Cidade de Ladrões

Cidade de Ladrões David Benioff




Resenhas - Cidade de Ladrões


49 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Renata CCS 03/09/2014

Sobre coragem e amizade.

"Contrariando a crença popular, a experiência do terror não torna a pessoa mais corajosa. Mas talvez seja mais fácil esconder o medo quando se tem medo o tempo todo." (Lev, protagonista de Cidade de Ladrões).

Em 1941, no cerco alemão a Leningrado, dois jovens, Lev e Kolya, têm a missão de encontrar uma dúzia de ovos para o bolo de casamento da filha de um coronel, e isso em apenas seis dias. A missão não seria tão difícil se as pessoas na cidade não estivessem comendo cola de livros para não passar fome, onde qualquer legume quase podre é objeto de disputa e o pão é misturado com serragem, além de um inverno rigoroso, dos bombardeios constantes e o cerco formado pelos nazistas.

CIDADE DE LADRÕES traz uma história banal, mas contada de um jeito nada banal. Em sua aparente simplicidade, a obra consegue conquistar o leitor com seus personagens simples e, principalmente, humanos. Os protagonistas Lev e Kolya são tão carismáticos que entraram para aquele grupo de personagens que ficam na memória por muito tempo. Lev, um judeu russo de apenas dezessete anos, cativa pela sua inocência, medo e paixão; Kolya, um desertor do exército de vinte anos, de humor fino e sarcástico, nos conquista pela nobreza das ações e pela alma de poeta. Dois estranhos que se tornam grandes amigos, e que fazem o leitor rir e ficar triste. Os diálogos entre os dois são deliciosos, inteligentes, provocativos e imaturos, e a amizade que desenvolvem em pouco tempo de convívio é um dos grandes atrativos do livro.

Benioff possui uma linguagem ágil e precisa, e muito me chamou a atenção pela maneira dinâmica e delicada de contar a história. Pode parecer uma história triste, mas não chega a ser chocante, pois ele consegue mostrar como as pessoas criam formas de conviver com a guerra e suas mazelas. Há muita aventura, tensão, doçura e diversos momentos que me fizeram sorrir, apesar do penoso contexto histórico. E não são poucos os momentos de reflexão, descontração e graça literária.

O livro me surpreendeu de uma maneira muito positiva. Posso dizer que é um livro bastante completo e original, leve e divertido, inteligente e emocionante. Eu realmente me envolvi com a história, torci, chorei, ri e fiquei enfurecida com tanta insanidade cometida pelo homem.

Um romance fascinante sobre guerra, coragem e sobrevivência. Um livro sobre a amizade. Sobre o amor. Tem todos os requisitos que uma bela história deve ter.

Altamente recomendado!
C@rl!nho$ 04/09/2014minha estante
Gostei muito da sua resenha, e nunca tinha ouvido falar desse livro. Vou ler, com certeza!


VICKY 09/09/2014minha estante
Já foi pra estante!




Dudu 21/07/2010

"Cidade de Ladrões" me encantou em vários aspectos:

- Personagens que cativam o leitor, no melhor estilo dos clássicos das histórias de aventura. Ou seja, não espere por profundidade e multilateridade de caráter. Os habitantes desta estória conquistam nossa simpatia exatamente por terem uma personalidade marcante.

- Uma narrativa muito bem costurada que parte de uma peculiar tarefa para descrever com maestria uma cidade cercada, um país em guerra, terminando com um inteligente desfecho.

- O capacidade do autor de conseguir criar uma estória com um ritmo e elementos de filme, mas com uma linguagem literária, de modo que não largamos o livro com a sensação de ter visto um filme (rápido e facilmente esquecível), mas sim de realmente ter feito uma leitura.

Enfim, recomendo muito esse livro. É rápido de se ler, gostoso e leve.
Marlo R. R. López 06/10/2010minha estante
"A capacidade do autor de conseguir criar uma estória com um ritmo e elementos de filme, mas com uma linguagem literária, de modo que não largamos o livro com a sensação de ter visto um filme (rápido e facilmente esquecível), mas sim de realmente ter feito uma leitura."

É verdade. Muito bem colocado. :)


Suelen 20/01/2013minha estante
Esperando que seja isso aí mesmo,bem empolgada pra começar,acho que promete!


Sinésio 03/01/2018minha estante
Anotado!




Paty 24/03/2014

Benioff é capaz de brincar com uma trama que, através da aparente simplicidade e da carga de questionamentos, comovem o leitor naturalmente, sem que para isso haja a necessidade de passagens clichês. É um livro que comove, sim, mas a dose forte de emoção foi adiada apenas para as últimas páginas, o que revelou-se ser uma decisão acertadíssima do autor.
Arsenio Meira 24/03/2014minha estante
NA MEDIDA!
Abraços


Dirce 26/03/2014minha estante
Paty,
Não tinha ouvido nem lido nada sobre esse livro, mas sua resenha chamou minha atenção, e pelas avaliações aqui do Skoob parece que ele promete mesmo. Vai para minha Estante.




jota 14/10/2012

Ritmo cinematográfico
A cidade dos ladrões aqui é Leningrado, atual São Petersburgo, nos anos finais da Segunda Guerra Mundial. Cidade informalmente conhecida como Piter - por conta de Pedro, o Grande, também já foi chamada de Petrogrado.

Durante cerca de 900 dias Leningrado ficou sitiada pelas tropas nazistas e muitos russos morreram (cerca de um milhão). As pessoas comiam até cola e faziam vodca a partir de madeira; também são relatados casos de canibalismo (salsichas, p. e., eram feitas a partir de carne humana de mortos). Ter uma dúzia de ovos era o mesmo que possuir um tesouro (ainda que temporário). Matava-se e morria-se por comida.

Manter-se vivo, portanto, não era nada fácil então e David Benioff nos conta uma história de luta pela sobrevivência através das memórias romanceadas de seu avô materno, colocando no lugar dele o personagem do jovem judeu russo Lev, e também um amigo dele, Kolya, ambos tentando permanecer vivos no caos e na miséria provocados pela guerra.

Como Benioff é roteirista, a história tem ritmo cinematográfico e prende fortemente a atenção desde as primeiras páginas até o final. É ação o tempo todo, com nossos heróis russos tentando escapar dos assassinos nazistas a qualquer custo - ou matá-los, o que aqui se torna infinitamente complicado, feito um jogo de xadrez.

Não sei como o livro ainda não virou filme, pois a história tem tudo para se transformar num sucesso nas telas, e Benioff é também produtor e diretor de cinema. A propósito, foi ele quem adaptou (e Marc Forster dirigiu) para o cinema o romance O Caçador de Pipas, de Khaled Hosseini.

Falo de cinema pois Cidade de Ladrões é fundamentalmente um livro de entretenimento (é muito fácil visualizar tudo o que se lê aqui), mas muito bem escrito e com base em informações históricas - ainda que você perceba algumas liberdades que o autor toma aqui e ali, para tornar a história de seu avô mais cativante.

Afinal de contas, estamos lendo não um livro de História, mas um romance, uma história passada cerca de 70 anos atrás. Bastante interessante, aliás.

Lido entre 06 e 14.10.2012.
Silvia 03/10/2013minha estante
Isso sim é um boa resenha.
Sem spoiler, sem escrever o que esta na contra capa do livro como muita gente faz e sem propaganda.
Parabéns




Mahfud, Fábio 04/10/2010

'O Sabujo no Pátio'
Como é bom ser surpreendido por um livro de que nunca se ouviu falar, e que acabou vindo parar em nossas mãos por acaso. No caso de 'Cidade de Ladrões', foi um achado de última hora em uma promoção na livraria, minutos antes de ir embora sem levar nada.
Na introdução do livro, o autor David Benioff conta que seu avô tinha participado da Segunda Guerra do lado russo, mas que nunca havia falado muito sobre o assunto. Após alguma insistência, David o convenceu a contar o que aconteceu por lá.
Ficamos então conhecendo o jovem Lev, que por azar (ou sorte, ou por puro acaso) acaba sendo preso por saquear um soldado alemão morto. Na prisão ele conhece o soldado Kolya, preso por deserção, e aos dois é dada uma missão especial, ordem que vem diretamente de um coronel, de encontrar em plena Rússia sitiada uma dúzia de ovos para um bolo de casamento.
De início, Lev se incomoda com o jeito debochado e com a falta de preocupação de Kolya. Mas é exatamente a personalidade de Kolya que nos faz rir em muitos momentos e ver que existem pessoas que mesmo nas piores condições, seja passando fome ou frio, ainda encontram forças para levar seus objetivos adiante.
A jornada dos dois é incrível, mas mesmo o bom humor de Kolya não os livra de situações assustadoras e brutais.
Benioff conduz a trama muito bem, e vários personagens que aparecem durante leitura são dignos de suas participações.
E por mais que histórias de guerra possam parecer meio batidas, é incrível como esse assunto ainda possa gerar tramas encantadoras e fortes, nos emocionando e chocando ao mesmo tempo.
comentários(0)comente



LuRussa 01/02/2009

Demais , um dos melhores.
Claro que amei esse livro, já que o fundo histórico tem praticamente tudo a ver comigo !! Piter, ou melhor, St Petersburgo, é a minha cidade do coração,a terra natal que adotei como minha, e entendo perfeitamente o patriotismo que os russos tem com essa cidade maravilhosa.
comentários(0)comente



DUU 17/01/2009

Muito divertido. Cheguei a rir várias vezes das situações e dos persongens.
Minha opinião é que a abordagem talvez seja mais interessante para os homens.
De qualquer forma é uma leitura que dá prazer e não dá vontade de parar. Daria um bom filme.
TFC 12/09/2009minha estante
Também pensei nisso: "Daria até para fazer um filme...".


Luciane 12/09/2010minha estante
O que eu achei legal do livro foi justamente esta abordagem masculina, normalmente vemos mais o nosso lado feminino sendo descrito. Apesar de ser um livro que mostra a guerra, eu também ri de algumas situações, e, ao final, chorei. Vale muito a pena ler.


Nat Heussinger 19/02/2011minha estante
A abordagem é mesmo meio masculina. Mas nada exagerado, qualquer menina poderia ler. A não ser que não consiga aceitar bem o que Kolya diz. Mas o livro é adequado para todos, meninos e meninas.
E adoraria ver um filme desse livro.




claudioschamis 09/02/2009

Bem quando li a sinopse achei que fosse ser um livro maravilhoso. Mas... Comecei a ler em dezembro. E só fui acabá-lo hoje. (em fevereiro). Pensei em alguns momentos em até parar de ler. Mas deixei ele um pouco de lado, comecei a ler outro, e aos poucos ia lendo algumas páginas por dia. Quase no final do livro (mais ou menos faltando umas 90 páginas) talvez tenha entrado no clima do livro, e acabei me empolgando um pouco. No geral achei um livro médio. Talvez tenha faltado um pouco de tempero, um pouco mais de ação. Sei lá. Não é o tipo de livro que correria para ler, mas também não é o tipo de livro que diria para passar batido. Não quero com isso criar um dilema de comprar ou não comprar eis a questão, mas deixar claro que é um livro que começa bem, passa por um momento de completo "marasmo" e depois sobe novamente a empolgação.
comentários(0)comente



Ruthinha 10/01/2011

Sou inteiramente apaixonada pelo tema "guerra", porque mostra dificuldades e superações. Gostei de "Cidade de Ladrões" pela trama que envolveu situações pouco incomuns contudo bem reais. É um livro que prende do início ao fim. Ponto negativo: é com relação as conversas de Kolya e Lev (no geral, falam de sexo e dificuldades intestinais) que de alguma forma tornam os personagens superficiais. Tirando isso, ñ tem como ñ gostar do valente Kolya e do rabugento Lev (dei boas risadas nas demais partes! =D). No geral, gostei bastante desse livro, com suas passagens trágicas e tristes e engraçadas e meio desconexas.
obs: "O sabujo no pátio" teria sido um bom livro, bem reflexivo.
comentários(0)comente



AndyinhA 14/04/2011

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Os dois personagens – Lev e Kolya – são uma graça. Lev é introspectivo, todo razão, sério. É o sábio da dupla, aquele que quando algo não dá muito certo nos viramos e perguntamos; O que devemos fazer? É daquele tipo de pessoa que passa uma sensação de que sabe tudo. Já Kolya é completamente diferente, extrovertido, fala muita bobagem, sempre pensando em sacanagem, fala demais. E tinha algumas vezes que me pegava dizendo para ele; Cala boca senão vai morrer! Ele já é ‘mais’ vivido, já esteve nas linhas de frente da guerra, mas mesmo assim não perdeu a alegria e bom humor.

Mas não é só de coisas tristes que o livro vive. Além de toda brincadeira com ovos e comida decente, há a típica brincadeira masculina – falar de mulher – e aí que tem varias tiradas engraçadas, pois Kolya te Lev ficam nessa eterna discussão sobre o que as mulheres querem, como agradar uma e outros. Agora imagina uma pessoa totalmente tímida falando sobre esses assuntos? E ainda sendo ‘zoado’ por alguém totalmente extrovertido? Nesses momentos você quase esquece do pano de fundo e percebe que em qualquer situação, as boas pessoas irão pensar em coisas alegres, divertidas.

mais em: http://www.monpetitpoison.com/2011/04/poison-books-promo-cidade-de-ladroes.html
comentários(0)comente



Fernanda 06/11/2010

Cidade de ladrões
Li esse livro por indicações de amigos, também gosto muito do tema (2ª guerra Mundial), me interesso muito por tudo o que aconteceu naquela época.
Livro sobre o valor de uma verdadeira amizade, que mostra de forma clara e envolvente o que realmente têm valor em momentos de dor e dificuldade.

Esse livro não tem pontos fracos, é lindo ,do principio ao fim.

Nota 10.
comentários(0)comente



Renan Pinheiro 22/02/2010

Dica
Apesar de não estar entre os livros mais badalados, Cidade de Ladrões conta de maneira até certo ponto leve uma belíssima (e dura) história de vida.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
C. Deveras 13/08/2012minha estante
Achei desnecessária a morte do Kolya. Se fosse para impactar, trazer mais emoção ao livro, que fosse no atentado do Abendroth... Mas daquele jeito meio "patético", tão perto do final, ficou de graça, meio banal (lembrou-me a morte de um outro personagem no "Nada de Novo no Front..OK, não farei spoiler em um spoiler...) É o único senão que faço da história.


Nat Heussinger 02/11/2012minha estante
C.Deveras, depois de mais de um ano que li o livro, concordo plenamente com você. Agora que já passou a emoção do livro, também acho que a morte do Kolya foi banal. Estou à procura de livros bons, esse que vc comentou vale a pena ler?




Natalia 28/07/2010

Cidade de Ladrões conta a história da missão de dois rapazes: conseguir uma dúzia de ovos em plena 2ª Guerra Mundial na cidade de Leningrado, onde todos sofriam com a falta de comida por conta dos bloqueios alemães.
É uma aventura que vai do drama a comédia em segundos e prende o leiotr até o fim, emociona, diverte, fica na memória.
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4