A Sereia

A Sereia Kiera Cass




Resenhas - A Sereia


292 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Kennia Santos | @LendoDePijamas 27/01/2016

Só mais uma capa bonita.
Você vê um lançamento de uma autora que fez uma série que você amou e já começa a dar pulinhos de alegria, coloca as expectativas lá no céu, e quando é lançado, larga TUDO que está lendo atualmente para começar a tal leitura, quem nunca?
Eu senti isso, fiz isso. No que resultou?
D-E-C-E-P-Ç-Ã-O.
Sério, extremamente sério.
Quando se fala em sereias, você imagina todo aquele contexto místico, de encanto e engano, de paixão por um som, criaturas assustadoramente belas e perigosas. Mas o ambiente que a Kiera criou? Não faz sentido.
Kahlen, Miaka e Elizabeth são ‘irmãs’, e sereias ‘contemporâneas’ porque podem conviver com humanos, em ambientes e ao redor de humanos, até mesmo ter contato físico com os mesmos, só que a voz delas é fatal. O ambiente criado é totalmente fútil onde elas podem se esbanjar com riquezas humanas e casas caríssimas porque a Água ‘consegue’ pra elas. Como? Eis a questão, não sei também.
O quesito sereia delas é definido em fazê-las cantas periodicamente, matando não apenas homens, mas mulheres e crianças também, para manter a Água alimentada e satisfeita. Não podem desobedecê-la, pois ‘Ela’ as salvou da morte quando ainda jovens, tornando-as sentenciadas com 100 anos de serviços para a Água.
Sobre a personagem principal, a Kahlen, ela é totalmente sem graça. Não tem suas próprias opiniões ou teorias, apenas deixa a vida seguir sendo serva de algo que a deprime.
O romance? É inexistente.
As cenas entre Kahlen e Akinli são basicamente escassas. No máximo cinco, onde estão juntos e numa possível sintonia. Mas não há magia neles. No se aproximar, conhecer, se envolver e depois se apaixonar. É simplesmente “oi, te conheci semana passada, cozinhamos juntos, EU TE AMO VOCÊ É A RAZÃO DO MEU VIVER E DO MEU RESPIRAR”.
O drama? Aventuras debaixo d’água, altos e baixos, cenas que te fazem prender a respiração de tanta ansiedade? Não tem NADA disso.
Uma história total e completamente desconexa, sem base, com personagens que não passam emoção nas aparições, com eventualidades que deveriam ser consideradas ‘A CENA FATAL’ e acabam por ser só mais uma parte de uma história mal escrita, sem ligação, e muito menos emoção.
Parece exagero, né? Pois não é não.
Mas seja realista ao avaliar, pois não é porque ela é a autora de A seleção que se deve morrer de amores por ela. Não levem a mal, eu AMEI A seleção, mas não esperem NADA da magia, humor, paixão, conexão e qualidade de enredo que vocês viram naquela série nesse livro, porque vocês não vão encontrar. Duas estrelinhas porque a escrita, somente a ESCRITA, não é tão horrível assim.
O resto? Bom, o próprio termo já diz, é o RESTO.
Izzy Ferrer 28/01/2016minha estante
É uma pena pq pela sinopse passa uma idéia totalmente diferente, o pior é que é uma série .


Patricia 28/01/2016minha estante
Nossaaaaaa A seleção é tão maravilhosa que achamos que tudo que ela escreve seria bom ne... achei a sinopse confusa agora então sem chance de ler, ja tirei da lista, que pena, ela tmb já começou a estragar ate A seleção com o lixo que foi A herdeira ne afffffffffffffff


Camila Márcia 28/01/2016minha estante
Super concordo com todas as palavras e linhas de sua resenha. Decepção. Frustração.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 29/01/2016minha estante
Izzy, infelizmente vai ser uma série, Kiera tem essa mania de querer prolongar tudo, A seleção pelo menos começou bem, agora esse? O primeiro já foi essa droga, imagina os próximo.. "O mar", "A onda", "O vento", "A água" -.-


Kennia Santos | @LendoDePijamas 29/01/2016minha estante
Paty ela deveria ter parado na Escolha mesmo, tava ótimo! Lançar um livro ou outro com contos extras tudo bem, mas o resto...


Kennia Santos | @LendoDePijamas 29/01/2016minha estante
Pois é Camila, horrível, com certeza vai pra lista de piores do ano, e olha que o ano mal começou.


Érica 29/01/2016minha estante
Ótima resenha, Kennia!
Essa Kiera não me conquistou nem com A seleção, mas apesar disso, tava de olho nesse livro pq adoro história de sereia e essa capa é bem lindinha!
Ainda bem que não comprei, já vi que ia ser a mesma frustração que tive da primeira vez.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 29/01/2016minha estante
Ainda bem mesmo Érica! Tu ia traumatizar totalmente da Kiera. Esse livro foi escrito antes de A seleção, mas isso não justifica tamanha desconexão de fatos e personagens.


Érica 30/01/2016minha estante
Claro que não! Falta de experiência nunca é justificativa para incompetência!


Kennia Santos | @LendoDePijamas 31/01/2016minha estante
Exato.. tanta autora que estreia com excelência. Kiera tá me irritando com essa infinidade de livros de A seleção.. parece que tem medo de fazer outra e não ter a mesma repercussão


Kennia Santos | @LendoDePijamas 08/02/2016minha estante
Pois é, também não sei o que tá acontecendo!
Achei a Herdeira muito chato também, aquela Eadlyn é um nojo :/
Pois não leia esse mesmo não, decepção total!


Pedro lucas 13/02/2016minha estante
Oi meu nume e Pedro Lucas, e quero só lembrar que esse foi o primeiro livro que ela escreveu, Foi antes da seleção, ela ainda era tipo uma péssima autora! Mas eu gostei de a sereia kk.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 15/02/2016minha estante
Sim, eu sei que foi o primeiro que ela escreveu, que bom que ela evoluiu bastante com A seleção, porque se fosse tentar sucesso com esse, não iria longe


Paula 22/02/2016minha estante
Pensei em abandonar várias vezes... o livro só tem 180 páginas mas parecia uma tortura ficar ouvindo as lamúrias de uma protagonista que prefere chorar em um canto do que tomar uma atitude. Final levemente emocionante, e gostei da criatividade de como ela abordou o tema, mas se tivesse umas 50 páginas a mais eu teria largado e passado para o próximo livro.


Carol Piaggio 23/02/2016minha estante
Kennia, tirou as palavras da minha boca. Na verdade este livro "A Sereia" foi o primeiro livro que a autora escreveu, antes de Seleção. Esse livro, por incrível que pareça, foi revisado e melhorado antes de ser relançado. Vc tem toda a razao em dizer que é apenas uma capa bonita e que o resto é resto mesmo. Mas pensado o lado positivo, podemos ver o quanto a autora evoluiu nas suas histórias, sendo a maior prova A Seleção. A Sereia deixa muito a desejar e quanto li a sinopse uma história totalmente diferente passou pela minha cabeça. Todas as ideias da história parecem incompletas. O romance, que era pra ser a parte principal, quase nao existe. Enfim, vou aguardar a continuação de A Herdeira, sei que a Kiera nao vai me decepcionar outra vez.


Beatriz 24/02/2016minha estante
ESTOU BATENDO PALMAS,
acabei de abandonar esse lixo de livro. Eu amo sereias, eu AMO, e esse livro é de uma heresia e mal gosto que nossa.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 29/02/2016minha estante
Paula, sem dúvidas! Que raiva dessa personagem que ao invés de tomar uma atitude só ficava no chororô.. no final, deu uma 'melhorada' mas caramba, faltou muito pra ficar razoável ainda.
Carol, sim, eu sei que foi o primeiro livro dela, e eu tô procurando onde foi melhorado, porque não não não. Sou fã da Kiera, e espero que ela venha a melhorar em A coroa.
Beatriz, me ABRAÇA. Sereias, esses mitos, já tem uma história montada, o que precisa é de desenvolvimento e não teve, inventou muita coisa desconexa. Eu não sou de abandonar livros, mas se você abandonou, não tá perdendo nada.


Nanda Picchi 01/03/2016minha estante
concordo plenamente!! adoroo a kiera e também estava super mega ansiosa para ler este livro, pois a seleção e a herdeira foi muito bom.
E dai como você mesma disse DECEPÇÃO!!
E ainda tem guria dando 5 estrela e falando que o livro foi perfeito e o final também.Me diz aonde?
ela dizia que amava a água, mas durante o enredo vimos o contrário e no final o que faz ela sentir amor é o Akinli e a água


Kennia Santos | @LendoDePijamas 02/03/2016minha estante
Nanda, esse livro é totalmente desconexo. Dá até medo de pensar se vai virar série ou não. Os próximos serão coisas do tipo, "A água", "A concha", "O canto" e blablabla, haja paciência, eu sou fã dela, mas fã também tem que ter sua opinião sincera sobre a autora.


