A Menina Que Não Acredita em Milagres

A Menina Que Não Acredita em Milagres Wendy Wunder




Resenhas - A Menina Que Não Acreditava em Milagres


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Kelly 05/01/2018

A Menina Que Não Acredita Em Milagres
Campbell é uma garota comum, se não fosse por sua doença incorrigível que lhe toma todo o corpo. Mesmo com o diagnóstico de quanto tempo ainda teria pela frente, sua forma de encarar a vida não muda, mas a de sua família sim. A mãe de Cam é bastante ligada em promessas, e quer fazer de tudo para ver a filha bem novamente, ainda que isso esteja a quilômetros de distância de onde moram. É assim que Cam, sua mãe e sua irmã vão parar em Promise, uma cidade do interior com a fama de milagrosa.

Ainda que as esperanças de Cam não estejam nas alturas (na verdade, talvez elas nem existam mais), a garota sabe que não pode se deixar levar por algo que já esperava. É com esse pensamento que ela se recordar de uma lista de coisas que fez com a melhor amiga, a qual deram o nome de Lista do Flamingo. Cada ponto citado deveria ser levado a sério, como fazer uma tatuagem aos 16 anos e beijar um garoto em uma roda-gigante. Coisas simples ou complexas que seria a chave para a felicidade.

Assim, mesmo que não acredite em milagres, Cam faz de tudo para se dar bem com a irmã mais nova e devolver um sorriso no rosto da mãe. Aliás, em Promise, Cam também conhece alguém: Asher, que se torna uma grande companhia. Nessa relação, que beira amizade e amor, ambos aprendem um com o outro sobre a necessidade de fazer valer a pena, e o quanto é essencial que deixar os medos de lado para tentar novas possibilidades. Enquanto que Cam carrega uma personalidade forte e, às vezes, bem ácida; Asher revida com toques de bom-humor e paciência.

A Menina que Não Acredita em Milagres é uma leitura leve na forma como foi escrita, mas intensa na maneira como os sentimentos da personagem são descritos. Me vi por diversas vezes na pele da Cam e sim, foi um nível de identificação que não imaginei acontecer com este livro em si. A personalidade da personagem principal tem muito de mim descrito nas entrelinhas, e isso me fez gostar ainda mais de todo o contexto. É claro que, assim como todos os livros de literatura enferma, temos um final de quebrar o coração, mas em nada isso interfere na qualidade da obra.

No mais, é uma obra muito bonita, com uma mensagem de esperança, fé e crença. Ela não tem aquela vibe de tristeza que talvez pudesse ter por conta do enredo. Na verdade, é uma história bem positiva e cheia de aprendizados para quem estiver disposto a entendê-los. E se você não acredita mais na vida, pode ter certeza de que sempre vai existir alguém disposto a fazer isso por você. Espero encontrar mais histórias assim nas livrarias. Ah, e se querem saber, também montei minha lista do flamingo.

site: http://www.caligrafando-te.com
comentários(0)comente



Raffafust 02/01/2018

Algumas pessoas compararam esse livro à escrita de John Green, eu diria que até pode beber da fonte mas Green tem uma forma única de falar que a autora ainda deixa um pouco a desejar se comparada. Não que esse seja um livro ruim, longe disso, arrisco dizer que daria um filme incrível, daqueles que emocionam. Vamos à história: Cam, abreviação de Campbell, é uma adolescente hipster. Ao contrário de outros adolescentes rebeldes sem causa, ela tem uma boa razão para agir diferente dos demais: seu pai faleceu, ela tem um câncer que está em vias de se transformar em terminal, se você odeia histórias carregadas de tristeza e doenças incuráveis, fuja do livro, mas se curte, vem comigo!
Cam sabe que seu câncer não tem cura, mas sua mãe Alicia não está disposta a acreditar nisso, ela quer lutar contra tudo e todos e provar que sua filha não morrerá por causa dessa maldita doença. Quando o médico de Cam diz que apenas um milagre a salvará, Alicia demonstra que milagres existem para acontecerem e agarra todas suas forças nessa possibilidade, daí o nome do livro em inglês que faz até mais sentido do que o dado no Brasil. Com o conselho de seu namorado, a mãe então leva Cam e sua irmãzinha Perry para Promise, Maine, durante o verão. A razão é que ali rola a lenda de que milagres inexplicáveis costumam acontecer.
Seria essa a chance da menina? Ou somente mais uma crença de uma mãe desesperada?
Começa então uma luta entre acreditar no impossível por parte da mãe dela e no se entregar à realidade que é o que Cam faz, ela não quer magoar a mãe mas sabe que as chances de ficar curada são quase nulas.
O que diferencia esse livro são seus diálogos, se em parte a sick-lit pode deixar a desejar nas explicações da doença as conversas entre os personagens salvam muito da leitura, pois são emocionantes.
Os pensamentos pessoais da Cam também são apresentados ao leitor. Seu vocabulário não se limita às palavras cotidianas, mas também inclui palavras que são realistas para sua idade e mostram o que está sentindo. Por muitas vezes na leitura desse livro, suas palavras são tão verdadeiras e provocadoras que você pensa que ela é real.

site: http://www.meninaquecompravalivros.com.br/2017/11/resenha-menina-que-nao-acredita-em.html
comentários(0)comente



Feh 26/11/2017

Se eu pudesse dar mais estrelas eu daria
Para vc que está aqui para saber se vale a pena ler ou não, deixe que eu responda por vc....Leia!

Sem palavras para descrever esse livro maravilhosamente triste e engraçado ao mesmo tempo com um toque de inteligencia e amor( e digo A-M-O-R com todas as letras) pois isso está alem de um simples romance.
comentários(0)comente



Fabi | @psamoleitura 25/08/2017

{resenha feita no blog PS Amo Leitura}
Em "A Menina que Não Acredita em Milagres" nós vamos conhecer a Campbell: uma garota de 17 anos, nascida no Havaí e criada na Flórida, diagnosticada com câncer. Viveu grande parte de sua vida na Disney, ou seja, grande parte de sua vida era uma fantasia e ela imaginava que nunca chegaria a viver de verdade.

Cam e sua melhor amiga Lily - se conheceram em acampamento, também diagnosticada com câncer - escreveram uma lista sobre coisas que desejariam fazer antes de morrer. A lista é chamada de "Lista do Flamingo". Alguns itens da lista de Cam já foram concluídos na Flórida, mas alguns ela acha impossível que sejam concluídos algum dia.

Ela não acredita em milagres. De forma alguma. Ela apenas espera que o câncer mate-a a qualquer momento. Mas já sua mãe - Alice - acredita na existências dos mesmos. Assim como sua irmã Perry acredita que tudo possa ser um milagre. Então, após longos tratamentos e diagnósticos, Alice decide - contra a vontade de Cam - arrastá-la para a cidade chamada Promisse durante as férias de verão, onde as histórias são mágicas e onde "todos os milagres acontecem".

Quando chegam em Promise, Cam ainda tem sua opinião sobre milagres: ela continua não acreditando. Para ela ver um bando de flamingos aparecendo misteriosamente, um filhotinho de cachorro sendo curado da noite para o dia, dentes de leões lilases... são apenas coincidências. Como uma cidade poderia ser milagrosa?

Ela começa até sentir-se melhor em relação ao lugar, as pessoas e até a ela mesma. Passa a se perdoar e compreender alguns de seus sentimentos. Também faz alguns novos amigos, assim como Asher - morador de Promise - que ensinará para ela o que é o amor. Como também Cam ensinará para Asher que existe vida longe daquela cidade.

O que dizer desse livro? Ri do jeito despojado de Cam. Sorri do jeito fofo de Asher. Achei divertida Perry e Nana - a avó delas. E o jeito protetor de Alice e em fazer o possível para ver sua filha feliz. Assim como me emocionei com alguns acontecimentos e acabei criando esperança junto com os personagens. Um livro que a cada página te prende e te conquista um pouco mais.

site: http://psamoleitura.blogspot.com.br/2016/04/resenha-ebook-menina-que-nao-acredita.html
comentários(0)comente



Saleitura 06/07/2017

Ah! a juventude , a adolescência! Essa é Campbell, a nossa protagonista da historia, com 17 anos e uma enorme vontade de viver, embora ela nem perceba essa vontade, bem característico da sua idade , ela precisa de tempo para viver as suas experiências típicas da juventude. Porém Cam, como é chamada pela sua família, não tem esse tempo.

Campbell tem câncer e consciente da falta de tempo resolve viver esses últimos tempos de uma forma bem divertida. Sim da melhor forma possível. Ela tem uma amiga com os mesmos sonhos e anseios - Lily - uma amiga para a vida toda ou somente enquanto umas delas estiver sobrevivendo a doença.
"- A esperança é a própria recompensa."
Cam tem uma ideia bem simplista da vida e da morte e Lily achava que algo poderia mudar, acreditava que se lesse os livros de auto-ajuda, os pensamentos positivos lhe ajudariam na cura. Em um verão, período de férias, resolveram fazer uma lista do que fazer antes de morrer. Elas escolhem um nome para a lista, como ficaria estranho colocar ” lista antes de bater as botas “, colocaram o nome Lista do flamingo. Essa lista era como um norte para que elas tivessem o mínimo de experiências em suas vidas.

Cam tem uma família maravilhosa e sua mãe - Alicia - é incansável na luta pela vida de sua filha. , nos tratamentos, em ir aos lugares que ela se propõe a visitar e a morar. Tudo isso para que Cam visualize que a vida pode ser uma caixinha de surpresa.

Alicia ouve falar de um lugar mágico, um lugar onde as possibilidades de vida são milagrosas - o lugar se chama Promise. Cam nem acreditou quando concordou com a mãe que poderiam viajar para este paraíso na terra. E assim viajaram para passar mais uma férias de verão.

E foi nesse lugar simples que Cam conseguiu perceber o milagre da vida, a valorização dos dias, o milagre de acordar todos os dias, de estar com a família reunida , das descobertas do sexo, da entrega e do encontro com o amor. Promise foi muito além do que uma férias de verão, foi um pequeno projeto de vida colocado em uma folha de papel denominado a Lista do flamingo.
" O amor, Cam tinha de admitir, poderia ser real. E o amor permanece. As relações permanecem. Porque os pensamentos são energia,energia é matéria, e a matéria nunca desaparece."
Não espere finais felizes e esteja aberto para uma leitura descontraída. Uma historia comovente, cheia de momentos emocionantes com uma grande lição onde o milagre é diário, onde devemos celebrar a vida em qualquer circunstância e que a felicidade está na melhor forma de se viver o presente.

Resenha by Damiana Ribeiro
https://www.facebook.com/damiana.ribeiro.520?ref=br_rs

site: https://saletadeleitura.blogspot.com.br/2017/07/resenha-de-cetim-as-modistas-2-loretta.html
comentários(0)comente



Annie - @queriaseralice 20/06/2017

“Você não pode ter liberdade de verdade se apenas fica esperando o universo se desenrolar. Se está à mercê do universo, não está livre de verdade.”⠀

Campbell é uma jovem de dezessete anos que possui pouco tempo de vida - nem completará dezoito. Sua mãe - Alicia - não consegue lidar com a ideia de perder Cam e decide levá-la para um lugar conhecido por seus milagres.⠀

O problema é que embora Promise seja mesmo um lugar mágico e onde coisas diferentes acontecem - inclusive a chegada fora de época de um bando de flamingos - , Cam não acredita em milagres. Não acredita que o improvável​ pode de fato acontecer, e só muda de ideia quando se apaixona por Asher, um garoto que possui uma ligação muito forte com a história e energia do local.⠀

Apesar de ter um final previsível, eu me envolvi com a personagem de uma forma que eu não esperava. Ela teve um crescimento dentro da história. Ela sofreu mas ela amadureceu.⠀

A menina que não acredita em milagres possui personagens únicos, diálogos marcantes e é ao mesmo tempo um livro lindo e triste. Me fez refletir muito sobre a vida e sobre aproveitar cada momento. A escrita da autora me prendeu desde o início, é de uma leveza e sensibilidade ímpar. 😍⠀

Recomendo demais! ❤ (Fãs de ACEDE, leiam! 😚)

site: https://www.instagram.com/p/BRuIhEzFEXa/
comentários(0)comente



Hellen 17/05/2017

Também não acredito em milagres (ou em capas bonitas)
"É assim que era ficar de coração partido. Era menos uma rachadura no meio e mais como se o tivesse engolido inteiro e ele fosse parar, ensanguentado e machucado, no fundo do seu estômago."
.
Campbell está morrendo. Mas isso não é um problema tão grande assim (Claro que ela não quer morrer, mas não precisa fazer um estardalhaço). Ela aceita bem este fato, desde que consiga aproveitar o 'Grand Finale' fazendo o que adora.

O problema é que a sua mãe e irmã não pensa assim. Acreditam que Cam pode se curar, ela só precisa ter fé.

A questão é: Campbell não acredita nessas coisas. Não acredita que uma mão cairá sobre ela e BUM tudo melhorará.
Ela também não acredita em Deus ou na Virgem Maria (mas prefere não comentar sobre isso, por que seria um problemão).
.
Assim, elas partem rumo a um 'lugar milagroso: Promise.
Promise, que tem uma energia diferente.
Promise, onde o sol nasce e se põe no mesmo lugar.

Promise, onde mora Asher.
_

Ah, o que dizer sobre A menina que não acredita em milagres? Primeiro, que tinha tudo para ser um livro incrível.
Eu realmente comecei essa história com expectativas. A capa é maravilhosa e, não o bastante, a premissa também parece ser bem legal. Tinha tudo para ser um clichê adorável.

Mas...
Mas...
É chato! São vários assuntos jogados no meio da história que acabam ficando por isso mesmo. Não há aprofundamento. A autora pegou temáticas importantes e decidiu colocar tudo num mesmo livro - e não deu certo. No final, acabou não terminando de desenvolver nenhum deles.

Eu esperava mesmo gostar dessa história, e talvez tivesse gostado se tivesse uns 13 ou 14 anos. Talvez tivesse curtido a história, por ser bem sessão da tarde. Ou por me lembrar de livros como A culpa é das estrelas e Tudo e todas as coisas.
Mas acabou sendo uma leitura sem propósitos.

No geral, esse livro é só mais uma capa bonitinha.

E talvez, só talvez, eu também seja uma menina que não acredite em tamanhos milagres.

Ps. Não terminei de ler, simplesmente não tive paciência. Abandonei faltando pouco mais de 50 páginas para terminar. 💔

site: https://www.instagram.com/sobreumlivro/
comentários(0)comente



Crys 11/05/2017

A LIÇÃO DE VIDA DE CAMPBELL, UMA MENINA DE 17 ANOS QUE LIDA COM CÂNCER
” Há dois modos de viver a vida. O primeiro é como se nada fosse um milagre. O outro é como se tudo fosse um milagre” – Albert Einstein.
Campbell é uma adolescente que está no último ano do ensino médio. Ela é uma garota normal, exceto pelos cuidados que tem que ter com seu câncer.

Desde pequena, quando a família de Cam descobriu o câncer dela, a menina frequentava hospitais e quimioterapia. Sua melhor amiga desde a infância, Lily, também divide a mesma trajetória.

Cam e Lily depois que suspenderam os tratamentos por um período, passaram a se comunicar apenas por telefone todos os dias. Elas moravam em cidades diferentes e tinham vidas completamente distintas.

Para continuar a ler, acesse o site :)

site: http://diariosdeumpiquenique.com.br/leitura/a-menina-que-nao-acredita-em-milagres-wendy-wunder
comentários(0)comente



Jéssica - @Febreliteraria 10/05/2017

Resenha: A menina que não acredita em milagres
Sabe aqueles livros que te conquista inteiramente pela capa? Foi assim com "A menina que não acredita em milagres". Uma capa tão fofa desse jeito, não tem como não chamar atenção. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀
O livro conta a história de Cam, uma garota de 17 anos que tem câncer, e durante anos ela tem lutado contra esta doença. Só que cansada disso tudo, ela simplesmente joga a toalha, ela aceitou a doença e se cansou das falsas esperanças de um milagre. Aliás, como ela pode acreditar em milagres ? Seu pai está morto, a mãe nem no funeral chorou. Em sua vida até agora não deu nada certo. Milagres em seu mundo simplesmente não acontece. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Até que sua mãe resolve levá-la a um lugar conhecido como a cidade dos milagres. Cam não acredita nisso, mas ela aceita , porque acha que essa viajem será uma grande aventuras antes do seu fim. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀
O livro começa com uma pegada muito boa, e eu achei super interessante que o Flamingo está em vários momentos do livro. É uma história muito envolvente, e nos faz refletir sobre coisas pequenas, mas que podem fazer uma enorme diferença na sua vida. É sobre família. É sobre o amor, amizade , é sobre a VIDA. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀
E não é sobre o quanto você quer viver , mas é sobre você VIVER naquele tempo. É uma história que vai te fazer se apaixonar , vai te fazer rir e chorar e vai deixar você pensar sobre isso por um bom tempo.

site: https://www.instagram.com/febreliteraria/
comentários(0)comente



May vieira 06/05/2017

Eu esperava bem mais desse livro.. o titulo me chamou atenção e eu resolvi ler. O final foi confuso pra mim na verdade nao entendi o que aconteceu com a Cam. Uma pena pois uma boa historia que não foi bem trabalhada.
Crys 11/05/2017minha estante
- SPOILER -


Ela usa metáforas para falar sobre a morte dela no final. Ela morreu, miga :(
O livro contém muitas metáforas sobre a vida.




Ana 03/05/2017

Eu sei que a maioria dos leitores já está cansado de sick-lits justamente porque são tristes demais, mas A Menina Que Não Acredita em Milagres é diferente. Campbell Cooper tem câncer, tem plena consciência de que está morrendo, mas já aceitou a condição "tão bem" que para ela tanto faz. Tanto que ela já não quer mais se submeter à procedimentos que só fazem mal à ela, só quer terminar sua vida em paz.

Cam é dessas pessoas que já sofreu tanto que simplesmente não acredita em Deus, ou milagres, ou qualquer coisa do gênero — se é que já chegou a acreditar algum dia. Mas a verdade é que por mais que você não tenha fé nas coisas, as pessoas ao seu redor acabam tendo por você, o que é o caso da família de Cam: Alicia, sua mãe, e Perry, sua irmã mais nova, decidem que elas precisam visitar Promise, um lugar onde, aparentemente, acontecem milagres. Sabem quando as pessoas já não têm mais opções e decidem tentar algo como último recurso? Pois é...

Mesmo acontecendo várias coisas inusitadas em Promise, que Cam jura de pé junto serem apenas coincidências, a única coisa que motiva a protagonista a continuar na cidade milagrosa é completar a sua Lista do Flamingo — basicamente uma lista de coisas para fazer antes de morrer que Cam e sua amiga Lily resolveram batizar de uma forma diferente. O mais legal do livro é que Promise é tão mágica e incrível que acaba se tornando um dos personagens da história.

Muitas pessoas acharam A Menina Que Não Acredita em Milagres um livro com personagens fracos, mal desenvolvidos e com um enredo genérico, mas para mim acabou funcionando muito bem. Eu gostei muito de Cam e seu (mau) humor ácido, sua personalidade forte, a forma como lidava com as coisas mesmo sem acreditar que milagres acontecem... Alicia e Perry são ótimas, essenciais para a história, companheiras para caramba e super divertidas. Asher, que Cam conhece na ilha, é simplesmente um amor de pessoa, mas que acabou sendo mais explorado quando o livro já estava acabando.

Gostei bastante da narrativa da Wendy Wunder também, mesmo não tendo nada diferente e extraordinário. Acho que fazia tanto tempo que não conseguia ler que uma narrativa leve e despretensiosa era tudo o que eu mais precisava. Mesmo com a premissa da garota-doente-prestes-a-morrer, a história não é nem um pouco pesada e angustiante.

Para quem acha que o livro tem um teor religioso e se interessaram nele por isso, já adianto que o livro fala muito mais sobre viver o presente e aproveitar os pequenos milagres da vida do que qualquer outra coisa. A Menina Que Não Acredita em Milagres acabou se tornando uma leitura marcante para mim justamente por mostrar que cada pessoa que existe no mundo é um milagre por sí só.

site: http://www.roendolivros.com.br/
comentários(0)comente



Vai Lendo 03/05/2017

Uma história para você rir, chorar e celebrar a vida
Você acredita em milagres? O que, para você, é um milagre? Apenas algo que seria considerado impossível ou improvável acontecer? Ou, quem sabe, o milagre não seria nós mesmos, a nossa vida? Às vezes, quando perdemos o controle das coisas ou nos deparamos com uma situação irreversível, ansiamos por um milagre. Por alguma coisa que nos dê o mínimo de esperança e força frente ao inevitável, no caso, a morte. Estar ciente do próprio fim é perturbador, e geralmente somos obrigados a nos resignar. Por que desistir totalmente? Se ainda há um sopro de vida, é a ele que nos agarramos, em busca do nosso próprio milagre. E é isso o que Wendy Wunder nos mostra em "A Menina Que Não Acredita em Milagres", lançamento da editora Novo Conceito.

Na trama, Campbell é uma jovem de 17 anos, totalmente descrente. Ela não acredita em Deus, muito menos em milagres. Isso porque ela sabe que tem pouco de vida, não deve nem chegar aos 18 anos, e resolve que quer fazer tudo o que ainda não fez, no tempo que lhe resta. Até que sua incansável mãe a convence a fazer uma viagem para Promise, um lugar conhecido por seus acontecimentos milagrosos. Mesmo cética, Cam precisa lidar com fatos inexplicáveis e também com a descoberta do primeiro amor. Agora, ela começa a repensar em tudo o que acreditava, ou não acreditava, e a encarar o fato de que, talvez, ela realmente esteja testemunhando um milagre.

"A Menina Que Não Acredita em Milagres" faz rir, chorar (inclusive, aconselho a não ler em público, principalmente em transportes, a não ser que você não se importe de chorar copiosamente no ônibus e fingir que está apenas assoando o nariz, e não desidratando) e, mais importante, faz a gente refletir, repensar a nossa própria vida e o que realmente nos importa. Ainda que trate sobre um tema delicado e bastante melancólico, o livro não pesa no drama, muito menos, apresenta a situação de maneira forçada. Pelo contrário, Wunder nos emociona com toda a sua delicadeza e leveza e, por vezes, bom humor. A narrativa é de uma sensibilidade emocionante, que chega a aquecer e a acalentar os nossos corações, mesmo nos momentos mais tristes.

Muito disso também se deve às personagens da história. Cam, a protagonista, por exemplo, poderia ser uma adolescente como outra qualquer, não fosse o caso de estar doente e ter pouco tempo de vida. Essa consciência a torna fechada, um pouco amargurada e bastante cética. No entanto, Cam também é extremamente sensível e, até mesmo, engraçada. Sua capacidade de tirar sarro da própria condição e não levar tudo tão a sério é admirável, embora, em alguns momentos, eu tenha ficado um pouco incomodada com suas atitudes e reações. Principalmente por causa de sua família. Contudo, essa personalidade precocemente mais madura de Cam é um contraponto à ingenuidade de sua irmã caçula, Perry, que acredita piamente em unicórnios, e à ansiedade e impulsividade de sua mãe, Alicia. Aliás, Alicia é uma personagem muito, muito querida. Como toda mãe, ela é capaz de qualquer coisa para salvar a vida de Cam, inclusive, abrir mão de seus próprios sonhos. E Perry, por sua vez, está na fase de pré-adolescente e, como tal, tem lá seus momentos nem tão agradáveis, mas, no fundo, ela quer apenas fugir de uma realidade na qual não terá mais a irmã mais velha para guiá-la, e com a qual não sabe – e nem quer – lidar. A interação entre as três é divertida e muito bonita.

Ainda falando sobre os personagens, impossível não citar aqueles chamados de “secundários”, mas que em "A Menina Que Não Acredita em Milagres" têm tanta importância quanto as protagonistas. Nana, a avó de Cam, é um bálsamo de cumplicidade e de leveza em meio a um turbilhão de emoções. E também de risadas. Foram as tiradas dela que me arrancaram gargalhadas, por incrível que pareça. Também não tem como ter empatia pelo fiel e esforçado Izanagi. Lily, a melhor amiga de Cam e que também tem câncer, traz algumas lições valiosas à personagem – e a nós mesmos. E o que dizer dos moradores de Promise? Todos, sem exceção, ganharam um lugar muito especial no meu coração por toda a amizade e lealdade. E, por último, mas não menos importante, Asher. Asher, o salvador, aquele que está sempre pronto para ajudar os outros, mas não se permite ser ajudado. Aquele que se vê obrigado a ter uma vida que, talvez, não seja a que ele queira, mas que tem medo de mudar, por acreditar que está eternamente ligado ao lugar do qual seus pais saíram e nunca mais voltaram. Asher, que fez Cam se redescobrir e acreditar novamente nas pessoas e principalmente no amor. