Diário de uma ninfomaníaca

Diário de uma ninfomaníaca Valérie Tasso




Resenhas - Diário de uma ninfomaníaca


2 encontrados | exibindo 1 a 2


Wagner 21/12/2018

É um livro bem mais rico e profundo do que você possa imaginar
Se você espera uma coleção de contos eróticos, acho bom conter os seus instintos voyeures, porque esse livro tem muito mais alma e substância do que meramente histórias de aventuras sexuais de uma francesinha gostosa.

Bom, como o título do livro diz, é um diário. Sinceramente, não acredito que ele foi transcrito da maneira que foi concebido, o que suja um pouco o sentimento de estar lendo algo secreto que não deveria ser lido, mas a final acredito que todo livro-diário tem disso, quer dizer, da pra imaginar o tanto de inutilidades que você pode encontrar em um diário?

Mas, falando sobre o conteúdo propriamente dito, você tem três fases principais da vida da narradora, a primeira, é isso ai que você provavelmente está imaginando, pequenas histórias de fodas aleatórias, mas o que torna o livro especial são os acontecimentos posteriores a primeira relação séria que ela desenvolve durante o liro.

O que me surpreendeu nele foi que há uma profundidade nos aspectos da alma feminina, e no comportamento sexual promiscuo, que raramente vemos. É fácil relacionar ter muitos parceiros com baixo autoestima e carência, mas com esse livro, nós homens entendemos melhor o que faz uma mulher dizer sim a um homem, como a cabeça delas funciona em relação ao sexo entre outras peculiaridades bem importantes que as vezes deixamos passar. É difícil para nós do sexo masculino entendermos porque uma mulher que chupa dois caras no meio da rua diz sim para eles e não para você, é um pouco complicado de assimilar porque uma mulher fica com vários caras de graça, mas se recusa a aceitar dinheiro por isso, enfim, é uma ninfomaníaca que se ofende ao ser chamada de puta, mas ao final da leitura, você não fica tão perdido ao tentar entender as atitudes de alguém assim.

O aspecto mais relevante que pude reter desse livro é o quão diferente o sexo é, representativamente falando, para nós homens e para as mulheres. Mesmo quando se trata de diversão ou por paixão, tem significados tão diferentes que não parecem ser a mesma coisa..
comentários(0)comente



Lidiane @darksideloversclub 12/02/2017

Só um comentário...
Penso que muitas mulheres fantasiam o tipo de vida que Val possuía: tinha família, bom estudo, trabalho e total controle sobre sua vida pessoal e seus relacionamentos. Mas a paixão pode ser como uma doença que precisamos experimentar pelo menos uma vez na vida, para que as próximas não nos faça tão mal. Com Val que já com 22 anos ainda não tinha experimentado tal sentimento, se deu bem mal. Ficou com a pior espécie de homem, mentiroso, explorador e violento. A chamei de idiota a metade do livro.
Não é um livro com detalhes explícitos, não é de nenhuma forma um livro erótico. Fala de sentimentos, desilusões e de como podemos ser fiéis a quem somos em meio a pessoas baixas e lamentáveis. O fim do poço só serve de descanso, auto conhecimento, reconstrução de caráter, redefinição de metas, mas têm pessoas que insiste em cavá-lo.
comentários(0)comente



2 encontrados | exibindo 1 a 2