Amanda 04/03/2016minha estante
Concordo com você. A intenção era boa, o tema também, mas a autora não soube aproveitar. Poderia ser um livro maravilhoso, mas infelizmente tudo acabou ficando confuso e sem nexo. Odiei a protagonista. Ela é chata, só sabe reclamar e é uma ingrata. Não entendi também esse amor avassalador que ela começou a sentir em tão pouco tempo. Se isso é uma série, acho que não lerei os outros.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 06/03/2016minha estante
Exatamente Amanda, Kahlen me deu sono do início ao fim, não senti nenhuma magia no romance repentino deles.. Se for uma série, talvez, se eu estiver com um ÓTIMO HUMOR eu leia o segundo, mas se eu começar e não prestar eu largo, porque não sou obrigada


Giulianne 11/03/2016minha estante
Engraçado, simplesmente li em um dia haha Pode ser pq não esperar nada que acabei gostando. Afinal,foi o primeiro livro dela e já sabia q teria falhas (se não me engano, ela msm já falou sobre isso), mas eu consegui ver a Kiera que me fez apaixonar pela a Seleção. Meus olhos marejaram lendo a Sereia, muitas vezes fiquei brigando com a personagem e tive extrema necessidade de saber como tudo ia acabar.
Acho q o fato de Kahlen ser tão diferente da America, seja o problema de muita gente não gostar, mas enfim
Sobre como elas conseguiam dinheiro, ponto q vc citou, conclui que era pela venda dos quartos da Miaka.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 13/03/2016minha estante
Giulianne, opinião é opinião, fazer o que.
Achei totalmente chato, desconexo e decepcionante.
Não via a hora de terminar essa chatice.


Camila 28/03/2016minha estante
Desculpa aos que não gostaram mas vou discordo com várias coisas citadas. Realmente percebe-se a evolução da Kiera, tanto no quesito Romance quanto descritivo. A capa é linda e original e a edição espetacular! No inicio estava esperando algo parecido com "A Seleção" E ESSE FOI O ERRO. Não é pq é o mesmo autor, que será mesma escrita. Li e recomendei para várias fãs da Kiera, fiquei feliz por ter recebido FeedBack positivo de todas. Claro, o final decepcionou muitos, vigou vago, dando margem à uma continuação. Enfim, essa foi minha opinião. Estamos nos iludindo ao pegar um livro de determinado autor e comparar com outros. Temos vários exemplos... Ela poderia ter explorado mais o tema, o romance, a história entre as amigas e por aí vai. Por isso, muitos estão achando que terá continuação. Ela postou dizendo que "possivelmente terá". Não considero como pior livro do ano, muito menos pior da autora. Como dizem, gosto é gosto.


Mariana 04/04/2016minha estante
Sua resenha diz tudo! Meu sentimento é de querer desler esse livro.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 06/04/2016minha estante
Mariana, se souber como desler, por favor me avisa, porque é só eu ver a capa que me lembro da história e tenho enjôo


evelyn 11/04/2016minha estante
como assim a sereia vai ser uma serie ? eu jurava que ia ser um livro unico.
odeie o livro por varios motivos pensei ate em fazer uma resenha mais como não tenho nada de bom para falar do livro deixei queto.


Kathbt 13/04/2016minha estante
Comprei o livro e agora fiquei até triste! :(


Kennia Santos | @LendoDePijamas 08/05/2016minha estante
Evelyn, entendo o fato de você não querer fazer a resenha. Utilizei mais como forma de desabafo, e tão horroroso que foi.


Carolina 11/05/2016minha estante
eu simplesmente AMEI esse livro. Encantador igual aos outros da Kiera, os personagens cativam...era mais do que eu esperava.


Kennia Santos | @LendoDePijamas 24/08/2016minha estante
Respeito sua opinião, mas esse livro não mostra nem um terço do potencial da Kiera :/


LuHê2001 24/12/2016minha estante
Sério? Eu me apaixonei, acabou se tornando um livro, uma história, maravilhoso!! Eu amei muito esse livro


Israel.Costa 26/01/2017minha estante
Concordo em tudo.


Dan 21/02/2017minha estante
Sua resenha disse tudo o que eu pensei na leitura desse livro. Fico feliz de ter esperando mais tempo para ler, pq tive a mesma vontade de largar tudo quando ele foi lançado. Ainda bem que Kiera foi lançada no mundo literário com a serie A Seleção ou perderia uma grande oportunidade de ser vista como a grande escritora que é.


Renata 23/02/2017minha estante
Essa autora não me conquistou nem com A Seleção.... quanto a sua escrita já disse em outros comentários "ela tem a incrível capacidade de escrever sobre nada". Obrigado por sua resenha.


Lari 26/07/2017minha estante
agora estou confusa....amo ASeleção...estou ate relendo ela.. e queria ler Asereia, mas depois de tantos pontos negastivos, não sei se vale a pena..


Rsmarchia 05/09/2017minha estante
Nossa, falou e disse tudo! Comecei a ler e abandonei... não conseguia me empolgar por nada que acontecia... O romance é o pior de engolir, não gostei da personagem principal, muito menos do akinli. O que me deixou mais frustada é que ele mal sabia o que queria, muito chato. Abandonei e nem sinto pena.


Adriely.Furtado 09/11/2017minha estante
Ia baixar mas, afz, deixa para lá. Só pelos comentários, já vi que não vale a pena.


Bárbara 13/11/2017minha estante
Eu só perdoo a Kiera pois foi o primeiro livro dela, lançado depois da Seleção.
O dinheiro delas, pelo que entendi , vinha das obras de arte da Miaka.
Nossa....É muito diferente da Seleção ????




Kari 29/02/2016

Eu simplesmente amo a escrita da Kiera Cass; quando vi esse lançamento corri para comprar, pois pensei: "não posso ficar sem" - uma amiga disse que leu e não curtiu o final.. E eu fiquei pensativa, porém não poderia não conferir e só posso concluir sinceramente que AMOOOOOOOOOOOO o que a Kiera escreve! Acho que se ela escrever bula de remédio será incrivelmente romântico e motivador! rsrs


Bom A Sereia trata-se de uma espécie de releitura dos contos sobre sereia que conhecemos por aí, porém escrita de uma forma completamente inovadora e apaixonante. Impossível não sentir com os personagens cujas personalidades são tão bem delineadas e inspiradoras!


A sinopse faz um bom resumo do que esperar da história. Kahlen sempre foi uma das filhas mais obedientes da Água (um ser pensante e com sentimentos próprios, mesmo que não seja humana); quando foi salva ela clamou por isso e a Água atendeu, hoje 80 anos após o naufrágio que levou sua família ela se lembra muito pouco sobre eles, ou sobre qualquer coisa relacionada ao seu passado. Mas tem plena certeza que tinha uma boa vida, pais amorosos, diferente de suas outras irmãs sereias que tiveram passados conturbados e infelizes.


Nenhuma sereia jamais foi como Kahlen, pois as outras só estão com a Água quando necessário, quando precisam cantar ou quando Ela as chama, porém Kahlen sempre buscou estar presente, entender a Água e também se colocar no lugar Dela. E é perceptível que sua filha mais amada e preferida é Kahlen.



"Eu não podia amar. Eu assassinava o amor toda vez que cantava."


Mas as coisas fogem um pouco dos eixos quando Kahlen, sempre solitária e sentindo o fardo por tantas vidas que ajudou a tirar conhece o doce e encantador Akinli. Ele mostra que vê além de sua beleza (a que todas as sereias possuem) e que mesmo que ela "não fale" ele consegue se conectar com ela de uma forma que ninguém jamais conseguiu. Ambos parecem terem sido destinados um ao outro e mesmo que Kahlen fuja para manter suas irmãs, a si e ao seu amado seguros.. Nada parece fazer com que esse sentimento diminua, pelo contrário ele cresce e cresce na medida em que logo percebemos que um precisa do outro!


"Carinhas felizes. Ele mandava várias. Se viessem de qualquer outra pessoa, seriam
ridículas, mas eu tinha certeza de que, se ele mandava uma, era porque estava sorrindo de verdade."


Para a Água quando descobre isso, ou quando Kahlen falha ao cantar é uma traição e Ela entende que é necessário intimidar e ameaçar para ser amada; pois por mais que possa parecer o contrário, a Água ama suas sereias e ama com muita energia e força! Ela é possessiva e autoritária, e não é humana, então ela não entende simplesmente como alguém possa oferecer mais que Ela ou amar mais que ela suas filhas!


Uma das desobediências de Kahlen lhe gera mais cinquenta anos de servidão impostos pela Água, é sua forma de mostrar misericórdia àquela que mais ama! Porém Kahlen faz um trato para proteger seu amado Akinli das "garras" da água que o ameaça com sua própria morte. Ambas chegam a um meio termo, que Akinli jamais morreria pelas "mãos" da Água, porém outras coisas começam a acontecer e parece que tanto Kahlen como Akinli estão severamente doentes, o que seria impossível para uma seria que é imortal até que seja liberada de sua sentença de servidão!

Nisso as irmãs sereias, mesmo cada uma tão diferente uma das outras e com histórias, jeitos e manias peculiares.. Unem-se para salvar Kahlen e Akinli, indo até mesmo contra sua "mãe a Água". Juntas todas pretendem mostrar não apenas a força da amizade, mas o amor ..

"Sempre há espaço para o amor, nem que seja uma frestinha. Isso basta."

Essa história não é um simples conto de sereias e seus misticismos; mas uma história que fala de amor.. Amor em vários sentidos; amor de irmãs, amor de mãe, amor entre um homem e uma sereia, amor que ultrapassa qualquer barreira e dificuldade.. e principalmente sobre o que estamos dispostos a abrir mão por aqueles a quem amamos!

A Água foi retratada de uma maneira muito interessante, não um monstro, que simplesmente mata pessoas, mas como um ser que precisa se alimentar dessas vidas para que outros milhões possam viver. Um ser que não se alegra com as mortes, e procura fazer com que as mesmas sejam o mais breve e menos dolorosas possíveis. Um ser capaz de amar suas sereias, mesmo que de forma possessiva e até mesmo dura; também se mostra confusa e desesperada por não se sentir mais solitária do que já se sente; mas que nos momentos certos sabe mostrar sua misericórdia e o quanto pode provar seu amor por uma filha e descobrir sentimentos novos e não ser apenas aquela que ordena, mas que pode ter verdadeiramente aliadas ao seu dispor e filhas que as ama..


Kahlen tem uma doçura e um senso de obediência que eu jamais tive ou terei em toda a minha vida; ela protege aqueles que ama e é completamente capaz de se colocar no lugar dos outros, mesmo daqueles que parecem estar lhe fazendo muito mal! Ela se esquiva de sua própria alegria e bem estar em prol dos outros.. e por isso só posso dizer que não haveria final melhor do que o que ela teve ou conheceu!


A história tem muito mais do que estou contando, posso ficar aqui a noite inteira escrevendo, mas só vocês lendo para entender o sentimento que me inundou de profundo amor por cada personagem. Não posso de forma alguma deixar de tocar no nome das irmãs Padma, Elizabeth, Miaka e Aishling, as sereias que acompanham todo o enredo e enriquecem a história com suas personalidades fortes e histórias marcantes.


Elizabeth é um tanto revoltada, adora uma balada parece lembrar mais que as outras das coisas que viveu em sua vida de humana. Está sempre colada a Miaka - uma artista nata que tem sede pela aventura, por viver intensamente e demonstrar cada sentimento em sua arte que vende pela internet para manter as irmãs com um mínimo de conforto entre um chamado e outro para cantar.


Aishling é a seria mais calada e parece que manter-se mais afastada e isolada a deixa feliz, mas ela esconde um grande segredo que no momento certo será revelado a Kahlen. Aishling está próxima de se tornar humana novamente, pois já cumpriu sua sentença e com ela aprendi mais uma vez formas de amar e sentir..


Padma é recém-chegada, com apenas dezesseis anos e um fardo enorme nas costas; enfrentou um horror de sofrer abusos de violência dentro de seu lar por parte do pai, pelo simples fato de ter nascido mulher e sua mãe simplesmente finge que não vê e não se importa. Seu pai a joga para morrer no mar e ela é resgatada pela Água e suas sereias que logo se tornarão suas irmãs.


Mesmo com Kahlen escondendo toda sua trajetória com Akinli de suas irmãs e da Água, aos poucos isso se torna realmente inevitável e é aí que percebemos que mesmo que pessoas muito diferentes ligadas por uma sentença "involuntária" já que a escolha era morrer ou servir, se unem com tanto amor e dedicação e até mesmo o ser que parece ser tão cruel às vezes e outras amorosas pode surpreender!

O final é PERFEITOOOOOOOOOO!
A história é PERFEITAAAAAAAA!
Kiera Cass muito amor por você! Sou sua fã!
E sim! Eu chorei! É muito amor envolvido!

site: http://www.mixliterario.com/
Dai 29/02/2016minha estante
Resenha maravilhosa! Entendo perfeitamente todo esse amor que flui das páginas do livro.


Kari 29/02/2016minha estante
Pois é Dai, eu estou ainda apaixonada! Terminei faz dias, mas o sentimento de amor e td que a Kiera transmite com as várias formas de amar e ver uma situação .. foi incrível! O amor transborda das páginas de tal maneira que quem não curtiu ou não curtir.. sinceramente .. só pode não ter entendido bem o que ali se encontrava nas entrelinhas!


Mari Mothé 29/02/2016minha estante
Que resenhista ótima... que deu vontade de ler o livro, mesmo sem ter tido a menor curiosidade pela proposta da autora.


nascipraler 29/02/2016minha estante
Uau que resenha...
Confesso que vi esse livro e não dei muita importância. Depois de ler essa resenha, não poderei deixar de ler esse livro.
Karini você, como sempre, aumentando minha pilha de livros que quero ler com seu entusiasmo ao falar de uma leitura. Bjs!


Carolina Durães 29/02/2016minha estante
Oi Karini, tudo bem?
Adorei sua resenha. Pelo caps lock no final deu pra ver bem o quanto amou o livro rs.
Ele está na minha lista de desejados e espero gostar tanto quanto você.
Bjkas


Kari 01/03/2016minha estante
Carolina foi uma leitura encantadora! Espero que goste realmente tanto quanto eu gostei!


Kari 01/03/2016minha estante
Mari que bom que sentiu vontade de ler o livro. Espero que possa dar uma chance a leitura!
Achei apaixonante!


Kari 01/03/2016minha estante
Nascipraler - nem fala sobre pilhas de livros que aumentam!
Preciso viver eternamente para conseguir dar conta de todos que eu tenho por aqui!

Espero que goste dessa indicação!
Beijos!


Debbie FBI 01/03/2016minha estante
E agora, como eu fico?!?!
Todo mundo fala tanto dessa autora e eu simplesmente não tinha vontade de ler qualquer coisa dela... Até ler sua resenha, né?!?!
Agora, lá vou eu, caçar o livro!!! :)


Paty 01/03/2016minha estante
Simplesmente incrível. A forma como descreve o enredo e amor que transborda em suas palavra, nos faz correr para primeira livraria e adquirir o livro imediatamente. Obrigada por me fazer interessar por algo que eu simplesmente deixei passar.


Rai 01/03/2016minha estante
Ainda não li.... Agora me animei!! Passou a número 1 da lista!


:)


Kari 01/03/2016minha estante
É encantador Rai. Não é um livro que vá surpreender em termos de final.. É previsível.. mas como as coisas ocorrem o amor envolvido é que me fascinou!


Kari 01/03/2016minha estante
Paty eu acho que você ia gostar. Tenta E me conta!


Kari 01/03/2016minha estante
Debbie eu me encantei com a história


MaywormIsa 01/03/2016minha estante
Eu li a trilogia da A Seleção e posso dizer o mesmo sobre gostar da escrita da Kiera. Mas eu realmente não gostei de "Sereia". Talvez seja porque gosto das historias de contos de fadas mais tradicionais e menos modernizadas. Não sei dizer. Baixei o livro, li algumas páginas e nada me instigou a continuar lendo. Quando li sua resenha fui tendo o mesmo sentimento, a historia não me atrai em nada, e olha que eu amo sereias. Acredito que seja algo pessoal meu, mas que bom que você curtiu, e parabéns pela resenha! :D




Queria Estar Lendo 14/04/2016

Resenha: A Sereia
Quando o choque da água batendo em seu rosto após ter se atirado ao mar a fez despertar do torpor causado por aquela estranha melodia, Kahlen percebeu que estava se afogando. Mas ela não queria morrer. Não podia. Então chorou e implorou para que pudesse viver. E a Água a ouviu.

O primeiro livro escrito pela autora Kiera Cass, finalmente chegou ao Brasil através da editora Seguinte. Nele Kahlen é uma sereia que está a trabalho da Água faz 80 anos, já presenciou muitas mudanças no mundo, conheceu diversos lugares, viu irmãs indo embora e outras chegando. Agora só lhe restam 20 anos de serviços a serem prestados, e então poderá finalmente voltar a ser livre e viver como humana até o fim de seus dias. Mas até lá, ela precisa conviver com o peso de todas as mortes que já causou.

Isso porque a Água precisa ser alimentada de tempos em tempos para que assim possa continuar alimentando o mundo. E quando desastres naturais ou grandes acidentes com embarcações não acontecem, é o canto das sereias que atrai os sacrifícios que precisam ser feitos para que o mundo continue seu ciclo vital.

Mesmo sabendo disso, a sereia não consegue evitar a culpa que sente por tudo o que faz. Diferente das irmãs, ela evita o contato com os humanos e procura se ligar à Água, que é em parte mãe e em parte carcereira. O amor que uma sente pela outra é complexo e bonito, e pode ter sido ameaçado. A Água não pega esposas e mães para si, porque exige total lealdade daquelas que lhe pertencem. Mas Kahlen conheceu um garoto, e talvez isso coloque tudo a perder.

" De que lugar do mundo você saiu, menina linda e silenciosa? Akinli sussurrou. "

A Sereia é um romance onde ainda que o plot do casal seja a parte motora da história, não é a mais importante. Akinli pode sim ser aquele que causa a virada na vida da personagem, mas é a relação dela com as irmãs e a Água o que realmente toca e comove. Muito mais do que um livro sobre uma sereia que se apaixona por um humano, ele é um ode à família, a amizade e aos sacrifícios que fazemos por aqueles que amamos.

As cenas de romance são poucas, bem como as de ação. A narração se passa muito mais imersa nos pensamentos da personagem e em suas relações com as irmãs e com a Água. Não existem grandes reviravoltas, é como uma linha contínua que segue seu caminho em uma única direção. A grandeza se encontra nas nuances de algumas personagens e em como elas se relacionam. O final é simples, bonito e sem grandes pretensões ou revelações.

" Sempre há espaço para o amor Padma balbuciou. Nem que seja uma frestinha."

Confesso que depois da derrocada que foi a ex-trilogia A Seleção, estava com expectativas baixíssimas para este livro. A escrita da autora, no entanto, continua sendo muito boa e difícil de largar. O romance é bonitinho, mas repentino, como todos parecem ser ultimamente, porém neste caso existe uma suposta explicação que, dados os fatores místicos do livro, optei por aceitar. Enfim, é um livro de leitura rápida e agradável e que, apesar de minhas suspeitas pré-leitura, eu de fato recomendo.

Mas a Kiera vai precisar muito mais do que um livro mediano para me fazer fingir esquecer a atrocidade o que foi The One.
debora2707 15/04/2016minha estante
Olá, acredita que eu também não gostei de A escolha? Amei essa resenha.


Cecília 09/05/2016minha estante
Graças a Deus que eu não fui a única que odiei A Escolha, kkkkkkk.


E. R. Henker 07/06/2016minha estante
Todas nós do blog Queria Estar Lendo odiamos A Escolha, hahahaha.




Denise 12/02/2016

A Sereia - Kiera Cass
Resenha: Decepção define essa leitura! Sério.... Talvez quem tenha lido sem antes ler nada da autora não sinta o que eu senti, talvez quem leia com menos expectativas não sinta, mas eu posso dizer que não gostei! Não é que gostei pouco...não gostei mesmo...

Bom, vamos à história, depois eu explico a minha decepção.

A História começa lá no passado. Mais precisamente 80 anos atrás, num passeio de navio que Kahlen faz com sua família. Ali vemos o quanto ela é uma filha obediente e submissa. temos poucas cenas com a família da menina. Logo o navio afunda e todos morrem, então a Água reclama Kahlen para si. Se a menina aceitar ela deverá servir à água durante 100 anos. Durante esse período ela não ficará doente e não envelhecerá, em troca ela e as outras meninas deverão cantar para alimentar a água sempre que essa precisar. Sabemos através das lendas que o canto da sereia é fatal aos humanos não é? Então é esse o rumo da história...basicamente.
"- O que você daria para continuar viva?
- Qualquer coisa!
Imediatamente fui arrastada para longe do naufrágio."
Durante o tempo em que não estão servindo a água, elas podem viver como humanas normais. Podem namorar, sem se envolver, podem ter vida social, só não podem falar, então para os humanos elas precisam passar por meninas mudas.

Kahlen leva consigo aquela submissão e obediência cega que vimos lá no início em sua servidão à água, o que me irrita, porque ela conversa com a água e essa fala como se fosse um sacrifício imposto às duas, como se a água fosse "obrigada" a se alimentar das mortes que nela acontecem e isso me incomodou bastante.

Como não poderia faltar, Kahlen conhece um rapaz, se apaixona, mas o amor é proibido, elas podem se envolver com os humanos apenas de modo superficial e é por isso que a água reclama para si apenas quem não tem mais família. A partir do momento que ela conhece o garoto, começa a questionar a sua lealdade e a necessidade de tantas mortes através do seu canto, então uma busca em nome do amor começa, pois a menina teria ainda 20 anos de servidão à água.

Então, para quem leu A Seleção, não crie expectativas demais, pois vai se frustrar...a narrativa é fraca, a mocinha não convence, a história não envolve...nem desenvolve. Eu não gostei e confesso que esperava mais. Ela dá uma explicação no início do Ebook, que não sei se tem no livro físico, que ajuda a entender porque esse livro é tão...mais simples em comparação aos outros dela e vou colocar aqui o trecho na íntegra para vocês:
" A Sereia foi o primeiro livro que lancei, embora eu não tenha recorrido a uma editora tradicional na época. Foi uma grande aventura voltar a ele seis anos depois de lançá-lo pela primeira vez e ter uma equipe inteira me apoiando e me dando a chance de melhorá-lo. O enredo é uma narrativa moderna do mito grego das sereias. Conta-se que essas belas mulheres (que alguns diziam ter corpo de pássaros) cantavam às margens dos oceanos, e que os marinheiros se apaixonavam tanto que desviavam o navio para se aproximar, mas acabavam batendo em rochedos e morrendo afogados. As garotas que vocês estão preses a conhecer aqui não têm asas nem nada parecido. São apenas jovens comuns que se depararam com uma irmandade misteriosa. O que mais gosto nessas garotas é que, apesar de serem sobre-humanas em muitos aspectos, ainda são muito vulneráveis em outros. O coração delas é bem frágil, e a capacidade de amarem umas às outras (e algumas pessoas que talvez não devessem) foi o que mais me comoveu quando decidi escrever tudo isto."
Então é isso! Desculpem se fui muito rude ao dar a minha opinião, mas eu não poderia vir aqui, dizer que gostei e não ser sincera quanto à minha opinião. Como eu gosto muito da autora eu torço mesmo para que essa tenha sido apenas a minha opinião apenas e que agrade o publico em geral.
Eu não desmereço a autora, muito menos sua escrita! A Seleção ainda é uma das minhas séries preferidas, ela me conquistou ali, e continuo gostando e admirando a autora, porém esse livro em especial, não me conquistou, infelizmente!


site: http://www.eupraticolivroterapia.com.br/2016/02/resenha-sereia-kiera-cass.html
comentários(0)comente



Renata Basilton Pitch 04/02/2016

Perfeito!!
Kiera Cass, mais uma vez conseguiu que um romance seu entrasse na minha lista de preferidos! "A Sereia" é, como os outros livros da Kiera, melancólico e fofo, ao mesmo tempo. A leitura é super leve, e não arrastada, e você avança rapidamente na leitura sem nem mesmo perceber. Como na série de "A Seleção", todos os personagens são envolventes, não apenas os protagonistas. O final é ótimo! Durante o livro, Kiera consegue ir encerrando a trajetória de todos os personagens, linda e perfeitamente.
Como quase todos os outros livros da Kiera, entrou para a minha lista de favoritos, com certeza!
comentários(0)comente



Duda 12/02/2016

Diferente de tudo que já li sobre sereias
Li muitas resenhas criticando o livro. Dizendo que era só mais uma capa bonita ou que era uma decepção e várias outras coisas… Acontece que, apesar do romance proeminente, esse livro não é igual aos contos antigos das mitologias.
É bem interessante a forma que Kiera Cass construiu essa história. Já li muitos contos de sereias, já vi vários filmes em que as garotas com cauda de peixe são protagonistas - inclusive, é claro, o mais famoso da Disney: A Pequena Sereia -, mas esse livro em especial, trás a Água e as moças do Mar de uma forma diferente. Apesar de, em algumas partes parecer que eu estava lendo uma fanfiction (por causa da escrita da autora), e mesmo não sendo acostumada com livros de romance, o livro tem uma certa magia que fez com que eu gostasse dele do início até o fim. Foi o primeiro livro da Kiera que eu li, e eu simplesmente adorei a experiência.
Nem tudo é o que parece ser e nem todo silêncio é reconfortante ou necessário. Lembre-se disso.

site: Mais resenhas em: https://www.instagram.com/wonderland.pdf/
comentários(0)comente



De Olivato - @olivatobooks 18/03/2016

Leitura bem rápida e agradável.
Kahlen é uma das minhas personagens favoritas, ela conquistou esse direito, o altruísmo dela - sempre pensando no que suas atitudes resultariam para os outros e colocando a necessidades dos outros acima das suas -, o jeito como ela amou Akinli acima de tudo e sem falar no jeito com que ela amou as irmãs... É uma das minhas leituras favoritas da Kiera Cass.

Juro que fiquei com um pouco de medo do final, o livro já estava chegando nos últimos capítulos e ainda não tinha uma solução para as coisas que estavam acontecendo, achei que ela ia acabar tudo muito rápido e sem sentido, mas não... Bom, não em partes, acabou sim de forma rápida - o livro todo dá pra devorá-lo em questão de horas de tão envolvente que é -, mas não ficou sem sentido, fiquei bem satisfeito com o jeito como as coisas acabaram, todas as pontas soltas foram amarradas.

Gostaria muito que a Kiera explorasse mais esse universo de A Sereia, saber mais das irmãs, sob o ponto de vista delas.

site: https://www.instagram.com/p/BDGo4NURMr7/?taken-by=de_olivato
comentários(0)comente



kleris 18/01/2016

Além de uma extraordinária história, vi uma autora mais amadurecida
(Esta resenha teve corte de quotes do livro; visite www.dear-book.net para conferir)

Kahlen foi a única que sobreviveu ao naufrágio do barco da família, salva pela Água, uma espécie de ser poderoso, que a detém como serva. Kahlen, junto das outras irmãs sereias, deve ajudá-la a saciar sua fome e faz isso cantando para humanos, elas os atraem para que se afoguem. A sentença das sereias é servir por cem anos e então ter sua vida de volta – com todo um apagamento de memória. Ser sereia é, assim, parar no seu tempo e se dedicar à Água. Não pode se envolver com humanos, tampouco falar com eles, pois o menor som de uma voz de sereia faz com que eles entrem em transe e siga para o mar. E ninguém quer matar mais que o necessário...

As meninas sereias têm basicamente três vidas: a comum nossa, a vida de sereia, e a volta à comum, totalmente desligada das anteriores. Por todos os anos de sentença, elas sonham, fazem planos, se ocupam, cumprem suas missões, mas é difícil lidar com o fardo de assassinar pessoas – mesmo que para o bem de outras. Dentre as irmãs, Kahlen parece ser a que mais sofre, pois ela não consegue não se conectar às vidas daqueles que tira. É por isso que o tom da trama é melancólico, pois é Kahlen quem nos conta essa história.

Já com 80 anos de sentença e tão próxima do fim, ela traz uma alma cansada e torturada. Não que suas irmãs Miaka, Elizabeth ou Aisling não sentissem o mesmo peso, mas Kahlen é aquela que mais transparece o quanto se deixa abater. Apesar de tão obediente, ela não consegue abraçar essa vida. Ser imortal, ter uma beleza mítica, viver entre os humanos (elas não tem uma cauda de fato), nada a conforta – às vezes nem mesmo o amor das irmãs, igualmente presas. Como uma depressiva tentando melhorar sua situação, Kahlen vivia um dia de cada vez. Em um desses dias foi que ela experimentou baixar a guarda, se apaixonar e viver como uma garota normal... o que mudou todo o curso de sua sentença.

Em A Sereia, Cass traz o mítico e mergulha no sentimento humano com tamanha delicadeza. Ao concentrar suas ações no amor, no genuíno amor, mesmo com todas as chances contra, Kiera mostra que há sempre espaço para ele e isso é e deve ser libertador. Embora esse ideal tenha um pé de clichê, é como ela escreve e como descreve essa força interior que vemos que nada há de superficial nessa história. Muito pelo contrário, é tocante. Mas também envolve todo um pesar.

É, afinal, uma vida sem liberdade e de poucas escolhas. É como ser espiã, ter as complicadas missões, segredos e não poder falhar nunca, sob a promessa de ser eliminada. E ainda assim há uma centelha que sempre move os corações e não só o de Kahlen está nesse dilema.

Há momentos, claro, mais suaves, ingênuos, fraternais, esperançosos, descontraídos... é com Akinli que Kahlen sorri verdadeiramente para a vida e é com as suas irmãs que ela encontra forças para não transformar a sentença na tortura da alma. Apesar dos pontos comuns quando se trata de romance, Kiera soube medir bem para não ficar aquela impressão de amor bobo ou de família forçada. Me impressionou que ela não seguiu o caminho fácil.

Me impressionou também o encanto que é o universo da trama. Como mencionado, as sereias não têm propriamente uma cauda, elas são garotas normais que têm suas belezas afloradas para atrair. O toque da autora ao mito foi bem mais sutil, pois se detém mesmo à “irmandade misteriosa”, o que conferiu à trama poucas reviravoltas e poucos picos de ação – e nem por isso uma lentidão. Fico feliz que a Kiera pôde retrabalhar este livro, pois além de uma extraordinária história, vi uma autora mais amadurecida.

Vale dizer ainda que Kiera tem mesmo um apego pela arte, pela comida (bolos) e vestidos! São com certeza momentos para aquecer o coração. Por outro lado, quem não se sente confortável com leituras melancólicas, talvez não se agrade muito em acompanhar a história de Kahlen, pois a vulnerabilidade salta das páginas.

Não posso deixar de mencionar o primor da Editora Seguinte nesta edição. Apesar de não ter a versão final em mãos, o trabalho deles tá bem show e delicado. Traz uma cartinha da autora para nós, leitores brasileiros, e essa capa vem direto da Bahia! E para quem não sabe, A Sereia é volume único, com nenhuma ligação (afora os traços da autora, claro) com a Série A Seleção.

Recomendo! Já deixo meu abraço a você, leitor, que logo for mergulhar nessa história. Não deixe de voltar e comentar suas impressões. Enquanto isso, ouça um trechinho do canto das sereias (ver link da resenha) e, por favor, não entrem no mar!

site: http://www.dear-book.net/2016/01/resenha-especial-sereia-kiera-cass.html
comentários(0)comente



Beatriz 24/02/2016

Uma historia de decepção,

A pessoa que vos escreve tem desde algum tempo uma historia de amor e fascínio por sereias, paixão mesmo. Quando vi que ia sair esse livro eu fiquei muito animada, a capa era linda e a sinopse era interessante. Vamos lá.

Acontece que na primeira pagina a decepção começou a rondar, tudo começou muito simplório demais, meio bobo demais. E eis que cheguei a mais ou menos 40% e eu NÃO. AGUENTEI. MAIS

E vou te contar porque:

No principio temos Kahlen uma jovem de 19 anos que teve sua vida entregue a Água, ok tudo bem, eu poderia aguentar os primeiros diálogos totalmente mal escritos e mal aprofundados. Eu poderia fingir que a escritora tinha passado por cima de coisas tão importantes quanto a fisionomia e ação das sereias em sua primeira aparição no livro. Sim eu podia.

Mas só foi se repetindo os padrões.

Até aonde eu li, Kahlen não tinha uma personalidade bem desenvolvida e apresentada. Ela era a tipica personagem-de-livro-criada-para-agradar-leitores. Aquelas que amam ler, mas só. Se sentem melhor sozinha e são meio introspectiva, apesar de serem bonitas gentis amáveis etc. E apesar de ter quase 100 anos de idade é extremamente infantil e meio tapada, o que acho que foi meio esperado ter um romancezinho tão WHAT?

Kahlen tem um sério problema com seus sentimentos. A síndrome de Estocolmo que sente pela Água é meio irritante. Ela é uma sereia que canta para afundar navios e matar pessoas, isso é legal é uma ótima releitura. Mas Kiera não desenvolveu nada bem, há 80 anos Kahlen mata pessoas bebes e crianças e tem a psicótica e doente mania de ANOTAR TODOS OS NOMES E PERFIL DE GENTE QUE MATOU. Hello Bella Swan feat Dexter. Outra coisa sem sentido foi que ela alem dessa coisa de caderneta/obituário de suas vitimas é que ela tem pesadelos horríveis com eles. Isso não seria estranho se ela precisasse dormir, mas sereias de Kiera Cass não precisam comer ou dormir, logo Kahlen não precisava dormir mas dormia pra ter pesadelos com pessoas mortas que ela matou mas não queria ter matado, mas gosta muito de lembrar que matou.

"Era como se saber mais sobre a vida do que sobre a morte deles tornasse as coisas melhores de alguma forma. (...) Minha meta hoje era Warner Thomas, o penúltimo da lista de passageiros do Arcatia. (...) Havia milhares de pessoas com o mesmo nome, mas assim que descobri todos os perfis de redes sociais que pararam de postar de repente seis meses antes, tive certeza de que era ele. (...) Quase ri. A expressão dele em todas as fotos que encontrei me fazia pensar que ele nunca tinha exclamado nada na vida."


A parte de mitologia e anatomia dos seres, se eu dissesse que me deixou puta da cara, é um eufemismo. As sereias simplesmente não tem CAUDA. A Água, que achei muito interessante ser tratada como uma entidade, transforma sal em VESTIDOS DE BAILE ou invés de caudas. Serio, eu reli a parte umas 10 vezes de tão desacreditada que estava.Me deem logo um tiro.

"— Uhuuuu! — Elizabeth comemorou quando mergulhamos mais fundo e partimos. A velocidade arrancou suas roupas leves e ela abriu os braços para esperar seu vestido de sereia, o cabelo dançando atrás do corpo. Quando nos movíamos desse jeito, qualquer veste terrena que usássemos se esvaía. A Água abria Suas veias e liberava milhares de partículas de sal que se fixavam no nosso corpo para criar vestidos longos, delicados e esvoaçantes. "


A mitologia era quase uma piada, no MUNDO INTEIRO, com uma entidade em formato de elemento da natureza que cobre mais de 2% da terra. Só tem 2 ou 3 sereias ao mesmo tempo. Explicações e sentido para qualquer coisa magica foi nula quanto eu lia. Kahlen vive numa casa com mais duas "irmãs", em Miami.

O romance estava no começo quando eu abandonei, e o que eu li eu quase me esquecia que eram duas pessoas na faculdade sendo uma mulher de quase 100 anos. Simplesmente não fez sentido, não teve aquele flerte que você sente atração. A escritora junto duas pessoas meio sem personalidade aparente, um menino tagarela pra diabo e uma muda boba alegre. Ambos trocando mensagens de whatsapp cheio de emojis com carinhas felizes.

"Primeiro: ele era tão, mas tão fofo! Segundo: ele me mandou uma foto! Um garoto havia tirado uma foto só pra mim, e senti como se aquilo fosse mais importante do que qualquer coisa que tinha vivido no último século."

"Carinhas felizes. Ele mandava várias. Se viessem de qualquer outra pessoa, seriam ridículas, mas eu tinha certeza de que, se ele mandava uma, era porque estava sorrindo de verdade."


O romance acontece entre o menino tagarela e a muda, pois a voz dela é tão bela e hipnótica que ela não pode falar com humanos, então passa todo os diálogos escrevendo em papel e entregando a ele. Gostaria de dizer que um dia eu li uma FANFIC sobre sereias aonde elas não falavam também, e a escritora da FANFIC soube explorar caras, boas e movimentos tão bem que eu simplesmente tive pena de Kahlen e seus bloquinhos.

Acho que eu posso ter subestimado um livro infanto juvenil, mas levando em conta a idade da personagem eu acho que foi só muito ridículo mesmo. Ou talvez depois que eu tenha lido as sereias de A Menina Submersa eu tenha elevado meus padrões de mistérios com sereias. Não sei. No fim o livro não me ensinou nada, não passou nenhuma mensagem e eu não tive a minima curiosidade de terminar a leitura. Mas essa são as minhas impressões.

site: https://aquimerablog.wordpress.com/2016/02/24/abandonei-mesmo-a-sereia-kiera-cass/
comentários(0)comente



Cah Snow 17/02/2016

Eu sempre adorei coisas relacionadas a sereias (eu amava a série H2O), mas mesmo assim foram muitos poucos livros com sereias que eu li e geralmente elas não eram muito importantes pra história. E adorei a forma com que foram retratadas nesse livro.

Nesse livro vamos conhecer a Kahlen (que pesquisei e se pronuncia QUEilin) que é uma garota que foi salva pela Água e em troca ela deve cem anos de serviço a Ela, depois desse período ela poderia ter sua vida normal de volta e esquecer sua vida de antes. Essas sereias são um pouco diferentes do que estamos acostumadas, em vez de cauda elas usam lindos vestidos feitos de areia e usam suas vozes para afundar navios para a Água se "alimentar" das vitimas. Elas não podem falar com humanos, pois suas vozes são mortais para eles. Mas Kahlen não gosta de usar sua voz para matar as pessoas, mesmo que seja necessário e quer que sua vida como sereia termine logo, ainda mais quando ela conhece Akinli (que se pronuncia aQUINli). Eles logo se apaixonam, o que coloca a vida dos dois em perigo e fica bem mais difícil para Kahlen manter o seu segredo.

O livro é muito bom e a escrita é maravilhosa, o que deixou a leitura bem mais leve. Mas teve alguns pontos negativos, porque algumas coisas não foram respondidas no livro, faltou a autora exclarecer alguns pontos importantes e também achei muito pouco o romance (quero dizer, eles só se encontram umas três ou quatro vezes e já dizem se amar profundamente), apesar de eu ter até gostado bastante do Akinli (ele é um fofo). Adorei as "irmãs" dela e a relação com elas. Apesar de esperar um pouco mais de romance (olha que eu nem gosto tanto de romance, mas é que estamos falando da Kiera Cass, né ?) eu amei as cenas deles juntos.

Eu super indico a leitura desse livro, que me envolveu tanto que poderia ter bem mais páginas (e aí sim seria perfeito).
comentários(0)comente



Victoria 18/02/2016

Não é porque é YA que tem que ser fútil
Acompanho a série A Seleção e apesar de gostar, tive algumas reservas em relação a ela devido à futilidade dos personagens. Infelizmente, isso se repetiu em A Sereia.

Não me conectei com nenhum personagem do livro. Não sei se por ser o primeiro livro da autora, mas ela não conseguiu criar personagens críveis e palpáveis, daqueles que surgem na sua mente sem esforço algum. Até a Água, com letra maiúscula já que é um ser com vida e personalidade própria, que tinha tudo para ter diálogos sensacionais, não me passou a grandiosidade e a força que eu esperava encontrar.

Os protagonistas são muito sem sal e o romance não me convenceu.
Depois desta onda de personagens femininas fortes e que batalham por um bem maior, me deparar com uma protagonista que pensa que a única coisa na vida que importa é casar foi bem difícil, viu? Akinli (não sei se é spoiler mas não espere que esse nome diferente tenha algo a ver com as sereias porque não tem, era algo que eu esperava e que poderia ter sido interessante) é legal e só, para por aí. Não esperem muita coisa das cenas de romance dos dois.

Algo que me incomodou muito é o estilo de vida das sereias, que têm 100 anos de servidão, mas não têm NENHUM crescimento pessoal no decorrer do tempo. A Kiera escreveu esse livro com quantos anos, ein? Tentei dar um crédito a ela, porque eu vi que foi o primeiro que ela escreveu, mas ela disse que a história foi revisada. Ok, né.

É muita imaturidade presente nele e me fez pensar em como pode ser até perigoso uma adolescente ainda em formação ler livros assim e pensar que a vida é tão pequena como é mostrada ali. Teve uma cena específica que me revoltou demais e me deu medo da autora que tratou tudo como se fosse algo normal. Quem leu vai saber qual é!

Pra não dizer que é de todo ruim, a história é bem criativa e tem potencial (que não foi atingido) e a narrativa é leve e fácil. É um passatempo se você não estiver com muitas expectativas. E a capa é linda, assim como as de A Seleção.

Vou emprestar para minha irmã de 12 anos, porque ela é fã, mas depois vou indicar algo mais maduro porque quero que ela busque coisas maiores na vida além de um marido.
comentários(0)comente



Camila Rafaela Felippi 01/08/2016

Obrigada Kiera Cass! (desabafo)
Nunca tive o costume de fazer resenhas, assim como não tenho mais o hábito de escrever textos – coisa que sempre gostei de fazer. A verdade é que o trabalho e a faculdade acabam com as nossas rotinas. Certamente deixei de ser a mesma pessoa que era quando cursava o ensino médio e acreditava que nenhuma correria atrapalharia meus hábitos de viajar no universo literário. Me enganei. Aqui estou eu, iniciando hoje o último semestre da faculdade, tendo que me dedicar quase que exclusivamente ao tema do meu tcc, que é da área financeira, e deixando de lado o que realmente amo: romances e aventuras. Ler é uma das únicas coisas que me faz sentir quem realmente sou, e não a pessoa que só trabalha e estuda muito mais horas do que minha saúde permitiria. Sinceramente não sei dizer se é por causa do estresse, do cansaço e da preocupação do dia a dia que me faz muito mais sensível ao que está acontecendo nas páginas dos livros.
Durante as férias de julho li treze livros, concluindo A Sereia com chave de ouro e que me salvou (deve ter sido o canto da Kahlen). Juro que estava com vontade de parar de ler, definitivamente. Dos outros doze livros nenhum teve final feliz. Nos primeiros cinco foi normal, como acontece com qualquer outra estória. Mas quando chegou ali pelo décimo, os finais infelizes começaram a afetar minha autoestima. Para quê tanta desgraça em livros que poderiam ser maravilhosos? (Obs: não estava lendo livros do gênero de drama, erroneamente estes foram intitulados como romance e/ou aventura). Eu realmente ficava triste, decepcionada e revoltada. Foi aí que decidi ler A Sereia e que teve um final maravilhoso, do jeito que se eu mesma fosse a Kiera Cass teria escrito. É um desses livros que dá vontade de reler mil vezes, porque faz lembrar de como o amor é incrível e como ele faz os nossos dias serem melhores. E graças A Sereia hoje terei mais entusiasmo de lidar com mais um semestre que com certeza será corrido e turbulento.
Indico para todos A Sereia! Pode ser que a escrita não esteja das melhores e mais surpreendentes, considerando o nível da Kiera Cass em A Seleção, mas é um livro simples que, pelo menos para mim, fez meu dia muito mais feliz!
Bruna C. 09/10/2016minha estante
Poxa, me identifiquei demais com o seu desabafo! ): Também parei de escrever com a faculdade e o trabalho, e amo ler, demais, é uma das coisas que mais adoro fazer e que também acabei deixando de lado. Agora que acabei a faculdade, pretendo retomar a leitura e até a escrita (tanto quanto alguém que ainda precisa estudar para concursos possa!, rs) e a sua resenha só me deu mais força para isso!! Também amei a Sereia!! Um beijo linda, boa sorte com o seu tcc e tomara que depois a gente consiga reembarcar nesse mundo juntas haha




Tony 17/01/2016

Resenha: A Sereia - Kiera Cass
"A Sereia", de Kiera Cass, chega nas livrarias de todo o mundo no dia 26 de Janeiro, mas em uma ação exclusiva promovida pela Editora Seguinte, recebi uma prova antecipada da obra para ler e resenhar aqui no blog.

Pois bem, o livro começa sua história no ano de 1933, onde acompanhamos o navio da família de Kahlen naufragar. Graças à Água, a garota consegue sobreviver. Mas com um porém: ela virará uma sereia e terá que ficar do lado da Água por 100 anos, sendo sua serva e usando a voz mortal que ganhou para matar várias pessoas.

Passam-se 80 anos e vemos que Kahlen não está nada bem. Ela não consegue lidar com o fato de ter matado e ainda ter que matar pessoas para a Água e vive tendo pesadelos e lembrando dos rostos aterrorizados de suas vítimas. Nem a companhia de suas irmãs sereias (Miaka e Elizabeth) ameniza a dor que a garota sente, só que de repente as coisas começam a mudar.

Kahlen conhece Akinli — um garoto gentil, simpático e educado — e passa a se sentir mais viva e feliz. Entretanto, há dois problemas: ela não pode falar com o garoto, pois sua voz o mataria num piscar de olhos; e além disso, é contra as regras da Água se apaixonar por um humano. E agora? Como os dois poderão ficar juntos?

"É engraçado pensar nas coisas a que nos apegamos, nas coisas de que lembramos quando tudo acaba." - página 09

Por mais que a premissa do livro tenha um quê de clichê (amor impossível e tudo mais...), tenho que dizer que a obra não é previsível em nenhum momento. Kiera Cass além de ter conseguido criar uma história de amor apaixonante, intensa, linda e de tirar o fôlego, ainda deu uma cara nova as Sereias e criou uma mitologia rica e bem construída para a sua trama.

São tantos elogios que tenho a fazer, que até estou um pouco perdido, mas começarei falando da mitologia presente no livro. Kiera soube mesclar entre o clássico e o novo na hora de criar suas sereias e é isso que as torna tão fascinantes. As servas da Água aqui continuam tendo sua voz hipnotizante e a beleza estonteante, mas possuem características novas criadas pela própria autora: há a imortalidade, invulnerabilidade e a ausência de caudas de peixe, que aqui são substituídas por vestidos feitos de grãos de sal. Além disso, ainda há a servidão das mesmas à Água, que precisa do trabalho delas para poder continuar existindo no mundo.

Todos (e quando digo todos são todos mesmo) os personagens do livro são cativantes. Kahlen consegue nos convencer e conquistar logo de cara, então rapidamente passamos a comprar as dores da personagem e a torcer por ela.
Akinli também é outro que é impossível não gostar. O rapaz é aquele típico personagem que consegue (facilmente) nos colocar um sorriso no rosto.
E o que dizer das irmãs sereias de Kahlen? É uma mais legal e interessante do que a outra. Aisling é sábia e possui uma história comovente; Elizabeth não tem papas na língua e é cheia de atitude; Miaka é inteligente, engraçada, talentosa e muito fofa; E Padma, apesar de sua fragilidade, possui uma doçura cativante.

"Será que ele tinha motivos para achar que o rumo de sua vida estava mudando? Ou seria apenas mais uma das mentiras que contamos na segurança do quarto quando ninguém pode enxergar a falsidade das palavras?" - páginas 25 e 26

O romance entre Kahlen e Akinli é simplesmente arrebatador. Logo nas primeiras páginas em que ele é introduzido, já somos invadidos por uma vontade louca de querer ver os dois juntos logo. Mas como Cass é danada, faz de tudo para impedir os dois de ficarem juntos. Daí já viram, né? Isso só deixa o leitor ainda mais desesperado e com o coração na mão. É, meus amigos... Até eu que nunca gostei de ler romances, me vi envolvido de uma forma extremamente intensa com o amor entre os dois personagens.

E o que falar da escrita da autora? Absolutamente viciante! Eu não sei o que Kiera Cass faz, mas o fato é que ao começarmos a ler os seus livros, não conseguimos mais parar. E com "A Sereia" a situação não é diferente. A leitura dele é tão gostosa e fluída que em apenas três dias, concluí o livro.

"Algumas pessoas que passavam por ali apontavam e riam, mas era um daqueles momentos em que eu sabia que não estavam tirando sarro, mas com uma pontinha de inveja." - página 60

Mesmo na prova, a Seguinte já conseguiu mostrar uma excelente tradução e um ótimo trabalho de revisão. Há alguns errinhos aqui e acolá, mas todos muito simples. Tenho certeza que a versão final do livro estará perfeita.

Felizmente não tenho o que reclamar do livro. Talvez um único defeito seja o livro ter fim (rs). Não reclamaria se houvessem mais umas 100 ou 150 páginas para podermos continuar acompanhando a linda história criada por Kiera Cass. Mas fazer o quê, né?

"Talvez o segredo para eu poder seguir em frente não fosse eliminar tudo o que eu sentia. Talvez só precisasse me concentrar no único sentimento que fazia todos os outros parecerem menores." - página 62

Em suma, "A Sereia" é um livro envolvente e apaixonante. Com personagens cativantes e um romance de tirar o fôlego, a obra tem tudo para conquistar todos aqueles que a lerem.

site: http://tonylucasblog.blogspot.com.br/2016/01/resenha-sereia-kiera-cass.html
comentários(0)comente



Hellen Buckel 10/02/2016

Estava louca por este livro, antes mesmo da editora informar o lançamento dele na nossa terrinha. Depois da Seleção, leria qualquer coisa que essa Autora escrevesse até mesmo um recadinho em um guardanapo usado. E meus caros leitores, apesar da história ter me surpreendido de uma forma inusitada (calma já falarei), Kiera ainda continua ser a Diva que conhecemos!

No começo boiei muito. Pronto. Falei.
Na minha cabeça, a imagem das sereias era mais parecida com a da Ariel (minha diva forever) da Disney, com uma beleza esplendorosa, que possuíam um corpo metade humano, metade peixe e usavam as conchas para cobrirem os peitinhos. Então imaginem o tapa que levei na cara quando vi que as Sereias no mundo da imaginação de nossa amada Kiera não possuíam nada disso (fora claro a beleza) e que viviam numa casa em Miami próxima a uma universidade. Meu queixo despencou ladeira a baixo quase atingindo o chão. Sério. Então, quando finalmente consegui compreender o seguimento da história, já estava quase na página 100 ( vai, podem rir).
A história é bem criativa e desenvolvida, porém, ele deixa vácuos no ar fazendo com que não entendêssemos certas partes da história. No entanto, não deixa de ser encantador e fantástico.
Kahlen (ainda não sei como pronunciar esse nomezinho) é uma sereia bem diferente das outras. Utiliza de sua voz para atrair as pessoas para a Água, na qual jurou servi-la por 100 anos. E mesmo depois de 80 anos de servidão e milhares de naufrágios em suas costas, Kahlen ainda se ressente por todas aquelas mortes. Sua voz, assim como as vozes das demais sereias são fatais para os seres humanos,que os induzem a ir em direção à Água, ou qualquer fonte que esteja em seu alcance para por um fim em suas vidas. Apesar de se passarem por mudas no mundo dos humanos, a beleza das Sereias conseguem ofuscar qualquer pessoa em um raio de 100 Km. E de tantos homens, Kahlen acabou se apaixonando por um humilde bibliotecário chamado Akinli ( essa autora tem inspiração para criar nomes bizarros).
O amor que floresceu entre eles foi instantâneo devo confessar, e as reviravoltas que sucederam na história colaboraram para que eu desse 4 estrelas neste livro. Apesar do romance doloroso e sofrido que Kahlen sentia por Akinli, dá para contar nos dedos quantas vezes eles se viram e isso meio que perdeu um pouco a graça da história. Sim, eu sei que a Água não permitia que suas Sereias se apaixonassem por humanos, e muito menos que se tornassem mães ou esposas, porém, poderia ter desenvolvido mais as cenas, ou que tivesse mais.
Achei que no final ficou faltando partes que pareceram ser importantes destacar e pensei: Nossa, espero mesmo que tenha continuação!!!
E não tem. #superchateada.
O final foi bom, longe disso dizer que não foi, mas ficaram varias partes soltas no ar. Enfim, apesar de tudo isso, meu coração é enorme e eu o abri de bom grado para a nova história de Kiera.
Se recomendo?
Claro!!


site: http://imaginatorbooks.blogspot.com/
Bruna C. 15/02/2016minha estante
Adorei sua resenha, Hellen! Preciso confessar q tbm tinha essa imagem super fofa das sereias, e todos os livros atuais sobre elas acabaram me decepcionando por trazer esse lado sombrio kkkkk. Mas já percebi que Siren e Mermaid (ambos traduzidos para 'Sereia' em português) são coisas diferentes em inglês. Mermaid são as sereias fofas, tipo a Ariel, enquanto as Sirens são servas do mar e tal, bem punk, haha. Vou dar uma chance ao livro por causa da Kiera, mas já estou aflita porque a Kahlen do livro tem cara de ser uma Siren e não uma Mermaid... #medo


Hellen Buckel 18/02/2016minha estante
Então Bruna, fiquei totalmente chocada quando comecei a ler A Sereia, pois foi como se eu estivesse em outra dimensão!!
Precisa ter medo não!
Essas sereias podem até ser medonhas, mas a Kahlen é a que mais se importava com as mortes das pessoas nos naufrágios.





Camila 26/02/2016

Resenha: A Sereia (Por Livros Incríveis)
Após perder a família e quase perder a vida em um naufrágio, Kahlen deve servir a Água por 100 anos, cantando e atraindo pessoas para o fundo do mar, para que a Água possa se alimentar. Obediente, a garota serviu por 80 anos, sendo a sereia mais fiel e amorosa até então. Então ela conhece Akilin, um garoto gentil e doce que parece querer conhecê-la de verdade, não se aproximando dela apenas pela aparência estonteante. Com poucos, mas grandiosos momentos, Kahlen começa a questionar tudo ao seu redor, arriscando o bem de todos para viver um grande amor.

Estava bem ansiosa para ler A Sereia, e confesso que ainda não sei bem o que pensar. Eu gostei, mas de fato houve falhas, umas que eu pude relevar, outras não. A narrativa simples de Kiera continua tão fluída e viciante quanto, com muitos diálogos e descrições. Porém, achei o livro mais confuso que os outros da autora, não exatamente pelo universo que ela criou, que fica melhor de compreender com o passar da história, mas por passagens difíceis e os próprios diálogos e descrições.

A protagonista do livro, Kahlen, é uma garota assolada pela tristeza. “Congelada” ao 19 anos no tempo por 100 anos, é extremamente sensível e deprimida, já que tem pesadelos com todas as pessoas que mata para a Água em naufrágios. Seu sonho, mesmo após 80 anos, sempre foi se casar e amar alguém. Entretanto, ela nunca se julgou capaz disso, justamente por tirar tantas vidas, além de nunca ter tido motivos para desobecer a Água. Até que ela conhece Akinli, o garoto que vira seu mundo de cabeça para baixo. Apesar de terem se visto apenas três vezes, Kahlen se apaixona pelo bibliotecário que conheceu na faculdade. Compreensível em minha opinião, já que era seu sonho, e ela ficou tanto tempo sem contato direto sem conhecer alguém que realmente gostasse dela pelo que é. Ainda, apesar de apenas três vezes, foram encontros longos e memoráveis, que ficaram na cabeça da garota. Contudo, acredito que Kiera Cass errou a mão na medida de sentimentos que Kahlen sente. O que começa com um amor singelo, termina com algo profundo, no estilo “eu não sei viver sem você, você é meu tudo, perfeito”. Até certa parte é suportável, mas depois torna-se cansativo e aparentemente forçado, de um momento para outro, mesmo depois de já gostar dele, torna-se uma obcessão, levando-a a definhar cada vez mais.


“Eu não podia amar. Eu assassinava o amor toda vez que cantava.”


A grande surpresa e a graça do livro fica por conta das “irmãs” sereias de Kahlen, Padma, Elizabeth, Miaka e Aishling. São elas que dão vida para o livro, com suas histórias chocantes e marcantes, momento cômicos e acima de tudo, cumplicidade para com Kahlen. Se elas não existissem, A Sereia seria um livro bem sem graça. Particularmente, a sereia que mais gostei foi Aishling. Apesar de ser mais fechada, sua história me emocionou e arrancou lágrimas. Considerando isso, o melhor ponto do livro é como Kiera mostrou que todas elas eram garotas de diferentes partes do mundo, com suas dores e angústias e, próximas a morte, preferiram lutar pela vida. É uma questão que me fez refletir, e acredito que, indiretamente, a autora quis passar a mensagem de que a vida é mais forte que qualquer dor.

A nova visão de Kiera sobre as sereias foi bem criativa, e eu adorei o fato de a Água ser algo com vida, que pensa, fala e tem sentimentos. Se procura sereias no estilo de A Pequena Sereia, saiba que esse não é o caso. Elas não possuem cauda e podem conviver com pessoas ao seu redor, desde que não abram a boca; se abrirem e disserem qualquer coisa, podem colocar tudo a perder.
Cass trabalhou muito no mundo criado, desenvolvendo bem sua mitologia, contudo, sendo algo difícil de assimilar bem ao menos nas primeiras 100 páginas.
O final foi de certa forma, corrido. A minha impressão é que a autora se enrolou e foram muitas informações para se assimilar, o que deixou a leitura um pouco confusa, se considerarmos que é tudo novo para o leitor.

Para o primeiro livro, acredito que Kiera Cass tenha se saido muito bem. Podemos perceber que ela possui muita criatividade e é notável a evolução entre A Sereia e A Seleção. A Sereia é sem sombra de dúvida, recomendado para os fãs da autora. Para quem não faz parte desse grupo, é recomendado como uma leitura sem muitas pretensões.

site: http://porlivrosincriveis.blogspot.com.br/2016/02/resenha-sereia-kiera-cass.html
comentários(0)comente



292 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |