Um Tom Mais Escuro de Magia (e-book kindle)

Um Tom Mais Escuro de Magia (e-book kindle) V.E. Schwab




Resenhas - Um tom mais escuro de magia


42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Orlando.Delgado 18/09/2017

pequeno ensaio
O livro é nostálgico, bem escrito, com uma história envolvente e personagens que poderiam ter sido melhores explorados pela autora. Explico.
A nostalgia é pelo fato de que é um mundo mágico que realmente me conectou depois de Harry Potter (desculpa, dezesseis Luas).
A escrita da autora é incrível e interessante. Achei o começo meio demorado e confuso, mas quando ocorre a apresentação de Lila, percebo que a escrita começa a fluir e logo toda a história começou a ser desenrolada.
O personagens apresentam um pouco de superficialidade, creio que a autora poderia ter desenvolvido melhor a história de Rhy e Kell, porque um dos pontos chave dela foi o flashback em momentos oportunos que me fizeram questionar "certo, quero mais disso aqui", porém não tive. Lila é uma personagem que eu achei melhor desenvolvida do que o próprio Kell. Kell é muito misterios, fato! Porém, ele é o protagonista, a sua origem foi completamente esquecida e pontuada no início, ora, se instiga o leitor, trate de contar de onde ele veio ué!
Por fim, o livro é uma delícia e estou ansioso para ler o segundo.
comentários(0)comente



steph @devaneiosdepapel 18/09/2017

Um Tom Mais Escuro de Magia
Coisa boa é quando a gente encontra um livro que possui todas as características que esperamos encontrar para gostar de uma história. Pra mim, essas características geralmente são: boa construção de mundo, personagens verossímeis, relacionamentos pouco apelativos e escrita que instigue a minha curiosidade. E posso dizer que Um Tom Mais Escuro de Magia possui, além de todos estes elementos, um toque de fantasia que tornou a experiência ainda mais incrível.

Kell, o nosso protagonista, é o tipo de personagem que conquista aos poucos. No começo eu o achei muito apático e sem profundidade, até previsível em alguns momentos. Porém, conforme a história foi se desenvolvendo, consegui enxergar as camadas dele e entender um pouco mais sobre sua personalidade.

Os personagens secundários seguem a linha dos que não são bons e nem ruins, com motivações relativas ao que desejam realizar. Destaco dois que mais me chamaram a atenção: Lila, que chegou a me irritar um pouco em alguns momentos, mas que no final deixou um saldo positivo; e Rhy, que foi meu amorzinho! Adorei cada cena em que ele apareceu.

A ambientação e construção de mundo são impecáveis. Me senti inserida desde o começo, e consegui imaginar com muita facilidade cada Londres criada pela autora, pois cada uma delas tem uma atmosfera única, que realmente salta das páginas de maneira extremamente vívida. Definitivamente o tema “universos paralelos” é um dos meus favoritos, e quando feito com maestria, é ainda melhor.

O enredo da obra é bem introdutório, apresentando as características principais do mundo e da sociedade de cada Londres. Agora, quanto ao desenvolvimento deste enredo, Schwab optou por algo bem fechado, sem deixar quase nenhuma ponta solta e encerrando muito bem a história do primeiro livro. Algumas decisões são um pouco previsíveis, mas não estragaram a minha experiência de leitura.

A escrita de V. E. Schwab se mostra mais madura e envolvente aqui do que em A Guardiã de Histórias, minha experiência prévia com a autora. Por vezes foi difícil largar a leitura e eu me policiei para ler em doses homeopáticas. Mas com certeza me arrependo de não ter pegado esse livro antes da minha pilha…

Te convido a conhecer esse mundo incrível repleto de magia, aventura e segredos, com personagens cativantes e um enredo que vai te deixar curioso a cada capítulo. Faltou muito pouco pra virar um cinco estrelas!

site: http://www.devaneiosdepapel.com.br/2017/09/resenha-um-tom-mais-escuro-de-magia.html
Jé Vasques 18/09/2017minha estante
Eu amo essa autora e esse livro


steph @devaneiosdepapel 18/09/2017minha estante
Sim, tô xonadinha nela! ?




Tami 14/09/2017

A magia tornava as coisas fáceis. Às vezes, pensou Kell, tornava-as fáceis demais.
Um Tom Mais Escuro de Magia foi uma grata surpresa. Quem acompanha o blog sabe que fantasia é um dos gêneros que eu menos curto, mas vez ou outra eu me aventuro porque gosto de sair da minha zona de conforto. Algumas vezes dá certo, outras não... e é com satisfação que eu lhes digo que dessa vez deu super certo! YAY \õ/

Victoria Schwab, escrevendo como V. E. Schwab, criou uma história extremamente envolvente que, apesar de ter mais de quatrocentas páginas, possui uma fluidez impressionante. Confesso que no começo do livro fiquei um pouco confusa com a divisão das Londres e tive que voltar algumas vezes para me situar, mas assim que as informações foram assimiladas a leitura fluiu perfeitamente. Tudo acontece de uma maneira super ágil e mesmo assim o desenvolvimento não fica comprometido. Claro que a autora não explica tudo nesse exemplar, que é o primeiro de uma trilogia, mas Victoria já nos presenteia com acontecimentos super importantes e que eu tenho certeza que serão essenciais para o desenvolvimento dos próximos livros.

Tenho que mencionar que antes de começar a leitura desse livro eu achava algumas nuances de sua trama - que pesquei através de resenhas - super parecidas com as nuances de A Melodia Feroz, também escrito pela autora e já resenhado AQUI. Porém, eu não poderia estar mais enganada. As duas histórias são completamente diferentes e poderiam até ter sido escritas por pessoas diferentes. É por isso que eu digo: não julguem um livro por uma resenha, leiam e tirem suas próprias conclusões!

Continue lendo a resenha no blog!

site: http://www.meuepilogo.com/2017/08/resenha-um-tom-mais-escuro-de-magia-v-e.html
comentários(0)comente



Nanda 09/09/2017

Um Tom Mais Escuro de Magia
Foi um livro difícil de entrar, bem descritivo e muda de personagens tanto que ficava meio confusa mas ao mesmo tempo é um mundo novo que achei genial! Demorou a entrar em ação mas quando entrou ficou muito bom; em relação aos personagens o Kell me intriga e teve falas bem básicas e infantis (acredito que a autora fez de propósito para ter um maior desenvolvimento em cima dele ou não) o que me irritava as vezes!! Já Lila só amor por essa ladra maravilhosa hahah minha favorita do livro! No todo achei fantástico a criação da autora, só alguns pontos que não gosto mas nada que tire a vontade que estou de já começar o próximo e estou com expectativa de que será ainda melhor...
comentários(0)comente



Lane @juntodoslivros 09/09/2017

LEIAM!!! MUITO BOM!
Nesse mundo fantástico de Um Tom Mais Escuro de Magia temos quatro Londres: a Cinza, a Vermelha, a Branca e a Preta. A primeira é a sem magia; a segunda é onde a magia convive com seus habitantes de forma pacífica; a terceira é onde as pessoas tentar controlar a magia a todo custo e acabam gerando violência em todo o reino; e a última é onde tudo foi consumido pela magia, perdendo totalmente o equilíbrio do mundo.

“O mundo precisa de equilíbrio. A humanidade de um lado, a magia do outro. As duas existem em tudo o que vive; em um mundo perfeito, existe uma espécie de harmonia, e nenhuma ultrapassa a outra.” Página 197

Kell mora na Londres Vermelha e é um Antari, um Mago de Sangue. Antaris têm a habilidade de viajar entre as Londres livremente. Com essa habilidade, Kell é um embaixador do império Maresh. Ele trás e leva informações entre os reinos para que esses continuem conectados de alguma maneira. Porém, por trás disso, Kell também é um contrabandista, trazendo e levando objetos entre as Londres para aqueles que se interessam. No entanto, essa vida oculta acaba trazendo consequências desastrosas.

Delilah Bard, chamada de Lila, é uma ladra habilidosa da Londres Cinza. Com cartazes espalhados a sua procura, ela tem orgulho de suas habilidades e tem a aspiração de poder ser livre de verdade, sair da cidade e ver o mundo. Lila também se cuida sozinha há anos e sabe que não deve depender de ninguém. É mais fácil ficar sozinha do que dar espaço para que outros possam vir a se aproximar. Enquanto não realizar seu sonho, tem que roubar para se manter e um desses roubos acaba mudando sua vida.

Kell e Lila acaba se encontrando e não parece ter sido um mero acaso do destino. Os dois juntos vão tentar acabar com o mal que anda rondado as Londres.

Adoro a capa desse livro. As quatro Londres expressas na capa e também o nosso Kell ficaram maravilhosos! As folhas são de boa qualidade e a divisão de capítulo é feita em partes de assuntos. A narração está em terceira pessoa, mas com foco em Kell e Lila, mas em algumas cenas surgem algum outro personagem aleatório.

Lila não tem medo de nada. A garota rouba tudo, de livros até moedas dos transeuntes. É aventureira e impetuosa e isso faz parte de todo o charme da personagem. Mas confesso que apesar de ter gostado dela em alguns momentos, teve outros que acabei não gostando. Esse jeito de meter as caras sem pensar nas consequências acabou me irritando um pouco. Na primeira cena de encontro dela com Kell, fiquei com coração na mão e já estava prevendo tragédias!

Kell é o tipo de personagem que você respeita! Com bons sentimentos e sempre leal, ele protege a quem ama a qualquer custo. Mas também sente que algo lhe falta e com isso acaba fazendo algumas escolhas erradas. Essas escolhas acabam despertando o interesse de alguns inimigos sombrios. Também temos um mistério que rodeia Kell: o passado. Seu passado é um enigma que nem ele mesmo sabe. Minha curiosidade para o livro seguinte é imensa. Quero muito saber a origem desse personagem!

Preciso dizer que eu sou uma pessoa difícil para ler livros de fantasia, mas esse ano estou me superando nesse quesito. Um Tom Mais Escuro de Magia foi uma grata surpresa, pois eu não esperava gostar tanto dessa história fantástica. V.E. Schwab é realmente uma escritora genial de fantasia.

Um Tom Mais Escuro de Magia faz parte da trilogia Tons de Magia. A autora V.E. Schwab tem outros livros lançados aqui no Brasil: A Melodia Feroz que saiu pelo Selo Seguinte, A Guardiã de Histórias pela Bertrand Brasil e A Bruxa de Near pela Planeta dos Livros Brasil. Quanto livro! Para quem não sabe, a autora estará aqui no Brasil na Bienal do livro do Rio. Ela vem lançar o segundo livro da trilogia Tons de Magia. Como eu

site: http://www.lagarota.com.br/2017/08/livro-um-tom-mais-escuro-de-magia-ve.html
comentários(0)comente



Aninha - @alimentopraalma 07/09/2017

Uma fantasia que da gosto de ler!
Kell é um Antari, um dos últimos!

Ele consegue viajar através das diversas Londres usando magia, sempre a mando do rei ou da rainha.

Existe uma Londres, conhecida como a Londres negra, onde no passado aconteceu algo que tornou as viagens extremamente restritas.

Em meio a suas viagens, Kell sempre trás um objeto aqui e outro ali, de forma clandestina, claro. Ele nunca teve problemas com isso, mas um dia, durante a troca de um desses objetos ele acabada colocando a própria vida em risco.

Agora, Kell precisa descobrir uma forma de colocar as coisas no lugar e salvar todos de uma terrível escuridão.

Um tom mais escuro de magia foi uma surpresa muito agradável, V. E. Schwab tem uma escrita instigante e que prende o leitor do início ao fim.

A história é fascinante, cheia de mistério e aventura. O leitor é mergulhado em uma trama muito bem construída feita por quem entende de fantasia.

Eu recomendo esse livro para todos que gostam de se surpreender e mergulhar de cabeça em uma boa história.
comentários(0)comente



Garotas Devorando Livros 05/09/2017

[...]

Como já é característico de livros de fantasia a narrativa começa lenta, todo aquele trabalho de apresentar o mundo, as nuances de cada Londres, fazer o leitor entender como funciona a magia faz com que o começo fique um pouco arrastado, o que ajuda para isso acontecer é que o ponto de vista é dividido entre dois personagens Kell e Lila e cada um tem uma realidade para apresentar, sendo assim conhecemos duas realidades diferentes que precisam ser contadas para que quando elas se encontrarem fique mais fácil e mais completo o entendimento do leitor. Eu como leitora de fantasia já estou acostumada, mesmo que que atrase minha leitura não é uma coisa que me incomoda muito. Chega um momento que tudo flui, quando o ritmo da narrativa muda você passa a deslizar pelas páginas sem intenção de frear, se torna uma leitura movimentada, dinâmica e rápida. Achei o enredo simples e objetivo, a narrativa é feita em terceira pessoa e o universo onde se passa a história é sólido e bem construído.

[...]

CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG!!!


site: http://www.garotasdevorandolivros.com/2017/08/resenha-um-tom-mais-escuro-de-magia-v-e.html
comentários(0)comente



Karen Silva | @LendodePijamas 01/09/2017

No universo criado por V. Schwab quatro Londres existem paralelamente, e cada uma delas possui uma relação distinta com a magia. A Londres Cinza é comum e nela não existem mais resquícios de magia. A Londres Negra há muito foi consumida pelo poder dessa magia e hoje é um grande mistério. Já a Londres Branca é cada dia mais dominada pela fome de poder. E, por último, existe a Londres Vermelha onde a magia é poderosa e soberana.

Todas as Londres eram conectadas e qualquer um que dominasse um pouco de magia poderia transitar livremente entre elas. Mas, quando a Londres Negra e seus residentes sucumbiram à magia negra, a fim de se protegeram desse mal as outras Londres selaram as passagens entre elas. A partir de então, apenas os magos denominados Antari se tornaram capazes de ir de uma Londres à outra, com o único objetivo de trocar mensagens entre os reinos e jamais com permissão de ir à Londres Preta.

Kell é um dos últimos dois Antari restantes. Ele foi criado junto a realeza da Londres Vermelha e é o correspondente oficial da mesma com as outras Londres. Apesar de saber que é proibida a passagem tanto de objeto quanto de pessoas entre as Londres, Kell cultiva o hobby de contrabandear pequenos souvenirs entre as mesmas. Em uma dessas viagens, ele acaba por levar à Londres Vermelha um objeto perigoso e repleto de magia negra e descobre que sofreu uma emboscada para leva-la até ali.

Em sua jornada para devolver a pedra a seu lugar de origem, Kell conhece Lila Bard, uma jovem destemida da Londres Cinza que se fantasia de homem para executar roubos. Lila acaba por justamente roubar a pedra de Kell e agora ambos são responsáveis por devolver a pedra a onde ela pertence antes que cause mais danos.

Com uma narrativa envolvente e frenética, V. Schwab prende o fôlego do leitor até o fim. O livro começa de forma lenta, mas a ambientação dessa história é necessária e de extrema importância. A caracterização de cada Londres é impressionante, até idiomas diferentes foram criados para diferenciá-las ao máximo – e eu amei!

Os personagens principais são cativantes e totalmente incríveis! Apesar de badass, eles são jovens e foi dado a eles um caráter humano que fez toda a diferença. Principalmente Kell que, mesmo com todo o seu poder, apresenta falhas e não tem medo de explorá-las a fim de melhorar. Lila também é merecedora de ovações: apesar de ser uma humana comum em mundo cheio de perigos mágicos, ela é determinada e corajosa de uma forma louvável – sério, ela é imparável!

Personagens secundários como Rhy, o príncipe da Londres Vermelha, Holland, o Antari da Londres Branca e os irmãos Dane, governantes da mesma, são intrigantes e acrescentam muito à narrativa. Aliás, esperava ver bem mais de Holland ao longo do livro. Quem sabe no próprio?

No início, fiquei fascinada com a construção da relação entre as Londres com a magia e ainda com o quão bem amarrada a trama de Victoria era. Mas, ao longo da história ela foi se perdendo das regras que ela mesma criou e foi usando isso como subterfúgio para resoluções mais simples. Apesar de me incomodar em alguns momentos, isso não comprometeu a história em si.

Também senti falta de uma exploração maior da Londres Negra. Ela foi muito citada e senti que estava sendo criado um certo clímax com relação a ela, mas no fim isso foi negligenciado. Minha grande expectativa é que no próximo livro Victoria explore mais a origem de alguns dos personagens e dessa misteriosa Londres Negra.

site: www.instagram.com/lendodepijamas
comentários(0)comente



dleitores 01/09/2017

UM TOM MAIS ESCURO DE MAGIA
Londres é dividida em quatro cidades, mas, apenas 3 delas são habitadas, já que a Londres Preta caiu, após um incidente no qual a magia consumia os humanos que tentavam utilizá-la indevidamente. Desde então, as portas entre os mundos foram seladas e os únicos que podem viajar de um mundo para outro são os magos de sangue conhecidos como Antari.

Kell é o Antari que vive na Londres Vermelha e é responsável por levar as mensagens da sua Londres para as demais. Acompanhamos suas viagens através dos portais, passando pela Londres Branca que é regida por irmãos gêmeos cruéis e a Londres Cinza que é onde conhecemos uma jovem ladra chamada Delilah Bard,cujo o caminho cruza acidentalmente com o de Kell.

Todos parecem usar magia para satisfazer seus próprios objetivos e quando uma misteriosa relíquia da Londres Preta reaparece, uma relíquia que deveria ter sido destruída, Kell e Lila fazem o que podem para protegê-la de todos aqueles que desejam reivindicá-la como suas.

Kell é maravilhoso, é impossível não gostar dele. Ele é compreensivo, calmo, poderoso, sedutor e tem um encanto natural. Adoro a relação que ele tem com o irmão Rhy, amo sua mágica sangrenta , seu lado escuro e a forma como ele começou a se relacionar com Lila.

Lila é uma personagem feminina forte, amável e teimosa. Sua coragem e sua ânsia por liberdade são admiráveis. Ela estava em busca de aventura e encontrou em Kell,o companheiro perfeito. Amei a maneira como ela e Kell salvavam um ao outro em muitas cenas do livro. Eu shippo esse casal ! hihi

A imaginação da autora é inquestionável, estou apaixonada por suas habilidades de construção de novos mundos. Suas versões de Londres conseguem ser fantásticas, coloridas e sombrias ao mesmo tempo. O livro é repleto de vilões, governantes duvidosos, um principe promiscuo e heróis maravilhosamente falhos.

Achei a história um pouco previsivel e em muitas situações, eu consegui facilmente adivinhar qual seria o próximo passo. Mas, o brilho e a magia do livro não foram apagados com isso.Recomendo a leitura para os amantes de fantasia e já aguardo o lançamento da continuação!
comentários(0)comente



Resenha Atual 25/08/2017

Resenhado por Ingrid
Kell viaja entre mundos, onde existem quatro Londres. A vermelha, onde á magia esta em harmonia, a Londres cinza ( sem magia), a Londres Branca ( pessoas corrompidas pela Magia) e a Londres Preta (magia negra). Kell tem cabelos ruivos, um olho azul e outro completamente preto. Ele pode criar portas entre uma Londres e outra, o termo usado para este dom e denominado como Antari, e existem apenas dois! Kell, o nosso protagonista que pertence a Londres Vermelha e Holland que pertence a Londres Branca.

Kell mora no palácio, e desde pequeno ele vem tentando descobri a verdade sobre o seu passado. o Rei e a Rainha não são seus verdadeiros pais, por isso muitas vezes ele se sente deslocado vivendo uma vida solitária e realizando trabalhos para realeza. Durante suas viagens ele transportava mercadorias escondidas, em troca de objetos valiosos ou que continham algum significado para o cliente. Kell era um colecionador, ele apenas não entendia o por que.

Lila é uma ladra e uma garota que sonha em ter seu próprio navio. Durante a noite ela usa vestes masculinas quando planeja furta alguém, o homem de cartola disfarçado por ela e procurado por toda Londres cinza, mas Lila é habilidosa e gosta de correr risco. Consequentemente, ela se depara com Kell pela primeira vez, e logo em seguida rouba um artefato extremamente poderoso que estava no bolso dele.

Lila não cogitou que o viajante vermelho poderia encontrá-la e que o artefato mágico e tão perigoso a ponto de matá-la. Agora ela e Kell estão sendo caçados e correm grande perigo! Talvez a única solução seja criar uma passagem para tão temível Londres preta.

Vamos começar por este mundo brilhante, desenvolvido pela autora e seus vários tons de magia. Sinceramente eu leria este livro apenas por se trata de uma história que gira em torno de Londres. E fascinante e muito inteligente a forma como Victoria desenvolveu a diferença entre uma e outra, o clima, os personagens, as vestes, o comportamento e os cenários que se assemelham, mas o leitor consegue nota a diferença! E como se pudéssemos sentir o cheiro, tocar, sentir dor e harmonia, viajar entre mundos assim como Kell... Um enredo complexo e imaginativo, que durante a leitura torna-se cada vez mais real durante o século 19.

Kell leva uma vida solitária, e esta sempre procura meios para transgredir as regras, talvez assim ele se sinta mais vivo e tenha um controle sobre sua própria vida. Como mencionei acima, Kell não sabe de nada em relação ao seu passado, sua infância, quem são seus pais verdadeiros... E logo no inicio fica bastante claro que ele se sente como uma "posse" para o Rei e Rainha. O relacionamento entre ele e o irmão e profundo, divertido e engraçado kk ao menos se tratando de Rhy, no entanto eu gostaria de ter lido mais cenas de ambos juntos.

Lila é uma personagem maravilhosa, mas muito teimosa!!! Pode acreditar, ela anda armada até os dentes, sua personalidade e forte e avassaladora. Esta sempre correndo risco, agindo de maneira imprudente e perigosa, alguém segura essa mulher haha, qualquer um que se depare com Lila, diria que a garota não teme á própria morte. A questão e que... Ela assim como Kell, esta em busca de algo que faça vale á pena viver, neste sentindo ambos são perfeitos juntos. Holland é um Antari, e conhecer este personagem foi uma grande surpresa para mim... Saber que este era forçado a fazer coisas, obrigado, torturado e vivendo completamente no escuro, foi doloroso e triste. Se ele é um vilão? Sim ele é um vilão, mas tenho a impressão de que grandes coisas viram dele.

"A vermelha não apenas sobrevivera, mas florescera. Porém, a Branca fora alterada para
sempre. A cidade que já fora gloriosa sucumbira ao caos e á dominação. Sangue e cinzas."

Convenci vocês? Espero que sim! As vezes me perguntando por que demorei tanto para ler este livro tão criativo, com uma escrita fabulosa, e madura no ponto certo. Vocês não vão se arrepender, me conte nos comentário qual sua opinião sobre este enredo fantástico. Mal posso espera para ler os próximos! E bastante provável que a continuação seja publicada neste mês de setembro.

Obs: A obra foi escrita em terceira pessoa com pontos de vistas alternados.


site: https://resenhaatual.blogspot.com.br/2017/08/resenha-o-tom-mais-escuro-de-magia-v-e.html
comentários(0)comente



LOHS 25/08/2017

Começo cansativo, mas depois a história é repleta de ação e magia
Estava animada mesmo para conhecer Um Tom Mais Escuro de Magia por conta dos inúmeros elogios que ouvi de amigos sobre essa história. A autora, Victoria Schwab (A Guardiã de Histórias), assina com seu pseudônimo V.E. Schwab e mais uma vez cria universo fantástico muito interessante.

Em Um Tom Mais Escuro de Magia, descobrimos que existem quatro universos diferentes e cada um deles têm um nível de magia diferente. A semelhança em todos eles é que todos têm uma cidade chamada Londres no mesmo local geográfico, mas cada um tem sua própria língua e os países mudam geograficamente em cada universo.

Assim, teremos: a Londres cinza, onde a magia é praticamente nula (seria o nosso mundo real); a Londres vermelha, onde a magia resplandece em todos os lugares; a Londres branca, onde a violência reina e a magia está morrendo; e, por último, teremos a misteriosa Londres preta, que detinha tanta magia que ela acabou por consumir toda a humanidade. Há 300 anos ninguém sabe o que de fato aconteceu com a Londres preta e ninguém nunca mais foi para lá.

"A rainha não se referia ao seu como o trono vermelho nem mandava saudações da Londres Vermelha (ainda que a cidade fosse de um carmim vivo graças à forte luminosidade do rio), simplesmente porque não pensava daquela forma. Para ela, e para qualquer um que habitasse apenas uma Londres, havia pouca necessidade de diferenciá-las. Quando os governantes de uma cidade se comunicavam com os de outra, os chamavam somente de outros, ou vizinhos, ou, em algumas ocasiões (particularmente com relação à Londres Branca), usavam termos menos lisonjeiros.
Somente os poucos capazes de transitar por entre as diversas Londres precisavam de um modo de diferenciá-las. Então, Kell, inspirado pela cidade perdida conhecida por todos como Londres Preta, designara uma cor para cada capital remanescente.
Cinza para a cidade sem magia.
Vermelho para o império vigoroso.
Branco para o mundo faminto."
p. 15

Quem nos explica esses universos é o jovem Kell, nosso protagonista, que tem como função ser o mensageiro oficial à serviço da família real da Londres vermelha com as Londres cinza e Londres branca.

Kell é o único na Londres vermelha que pode exercer essa função porque ele é um Antari. Antari são praticamente uma raça em extinção. Desde que a passagem entre todas as Londres foi lacrada, devido a “peste mágica” da Londres preta, os Antari foram sumindo e diminuindo seu número a uma proporção quase inexistente. A única diferença física entre um Antari e uma pessoa comum é que um dos olhos é completamente preto enquanto o outro é normal. Mas todos os Antari são extremamente poderosos e difíceis de se matar, por isso Kell é considerado “abençoado” pelos poderes que detém.

"-Muito bem - falou. - Vamos para casa.
Kell sempre se pegava falando com a magia. Não comandando, mas simplesmente conversando. A magia era algo vivo, isso todos sabiam. Mas ele sentia algo mais, como se ela fosse uma amiga, alguém da família. Afinal, era parte dele (muito mais do que da maioria das pessoas), e Kell não conseguia evitar a sensação de que a magia sabia o que ele estava dizendo, o que estava sentindo. E não apenas quando a invocava, mas o tempo inteiro, em todas as batidas de seu coração e a cada respiração.
Ele era, afinal, um Antari.
E um Antari podia falar com o sangue. Com a vida. Com a própria magia. O primeiro e o último elemento, aquele que vivia em tudo e não estava em lugar nenhum."
Kell, p. 34-35

Mas o que a família real da Londres vermelha não sabia era que Kell tinha um pequeno hobby de fazer contrabando entre os diferentes mundos, itens como um jogo de tabuleiro mágico para crianças da Londres vermelha por uma caixinha de música da Londres cinza. E esse pequeno passatempo de Kell é o que lhe trará grandes problemas.

Enquanto faz o caminho de volta para casa (Londres vermelha) da Londres branca, Kell recebe um pacote misterioso de uma mulher que teoricamente seria uma carta para um ente doente da Londres vermelha. No momento Kell não consegue pensar com muita clareza porque o sádico rei da Londres branca o embebedou. Então, logo que chega à Londres vermelha e ao endereço para entregar a carta, percebe que está rodeado de assassinos enfeitiçados com o pior tipo de magia: aquela que controla outra pessoa.

Em meio a muitas lutas, Kell logo percebe que foi enganado e está em uma armadilha. Nada havia no envelope e a única coisa que ele carregava era uma estranha pedra negra que parecia deter grande poder. Poder suficiente para Kell compreender que estava com uma mercadoria muito proibida: uma pedra da Londres preta.

E, depois de muito sangue perdido, Kell consegue fugir para onde ninguém conseguiria persegui-lo: a Londres cinza. Ferido e ainda alcoolizado, Kell é pego de surpresa pela jovem Lila - uma ladra de rua que tem o sonho de ter seu próprio navio e ir em busca de aventuras. Obviamente, Lila rouba a pedra preta de Kell e acaba por se envolver na grande aventura do jovem Antari.

Para piorar ainda mais a situação, Kell começa a ser perseguido por Holland, o Antari da Londres branca que foi escravizado por um feitiço pelo rei sádico da cidade.

É assim que Lila e Kell se veem na difícil situação de impedir a terrível realeza da Londres branca de ter acesso à pedra e ao seu grande poder. Ao mesmo tempo que devem dar um fim ao artefato por pertencer à Londres preta.

"-Não vou esbarrar em mim mesma, vou? - indagou Lila, quebrando o silêncio.
Kell olhou para ela.
-Do que você está falando?
Ela chutou uma pedra solta.
-Bem, quero dizer, é outro mundo, não é? Outra versão de Londres. Existe outra versão de mim?
Kell franziu a testa.
-Nunca conheci ninguém como você.
Ele não teve a intenção de fazer um elogio, mas Lila entendeu dessa forma, abrindo um sorriso.
-O que posso dizer? - falou ela. - Sou única."
Lila e Kell, p. 210

Kell e Lila deverão se unir nessa grande aventura repleta de lutas, sangue, magia e diferentes universos mágicos.

Um Tom Mais Escuro de Magia é o primeiro da trilogia (que já está completa no exterior) e praticamente metade do livro é uma introdução para que o leitor compreenda as diferenças entre os mundos mágicos e como as sociedades funcionam. A segunda metade começa a real aventura de Kell e Lila com a pedra e todos os percalços que terão pela frente. E, apesar de não se ter nenhum mistério sobre os vilões ou a pedra da Londres preta, a condução da história foi muito bem desenvolvida e repleta de ação e magia.

Kell é um personagem sem muito charme no início. Ele é inconsistente e depressivo, mas ao longo da leitura vai se desenvolvendo melhor por conta da necessidade de sobrevivência. Também compreendemos quem são as poucas pessoas que realmente importam para o jovem mago e por quem ele faria tudo o que fará nessa jornada.

Já Lila é uma garota que sobreviveu às ruas de Londres entre 1800 e 1819 e aprendeu como ser uma excelente ladra. É uma época muito complicada para garotas pobres, mas ela é durona. A única questão, logo no início do livro, é que ela parecia ser uma pré-adolescente bem mimada e irritante, o que não faz sentido já que ela é uma órfã pobre. Pelo menos, depois que ela começa a aventura “de verdade” com Kell, Lila começa a se abrir e a mostrar outro lado seu. Além de aprender a desenvolver uma relação de verdade com outra pessoa, nesse caso com Kell.

"Ela não havia sobrevivido e ficado livre por todo esse tempo por parar e ajudar qualquer tolo que se metia em problemas. Mal conseguia manter a si mesma longe de problemas, e o que quer que Holland fosse, era certamente um problema.
Mas Kell tinha voltado.
Ele não precisava, não tinha nenhuma razão para isso, mas voltara assim mesmo, e o peso disso se agarrara a Lila quando ela fugira, desacelerando-a até finalmente parar suas botas. Mesmo quando se virara e correra de volta, uma pequena parte sua esperava que fosse tarde demais. Esperava que eles já tivessem sumido. Mas o restante dela queria chegar a tempo, ao menos para saber por quê.
Por que ele voltara?"
Lila, p. 182

Por ser o primeiro volume de uma trilogia, aceito melhor o fato de a autora não ter trabalhado certas questões da trama que apresentou logo no início do livro. Acredito que esses fatos deverão ganhar mais espaço nos próximos títulos. Como, por exemplo, o fato de Kell carregar na pele uma marca mágica que apaga suas memórias da vida antes do castelo. Ou então o fato de que Kell tem a pele branca e é ruivo, enquanto a maioria da população de Londres vermelha tem a pele mais morena.
Obviamente, já tenho minhas suposições sobre muitas coisas que ficaram em aberto nesse primeiro livro, mas não vou falar nada aqui para não gerar spoilers involuntários. ;)

"Kell morava no palácio desde os 5 anos. Notara a marca pela primeira vez aos 12. Passara semanas procurando pela runa nas bibliotecas do palácio. Memória.
Passou o polegar sobre a cicatriz. Apesar do nome, o símbolo não fora feito para ajudá-lo a lembrar. Seu desígnio era fazer com que esquecesse.
Esquecesse um instante. Um dia. Uma vida. Mas a magia que restringia o corpo ou a mente de alguém não era apenas proibida, era um crime capital. Quem fosse acusado e condenado era destituído de seu poder, um destino que alguns julgavam pior do que a morte em um mundo governado pela magia. E, ainda assim, Kell sustentava a marca de tal feitiço. Pior, suspeitava que fora autorizado pessoalmente pelo rei e pela rainha."
p. 57

A história é muito interessante e bem desenvolvida. Além de deixar o caminho aberto para os próximos títulos da trilogia que prometem ser ainda melhores.

A boa notícia é que a editora Record lançará o segundo livro, Um Encontro de Sombras, em 31 de agosto - bem a tempo da Bienal do Rio. Isso porque a autora, Victoria Schwab, estará na Bienal no domingo (10/09)!!
Infelizmente ela não irá para outras cidades, então só os sortudos que estiverem no Rio poderão conhecê-la pessoalmente. Adoraria que ela viesse para São Paulo também, mas faz parte!

Lembrando todo mundo que estaremos sorteando um exemplar de Um Tom Mais Escuro de Magia no Top Comentarista desse mês!! Não deixe de participar!!! :D

site: http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/2017/08/um-tom-mais-escuro-de-magia-shades-of.html
comentários(0)comente



Gaby 23/08/2017

AAAAAAAAA
Kell é um Viajante; um mago com a habilidade rara de viajar entre as Londres paralelas. Nascido na Londres Vermelha e adotado pela realeza, ele foi criado desde os seus cinco anos ao lado do príncipe Rhy Maresh, e é seu fiel protetor. Mas apesar de Kell ser tratado como parte da família, ele tem um papel muito importante e perigoso ali, pois cabe a ele a tarefa de realizar a entrega da correspondência entre os líderes dessas Londres.

Com o fim da Londres Preta há muitos anos atrás, houve uma separação irreversível entre esses mundos, cujas paredes invisíveis apenas os Viajantes conseguem atravessar. A magia desses mundos também se comprometeu, e agora é algo raro na Londres Cinza. Na Londres Vermelha, ainda há muita magia, mas ela não controla o reino nem seus habitantes. Na Londres Branca, a mais perigosa, as pessoas se matam por um pingo que seja de vitalidade, de sangue e magia.


"A magia em si pode transitar. Mas o problema da magia - acrescentou Kell - é que ela se apodera tanto dos obstinados quanto dos fracos de espírito, e um desses mundos não foi capaz de se controlar. As pessoas se alimentaram da magia, e a magia se alimentou delas até devorar seus corpos, suas mentes e então suas almas."


Mas Kell tem um hobby que guarda em segredo: ele coleciona objetos obtidos nessas Londres através de trocas feitas com pessoas dispostas a pagar o preço que for por um vislumbre de magia. É algo totalmente proibido, mas Kell não consegue parar. Quando, na Londres Branca, ele é abordado por uma misteriosa mulher que precisa de sua ajuda para enviar uma carta e um pequeno objeto até a Vermelha, Kell sabe que seria perigoso, mas mesmo assim o faz, e as consequências disso o levarão a conhecer Lila, uma ladra da Londres Cinza.

Lila é uma ladra procurada por toda a cidade, mas sua verdadeira identidade, por baixo de todo o disfarce masculino que usa, poucos conhecem. Seu maior sonho é ter um navio e viver aventuras em alto mar, mas por enquanto ela rouba algumas carteiras de transeuntes desavisados. É quando rouba uma pequena pedra preta, aparentemente sem valor algum, que a maior aventura de sua vida tem início.

O encontro de Kell com Lila é marcado por desconfiança mútua, muita ação e conflito de interesses. Mas, se quiserem algumas respostas, no caso de Kell, ou agarrar a oportunidade perfeita para dar o fora dali, no caso de Lila, eles terão que trabalhar juntos.


"_Por que minha língua não consegue aprender o idioma da magia?
_Porque você não pode seduzir os elementos com seu charme, seu sorriso ou seu status - respondeu Kell.
_Eles me desrespeitam - disse Rhy com um sorriso árido.
_A terra sob seus pés não liga se você será rei. Nem a água em seu cálice. Nem o ar que você respira. Deve falar com eles de igual para igual ou, ainda melhor, suplicando."


Um Tom Mais Escuro de Magia é o primeiro livro de uma série chamada Shades of Magic, da premiada autora V. E. Schwab, nome com o qual assina seus livros adultos. Seus livros mais voltados para o publico juvenil, como A Guardiã de Histórias (publicado pela Bertrand Brasil em 2016), são assinados como Victoria Schwab.


Resenha completa com fotos no blog:

site: http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/2017/08/um-tom-mais-escuro-de-magia-de-v-e.html
comentários(0)comente



Fernanda 23/08/2017

Resenha: Um tom mais escuro de magia
Resenha no blog:

http://www.segredosemlivros.com/2017/08/resenha-um-tom-mais-escuro-de-magia-v-e.html

site: http://www.segredosemlivros.com/2017/08/resenha-um-tom-mais-escuro-de-magia-v-e.html
comentários(0)comente



Dri @oasisliterario 22/08/2017

"Um Tom Mais Escuro de Magia" entrou facilmente para a lista de melhores fantasias que já li e eu mal posso esperar pelo próximo livro
Em "Um Tom Mais Escuro de Magia" conhecemos Kell, um dos últimos magos viajantes, conhecidos como Antari, disponíveis nesse universo de múltiplas Londres. Pertencendo à Londres Vermelha, Kell é encarregado de entregar correspondências entre realezas de cada Londres e, secretamente, contrabandeia objetos pertencentes a uma realidade paralela à sua, mesmo sabendo que isso é proibido. Em uma de suas viagens, Kell acaba esbarrando em Lila Brand, uma ladra pertencente à Londres Cinza que o assalta levando consigo um objeto perigoso para todas as Londres. Será Kell capaz de recuperar esse curioso objeto e acabar com aquilo que ameaça o futuro?

Através de uma narrativa em terceira pessoa, o livro promete uma fantasia envolvendo magia e universos paralelos. Apesar deste assunto não agradar muitos, posso afirmar que, com todo seu talento, V.E. Schwab conseguiu cumprir de maneira espetacular aquilo que prometeu. Através de uma escrita leve e divertida, a autora conseguiu guiar o leitor por uma história repleta de reviravoltas, segredos e muita magia, de maneira fascinante.

Com personagens extremamente cativantes, a história se torna ainda mais fluida e interessante. Kell facilmente se tornou um personagem muito querido com todo o seu jeito protetor e leal. Lila também me cativou com sua personalidade forte, teimosia e jeito destemido e corajoso.

O fato da autora não focar no romance em nenhum momento foi um grande ponto positivo, na minha opinião. Lila é independente e sempre aparentou ser inabalável. Foi simplesmente incrível perceber parte de seus medos serem brevemente expostos, mesmo que Kell fosse o único a perceber.

Enfim, "Um Tom Mais Escuro de Magia" entrou facilmente para a lista de melhores fantasias que já li e eu mal posso esperar pelo próximo livro.
Recomendo muito a leitura aos leitores que amam uma boa fantasia. Afinal, V.E. Schwab conseguiu entregar um universo genial que promete agradar a todos os fãs do gênero.

"Prefiro morrer numa aventura a viver sem ter feito nada."

Link: https://www.instagram.com/p/BYHTFivDlfz/
comentários(0)comente



Diane Ramos 21/08/2017

UM TOM MAIS ESCURO DE MAGIA (V. E. Schwab)
Confesso que raramente leio algum livro de fantasia, mas, quando recebi do Grupo Editorial Record o livro Um Tom Mais Escuro de Magia, fiquei extremamente curiosa em relação a história original que a sinopse prometia. Nunca tinha lido algo tão diferente, original e surpreendente ao mesmo tempo! O livro é o primeiro volume da trilogia Tons de Magia e a autora V. E. Schwab irá lançar o tão aguardado segundo volume na Bienal do Rio no mês que vem.
O livro traz a história de Kell, um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela.
Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto.
Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.

Um Tom Mais Escuro de Magia é narrado em terceira pessoa e intercala entre visões de vários personagens, mas, principalmente dos protagonistas Kell e Lila. Fiquei encantada com o universo que a autora criou, é tudo tão diferente, original e inesperado... Nunca tinha lido nada parecido com essa história e de todo lado que observo a obra vejo que V. E. Schwab trabalhou com perfeição, onde não fui capaz de encontrar um defeitinho sequer. São muitos elementos que tornam este livro muito bom. Primeiro temos o mundo criado pela autora, que te instiga a querer saber como cada Londres é e como é o sistema de magia. A escrita é maravilhosa e te leva, sem que você perceba, por entre as páginas, fazendo a leitura voar. A construção do livro em si também foi bem realizada, com os elementos bem dosados e com uma narrativa que não deixa o ritmo se perder. Além disso, o diálogo entre os personagens são fantásticos, cheio de sarcasmo, bom humor e muita, muita magia.
Os personagens são encantadores, me apaixonei por todos eles. Kell de longe foi o meu favorito, ele é um jovem Antari muito respeitado por alguns e temido por outros, mas, que possui uma relação de grande afeto com a Coroa Vermelha, já que foi adotado por eles aos cinco anos de idade. É um personagem bastante misterioso também e seu lado contrabandista dá um toque humano á ele que fica impossível não torcer por ele! Lila também é um personagem sensacional, ela e Kell são uma dupla perfeita, Lila é teimosa, ardilosa e (pasmem!) uma ladra e assassina nata, desde pequena foi independente e seu passado não é nada agradável, o que fez-me admirá-la ainda mais. Amei essa personagem por ser forte, perspicaz, inteligente, observadora e sarcástica; o jeito como consegue provocar e brincar com o Kell é bastante cômico. Outro personagem que me impressionou também foi Holland, apesar de ser um vilão impiedoso, consegui sentir um pouco de empatia por ele em algumas ocasiões, e olha que não sou de admirar vilões, heim?
A caracterização de cada Londres foi trabalhada com maestria, cada uma com diferentes cultura e povo, sendo que V. E. Schwab até mesmo criou uma língua para cada Londres e eu adorei isso! Com as descrições que Kell dá ao longo da narrativa é possível diferenciar exatamente cada Londres como se fosse algo visível ao leitor. São pequenos detalhes como a paisagem, o comportamento da população, os aromas que dá aquele toque especial capaz de diferenciar cada mundo diferente, desta forma, o leitor não se sente perdido e permite á ele uma entrosamento maior com a história.
Enfim, Um Tom Mais Escuro de Magia é um livro maravilhoso, muito bem trabalhado e que me prendeu do início ao fim! Indico de olhos fechados pra qualquer tipo de leitor!


site: http://coisasdediane.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3