O Imperador das Lâminas

O Imperador das Lâminas Brian Staveley




Resenhas - O Imperador das Lâminas


8 encontrados | exibindo 1 a 8


Patricia Paiva 29/01/2016

Surpreendente e empolgante
O prólogo desse livro já começa de maneira bem enigmática. Testemunhamos uma raça de seres imortais e sem sentimentos assassinarem seus próprios filhos por não serem perfeitos. E a imperfeição de seus filhos são sua mortalidade e, é claro, os sentimentos que possuem. Esses seres falhos somos nós, os humanos. Após esse ótimo começo, já avançamos para o futuro, milhares de anos no futuro. E nesse futuro, ou melhor dizendo, presente, as coisas já começam agitadas, pois o imperador acaba de ser assassinado em um ato de traição. E a sua morte acontece em um momento delicado, pois seus dois filhos estão longe da capital, incluindo o herdeiro do trono, e sua filha não pode assumir o trono enquanto o herdeiro não retorna.

Kaden, embora seja o filho mais novo, é o herdeiro do Trono de Pedra Bruta. Para a sorte dele, ou azar, seus irmãos mais velhos não estavam aptos à serem os herdeiros. A irmã por ser uma mulher e o irmão por não possuir a cor dos olhos corretas. Isso mesmo, a cor dos olhos. O fato é que a tradição diz que o trono só pode ser ocupado por homens e com os olhos característicos da linhagem que eles dizem ser presente de uma deusa. Os olhos de Kaden são da cor de chamas. Por sinal, a família de Kaden só está no poder porque há muitos anos atrás um antecedente dele foi agraciado pela deusa da Luz, Intarra, com esses olhos após passar por um teste envolvendo fogo.
Enfim, por ser o herdeiro, Kaden foi enviado quando tinha uns 8 anos para ser treinados pelos monges Shin em Ashk'lan, que fica quase que literalmente no fim do mundo. Os monges dessa ordem são extremamente rigorosos, pois eles são fiéis do Deus do Vazio, o deus mais antigo que existe, e estão constantemente se submetendo a rigorosos exercícios e jejuns em busca do vaniate, o vazio. Um monge pode levar uma vida inteira até conseguir esse feito, pois não é nada fácil atingir o vazio, pois para isso é preciso não sentir qualquer coisa.

Depois de tantos anos sendo treinado e espancando pelos monges, Kaden já está mais do que acostumado as tarefas brutais e a dor, e assim ele vai vivendo a sua rotina enquanto aguarda ser chamado de voltar para Annur, para um dia assumir o trono. Porém a rotina de Kaden é destruída quando uma cabra aparece brutalmente assassinada, até mesmo o cérebro da cabra foi consumido. Não se sabe o que poderia ter feito isso, pois naquele região nenhum predador seria tão violento. Então os monges e Kaden ficam completamente perdido sobre o que poderia estar acontecendo. E tudo piora porque essa cabra foi apenas a primeira.
E para Kaden mais uma coisa muito importante acontece no dia da morte da primeira cabra. Ele é transferido para outro umial, um monge que atua como mestre dos acólitos. Isso por si só não seria uma grande surpresa, já que a troca é comum. O que surpreende de verdade é a escolha para seu novo umial, pois ele foi transferido para Tan, um monge que nunca teve um acólito antes e que sempre se mantém na dele. Por sinal, ele nem se parece tanto com um monge.

E agora ele está tendo de lidar com um umial que parece até que está tentando matá-lo, de tão violento que ele é, enquanto ensina para ele o vaniate. E ainda tem o animal / criatura misteriosa que está violentamente assassinando as cabras. E além disso tudo, ele começa a suspeitar que o seu umial e monge responsável pelo mosteiro estão escondendo alguma coisa dele. E olha que ele nem imagina que o pai foi assassinado e que agora é o novo imperador, afinal o mosteiro fica no fim do mundo e ainda levará meses até que alguém consiga chegar até ele. Sem dúvidas, ele pode dizer adeus para a rotina.

Já o seu irmão mais velho, Valyn, também não está imune à todos os problemas que estão prestes a explodir em cima dele. Inapto para assumir o trono, por possuir olhos escuros, Valyn foi enviado para treinar com os kettral, os assassinos mais letais do império. Mas eles não são simples assassinos, eles são como soldados de elite, altamente treinados. Valyn em breve irá passar pelo Julgamente de Hull, a prova mortal que determinará se ele se tornará um verdadeiro kettral, e falhar nesse julgamento significa a morte. Então ele já tinha um problema e tanto para se preocupar, mas aparente a situação iria ficar ainda pior. Durante um treinamento de investigação em um navio aparentemente atacado por piratas, Valyn acaba descobrindo algo muito sério. Um dos ocupantes do navio atacado consegue sobreviver por tempo o suficiente para lhe dar um aviso. Ele diz para Valyn que na verdade o navio havia sido enviado pelo imperador para buscá-lo, pois o imperador havia descoberto uma conspiração contra a família imperial e o mesmo temia pela vida dos filhos. E além dessa já terrível revelação, o homem também avisa à Valyn que os kettral poderiam estar envolvidos.

Enquanto Valyn ainda está tentando absorver essas revelações e pensando em quem ele poderia confiar, chega a notícia do assassinato do imperador. Então para Valyn não resta dúvidas que o homem havia dito a verdade e que a sua vida corre perigo. E ele percebe rapidamente que outra vida corre muito mais perigo, a do seu irmão Kaden, agora imperador. Tudo que Valyn quer fazer é montar em um dos pássaros que os kettral usam como transporte e ir até Kaden o mais rápido possível. Porém isso não será possível até ele passar pelo Julgamento. Porém agora, o Julgamento que antes parecia tão perto, parece estar longe demais. E fica cada vez mais claro que alguém realmente quer ele morto, pois estranhos incidentes começam a ocorrer, pondo sua vida em risco. Mas ele precisa não só descobrir quem está tentando matá-lo, como superar essa pessoa, pois a sua vida e a do seu irmão dependem dele.

Enquanto isso em Annur, Adare, filha mais velha do imperador, está tendo de bater de frente os problemas causados pela morte do pai. Com a morte do imperador, Adare se torna ministra das Finanças, ocupando um cargo que sempre foi tradicionalmente ocupados por homens. Como se não bastasse o preconceito que enfrenta, Adare terá de enfrentar o assassino do pai, o sacerdote do templo de Intarra, justamente a deusa adorada pela família imperial. E para ela não está sendo nada fácil sequer olhar para cara do indivíduo. Ela possui um temperamento explosivo, mas se quiser conseguir justiça pelo seu pai e ao mesmo tempo de consolidar no novo cargo e garantir a permanência da sua família no porder, ela precisará domar seu gênio, e mostrar para todos o quão forte ela realmente é.

A essa altura você deve estar se perguntando: tá, mas e os caras imortais do prólogo? Então, eles são importantes para a estória, mas não vou entrar em detalhes para não estragar a graça de vocês, então leiam o livro!

A narrativa desse livro é maravilhosa, como fã de fantasia posso te garantir que o livro é extremamente viciante. O livro tem tudo o que você poderia querer: intrigas políticas, uma ameaça antiga, muitas lutas, assassinos altamente treinados, criaturas assustadoras, uma história antiga rica em detalhes, sabedoria, violência, etc. E tudo isso flui de forma mágica, você vai virando página após página, desesperado para saber o que acontece. E quando chega próximo do fim do livro, aquele sentimento de "preciso saber o que vai acontecer, mas não quero que o livro acabe" nos arrebata completamente.
A estória segue o ponto de vista de Kaden, Valyn e Adare. A maioria dos capítulos são do Kaden e do Valyn, onde a ação está acontecendo nesse livro. Já os capítulos da Adare, embora poucos, são muito importantes, principalmente, imagino, para o que está por vir nos próximos livros.

Quando li a sinopse pela primeira vez, eu sabia que ia gostar do livro. Mas mesmo assim eu não imaginava que iria amar tanto essa estória. Estou complemente empolgada com essa nova trilogia e não vejo a hora de ler os próximos livros, pois como já devem imaginar, o final me deixou desesperada. A edição do livro está perfeita e a capa é maravilhosa, nela existe uma representação dos 3 irmãos que ficou linda demais. Obviamente, dei 5 estrelas para o livro, o favoritei e já virei fã da série e do autor.

O ano mal começou, mas sem sombra de dúvidas esse livro será um dos melhores livros do ano para mim. Leitura obrigatória, principalmente se você for fã de fantasias!

site: http://ciadoleitor.blogspot.com.br/2016/01/resenha-o-imperador-das-laminas-de.html
comentários(0)comente



Anderson Tiago 13/06/2016

Um bom começo...
The Emperor’s Blade é mais um dos grandes títulos dessa nova onda de excelentes livros de fantasia épica publicados nos últimos anos que devem chegar ao Brasil em breve. O livro, escrito pelo autor norte-americano Brian Staveley, é o primeiro volume da trilogia Chronicle of Unhewn Throne, e teve seus direitos de publicação no Brasil adquiridos pela Novo Século Editora.

Logo no começo da história descobrimos que o Imperador de Annur, a maior nação do mundo criado por Staveley, foi assassinado através de uma grande traição. A morte do Imperador deixa todo o Império em crise. Rumores de uma grande conspiração são ouvidos, mas a identidade do assassino não parece ser um grande mistério. O herdeiro do trono se encontra a meio mundo de distância e a Igreja de Intarra, a deusa do Fogo, reúne seus exércitos esperando uma provável oportunidade de tomar o poder.

Mais segredos se escondem por trás da morte do Imperador do que se imagina, principalmente quando descobrimos que as lendas de uma raça de seres imortais destruída pela humanidade em um passado muito distante podem não ser apenas lendas.

É nesse cenário que a trama segue através do ponto de vista dos três filhos do Imperador. Adare é a mais velha, porém por ser mulher não pode ascender ao trono. Ela foi indicada pelo pai ao cargo de Ministra das Finanças antes da morte dele. Adare é a única dos três que se encontra na capital de Annur no momento da morte do pai , portanto é através dela que vemos a tensão política no centro do governo Annuriano. Infelizmente, os capítulos de Adare são poucos nesse livro. Espero ver mais dela no próximo livro já que ela parece ser bem mais esperta e preparada do que seus irmãos.

O herdeiro do trono é Kaden, o primeiro filho homem do rei que possui, assim como Adare, os olhos faiscantes que justificam o seu lugar como integrante da família escolhida pela deusa para governar. Como já foi dito antes, Kaden está a meio mundo de distância da capital do Império, sendo educado no mosteiro de Ashk’lan, lar dos monges Shin, devotos do Deus Vazio. Lá o garoto aprende conceitos como paciência, humildade, a suportar a dor e esvaziar a sua mente através de trabalhos compulsórios e castigos físicos. Alheio a morte de seu pai, Kaden tem que lidar com a ameaça de uma misteriosa criatura que está devorando os rebanhos do mosteiro sem deixar vestígios.

Valyn é o mais velho entre os homens, embora haja uma certa confusão sobre a idade dos dois irmãos, segundo o próprio autor. O motivo de Valyn não ser o herdeiro é o fato de ele não ter os olhos que caracterizam a figura do Imperador. Ao mesmo tempo que Kaden foi enviado para Ashk’lan, Valyn foi mandado para as Ilhas Qirin para ser treinado com um Kettral, uma unidade de infiltração de assassinos de elite. Os Kettral formam equipes chamadas Wings e voam para missões à bordo de estruturas carregadas por pássaros gigantes. O treinamento é duro e mortes acontecem frequentemente. No entanto, tudo fica ainda pior quando Valyn descobre que alguém entre seus colegas ou instrutores deseja matar o filho do Imperador.

The Emperor’s Blade segue o padrão entre os livros de fantasia mais atuais, fazendo do primeiro livro da série uma grande introdução com uma narrativa mais cadenciada. Se você gosta desse tipo de desenvolvimento mais gradual com foco maior no desenvolvimento do personagens, esse livro é para você. O único ponto negativo é que a trama de Valyn é tão superior a de seu irmão que você até desanima um pouco quando vira a página e vê que o próximo capítulo é de Kaden.

site: http://intocados.com/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nattacha Iank 23/09/2019

Surpreende.
Li com as expectativas realmente baixas e tive uma excelente surpresa. A narrativa promete uma viagem para dentro de si mesmo, autodescoberta e sabedoria, tudo em meio à traições e batalhas. Personagens cativantes que nos fazem questionar suas reais intenções durante toda a narrativa.
Não poderia ter tido melhor surpresa, com frases marcantes ao longo de cada capítulo e com um final instigante, é uma ótima leitura do começo ao fim.
Biel 31/10/2019minha estante
Boa resenha, agora, diferente de vc vou ler com a expectativa alta...rs
Uma pergunta, o livro aborda muito temas sobrenaturais ou é mais próximo ao realismo?
Tem magos, bruxas e coisas assim?
Obrigado.




Juniorlima 17/12/2016

O imperador das lâminas é excelente!
Realeza. Conspiração. Política. Assassinato. Militarismo. Aves gigantes. Monges. A narrativa segue a história de 3 irmãos. Cada qual tendo que lidar com problemas e tentativas de assassinato. O final é tudo aquilo que se espera de um livro de fantasia. Os ganchos para o segundo livro são incríveis e a ansiedade só aumenta.
comentários(0)comente



@APassional 21/03/2016

* Resenha por: Rosem Ferr * Arquivo Passional
Sensacional é o mínimo que podemos dizer dessa obra, cenas brutais, intrigas mordazes, romance, ação, aventura, magia, companheirismo, mistério, suspense, cenários exuberantes, mitologias arcaicas, feiticeiros, seres fantásticos... uma fantasia épica de tirar o sono, não dá para desgrudar os olhos da escrita mágica de Staveley.

Confira a resenha completa no blog Arquivo Passional, no link abaixo.

site: http://www.arquivopassional.com/2016/02/resenha-o-imperador-das-laminas.html
comentários(0)comente



Bruno 09/09/2017

Potencial não aproveitado
O imperador das lâminas apresenta uma trama que parecem interessantes, mas os personagens principais tornam a história só mais uma em milhares.

Três protagonistas em três lugares extremamente diferentes mostram a riqueza de um universo que está sendo construído.
Valyn treinando com os Kettral, um grupo de mercenários de Elite em uma ilha isolada, o único criadouro de aves gigantes e o único local onde bruxos não são executados. Isso incita questionamentos que ficara sem respostas como: por quê só os Kettral criam esses pássaros se eles são tão úteis? Ou por quê tosos os bruxos fora da ilha são executados se eles podem ser bons soldados? As respostas dadas vagas demais ou nem são ditas.

Kadem, irmão de Valyn e herdeiro do trono de imperador, está treinando com um grupo de monges, se tornando um deles, em um morteiro. Oque também levanta uma pergunta importante: por que o herdeiro do trono está treinando para virar monge ao invés se preparar para virar o treinador? Novamente, recebemos uma reposta fraca e pouco convincente.

Adare, irmã mais velha de Kadem e Valyn, abalada com a morte do pai, o imperador, está em busca de vingança e quer a execução do suspeito enquanto tenta se manter no caos político causado com o assassinato do imperador.

Sobre a narrativa, ela é impecável. De longe a maior surpresa do livro e o melhor aspecto do mesmo. Descrições detalhadas do cenário dão a impressão de que o leitor está junto da cena e sento o mesmo que os personagens sentem, a raiva, o medo, a sensação de que está se afogando, etc...

Falando da trama como um todo, os arcos de Kadem e Valyn trazem uma grande mistureba de clichés exagerados, o exagero foi uma boa tentativa de fugir da mesmisse. A crueldade e a violência até que deixam o leitor entretido por parte do livro, mas depois de acostumado o exagero vira mesmisse. A única coisa que mantém as três histórias unidas é uma misteriosa e gigantesca conspiração, que de fato é intrigante.

Voltando a falar dos personagens, Kadem e Valyn são exatamente iguais, com exceção das experiências vividas em seus treinamentos. Oque não chega a ser um defeito, tendo em vista que são irmãos e creceram juntos. Ambos possuem bom coração e são gentis, mas precisam sobreviver as situações impostas, como disse: não é um defeito, mas é uma falta de variedade desnecessária e que acrescenta pouco à trama.
Adare se destaca entre seus irmãos por ter uma personalidade diferente, ela está acostumada por ser uma mulher em um meio dominado por homens, oque deixa ela com um certo ar de superioridade, e está furiosa com o assassinato do pai, deixando a raiva tomar conta dela em alguns momentos. Para mim, Adare é a melhor personagem deste livro com facilidade, mas conta com pouquíssimos capítulos para se desenvolver.

Concluindo, O Imperador das Lâminas é um livro que trás uma proposta diferente, possui uma narrativa incrível, personagens com potencial, mas acabou sendo outro livro qualquerde fantasia, graças aos clichés e pouco aproveitamento dos personagens.
jjodanf 12/05/2018minha estante
Gosto da maneira que expressa sua opinião sincera em relação ao livro, me identifiquei com algumas das coisas que citou. Ainda sim, não acredito que o livro tenha se tornado um exagero de clichês, achei a idéia interessante e agradável. Algo novo e único.


Bruno 13/10/2018minha estante
A idéia do exagero não foi nos clichés em si, mas na forma como eles apareciam no livro, tipo o treinamento do Valyn que tinha várias parcelas de crueldade, mas a interação dele com a sua trama era algo claramente de temática escolar, aí ficava difícil de levar as partes sérias a sério




spoiler visualizar
comentários(0)comente



8 encontrados | exibindo 1 a 8