A Lenda de Materyalis

A Lenda de Materyalis Saymon César
Saymon César




Resenhas - A Lenda de Materyalis


58 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Vinicius.Correa 15/02/2020

A Lenda de Materyalis foi um livro que me interessou logo de cara. Por ser um livro de fantasia e se tratar de uma guerra ideológica, assunto que esta bem em alta ultimamente, ele adquiriu minha atenção sem muito esforço. Entretanto o começo dele é um tanto complicado. O autor usou as primeiras 40 páginas (gira em torno disso) para nos posicionar corretamente no meio da história, ou seja, foi um começo com informações atrás de informações. O que na minha opinião, deixou a história bem carregada e com um ritmo lento e que pode ser um motivo que leve a leitores menos interessados a abandonarem a leitura, mas enfim, são meros detalhes, pois após essa saraivada de informações introdutórias, somos apresentados a uma história de escrita envolvente e de ritmo rápido. Entretanto, confesso que eu não absorvi de primeira o conteúdo pesado das primeiras páginas e durante a verdadeira história eu tive que reler para entender melhor o que se passava, ressaltando que esta foi a minha experiência, e que, obviamente, pode ser diferente de uma pessoa pra outra... Mas apesar dos poréns, fui realmente surpreendido com a história, que demonstrou ser muito mais do que eu imaginei (ainda mais depois das temidas "primeiras páginas").

A história parte da premissa de que o universo a qual os personagens do livro vivem foi criando por um único ser superior conhecido como Materyalis, o Deus supremo. E por circunstancias do destino, tal ser supremo dividiu-se em dois. Tendo a essência de Materyalis divida em duas, uma do bem, e outra, do mal. Originando Materyon o benévolo e Marilis o perverso.

Dado esses acontecimentos, com o passar dos anos surgiu duas novas ideologias com embasamento nestes dois seres, que são elas:

- Teryonismo: São os que acreditam em Materyon, o deus bom.

- Marilismo: São os que acreditam em Marilis, o deus mau.

Tais ideologias também carregam, além de palavras, a personalidade de seus fiéis, com eles espelhando-se na essência de seu deus central. Entretanto, há pessoas que não se adaptaram a nenhuma dessas ideologias e passaram a crer secretamente em uma outra ideologia, o Emylismo que crê que os dois deuses devem se juntarem novamente para atingir a perfeição, o equilíbrio entre o bem e mau.

Enfim, a história é narrada em terceira pessoa através de relatos das visões mostradas através de um cristal mágico conhecido como Sinkrorbe e vistas por Harcos. Harcos é um profeta participante de uma seita secreta chamada de Venirismo, que visa interpretar e entender o verdadeiro significado das escrituras de Materyalis e para ele cumprir essa missão ele deve encontrar o Sinkra, um misterioso objeto que, segundo o que nos foi informado, é o único que pode mostrar a verdade. E para ele encontrar o Sinkra ele deve recrutar um grupo de pessoas especiais que provavelmente são as presentes nas visões mostradas através do Sinkrorbe.

O livro é dividido no relato de três visões, que nos apresentam cinco personagens que são: Liliel, Sarlakros, Morhariel, Hirlun e Dotter. Esses 5 personagens se unem em uma missão para averiguar o motivo de tantos assassinatos e ataques provavelmente causados por um Majurk (basicamente um humano que se transforma em um urso gigantesco) que vem acontecendo em um ponto remoto de Aliank (O reino).

Achei o desenrolar dessa história bem fraquinho, mas ainda assim bem intenso. Principalmente no final, que é aquela hora em que você finalmente descobre que está se apegando aos personagens e BUUUM, tudo desmorona, e teus sentimentos são totalmente destruídos. A grande jogada não é criar um primeiro livro que acabe com todas tuas dúvidas logo de cara, e sim, fazer uma introdução, até mesmo que pesada, te envolver na história e criar uma sequencia arrebatadora e ai sim, ter criado um livro espetacularmente incrível. Pelo menos foi essa a impressão que eu tive, pois eu me envolvi com a história e estou suprindo altas expectativas para o segundo livro, que creio eu será infinitamente melhor do que este (não que este tenha sido ruim, longe disso... Mas vocês me entenderam, né?).

Por isso, as minhas considerações finais, são que o livro apesar de um começo desanimador, ele compensa com a história, que são os relatos das profecias e apesar de que elas não sejam tão complexas e extraordinárias vistas sobre a perspectiva geral de um livro único, deixam um imenso clima de expectativa para a sua sequencia.

site: http://decidindose.blogspot.com/2016/09/resenha-lenda-de-materyalis-saymon-cesar.html
comentários(0)comente



Luany 30/08/2016

A Lenda de Materyalis - as crônicas de Aliank (volume 1)
Confesso que esse livro me surpreendeu não somente com a história descrita nele. Mas como um todo, por ser um gênero com a qual não estou acostumada a ler, ou a procurar nas livrarias, ele me deixou presa a leitura, então agradeço ao Saymon por me dar essa possibilidade de conhecer a sua obra. E garanto a vocês: não irão se arrepender!!

'A lenda de Materyalis' nos traz no início como surgiu o reino de Aliank, onde nas primeiras páginas temos um carta que é escrita por Müdrik e Harcos, através dessa carta vemos um dragão extremamente ditador, seres cansados de ser escravizados, e então temos o desenrolar de varias guerras, até que uma delas vencida pelo elfo Berong, o que faz dele o rei e fundador de Aliank.

O livro é contado a partir de então em visões, tida por Harcos, e entendemos que as guerras ocorrentes , são guerras ideológica e muitas coisas nos surpreende nesse caminho. Algo que me chamou a atenção foi a analogia do livro com a época - Contra reforma - onde os 'hereges' iam para a inquisição, achei esse fato incrível, e que também nos faz parar para pensar sobre o hoje, em quantas guerras ocorrem pelo motivo de não aceitarmos a diferença, sermos intolerantes.

"Mas, afinal, o que era Materyalis? Um deus? Um fenômeno? "...
Uma sociedade secreta, que busca o artefato capaz de desvendar o que realmente é o Materyalis, e assim livrar os povos da dúvida que os levaram as intermináveis guerras. Harcos tem como missão encontra os 'Denins' (pode ser diversas raças e detém o poder capaz de mudar muitas limitações da natureza) que o ajudará na ideologia 'venirista' (ideologia que busca a total erudição para obter a paz) e assim chegar ao Sinkra(um artefato cobiçado por conter a fórmula da criação e da vida) para poder então trazer a paz.
Será que ele irá cumprir sua missão ?
Uma literatura me elevou minha emoção,me senti literalmente na historia; torci,gritei,e como eu gritei muito,com um final que ao mesmo tempo espetacular, foi recheado de surpresa,nos deixando totalmente vidrados na historia e com aquele friozinho na barriga,que nos leva a ficar ansiosos por MAIS....Divirtam-se na leitura ;)
Wes Carstairs 04/09/2016minha estante
Parece ser bom!




Darlan 11/09/2016

A Lenda de Materyalis
A lenda de Materyalis é um livro de fantasia, escrito pelo Saymon Cesar.


As sociedades de Hedoron vivem sobre as intensas consequências e limitações que a Marteja - termo referente a guerra, causaram em suas vidas. No passado, acredita-se que a divindade Materyalis - criadora do universo e da vida, tenha se angustiado com a sociedade, e se dividiu em duas entidades totalmente diferentes, precursoras de ideologias extremistas; a primeira gerou Materyon, o benévolo, cultuado pela ideologia Teryonista, e a segunda Marilis, o malévolo, Deus da ideologia Marilista.


No prólogo, nos é apresentado uma carta, indicando a presença de uma sociedade secreta que visa acabar com a Marteja procurando um artefato milenar (Sinkra) que provavelmente detém todo o conhecimento do mundo, e a verdade sobre o que foi Materyalis.


Essa carta é enviada a um Profeta, junto com um Sinkrorbe - um cristal capaz de mostrar por meio de visões os vários acontecimentos que ocorreram no local em que ele esteve. E é por meio das visões apresentadas ao Profeta, que o livro é narrado.


O Sinkrorbe mostrará os dez Dens - pessoas com dons especiais, que de alguma forma será importante da busca pelo Sinkra. Sarlakros, Liliel, Morhariel, Hirlun, Dotter e Joan, são alguns personagens visualizados pelo profeta, e que ele provavelmente terá que recrutar para a causa Venirista.


Eu não tenho o hábito de ler livros de fantasia, mas devo dizer que esse realmente foi uma surpresa. O livro é muito bem escrito, e tem uma trama rica e bem desenvolvida. As ideologias foram bem apresentadas nesse primeiro volume, e a história ainda tem muitas vertentes para serem desenvolvidas.
É impossível não ficar curioso sobre o passado dos personagens, inclusive os de Dotter e Hirlun, que foram os que eu mais gostei. Estou ansioso para continuar a história, porque eu sei que está apenas no início, e espero que o segundo livro já esteja a caminho.


Eu recomendo, e anseio que a literatura brasileira seja mais valorizada, pois nós possuímos grandes talentos.
comentários(0)comente



Jéh 24/08/2016

Fantasia e realidade
O livro se inicia com Müdrik fazendo uma breve narração de quando e como a cidade de Aliank, que fica em Hedoron, foi fundada.
Narrando a grandiosa batalha entre Berong e Garlak, o impiedoso dragão, mas que por força maior, foi derrotado. Dito como um convicto teryonista (crente em Materyon), com o passar do tempo Berong começa a distorcer as leis de Aliank com certa crueldade, o que causa certa dúvida de sua benevolência entre seus súditos.
Müdrik então designa Harcos, seu fiel discípulo a obrigação de reunir dez denins que os ajudarão na missão de encontrar o Sinkra. Através do sinkrorbe (que imagino ser estilo uma bola de cristal), Harcos assiste 5 visões, onde conhecerá alguns dos possíveis participantes desta missão.
Então nos é apresentado uma trama, onde vêm ocorrendo vários assassinatos na cidade de Aliank, causados por um Majurk (ser humano que consegue se metamorfosear em urso). No decorrer da estória, vamos conhecendo personagens como Lady Liliel, Lorde Sarlakros, entre outros.
E através destes acontecimentos passaremos a conhecer estes seres poderão auxiliar na missão de Harcos, deixada por seu mentor. Descobriremos, seres obscuros, totalmente fanáticos, que tentarão acabar com a vida desses denins. Haverão mortes, crueldade e uma dura crítica à sociedade em que vivemos e a falta de tolerância com o próximo nos dias de hoje.
Há neste mundo fantasioso três crenças, bem distintas, lembrando que duas delas são hoje separadas devido a fragmentação de Materyalis, da onde surgiram Materyon e Marilis.
Temos então o:
-Teryonismo. que são os seguidores de Materyon, o benévolo.
-Marilismo: que são os seguidores de Marilis, o maligno.
-Emilysmo: que são contra a Materja (guerra ideológica), que querem a paz entre todos.
Enfim, não há como não fazer comparações da estória com o mundo real. Um exemplo bem visível, é a Materja que muito se assemelha á Guerra Fria, que ocorreu depois da Segunda Guerra Mundial. Entre outras comparações que só quem ler o livro será capaz de compreender.
E por fim, mas não menos importante, não há como deixar de ressaltar a exímia escrita desse autor que pode ser comparado com autores de fantasia conhecidos mundialmente. Espero que o segundo livro seja lançado logo, para que minha sede por mais detalhes deste mundo seja sacida, PARABÈNS @lendamateryalis!!!
comentários(0)comente



Gio 28/07/2016

A Lenda de Materyalis
A história se passa em Aliank, onde as pessoas acreditam em Materyalis. Que para os moradores é um Deus, que no passado foi dividido em duas entidades, Materyon e Marilis.

Materyon é do bem e Marilis do mal. Tal fato criou ideologias diferentes que dividiram a crença da sociedade. Por isso existe a materja, a guerra que visa a consolidação de todas as raças.

A história é narrada por Harcos, que observa Aliank por um cristal esférico, atrás de denins que darão o caminho para o Sinkra (objeto que dará respostas sobre a lenda tão discutida entre os aliankinos).

Eu sempre tive um certo ?medo? em relação aos livros de fantasia. Tenho uma dificuldade imensa em decorar nomes e entrar de cabeça em um mundo novo, como na Lenda de Materyalis. Mas isso não quer dizer que não me interesse por eles, apenas tentava evitar por conta da minha distração.

Antes de começar a ler pensei que acabaria me distraindo e esquecendo o propósito da história ou dos nomes das pessoas e suas ideologias, mas foi uma bobeira e coisa da minha cabeça, pois o autor conta tudo detalhadamente desde o começo e deixa a história toda muito clara, é muito difícil você se perder.

Logo no começo do livro você já vê uma breve explicação do que realmente está acontecendo e o quê gerou esse conflito, o que facilitou muito a minha leitura. E lá no finalzinho também tem algumas explicações, o que ajuda muito a você não se perder.

O livro é narrado por um personagem que não está dentro da história, o que foi muito interessante, e ele nunca deixava de explicar as coisas que sabia.

Tudo é narrado com bastante detalhes, desde o cenário, os personagens e as cenas, até a religião e o Deus. Sem contar que a escrita do autor também ajudou muito.

O que é mostrado no sinkrorbe (objeto onde Harcos observa a cidade) é um tipo de guerra que está acontecendo na cidade de Aliank, onde podemos tirar quais personagens serão inclusos para ir atrás do objeto que revelará a verdade.
Onde podemos ver Sarlakros, Liliel, Dotter, Hirlun e Morhariel, que no caso, são o foco de tudo.

Sarlakros é o arrogante, hipocrita que age como um marilista, jurando ser teryonista. Era o personagem que mais me irritava, não sei quantas vezes o mandei, mentalmente, calar a boca.

Em uma das batalhas que eles têm atrás de um suposto monstro que esta matando aliankinos, podemos ver sua arrogância claramente. Mesmo que Sarlakros tenha dado o golpe final na criatura, quem realmente acabou com ele, na minha opinião, foi Muhariel. Mas é claro que ele não assumiria para as pessoas quem realmente matou, pois queria a atenção das pessoas apenas para ele.

Liliel já é mais justa e pelo que percebi, mais fechada. Por mais que não seja teryonista, age mais bondosamente que a maioria do povo da cidade que dizem seguir tal religião, e eu admirei muito isso nela.

Dotter é a minha preferida, seu jeito bondoso é igual o de Liliel, mas é ?um pouco? mal humorada, o que chegou a ser muito engraçado para mim. Porém, por mais que seu jeito seja um pouco grosso, ela é um amor e me cativou mais do que os outros.

Não posso deixar de falar de Joan, que por mais que não apareça tanto na história, me chamou muita atenção. Ele fala algumas bobagens, tenho que concordar, mas me vi gargalhando com cada coisa que ele dizia, até nos momentos um pouco mais sérios. E é super fofo o jeito dele de tentar agradar Liliel.

A solução para acabar com as mortes que estão acontecendo em Aliank pode estar cada vez mais próxima. E os personagens que estarão aptos a realizarem busca pela verdade sobre a lenda de Materyalis serão revelados assim que esse evento de um suposto monstro acabar.


