Pelos caminhos da vida

Pelos caminhos da vida Cristina Censon...




Resenhas - Pelos caminhos da vida


13 encontrados | exibindo 1 a 13


Vanessa Sueroz 29/03/2016

Neste livro vamos conhecer Adele e Justine e muitos outros personagens cativantes. Adele e Justine estão fugindo, pois Aele é uma criança diferente e seu pai quer manda-la para um convento. Durante a fuga elas encontram com o jovem Adrien, um camponês que acabou de perder toda a família para a peste.

Adrien é um rapaz muito bom e acaba ajudando as moças em sua jornada lhes dando abrigo e comida. Adele o ajuda com ensinamentos e conhecimento que uma menina da ideia dela não possui e Adrien acaba indo além na sua ajuda e lhes mostrando um caminho seguro.

Assim como Adrien vamos conhecer muitos outros personagens nesta jornada que vão ajuda-las e que também precisam de ajuda, mas ajuda espiritual.

Resenha completa:

site: http://wp.me/p3OwEQ-3sf
comentários(0)comente



Gaby 28/04/2016

Romance, tensão e lindas mensagens de amor e fé...

Adele tem apenas 13 anos quando foge de casa, para longe do pai intolerante e inflexível que a mandaria para o convento, onde poderiam dar "um jeito" nela. Sabendo o que fazem com pessoas como ela; que possuem poderes sobrenaturais e grande sensibilidade, ela foge junto à sua protetora, Justine, em quem sua mãe depositava grande confiança. Mas sua mãe não está mais no mundo dos vivos, o que deixou seu pai, Auguste, ainda mais amargo e infeliz.

Em sua jornada em busca de Elise, mulher que, segundo sua mãe, poderia protegê-la das crués ações de alguns, Adele conhece pelo caminho o jovem Adrien, que perdeu toda sua família em decorrência de uma peste e se vê sem esperança, sem rumo...

Porém Adele o ajuda a enxergar os eventos recentes sob outra perspectiva, o que o deixa mais leve e conformado com as ações da vida e do tempo. Decide então ajudar aquela estranha menina, que mesmo tão jovem já tem grande maturidade e sabedoria.

Os três então continuam a busca por Elise de Bousquet, mas o caminho é longo e tortuoso. Muitas provações o esperam, mas também lindas amizades, como a que cultivam com Rene, que os levam para as terras de Jules, um homem bom e justo que os recebe com grande alegria e cuja filha, Aimée, também é sensitiva.
Jules tenta dissuadir Adele de tentar encontrar Elise, mulher que ele já encontrou uma vez, e foi desiludido pela ganância e interesse dela, que se recusou a ajudar sua filha quando mais precisava.

No entanto, Adele sabe o que tem que fazer, e fará com ou sem ajuda. Ela seguirá seu caminho e irá selar seu destino...

"O melhor a fazer em qualquer situação é continuar a caminhar, jamais interromper os passos. Se pararmos, se permitirmos que o medo nos acompanhe, fatalmente estaremos fadados ao fracasso.


Esta foi minha primeira experiência de leitura de um livro espírita, e devo confessar que estava receosa, com medo de não gostar... Porém, logo nas primeiras páginas, percebi que não tinha motivos para tanto receio, pois foi uma leitura bem agradável e com muitos pontos altos.

Esse é um livro sobre os vários caminhos da vida; sobre destino e sobre coragem. Sobre como as vezes é difícil perdoar a si mesmo, mas como isso é necessário para alcançar a paz interior e seguir nosso rumo.
Também é sobre amizade. Sobre o amor, e como só ele pode unir almas...

Enquanto as mentes permanecerem fechadas às novas ideias e conceitos, o ser humano permanecerá estacionado no campo do intelecto e da moral. Mas a evolução é uma lei a que todos estão submetidos. É um caminho que todos nós percorreremos: uns mais rapidamente, outros a passos mais lentos, mas todos se direcionam a ela."

Acompanhar a trajetória de Adele, Aimée, Elise e demais personagens foi, para mim, algo belíssimo e engrandecedor. Todos os personagens passam por dificuldades na vida que, por um momento, os paralisam e dificultam o caminhar; e para continuarem firmes contam com a ajuda dos seres de luz, espíritos bons que mandam vibrações e mensagens de apoio, além de ajudarem de outras indescritíveis formas.

Uma leitura rápida e envolvente; possui personagens muito bem construídos e ótima ambientação. Não é um livro muito descritivo, o que tornou a leitura ainda mais rápida. A cada capítulo temos uma nova revelação ou novos personagens, nos deixando impossibilitados de largar o livro :D

Depois da leitura pesquisei um pouco sobre psicografia, e pude entender melhor o processo de escrita de livros espíritas. Recomendo que façam o mesmo, caso se interessem.

A edição, lançamento recente da Petit Editora, está impecável. Adorei a capa, que tem muito a ver com a estória! As páginas são brancas, mas isso em nada atrapalhou minha leitura.

Recomendo o livro a todos!! Tem romance, tensão e muitos ensinamentos. Independente da religião, não custa nada dar uma chance a um livro tão bonito e bem escrito! Você irá ganhar mais do que perder, tenho certeza :)

site: http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/2016/04/pelos-caminhos-da-vida-de-cristina.html
comentários(0)comente



Rose 20/05/2016


Adele é uma menina de 13 anos que possui uma grande sensibilidade e alguns poderes sobrenaturais. Se isso já seria visto com certa estranheza nos dias de hoje, imaginem então em plena França do século XIV!

Sua mãe que também tinha estas mesmas características, tentou ensinar tudo o que sabia para sua amada filha. Mas, infelizmente ela veio a morrer, o que dificultou e muito a vida de Adele, pois seu pai Auguste não entendia e não aceitava estes fatos. Fora que de certa forma, culpava a filha pela morte da mãe, pois esta teve sua saúde afetada desde o parto.

Quando perdeu a mãe, Adele passou a ser cuidada e protegida por Justine, fiel serviçal de sua mãe e que atendeu prontamente o pedido dela de cuidar de Adele.

Justine e Adele ficaram inseparáveis, e quando Adele resolve fugir para não ser presa no convento em que seu pai queria enfiá-la, Justine não só ajudou na fuga, como foi junto de sua menina.

Seguindo os conselhos de sua falecida mãe, Adele iria ao encontro de Elise de Bousquet, que até onde ela sabia, seria a única que poderia lhe ajudar e proteger.

Acontece que ela não tinha ideia do que viria e enfrentar nesta sua jornada. felizmente em seu caminho surgiram pessoas de bom coração que não hesitaram em ajuda-la.

Pessoas como Adrien, um jovem que acabara de enterrar a família por conta da peste que assolara a região. O rapaz apesar do bom coração, estava desolado e sem saber direito o que fazer de sua vida.

As palavras sensatas e iluminadas de Adele acabaram acalmando o coração sofrido de Adrien, dando-lhe uma luz de esperança. Foi ao lado de Adrien que Adele e Justine seguiram seu caminho.

Um caminho que acabou cruzando com o de Rene, um jovem que acabou se encantando com Justine. Apesar dele não concordar com o fato delas quererem irem ao encontro de Elise, Rene também se dispôs a ajuda-las na caminhada.

Assim, os quatro acabaram chegando às terras de Jules, um bondoso homem que por coincidência tem uma filha chamada Aimée, que assim como Adele, possuem uma alta sensibilidade. Os quatro foram muito bem recebidos, até por conta da amizade de Jules e Rene.

Quando Jules soube dos planos de Adele e Justine, tentou de todas as formas convencê-la a não procurar Elise, a quem ele não confiava nenhum pouco.

Apesar dos medos e das advertência, Adele resolveu seguir em frente, com uma pequena mudança de planos. Ela estava cansada de fugir dos homens de seu pai, que pareciam estar mais perto de encontrá-la a cada dia.

Do encontro com Elise, muitas coisas acontece e mudam radicalmente. E ao longo do livro vamos acompanhando como os personagens encaram sua vida, e como seguirão seus caminhos. As dificuldades enfrentadas põe em cheque a fé que cada um tem, mas ao lados deles estão os bons espíritos, que ajudarão na longa jornada.

Eu estou acostumada com outro tipo de livro espírita, mas a leitura desse foi interessante. Quando pedi o livro de cortesia para a editora, achei que o enredo seria diferente, mas mesmo assim, gostei do que li, e recomendo para aqueles que procuram romance e ensinamentos que podemos levar para a vida, independente da religião que temos.

site: http://fabricadosconvites.blogspot.com
comentários(0)comente



Mila 22/05/2016

O Inusitado
Terminei esse livro com vontade de quero mais!
Quando conheci Adele, acreditei no potencial da sua mediunidade, na força que o amor que sua mãe desencarnada dedicava a ela contando com o apoio de Justine. Seu pai, Auguste sempre se mostrou um tirano, insensível e totalmente descrente do poder de Deus e o tipo de pessoa teimosa que foge da própria culpa perante o inevitável e sempre buscando alguém para jogar toda sua frustração.
Justine através da busca por Elise juntamente com Adele, buscava aplacar a tristeza que a menina sentia tanto pela falta da mãe Anete quanto a intolerância do pai.
Com o passar do tempo e da busca incessante por Elise de Bousquet (ajuda que a mãe de Adele julgava ser melhor para a filha), passam-se alguns anos e acabam por conhecer Adrien, um rapaz muito simpático que acabara de perder as pessoas mais importantes de sua vida. Até mesmo a noiva que sonhou se casar, a peste levou a todos com toda sua potência. Nessa época a peste assolava toda a Europa, ceifando vidas preciosas com toda sua fúria.
Adrien acolheu Adele e Justine que acabaram por observar que Adrien estava ficando doente. Decidiram ficar por mais tempo e passaram a cuidar da alimentação e de Adrien para que sua recuperação fosse rápida e assim foi. Com o coração cheio de gratidão, ele decide auxiliar as duas em busca de Elise. Muitos fatos ocorrem até que possam seguir viagem, até mesmo os homens de Auguste passam pela propriedade de Adrien que lhes indica um caminho diferente ao qual tomaria juntamente a elas, desviando-as assim da perseguição.
Há muitas lições que podemos retirar desse livro e recomendo para todas as idades para que tenham uma noção de como funciona a união de pessoas que buscam o bem e a liberdade. Também pude observar que a ira deixa as pessoas cegas perante o invisível e a mão bendita de Deus!
Leiam e tirem suas conclusões!
Eu achei a história envolvente, por vezes fiquei chateada demais com o vilão e acabei por amar o final desse primeiro livro!
Muito obrigada Editora Petit por mais essa preciosidade!
Até breve!Abraços fortes!

site: http://scraplivros.blogspot.com.br/2016/05/resenha-pelos-caminhos-da-vida-por.html
comentários(0)comente



Livros Encantos 26/05/2016

Pelos Caminhos da Vida - Blog Livros Encantos
Uma história linda regada a boas ações e muita luz no caminho dos personagens.

Adele é uma jovem e apenas 13 anos com um grande conhecimento sobre a vida, sendo sensitiva sempre teve a orientação de sua mãe de como agir, o fato de sentir os espíritos em pleno século XIV era considerado pela igreja como bruxas ou algo pior como a loucura.
Ao perder sua mãe, Adele se sente perdida, seu pai não a entende, achando que está beirando a loucura lhe dando a opção de ir para um convento onde irá sofrer muito, sua fiel amiga Justine a acompanha em uma fuga para buscar Elise por orientação de sua mãe antes de morrer.

Ambas saem em busca do caminho para encontrar Elise, sozinhas cansadas pedem abrigo para uma noite na casa de Adrien , um rapaz humilde que está sozinho irá ajuda-las em sua jornada.
Ainda contarão com a ajuda de Jules um grande amigo de Rene que também irá estar ajudando Adele e Justine ficarão no castelo de Jules juntamente com sua filha Aimee também sensitiva e iluminada pessoa.
Em seu caminho Adele vai espalhando luz por onde passa, uma alma iluminada e repleta de sabedoria, encontrará em Aimee uma grande amiga.
Adele não foge de seu destino, não desejando que seus novos amigos corra perigo ela decide ir em busca de Elise, seu pai está a sua procura para a levar de volta.
Quando encontram Elise algo acontece deixando a todos tristes, Jules retorna a seu castelo com as notícias.
O pai de Adele não desiste de sua vingança e seus atos impensados trazem muita dor e perdas irreparáveis.

O final do livro foi lindo levando o leitor a refletir sobre muitas coisas.

Com personagens marcantes e iluminados Pelos Caminhos da vida vai nos mostrar o quanto a intolerância e ignorância pode nos levar a caminhos sem volta, o que muitas vezes não entendemos tem sempre uma razão de ser podemos não entender agora mas no momento certo entendermos.

Nossa protagonista é uma pessoa do bem com muita luz, ajudou a todos sempre auxiliando com uma palavra edificante a quem precisasse e mesmo assim seu pai fechou seus olhos a todo bem que ela sempre fez.
Adele em prol de seus amigos, decidiu abrir mão de muitas coisas e sua escolha teve consequências.

Elise foi a personagem que mais se modificou no livro, em uma situação triste percebe o quanto suas atitudes estavam fora do caminho do bem que sempre quis trilhar, podada por imposição do clero, ela acaba aceitando e ficando impotente mediante a muitas situações.

Jules que homem sensato uma pai amoroso, que soube aceitar a decisão de Elise e esperar ...

Todos os personagens tiveram grande importância nesse livro, cada uma a sua maneira contribuiu para a harmonia da vida e do lar de Jules, alguns seguiram novos caminhos mas com a certeza que o amor maior está no bem que praticamos, na ajuda que damos a quem precisa ... para poder viver feliz e em paz consigo mesmo.
Carregar sentimentos pesados como a raiva e a vingança só aumentam a tristeza e o fardo que carregamos nos levando a ter atitudes impensadas e sentimentos negativos.

Eu amei esse livro nos faz refletir sobre tantas coisas, como nosso livre arbítrio e suas consequências, a intolerância prejudica e o quanto a informação é importante.
E a certeza que nada em nossa vida é por acaso.

Quando encerrei a leitura desse livro maravilhoso veio aquela sensação de bem estar e paz sempre friso o quanto são edificantes esses livros, colocando o leitor a refletir sobre muitas questões e esclarecendo muitas dúvidas.

A capa como sempre está linda não encontrei erros de ortografia.

Joyce
Blog Livros Encantos

site: http://www.livrosencantos.com/2016/05/pelos-caminhos-da-vida-cristina-censon.html
comentários(0)comente



Bru | @umoceanodehistorias_ 05/06/2016

Insistir em uma leitura que não está fluindo é algo que faço com frequência. Muitos me dizem que isso é uma perda de tempo, que poderia ler algo bom, mas, se não tivesse insistido, não teria tido o prazer de conhecer essa linda e encantadora história.

Pelos Caminhos da Vida nos conta a história de Adele, uma jovem de 13 anos que está longe de ser ‘normal’, aliás, o primeiro ponto que devo levantar: Afinal, o que é ser normal? Eu tenho uma concepção e outras pessoas podem ter outra. Mas, em pleno século XIV, Adele não era considerada normal por toda a sociedade, pelo clero, por seus pais, empregados, enfim, o que ela era passava longe de normal e, por conta disso, a fuga era o único caminho que poderia seguir.

“Na realidade, pensar por si mesmo já é algo ameaçador àqueles que preferem ver o povo permanentemente ignorante e manipulável.”

O pai de Adele, Auguste, é um homem sofrido e doente por enquadrar-se no padrão imposto pelo clero. Após perder sua esposa, ele quer que sua filha se ‘cure’ do mal que a comete, então, está disposto a manda-la para um convento na busca da cura. Em vista disso, a fuga foi o que lhe restou. Adele, junto de sua empregada, Justine, fogem em busca de Elise de Bousquet, uma mulher que cuida de pessoas especiais como Adele.

A fuga é cheia de encontros com pessoas incríveis e que as ajudam, mas será que Auguste permitirá que a filha fuja, será que seu desejo por vingança não falará mais alto que o seu amor por ela?
“(...) Um dia entenderá que nem todas as criaturas são efetivamente livres, mesmo sem nunca terem sido escravizadas ou dominadas. Impeça uma criatura de pensar por si e já a está conduzindo a uma prisão, mesmo que sem grades. Aprisione uma ideia, um pensamento e estará tornando um ser cativo. Jamais permita que seus pensamentos sejam vigiados e controlados. (...)”

Essa foi uma das primeiras leituras da minha vida que pensei que teria que abandonar, ela não fluía, sentar e ler 5 páginas era um sofrimento, pois não conseguia me conectar a história, os protagonistas não me agradavam e não conseguia transformá-los em pessoas reais aos meus lados, já se sentiram assim? Eis que, como disse no começo, não desisti da leitura e como me sinto grata por isso.

As últimas 100 páginas, sei que isso pode desanimar muitas pessoas, fluem de uma forma magnífica e apresentam uma história maravilhosa. Os personagens começaram a se tornar reais e me envolvi demais com a leitura.

Essa leitura é mais do que recomendada, apenas digo: tenham paciência, se ela não fluir no começo insistam, pois ela irá melhorar, podem ter certeza.

“(...) o amor é algo sutil que escapa aos olhos mais desavisados. Encontra refúgio apenas onde lhe é oferecido abrigo. (...)”

site: http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/2016/06/resenha-pelos-caminhos-da-vida-cristina.html
comentários(0)comente



Maria - Blog Pétalas de Liberdade 08/06/2016

Pelos caminhos da vida
"Um dia entenderá que nem todas as criaturas são efetivamente livres, mesmo sem nunca terem sido escravizadas ou dominadas. Impeça uma criatura de pensar por si e já a está conduzindo a uma prisão, mesmo que sem grades." (página 77)

A história se passa no século catorze, na França, e é narrada em terceira pessoa. Somos apresentados a Adrien, um jovem que viu toda a sua família morrer por causa da peste negra, ele não sabia o que fazer agora que estava sozinho, até que apareceram em sua casa uma mulher chamada Justine e uma garota chamada Adele. Elas estavam fugindo do pai da menina que queria colocá-la num convento, pois Adele tinha dons especiais: era capaz de ver e falar com pessoas mortas e de adivinhar pensamentos, coisas que a colocavam na mira da Igreja naquela época de inquisição. Provavelmente ela não sairia viva se fosse colocada nesse convento, que tinha métodos bem questionáveis.

Adele só tinha 13 anos, mas falava como se já tivesse vivido muito mais, ela fugiu com sua amiga Justine para poder encontrar Elise, uma pessoa que, segundo sua falecida mãe, poderia lhe ajudar e lhe proteger. Como seria um caminho longo e nada mais tinha a perder, Adrien decidiu acompanhá-las, e no caminho conheceram Jules, um homem que era extremamente diferente do pai de Adele: ele também tinha uma filha sensitiva, Aimée, e a tratava com todo o amor e a protegia de quem quer que pudesse lhe fazer mal por ser diferente. E Jules faria o possível para ajudar Adele também.

A tal Elise que Adele procurava não tinha uma boa fama na região, e encontrá-la poderia ser um erro, mas a decisão de ir até ela ou não só caberia a Adele, e traria consequências para a vida de muita gente.

"Pelos caminhos da vida" é um livro que fala sobre o passado (peste negra e inquisição), ms também fala sobre respeitar as escolhas de cada um, escolhas que só aquela pessoa pode fazer e arcar com as consequências delas. Foi uma leitura um pouco mais demorada do que eu esperava, mas tem seus pontos altos, as personagens femininas em sua maioria são bem fortes e à frente do seu tempo, e a amizade de Jules com o frei Jaques (que deveria ser um inimigo, afinal, trabalhava para a Igreja, mas não era) acabou trazendo um toque mais divertido para a história.

"- (...) Jules, quantos problemas!
- Minha vida estava muito monótona e precisava de novas emoções." (página 224)

Sobre a diagramação: margens, letras e espaçamento tem bom tamanho. As páginas são brancas e a capa é bem bonita.

site: http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/2016/06/resenha-livro-pelos-caminhos-da-vida.html
comentários(0)comente



Maru 29/06/2016

[Resenha] Pelos CAMINHOS da VIDA
Pelos CAMINHOS da VIDA se inicia com Adrien tendo que enterrar seu último familiar August que foi acometido pela impiedosa Peste Negra que assolava o continente europeu no século XIV. August era o seu irmão casula e tinha tanta vivacidade mas que de uma hora pra outra encontrou o seu fim. Desacredita do mundo e não tendo mais pilares para permanecer na terra o pensamento final de Adrien é partir, desistir dessa vida para poder voltar a encontrar os seus familiares, se é que os encontrará.
Mas eis que duas desconhecidas batem em sua porta. São elas Adele e Justine, sua aia. Ambas estão fugindo da garra do pai de Adele que enlouquecido após a morte da esposa jura que sua filha carrega um mal dentro de si e que a única saída para libertá-la é a mandar para um convento.
Adele tem um dom especial que não é mostrado a todos os humanos, ela pode se comunicar com os espíritos. Possuindo uma maturidade além dos seus 13 anos, Adele vê o mundo com outros olhos, encara a morte não como o fim mas o recomeço, uma nova chance de voltar a reencarnar no futuro e corrigir os erros da encarnação passada. Sim, ela crê fielmente que reencarnamos para poder evoluir essencialmente, afinal não teria nenhuma graça existir somente uma vez, não é mesmo?
Ela consegue reanimar Adrien, lhe mostra que tem muito o que viver e acaba que ele decidi ajudá-las em seu objetivo final que é o de chegar a Bosquet, único lugar que seria seguro para Adele.
Pelos Caminhos da Vida me apresentou personagens que não esperava nada mas que de alguma maneira me tocaram.
Todos carregam traumas, em especial Adrien, mas que pelo brilho e palavras que Adele transmite conseguem sobreviver nesse mundo e abrir os olhos para uma nova visão do que é o amor, do que é certo e errado, do que é a morte e do que é viver.
Adele é uma guria muito meiga. Tenho certeza que se eu topasse com ela teríamos lindas horas de conversa.
Adrien é um guri muito corajoso e sensitivo a abrir os olhos para a ignorância das pessoas do seu tempo. Ele sim soube evoluir.
Achei Justine bem calada, mas extremamente fiel na promessa feita a mãe de Adele. Necessitamos de pessoas fieis como ela nessa vida.
Vários foram os momentos que fiquei curioso para saber do que o pai de Adele era capaz. Uma coisa é falarmos como uma pessoa pode ser mal quando não tem o que quer, outra é presenciarmos essa maldade com nossos próprios olhos. Essa tensão que me foi acometida durante o enredo me incomodou bastante ao ponto de prolongar a leitura por vários dias.
Outro fator negativo foi a constante problematização do quanto a Igreja aliena seus fieis. Fica claro que no século XVI a população possuía a mente ignorante ao ponto de tomar tudo que a Igreja falava como verdade, mas colocar em cheque toda hora isso me incomodou um pouco, bem pouco mas incomodou. Não foi generalizado graças ao fato do frei Jaques que mesmo não acreditando nisso de ver espíritos amava uma guria detentora dessa dádiva sensibilidade. O último fator negativo foi a escrita arrastada e demasiadamente detalhada que acabou me fazendo demorar mais do que devia na leitura da obra.
A maioria dos personagens são cativantes desde o primeiro diálogo. Aimeé foi uma personagem que me cativou bastante. Destaque para a evolução de Elise que mesmo ocorrendo de forma súbita me convenceu um pouco.
Muitas cenas me foram tão chocantes que a vontade de chorar foi tamanha. Nunca que iria adivinhar os desfechos de algumas situações.
A capa do livro é linda mesmo possuindo modelos - detalhe que não aprovo - como representante de duas personagens. As folhas são brancas - característica comum dos livros publicados pela editora -, os capítulos são medianos e a fonte das letras são grandes, possibilitando a leitura rápida da obra (no meu caso não ocorreu por conta da escrita da autora/espírito). Foram poucos os erros ortográficos encontrados na obra que não me incomodaram de forma algumas mas que refleti que deveriam ser citados.
Pelos Caminhos da Vida nos freia da nossa rotina corriqueira para refletirmos e repensarmos o que acreditamos como verdade. Lições são aprendidas com toda a certeza. Você acredita que temos somente uma única chance de viver? Liberte-se. Abra sua mente.
O bom do espiritismo é: não somos obrigados a acreditar em nada, somente a amar o próximo, a viver na felicidade.

site: http://www.refugioliterario.com.br/2016/06/resenha-pelos-caminhos-da-vida.html
comentários(0)comente



Graça 07/08/2016

Na França no século XIV, vive uma garota com dons que ninguém entende. Adele tem apenas 13 anos quando foge de casa junto com Justine sua aia a amiga, do seu pai e das convicções distorcidas dele, que acredita que o convento é o melhor lugar para pessoas como ela, com grande sensibilidade.

Começando uma busca por uma mulher que segundo a sua mãe já falecida, possuía os mesmos dons e que poderia ajudá-la a entender e aprender. Nesse processo conhecem Adrien, que perdeu toda sua família para peste. Ele as ajuda e acaba se afeiçoando a elas, partindo com ela nessa jornada. Começando assim uma grande amizade.
“Impeça uma criatura de pensar por si e já a esta conduzindo a uma prisão, mesmo que sem grades. Aprisione uma ideia, um pensamento e estará tornando um ser cativo. Jamais permita que seus pensamentos sejam vigiados e controlados.”

Durante essa busca, passam por várias situações, encontrando várias pessoas, que os ajudam de várias formas, e que sem perceber também são ajudadas. Todas as vidas estão interligadas.
Como Jules, que a filha Aimée, também é sensitiva. As duas desenvolverão laços e isso as ajuda a aprender uma com a outra.
Jules tenta fazer Adele desistir de procurar Elise, alegando que ela não ajudou a sua filha quando ela precisou, ela não se convence, e segue o caminho orientado por sua mãe.

Um livro muito interessante; um tema complexo de época e bem elaborado. Pois ser médium nesse tempo, era muito perigoso. A trama toda envolvida nos deixa ávidos para saber o final e também nos ajudam a entender muita coisa nesse processo. Adele é uma garota simples, meiga e não sabe o porque de ter esse dom, mas entende que ele pode ser muito útil e quer saber mais sobre ele para poder ajudar as pessoas.
Por ser um livro de época, encontramos algumas coisas peculiares da época, e isso me agradou muito. A escrita é atual e fluída, nos dando total entendimento do que se passa.
O livro foi muito bem trabalhado. Outra coisa que gostei foi as amizades que surgiram no decorrer do livro.

“Você pode ter o poder sobre os homens, mas não tem o poder de dirigir o destino de ninguém, os homens podem servi-lo porem não lhe pertencem! Cabe a Deus exercer seu poder sobre os homens!”

A capa é linda, a editora Petit sempre com capas maravilhosas! Bem trabalhada, onde já pode visualizar o cenário medieval. Possui boa diagramação, com páginas brancas e letras de tamanho adequado para uma boa leitura, possui orelhas e o divisor de capitulo é simples e delicado.
Recomendo e convido a descobrirem o que acontece no fim dessa jornada.

site: http://livrosdeelite.blogspot.com.br/2016/05/resenha-pelos-caminhos-da-vida-cristina.html#.V6dRk9IrLI
comentários(0)comente



Gleyse 08/08/2016

Uma novela sobre espirirtismo
Como todos sabem, a Petit é um editora de livro com temas majoritariamente espíritas e esse não é diferente. Mas engana-se quem pensa que trata-se de uma história cheia de dogmas e mandamentos religiosos. A história se passa num contexto em que a espiritualidade das pessoas não eram bem aceitas, mas vista como uma maldição que deveria ser abolida da sociedade.
Passando no período Feudal, a trama se inicia quando conhecemos o jovem Adrien que perdeu toda sua família acometida pela peste que assolava grande parte da Europa. Triste e desiludido, ele vê um novo motivo para viver quando recebe em sua humilde cabana um jovem e sua acompanhante que detém um grande segredo. Ele logo se encanta com as palavras cheias de poder da menina e resolve ajudá-la em sua fuga. Durante o percurso vão acontecendo obstáculos, ao mesmo tempo que novos personagens surgem para auxiliar a pequena Adele a alcançar seu objetivo, que é encontrar Elise, a mulher a quem sua mãe lhe direcionou.
O fato é que o pai de Adele não aceita sua condição especial e sai em uma busca frenética para trazê-la de volta após a morte da esposa e interná-la em um convento, onde será curada do mal que ele acredita estar possuindo a filha. Mas apesar da pouca idade, Adele já possui seus dons bem desenvolvidos e aparente ser bem experiente, lutando sempre para chegar ao seus destino.
O título do livro reflete bem o enredo e durante o percurso de Adele e seus amigos, há algumas reviravoltas na trama que vão mudar o rumo dos acontecimentos e nos levar a várias reflexões a respeito dessa questão espiritual, vida após a morte, reencarnação, etc.
O desfecho não oferece nenhuma surpresa e conclui a história deixando um rastro para uma possível continuação, onde todos ou quase todos os personagens tem seus finais felizes, pelo menos até então.
Eu não sou o tipo de pessoa religiosa ou que acredita em espiritismo, mas no geral achei uma boa história, apesar de não ter me prendido muito a narrativa, pois achei a escrita da autora um pouco lenta, com alguns detalhes desnecessários e diálogos um pouco longos. Mas gostei dos personagens e cada um teve seu papel importante no desenrolar da trama, bem como das lições e mensagens que são passadas durante a leitura.


site: http://gleysevieira.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Paraíso das Ideias 28/09/2016

#EspiritualidadeLiterária

Olá
Pessoal,

Hoje trago a resenha de um livro espirita, confesso que não costumo ler livros desse estilo, porém, esse em especial eu gostei, pois o enredo transmite uma mensagem muito bonita.

"Todas as pessoas buscam ser felizes... Do seu jeito, com suas potencialidades, fazendo suas próprias escolhas. É um longo caminho a percorrer e ninguém duvida disso..."

Adele é uma garota sensitiva, e desde seu nascimento sua mãe sente que ela é diferente. Após a morte da mãe, seu pai decide colocá-la em um convento muito rígido, pois para ele, ela é doente e precisa de tratamento. Quando Adele descobre os planos de seu pai, ela e sua melhor amiga Justine, decidem fugir. Justine considera Adele como sua filha, e não quer que nada aconteça com ela, por esse motivo não pensa duas vezes em fugir com a garota, em busca de proteção.

Elas partem ao encontro de Elise em Bousquet, uma amiga da mãe de Adele,antes de falecer sua mãe pediu para que ela a procurasse, afinal com Elise ela estaria segura, porque ela também é sensitiva e seria a única a entender o que acontece com a garota.

"A jovem assentiu, consciente de que Justine estava com razão. Precisava encontrar com urgência a mulher que sua mãe sempre lhe falava..."



Após muitas horas de viagem, elas decidem parar um pouco para descansar e tentar comer alguma coisa, e como saíram com pouca bagagem e nenhuma comida, resolvem apelar para o bom coração dos moradores do local, elas batem na porta de Adrien, um rapaz que acaba de perder toda a família por causa de uma doença contagiosa que invadiu a região. No inicio Adrien desconfia das duas mulheres, porém não consegue recusar ajudá-las. Adele sente que ele é uma boa pessoa e decide contar toda a sua história, na esperança de que ele a ajude a encontrar o caminho até Bousquet.

Adrien não tem nada a perder, pois está sozinho nessa vida, então decide acompanhar as duas moças nessa caminhada. Pelo caminho eles encontram muitas pessoas dispostas a ajudar, e sem que elas percebam também são ajudadas por eles. Após dias de viagem, eles param na casa de Jules, o pai de Amieé, e descobrem que a garota também é diferente, e elas se tornam grandes amigas . Depois de saberem toda a história de Adele, Jules informa que Elise não é a pessoa que ela espera que seja, pois ela é conhecida como Bruxa na região, e não costuma fazer o bem às pessoas, ela faz o quelhe é solicitado por seus contratantes. Porém isso não foi o suficiente para que Adele desistisse de procurá-la, então Jules decidi ir com a garota até seu destino.

"Se não sabe o que fazer, deixe que seu coração te guie."

Mas nada ocorreu conforme o planejado, e na tentativa de Adele salvar Adrian, ela é gravemente feriada e não resiste.Todos ficam muito tristes com o acontecido, porém é a partir daí que o desenrolar da história acontece, pois Auguste pai de Adele, não vai aceitar a morte da filha, e vai querer castigar aquele que considera o responsável, e em sua cabeça é Elise, pois Adele iria em busca da tal mulher. Nesse momento Jules descobre que Elise não é má assim como diziam, e que dentro daquela pessoa fria, há uma pessoa especial e amorosa.

Será que Elise sairá ilesa dessa historia? Adele mesmo em outro mundo irá conseguir acalmar seu pai?

No decorrer da história há muitas mensagens reflexivas que me ajudaram a parar e refletir sobre o caminho que estou trilhando para minha vida, e sem duvida, a leitura vai te ajudar também a trilhar o seu melhor caminho.

No decorrer do livro encontrei muitos quotes bonitos, os quais de compartilhar com vocês:

"O melhor a fazer em qualquer situação é continuar a caminhar, jamais interrompe os passos. Se pararmos, se permitirmos que o medo nos acompanhe, fatalmente estaremos fadados ao fracasso."

"Podemos ajudar aquele que amamos, mas não podemos viver a vida que ele escolheu."

“ ... colhemos o que plantamos, aqui ou onde estivermos. Mais nunca é tarde para mudar nossa conduta quando elas estiverem nos conduzindo a insucessos ou a infelicidade. É preciso ter sempre coragem para mudar ...”


A capa do livro é muito bonita e remete ao século em que o romance acontece, traz um certo mistério e sedução ao livro, gostei muito dela, a revisão esta ótima e a escrita da autora é bem gostosa, daquelas que te leva pelo texto com leveza, minha única ressalva é em relação as cores das páginas, o fato delas serem brancas torna a leitura um pouco cansativa.

Espero que tenha gostado, e reservem um tempinho para ler “Pelos caminhos da vida”, e assim decidir se realmente está trilhando bem o seu caminho.


site: http://paraisodasideas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Vanda 29/12/2016

Livro lindo, instigante, contagiante e muito fácil de ler. Leitura gratificante!
Olá, gente querida!
Hoje, trago uma resenha sobre um tema pouco convencional: mediunidade e espiritualidade.
Por ser minha primeira leitura sobre o tema, não sou a pessoa mais indicada para opinar, então, optei por comentar sobre o enredo e seu desenvolvimento.
“Pelos Caminhos da Vida: só o amor une almas”, obra de “Cristina Censon”, ditada pelo espírito de “Daniel”, faz parte de uma trilogia, mas possui final conclusivo. Livro cedido pela nossa parceira, “Petit Editora” para divulgação e resenha.
A história acontece no século XIV, mais precisamente no ano de 1350, em tempos de opressão e terror, tempos nos quais tudo que destoasse dos dogmas religiosos era considerado profano e imoral e as falsas crenças orientavam as condutas morais. Anos difíceis, cruéis e sombrios nos quais a peste e a Igreja aterrorizavam, assolavam e dominavam a sociedade europeia.
Espero, de coração, que mesmo sem ter experiência no gênero, eu consiga fazer com que a resenha cumpra seu papel, que é o de informar sobre a obra e dar subsídios para que o leitor se proponha a ler e/ou se interessar pela leitura.
Vamos conferir?
Adrien era um jovem camponês que teve todos os membros de sua família e Danielle, seu amor de adolescência com a qual sonhava uma vida de amor, dizimados pela peste. Após enterrar o último membro da família, August, seu irmão caçula, Adrien passou a desacreditar em Deus. Estava com o coração carregado de ressentimentos e mágoas. A dor da solidão, do abandono, da saudade tomava conta do seu ser, entretanto, sabia que mesmo sendo sua vontade imediata, não podia desistir da vida, pois se fora poupado pela maldita peste, é porque deveria haver algum propósito nisso...

Adele herdou de sua mãe dons paranormais e, desde muito pequena, manifestou ser extremamente sensitiva e com dons mediúnicos. Era muito espiritualizada e apresentava a capacidade de ler pensamentos, fazer previsões, ver e conversar com espíritos. Sua mãe sempre a orientou quanto a melhor forma de agir diante dessas manifestações, mas faleceu quando a filha tinha apenas nove anos. Adele, então, passou a conviver com a ignorância, a intransigência e a intolerância religiosa de seu pai, Auguste, um homem enérgico que jamais a compreendera. Quando Adele estava prestes a completar treze anos, seu pai decidiu enviá-la a um convento para que ela fosse "curada" das possessões. Entretanto, o convento para o qual Adele seria levada, era mais um local de tortura e crueldade do que um local que lhe proporcionasse compreensão e paz. Justine, uma criada e amiga de sua mãe, descobriu os planos de Auguste e decidiu fugir com ela.

Antes de falecer a mãe de Adele pediu à Justine que cuidasse de sua filha, orientando-as a procurarem uma mulher chamada Elise, que vivia em Bousquet e era responsável por um castelo medieval que abrigava meninas e jovens que eram perseguidos por manifestarem dons mediúnicos. Elise manifestava ter esses dons e seria a única pessoa que poderia ajudar Adele a entender e a conviver com sua espiritualidade e sensibilidade. Na fuga, cansadas, famintas e perseguidas por Auguste, Adele e Justine pedem abrigo ao jovem solitário e sofrido Adrien. Ele não só as ajuda como se dispõe a acompanhá-las nessa jornada, desenvolvendo, assim, grande afeição e amizade por elas.

Durante essa penosa e incansável busca muitos personagens vão interagir na trama e na vida dos personagens centrais. Todas as vidas vão se interligando, auxiliando e sendo auxiliadas. Todos os personagens têm grande importância na história, inclusive os que por ignorância, arrogância ou intransigência, participam de forma cruel e devastadora da vida das pessoas, como, aliás, acontece na vida real, pois todos nós, sem exceção, temos alguma coisa para ensinar e/ou aprender, dependendo do desenvolvimento e amadurecimento de cada um.
Na busca por Elise, Adele, Justine e Adrien enfrentam situações totalmente adversas, mas, também, têm suas vidas cruzadas por pessoas encantadoras e iluminadas, como Jules, pai de Aimée que também é perseguida por ser sensitiva. Jules já tinha ido ao encontro de Elise em busca de auxílio para sua filha, mas não obteve sucesso e conta-lhes tudo o que sabre sobre Elise. Adele, porém, faz sua escolha e insiste na procura por Elise, escolha esta que, de alguma maneira, irá afetar a vida de todos os que passarem por sua vida. Destaco, ainda, os personagens Anete, Pierre, Louis, Arman, Francine e Rene, assim como Auguste, pai de Adele, que por sua ignorância e austeridade foi o responsável pelo desfecho inesperado na vida da filha. Todos os personagens que passaram pela vida de Adele tiveram suas vidas afetadas, porém, quem sofreu maior modificação foi Elise, que durante a trama teve sua vida e seus caminhos totalmente transformados, provando que mesmo que façamos uma escolha “errada” e que sigamos por caminhos pouco nobres, está em nós a possibilidade e a decisão de trilharmos o caminho mais justo e digno, que é o caminho da superação e da redenção.

Sobre a obra

Pra início de conversa, quero parabenizar a “Petit Editora” pelo brilhante trabalho na publicação da obra. A capa é de muito bom gosto e totalmente de acordo com a trama. A diagramação é simples, mas perfeita. A revisão está muito boa, assim como o tamanho da fonte e o espaçamento entre as linhas estão excelentes, proporcionando uma leitura rápida e agradável.
Quanto ao tema, sou a pessoa menos indicada para emitir opinião, por ser o primeiro livro espírita que leio e o meu pouco conhecimento sobre o assunto. Confesso que esta não seria “nunca” minha opção de leitura. Esse livro foi escolha da nossa querida autora e resenhista Amanda Bonatti, mas por problemas no percurso (Correios) o livro não chegou as suas mãos. Como o blog estava superatrasado com a resenha, tive de fazer a leitura e, consequentemente, a resenha. Gente, quem me conhece sabe que tenho verdadeira paúra por temas sobrenaturais e evito (me recuso ou me recusava) a ler, não por intolerância ou preconceito, mas por covardia, mesmo.
Bem, quanto à obra, me surpreendi com o talento da autora ao conseguir dosar, de maneira harmoniosa, questões ligadas à fé numa trama com muita ação, emoção e reviravoltas. “Pelos caminhos da vida: só o amor une almas” veio para mudar minha posição de evitar temas que não domino, neste caso, o espiritismo.
O livro é lindo, instigante, contagiante e muito fácil de ler. Os personagens, apesar de terem existido em época bem remota, podem, perfeitamente, ser transportados para a época atual, pois apresentam as mesmas características, sentimentos, visão e convicções do homem atual. Do início ao fim, o livro traz mensagens e citações que nos induz a reflexões e questionamentos. Para quem gosta de “quotes” (citações), a grande dificuldade está em escolher alguma(s), porque são muitas, muitas e muitas quotes que nos auxiliam no entendimento e na condução de nossas vidas, sem, entretanto, tender ao fanatismo, impor dogmas religiosos e/ou sugestionar o leitor na escolha ou na continuidade da religião que segue.
“Pelos caminhos da vida: só o amor une almas“ é uma obra indicada, também, para quem curte romances épicos, pois faz com que o leitor faça uma viagem no tempo e mergulhe nos costumes, na política, na economia, na geografia, nos pensamentos e sentimentos que marcaram toda a Europa do século XIV, além de fomentar, independente do credo de cada um, reflexões muito pertinentes à vida, ao comportamento e ao conhecimento humano no que diz respeito a transitoriedade da vida, a nossa missão e responsabilidade com as pessoas com as quais convivemos e com o planeta no qual temporariamente habitamos, a compaixão, a tolerância, a disposição em compreender e auxiliar ao próximo, até aos que nos prejudicam em pensamentos e/ou atos e, acima de tudo, sobre a incontestável veracidade de que o livre arbítrio é, e será sempre, o grande responsável pelas consequências (acontecimentos) que nortearão a vida de cada um. É uma obra que além de trazer nas entrelinhas mensagens voltadas ao esclarecimento de que ninguém está nesta vida por acaso, mas, sim, em busca do aperfeiçoamento humano e da evolução espiritual, cumpre, também, o papel do entretenimento. Posso garantir que qualquer pessoa que leia este livro, terá algumas questões que lhe provocarão reflexões. Foi uma leitura gratificante.
Li, gostei e recomendo!


site: http://clubedolivro15.blogspot.com.br/2016/11/resenha-nacional-pelos-caminhos-da-vida.html
comentários(0)comente



Clube do Livro 08/01/2017

Resenha por Vanda Costa (completa)
Adrien era um jovem camponês que teve todos os membros de sua família e Danielle, seu amor de adolescência com a qual sonhava uma vida de amor, dizimados pela peste. Após enterrar o último membro da família, August, seu irmão caçula, Adrien passou a desacreditar em Deus. Estava com o coração carregado de ressentimentos e mágoas. A dor da solidão, do abandono, da saudade tomava conta do seu ser, entretanto, sabia que mesmo sendo sua vontade imediata, não podia desistir da vida, pois se fora poupado pela maldita peste, é porque deveria haver algum propósito nisso...

Adele herdou de sua mãe dons paranormais e, desde muito pequena, manifestou ser extremamente sensitiva e com dons mediúnicos. Era muito espiritualizada e apresentava a capacidade de ler pensamentos, fazer previsões, ver e conversar com espíritos. Sua mãe sempre a orientou quanto a melhor forma de agir diante dessas manifestações, mas faleceu quando a filha tinha apenas nove anos. Adele, então, passou a conviver com a ignorância, a intransigência e a intolerância religiosa de seu pai, Auguste, um homem enérgico que jamais a compreendera. Quando Adele estava prestes a completar treze anos, seu pai decidiu enviá-la a um convento para que ela fosse "curada" das possessões. Entretanto, o convento para o qual Adele seria levada, era mais um local de tortura e crueldade do que um local que lhe proporcionasse compreensão e paz. Justine, uma criada e amiga de sua mãe, descobriu os planos de Auguste e decidiu fugir com ela.

Antes de falecer a mãe de Adele pediu à Justine que cuidasse de sua filha, orientando-as a procurarem uma mulher chamada Elise, que vivia em Bousquet e era responsável por um castelo medieval que abrigava meninas e jovens que eram perseguidos por manifestarem dons mediúnicos. Elise manifestava ter esses dons e seria a única pessoa que poderia ajudar Adele a entender e a conviver com sua espiritualidade e sensibilidade. Na fuga, cansadas, famintas e perseguidas por Auguste, Adele e Justine pedem abrigo ao jovem solitário e sofrido Adrien. Ele não só as ajuda como se dispõe a acompanhá-las nessa jornada, desenvolvendo, assim, grande afeição e amizade por elas.

Durante essa penosa e incansável busca muitos personagens vão interagir na trama e na vida dos personagens centrais. Todas as vidas vão se interligando, auxiliando e sendo auxiliadas. Todos os personagens têm grande importância na história, inclusive os que por ignorância, arrogância ou intransigência, participam de forma cruel e devastadora da vida das pessoas, como, aliás, acontece na vida real, pois todos nós, sem exceção, temos alguma coisa para ensinar e/ou aprender, dependendo do desenvolvimento e amadurecimento de cada um.
Na busca por Elise, Adele, Justine e Adrien enfrentam situações totalmente adversas, mas, também, têm suas vidas cruzadas por pessoas encantadoras e iluminadas, como Jules, pai de Aimée que também é perseguida por ser sensitiva. Jules já tinha ido ao encontro de Elise em busca de auxílio para sua filha, mas não obteve sucesso e conta-lhes tudo o que sabre sobre Elise. Adele, porém, faz sua escolha e insiste na procura por Elise, escolha esta que, de alguma maneira, irá afetar a vida de todos os que passarem por sua vida. Destaco, ainda, os personagens Anete, Pierre, Louis, Arman, Francine e Rene, assim como Auguste, pai de Adele, que por sua ignorância e austeridade foi o responsável pelo desfecho inesperado na vida da filha. Todos os personagens que passaram pela vida de Adele tiveram suas vidas afetadas, porém, quem sofreu maior modificação foi Elise, que durante a trama teve sua vida e seus caminhos totalmente transformados, provando que mesmo que façamos uma escolha “errada” e que sigamos por caminhos pouco nobres, está em nós a possibilidade e a decisão de trilharmos o caminho mais justo e digno, que é o caminho da superação e da redenção.



Sobre a obra

Pra início de conversa, quero parabenizar a “Petit Editora” pelo brilhante trabalho na publicação da obra. A capa é de muito bom gosto e totalmente de acordo com a trama. A diagramação é simples, mas perfeita. A revisão está muito boa, assim como o tamanho da fonte e o espaçamento entre as linhas estão excelentes, proporcionando uma leitura rápida e agradável.
Quanto ao tema, sou a pessoa menos indicada para emitir opinião, por ser o primeiro livro espírita que leio e o meu pouco conhecimento sobre o assunto. Confesso que esta não seria “nunca” minha opção de leitura. Esse livro foi escolha da nossa querida autora e resenhista Amanda Bonatti, mas por problemas no percurso (Correios) o livro não chegou as suas mãos. Como o blog estava superatrasado com a resenha, tive de fazer a leitura e, consequentemente, a resenha. Gente, quem me conhece sabe que tenho verdadeira paúra por temas sobrenaturais e evito (me recuso ou me recusava) a ler, não por intolerância ou preconceito, mas por covardia, mesmo.
Bem, quanto à obra, me surpreendi com o talento da autora ao conseguir dosar, de maneira harmoniosa, questões ligadas à fé numa trama com muita ação, emoção e reviravoltas. “Pelos caminhos da vida: só o amor une almas” veio para mudar minha posição de evitar temas que não domino, neste caso, o espiritismo.
O livro é lindo, instigante, contagiante e muito fácil de ler. Os personagens, apesar de terem existido em época bem remota, podem, perfeitamente, ser transportados para a época atual, pois apresentam as mesmas características, sentimentos, visão e convicções do homem atual. Do início ao fim, o livro traz mensagens e citações que nos induz a reflexões e questionamentos. Para quem gosta de “quotes” (citações), a grande dificuldade está em escolher alguma(s), porque são muitas, muitas e muitas quotes que nos auxiliam no entendimento e na condução de nossas vidas, sem, entretanto, tender ao fanatismo, impor dogmas religiosos e/ou sugestionar o leitor na escolha ou na continuidade da religião que segue.
“Pelos caminhos da vida: só o amor une almas“ é uma obra indicada, também, para quem curte romances épicos, pois faz com que o leitor faça uma viagem no tempo e mergulhe nos costumes, na política, na economia, na geografia, nos pensamentos e sentimentos que marcaram toda a Europa do século XIV, além de fomentar, independente do credo de cada um, reflexões muito pertinentes à vida, ao comportamento e ao conhecimento humano no que diz respeito a transitoriedade da vida, a nossa missão e responsabilidade com as pessoas com as quais convivemos e com o planeta no qual temporariamente habitamos, a compaixão, a tolerância, a disposição em compreender e auxiliar ao próximo, até aos que nos prejudicam em pensamentos e/ou atos e, acima de tudo, sobre a incontestável veracidade de que o livre arbítrio é, e será sempre, o grande responsável pelas consequências (acontecimentos) que nortearão a vida de cada um. É uma obra que além de trazer nas entrelinhas mensagens voltadas ao esclarecimento de que ninguém está nesta vida por acaso, mas, sim, em busca do aperfeiçoamento humano e da evolução espiritual, cumpre, também, o papel do entretenimento. Posso garantir que qualquer pessoa que leia este livro, terá algumas questões que lhe provocarão reflexões. Foi uma leitura gratificante.
Li, gostei e recomendo!


site: http://clubedolivro15.blogspot.com.br/2016/11/resenha-nacional-pelos-caminhos-da-vida.html
comentários(0)comente



13 encontrados | exibindo 1 a 13