A Lenda de Materyalis

A Lenda de Materyalis Saymon César
Saymon César




Resenhas - A Lenda de Materyalis


58 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Vinicius.Correa 15/02/2020

A Lenda de Materyalis foi um livro que me interessou logo de cara. Por ser um livro de fantasia e se tratar de uma guerra ideológica, assunto que esta bem em alta ultimamente, ele adquiriu minha atenção sem muito esforço. Entretanto o começo dele é um tanto complicado. O autor usou as primeiras 40 páginas (gira em torno disso) para nos posicionar corretamente no meio da história, ou seja, foi um começo com informações atrás de informações. O que na minha opinião, deixou a história bem carregada e com um ritmo lento e que pode ser um motivo que leve a leitores menos interessados a abandonarem a leitura, mas enfim, são meros detalhes, pois após essa saraivada de informações introdutórias, somos apresentados a uma história de escrita envolvente e de ritmo rápido. Entretanto, confesso que eu não absorvi de primeira o conteúdo pesado das primeiras páginas e durante a verdadeira história eu tive que reler para entender melhor o que se passava, ressaltando que esta foi a minha experiência, e que, obviamente, pode ser diferente de uma pessoa pra outra... Mas apesar dos poréns, fui realmente surpreendido com a história, que demonstrou ser muito mais do que eu imaginei (ainda mais depois das temidas "primeiras páginas").

A história parte da premissa de que o universo a qual os personagens do livro vivem foi criando por um único ser superior conhecido como Materyalis, o Deus supremo. E por circunstancias do destino, tal ser supremo dividiu-se em dois. Tendo a essência de Materyalis divida em duas, uma do bem, e outra, do mal. Originando Materyon o benévolo e Marilis o perverso.

Dado esses acontecimentos, com o passar dos anos surgiu duas novas ideologias com embasamento nestes dois seres, que são elas:

- Teryonismo: São os que acreditam em Materyon, o deus bom.

- Marilismo: São os que acreditam em Marilis, o deus mau.

Tais ideologias também carregam, além de palavras, a personalidade de seus fiéis, com eles espelhando-se na essência de seu deus central. Entretanto, há pessoas que não se adaptaram a nenhuma dessas ideologias e passaram a crer secretamente em uma outra ideologia, o Emylismo que crê que os dois deuses devem se juntarem novamente para atingir a perfeição, o equilíbrio entre o bem e mau.

Enfim, a história é narrada em terceira pessoa através de relatos das visões mostradas através de um cristal mágico conhecido como Sinkrorbe e vistas por Harcos. Harcos é um profeta participante de uma seita secreta chamada de Venirismo, que visa interpretar e entender o verdadeiro significado das escrituras de Materyalis e para ele cumprir essa missão ele deve encontrar o Sinkra, um misterioso objeto que, segundo o que nos foi informado, é o único que pode mostrar a verdade. E para ele encontrar o Sinkra ele deve recrutar um grupo de pessoas especiais que provavelmente são as presentes nas visões mostradas através do Sinkrorbe.

O livro é dividido no relato de três visões, que nos apresentam cinco personagens que são: Liliel, Sarlakros, Morhariel, Hirlun e Dotter. Esses 5 personagens se unem em uma missão para averiguar o motivo de tantos assassinatos e ataques provavelmente causados por um Majurk (basicamente um humano que se transforma em um urso gigantesco) que vem acontecendo em um ponto remoto de Aliank (O reino).

Achei o desenrolar dessa história bem fraquinho, mas ainda assim bem intenso. Principalmente no final, que é aquela hora em que você finalmente descobre que está se apegando aos personagens e BUUUM, tudo desmorona, e teus sentimentos são totalmente destruídos. A grande jogada não é criar um primeiro livro que acabe com todas tuas dúvidas logo de cara, e sim, fazer uma introdução, até mesmo que pesada, te envolver na história e criar uma sequencia arrebatadora e ai sim, ter criado um livro espetacularmente incrível. Pelo menos foi essa a impressão que eu tive, pois eu me envolvi com a história e estou suprindo altas expectativas para o segundo livro, que creio eu será infinitamente melhor do que este (não que este tenha sido ruim, longe disso... Mas vocês me entenderam, né?).

Por isso, as minhas considerações finais, são que o livro apesar de um começo desanimador, ele compensa com a história, que são os relatos das profecias e apesar de que elas não sejam tão complexas e extraordinárias vistas sobre a perspectiva geral de um livro único, deixam um imenso clima de expectativa para a sua sequencia.

site: http://decidindose.blogspot.com/2016/09/resenha-lenda-de-materyalis-saymon-cesar.html
comentários(0)comente



Corredora Literária 15/04/2018

A Lenda de Materyalis | Blog Corredora Literária
Olá Corredor Literário
Na resenha de hoje falo sobre a obra A Lenda de Materyalis do autor Saymon Cesar. Como sempre é uma resenha livre de spoilers, então fique tranquilo e espero que aprecie!

A narrativa inicia-se com uma carta do personagem Mudrik para Harcos, narrado é claro em primeira pessoa. Mudrik é acusado de heresia, por isso está refugiado, nesta carta ele deixa orientações e alguns objetos aos nove sucessores (dentre eles está Harcos) da ideologia venirista. Eles estão à procura do Sinkra, um objeto que supostamente detém a formula da criação da vida e dá a quem o possuir um enorme poder, desejam com ele acabar com a guerra ideológica que já dura há milênios entre as duas ideologias conhecidas como Marilista e Teryonista, chamada de Marteja pelos antigos.

Um dos artefatos deixados por Mudrik é o cristal esférico, o Sinkrorbe, objeto esse que mostra o futuro próximo e é por meio dele que acompanhamos as profecias, as oito visões que o Harcos presencia durante uma noite inteira. Esse artefato possui dia, horário e tempo (referente as estações do ano) correto para ser administrado e obter resultados efetivos. Com essas visões Harcos pretende encontrar pessoas que possuam habilidades para se juntar ao grupo em busca da Sinkra.

Após a carta de anotações iniciais e antes da primeira visão de Harkos, há uma mapa do Reino de Aliank, que me ajudou bastante a me situar e a entender o funcionamento de tudo.

A trama foca nos ataques de Marjuk (uma espécie de urso bestial), porém há suspeitas de que seja a própria guardiã da floresta Majara, a metamorfa Dotter, que pode estar por trás de tudo que vem acontecendo em torno do Reino, portanto dois Grankans que possuem poderes específicos (Sarlakos um homem rude e genioso e Liliel uma elfa justa e destemida) são destinados a missão de investigar e trazer a julgamento o culpado. Nesta equipe Sarlakos e Liliel são acompanhados por outros elfos Elorkans que possuem outros tipos de especialidades e pegam caminhos distintos para cobrir uma área maior.

Assim cada núcleo de personagens aparecerá em uma visão do Sinkrorbe, mas mesmo antes dessa divisão de equipe, Harcos já assistiu algumas situações pelo Sinkrorbe (a propósito, a personagem herege Ridka ficou "meio de lado" mas sinto que o autor fez propositalmente, pois haverá algo maior envolvido com ela).

A floresta de Majara guarda um segredo obscuro, a floresta possui uma maldição que atinge todos os elfos, então para que eles possam entrar no local usam uma proteção bem peculiar, pois correm risco de vida. Há outra coisa muito tenebrosa envolvendo Dríades (que não irei contar por conta de spoilers).

Esta obra contém dois seres incomuns nas minhas leituras, um elfo alado e também é citado o elfo do mar (creio eu que é um gancho para o próximo livro, acho incrível quando sou surpreendida assim).

Mas quem é Materyalis??? Ele é descrito na maior parte das ideologias como a divindade suprema, responsável pela criação de tudo, já para outros Materyalis é definido como um fenômeno de consciência parcial da gênesis e a incerteza acerca do assunto provocou então a guerra ideológica entre diversas raças e que se estende por milênios.

O dragão Garlak (a coisa fofa e meiga da capa) jaz adormecido dentro de um vulcão e o personagem Berong (rei de Aliank) não aparece em nenhuma cena fisicamente é apenas citado como resolvendo alguns problemas, esse mesmo rei foi quem adormeceu o dragão, então algo de muito sinistro deve estar escondido nesse núcleo palaciano, outro belo gancho para me segurar. Talvez haja até mesmo pessoas disfarçando sua ideologia, infiltradas no palácio ou talvez até mesmo mais ideologias?!

Com certeza o autor também terá muito mais coisas boas a apresentar nas próximas obras, usando os ganchos deixados e explorando novos caminhos, pois nessa obra em questão já fui surpreendida, me vi em meio a guerra de ideologias (creio que ele poderá explorar tanto o passado quanto o futuro da trama tomando este livro como base).

Esta obra possui linguagem, símbolos, seres, êxodo, mitologia, mundo, e é claro sistema de magia próprios.

A prosa tem um ritmo agradável e constante, a leitura fluiu muito, aquele tipo de leitura que você diz a si próprio: Vou ler só mais um pouquinho por hoje!... Mas é impossível parar!

O autor desenvolveu e definiu muito bem a personalidade de cada personagem, os deu vida realmente, muito além de apenas páginas viradas. Fiquei triste até com a morte de um guarda real (um personagem não tão importante de fato, ou seja, esse autor tem o dom de cativar o leitor).

As cenas de batalhas são incríveis, ricas em detalhes na descrição, fiquei tensa, suei como os personagens e senti o sangue espirrando em mim.

Ao final do livro há anotações que me clarearam muito a mente a respeito das ideologias, explicações acerca dos símbolos e acerca das oito visões de Harcos (que servirão de apoio para as próximas obras). Para quem curte um bom e velho RPG a la D&G com certeza essa obra é um prato transbordante. Sem dúvida alguma essa obra tem que ser lida por você! E eu aguardo aqui ansiosamente pelo livro dois para contar para vocês! Aliás ele já está para ser lançado...

Conheça mais sobre a obra e o autor na Fan Page do Facebook A Lenda de Materyalis

Vejo você em breve!

site: https://corredoraliteraria.wordpress.com
comentários(0)comente



Yara Santos - @universodeutopia 30/03/2018

Acessem o ig: @universodeutopia
Universo de Utopia
06/10/16
A lenda de Materyalis - Saymon Cesar

A lenda de Materyalis é um livro escrito por nosso parceiro Saymon Cesar. No inicio do livro nos é apresentado carta e fatos de Herodon e acontecimentos do passado narrados por Müdrik (um venirista), é como se fosse uma breve introdução ao mundo que vamos nos aventurar. Materyalis o deus supremo, vendo todos os atos cruéis e corruptos dos seres, decidiu separar sua essência em dois deuses: Materyon o benévolo e Marilis o perverso. Sendo assim, são criadas ideologias diferentes: Teryonismo (Acreditam em Materyon), Marilismo (Acreditam em Marilis), Emylismo (Acreditam que separados são imperfeitos e falhos) e ainda o Venirismo (uma sociedade secreta que busca a verdade sobre Materyalis e a criação do mundo).

A história é narrada por Harcos, jovem que vive no reino de Aliank sob uma guerra ideológica, chamada pelo autor de materja, que divide seu mundo. Ele tem como objetivo reunir dez Denins (seres capazes de controlar três fundamentos de energia, por meio de habilidades extras, conhecidas como dens) e chegar até o Sinkra (objeto de influencia sobre o mundo), para isso, ele conta com a ajuda das visões fornecidas pelo Sinkrorbe.

A obra traz um mundo rico em paisagens, construções e raças (algumas conhecidas como os elfos e humanos, e outras nem tanto como os majurk), coisas que o autor descreve ao longo do livro de forma bem explicativa. Toda a complexidade da historia, deixa o leitor imerso nas mitologias e na jornada dos personagens.

Quando li me senti exatamente como num jogo de RPG, até imaginei com qual personagem jogaria (o que me fez perder um boom tempo visualizando cenários e aventuras rsrsrsrs). Apesar de conter nomes complexos e explicações das criações do escritor, a leitura não se torna chata, nem repetitiva e sua conclusão é simplesmente espetacular, nos deixando com um gostinho de quero mais para o próximo livro!
comentários(0)comente



Thiago Drumond 26/12/2017

Recomendo !!
Li Lenda de Materialys, do grande autor Saymon César. Não sou muito bom em fazer resenha sem dar spoiler, então, o que posso dizer é que é um livro muito bom, com leitura fluida, personagens com características individuais que são bem exploradas. Livrão !! Super recomendo !!
comentários(0)comente



mari 25/09/2017

Adorei ler!
O tipo de narração da um leve toque de mistério, é uma leitura clara e fácil. Só fiquei com gosto de quero mais.
Ansiosa para a continuação.
comentários(0)comente



Jis Rocha 17/09/2017

Interessante
Primeiro livro explica muitas coisas que iremos precisar ter conhecimento para os próximos livros , assim como os possíveis indivíduos que irão ajudar com os seus poderes a encontrar o Sinkra, para enfim descobrir a verdade sobre a Lenda de Materyalis. Agora é esperar o próximo livro.
comentários(0)comente



Helena 05/04/2017

A Lenda de Materyalis - Saymon César
O livro inicia com "Anotações Iniciais", elas são compostas por cartas escritas em norma culta. A primeira é escrita por Müdrik, em que ele fala do ideal venirista, que tem como inspiração Venir, "o sol dos planos espirituais", e buscam servir como inspiração para que o povo não caia em caminhos tortuosos. Este teria sido criado por Materyalis, que é "um fenômeno de consciência parcial da gênesis para alguns, ou, na maior parte das ideologias, descrito como uma divindade suprema e responsável pela criação de todas as coisas".

Ele explica a busca pelo Sinkra, que é um artefato bastante desejado em Hedoron, por acreditarem que ele contenha "a fórmula da criação e da vida". Este pode ser bastante perigoso se cair em mãos erradas, principalmente no mundo descrito pelo livro, de guerra ideológica.

Uma peça chave deixada por Müdrik é um cristal esférico, que são chamados de sinkrorbes, eles "mostram, em seu interior, visões de um futuro próximo com grande relevância no mundo, provocadas por indivíduos dotados com forças misteriosas". Eles são os denins, cujas habilidades são divididas em dez "dens".

O sinkrorbe mostrará profecias que deverão ser registradas. Serão visões focadas em dez denins em fatos importantes que mudarão o mundo. Necessitando do poder dos denins, deverá escolher aqueles que simpatizem com a causa venirista, para chegar ao Sinkra. Podendo também ser necessário persuadi-los.

As próximas cartas são de Harcos, uma delas fala sobre a ideologia teryonista, em que "tem como foco levar seus seguidores ao caminho da evolução espiritual por meio do flagelo da vida e à paz eterna após a morte por intermédio dos ensinamentos do deus Materyon, que teria surgido após a divisão da essência de Materyalis em duas criaturas". Surge, nessa divisão, duas entidades: "Materyon, o deus da completa benevolência, e Marilis, o deus maldito". O mundo foi nomeado como Hedoron, que significa "primeiro (hedo) mundo carnal (ron)", criada para que possam evoluir espiritualmente.

Mesmo que tenha objetivos pacíficos, alguns de seus seguidores a interpretam de forma errônea, querendo impor sua ordem ideológica, que ocorre, por exemplo, no reino de Aliank, através da inquisição. O nome Aliank tem referência à palavra "aliança". Uma homenagem de Berong a Slandragg, que lutou bravamente contra um dos seres mais perigosos da floresta de Majara: Garlak. Na sequência, o livro retrata oito visões.

Confesso que tive bastante dificuldade em entender o livro no início, principalmente porque sou péssima em decorar nomes, e tem muita informação! A estória (não gosto de escrever assim, parece bem arcaico, mas tem-se utilizado muito quando se fala de ficção) fica bem mais fácil de se entender quando começam as visões, e fica super interessante ir "encaixando as peças". Não detalhei mais porque não queria dar spoiler e porque tem bastante coisa!

Tudo vai ficando mais complicado e nossos queridos (e odiados) personagens terão lutas muito mais difíceis do que imaginavam. Até mesmo Sarlakros, que se acha o "todo poderoso" vai ter bastante trabalho (mesmo se for um infiltrado). Alguns personagens são retratados rapidamente, mas já dá pra se apegar e, claro, que o escritor foi bem malvado tirando alguns deles.

Fiquei curiosa pra saber o que vai acontecer com Rydka, se é que ela ainda será retratada. Mais ainda o suspense na floresta e "conhecer" Omaru, que é tão falado. Além disso, é apresentada mais uma ideologia, o Emylismo, que tem como objetivo "usar o Sinkra para reunir os dois deuses antagônicos novamente, usando o artefato para levar Materyalis à compreensão de que é o único ser capaz de manter o equilíbrio no Universo que construiu", e também surgem os servos de Nara-lan (que me deixaram bastante irritada). As três ideologias são bem explicadas no final do livro, além de informações sobre as energias e os dens.

O que virá a seguir? Como eles conseguirão sair da floresta? Muitas perguntas, curiosidades e ansiedade para saber o que acontecerá no próximo livro!

site: http://ramificandoideiaserealidade.blogspot.com.br/2016/11/resenha-lenda-de-materyalis-as-cronicas.html
comentários(0)comente



Emily Mari 19/01/2017

Qual é a melhor forma de falar sobre um tema sério e importante? Através de uma história fictícia é claro! Se misturar fantasia fica ainda melhor! É exatamente isso que temos em "A Lenda de Materyalis". Um mundo dividido em diversas crenças diferentes, onde as pessoas desejam fazer com que sua ideologia predomine sobre as outras e são capazes de tudo para isso, até mesmo torturar e matar.
O reino de Aliank foi formado após muita dor e sofrimento, quando o povo era escravizado por um dragão que servia ao deus maligno Marilis. Até que após uma grande luta eles conseguiram sua libertação e, sob a crença de que a vitória contra o dragão Garlak foi alcançada por meio da bênção do deus Materyon, todo o reino de Aliank passou a ser devoto do deus benévolo. Entretanto, com o passar do tempo, as atitudes tomadas para garantir que todos fossem fieis e seguissem à crença em Materyon passam dos limites e destoam completamente do que deveriam ser ações benévolas.
Com isso muitas pessoas passam a questionar desde as atitudes tomadas pelos governantes de Aliank, até mesmo à existência de Materyon e a veracidade da Lenda de Materyalis: a qual diz que o deus Materyon e o deus Marilis antes eram parte do ser surpremo, criador de todas as coisas, Materyalis. Que se dividiu dando origem a esses dois deuses extremamente opostos.
E é em busca da comprovação da verdade sobre essa lenda que inicia-se uma jornada em busca de pessoas especiais que possam se unir a essa busca pela verdade que trará a paz sobre o mundo que está em caos.
Familiar, não? Esse livro traz uma história incrível, cheia de ação, aventura, magia e criaturas fantásticas. Mas, principalmente, trata de um tema bastante real e conflituoso. Até onde somos capaz de ir para impor nossos princípios? Em que momento nossas ações ultrapassam o limite e passam a ser nocivas?
comentários(0)comente



Corujas de Biblioteca 26/12/2016

Resenha por Vitória Zavattieri do blog Corujas de Biblioteca
Materyalis é a principal divindade de Heredon, muitos acreditam que no inicio dos tempos essa divindade juntou tudo de ruim que possuía e se dividiu em duas, uma metade completamente boa e uma ruim. A partir dessa crença o povo criou diversas ideologias opostas para honrar a separação que Materyalis fez.

Logo no início somos apresentados a uma dessas ideologias, conhecemos um grupo de pessoas que não acreditam na história de Materyalis e que querem de alguma forma provar a sua existência. E é nessa busca pela verdade que o livro começa. Os veniristas são o grupo que busca a verdade sobre Materyalis, precisam de mais aliados, e com a ajuda dos sinkrorbes, esferas que mostram o futuro, o leitor vai conhecer dez pessoas com habilidades especiais que podem ajudar no propósito venirista .

O início do livro é um pouco cansativo, muita informação foi colocada nos primeiros capítulos para ajudar o leitor a se ambientar em Heredon, mas apesar de maçante, essa parte da leitura é muito importante para a compreensão do enredo. Cada capítulo nos apresenta uma visão que o sinkrorbe nos mostra, acompanhamos alguns personagens e também a situação em Aliank, que é uma região de Heredon.

O que me agradou muito nesse livro foi que o foco não é um grande monstro ou reino que visa destruir algo ou juntar poder. São pessoas que buscam a verdade sobre o que acreditam, o leitor vê que em Aliank os ensinamentos do deu benévolo Materyalis são completamente distorcidos a favor da vontade do rei, assim como ocorre em outras ideologias do livro. O que não me agradou foi o tamanho, no livro temos oito capítulos e apesar de muita coisa acontecer a cada nova visão senti que na realidade terminei a leitura muito longe do conflito principal da história, acho que esse primeiro livro poderia nos apresentar mais e também nos colocar a par do verdadeiro problema que nossos personagens encaram.

site: http://corujasdebiblioteca.com.br
comentários(0)comente



Universo de utopia 21/12/2016

A lenda de Materyalis
A lenda de Materyalis é um livro escrito por nosso parceiro Saymon Cesar. No inicio do livro nos é apresentado carta e fatos de Herodon e acontecimentos do passado narrados por Müdrik (um venirista), é como se fosse uma breve introdução ao mundo que vamos nos aventurar. Materyalis o deus supremo, vendo todos os atos cruéis e corruptos dos seres, decidiu separar sua essência em dois deuses: Materyon o benévolo e Marilis o perverso. Sendo assim, são criadas ideologias diferentes: Teryonismo (Acreditam em Materyon), Marilismo (Acreditam em Marilis), Emylismo (Acreditam que separados são imperfeitos e falhos) e ainda o Venirismo (uma sociedade secreta que busca a verdade sobre Materyalis e a criação do mundo).

A história é narrada por Harcos, jovem que vive no reino de Aliank sob uma guerra ideológica, chamada pelo autor de materja, que divide seu mundo. Ele tem como objetivo reunir dez Denins (seres capazes de controlar três fundamentos de energia, por meio de habilidades extras, conhecidas como dens) e chegar até o Sinkra (objeto de influencia sobre o mundo), para isso, ele conta com a ajuda das visões fornecidas pelo Sinkrorbe.

A obra traz um mundo rico em paisagens, construções e raças (algumas conhecidas como os elfos e humanos, e outras nem tanto como os majurk), coisas que o autor descreve ao longo do livro de forma bem explicativa. Toda a complexidade da historia, deixa o leitor imerso nas mitologias e na jornada dos personagens.

Quando li me senti exatamente como num jogo de RPG, até imaginei com qual personagem jogaria (o que me fez perder um boom tempo visualizando cenários e aventuras rsrsrsrs). Apesar de conter nomes complexos e explicações das criações do escritor, a leitura não se torna chata, nem repetitiva e sua conclusão é simplesmente espetacular, nos deixando com um gostinho de quero mais para o próximo livro!
comentários(0)comente



Amante dos Livros 21/12/2016

Fantasia incrível!
No Princípio dos tempos, o deus Materyalis - criador do universo - decepcionou-se com sua criação e resolveu dividir sua essência em dois deuses antagônicos... Materyon - o deus da benevolência - e Marilis - o deus maldito, formado pelas energias negativas - e desde então as sociedades subdividiram-se em suas ideologias e o mundo passou a viver em uma guerra sem fim.
Logo no início do livro, nos deparamos com uma carta - Anotações Iniciais - que nos mostram o propósito da missão dos Veniristas - Os que eram detentores da sabedoria absoluta - . Essa carta no início é bastante detalhada e acaba deixando a leitura um pouco lenta, mas as informações são essenciais para um melhor entendimento da história.
... Uma sociedade secreta que busca encontrar o Sinkra, um artefato milenar capaz de revelar todos os segredos da criação, para que assim possam acabar com os conflitos ideológicos dos povos, permitindo que a sociedade de Hedoron possa desfrutar tempos pacíficos.
A história vai sendo narrada através de visões realizadas com o Sinkorbe - um cristal - e vão revelando a busca por 5 seres - denins - que possuem aptidões - dens - capazes de controlar energias em Hedoron.


A Lenda de Materyalis é uma fantasia incrível, a criatividade do Saymon vai além do que já conhecia em diversos livros do gênero que já li, apesar de conter alguns personagens conhecidos como: dragões, elfos e nós, humanos... conhecemos personagens singulares como os majurks, ajargs... e somos surpreendidos com seres e poderes novos, ele também nos apresenta o mundo de Hedoron com uma riqueza de detalhes que nos faz visualizar o que estamos lendo. E ainda nos identificamos com conflitos religiosos entre crenças e "o bem e o mal", algo comum na nossa realidade atual.
Gostei bastante da diagramação e revisão do livro, não encontrei erros ortográficos e as folhas são amareladas e com fontes propícias para uma boa leitura.
Super recomendo o livro! Mais um nacional de fantasia incrível, com um toque medieval e que merece destaque por possuir uma escrita inteligente e instigante. Já ansiosa pela continuação!


Resenha completa com imagens no blog

site: http://amantedoslivrosmercia.blogspot.com.br/2016/12/a-lenda-de-materyalis-resenha.html
comentários(0)comente



silvia 23/11/2016

“Assim como qualquer um que influi diretamente na guerra ideológica, ou materja, como diziam os ancestrais, estou sedo caçado como um herege de uma determinada doutrina.” .
.

O livro A Lenda de Materyalis é mergulhado numa riqueza descritiva avassaladora e uma mistura singular de elementos do mundo de RPG.

A narrativa aborda a sociedade regida pelos mandamentos de Materyalis, suposto Deus criador do Universo e da vida, no entanto, perante os atos imprudentes e corrompidos das criaturas, deixa-o com a consciência aturdida e o leva a romper sua essência em duas entidades. Assim, nasce marteja, a guerra ideológica, com o intuito de consolidar a verdade entre todas as raças. A caça de um artefato singular é capaz de revelar a verdade absoluta de Materyalis e, assim, espantar as dúvidas dos povos. Mas, para atingir o objetivo é necessário cindo pessoas de habilidades peculiares residentes de Aliank.
.
. “Mas a incerteza sobre o que ele realmente era provocou a guerra ideológica entre as raças, que desconhece limites, destrói inúmeras vidas e já se estende por mais de três milênios.”
.

No início, o leitor é inundado por informações crucias pertinente ao enredo recheado de elfos, mestiços, dragão,humanos e outros, sobre cenários de guerra e a intolerância religiosa entre os povos. Vale ressaltar, a guerra ideológica é um tema da atualidade, o que me levou a desenvolver mais apreço pela história.No decorrer das páginas, a história encontra o seu time perfeito e segue como um riacho acalentador entre os personagens fortes e cativantes, poderes incríveis, eu fiquei encantada pela Liliel – um símbolo de mulher forte e guerreira. O final é surpreendente.
Um livro nacional com uma temática incrivelmente boa e, uma indicação notável para leitores apaixonados pela trilogia Eragon, para desfrutar uma leitura instigante.

site: https://www.instagram.com/sonhadorap/
comentários(0)comente



umadissertadora 20/11/2016

Resenha - A Lenda de Materyalis
O livro conta a história de uma guerra ideológica, chamada de Marteja, em consequência da divisão da essência do deus Materyalis (em Materyon e Marilis), o qual o povo acredita que originou o universo. Devido a essa divisão, houve uma divisão nas ideologias do povo, e cada uma defende um propósito (tendo todas uma ligação ao deus Materyalis). Há o Teryonismo, que prega que Materyon detém a verdade absoluta; o Marilismo, que prega que Marilis (considerado deus maldito) é a verdadeira essência de Materyalis; o Emylismo, que prega que essa divisão da essência de Materyalis foi um erro; e a Verinists, que detém artefatos que podem parar a guerra e está ligada a natureza. Algumas ideologias estão procurando o Sinkra, um artefato que poderá acabar com a guerra. E no início do livro temos uma carta enviada à Harcos, um verinista personagem principal do livro, com instruções e objetos que possivelmente irão ajudá-lo a encontrar Sinkra.
O autor escreve numa linguagem não muito usual, que no começo algumas pessoas podem até ter problemas para entender, mas depois você se acostuma (sem falar que na minha opinião a linguagem utilizada deu um toque muito bom a história). Os personagens são muito bem construídos e a história possui uma riqueza de detalhes maravilhosa, fazendo com o que o leitor fique curioso para saber o desfecho de tudo que foi apresentado até então. Sem falar desse final surpreendente que me deixou com a vontade de ler o próximo livro agora mesmo!!!!!
Acho que esse foi o primeiro livro que eu li que possui essa temática, e eu adorei. Todos deveriam ter a oportunidade de ler esse livro, e acho que aqueles que gostam desse estilo de história se encantariam ainda mais ??
comentários(0)comente



Fábbio - @omeninoquele 17/11/2016

Preciso ler o próximo livro logoooo!!!
Esse foi um dos livros que tive medo de começar a ler e que agora depois de terminado vai me fazer falta. Rs

A muito tempo atrás em Hedoron, o povo acreditava no Deus Materyalis, o deus que originou o Universo e a vida. Só que com o tempo a lenda diz que a divindade se angustiou com a imperfeição de suas criaturas e por achar que havia falhado, sua essência foi dividida, no qual deu origem a duas divindades distintas, Materyon, o Deus da completa benevolência e, Marilis, o Deus maldito, formado por toda carga de energias negativas de Materyon.

Em consequência dessa divisão, o povo de Hedoron travou entre si uma guerra ideológica também chamada de Materja, cujo único propósito é descobrir a verdade sobre Materyalis, como tudo se formou e assim trazer novamente a paz a Hedoron. O povo então se organizou em "ideologias", e cada uma delas luta por uma causa, e inicialmente são: Teryonismo, que prega que o deus Materyon é o deus detentor da verdade absoluta, o Marilismo que prega que Marilis, o deus maldito é a verdadeira essência a qual covardemente Materyalis renunciou. O Emylismo que prega que a divisão de Materyalis em duas criaturas foi um erro e que mesmo com essa tentativa os dois não se tornaram criaturas perfeitas e a Verinista que está ligada a natureza e a que detém artefatos que possivelmente pode resolver mais rápido essa guerra.

Para que essa guerra ideologica se resolva mais rapidamente algumas ideologias procuram um antigo artefato chamado "Sinkra" que é conhecido por ser detentor da "fórmula da criação e da vida" e que foi criado por Materyon na antiguidade para prevenir de adversidades que pudessem surgir, o Sinkra é uma força que mantém o equilíbrio do universo, repleto de conhecimento, e que pode ser extraido e interpretado por quem o tiver, e se cair em mãos erradas pode dar rumo a uma nova guerra, em consequência da possivel manipulação da verdade.

O livro é narrado por Harcos, um verinista que recebeu de Mudrik, provavelmente um líder da causa dessa ideologia, uma carta com três objetos valiosos para ajudar a encontrar o Sinkra, e um deles é um cristal, Sinkorbe que tem a habilodade de revelar visôes proféticas dos acontecimentos futuros de Hedoron. Ele funciona mostrando o que vai acontecer durante dez dias. E as visões só acontecem a noite.
O propósitp de Harcos, além de encontrar o Sinkra é encontrar também dez denins que o ajudem em sua causa. Os denins são os seres que possuem os "dens" que controlam três tipos de energias em Hedoron.
Neste primeiro livro, Harcos narra acontecimentos do reino de Aliank que a muito tempo atrás era domidado por um grande dragão que escravizava os povos em nome do deus maldito, mais qiue foi derrotado por Berong, que se intitulou rei, e criou o reino de Aliank, que significa união. Eles são teryonistas.
Nas visões do cristal o que é revelado a Harcos é os acontecimentos dos oito capítulos do livro. Harcos encontra cinco possiveis denins que são Morhariel, Hirlun, Liliel, Dotter e Sarlakros que na visão de Harcos e respectivamente na nossa não parece confiável e há uma dúvida de que ele seja marilista.
Achei interessante que mesmo por ser uma obra de fantasia, o autor consegue trazer para nossa realidade conceitos com que lidamos diariamente: como a ideia dos dois deuses, um do "bem e outro do mal" e que também vivemos a procura de entender nossa origem, assim como as ideologias.
Como disse, o foco narrativo é em primeira pessoa, vemos ao ponto de vista do personagem Harcos, na narraçãp dos fatos no cristal. O modo como o narrador se apropia da linguagem a principio é rebuscada, por se tratar da leitura de uma carta escrita por um personagem culto, mais que em nada prejudica a leitura, e é preciso sim de muita atenção nessa parte ou assim como eu ler mais de uma vez, mais tirando isso depois a narrativa flui bastante bem.
O livro me lembrou muito as Crônicas de gelo e fogo de George R.R Martin de quem sou muito fã e acho que seja a comparação com a lenda de Materyalis digna. Espero poder ler os próximos livros, desde já é uma leitura mais que recomendada!

site: https://www.instagram.com/p/BM4zwa_AgtK/?taken-by=omeninoquele
comentários(0)comente



Italo Bernardo | @wesleyliterario 10/11/2016

Uma história épica
Uma carta. Tudo se inicia com uma carta. Müdrik, antes de sumir, deixou uma carta para os seguidores veniristas com algumas informações muito importantes para alcançar a maior conquista de Hedoron: a verdade sobre a lenda de Materyalis e acabar com os terríveis conflitos que há milênios assolam suas sociedades.

Antes de desaparecer Müdrik deixou alguns artefatos que são cruciais para encontrar o Sinkra, objeto que muitos acreditam ter sido uso por Materyalis na criação, e revelar a grande verdade sobre a criação de Hedoron. Entre papiros com escritos valiosos, Müdrik também deixou o sinkrorbe (um cristal que mostra visões proféticas) para ajudar na busca pelo artefato sagrado que mudará não só a mente do povo de Aliank, mas, de todo Herodon. Harcos foi o "escolhido" (digamos que ele estava disponível no momento) para encontrar o Sinkra, porém ele vai precisar da ajuda de dez denins (aqueles que possuem dens, um tipo de poder) que o sinkrorbe mostra a cada visão, encontrar e recrutar os denins certos é de extrema importância, pois, se a causa vinirista for descoberta pelas pessoas erradas (tem sempre aqueles que são do contra) poderá ser o fim da busca pelo Sinkra, e todos permanecerão na escuridão ideológica para sempre.

Um livro bastante peculiar e interessante. Os capítulos do livro são baseadas nas visões que o personagem principal tem durante a história , o que é bem curioso e deixa o clima mais interessante já que podemos ter acesso ao que está acontecendo em todo o reino. Porém, o que mais quero destacar nesse livro é a falta de aceitação que as pessoas têm em relação ao que os outros acreditam, não se pode ter um pensamento diferente daquele que se é imposto e aquele que se atreve a pensar diferente é morto, sem hesitação. O que me fez refletir muito sobre o quanto nossa sociedade é intolerante com aqueles que fogem dos padrões. Com muita aventura , criaturas mágicas e um toque medieval "A Lenda de Materyalis " é uma história fantástica que os fãs de "Senhor dos Anéis " irão amar.
comentários(0)comente



58 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR