excelente revisão e diagramação, o leitor encontrará um enredo poético e cheio de saudosismo, no qual as poucas cenas eróticas (sem detalhes excessivos) vêm dar um tom sedutor à vida do personagem. A capa revela claramente o cenário (maravilhoso!) descrito pelo autor e a narrativa objetiva será ótima para quem procura uma leitura rápida.

Resenha publicada no blog My Queen Side:

site: http://myqueenside.blogspot.com.br/2016/03/resenha-136-seducao-no-convento.html
comentários(0)comente



Vanessa Meiser 23/04/2016

A primeira observação a se fazer sobre este livro é que ele se passa praticamente em uma única noite com nosso protagonista sentado em seu banco predileto em frente ao Mont Saint-Michel com sua bicicleta parada ao lado relembrando os momentos mais marcantes de sua vida e trajetória desde a infância quando foi largado em um convento depois da mãe morrer no parto.

Marcel nasceu em 1960 e está hoje com 55 anos. Os capítulos visam nos contar o momento em que na juventude descobriu as alegrias do primeiro amor ao lado de uma noviça e também a tristeza de ser bruscamente separado desta por aproximadamente 30 anos sem saber seu paradeiro e sem nunca mais ouvir falar em seu nome.

Marcel foi criado com todo carinho e atenção pelas freiras que lhe tinham como parte da família, conforme foi crescendo, passou a ajudar nas tarefas diárias do local e de uma hora para a outra tornou-se um rapaz forte e bonito e claro, sua sexualidade começou a aflorar, seus interesses passaram a ser mais do que o simples ato de auxiliar as freiras e noviças no dia-a-dia.

Uma noviça em especial lhe roubava o sono, a bela Collete. A princípio o interesse pareceu partir apenas de Marcel, mas não demorou à que a moça também lhe demonstrasse olhares curiosos e furtivos. Como os dois eram sempre recrutados à irem à cidade fazer compras ou qualquer outro tipo de serviço para o convento logo o apenas interesse passou para algo mais e, depois que deram o primeiro passo não foi mais possível voltar atrás.

A partir de então, acompanhamos o romance entre Marcel e Collete e ficamos ansiosos para saber que rumo o relacionamento irá tomar já que obviamente é amor proibido e sem dúvida não agradará as freiras caso estas descubram o que está acontecendo entre seu protegido e uma das noviças mais queridas do lugar.

Mais para o final do livro, a história começa a ser ambientada no tempo presente, quando Marcel já nos repassou todos seus melhores e piores momentos e já temos conhecimento de tudo o que ele passou até então. Enquanto está sentado em seu banco e acredita que nada mais pode lhe surpreender, eis que o destino lhe prepara uma peça e mais uma história se desenrola desde então...

Enfim, tinha um tempo já que eu havia recebido este livro para resenha e não via a hora de pegá-lo para ler, até que enfim a oportunidade chegou e admito que mesmo tendo ficado um pouco assustada com o tipo de narrativa utilizada pelo autor, eu gostei da trama aqui apresentada. Jacques Lagôa é na verdade ator e diretor de novelas e eu não fazia ideia de que ele também escrevesse livros. A narrativa aqui utilizada é um tanto apelativa e erotizada, mas procurei levar em consideração apenas a história criada pois, esta sim é o carro chefe do livro. Eu gostei da leitura, mas acredito que poderia ter sido um pouco mais detalhada e romantizada, recomendo o livro para aqueles que gostam histórias quentes e curtas que podem ser lidas no decorrer de uma noite.


site: http://balaiodelivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9