Um livro cheio de informações, que nos desperta curiosidade em cada página. Nos prende facilmente, e você se vê envolvido de um jeito surpreendente.

O autor está realmente de parabéns por criar esse mundo magnífico. Tudo muito bem elaborado e muito bem explicado. Espero que muitas pessoas entrem na cidade de Aliank como eu entrei, e se divirtam com cada personagem, assim como me diverti.
comentários(0)comente



Sandra Leôncio 19/08/2016

Envolvente, Incrível e criativo
A Lenda de Materyalis é uma história divida em três partes. A primeira parte é escrita em cartas, mais precisamente anotações. Essas anotações nos apresentam o mundo ao qual vamos conhecer, como se fosse uma introdução, uma forma de explicação para toda a diversidade de seres e tudo que já se ocorreu em Hedoron.

Essa introdução é um ponto positivo, pois geralmente em séries de fantasia o primeiro livro é uma apresentação ao mundo criado e, algumas vezes a história fica arrastada, e em A Lenda de Materyalis isso não acontece, por ter uma introdução sobre o mundo em que a história se passa.

A segunda parte são visões. Harcos observa através do Sinkrorbe (uma espécie de bola de cristal) cinco denins, que são seres (elfos, humanos,etc) que possuem variadas formas de poderes. Tais visões irão ajudar Harcos a ter possíveis aliados na busca pelo Sinkra, um artefato milenar capaz de por fim as dúvidas sobre o universo.

A terceira parte são anotações sobre as ideologias (religiões) e sobre as energias e os denins e suas capacidades em controlar energia. Nessa terceira parte podemos entender melhor sobre o que são os denins e sua importância para a busca pelo Sinkra.

Três denins me chamaram atenção nessa história. Lady Liliel e Hirlun são aquele tipo de personagem que você sabe que vai gostar, de poucas palavras, mas quando fala fala bonito. E Sarlakros, lode em Aliank um personagem arrogante, que se acha dono de tudo, um personagem para se odiar (por enquanto), mas oque mais chama atenção nele é o fato de que não da para confiar nele, pois não sabemos suas reais intenções.

Repleto de diversidade e coisas inéditas, A Lenda de Materyalis tem um toque da Terra Média que me faz lembrar as obras do Tolkien, ou seja, uma leitura incrível e envolvente, com personagens cativantes e misteriosos.

site: https://livroscomhortela.wordpress.com/
comentários(0)comente



Marcelo.Henrique 23/08/2016

Resenha: A Lenda de Materyalis – As Crônicas de Aliank
Resenha: A Lenda de Materyalis – As Crônicas de Aliank
Autor: Saymon Cesar
Editora: Novo Século – Talentos da Literatura Brasileira
Páginas: 239
Estrelas: 5\5

Sinopse: No princípio dos tempos, as sociedades de Hedoron acreditavam nos mandamentos dos servos de Materyalis, suposto deus criador do Universo e da vida. A lenda diz que a divindade se angustiou ao observar os atos corruptíveis das suas criaturas e atribuiu a si toda a culpa da imperfeição dos povos. Sua consciência atordoada separou sua essência em duas entidades, criadoras de ideologias extremistas que dividiram a crença das sociedades. Assim nasceu a materja, a guerra que visa à consolidação de uma verdade entre todas as raças. Avessa ao propósito da contenda milenar surge uma sociedade secreta, que busca o único artefato capaz de desvendar o que realmente foi Materyalis e, assim, livrar os povos da dúvida que os condenou aos intermináveis confrontos. Mas, para chegar ao objetivo, é necessário usar a misteriosa aptidão de cinco indivíduos habitantes de Aliank, um reino dominado por contradições que podem apressar a ruína do mundo antes que a verdade sobre Materyalis seja revelada.

Opinião: A história se passa em um período de guerra, denominado marteja, onde após o deus dos aliankinos Materyalis, criador de tudo e de todos, se dividir em dois seres, separando o bem e o mal, Materion e Marilis, foi criado ideologias, sendo as principais o teryonismo e o marilismo, pelos seguidores dos deuses, afim de saber qual deus era superior.

Através disso surgem os veniristas, um grupo secreto que busca a verdade do mundo e o fim da marteja. Sendo guiados por Müdrik, que está sendo caçado por não seguir o teryonismo, ideologia com maior poder, por defender fortemente o venirismo.

Um de seus sucessores, Harcos, seguindo o que foi deixado por Müdrik, deve achar seres com poderes especiais que o ajudaram a encontrar o Sinkra (único artefato que pode fazer seus propósitos serem realizados). Mas para achar esses seres, foram deixados por Müdrik alguns pequenos objetos chamados sinkrobes, cristal esférico que pode mostrar visões após serem feitas algumas coisas, e que mostraram quem são os seres que o jovem Harcos deve procurar para ajudar na busca pelo Sinkra.
Nesse primeiro livro conhecemos cinco possíveis denins que podem ajudar na causa, são eles:
- Liliel, a elfa que comanda a cavalaria do reino de Aliank.
-Sarlakos, o humano que comanda a infantaria do reino de Aliank, e quem mais nos causa preocupação.
- Dotter, a guardiã da floresta de Majara.
- Hirlun e Morhariel, dois jovens erlokas do fogo.

Tenho que admitir que esse livro me pegou um pouco de surpresa, pois quando comecei a ler ele não esperava grandes coisas, até porque tinha muito receio por ser um livro nacional e pensei em parar de ler ele (desculpa Saymon kk). Mas após um tempo que você começa a ler ele fielmente, você não consegue parar de ler até ver o desfecho que a história vai levar você, desde coisas que já eram imagináveis e até surpresas que você nunca imaginou que poderia ser realmente aquilo. E ele ainda tem um mapa, vocês não sabem como eu amo livro com mapas.

O autor trás a você uma leitura rápida e fácil de compreender, pois por se focar nos detalhes de cada acontecimento, o leitor se sente dentro da história, desde o coração acelerado por algo que aconteceu, ou um momento feliz ou triste, que faz você rir ou chorar junto com os personagens. Ele também te possibilita a chance de criar especulações de acordo com o decorrer da história, que você pode ver se estava certo ou errado em questão daquilo, o que deixa o leitor ainda mais entusiasmado com a leitura.

Recomendo o livro sem pensar duas vezes, pois a leitura não te deixa na mão em nenhum momento, e só tenho uma coisa a dizer... SAYMON LANÇA LOGO ESSE SEGUNDO LIVRO POR FAVOR, NÃO NOS DEIXE NA AFLIÇÃO ESPERANDO, NUNCA TE PEDI NADA KKKKK.


site: http://livrandonasestrelas.blogspot.com.br/2016/08/resenha-lenda-de-materyalis-as-cronicas.html
comentários(0)comente



Elli 01/08/2016

A lenda de Materyalis - As crônicas de Aliank - 1º volume
Resenha: A lenda de Materyalis/As crônicas de Aliank.

Título: A lenda de materyalis/As crônicas de Aliank. ?
Autor: Saymon Cesar
Editora: Novo século
Páginas: 240
Ano de publicação: 2016
Nota: 5/5

Resenha:
O livro, em geral é baseado em visões de um Sinkorbe, que se trata de um artefato no qual emite visões sobre o que acontecerá no futuro. Cada capítulo se trata de uma visão diferente, emitida por esse sinkorbe.
Materyalis, suposto Deus criador de tudo viu imperfeições nele, e na população que criou, com isso resolveu acabar de vez com elas. Resolveu difundir-se. Nessa difusão foram criados dois deuses de acordo com seu lado "bom" e "mau". Materyon (Deus da benevolência), e Marilis (responsável pelas atrocidades que aconteciam). Os Teryonistas seguiam Materyon, e os Marilistas seguiam Marilis. Segundo os Teryonistas o propósito de Materyalis era de que apenas Materyon sobrevivesse à difusão; e não Marilis. A Marteja (guerra ideológica) estava acontecendo, e pessoas inocentes pagavam com suas vidas.
O reino de Aliank (onde habitam todos os seres e coisas citados nessa resenha) foi criado após Berong conseguir matar Garlak, que foi um dragão muito poderoso que habitou o vulcão Majara. Garlak escravizava a população em nome de Marilis, sendo essas pessoas obrigadas a fazerem sua vontade. Berong era escravo de Garlak. Berong, Slandragg e Liamor, que também eram escravos, jurataram suas forças e poderes e enfrentaram Garlak, sendo que no final da batalha só restou Berong. Se tornando rei e criador de Aliank.
Diversos seres habitam Aliank, entre eles estão elfos, humanos, denins que possuem dens (que controlam os fundamentos da energia) e outros habitantes de Aliank. As visões feitas pelo sinkorbe são vistas e narradas por um venirista. Veniristas não acreditam na existência de Materyalis. Eles têm como objetivo chegar ao Sinkra, que é capaz de desvendar toda a verdade sobre a criação, e assim revelar se Materyalis realmente existiu e se ocorreu sua cisão. Para chegarem ao Sinkra eles precisam da ajuda de dez denins que possuem poderes capazes de enfrentar as ameaças no caminho até a chegada do Sinkra. Esse denins são revelados no Sinkorbe. Mostrando suas aventuras, alegrias, tristezas, raivas, ódios, guerras, etc. Resumindo: Tem tudo para que o leitor ame a história. Minha personagem preferida foi Liliel, pois mesmo sendo uma guerreira mostrou o seu bom coração.

Sabe aquele livro que você fica tipo: "Meu Deus! Que livro!!" ? Essa foi minha reação. Amei esse livro, sem mais comentários.
comentários(0)comente



Audaz 02/08/2016

A Lenda de Materyalis - Volume 1
Os habitantes de Aliank acreditam em um ser, um Deus denominado Materyalis. Grande parte dos habitantes recorrem a esse ser no qual creem com devoção e respeito. Materyalis é dividido em duas partes distintas, a boa, que é chamada de Materyon e a parte do mal conhecida por Marilis. A partir dessa diferença de pensamentos e crenças surgiu a Marteja, uma guerra de ideologias. Existem três crenças diferentes, o Teryonismo, o Mariliasmo e o Emylismo.

Aliank convive com o bem e o mal, é necessário que os grandes guerreiros cada um com um poder incrível consigam ajudar o reino a ter paz.
Já no início da leitura me senti em um reino com guerreiros, castelos, elfos e grandes forças do mal. As cenas são descritas com tantos detalhes que parecia que eu estava vendo um filme enquanto lia o livro, eu consegui imaginar tudo tão bem, era como se eu estivesse vivenciando a história em frente aos meus olhos. As descrições tão bem feitas do autor incluem os locais do reino de Aliank, as características e fisionomia dos personagens, as armas carregadas por eles e também as cenas de combate.

Aproveitando que citei os locais e personagens, eu fiquei maravilhada com a criatividade do autor. Para se escrever um livro é necessário imaginar toda a história e pensar na narrativa, mas ele conseguiu criar coisas novas, inéditas. Ele pensou em tudo, desde aos nomes de cada região do reino, até as ideologias, saudações, nomes dos guerreiros e deuses, é impressionante. O modo como Saymon narra a história também é diferente, ele narra como se estivesse lá, mas as vezes aparenta ser um pouco como nós, leitores, ele opina, pensa sobre a história e espera saber mais.

Toda obra tem suas referências, tudo aquilo que o autor já leu, já viu ou estudou. Algumas referências são notáveis no livro, mas Saymon conseguiu criar algo bem próprio, uma história para chamar dele. Outro detalhe muito interessante é que o livro não acaba quando a narrativa termina, o autor se preocupou em nos explicar mais sobre cada ideologia e sobre as energias e os dens.

O livro é muito bem escrito, com palavras ricas, a revisão foi impecável e ao todo a obra foi toda muito bem elaborada. Parabenizo ao autor por essa bela obra que cativa todos que leem e faz com que todos queiram logo o segundo volume! Parabéns pela iniciativa, criatividade e principalmente pela grande dedicação aos leitores.
comentários(0)comente



Ana Paula Soares 08/08/2016

A Lenda de Materyalis - As Crônicas de Aliank (volume1)
Recentemente terminei a leitura desse livro e posso dizer duas coisa: Surpreendente! & Leiam!!!

O universo criado pelo autor é repleto de raças e magia. Encontramos humanos, elfos, majurks, artanins, bertaluns, ajargs, além de um dragão. Em meio a esses seres há aqueles possuidores de Den (habilidades capazes de controlar energias), e são neles que iremos nos focar. O mundo agora vivencia uma guerra ideológica, denominada materja, cheia de extremismos e intolerâncias. A fim de acabar com esse modo de vida destrutivo, surgem os veniristas, um grupo secreto que busca a verdade sobre o mundo e tem como missão pôr um ponto final na materja. Para isso, Harcos deve procurar aqueles que ajudarão a encontrar o Sinkra (único meio e artefato necessário para realização de seus propósitos), e é através do Sinkrorbe (cristal capaz de mostrar visões) que ele achará esses seres. Harcos será quem acompanharemos enquanto ocorrem as visões. E é junto a ele e por meio das visões que conhecemos cinco pessoas que podem se unir a causa: Liliel, Sarlakros, Morhariel, Hirlun e Dotter. Veremos como o destino se lança sobre eles, começando com uma missão de capturar e eliminar uma ameaça à Aliank, responsável por vários assassinatos. Mas isso é só o começo!

O livro é surpreendente; digo isso porque no início, tive um pouco de dificuldade para me integrar ao universo, mas logo depois você já entra de cabeça na história e se sente no mesmo espaço-tempo do personagem que nos acompanha. É incrível como a escrita se desenvolve e torna-se uma leitura rápida e fácil, a qual depois de pegar o fio da meada não quer parar até saber o desfecho. Outro ponto importante é a desenvoltura do autor ao lidar com pontos em comum com nosso mundo, como a intolerância ao diferente e as batalhas que isso traz.

Super recomendo o livro. Além de ser uma ótima história, é uma literatura nacional, o que torna tudo melhor ainda! Nosso querido Saymon Cesar já está trabalhando em seu segundo volume da série, e por enquanto só podemos esperar ansiosamente! 😁💕

site: https://www.instagram.com/anaps.badana/
comentários(0)comente



Daniel 11/08/2016

A lenda de Materyalis
Quem aí ama literatura fantástica?Eu particularmente adoro esse “novo mundo” em que somos envolvidos quando lemos um livro fantástico,o nome do gênero já diz tudo não é mesmo? Hoje eu trouxe a resenha do livro A Lenda de Materyalis-As crônicas de Aliank do escritor Saymon César,que particularmente já está me desesperando com a espera do próximo volume da série,vamos lá?

No inicio do mundo a divindade Materyalis criou todas as coisas que existem hoje;os céus,a terra,os animais e a pior criação de todas;o homem,vendo o rumo que as coisas tomaram e insatisfeito com suas criações Materyalis decidiu se dividir em outra duas divindades;a benévola(Materyon) e malévola(Marilis) o que mudou os rumos de Aliank.

A Lenda de Materyalis narra a história da sociedade do reino de Aliank que foi dividida em vários grupos ou ideologias,semelhantes a religiões(Teryonismo, o Marilismo e o Emylismo) que estão passando por um longo período de guerra ideológica,chamada Materja.

O reino de Aliank é habitado por elfos,espíritos,majurks(mestiços,uma mistura entre homem e urso) e humanos.Esse local está rodeado de fatos estranhos desde a batalha entre Berong e o dragão Garlak e ultimamente uma série de ataques ao reino está deixando muitos habitantes de orelhas em pé e por isso o príncipe Edfeu convocou a dupla de lordes,Sarlakros e Liliel para irem em busca da principal suspeita dos numerosos assassinatos;A jovem Majurk Dotter Manen.



Para a expedição foram convocados além do humano e da elfa dois aprendizes a denins elorkans;os jovens Morhariel e Hirlun,porém nem tudo é o que parece e as vezes o que acreditamos nem sempre é o que outro acredita.

Na verdade gostaria de deixar claro que A Lenda de Materyalis foi um livro que me deixou maravilhado por tratar de temas polêmicos com tamanha sabedoria,o autor Saymon César soube utilizar de cada palavra para provar ao leitor que a ideologia correta é aquela que você acredita,não devemos criticar a opinião alheia,se todos respeitassem a opinião do próximo nunca no mundo teria guerras e desavenças.

Indo direto ao ponto;A Lenda de Materyalis é um livro maravilhoso do inicio ao fim,rico em detalhes e com personagens bem construídos e uma história mais bem construída ainda,fala sobre compaixão,religião e tolerância,creio que o autor só pecou no excesso de palavras difíceis e nomes complicados,mas esses pequenos probleminhas podem ser consertados nos próximos volumes da série,resumindo eu amei odiar Sarlakros e amar o resto do quinteto.

Que venham mais volumes,visões do Sinkrorbe de Harcos,aventuras e parcerias!

site: https://umgarotoentrelivros.wordpress.com/
comentários(0)comente



Vanessa.Ribeiro 20/08/2016

A lenda de Materyalis, volume 1
Eu estava extremamente ansiosa por essa leitura. Quando soube que o autor nos enviara e que logo chegaria, fiquei incrivelmente entusiasmada, pois convenhamos que pela sinopse, dá uma vontade imensa de ler, não? Pois bem, o bendito livro não só me surpreendeu, quanto foi muito melhor do que eu esperava que seria. Terminei com aquela adorável sensação de ansiedade pela continuação… Obrigada ao autor pela confiança e pelo maravilhoso trabalho, que para nós, leitores, é um verdadeira dádiva! Niho!

A lenda se desenvolve sobre a história de que, no princípio, haveria o deus supremo Materyalis, que seria quem originara tudo. Porém, pela imperfeição de sua criação, em angustia o deus teria se dividido em dois, sendo uma parte boa, Materyon, e a parte ruim, Marilis. A partir dessa cisão, teria-se formado duas principais ideologias extremistas, que levaram à materja, que seria a guerra ideológica em busca da superioridade de uma dessas.

Óbvio que não existem apenas essas ideologias. Entre as tantas, há uma espécie de sociedade secreta, que acima de tudo, busca descobrir o que afinal teria sido Materyalis, a real verdade. Embarca-se então na ideia principal que é a resolução dessa dúvida milenar, que com o uso de cinco habitantes de Aliank e seus respectivos fortes poderes, trarão verdades perigosas e secretas, principalmente sobre o mundo e o reino, que podem ser a queda, antes mesmo de que tudo seja resolvido.

O ponto de amor pela história foi de que, o livro para ler no trajeto da faculdade, virou o livro que li durante a semana. Sim, uma das histórias de fantasia que mais me interessei a ler, já que é o gênero que me canso mais fácil dentre todos… O autor cria uma história que é fácil de se imergir pelas similaridades com a nossa realidade, apesar de ser um mundo totalmente paralelo e diverso do nosso.A presença de muitas ideologias condiz com as muitas religiões, o extremismo político que condiz com alguns momentos ao nosso mundo, os adeptos às religiões que batem com os tantos que há nos dias atuais… Parecido, mas ao mesmo tempo totalmente diferente, com personagens poderosos, denominações diversas e outras culturas.

A escrita é impecável. Cada palavra posta com mínimo cuidado e muito bem empregada. Tudo deixado claro aos leitores, com boas explicações e caracterizações que nos permitem ainda mais adentrar à realidade da história. É estabelecido de forma lógica e coerente todos os acontecimentos, não há quebra nas ligações das informações. Acho que a forma dele escrever foi um dos quesitos que mais me encantaram dentre o todo, por ser evidente o dom neste autor, de ele saber empregar as palavras e trazer a emoção ao leitor, e alimentar nosso imaginário.

Por fim, acredito que ele segue um padrão envolvente do início ao fim, mas tenho que assumir que seguia um certo padrão, excelente aliás, e simplesmente no final dá um belo “baque” que te deixa ainda mais boquiaberto e com vontade de uma continuação. Você acaba tão surpreendido quanto os personagens, com aquele “não acredito” pairando pela mente. Se você ainda não leu, meu caro leitor, está perdendo muito tempo!

site: https://quasemcrise.wordpress.com/
comentários(0)comente



Super Ci 09/07/2016

Resenha do Elefante Voador
A primeira coisa que tenho a dizer a respeito de A lenda de Materyalis é que fiquei impressionada. Logo de início, percebe-se que se trata de uma fantasia riquíssima em detalhes e muito bem estruturada.

Confesso que demorei um pouco para me familiarizar com tantos nomes diferentes mas, ao mesmo tempo, o resultado é super positivo. Uma vez que essa preocupação do autor em classificar e denominar as ideologias, as raças, habilidades, torna tudo mais convincente.

Na história, o Reino de Aliank está vivendo um período de guerra ideológica (ou marteja) e vemos seus habitantes divididos basicamente em três crenças: oTeryonismo, o Marilismo e o Emylismo. Pensei em fazer uma breve descrição destas ideologias mas acredito que o bacana é o leitor conhecê-las conforme a história vai se revelando.

Apesar de A Lenda de Materyalis se passar em um local e tempo muito distintos de nossa realidade, muitas coisas que lemos no conflito entre as ideologias se aplicam perfeitamente ao que vemos ao nosso redor. Saymon demonstra um conhecimento bem sólido sobre religiões e nos deixa ansiosos para conhecer o desfecho da história.

Gostei muito do estilo da narrativa, onde os acontecimentos são observados por Harcos. Ele acompanha, por meio de um cristal chamado sinkrorbe, profecias sobre o desenrolar da marteja e, ao mesmo tempo ele precisa usar dessas visões para identificar aliados em sua busca pela verdade.

A maneira que a história é contada nos permite ?conhecer os fatos? junto com o personagem. Percebemos que guerra ideológica transcrita no livro é muito mais complexa do que simplesmente uma luta entre O BEM E O MAL.

Resenha completa no site do Elefante Voador

site: www.elefantevoador.com
comentários(0)comente



linhaliteraria 25/07/2016

A lenda de Materyalis - As crônicas de Aliank - Volume I
Olá Leitores!
Enfim, troce a RESENHA do livro: “A lenda de Materyalis”.

O livro fala sobre uma guerra muito antiga dividida entre povos, devido a divisão de crenças sobre o criacionismo de cada um deles. No nenhum dos povos tem total certeza sobre o Deus que cada um acredita. Para chegarem a conclusão exata, ele tem que encontrar um precioso artefato chamado, “Sinkra”: artefato capaz de conferir um enorme poder a quem possuí-lo.
O povo de Hedoron, povo Teryonista, acreditam na lenda de, “Materyalis”: uma divindade suprema, responsável pela criação de todas as coisas. E o povo Marilista, acreditam que Marilis, o deus maldito. É, na verdade, a essência á qual Materyalis covardemente renunciou.
Ao longo da história, o povo de Hedoron vem sendo atacado por uma fera, que ninguém sabe o que é. E precisam recorrer os maiores guerreiros do reino “Os Grakans”, com a habilidade de aumentar drasticamente o poder destrutivo de qualquer tipo de matéria. Esses guerreiros são: “Lady Liliel”, uma elfa e “Lorde Sarlakros”. Liliel e Sarlakros são de personalidades totalmente diferentes, sendo ela justa e o Lorde um belo de uma rude. Os dois partem em busca da fera a mandado do rei “Berong”. E contam com a ajuda de dois “Elorkans”: Denin que controlam os cinco elementos da natureza: água, terra, fogo, ar e luz. Esses elorkans são, Hirlun e Morhariel.
Os quatro Aliankinos seguem para a floresta de Majara em busca do culpado pelas mortes na floresta e no reino. O reino tem uma suspeita para os atos, que é a guardiã da floresta, “Dotter Manem”, uma Majurk. Dotter vive na floresta. E por apenas ela ter total acesso e poder sobre o lugar, o rei Berong acha que ela pode ser a culpada pelas mortes.
Mas Dotter também é atacada e por um “Majurk”, o que faz com que quem quer que esteja fazendo essas coisas não pode esta agindo por vontade própia, esse ser é induzido por uma força maior, que o faz entrar em metamorfose e se transformar em um enorme urso. E ao contrário do que o reino pensa, Dotter Manem atingui a criatura bestial e a captura, mas por um descuido a fera acaba fugindo.
Mas essa é só uma das bestas que estão aterrorizando o povo Aliankino. Sarlakros e Morhariel ficaram responsáveis pelo lado nortenho do reino. E Lady Liliel, o elorkan Hilun e Dotter Manem ficaram com a missão de protejer e aniquilar qualquer fera que esteja na floresta de Majara.

Será que esses guerreiros vão capturar essas feras e salvar o povo Aliankino? E descobrirem que força é essa que está induzindo esses seres a atacar esse povo? Leiam! Entrem nessa aventura fantasiosa e descubram.

Com isso, o livro nos trás muita aventura, com direito a elfos voando, flexas, cavalos com asas e muita fantasia. Eu não lia livros de fantasia e me aventurei com “A lenda de Materyalis” a ser o primeiro, e AMEI!
Istagram do autor: @alendademateryalis



site: @linhaliteraria
ruan 26/07/2016minha estante
oi poderia me dizer o final pq eu só consigo ler um livro sabendo o final


linhaliteraria 31/10/2016minha estante
Kkkk claro




58 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR