A Irmã da Tempestade

A Irmã da Tempestade Lucinda Riley




Resenhas - A Irmã da Tempestade


81 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Ana 11/01/2020

Inspirador
Diferente do primeiro, que acelerou o final, nesse livro a autora conta três grandes histórias de forma tranquila.

Confesso que no começo eu achei que a história principal seria mais uma de amor como o primeiro - previsível - mas, apesar dos indicativos e pistas pelas páginas do livro, tornou-se surpreendente. Assim como as outras duas histórias...

Sobre o enredo principal da coleção, vão aparecendo dicas, pistas e claro, aquela vontade de ler tudo de uma vez.

Passei uma noite em claro lendo esse livro (mais uma tarde inteirinha).
comentários(0)comente



ritita 28/11/2018

Decepcionante
A história é fictícia, mas não precisava ser tão fantasiosa, além disso a tradução de Fernanda Abreu* é da pior qualidade e a revisão de Clarissa Peixoto / Raphani Margiotta** é pior que muito ruim.

Eu não sou tão chata assim para leituras, mas como a história é muito arrastada, erros crassos acabaram me incomodando e tirando a graça da leitura.

Vejamos:

a) mulheres em todo o tempo que discorre a história - de 1875 a 2007 não conhecem os sintomas de gravidez. Oi?

b) trechos inteiros onde foi usado copiar e colar, e a boboca aqui teve que voltar na história para confirmar. Ooi?

c) dizer que o sujeito não conhece algarismos romanos porque não estudou latim? Oooi?

d) O pai de um dos personagens beira os 70 anos e cresceu nos anos 60? Valha-me Nosinhora da matemática!

* Não tenho o hábito de querer saber quem traduziu, mas a coisa é tão descaradamente rasteira que fui procurar.
** Idem, idem

Não fosse isto (e é muita coisa), não fosse a história repetitiva e com excesso de diálogos absolutamente dispensáveis, talvez - eu disse talvez, eu desse nota 4, mas levou apenas 3.

Não vale a fama.
comentários(0)comente



Mi 06/03/2019

A irmã da tempestade, segundo livro da série As sete irmãs, narrado na perspectiva de Ally (Alcione) segunda filha adotada por Pa Salt.
Como no primeiro volume, depois da misteriosa morte do patriarca, cada filha recebe uma carta de despedida e uma pista que as levarão até a família biológica.
Inicialmente Ally não vê a necessidade de descobrir sobre sua origem, entretanto, alguns fatos fazem com que ela se sinta perdida e insegura para o futuro. Neste sentido, Ally se vê embarcando para a Noruega. E, embora ela teve muitas percas, ao ir atrás do sua origem acaba ganhando alguns presente para a vida.
Devo destacar aqui que Ally era velejadora e flautista.
Tem dois anos que li o primeiro volume e tinha me esquecido o quanto Lucinda é encantadora e nos faz transportar pra longe e embarcar nessa viagem de descobertas. Os livros dela geralmente são volumosos, mas o enredo é tão envolvente que isso é irrelevante. Me emocionei de mais com a história de Ally.
E estou tão empolgada com a série que comecei o terceiro volume antes de postar esta resenha. Rs.
comentários(0)comente



Mariane 04/03/2019

A Irmã da tempestade é o segundo livro de uma série de sete (seis, ou mais?) livros. A história se desenrola após a morte de Pa Salt (pai adotivo), quando todas as seis irmãs se reúnem (se é que ele morreu mesmo, tenho minhas dúvidas). Cada uma das seis irmãs foi adotada de um lugar do mundo, cada uma tem sua história. Pa Salt deixa uma pista para cada filha, caso elas queiram ir em buscar de sua história real. Sim, são seis irmãs. A sétima irmã (o que faria jus ao próprio título do livro) não foi adotada pois não foi encontrada a criança certa de acordo com as sete irmãs mitológicas (Plêiades). Esta é a história de Ally, uma velejadora profissional que vê sua vida se transformar em decorrência da morte de duas pessoas que ama.
Lucinda é uma escritora incrível que envolve passado e presente de uma forma maravilhosa. O fim de seus livros nunca é previsível. Mas atenção: depois que você ler algum livro dela, você ficará exigente!
comentários(0)comente



Sandra 20/01/2016

07 - 20 janeiro 2016,maravilhoso
Segundo de sete, divino, leitura gostosa , envolvente.. Historias entrelaçadas, passado e presente. Tocante, comovente.
Adoreiiiiii
comentários(0)comente



Elis 25/04/2020

Muito bom!
O livro A irmã da tempestade, da Lucinda Riley, te proporciona uma leitura fluida, que te prende ali naquele universo até que você perceber que, infelizmente, acabaram as páginas.


Indico muito esse livro pra quem curte um romance com drama, e uma pitada de mistério. Sendo assim, uma ótima leitura pra curar o tédio e passar o tempo, te levando para uma aventura por lindos cenários e pela vida de Ally, narradora da história.
comentários(0)comente



Analu 09/09/2020

Superou o primeiro livro da série!
O livro retrata a saga da segunda filha de Pa Salt em busca da sua origem. Ally, a velejadora independente, se entrega a uma aventura na Noruega em busca do seu passado. Com o desenrolar da história criei uma conexão forte com a personagem e acompanhei com ansiedade cada momento até o lindo final. A autora Lucinda Riley conseguiu fazer a história da Ally mais emocionante que Maia. Leitura leve e prende muito atenção para continuar a saga das irmãs. Recomendo! Que venha a Estrela, a irmã da sombra.
comentários(0)comente



Eliane Maria 02/12/2015

O que eu achei do romance.
Achei fantástica a ideia de Lucinda, começar o romance dando uma recapitulada no corpo central da estória, mas na visão de Ally.
O que torna fácil para quem não leu o primeiro volume conseguir perfeitamente acompanhar a saga.
Nota-se claramente pela riqueza de detalhes, que houve uma pesquisa minuciosa para a construção desse livro.
Amei aprender hobby novos, fui diversas vezes pesquisar sobre os mesmos.
E literalmente embarquei nessa viagem junto com Ally para descobrir o seu passado através das pistas que Pa Salt deixou.
Os lugares por onde Ally passa, são magníficos. Lucinda descreve com maestria esses lugares.
Eu que sou apaixonada por viajar, consegui visualizar mentalmente essas paisagens.
Romance recheado de paixão, desencontro, tragédia, alegria, desapontamento, renúncia, perseverança, reviravolta, esperança, amor, amizade, companheirismo e etc.
Sem contar que é uma característica de Lucinda, nos brindar com uma estória dentro de outra estória, tudo bem interligado.
Tanto o passado, quanto o presente eu amei a narrativa. E dentro da minha mente ao término do romance eu fiquei horas, imaginando o futuro daqueles personagens.
Para mim esse romance foi pura emoção, me peguei chorando, decepcionada, alegre, assustada, surpresa e agradecida a Deus por ter uma autora tão talentosa no meio de nós.
E eu ter a oportunidade de ler os livros dela.
comentários(0)comente



maiaagnes 18/01/2018

incrivel
A irmã da tempestade é o segundo volume da série As sete irmãs o livro relata a história da segunda filha de Pa Salt, a Ally (Alcione) D’Apliése. Ela é conhecida entre suas irmãs como a “a líder”. Ally é uma grande velejadora profissional, ela participou de grandes competições de regata e possuí muita experiência. Ela herdou a paixão pela vela de Pa Salt, seu pai adotivo. Certa ocasião em que participava de um treinamento para uma competição, ela conhece Theo, o líder de sua equipe, após algum tempo os dois se apaixonam e iniciam um romance.
Tudo ia bem até o dia em que recebe a notícia da morte de seu pai. Pa Salt deixa pra cada uma das filhas uma pista sobre suas origens. A princípio Ally não sente motivada em descobrir seu passado, porém uma reviravolta faz com que ela busque uma forma de recomeçar sua vida.
comentários(0)comente



Glaucia @blogmaisquelivros 26/02/2016

A Irmã da Tempestade é o segundo volume de uma série de sete livros intitulada “As sete irmãs” escrito pela autora Lucinda Riley. Eu particularmente ainda não tinha lido nenhum dos livros da autora e depois de me informar bastante, ficou claro que não haveria problemas iniciar minha descoberta acerca da escrita de Lucinda através desse livro.

Narrado em primeira pessoa, nesse volume conhecemos a história da velejadora Ally, segunda filha entre as sete irmãs adotadas por Pa Salt. Fascinada pela vida ao mar e por velejar, Ally nem imaginava que receberia ali no mar a notícia mais triste de sua vida - seu amado pai está morto. Desesperada e sem acreditar que nunca mais verá o pai, Ally volta para Atlantis em busca do consolo que apenas Ma e suas irmãs poderiam lhe oferecer nesse momento tão difícil.


Após a morte de Pa Salt, Ally e suas irmãs recebem uma carta e pistas que poderão leva-las a encontrar suas verdadeiras origens, afinal cada irmã parece ter sido encontrada em um país diferente. Sem motivos fortes que possam prendê-la em Atlantis, fora todas as lembranças de infância que a casa na qual cresceu trazem sobre ela e o pai, Ally parte para a Noruega em busca de encontrar respostas sobre o seu passado. Nessa jornada nossa protagonista encontra uma história fascinante que pode estar relacionada à sua, e quanto mais se aprofunda nessa história, mais Ally descobre que as aparências muitas vezes podem enganar e que nem tudo é o que parece ser.

Como eu nunca havia lido nada da Lucinda, sinceramente não sabia o que esperar desse livro, porém quando inicie a leitura me vi em uma jornada de descoberta junto a protagonista, e a cada pista que Ally encontrava tornava a leitura ainda mais eufórica e dinâmica. Dentro da história de Ally, ainda conhecemos a história de outros personagens que podem estar ligados a sua origem, dentre eles a história de Anna e Jens que foi a minha favorita. E é quando Ally mergulha na história de seus antepassados que as coisas começam a ficar ainda mais interessantes.

Nessa teia que envolve a história de Ally, Jens e Anna, descobrimos uma história de amor e descoberta ligadas por uma só paixão - a música. E Ally que havia largado a tempos sua paixão pela música para seguir sua paixão por velejar, descobre que talvez seja nessa ligação pela música que residem as respostas para tantas perguntas. Quem leu o livro provavelmente concordara que a história de Anna sem dúvida foi um dos pontos altos do livro, sinceramente eu queria saber mais detalhes sobre a vida dessa personagem.

Em relação a esse primeiro contato com a escrita da autora, só posso dizer que estou impressionada com a riqueza de detalhes em sua história. A narração da autora é tão segura que por vezes consegui captar exatamente tudo que era descrito nas cenas. Mas o mais impressionante é que eu que sempre fico entediada com histórias que viajam entre presente e passado, em momento algum tive essa sensação no decorrer do livro, pelo contrário, adorei embarcar nesse passado e conhecer ainda mais sobre os personagens que já não estavam ali para contar detalhes de suas histórias.

Durante o livro fiquei pensando em alguns acontecimentos relacionados à morte de Pa Salt e embora não tenha certeza, acho que o enigmático senhor que adotou todas essas meninas nomeando-as como a constelação das sete irmãs ainda trará muitas surpresas para os leitores. Mas isso é só uma opinião, rs.

Para aqueles que ainda não conhecem a escrita de Lucinda Riley, A Irmã da Tempestade é uma ótima oportunidade para se apaixonar e se encantar por essa autora.

site: http://www.maisquelivros.com/2016/02/resenha-irma-da-tempestade-lucinda-riley_26.html
comentários(0)comente



Beta Oliveira 28/08/2016

Em busca de respostas, Ally foi para a Noruega atrás de quem foi Anna. Sobre amor, ambição, família, perda e o incrível poder de se reinventar quando o destino destrói todas as suas certezas, costuradas por uma autora que sabe o que faz.

No Literatura de Mulherzinha: o texto completo sobre A Irmã da Tempestade, Lucinda Riley, relançamento da Editora Arqueiro.

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2016/08/cap-1234-irma-da-tempestade-lucinda.html
comentários(0)comente



Carol.Cuofano 31/10/2018

Lucinda Riley é ótima
Mais uma leitura concluída. E mais uma vez eu indico a leitura de Lucinda Riley.
Aqui acompanhamos a jornada de descoberta das origens da segunda irmã Ally. A narrativa é deliciosa e nos leva para lugares lindos e incríveis.
A autora já aproveita e deixa alguns ganchos sutis para as histórias das próximas irmãs e um gancho nada sutil para a leitura do terceiro livro.
Confesso que enrolei um pouco para terminar pois não queria me despedir de Ally.
Livro gostoso, leve e encantador.
comentários(0)comente



Ana Ira! 25/11/2018

A Irmã da Tempestade é o segundo volume da série As Sete Irmãs, da autora irlandesa Lucinda Riley. A série conta em cada livro a história de uma das seis irmãs, e podem ser lidos separadamente, sem ser na ordem de publicação. Até agora foram lançados cinco volumes, e sim, teremos sete, mesmo a sétima irmã não tendo sido encontrada - e é aí que vem minhas especulações, aguarde até o final da resenha!

A Série As Sete Irmãs nos apresenta a família D'Aplièse e cada livro é narrado por uma irmã. Em A Irmã da Tespestade conhecemos a segunda mais velha, Alcione, ou como é mais conhecida, Ally, uma grande velejadora e flautista. Essa família mora na Suíça e é formada por seis irmãs adotivas, cada uma adotada de um país diferente por Pa Salt, um homem riquíssimo e muito misterioso, que as amava demais e fez de tudo pelas meninas. E deu para cada uma um nome das sete estrelas da constelação das sete irmãs, as Plêiades. Mas ele nunca adotou a sétima irmã (Mérope).

Bom, sem ser spoiler, mas os livros dessa série já começam com a morte de Pa Salt e a esfera armilar com as coordenadas geográficas para suas filhas descobrirem seu local de nascimento, com uma carta para cada uma e um suvenir que tem relação com sua família biológica, assim, deixando nas mãos delas se querem ou não descobrir sobre seu passado.

A história da Ally me impactou muito mais do o terceiro livro A Irmã da Sombra, que li no começo do mês. A Ally é uma mulher sucinta, prática e decidida. Sempre amou tocar vários instrumentos, principalmente a flauta, mas como amava velejar e seu pai era marinheiro, ela acabou escolhendo ser velejadora como profissão.

Ally começa a namorar Theo, seu novo chefe de vela, que é um homem muito organizado, gentil e competidor. O namoro nasce rápido e os dois são lindos juntos, apesar de que a notícia da morte do pai a pega de surpresa e a faz se sentir culpada por ter estado viajando com o Theo no dia em que ele faleceu.

Ao voltar para casa e receber a carta, um livro e o patinho de borracha que Pa Salt lhe deixou, Ally ainda está muito triste e abalada e não pensa em buscar por sua família biológica, mas sim, em correr para os braços e o conforto de Theo. O que ela não esperava é que um furacão estava à sua espera...

Esse foi um dos livros mais tensos que já li. Apesar de não ter aquela tensão que nos dá medo de continuar a leitura, Ally passa por um mar tão revolto, que olha, tive que virar duas noites lendo, porque eu simplesmente não conseguia abandoná-la! E o livro inteiro nos presenteia com diversas reviravoltas, umas boas, outras nem tanto, mas todas provando que nós somos mais fortes do que imaginamos...

Ally ao decorrer da obra passará por provações e perdas inestimáveis. Coisas novas vem, outras vão, mas ela teve que continuar. E foram tantos segredos e descobertas que eu não sei como ela teve saúde pra aguentar tudo não.

Com essas surpresas, Ally resolve seguir os passos que Pa Salt deixou e ir à Noruega, onde ela encontraria respostas sobre seu passado.

Na narrativa do passado, conhecemos a camponesa Anna Landvik, uma jovem pobre que canta como um anjo na igreja, e um professor famoso da cidade após ouvir falar dela, vai até sua casa para tentar conseguir a permissão de seus pais, para que a moça seja treinada e vire uma cantora na cidade grande.

Anna teme à princípio, porém, seu maior sonho é cantar profissionalmente, e ela vai, com medo e dúvidas, pronta para tentar.

Anna vai descobrir um novo mundo, sendo cantora de ópera e de teatro. Ela faz sucesso instantâneo, e é cercada por muitas pessoas que se dizem admiradoras de seu trabalho, embora nem todas, a admirem de verdade...

A Anna foi uma das minhas personagens mais querida, adorei ela, no começo, entretanto, porque depois ela começa a fazer algumas escolhas beeeeem erradas, jogando tudo pro alto, que me decepcionaram bastante! rsrsrs

Ao conhecer um dos músicos do trabalho, Jens, Anna acaba se apaixonando e tendo sua vida virada de cabeça pra baixo.

O Jens é um estúpido! O tipo de homem tranqueira, já conhecido, embora a coitada da Anna o ame e acredite nele. É aí que muita coisa ruim acontece com ela, e mais e mais reviravoltas.

Eu gostei muito da Anna, apesar dela ter feito escolhas ruins e, a meu ver, erradas, achei ela muito simpática, talentosa e batalhadora. Ela tem um papel fundamental na história e a ligação dela com a Ally é incrível!

Voltando à Ally...
Gente, eu adorei todas as reviravoltas, as atitudes e a compreensão da Ally, ela sofreu muito mesmo, e não deixou a peteca cair, seguiu em frente e o final foi lindo e muito fofo! Adorei tudo o que ela "reencontra" na Noruega, que é por sinal, um país que eu não conhecia bem, e achei bem da hora, ainda mais por ser tão "musical". Isso é o que eu mais gosto nos livros da tia Lu, ela sempre mescla passado com presente, interligando-os através de culturas diferentes, países distintos que são unidos sempre pela dor e pelo amor! Maravilhoso!

Mais uma vez a Lucinda fala sobre a Segunda Guerra Mundial, em especial sobre a perseguição aos judeus, e foi outra parte que me tocou muito!

Pra quem, assim como eu, adora ler sobre outros países, leia a série As Sete Irmãs que vocês vão amar!

Falta pra eu ler da série os livros As Sete Irmãs #1 e A Irmã da Pérola #4, provavelmente só terminarei em Dezembro e assim que o fizer, resenho aqui pra vocês!
O quinto livro foi lançado dia 12 desse mês, A Irmã da Lua #5, porém, devido ao preço altíssimo não comprarei esse ano, não! kkkkkk
O sexto e o sétimo devem sair nos próximos anos, geralmente são lançados um por ano.

E como eu disse no começo da resenha, trago especulações (NÃO É SPOILER, é só minha opinião): eu acho que o Pa Salt não morreu e que a sétima irmã, a Mérope, está viva e tem um passado todo especial. Por que acho isso? Porque são sete livros mesmo que serão lançados, e porque, bem, só lendo você saberá... tem alguns detalhes, algumas coisas que vão acontecendo que dão a perceber que o Pa Salt não é bem o que a gente achava que era... E aí, será? O que vocês acham?

site: https://elvisgatao.blogspot.com/2018/11/resenha-irma-da-tempestade-lucinda.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nanda | @bluecandybooks 06/01/2018

Noruega e música!
Lucinda Riley realmente me conquistou nesse livro. No primeiro livro da série As Sete Irmãs, não consegui me identificar muito com a Maia e não me envolvi tanto com a história, mas, em a Irmã da Tempestade, ela capturou minha atenção e sentimentos. O livro fala sobre perda, superação, reencontros, família e amor.

Ally é a segunda irmã adotiva das 6. Ela foi a segunda a chegar e é uma espécie de líder delas. Com sua personalidade espontânea espírito esportivo, Ally Conquista todos por onde passa. Quando descobre que seu pai acabou de morrer subitamente, Ally está arrasada e tentando se encontrar, seu pai também deixou para ela e as irmãs pistas sobre seu passado, onde encontrar sua família e voltar suas origens. Ally não está disposta a embarcar nisso, então descarta a possibilidade de investigar seu passado. Ela está vivendo um romance inesquecível com seu capitão da Vela, Theo, que também está ajudando ela a superar sua perda. Mas tudo da errado no dia da regata que eles treinaram tanto e um acidente arruina todos os planos de Ally. Desolada e perdida, ela decide ir atras das pistas sobre seu passado e embarca para a Noruega que foi o destino marcado nas coordenadas. No início o que era apenas uma distração, acaba se tornando mais revelador e surpreendente do que Ally imaginava.

O livro é emocionante demais. Com o tema música em questão, nós conhecemos junto com Ally, a história de seus antepassados músicos e o porque dela ter essa musicalidade nas veias. A história intercala Entre o passado mostrando Anna e Jens, Pip e Karine, Felix e Martha até chegar em Ally.

Particularmente falando, eu amei a história de Anna e Jens, apesar de ter passado muita raiva, os capítulos deles tem momentos emocionantes e devastadores, eu não conseguia parar de ler. Os capítulos de Pip e Karine são intensos e impactantes, eu adorei também e me vi chorando no final. E o capítulo de Felix e Martha é muito triste.

A maneira como as coisas vão se encaixando e juntamente com Ally nós vamos descobrindo coisas e nos aventurando cada vez mais pela Noruega e Alemanha, quando menos esperamos o livro termina. Eu fiquei apaixonada de verdade, apesar da Lucinda ter partido meu coração incontáveis vezes durante a leitura kk mas pude tirar uma grande lição dessa história. Eu super hiper recomendo esse livro, mas antes é claro, você precisa ler o primeiro livro As Sete irmãs, apesar das histórias das irmãs serem independentes, mas elas se encontram em alguns momentos dos livros, então é importante você ler na ordem para tentar entender direitinho.

"No seu momento de fraqueza você vai encontrar sua maior força."
comentários(0)comente



81 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6