Duff

Duff Kody Keplinger




Resenhas - Duff


101 encontrados | exibindo 91 a 101
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Fernando Lafaiete 22/04/2017

A maneira imatura e desrespeitosa dos "jovens" de se comportarem.

Eu quando resolvi ler este livro (depois das minhas amigas me indicarem sem parar), eu já sabia que iria encontrar milhões de clichês. E sinceramente? Era exatamente isso que eu queria e que eu estava precisando. Clichês só me incomodam, quando eu os encontro em livros os quais eles não são necessários. Mas em livros juvenis eles são quase que obrigatórios e algo natural (na minha opinião).

DUFF é um livro adolescente com com uma narrativa leve, divertida e fluída. Os personagens são cheios de esteriótipos e tomam atitudes bem imaturas a maioria das vezes. A autora escreve bem e desenvolve o comportamento dos personagens de maneira bem crível e compatível com a idade dos mesmos.

O plot é bem simples e não tem a pretensão de trazer nada de novo. Os elementos narrativos são os mesmos de tantos outros livros desse gênero.

Em DUFF conhecemos Bianca, uma adolescente de 17 anos de idade, que durante uma balada com as amigas é abordada pelo carinha mais popular da escola e que acaba sabendo pelo próprio rapaz, que ele está falando com ela apenas para chamar a atenção de suas amigas ("as gostosas do grupo"), já que ela é a DUFF (designated ugly fat friend = a amiga gorda e feia) do grupo e só serve para fazer com que suas amigas se sintam mais bonitas. Óbvio que ela fica super chateada em ser definida dessa maneira e durante toda o desenrolar do livro, vamos acompanhar todo o dilema da protagonista em relação è sua aparência. E lógico que vamos acompanhar o envolvimento dela com o mesmo rapaz que a definiu pelo termo que dá nome ao livro.

O que eu gostei?

Eu curti muito a escrita da Kody Keplinger; gostei dos personagens, apesar dos apesares, e gostei da maneira que ela conduz a estória... Despretensiosamente e com sutileza, de forma que não me cansava. O livro é divertido e me fez rir em vários momentos. Porém... Algumas coisas me incomodaram bastante.

O que me incomodou?

A protagonista está passando por uma situação familiar complicada e ao invés de procurar a ajuda e o apoio das amigas, ela resolve começar a transar o tempo inteiro com o garoto que a chamou de gorda e feia. O que mais me irritou foi o fato do referido rapaz (Daniel) não se tocar e se referir à ela exatamente o livro inteiro como DUFF. Tem coisas que não precisam ser faladas. Nenhuma mulher (acredito eu) se sentiria feliz sendo definida a toda hora como feia e gorda. Não vejo graça nisso e acho uma puta falta de respeito!

Outra coisa que me irritou, foi a protagonista dizer em um capítulo que aquilo a incomodava e a chateava, enquanto no capítulo seguinte já estava se agarrando com o Daniel sem pensar duas vezes. Auto-estima e amor prórprio zero.

O terceiro fato que me deixou bem irritado, é essa visão machista que as pessoas tem de determinadas situações. O cara que pega todas é o fodão... normalmente o porpular da escola que usa as garotas e as trata feito lixo, mas que é bem visto por todos. Mas se uma garota transa com os caras sem ter a vontade de ter um relacionamento sério... ela logo vira a vadia, a vagabunda que nao merece respeito. Eu odeio essas coisas, e isso acontece muito no livro.

E o último fato que me irritou ainda mais eu sendo o leitor que sou... foi o fato da protagonista achar estranho e resolver expor sua opinião dizendo achar esquisito ver um cara lendo "livros femininos", como o clássico "O morro dos ventos uivantes". Lógico que isso é apenas um ponto de vista da personagem que logo muda de opinião... mas mesmo assim me incomodou. (Coisa idiota pra se incomodar? Talvez... Mas é mais forte do que eu. :/ )

Apesar de eu ter me estendido mais nos fatos que me causaram algum tipo de incômodo durante a leitura, ao invés de expor melhor nas coisas que me agradaram, eu ainda assim reforço que gostei e indico este livro.

Ele realmente entretém e é bem gostosinho... Eu realmente curti e já quero o exemplar físico na minha coleção. Agora irei assistir ao filme que já me disseram que é uma péssima adaptação... Mas mesmo sabendo disso, a minha curiosidade fala mais alto (rsrs).

Leiam e se divirtam! É um livro mega juvenil, mas que ajuda a passar o tempo e é super rápido de ser lido. Entretenimento em forma de livro.
Thay Gomez 22/04/2017minha estante
Gostei muito da sua resenha, Fernando :-) Gosto assim mesmo, que me exponha os fatores negativos de cara para eu estar preparada, rs. Oa momentos bons, gosto que sejam guardados pra serem apreciados com amor no livro S2. Vi o filme, ri bastante. Espero que o livro seja melhor :-)


Dani 22/04/2017minha estante
Ótima resenha!


Fernando Lafaiete 22/04/2017minha estante
Muito obrigado Thay e Dani... Espero que gostem do livro se decidirem lê-lo! :)




Manny Chuva 25/01/2019

Um 5 estrelas inesperado!
Confesso que comecei a ler esse livro já esperando me decepcionar. Mas eu adorei estar enganada!

Primeiro, eu amo o trio de amigas que é Bianca, Casey e Jessica! Elas são maravilhosas, autênticas e leais. É o tipo de amizade que todos deveriam ter e que dificilmente parece muito natural em um livro.

Segundo, eu tinha certeza de que a parte do romance ia ser um horrível clichê e que o garoto ia ser um babaca insuportável. E na verdade é isso mesmo; um super clichê daqueles que a gente já está saturado, mas acaba se transformando em algo super divertido, familiar e contagiante. E Wesley é sim um babaca insuportável, e divertido, charmoso, sarcástico, honesto, super amorzinho! Apaixonada nesse casal!

O final foi incrível; principalmente as reflexões da Bianca sobre as pessoas, sobre ela mesma e a vida e o amor. Ela é uma protagonista forte e determinada, verdadeira e real, e tem muito a agregar.

5 estrelas com certeza!
comentários(0)comente



Bia 13/11/2018

Resenha publicada no Pausa para Pitacos
Eu estava precisando de uma leitura leve e engraçada para acalmar o coração. Leio muito suspense e terror; mas vez ou outra é necessário intercalar com algo que deixa o coração mais leve.
Em setembro, o tema para leitura do grupo Rouge Literário era "livros que ganharam e/ou ganharão adaptação para as telas". Escolhi DUFF.
Comprei meu exemplar justamente por causa do filme. É uma comédia romântica que me remeteu às tantas outras dos anos 90, por isso não hesitei em comprá-lo.
É sobre essa obra que falo hoje. Nem todo mundo quer ser uma DUFF, mas Bianca Piper não é maioria.
Designated Ugly Fat Friend. São exatamente essas palavras que formam a sigla DUFF, que traduzindo para a nossa língua, seria algo como a amiga feia. Sabe aquele grupo de amigas maravilhosas? A sigla designa justamente a mais feia do grupo, e seu significado vai além disso. Na íntegra, todos os grupinhos tem essa amiga, que serve justamente para deixar as demais ainda mais belas.
No geral, ninguém quer ser uma DUFF. Fala sério, você gostaria mesmo de ser taxada como a mais feia do seu grupo de amigas? Bianca Piper definitivamente não está nem aí para isso.

"Depois de pensar nisso por um tempo, decidi que havia muitos benefícios em ser uma DUFF.

Benefício 1: não é preciso se preocupar com cabelo e maquiagem.

Benefício 2: não há pressão para ser descolada.

Benefício 3: sem problemas com garotos."

A adolescente recebera essa alcunha de Wesley, um dos caras mais cobiçados do colégio, do qual ela nutria um ódio mortal.
Wesley sempre puxava assunto com Bianca, mas ela por sua vez fazia questão de demonstrar toda sua antipatia para com ele. Até descobrir que ele só tentava ser simpático pelo fato dela ser uma DUFF (isso traria a atenção de suas amigas).
Dessa forma, Bianca chega à conclusão de que realmente se enquadrava no padrão DUFF.

"Se Kate Winslet fosse uma DUFF, Leonardo DiCaprio não teria corrido atrás dela em Titanic, e isso teria poupado a todos um rio de lágrimas."

Mas algo completamente fora do que a sociedade impunha acontece: a menina, até então chamada de feia, beija o garoto popular até então visto como o perfeito.

"Não minta para você mesma porque acha que determinada escolha é mais segura ou fácil. As coisas realmente não funcionam assim..."

Uma DUFF poderia se apaixonar pelo garoto bonitão?

RESENHA COMPLETA NO BLOG!

site: https://pausaparapitacos.blogspot.com/2018/11/resenha-duff-koddy-keplinger.html
comentários(0)comente



Núbia Acioly 20/04/2017

Ok!
A historia não tem bem uma certa profundidade, é apenas uma garota no ensino médio contanto sobre as frustrações e complicações da sua vida, Bianca é sarcástica, esquentada e esta pouco se lixando para o que os outros possam pensar sobre ela, o que a torna uma protagonista até legal de se ver.

O livro é todo sobre Bianca falando sobre Wesley e o relacionamento entre suas amigas e família, existem pontos que poderiam ter sido bem melhor explorados, o que tornaria a historia mais densa e interessante, mas basicamente é apenas Bianca usando Wesley para fugir da realidade. Tentei até ver se este havia sido o primeiro livro da autora, mas não consegui.
Existem pequenos momentos onde o triangulo amoro entre os personagens é comparado com o mesmo vivido por Catherine, Heathcliff e Linton em O Morro dos Ventos Uivantes, é uma comparação infeliz, dá ate para ser ignorado, mas....O.K.

Três estrelas, porque embora seja uma historia quase irrelevante que vai começando a melhorar lá para o final, ele pode ate ser interessante de se ler, é pequeno, tem uma escrita fácil e flui por si só, é o tipo de livro que você lê apenas para se distrais.
comentários(0)comente



Letícia 27/02/2017

Duff
Bianca não é do estilo baladeira, prefere ficar em casa do ir para as festas com suas amigas. Amigas que são completamente seu oposto: belas e esbeltas, as meninas não têm problemas com os rapazes. A protagonista tem plena consciência de quem é e não faz o mínimo esforço para mudar essa realidade. Mas um dia, Wesley Rush, mais detestável do colégio, a encontra em uma festa e resolve fazer de Bianca um motivo perfeito para se aproximar de suas amigas, passando a chamar Bianca de Duff.
Wesley acaba afirmando que Bianca é a garota mais feia do grupo, mas o que ela não esperava era o efeito negativo que essas palavras causariam nela. Ela ainda tem que lidar com a ausência da mãe e com o fato de seu pai estar lidando com o fim de seu casamento da pior forma. E então Bianca encontra uma válvula de escape na pessoa mais improvável de sua vida.
E é então que sua vida muda de maneira esperada. Ela sabe que encontrou um vício para si ao se encontrar secretamente com Wesley e desde o momento em que eu li a sinopse, soube que ela acabaria ficando com o ele.
Infelizmente não me agradou muito, mas não deixo de indicar o livro para você que gosta de histórias assim.
comentários(0)comente



Kelly 24/06/2017

Quem nunca se sentiu uma DUFF não tem amigos


Quem
nunca se sentiu o patinho feio da turma? A mais baixinha, a gordinha, a renegada? Eu sempre kkkkk, e quando descobri Duff sabia que ia me identificar com o enredo, só não imaginava que seria tanto.
No trio de amigas, Bianca sem dúvida é a Duff ( Designated Ugly Fat Friend ), ela não é loira, nem alta, muito menos popular como suas amigas Casey e Jessica, mas tudo isso era desconhecido para ela, até que Wesley Rush o gostosão popular do ensino médio se aproxima e lhe conta esse segredinho. Segundo ele, Bia é a Duff do grupo, e se aproximar dela, aumentaria as suas chances com as amigas gostosas dela, mas ele não podia estar mais enganado.

E daí pra frente tudo parece desandar... o que já não era lindo fica pior, ela tenta a todo custo esquecer a ofensa, mas se pega analisando as verdades no dia a dia, e se isso não fosse o bastante, ainda tem que lidar com o sofrimento do seu pai, já que sua mãe foi embora e resolveu mandar apenas os documentos do divórcio sem aviso prévio e a visita de seu ex namorado, Jake o irmão de Jessica, o único que invadiu e dilacerou o coração de Bianca.

Num ímpeto louco de esquecer seus problemas, Bianca resolve usar Wesley como distração, ele sempre usou todas as garotas, isso era merecido, o problema é que está ficando bom... e aquilo que era para ser apenas uma distração começa a se transformar numa necessidade e mesmo depois que Jake vai embora, Bianca continua tendo problemas, seu pai começa a ter recaídas constantes com o álcool e ele se torna agressivo quando está bêbado, Wesley descobre isso é agora mais do que nunca ele é o único que ela tem.

Com o passar do tempo Wesley e Bianca começam a se dar bem, e ela num ímpeto de esconder seus sentimentos começa a fugir dele, e até inicia um namoro com sua paixonite de infância, mas Toby não é Wesley, e nem Wesley é mais o mesmo, parece que o garanhão deu por encerrada suas caçadas, algo esta acontecendo.

"Wesley era minha distração. Ele devia ser minha fuga das emoções. De todo o drama. E ali estava eu... sentindo esse turbilhão de emoções."

Kody criou uma história deliciosa, com uma narrativa em primeira pessoa Bianca nos mostrará sua história e a forma com a qual ela venceu a ofensa e aprendeu a lidar com seu lado Duff. Buylling no colégio não é raro, e por mais que esse também seja o tema aqui, a autora nos mostra a verdade com muita leveza, e ao invés de nos fazer enxergar que é errado, nos faz entender que todos temos os nossos defeitos.

Eu não esperava gostar tanto do livro, na minha cabeça era só mais um romance adolescente, mas no fim, foi muito mais que isso, Bianca é forte e destemida e não se deixa abalar por pouca coisa, o amadurecimento da personagem durante a história é visível e palpável, e não só dela como de Wesley também que no final surpreende de uma forma bem gostosa.

A autora me mostrou que todos somos Duff, em algum momento ou por alguma razão, e que até as pessoas que aos meus olhos são perfeitas podem se sentir Duffs, afinal nunca estamos contente com o que temos ou somos, parece que se sentir incompleto é uma dádiva do homem.

"Eu era uma Duff. E isso era uma coisa boa. Porque qualquer pessoa que não se sente como uma Duff de vez em quando não deve ter amigos. Todas as garotas se sentem pouco atraentes às vezes."

A edição da Globo é linda, diagramação e revisão como sempre impecáveis, editora Top como sempre. Apesar de ter assistido filme e indicá-lo, o livro é bem mais delicioso e possui uma riqueza de detalhes bem maior.

Duff é mais que um romance, é um livro sobre amadurecimento, superação e aceitação, se você como eu adora tirar uma lição das páginas lidas e ama um romance, una o útil ao agradável e leia Duff, garanto que você ão vai se arrepender.


site: http://paraisodasideas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Elizandra 12/09/2017

RESENHA
Bianca Piper "é uma garota inteligente, petulante, sarcástica, neurótica" e muito leal a suas amigas Casey e Jessica.
Durante uma festa o garoto que Bianca mais odeia Wesley Rush (o boy charmoso/lindo/rico/galinha da estória) chama Bianca de DUFF, sigla em inglês para Designated Ugly Fat Friend, isto é, a menina menos atrante de seu grupo. A partir de então ela começa a se enchergar de outra maneira.
Em casa as coisas não estão nada bem. Seus pais estão a beira do divórcio e Bianca teme que seu pai ex alcoólatra não aguente a situação e tenha uma recaída.
Pra acabar de lascar tudo😂😂 Bianca acaba beijando Wesley de maneira impulsiva para aliviar o estresse... 'vai que cola né?'... e num é que colou. E mesmo odiando Wesley, ela começa um relacionamento secreto com ele e aos poucos percebe que a vida de Wes não é assim tão perfeita como ela imaginava.
Eu amei a leitura, é super leve e apesar de ser um livro com final bem previsível eu não conseguia parar de ler. Me fez pensar nos meus momentos DUFF da vida kkkkk e me perguntar quem NUNCA foi DUFF? E amei o sarcasmo de Bianca.

Ahh e tem filme... mas já adianto que apesar de eu ter gostado do filme, ele é beeeem diferente do livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



jubs 25/06/2019

Maravilhoso!
Comecei a ler esse livro por conta do filme e imaginem a minha surpresa quando vi que as histórias era completamente diferentes! Foi uma leitura gostosa demais! Amei as personagens e a maneira como o livro foi escrito. Não estava esperando pelos acontecimentos do livro, então a cada página era uma nova surpresa! Recomendo muito, uma leitura prazerosa, rápida, diverta e que de quebra te ensina várias coisinhas! Tanto o livro como o filme são incríveis e, apesar da história ser a mesma na teoria, são obras diferentes e que agradam bastante!!!
comentários(0)comente



Vitória 04/02/2017

Esse livro é maravilhoso!
O que posso falar deste livro? Não sei, porque simplesmente ele é maravilhoso. O relacionamento entre Bianca é Wesley no começo era tão, pra os dois fugirem de seus problemas é depois teve aquela reviravolta toda! Amei o livro demais, ele me surpreendeu. É também dá aquela lição, pra você se amar mais, porque a Bianca era considerada uma "Duff" é mesmo assim aconteceu tudo aquilo.

Mais se você for comparar o livro com o filme fica tão surreal, porque o livro não tem nada a ver com o livro. Se você ler o livro é ver o filme ou vice é versa, você vai notar isso.

Então eu acho que o livro é bem melhor do que o filme.
comentários(0)comente



Meu Vicio em Livros 27/02/2016

'Designated Ugly Fat Friend' (A Amiga Designada Gorda e Feia).
Acredito que todos neste mundo têm um vício para ajudar a camuflar a dor, algo que usam como válvula de escape. Alguns fumam, outros bebem, outros se drogam... e alguns fazem sexo. É isto mesmo. Você leu certo. A protagonista Bianca está lidando com vários problemas. Sua mãe enfim pediu o divórcio depois muito tempo fora de casa e seu pai voltou a beber depois de 18 anos. Ela sente que carrega um fardo grande tentando manter as coisas normais e não sente vontade de se abrir com as melhores amigas naquele momento.

A questão é que ela quer se “distrair”, quer esquecer, e a melhor forma que ela encontrou foi fazendo sexo sem sentido com Wesley. O cara que ela acha lindo, mas que ela não suporta, que diz coisas desagradáveis, que não pensa em ninguém além dele mesmo, que dorme com qualquer coisa que se mexa e que deixou claro desde o início que ela não faz sequer o seu tipo. O responsável por dar á ela o apelido de Duff, que significa 'Designated Ugly Fat Friend' (A Amiga Designada Gorda e Feia).

“Olha, suas amigas são gatas. E você querida, é uma Duff... ou seja, a amiga feia e gorda... Sem querer ofender, é isto que você é.”
Apesar de todo este cenário que eu narrei acima, Duff é um jovem adulto. As cenas de sexo são sutis, não há nada explícito e também não são o foco da trama. Confesso que a leitura me surpreendeu. A autora criou um enredo clichê, mas que me deixou instantaneamente viciada e apaixonada pelos personagens. Por trás da fama de Wesley, percebe-se que há algo errado. Fica claro que ele não estava com a Bianca simplesmente por causa de uma transa fácil. Ele era engraçado, arrogante, convencido, no entanto o fato dele também ter seus problemas para lidar assim como todo mundo era evidente. Como eu mencionei, cada um lida com as suas questões de uma forma diferente. Mesmo sem saber exatamente o porquê de estar sendo usado para “distração”, ele entendia a sensação de ser abandonado, entendia as ofensas e entendia a Bianca.



"... eu sabia que ele era um babaca. Eu só queria o corpo dele. Sem compromisso. Sem sentimento... Aquilo me tornava uma viciada e uma vadia?"

Bianca era uma personagem incrível, não se deixava intimidar por Wesley como as outras meninas e respondia á ele com o mesmo sarcasmo e com a mesma agressividade. Mesmo com as inseguranças normais da idade e sobre ter sido apelidada de a menos atraente do grupo, ela conseguia enxergar algumas vezes o lado positivo disto, como por exemplo, não ter que se preocupar com cabelo e maquiagem ou com a pressão de ser descolada. Bianca cresceu muito conforme os acontecimentos se desenrolavam, entendeu os motivos da mãe e consolidou a relação com o pai de uma forma emocionante. Sua amizade com Casey e Jessica era sólida e muito linda, mesmo que no começo ela tenha mantido o relacionamento com Wesley em segredo. Nunca, em nenhum momento, elas consideravam que a Bianca era um ou agia como uma Duff, pelo contrário, elas se colocaram neste papel em diversas situações.



As cenas de ciúme de Wesley e a sua declaração de amor foram fofas. Wesley foi corajoso em assumir seus sentimentos primeiro e Bianca foi extremamente teimosa quando não admitia sem para si mesma os seus. Kody escreveu para adolescentes e sobre adolescentes, mostrou que todos nós podemos ser uma "DUFF" em algum momento, mostrou as atitudes egoístas e os erros que a maioria comete nesta fase. O maior deles foi que Wesley não tinha noção de como magoava Bianca com este apelido idiota. Uma história maravilhosa, isto principalmente se levarmos em consideração que quando a autora escreveu este livro ela tinha apenas 17 anos. Impressionante! Talvez por isso o enredo seja tão realista e profundo. Entretanto, o final me deixou um pouco frustrada. Precisava ser mais desenvolvido. Acabou de forma abrupta. Eu precisava de mais.
LEIA MAIS:http://www.meuvicioemlivros.com/2016/02/resenha-duff-kody-keplinger-globoalt.html

site: http://www.meuvicioemlivros.com/2016/02/resenha-duff-kody-keplinger-globoalt.html
comentários(0)comente



101 encontrados | exibindo 91 a 101
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7