Diário de Uma Garota Normal

Diário de Uma Garota Normal Phoebe Gloeckner




Resenhas - Diário de Uma Garota Normal


18 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Hilary.Oliveira 29/07/2020

A Minnie, é uma adolescente de 15 anos, que relata tudo o que acontece na vida dela no diário. É muito legal você ler as coisas que ela pensa e que ela faz.
comentários(0)comente



Ana 28/11/2020

Diário de uma garota normal
Na minha opinião o livro romantizou demais a situação de abuso, mostrando claramente a síndrome de Estocolmo.
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 31/12/2015

O Diário de uma garota quase normal é a reprodução do diário de Minnie, garota comum de 15 anos, que mora com a mãe e a irmã de 13. Vivendo em uma família um tanto conturbada, Minnie é bem próxima do seu ‘ex-padrasto’ (nem sei se isso existe rsrsrs) e de Monroe, namorado de sua mãe que frequenta a sua casa assiduamente.

Após algumas insinuações e investidas de Monroe, Minnie decide que quer transar com ele. Apesar da surpresa, Monroe não se faz de rogado e descobre que Minnie era virgem. Isso é apenas o pontapé inicial para o despertar da sexualidade de Minnie que, a partir daí, passa a desejar a maioria dos homens que vê na rua e na escola.

“Talvez fosse melhor não dar bola. Mas eu gosto de sexo. O que eu deveria fazer, não dar bola para o sexo? Preciso de sexo. Queria estar transando agora mesmo – na verdade, a qualquer hora -, o desejo é insaciável. “

Apesar do receio de que sua mãe descubra, Minnie acaba por manter um relacionamento com Monroe onde o único objetivo é o sexo, pelo menos para ele. Porque ela acaba se apaixonando. O que não a impede de transar com outros garotos da sua escola em farras regadas a muita bebida e drogas.

É difícil pra mim opinar a respeito da história. Adorei a premissa do livro, de ser o diário de uma menina comum, com problemas comuns como qualquer outra. Mas discordo completamente com a opinião do The New York Times que diz que ‘é uma das obras mais inovadoras que retratam a vida das jovens mulheres. ’ Achei complicado lidar com o relacionamento aberto e natural da mãe de Minnie com as drogas, o fato dela usar drogas em casa com a amiga na frente das filhas de 15 e 13 anos me surpreende pois não condiz com a maioria dos relatos de pessoas que usam drogas. Sem contar a alienação dela em relação ao que acontece entre sua filha e seu namorado.

A edição é primorosa, como acontece com todos os livros da Faro. Diagramação muito bem feita que alterna a narrativa de Minnie com os seus próprios desenhos e quadrinhos que também contam parte da história. A capa é linda, com o título em alto relevo e a cor ficou fantástica.





Apesar de ser uma leitura forte, com algumas passagens e imagens que se assemelham a um romance hot, quero ressaltar como o amadurecimento de Minnie é retratado no livro, é nítido como as suas atitudes e as consequências provenientes elas fazem com que ela reflita e deseje amadurecer.

E tem promoção no Facebook valendo um exemplar do livro, clica aqui e participa.

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2015/11/leitura-da-drica-diario-de-uma-garota.html
Gabriela.Goulart 23/10/2017minha estante
o livro é muito bom... e me deu coragem para dar uma chance a vida de me surpreender...




Isabela | @readingwithbells 23/03/2018

Minnie, uma garota de 15 anos vai nos contar sua vida em seu diário.
Ela mora com a mãe Charlotte, que namora Monroe e gosta de beber e fumar na frente das filhas, sem se importar com mais nada. Gretel é sua irmã de 13 anos que não sai da frente da TV.
Nesse ambiente conturbado, ela começa a sentir coisas diferentes em seu corpo. Sua sexualidade está a flor da pele e ela explora tudo o que pode com Monroe (sim, o padrasto dela) e alguns colegas da escola.
Sua melhor amiga, Kimmie, também está explorando o próprio corpo e com ela, Minnie sente que pode ser ela mesma.
No decorrer das páginas, vamos embarcar junto em sua jornada de descobrimento, no mundo das drogas, em problemas realmente difíceis, amizades que não são bem amizades e sofrimento.
comentários(0)comente



Beta Oliveira 01/10/2018

Livros assim “desconfortáveis” ajudam a enxergar o mundo além do meu nariz ou da forma como gostaria que ele fosse – e muitos outros me satisfazem nesse aspecto. Livros assim lembram que todos carregam a própria cruz e que ela pode ficar mais leve ou mais pesada pela forma como a gente a enfrenta. Minnie termina o livro bem diferente da que inicia a jornada dizendo “Eu não me lembro de ter nascido”. E quem lê se despede da história pensando que nós nunca sabemos o que se esconde por trás do rótulo “normal” que damos aos outros. Às vezes, “normal” passa longe.

O texto completo está no Literatura de Mulherzinha.

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com/2018/09/cap-1512-diario-de-uma-garota-normal.html
comentários(0)comente



Cleiton.Allves 27/02/2022

Esquisito o tempo todo
Tava tão barato que eu trouxe junto com outros livros e quis logo lê-lo.
Sei lá, tinha tudo pra ser uma experiência interessante...
Fiquei indignado com a vida, triste e vazia, dessa menina. Tadinha!
comentários(0)comente



Ray 19/04/2019

Intrigante
De início tu te assusta com o conteúdo. Porém a curiosidade de saber como vai terminar , a intrigante vida de Minnie é o que te faz prosseguir na leitura. A qual percorre nas folhas de um diário, onde uma menina de 15 anos, sem papás na língua, relata seus maiores desejos e revela suas loucuras. Não leia esperando encontrar um conto de fadas. É a pura realidade de 45% da população.
comentários(0)comente



Nana Barcellos | @cantocultzineo 09/11/2017

Para todas as garotas que cresceram...
"Por favor, nunca leia isto, a não ser que eu já tenha morrido e, mesmo assim, não antes de vinte e cinco anos (ou mais) e partir de agora."

A permissão foi concedida - epa tenho vinte e oito anos - então, pude xeretar os fatos da adolescência de Minnie, tranquilamente. Ha! Bom, meu primeiro contato com essa história, foi com a adaptação indie lançada em 2015, protagonizada por Bel Powley - que está maravilhosa interpretando a Minnie -, Kristen Wiig e o mozi Alexander Skarsgård. Fiquei entorpecida com toda trajetória da Minnie porque enquanto eu assistia, foi como passasse um filme na mente, de coisas proibidas e impulsos que cometi durante a adolescência. Mesmo não fazendo algumas das coisas citadas aqui, eu conheci quem fez e por vivenciar bem de perto, acabou se tornando parte de mim, da minha história.

Diário de Uma Garota Normal é um livro adolescente para gente grande. As descobertas de Minnie se moldam em São Francisco na Califórnia, nos anos setenta. Iniciando seu diário, ainda com quinze anos - quase dezesseis -, ela nos relata sobre sua recente atração por Monroe, após uma noite bêbados em que ele a assedia e isso a deixa sexualmente curiosa. E então, ela não pretende manter em segredo para o mesmo que deseja transar com ele. Monroe é mais velho que Minnie e, namorado da mãe dela. Porém, o livro não é sobre o relacionamento entre eles, mas sim sobre como esse relacionamento abre a mente de Minnie para um mundo cheio de altos e baixos, até o amadurecimento.

Após perder a virgindade, Minnie se sente mais autoconfiante e isso gera novas atrações, amizades e aventuras em sua vida. Ela que não não valoriza suas qualidades físicas, agora interessa garotos populares, é convidada para festas e decide entrar de cabeça nesse novo mundo. É nítido como essa confiança se esvai em todos os momentos em que está com sua dita, melhor amiga, Kimmie. Sabe aquela amiga da adolescência que adorava ficar medindo feitos com você? Essa é a Kimmie. Quando Minnie conta que está com Monroe e perdeu a virgindade, Kimmie a cada hora surge com uma nova aventura sexual ou um conto mais cool e até demonstra interesse por Monroe também. A protagonista confessa que "não tá a fim de lidar com ela" ou coisas o tipo, em vários momentos da narrativa. Kimmie me lembrou demais uma amiguinha que eu tinha nessa fase. Além dela, Minnie também é amiga de Chuck, um rapaz com quem sempre frequenta shows, e nessas saídas com ele, é quando ela conhece Tabatha.

Tabatha é quem trás o resto do caos para a vida de Minnie. Apesar de gostar de Monroe, ela nunca se prende ao relacionamento - o tornando exclusivo - porque, é aquela coisa da fase, de querer viver tudo de uma vez. Quando ela conhece Tabatha, as coisas já não andam tão boas para os dois e Minnie, mesmo com avisos de alguns amigos, se joga de cabeça nesse novo relacionamento. O problema é que Tabatha é viciada e acaba introduzindo Minnie a esse mundo. Ela já convivia com drogas em casa, com as pessoas que a mãe recebia para festas. Mas, a situação se torna cada vez mais pesada e no fim, só depende de Minnie se libertar e escolher o caminho que seguir.

A vida escolar é um dos pontos mais atingidos com todas essas novas descobertas. Seu rendimento desmorona cada vez mais e acaba expulsa de algumas escolas. Apesar de ter sempre seu padrasto Pascal - ex da mãe que ela e a irmã consideram como figura paternal - a incentivando, lhe enviando cartas e demonstrando interesse por seu futuro, Minnie tem outros planos: ela deseja investir em seus desenhos e histórias. Ela é muito cultural, criativa, desenha, monta quadrinhos, escreve poemas e quando quer desabafar, escreve cartas em seu próprio diário. Em vários momentos da narrativa, dá vontade de sentar e trocar uma ideia com ela.

"Não podemos esperar ter uma relação tão perfeita com um ser humano. Seria pedir demais. Os seres humanos são naturalmente egoístas e não podem sacrificar por completo seu orgulho e seu ego e dar todo o seu coração e sua alma a outro ser humano."

É visível o quanto Phoebe Gloeckner se colocou na personagem nesse coming-of-age. Pesquisando sobre ela, a gente encontra várias coisas em comum com Minnie, como a mãe que trabalhava numa biblioteca e alguns fatos sobre a época que se mudaram para São Francisco. Ela define suas histórias como semi-biográficas. Phoebe, que também é cartunista, constrói uma narrativa polêmica e madura. Um universo real e livre de clichês que em alguns momentos, nos deixam chocados e/ou incomodam. É uma leitura que realmente de tira da zona de conforto.

Nenhum personagem nesse livro é perfeito - talvez o gatinho Domino e a irmã mais nova -, todos têm suas qualidades e defeitos, e essa dualidade, deixa toda narrativa ainda mais interessante, pois é difícil saber qual será o próximo passo ou decisão de Minnie e os que a rodeiam. Posso citar Charlotte, a mãe de Minnie, que óbvio, ficamos ansiosos por sua reação ao descobrir o que a filha anda aprontando e a autora, nos deixa várias dicas, pelo comportamento dela e o passado da personagem. E não posso deixar de comentar sobre a quantidade de personagens masculinos que interagem com Minnie - de maneira positiva e negativa - e que toda mulher, certamente, irá reconhecer uma parte do comportamento de cada um deles, com os que já conheceu ou conhece.

O enredo é cheio de referências musicais, poéticas, dentre outras coisas que estavam super em alta na época. O que eu gostei mesmo, foi o alvoroço com Rocky Horror Picture Show - que estreou em 1975 - e fiquei imaginando os adolescentes da época, fantasiados e surtados com a produção. Apesar que, a autora nos leva a uma parte difícil, usando o encontro de fãs - é quando Minnie conhece Tabatha - e parece que o lugar não era tão bem visto.

A edição está incrível! Você se sente, realmente, lendo um diário e as páginas repletas de ilustrações, só acrescentam ainda mais. Os quadrinhos de Minnie estão por toda parte - alguns mais adultos - de tom erótico, e bem inteligentes. Gostei muito da ilustração da protagonista, com traços rústicos, sem idealização de perfeição. Trabalho lindo com a capa e arte, de uma das ilustrações que compõe o livro.

"Eu nunca soube o que é ter alguém que realmente me amasse. Ter alguém que me ame é o que eu sempre quis, acho, alguém que me ame aconteça o que acontecer e que me deixe saber, disso, alguém que eu poderia amar...Eu gostaria de saber como receber amor livremente."

site: http://cantocultzineo.blogspot.com.br/2017/11/livro-diario-de-uma-garota-normal.html
jaqueackles 10/11/2017minha estante
Caramba fiquei curiosa, gostei do enredo. Ótima resenha mana ???


Nana Barcellos | @cantocultzineo 10/11/2017minha estante
Obrigada mana, fico feliz que curtiu s2




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Clã 03/01/2016

Clã dos Livros - Diário de uma garota normal
Essa é a história de um grito de socorro. Um pedido pungente para ser amada!

Minnie Goetze começa a escrever seu diário com 15 anos de idade. Como quase toda adolescente, acha-se feia, desajeitada e sem graça. Em contrapartida considera-se uma garota inteligente, que gosta muito de pensar. Ela tem uma irmã mais nova, Gretel, 13 anos, com quem convive bem, mas sem muita intimidade.

As garotas sempre estudaram em escolas particulares, mas sempre pagas pelos avós, pois a família não é rica. Vivem modestamente, sem passar necessidades, mas sempre com ajuda familiar.

A mãe de Minnie, Charlotte, é separada de seu pai, mas tem muitos namorados. Em sua casa há sempre a presença de homens que a garota não conhece e outros que frequentam com assiduidade. É o caso de Monroe, um dos namorados da mãe, que está sempre por perto. Minnie fica confusa quando Monroe insinua-se pela primeira vez. A garota, na ingenuidade de seus 15 anos, não se dá conta do que está por vir:

“Uma noite, o namorado da minha mãe, Monroe, me deixou provar o seu vinho. [...] Eu fiquei bêbada e ele não tirava o braço de cima de mim. “Olha só essa camisolinha de flanela”, ele disse. [...] “Assim você fica parecendo uma criança, mas já tem 15 anos.” [...] Ele mais ou menos roçava o meu seio por cima da camisola, mas eu estava tão surpresa com aquilo, que mesmo suspeitando que fosse grosseiro e arrogante de minha parte imaginar algo feito de propósito, eu me afastei porque não queria que ele sentisse como meus seios eram pequenos [...]”.

Após a primeira abordagem de Monroe, que mostra-se atencioso, Minnie acaba se envolvendo com o namorado da mãe, que entre bebedeiras e uso de drogas, não percebe o que está acontecendo dentro de sua própria casa. Esse envolvimento é relatado com detalhes, muitas vezes revoltantes, degradantes e difíceis de digerir.

O assédio, a conduta desregrada da mãe, a falta de amor filial, sua pouca idade e quase nenhuma experiência tornaram-na um alvo fácil para o consumo de drogas e álcool. Quando sua mãe finalmente descobre o que está se passando com a filha, toma uma atitude totalmente inesperada, que faz com que Minnie se sinta ainda mais rejeitada.

Baseado na experiência de vida da autora, essa é uma história psicologicamente forte, que mostra ao leitor como se sente uma adolescente que não recebe o carinho necessário de sua família e acaba achando normal o doentio comportamento de uma pessoa tão próxima de sua mãe. Passando por fases de euforia e desespero, a protagonista tenta conviver com sua triste história e faz com que o leitor perceba o quanto crianças abusadas são mais fortes do que aparentam.

Phoebe Gloeckner nasceu na Philadelphia e cresceu em São Francisco, onde está situada a história. Teve seus quadrinhos publicados ainda na adolescência. Hoje possui uma coleção de histórias, quadrinhos, pinturas e gravuras. Ganhou dezenas de prêmios. Atua como professora na University of Michigan Stamps School of Art & Design.

Apesar de a história ser pesada, sua escrita é leve e despretensiosa. Phoebe deixa transparecer em seu texto toda a insegurança e fragilidade de sua difícil adolescência e a necessidade de ser amada verdadeiramente. É possível sentir todo o desespero e angústia que fizeram parte de sua vida.

O livro possui várias gravuras e quadrinhos, todos de autoria de Phoebe. Percebe-se que mesmo com apenas 15 anos a autora já era bastante talentosa. A crítica comparou “Diário de uma garota normal” à obra de Vladmir Nabokov “Lolita”.

Recomendo a leitura de Diário de uma garota normal. É muito importante que o tema seja discutido. Devemos conscientizar nossos jovens, ajudando-os a perceber que não precisam agradar aos adultos. Todos eles podem e devem dizer não.


site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2015/11/resenha-diario-de-uma-garota-normal-de.html
comentários(0)comente



Quel 21/12/2015

Meu querido diário...
Nessas páginas conhecemos intimamente Minnie Goetze, uma adolescente de 15 anos que relata suas experiências nas páginas de um pequeno diário. Nele, a jovem escreve sobre seus mais profundos segredos, desde a convivência com colegas de escola, até a iniciação da sua vida sexual com um homem mais velho.

Assim como a maioria das garotas da idade, Minnie se acha feia, sem graça e completamente desajeitada. Mas, apesar do desgosto por sua aparência ela é uma jovem intrigante com alto poder reflexivo, e mesmo considerando-se inteligente a seu modo, não consegue se adaptar na escola e está constantemente sendo expulsa por não levar as matérias e atividades a sério.

A relação de Minnie com sua família não é das melhores, ela possui uma irmã mais nova chamada Gretel, com quem está sempre brigando por causa da tv. As meninas moram com a mãe, Charlotte, uma mulher instável de hábitos não muito ortodoxos. Após separar-se do pai de suas filhas, Charlotte começou a frequentar diversos bares e casas noturnas em companhia de bêbados e drogados, e sempre acaba trazendo esse tipo de pessoa para dentro de sua casa, assim como seus diversos namorados, dentre eles Monroe, a presença masculina mais frequente na vida das garotas Goetze.

Moroe é o atual "namorado" da mãe de Minnie, sua constante presença na residência acaba aumentando sua intimidade não só com Charlotte, mas também com a jovem de 15 anos. Uma noite ele deixa Minnie beber vinho, e como a garota não tinha o costume de consumir álcool, fica embriagada rapidamente, vendo a oportunidade surgir, Moroe aproveita para bulinar a garota, que sem entender o que estava ocorrendo acaba ficando constrangida e sem ação.

Após o ocorrido, Moroe passa a tratar Miniie com carinho, ele é atencioso e leva a garota para passear com frequência, assim, Minnie acaba se encantando pelo "namorado" da mãe. Eles iniciam uma relação perigosa, a garota até então virgem se entrega sem medo às carícias daquele homem mais velho e experiente, acreditando que um dia ele poderia vir a sentir algo especial por ela. Mas com o passar do tempo a relação vai se revelando algo mais carnal e sem nenhum sentimento por parte de Moroe.

Essa indiferença do parceiro bem mais velho, leva Minnie a aventurar-se com garotos da sua idade, ela aumenta a ingestão de álcool e passa a consumir drogas de todos os tipos. Com o tempo sua vida desregrada começa a apresentar consequências e torna cada vez mais difícil para a garota esconder seus segredos.

***

Essa obra apresenta assuntos polêmicos que muitas vezes evitamos expor dentre a sociedade, mas ao mesmo tempo faz com que o leitor reflita sobre a importância da família perante a vida das crianças e dos adolescentes, como o desinteresse familiar afetam suas as escolhas. Aqui percebemos que a forma de vida da mãe afetou diretamente a protagonista, a falta de moral, amor fraterno e até mesmo amor próprio, do consumo desregrado de drogas e álcool, e a forma de vida promiscua foram maus exemplos para a filha que assistia tudo que a mãe fazia e começou a seguir seus passos.

Outro assunto problemático na obra é justamente o envolvimento entre Minnie e Moroe, essa relação é relatada pela autora com muitos detalhes, o que em diversas vezes chega a incomodar o leitor, devido esse riqueza nos detalhes, fazendo com que o mesmo se revolte com a situação. Alguns podem argumentar que nada do ocorrido teria acontecido se a jovem não estivesse de acordo, mas o principal problema aqui é a conduta do adulto que de certo modo usou da inocência da garota para conseguir o que queria e depois se viu enrascado, uma vez que a mesma se apaixonou por ele. Em outras palavras, Pedofilia é crime!

Uma das coisas que mais me incomodou ao ler a obra foi a parte em que a mãe da jovem descobre sobre o envolvimento de Moroe e Minnie, a atitude que ela tomou mostrou-me que ela realmente não se importava com a filha, o que ao meu ver fez com que a jovem se sentisse ainda mais excluída e indesejada pela família.

***

Apesar de a história ser pesada e abordar assuntos polêmicos, a narrativa é simples, modesta e dinâmica. A autora deixa aborda experiências de sua própria adolescência e a necessidade que o ser humano possui de ser amado.

Os principais pontos positivos é a forma como a obra foi escrita, em primeira pessoa, como em um diário de verdade. A diagramação está ótima, com fonte excelente e espaçamento adequado para uma feitura fluida e leve. As ilustrações são incríveis e a forma como são inseridas dentro do enredo torna a história de mais fácil compreensão e super agradável. Também gostei muito da capa, a imagem escolhida relata muito bem o período na qual a protagonista está vivendo, seus conflitos e suas incertezas.

Super recomendo essa leitura e agora só me resta aguardar a adaptação...

site: http://literaleitura2013.blogspot.com.br/2015/12/resenha-diario-de-uma-garota-normal.html
comentários(0)comente



cotonho72 10/03/2017

Interessante!
Minnie Goetze é uma garota de 15 anos que vive com a sua mãe e sua irmã Gretel na cidade de São Francisco, no ano de 1970, na Clay Street, em um bairro chamado Laurel Heights. Sua mãe vive saindo com homens diferentes, bebe demais, fuma e usa drogas, tudo isso na frente das filhas. Gretel, sua irmã, tem apenas treze anos e vive no seu quarto comendo e assistindo televisão. O namorado da sua mãe se chama Monroe Rutherford, e também gosta de beber, numa determinada noite ele deixou a Minnie provar um pouco de vinho, sua mãe e sua irmã tinha ido dormir e logo ela ficou bêbada, desta maneira Monroe começou assedia-la, mas ela achou aquilo inofensivo. Mas algumas noites depois, sua mãe não quis ir com ele em uma casa noturna e sugeriu que Minnie fosse com ele, assim acabaram ficando bêbados novamente e Monroe assim começa a ter liberdade com ela e começa a passar a mão nas partes do seu corpo.
Não demorou muitos dias para que Monroe conseguisse o que queria, Minnie falta na escola e ambos vão para a casa dele depois de terem bebido cerveja num estabelecimento, com ela alcoolizada decidem transar e assim ela perde a virgindade com ele. Ela acaba se apaixonando por Monroe, mas não pode estar todos os dias com ele, por ter descoberto o prazer no sexo acaba ficando com outros garotos de forma descontrolada, ao mesmo tempo em que sai com o Monroe, desta maneira o passar dos dias da Minnie só pioram e com pensamentos conflitantes acaba se envolvendo com pessoas ruins e que se aproveitam da sua inocência, assim sua adolescência vai sendo destruída aos poucos e a depressão é questão de tempo.
A autora Phoebe Gloeckner consegue de uma maneira nua e crua retratar a realidade de muitas garotas adolescentes, que acham que são independentes e decididas, mas que na verdade são ingênuas, em certos momentos vemos como se a Minnie fosse culpada e todos os atos de sua responsabilidade, mas sabemos que para sua idade o amadurecimento e compreensão estão bem longe, ainda mais no ambiente nada familiar em que ela vivia, sem pai e com uma mãe que não dava exemplo de nada, tudo fica mais difícil. O único que parece se preocupar com Minnie e sua irmã Gretel é o seu padrasto, que ela conheceu quando tinha 4 anos de idade e que agora só conversam por cartas, mas isso não lhe ajuda muito.
A leitura é bem envolvente e não é vulgar, o livro tem muitas ilustrações, mas são bem explicitas, apesar de toda a arte gráfica estar no contexto da história.
Um livro forte que abordar assuntos importantes como família, amor, amizade, drogas, alcoolismo, descoberta da sexualidade, abuso sexual e a adolescência.

site: http://devoradordeletras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Pri 15/11/2016

{Resenha} Diário de uma garota normal - Blog As Meninas que leem livros
Então. Eu não fui uma adolescente normal, se a Minnie for o exemplo de uma adolescente normal.

Calma, vou explicar direitinho!

Minnie é uma menina aparentemente doce, numa fase muito atribulada de sua vida: ela não gosta muito da escola, seus pais são separados e ela raramente vê o pai. Sua mãe se envolve com muitos homens, usa drogas e bebe demais, isso tudo dentro de casa. Ela não tem muita afinidade com a irmã mais nova, são praticamente estranhas (embora em alguns momentos, Gretel mostre preocupação com Minnie, não vemos uma recíproca real).

Um dos amantes de sua mãe vive dando bebida alcoólica para Minnie que está com os hormônios à flor da pele e não é muito difícil imaginar o que acontece entre eles, né? Confusa com seus sentimentos, ela vai caindo cada vez mais num momento de letargia e autodestruição.
[...]
Continue lendo no blog!

site: http://www.asmeninasqueleemlivros.com/2015/12/diario-de-uma-garota-normal.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR