The Woman Who Stole My Life

The Woman Who Stole My Life Marian Keyes




Resenhas - A mulher da minha vida


33 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Iza 26/06/2019

A mulher que roubou a minha vida
Sabe quando vc compra um livro cheio de expectativas boas? E quando começa a ler se pergunta ? Porque estou lendo isso? Completamente enfadonho, personagens sem vida, texto enrolado, foi decepcionante, uma pena , porque já li outros livros da autora e adorei .
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Grasielle 07/05/2018

Vários sentimentos resumidos em uma palavra: indignação.
Não por que achei o livro ruim, pelo contrário, da metade para o fim não consegui largar mais. A questão é com relação a personagem principal, Stella, que desde o começo se mostrou extremamente passiva. Uma mulher de 40 e poucos anos com dois filhos adolescentes, Betsy e Jeffrey que aliás graças a Betsy não senti vontade de arremessar o livro pela janela... por ela e por Georgie, ex- mulher de Mannix e com uma personalidade leve e divertida. A atitude de Stella em relação ao filho é de extrema fraqueza e falta de autoridade quando ele nitidamente merecia uma boa surra. Quando dou início a um livro geralmente me coloco no lugar da personagem, não foi o caso deste. Não me identifiquei com Stella em nenhum momento. Mulher passiva, complacente e "boazinha" ao ponto de sempre pensar no sentimento alheio antes de dar uma resposta grosseira, que aliás, muitos dos personagens mereciam ouvir. Por eu ter sido uma "observadora", isso fez com que eu tivesse raiva em não poder agir por ela kkkkkkk. Confesso que tive raiva de muitos personagens, por seus comportamentos e atitudes grosseiras e ao final pensei: "engraçado como, infelizmente, existe gente assim no mundo". Em contrapartida, consegui me colocar no lugar de Mannix, que mesmo sob a provação com seu irmão Roland e também Gilda (essa sim, ardilosa), se mostrou um homem centrado e apaixonado. Minha indignação foi o fato de não encontrar uma protagonista forte e audaciosa e talvez tenha sido isso que me prendeu ao livro, por fugir do convencional, pelo menos do meu estilo de leitura convencional. No final percebi que Stella, apesar de sua bondade extrema suportou uma barra pesada demais para qualquer ser humano e mesmo assim não perdeu sua generosidade. Do jeito dela, conseguiu superar uma doença grave, uma separação, um ex - marido imbecil além de uma mudança de continente e a humilhação vinda de pessoas em quem confiava. E o final acabou sendo o que eu gostaria que fosse. Marian Keyes raramente me decepciona apesar de muitas vezes fazer com que eu sinta vontade de esbofetear cada um de seus personagens kkkkkk.
brunasaltielp 05/06/2018minha estante
SIM, SIM, SIM! Concordo totalmente com você.
Eu nem terminei o livro ainda e vim conferir as resenhas para saber se a raiva que sinto pela passividade da Stella era compartilhada por mais alguém. Que filho idiota, que ex-marido idiota, que irmã irritante. Ela está cercada por pessoas egoístas e invejosas e não faz NADAAAAA!




Caty 29/03/2018

O livro que roubou minhas noites de sono
Esse livro foi meu tormento logo antes de ir dormir. Como dormir cedo com mais uma obra prima de Marian Keys? O humor afiado de Marian Keys, personagens envolventes, tornam esse mais um livro indispensável para os leitores em busca de uma leitura leve e divertida.
comentários(0)comente



Alynne Scott 16/01/2018

Continue repetindo o mantra
Como sempre Marian foi a rainha em me fazer gargalhar e chorar com o mesmo livro. Tratando de forma delicada assuntos pesados, a autora nos transporta pra vida simples e depois glamourosa e depois simples de novo da Stella.
É maravilhoso acompanhar a evolução dos personagens e se envolver na história. Marian faz chick-lit como ninguém.
comentários(0)comente



Gy de Paula 01/11/2017

Não está entre os meus preferidos da autora
Stella se vê, de uma hora pra outra, presa - literalmente - em seu próprio corpo. Sua única ferramenta para a comunicação são as pálpebras. Louco, né! Agoniante, até. Mas a autora traz essa passagem de forma bem leve.
Filha de pais atenciosos, irmã de uma egocêntrica, mãe de duas pamonhas, esposa de um pirado, Stella vê seu mundo mudar completamente. Ao sair do hospital ela entra em uma jornada inesperada, resultado da convivência que teve com seu neurologista durante o período de internação.
O casal da história, embora maduros, parecem dois adolescentes que vivem enfiando os pés pelas mãos por falta de comunicação.
Quando a gente lê um Chick-lit da Marian Keyes, espera-se grande divertimento. Esse não foi o caso.
A impressão que eu tive foi que se misturou drama, romance e comédia (isso tudo com saltos temporais na história) e a mistura não deu liga.
Se quer rir loucamente, não leia.
comentários(0)comente



Silvia.Souza 27/09/2017

Muito bom!!!
O livro é maravilhosamente bem escrito... O que me incomodou um pouco foi a personagem da Stella... Ela é irritantemente fraca, impressionável e insegura... Como ela pode aceitar a culpa por ter ficado doente? Como ela pode deixar seu filho comandar sua vida dessa forma? Como ela acredita ser possível escrever um segundo livro sendo que teoricamente nem escreveu o primeiro?
Mas enfim o livro é tão bem escrito que não posso dar menos que cinco estrelas... Super recomendo a leitura...
Grasielle 07/05/2018minha estante
Foi exatamente isso que pensei kkkkkk q raaaaivaaa desse pirralho do filho. Da Zoe. E Ryan então!! Queria encher esse imbecil de porrada kkkkkkk Apesar de tudo nem consegui largar o livro e só não arremessei ele no chão pq ele está no meu celular kkkkkkk


Silvia.Souza 08/05/2018minha estante
Kkkkkk




Jessica 24/08/2017

Detestei
Parecia que estava lendo uma fanfic
comentários(0)comente



Cris.Pimentel 20/08/2017

Uma Marian menos sombria
É oficial, li todos os livros da Marian Keyes, e este foi o último.
Ele é bem diferente dos outros que ela escreveu, mas nem por isso deixou de ser cativante.
Amei a forma com que foi escrito, é daqueles livros que depois de um tempo não dá para largar.
Vale a pena.
comentários(0)comente



Alice.Torinho 18/07/2017

Como antigamente
Esse livro me fez lembrar dos primeiros livros da autora que li. Na primeira parte eu ri muito.
Na segunda parte passei raiva com o comportamento do filho mal educado e a mãe permissiva.
Só achei longo demais, desnecessariamente. Mas no total devorei o livro.
comentários(0)comente



Rachel 23/06/2017

Eu gostei bastante do livro. Mais uma vez, a Marian me divertiu e trouxe uma premissa original e cativante na sua escrita, porém esse não é o melhor livro dela. As características da sua narrativa são bem fáceis de encontrar durante o desenvolvimento da história e ela continua hábil com seu humor ácido e perigoso, mas não é uma obra de arte ou totalmente impressionante e viciante como outros livros dela. A leitura fluiu do começo ao fim e não há reviravoltas na trama, de certa forma, o final é bem manjado já no começo da história, entretanto, sigo considerando a Marian uma das melhores escritoras dentro do seu gênero. A mesma premissa, nas mãos de outro autor, seria de uma drama sem fim, porém nas mãos dela, a história foi divertida e tranquila..
"Às vezes você consegue o que deseja, às vezes você consegue o que precisa e, às vezes você consegue o que consegue. " página 127
Recomendo para quem gosta de Chiklit. Mais uma vez temos uma protagonista que toda e qualquer mulher pode se identificar. Para quem gosta de um romance maduro, é uma boa dica e para quem é fã da Marian, o livro cumpre muito bem com o seu papel.

Eu gostei!
comentários(0)comente



SMiletic 24/05/2017

Stella tem uma vida comum, casada, dois filhos, sócia de sua irmã em um salão de beleza em Dublin.

Só que ela acaba com uma doença incomum que a deixa por quase um ano em um hospital se comunicando unicamente por piscadas.

Suas piscadas, por incrível que pareça, viram um livro. Seu livro a leva para os EUA. Suas piscadas lhe trazem um novo amor. Uma nova vida. E vários novos problemas.

Eu não lia um livro da Marian há muito tempo (depois de devorar vários deles em questão de horas), mas foi interessante retornar. Aqui a autora deixa de lado as jovens começando a realizar sonhos e coloca no centro do palco uma mulher de quarenta que já viu vários sonhos se tornarem realidades não tão bonitas. Que, por conta disso, tem um pouco de medo e muitas vezes se julga não merecedora de boas coisas.

Tudo isso faz com que ele seja "menos divertido", mas ele com certeza tem seu charme.

Disponível no #kindleunlimited.
comentários(0)comente



PRiX 26/04/2017

Marian Keyes volta a boa escrita! - O melhor livro da autora
Sou daquelas leitoras que foram fisgadas pelo livro "Melancia" e a partir daí lê todos os livros da autora. Mas tenho achado que de uns 6 anos para cá, ela vinha tendo uma escrita muito "dark" e terminava livros de forma triste. Isso estava me incomodando, mas não desistia de Marian.
Neste livro recuperei minhas esperanças na autora, que deu um final feliz à personagem principal, Libbie Lomax. A história conta que a partir de uma grave doença que a deixou paralisada sem mexer nem falar por quase 1 ano, sua vida mudou drasticamente. Sem que nada fosse de fato planejado por ela, a vida lhe conduziu por aventuras que ela nem poderia imaginar! O livro vai e volta em tempos antes, durante e depois da doença. Eu viajei em cada momento e realmente me envolvi com a história que aborda MUITO (ênfase no muito) além da doença, entre temas como: família, filhos, emprego, amizade, autoestima. Foi uma delícia navegar por esta história. PROVAVELMENTE O MELHOR LIVRO DE MARIAN KEYES!
comentários(0)comente



33 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3