Supernova - A estrela dos mortos

Supernova - A estrela dos mortos




Resenhas - Supernova - A estrela dos mortos


29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


DNA 06/07/2018

Resenha do blog DNA Literário
Começando essa resenha sem saber direito o que vou falar... Faltam-me palavras pra descrever a perfeição que esse livro é. A Estrela dos Mortos é o segundo de Supernova e conseguiu ser melhor que O Encantador de Flechas, que já havia me conquistado. Acho que o principal motivo de eu ter gostado mais desse, é pela história ser bem mais agitada (ainda mais) e com um ritmo maior que o primeiro da série. Nem você nem os personagens têm tempo para respirar, pois é um acontecimento atrás do outro. Quando resolve um problema, outro pior aparece. O livro supera todas as minhas expectativas, que já eram altas.

Em A Estrela dos Mortos, Leran Yandel, o protagonista do primeiro livro, consegue fugir de Acigam com sua irmã, Luana, atrás do único homem que pode ajudá-los a obter respostas. Porém, eles percebem que os perigos fora de Acigam são muito piores. E a aventura que vivem nessa jornada, os fazem conhecer muito mais do mundo e também conhecer outros personagens muito interessantes.

Além de Leran como narrador, outros novos personagens ganham seus próprios pontos de vista, como Tlavi Hur, uma guerreira, chefe dos paladinos – que são defensores do mundo através do controle da Luz. Além disso, Tlavi, assim como Luana, é uma Estrela e seu poder é a Cura. Quando a cidade de Cimérium sofre com uma infestação, que não deixa sobreviventes, ela vai averiguar e percebe que não foi uma simples calamidade, mas fruto de artes das Trevas. Cabe a ela, a Estrela da Cura, impedir a ascensão do inimigo.

Há um terceiro narrador ainda: Gueth. É um lutador que vai ser muito importante tanto para Leran e Luana, quanto para a história em si. Não posso falar muito dele sem dar spoiler, mas digo apenas duas coisas: meu personagem preferido e shippo muito ele com a Luana (mas tem treta aí que prefiro não comentar agora).

Bom, sobre os personagens antigos: continuo gostando de Leran, pela sua força e coragem, mas ele me irritou um pouco pelo seu ciúme e super proteção com a irmã, mas fora isso, ele foi bem surpreendente, apesar de, desta vez, não ter sido o foco da história. Luana está descobrindo seus poderes de Estrela, é meio teimosa, mas eu gosto bastante dela, acho que vai ser bem poderosa quando aprender a se controlar melhor (ela já deu uma amostra do poder que tem neste livro e o quanto pode ser perigoso se ela for para o lado errado).

Agora, os novos personagens... Eu simplesmente estou apaixonada! Gueth, como eu disse é meu preferido, por causa da sua personalidade, principalmente. E Tlavi, bastante poderosa, mas que, em relação à família, é muito fria. Com as responsabilidades de Estrela, é compreensível que ela tenha que fazer escolhas muito difíceis, inclusive abdicar da família. Ainda assim, é meio triste ela ter que tomar essas decisões... Alguns outros paladinos e regentes das cidades também foram muito bem incluídos na trama.

Os vilões também, nossa senhora! Se você achava os Silenciadores perigosos, saiba que aquilo era apenas a ponta do Iceberg! Somos apresentados aos Caçadores, que perseguem Leran e Luana, a mando de Nagisa – a rainha de Acigam – Balko, o líder, Terandi, a veloz e Keon, o telepata (de quem mais gostei). A Estrela dos Mortos é o maior vilão, quem arquiteta todo o ataque através da manipulação das Trevas, é poderoso e inteligente, com planos tenebrosos para o mundo.

Quanto à narrativa, eu disse na resenha anterior que me surpreendi por uma narrativa em primeira pessoa ser tão boa. Acho que o livro não seria tão perfeito sem esta narrativa. Acho que tirei meu preconceito com narrativas em primeira pessoa de vez! Além de ter um ritmo MARAVILHOSO que nos instiga a ler mais e mais. O enredo, as revelações e surpresas... Tudo contribuiu para fechar o pacote, que tem suspense, ação, aventura, mitologia e até um pouco de romance. Renan Carvalho conseguiu criar um universo totalmente novo, cativante e original (apesar de ter uma parte que me lembrou uma cena de Harry Potter e a Câmara Secreta haha).

Ao final do livro, ainda temos alguns Apêndices, falando dos personagens, das cidades e das energias. E o trabalho editorial também está sensacional! O que mais gostei foram as imagens no meio dos capítulos, que nos ajudam a visualizar melhor as cenas.

Eu fiquei extasiada com esse livro! Eu gritei (pois é), fiquei apreensiva, ri, chorei (ok, não choreeei, mas teve momento que suei um pouquinho pelos olhos). E eu não sei se consegui fazer jus ao quanto gostei deste livro nesta resenha, mas se você foi doidão de não gostar do Encantador de Flechas (brincadeira!), dê uma chance a Estrela dos Mortos, o ritmo é bem mais alucinado e a história, por ultrapassar as barreiras de Acigam, fica muito mais interessante. Então, talvez, este segundo livro sirva para você tirar uma possível primeira impressão ruim que o Encantador de Flechas tenha deixado – o que acho difícil, já que a série tem um bom início também, mas tem gosto pra tudo, né?

Agora fica a expectativa para o final da série, o terceiro livro, intitulado O Satélite de Ferro.

site: https://dna-literario.blogspot.com/2016/04/resenha-estrela-dos-mortos-de-renan.html
comentários(0)comente



Nu e As 1001 Nuccias 22/12/2017

Resenha do blog As 1001 Nuccias
*Resenhista: Nuccia De Cicco
Imagens, resumo do livro 01 e citações no link do blog.

Leram e Luana fugiram de Acigam no trem que ia para Mabra com suprimentos. Era urgente a necessidade de encontrar quem pudesse ajudar Luana a entender e controlar seus poderes. Mas a viagem não seria fácil, afinal a "rainha" de Acigam estava disposta a tudo para prendê-los e para roubar o poder da irmã de Leram. Eles acabm em uma cidade subterrânea, praticamente no centro de poder do Pólo Terra. E quase permanecem lá para sempre.

Enquanto isso, bem distante dali, Tlavi Hur, uma Paladina, a Estrela da Cura, uma das Estrelas mais poderosas que existem, está a caça de algo ou alguém que dizimou todo o vilarejo de Cimérium. O poder que encontraram na busca feita na cidade era muito maior do que o esperado. A Ordem precisava ficar de sobreaviso, contudo a política era um empecilho. Tentando desvendar o mistério sozinha, Tlavi é quase morta por uma mordida fatal, oriunda de uma vítima de magia negra poderosíssima. E a figura que está por trás disso é poderosa, temida e tem planos de dominação.

Aos poucos, novos personagens vão surgindo, novas explicações, mitologia sendo desvendada e tudo intrinsecamente ligado e relacionado ao mundo de Leram e sua irmã. Até mesmo o mago a quem Leram e sua irmã foram buscar em Mabra parece ligar ambos e seu novo companheiro Gueth a Tlavi de um jeito inesperado. E quando achamos que o mundo está perdido, há uma única esperança.

Aventura, ação, aprendizado, traição. Tem de tudo nessa história. E reparem que eu fui sucinta, pois tudo que eu escrever a mais é spoiler. Eu sou legal, ok, mas que eu queria contar o que acontece, queria mesmo!

O que achei do livro: como o livro começa de um novo ponto de vista, apresentando a Paladina, a gente acha que vai se perder um pouco, mas não é bem assim que funciona. Aos poucos, o desenrolar nos mostra os personagens que já conhecíamos, envolvidos em novos problemas, recomeçando a partir de onde paramos no livro 01. E até aí tudo ok, deu pra acompanhar muito bem!

Aqui há um a alternância maior de personagens. Além dos adolescentes que conhecemos no livro 01, somos apresentados a alguns outros no livro 02, e também a adultos com uma grande carga de responsabilidade sobre as costas. De maneira interessante, a escrita é tão fluida e juvenil que eu esquecia da idade dos personagens. Chegou uma hora que eu quase via Tlavi como uma garota muito madura de 20 anos (como Leram e a irmã), quando na verdade ela já devia ter seus 30.

As cenas de lutas continuam bem escritas, a imaginação do autor para monstros absurdos me deixou chocada. Cheguei ao momento de pensar em TWD com um toque de A Lenda e me amarrei com essas analogias. As descrições e explicações sobre magia e Estrelas foram bem mais simples que o primeiro livro. Ou na verdade pareceram mais simples por nós já estarmos imersos naquele mundo. Independente disso, ao final desse livro também há apêndices com mapas, dicionários e personagens.

Esse livro está horripilantemente longe de ser cansativo. Pelo contrário, há tantos mundos novos e personagens mudando, uma variação de ponto de vista muito bem intrincada que te prende e deixa bem curioso quanto ao desfecho. Manteve a narrativa em primeira pessoa, mesmo com a alternância de pontos de vista entre os personagens. Isso foi bacana pois pudemos entender melhor a história como um todo.

Para os amantes da fantasia, é uma delícia de leitura! Mais do que recomendado!

Não vi notícias sobre o volume 03, mas espero que esteja saindo em breve, pois agora a curiosidade subiu a níveis estratosféricos!

Um abraço, Renan, que venha o desfecho!

site: http://1001nuccias.blogspot.com.br/2017/12/resenha-livro-estrela-dos-mortos.html
comentários(0)comente



Poliana 19/06/2017

Cheio de Aventuras!
Eu estava alucinada para saber o que aconteceria com Leran e Luana, que saíram escondidos de Acigan após a morte de um bocado de gente. Mas o que o senhor autor faz em vez de nos contar logo o que aconteceu? Ele nos apresenta a outra personagem.

Tlavi é a estrela da cura e logo no começo ela vai, junto com os Paladinos (que é um povo bem foda), para Cimerium (uma cidade próxima a onde ela mora) pois uma energia negra não só está afugentando como matando mineradores e cidadãos.

Mesmo inserindo Tlavi contra minha curiosidade de leitora o Renan não desapontou. Deu um show de narrativa e de ação. Foi simplesmente impossível piscar (ou até mesmo respirar) durante cada um do momentos em que Tlavi fica frente a frente com o mal.

Contudo, queridos leitores, não se enganem. Tlavi pode ser uma estrela (e ela é) com poderes lindo maravilhosos e esplendorosos. Mas ela não pode salvar seu pai que estava a beira da morte e/ou ajudar o irmão quando ele mais precisava. Durante a narrativa ela tenta mostrar as difíceis escolhas que uma estrela tem que fazer e até certo ponto entendo. E podem falar o que quiser, mas acredito que ela conseguiria sim salvar o pai e ainda cumprir suas funções políticas e guerreiras. A personagem é contraditória. Consegui ama-la nas primeiras páginas mas depois passei a odiá-la (desculpe Renan).

Intercalando com a narrativa de Tlavi temos os nossos velhos conhecidos, Leran e Luana que após serem abordados no trem por caçadores de recompensas e se perderem no escaldante deserto, são salvos pel população que vive perto do Polo Terra (um povinho bem fora da casinha viu?). O povo, depois de dar um senhor trabalho aos dois, os ajuda a escapar dos caçadores, que marcaram Leran e que vão persistir nessa busca até mais da metade do livro.

Quando Leran e Luana finamente alcançam Mabra, eles buscam por Quiroon conforme foram orientados. E é falando com o filho dele, Gueth, descobrem que o homem morreu pois sua filha, a grande estrela da cura não apareceu para salva-lo.

Entre arrancar informações de Gueth e convencê-lo a ajuda-los, percebemos que Luana não tem uma queda pelo lutador. Ela tem um tombo. Fato que deixa Leran morto de ciumes e que ao mesmo tempo faz com que os irmãos se afastem.

Enquanto tentam, sem sucesso chegar a Tlavi para que ela auxilie Luana, o trio descobre que Shaz (a estrela da morte) colocou sua orda de criaturas da morte para destruir e angariar mais soldados para seu putrefato exercito. A partir dai, uma grande luta atravessa cidades vizinhas unindo bandidos e mocinhos em busca de uma chance de sobrevivência.

Ao fim do livro algumas duvidas permanecem e deixam um ganho pra lá de bacana para um próximo livro (que eu sei que o Renan já terminou de escrever).

site: http://pagsdaminhavidaliteraria.blogspot.com.br/2017/06/a-estrela-dos-mortos-serie-supernova.html
comentários(0)comente



LAPLACE 15/12/2016

Simplesmente Incrível!
Embora os desafios em Acigam tenham sido muitos, nada se compara ao que Leran e Luana terão que enfrentar agora que desbravam o mundo. Completamente sozinhos e fora dos muros da cidade, que é o único lugar que já conheceram na vida, eles precisam encontrar uma pessoa que possa ajudar a garota a controlar seus poderes.

Nagisa não os deixará escaparem impunes, agora que se tornou a governante de Acigam, a Estrela do Trovão enviará caçadores para matá-los, para que os irmãos Yandel não revelem seus segredos.

Em paralelo a isso, Tlavi investiga um estranho acontecimento em Cimérium, que tem provocado a fuga e morte de muitos moradores. A energia das Trevas ronda a cidade, e a Estrela da Cura precisa eliminá-la antes que essa ameaça se propague por todo o pacífico Reino Central.

Querem saber mais? Então corram para ler o livro! Corram mesmo, vocês não sabem o que estão perdendo.

***

Não existe um livro cujo lançamento eu aguardei tanto em 2015 quanto esse. Não sei descrever o quanto a obra do Renan Carvalho me conquistou, tornando-se meu título de literatura fantástica favorito de todos os tempos. Esqueçam os livros internacionais de mesmo gênero, há muitos lá fora, eu sei, mas aqui, no Brasil, nós temos algo digno de ser um best-seller!

O universo de Supernova deu uma grande expandida nesse volume, não estamos mais presos aos limites de Acigam, nem sequer retornamos ao berço da saga, agora estamos desbravando o Continente Leste, onde o uso da magia não é proibido, o que nos garante muita tecnologia fantástica, experientes magos e cenas de luta de tirar o fôlego.

Em A Estrela dos Mortos, nós temos apenas o retorno de Leran, Luana e Nagisa, todos os demais personagens são inéditos, e se você achava aqueles que conhecemos em O Encantador de Flechas incríveis demais, prepara-se para mudar o seu conceito.

Uma das novas personagens da saga é Tlavi, a Estrela da Cura, uma das doze estrelas e generala das forças paladinas. Assim como Leran, ela é bastante responsável e se empenha ao máximo em cumprir seu dever, contudo, diferente do arqueiro, não se deixa levar pelas emoções e laços familiares.

Isso até nos deixa com raiva da personagem em determinados momentos. Reconheço seu papel, há coisas com as quais apenas ela pode lidar por ser a Estrela da Cura, porém ainda assim não tem como não se indignar em um momento ou dois. O que não acontece com Gueth, irmão mais novo de Tlavi, que é outra grande adição à saga.

O grupo de vilões não fica atrás, Shaz se mostra um vilão mais temível que Nagisa, e é tão bem caracterizado e trabalhado quanto a Estrela do Trovão. Assim como os vilões menores, que são igualmente um grande desafio a ser enfrentado. Embora os obstáculos em Acigam tenham fortalecido Leran e Luana, os irmãos Yandel ainda precisarão se aprimorar bastante nessa nova fase.

A história está muito bem amarrada, Renan criou uma trama incrível, envolvente. Os capítulos passam voando, a leitura flui sem você perceber, e várias vezes me peguei colocando freios em mim mesmo para que o livro não acabasse logo e eu pudesse passar mais tempo mergulhado nesse universo.

Esse foi o melhor livro que li em 2016, ele superou facilmente minhas altas expectativas, e mal posso esperar pela publicação de O Satélite de Ferro, porque a forma como as coisas acabaram nesse segundo volume mostra que algo imenso está para acontecer.
comentários(0)comente



Pri 15/11/2016

{Resenha} Supernova - A Estrela dos Mortos - Blog As Meninas que leem livros
É o segundo livro desta série, fiz resenha do primeiro aqui. Devo dizer que este me agradou mais que O Encantador de Flechas, que eu demorei meses pra ter coragem de terminar. A escrita melhorou bastante e não me senti sufocada durante a leitura, dessa vez!

A Estrela dos Mortos se divide em primeira pessoa entre três personagens principais: começamos com Tlavi Hur, uma Estrela da Cura.


Mas o que diabos é uma Estrela, Pri? São pessoas com poderes maiores, jovem padawan. No livro I fomos introduzidos nesta ideia, mas sem muita explicação do que era. Neste, Há toda uma explicação sobre a mitologia do mundo mágico de Supernova e como os poderes foram criados pelos deuses. Gostei bastante, embora algo, que direi mais tarde, tenha me perturbado um bocado.
[...]
Continue lendo no blog!

site: http://www.asmeninasqueleemlivros.com/2015/12/supernova-estrela-dos-mortos.html
comentários(0)comente



Duda 14/11/2016

Supernova #2 - A Estrela dos Mortos, por Renan Carvalho
Neste segundo volume da serie Supernova, vamos conhecer mais a fundo não só Acigan ou Leran, vamos expandir a experiência obtida no primeiro livro, O Encantador de Flechas. Aqui vamos passar a acompanhar duas historias paralelas: A do nosso velho conhecido Leran Yandel e a de Tlavi Hur.

Tlavi é uma jovem que foi tirada de seu pai muito cedo ao descobrirem que ela possuía habilidades fora do comum, e passou a ser treinada, ate que se tornou general do exército de paladinos da Cidade Dourada.

Um dia ela foi mandada em uma missão muito importante e perigosa, descobrir quem ou o que está por trás da energia maligna que destruiu a cidade de Cimérium. Sozinha, já que as autoridades locais parecem não se importar com o ocorrido, ela decide ir atrás de resolver esse mistério; mas acaba descobrindo que esse mal é muito maior do que ela poderia imaginar.

Na segunda parte do livro, passamos a acompanhar Leran que saiu de Asigan com sua irmã Luana, e estão tentando chegar a Mabra, uma cidade livre, onde estão a procura um homem que poderá ajudar a garota no controle de seus poderes recém-descobertos.

Mas essa viagem promete muitos perigos, já que o governo de Acigan botou muitos caçadores no seu encalço. Enquanto estão tentando fugir dos caçadores, eles conhecem Gueth Hur, conhecido como Nairatiano, um famoso lutador da cidade de Mabra que promete ajudá-los.

Muitas coisas acontecem a partir de então, e as vidas de Leran e Tlavi se cruzam em meio a ameaça de Shaz, ou a Estrela dos Mortos, com o plano de formar um exército poderoso e tomar conta de todo aquele mundo, fazendo uso da necromancia, a arte de ressuscitar mortos, para tornar-se assim, a mais poderosa Estrela de que já se teve conhecimento.

site: http://palavrasradioativas.com/supernova-2-a-estrela-dos-mortos-por-renan-carvalho/
comentários(0)comente



Nathy 13/09/2016

SuperNova: A Estrela dos Mortos – Renan Carvalho – #Resenha
Eu fiquei muito empolgada com o primeiro livro. Então estava muito ansiosa pelo segundo volume. Isso até eu começar a ler. Não consegui ficar tão encantada assim com esse volume. Eu tive a sensação de que toda a luta na primeira parte foi deixada de lado. Como se mais nada daquilo importasse. Agora uma nova jornada com um novo vilão estava sendo formado. Então não me agradou muito porque queria ter visto um encerramento melhor. Tanto que em alguns momentos eu achei a leitura cansativa.

Nesse volume tem duas histórias paralelas. Com Leran tentando encontrar um modo de proteger a sua irmã. Do momento em que saíram de Acigam. Uma busca implacável pela a verdade. Enquanto, Tlavi está lutando contra um inimigo cada vez mais poderoso. A vida de todos está em perigo. Não importando a cidade que se encontra A Estrela dos Mortos está formando um exército para acabar com todo mundo. Para conseguir todo o poder que precisa. Quando as duas histórias se tornam uma o caos toma conta. Onde tudo o que importa é sobreviver mais um dia.

A narrativa é em primeira pessoa e mudando entre três personagens. Como as histórias tem seus momentos diferentes foi legal ter a visão desses personagens. Assim nada ficava perdido no meio. Apesar de que teve uma parte que não foi explicada, mas consegui relevar. Porque estava mais envolvida na história. A escrita do autor melhorou muito do primeiro livro para esse. A forma como ele escrevia por mais que tivesse partes cansativas, também instigava para saber o que iria ocorrer no final.

Um inimigo poderoso colocou as mãos no reino.

Desde o primeiro livro eu tinha gostado muito do Leran e de seu amadurecimento. Mas, nesse livro ele se superou. Mostrou que tem um amor incondicional por sua irmã. Inclusive colocando sua vida em risco para salvá-la. Ele é um personagem que me cativava em cada uma das suas falas. Tudo bem que ele fica muito protetor com a sua irmã. Mas, por tudo o que passou e a missão que lhe foi dada não era tão fora do comum. Quando precisa chamar a atenção de sua irmã ou acabar com a vida de alguém não pensa duas vezes. Fica focado no que importa. Tudo bem que poderia ter essa bondade com outras pessoas e não guardar rancor. Mas, ainda assim não consigo sentir raiva dele.

Continue lendo a resenha no link abaixo:

site: http://www.oblogdamari.com/2015/11/supernova-a-estrela-dos-mortos-renan-carvalho-resenha.html
comentários(0)comente



Ana Paula 26/08/2016

Eu quero começar essa resenha externando uma antítese que me assola: Tô triste, sofrida que só por saber que vai levar DOIS longos anos para eu poder ler o desfecho dessa história, mas ao mesmo tempo preciso reconhecer que isso me deixa feliz porque o tempo faz muito bem ao amadurecimento do Renan.

A Estrela dos Mortos é, de fato, uma continuação da história que se iniciou em Acigam, mas você vai ver que ela já começa completamente diferente. Logo de cara você entra na cabeça de uma personagem diferente, Tlavi Hur, a Estrela da Cura, você vai acompanhar medos diferentes em um pedaço do mapa que sequer foi citado na história anterior e por alguns capítulos nem vai se lembrar que Leran e Luana existem.

Depois de acompanhar a investida dos Paladinos contra a energia das trevas que destruiu tudo que era vivo em Cimerium, uma cidade ao norte de Nuanto, você vai descobrir que existem muito mais estrelas do que Nagisa e Luana. Vai entender melhor qual é o papel delas no mundo e que elas têm um modo muito particular de se comunicar.

Vai conhecer mais da organização administrativa da Cidade Dourada e também de Tênus, uma cidade bastante populosa e com características muito peculiares. Vai perceber que as Estrelas as vezes fazem escolhas que não tem volta, mas vai ver também que as vezes elas se valorizam demais e são imprudentes ao achar que devem resolver tudo sozinhas.

Quando a história volta para Leran e Luana, novos personagens continuarão sendo apresentados e você vai ver que todos eles são importantes dentro da trama montada pelo autor. E essa é uma melhoria em relação ao primeiro livro, que tem uma quantidade considerável de personagens, mas nem todos tem algo a contribuir com a história.

O legal dessa segunda história é que você conhece o mundo fora dos muros de Acigam e, principalmente, como as energias são praticadas nas ruas como se não fosse nada demais. Vai ver que Leran e Luana não sabem nada sobre a realidade, mas talvez isso a mantenha protegida da própria prepotência típica das estrelas. As vezes ser capaz de produzir e controlar grandes quantidades de energia pode subir a cabeça, principalmente quando você descobre que tem a missão de manter o equilíbrio do mundo.

A profundidade dos personagens nesse livro é maior, a trama tem a mesma elaboração do livro anterior, mas ele consegue trabalhar melhor os elementos e isso faz com que o leitor entenda melhor cada trecho da história. Só lá pelo meio do livro é que você entende como a história de Tlavi e a de Leran vão se cruzar lá na frente e a forma como o autor conduz isso é muito interessante.

O final da história é dúbio, você não sabe se o mal foi destruído e nem tem certeza de quem está aliado a quem, mas de uma coisa eu tenho certeza, o tempo fez muito bem ao Renan. A evolução da escrita é perceptível sem muito esforço, alguns pontos do texto poderiam ter sido mais bem explorados, mas isso não tira a qualidade da história.

Agora só me resta arrastar corrente até 2017 para poder saber como vai terminar a história. O último livro se chama: O Satélite de Ferro e ainda não tem muitas informações além do ano de lançamento. E eu gostaria de deixar aqui um pedido: Renan, coloca um capítulo só da Luana, a gente precisa entrar na cabeça dela e entender um pouco mais do que se passa no íntimo dessa estrela tão incomum. Sinto falta disso desde o primeiro livro.

site: http://www.leitorasempre.com/2015/11/resenha-nacional-estrela-dos-mortos.html#more
comentários(0)comente



Kenia 23/07/2016

"As estrelas, além de possuirem uma fonte quase inesgotável de energia dentro de si, são consideradas mais inteligentes, mais ágeis e até mais afortunadas do que seres humanos comuns. Pelo menos, é isso o que apontam muitos estudiosos. No fundo, porém, somos vítimas dos mesmos males que afetam a mente humana: prepotência, ganância, medo."

O início da trama se dá com a narrativa de uma nova personagem: Tlavi Hur, a estrela da cura. Ao descobrirem que a jovem possuía certas habilidades, foi muito cedo afastada da família para obter um treinamento adequado. Com sua extrema dedicação, ela se torna general do exército de paladinos (que são defensores do mundo através do controle da Luz) da Cidade Dourada.
Em uma nova missão, ela precisa descobrir o que está acontecendo com a cidade de Cimérium, onde há uma fonte de energia maligna que aniquilou toda a cidade. Não se sabe quem conjurou tal energia, somente que seu poder é grande o bastante para destruir cidades inteiras. O problema é que os Parlamentares da Cidade Dourada decidiram ignorar o ocorrido em Cimérium, irritando profundamente a paladina. Ela decide procurar pelo conjurador sozinha, e acaba descobrindo que esse mal é muito maior do que ela previa.

Na segunda parte do livro, acompanhamos a narrativa de Leran que juntamente com sua irmã Luana, estão tentando chegar em Mabra, uma cidade livre, onde eles precisam encontrar um homem que irá ajudar Luana no desenvolvimento de seus poderes como estrela. O problema é que há três caçadores os perseguindo, já que o preço na cabeça dos dois é bem alto. Tentando fugir dos caçadores, eles se deparam com alguém disposto a ajudá-los. É nesse momento que conhecemos Gueth Hur, conhecido como Nairatiano, um lutador famoso de Mabra e com seu charme desperta vários sentimentos na nossa estrela, Luana e muitos ciúmes por parte de Leran.

"O ser humano é abominável por definição. Apenas trouxe nossos instintos à tona. Quantos não querem passar por cima dos outros por benefício próprio. Quantos não desejam o mal de seus semelhantes? A raça humana já se devora faz tempo. Somos falsos, vis, cruéis. Você não odeia esse tipo de gente?"

Porém, os caçadores que foram colocados atrás dos dois, não será o maior problema enfrentado por eles nessa aventura. Shaz, ou a Estrela dos Mortos, será um problema maior na vida dos paladinos assim como dos conjuradores que vamos encontrar no decorrer da história. Com o intuito de formar um exército poderoso e tomar para si todas as cidades, Shaz começa a utilizar a necromancia, a arte de trazer os mortos de volta à vida, tornando-se assim, a mais poderosa Estrela que já se viu.

Será que nossos guerreiros estão prontos para essa guerra?

Se você gosta de fantasia e aventura, A Estrela dos Mortos não vai te decepcionar. Com suas 479 páginas de leitura tranquila e instigante, somos envolvidos nesse mundo de magia, lutas, um clima obscuro e por que não um pouco de romance, né? Amor, amizade e lealdade são retratados de forma super bacana, mesmo em meio ao caos que os personagens enfrentam.

Não deixem de conferir esse incrível mundo de Supernova e da escrita bela e envolvente de Renan Carvalho. Com certeza, uma das minhas sagas preferidas e estou mais do que ansiosa pelo terceiro volume, que infelizmente só estará disponível em meados de 2017. Seu título é "O Satélite de Ferro".
comentários(0)comente



vinicius.fagundes.93 16/06/2016

As partes narradas por Leran são muito legais. Dá pra ver que ele amadureceu desde o final do primeiro livro e que agora é um combatente confiante e habilidoso. O único problema que eu tive foram as interações dele com Luana. Parecia que toda conversa que eles tinham era sobre o fato de Luana querer ser mais independente. Os diálogos entre os dois me pareceram um pouco juvenis, e francamente um pouco irritantes.

As partes narradas por Tlavi, por outro lado, são ótimas! Acho que por ela ser um pouco mais velha e mais madura, as cenas em que ela passa por situações perigosas parecem mais assustadoras do que as de Leran. Os capítulos dela foram os meu favoritos, com certeza.

site: http://laoliphant.com.br/resenhas/resenha-a-estrela-dos-mortos
comentários(0)comente



Vanessa Sueroz 27/05/2016

Neste livro vamos ter a continuação da série e a vida de Leran. Ele ainda esta tentando cuidar da irmã e a cada página vemos ele mais maduro em suas decisões.

Agora Leran sabe que onde esta a Rainha e parte com Luana para protegê-la, ao mesmo tempo ele quer descobrir tudo sobre seu pai. A jornada não será fácil, já que sua irmã não é uma pessoa muito fácil de lidar, muito menos de controlar seus poderes.

Vamos ter novos personagens como Tlavi, o chefe dos Paladinos, líder de um exercito poderoso que serve o governo. Ao levar uma informação para o conselho que é ignorada ele tem que achar uma forma de parar Sharpz, mas pode ser tarde demais.

“As Trevas corrompem tudo por onde passam. Fora assim desde a criação, quando Sharpz tocou o mundo com suas mãos imundas. Ela conseguiu infectar todos os elementos, exceto a Luz.”
Tlavi tem que combater todo o mal e claro, com isso tem que buscar Leran e Luana, um personagem que vai mudar bastante a história.

Resenha completa:

site: http://blog.vanessasueroz.com.br/supernova-a-estrela-dos-mortos/
comentários(0)comente



@APassional 21/03/2016

* Resenha por: Samantha Culceag * Arquivo Passional
Gostei bem mais de “A Estrela dos Mortos” do que “O Encantador de Flechas”, algumas coisinhas que me incomodaram no primeiro volume persistiram, mas a série teve uma boa evolução, a história me pareceu mais limpa, sem tantas informações sufocando o leitor (o que é compreensível para um primeiro volume cheio de explicações), com mais aventura e perigo. Se continuar assim, o terceiro livro pode ganhar meu coração.

Confira a resenha completa no blog Arquivo Passional, no link abaixo:

site: http://www.arquivopassional.com/2016/02/resenha-supernova-estrela-dos-mortos.html
comentários(0)comente



Silviane 01/02/2016

Continua agradando.
Mais uma vez me vejo encantada pelo mundo que o autor Renan Carvalho criou. Se ele já me conquistou com O Encantador de Flechas agora eu estou tomada de vez. Por mais que algumas coisas tenham me incomodado nesse segundo volume é muito difícil não considerar este um ótimo livro que sera relido em algum momento no futuro. Mas enfim, aqui vai a resenha completinha para vocês com todas as minhas impressões.

Eu havia comentado na resenha anterior que Leran foi um personagem que amadureceu de uma forma correta durante a história, e de fato sim. Mas mesmo assim parece que eu não tinha me dado conta de verdade do quanto ele amadureceu até sentir a necessidade dessa maturidade neste volume. Ele passou por tanta coisa e ainda não acabou, agora ele precisa cuidar da sua irmã mais do que nunca e justamente por isso fica evidente que agora ele é um homem e não apenas um garoto vivendo na ignorância que sua cidade impôs. A forma como ele cuida de sua irmã e das pessoas que acaba conhecendo no caminho e tendo um certo apego me faz gostar muito desse garoto. Ele não é desses personagens super protetores que me deixam irritada, com vontade de jogar o livro longe. Incomoda em alguns pontos a forma como ele quer proteger a sua irmã, mas acaba sendo algo que eu compreendi ao longo do livro. Ele já perdeu tanto e não deseja perder sua unica irmã também. Aliás, Lua é uma menina muuuito difícil de lidar. Não sei como Leran consegue. Sinceramente eu fiquei, pelo menos, mais da metade do livro sentindo raiva dessa menina. Entendo a sua necessidade de se provar capaz de cuidar de si mesma, de querer fazer as coisas por si mesma e não ser mais tratada como uma criança e sim com o respeito que ela merece, de igual para igual, mas a forma como ela demonstrou essas necessidades fez com que eu a achasse bastante infantil.

Neste volume fomos introduzidos a novos personagens, como Tlavi (A Estrela da Cura). Ela tem um papel fundamental na história e provavelmente a personagem que mais pode trazer reflexões ao leitor. Tlavi é uma Estrala que muito cedo foi separada de sua família para receber um treinamento apropriado para controlar suas habilidades e poder ajudar sua nação e por isso ela tem um senso de lealdade enorme, cem por cento focada em suas missões não deixando nada lhe atrapalhar. E quando digo nada é realmente nada. Neste caso achei um pouco de… egoismo da parte dela. Sabe, ela luta tanto para salvar as outras pessoas mas não fez nenhum esforço para salvar alguém que deveria ter um pouco mais de importância para ela. Eu senti muita raiva dessa personagem e não teve nenhum momento do livro que eu acabei torcendo por ela (bom, eu torci pela missão dela, mas por ela em si não uiahouhauauiauhai). Além de Tlavi temos Gueth, irmão dela. Ele não é uma Estrela mas domina a magia e ganhava a vida como um lutador por motivos que não irei citar aqui. Dos novos personagens esse com certeza se tornou meu favorito. Ele é engraçado, fiel ao que acredita e principalmente as pessoas com quem tem afinidade. O que eu mais gostei ainda é que Renan inseriu uma parte da história sendo narrada por ele. Como não amar? *-*
A Estrela dos Mortos é um livro que tem a sua história, ali estampada para divertir o leitor. E é uma excelente história, mesmo eu tendo que admitir que no inicio eu não estava gostando taaanto assim principalmente pela narração de Tlavi e as brigas entre Leran e Lua, mas aos poucos, conforme a ação foi aumentando, eu fui ignorando esses aspectos e me deixei envolver somente por toda a batalha que os personagens começaram a enfrentar, suas aventuras, viagens e tudo mais. Isso que eu nem estou citando as criaturas criadas pelo autor nesta obra, que dão uma agonia danada. Tudo eles atrapalhavam, tudo eles matavam, tudo de mal eles fazia. Claro que nenhum personagem bonzinho é bonzinho simplesmente sem ter o seu oposto, e bom essas criaturas e a Estrela da Morte estão ali para provar isso. O livro prende o leitor do começo ao fim pela curiosidade de saber o que irá acontecer a seguir. Lembro-me que no dia que peguei o livro e iniciei a leitura me surpreendi que quando fui dar uma pausa eu já estava na página 150, já que geralmente eu não leio tão rápido assim. De todo o mais a edição está linda, como é de se esperar. A editora manteve os padrões do primeiro livro e ainda somos prestigiados com belas ilustrações.

Enfim, uma leitura mais do que obrigatória para quem adora fantasia, magia, personagens fortes e marcantes. Além de literatura nacional. Renan Carvalho tem uma mão leve para escrita e a quando você menos esperar já devorou os dois livros. Enquanto isso eu fico aguardando o terceiro ansiosa.

site: http://cantaremverso.com
comentários(0)comente



GeL 12/01/2016

Resenha do blog Garotas entre Livros

“O LAR DO SACRIFÍCIO:
NÃO EXISTE SUCESSO SEM DOR. NÃO EXISTE VITÓRIA SEM PERDAS.
PARA VENCER, O QUE ESTÁ DISPOSTA A SACRIFICAR?”


Sinceramente, o livro foi tão bom, mas tão bom mesmo, que eu não sei nem por onde começar. Se O Encantador de Flechas já foi bom, pense no nível de grandiosidade deste segundo livro. A narrativa está muito melhor que a do primeiro, o que fez com que a história amadurecesse de tal forma, que tudo ficou ainda mais interessante.

Mas vamos à história (Se você ainda não leu o primeiro livro pode pegar SPOILER)...

Após suas aventuras em Acigam, Leran precisa fugir para proteger sua irmã, que descobriu ser uma Estrela, e escapar da morte. Agora, no segundo livro, conhecemos outros personagens, que também narram a história, fazendo com que tenhamos uma visão bem ampla de tudo.


Aqui conhecemos Tlavi, a Estrela da Cura. Ela e seus protegidos são enviados para uma cidade vizinha para investigar a causa da morte de todos os cidadãos. Mas ao chegar lá, Tlavi percebe que aquilo não foi acidente, nem mesmo um vírus qualquer, mas sim uma chacina. Alguém estava invocando a deusa das Trevas novamente, e fazendo coisas maléficas e horrendas. É assim que ela encontra Shaz, senhor da Morte, o responsável por uma ameaça que pode acabar com o mundo.

Paralelamente ao que ocorre com Tlavi, vemos Leran ir em busca de uma pessoa que pode ajudar Luana a controlar seu poder, mas tudo que ele tem é um nome, em uma metrópole onde é impossível achar qualquer um com apenas isso. Logo ele conhece Gueth, que pode ser a resposta que ele tanto procurava.

O destino de todos está entrelaçado. E eu irei me abster de continuar falando para não estragar o desfecho de tudo.

Renan é, atualmente, na minha humilde opnião, um dos melhores escritores brasileiros da atualidade. Sim, foi isso mesmo que eu disse! Ele conseguiu criar uma história repleta de uma mitologia única e original, mesclando fantasia e distopia. Acredite, você que é fã de animes, games e magia, não pode deixar de conhecer esse mundo fascinante.

Espero que vocês leiam, apreciem e apoiem!

site: http://livrosentregarotas.blogspot.com.br/2015/10/resenha-117-supernova-estrela-dos.html
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 12/01/2016

A Estrela dos Mortos
No primeiro livro Leran descobriu que o mundo suprimido pela política de Acigam era mais complexo do que ele podia imaginar e essa descoberta teve um preço alto. Ele se viu envolvido em uma luta entre os magos e silenciadores e perdeu o avô e amigos. Agora, sabendo o que a Rainha escondia, partiu da cidade com Luana, tendo como missão principal protegê-la e descobrir tudo o que puder sobre o farol, indo em busca do homem que o deu para seu pai. Porém, o caminho vai ser tortuoso, e sua irmã que não tem uma personalidade fácil também vai precisar ajudar e é claro, controlar seus poderes de estrela.

Enquanto isso, na Cidade Dourada, vamos conhecer Tlavi, a Estrela da Cura e chefe dos Paladinos, um exército poderoso que serve ao governo e ao conselho de estrelas. Em uma missão a Cimérium, uma cidade de minas que aparentemente está sofrendo com uma praga, a Paladina descobre que uma força maligna e poderosa está se reerguendo, e é a culpada por causar milhares de mortes.

“As Trevas corrompem tudo por onde passam. Fora assim desde a criação, quando Sharpz tocou o mundo com suas mãos imundas. Ela conseguiu infectar todos os elementos, exceto a Luz.”

Ao trazer essa informação ao conselho ela é ignorada e tem de achar uma forma de parar Sharpz. Porém, parece que já pode ser tarde demais e a magnitude do que esse ser está construindo já alcançou grandes proporções.

É na jornada de Tlavi em combater esse mal e na busca de Leram e Luana por desvendar os mistérios do farol e de ser uma estrela, enquanto fogem de Nagisa, que um novo e importante personagem vai entrar na história, fazendo com que o caminho desses dois núcleos colidam e quem sabe juntos, possam fazer algo para salvar o Reino.

Capa e Edição
Gosto muito mais dessa capa do que da de O Encantador de Flechas, o simples fato de que há mais cor faz com que a capa tenha mais vida. Como no primeiro livro, ela representa uma cena importante logo do começo da história, que desencadeia muito do que acontece depois. E, ao contrário do que eu pensei a um primeiro olhar, o personagem da capa não é o Leran, mas sim a Tlavi, em sua armadura de Paladina, ao adentrar o templo em Cimérium.

A edição está muito bonita com várias ilustrações, e tem os capítulos divididos por pontos de vista, variando entre Tlavi, Leran e Gueth, fazendo com que a história possa contemplar todos os ângulos possíveis e também, tornando a narrativa dinâmica.

Minha Opinião
Esse livro é bem mais acelerado do que o primeiro e quem leu O Encantador de Flechas e achou a história lenta ou fraca, recomendo a leitura desse segundo livro para tirar essa impressão da cabeça. A Estrela dos Mortos é muito melhor em vários aspectos: construção da história, personagens, aceleração e ambientação.

Digo isso porque quando mergulhamos em um mundo fantástico queremos descobrir logo tudo sobre ele e, no primeiro livro, como Acigam estava isolada do resto do mundo, tudo foi muito simples e o universo pareceu mal construído. Porém, eu sempre tive a esperança de que assim que colocássemos nossos pés fora dessa cidade, seríamos coroados por um contexto bem mais interessante, e foi justamente isso o que aconteceu.

O artifício de trazer uma nova personagem e centralizar grande parte da história nela é algo que gosto bastante, principalmente quando o protagonista anterior não é assim tão forte, o que é o caso de Leran. Tlavi é complexa e forte e, enquanto pode parecer insensível e seca, tem um senso de dever muito grande com a cidade e suas obrigações, deixando sua família completamente de lado. Toda a história que a rodeia é muito interessante e vê-la caminhar em direção ao perigo vez após vez, deixa o leitor bastante inquieto.

Leran, que reinou quase que absoluto em O Encantador de Flechas, aqui fica em segundo plano, o que como já mencionei, achei um acerto. É importante entender que ao sair de Acigam o mundo se ampliou e que o drama dele com Luana é apenas um grão de areia em um deserto imenso de problemas, que está por vir com a volta do vilão Sharpz.

O mais legal sobre A Estrela dos Mortos é que você se aproxima do fim achando que tudo pode dar certo e teremos um final feliz, porém já sabendo que esse não é o livro que finaliza a série é um tanto quanto ingênuo pensar assim e é, naturalmente, o erro que cometemos. O fim é uma desgraça só e pode enganar muitos leitores desavisados, que achariam que teríamos um fim mais feliz do que no primeiro livro. Aparentemente Renan Carvalho gosta de deixar seus leitores apreensivos e ansiosos com as continuações de seus livros. Continuação essa que ainda não tem data de lançamento.

Enfim, eu gostei muito mais desse segundo livro e pude ver uma grande evolução na história, escrita e até mesmo na construção dos personagens. Apesar de seguirmos com uma Luana birrenta e um Leran que falta amadurecer um bocado ainda, os outros personagens são um sopro de frescor à história e ajudam a trama a permanecer interessante.


site: http://resenhandosonhos.com/supernova-a-estrela-dos-mortos-renan-carvalho/
comentários(0)comente



29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2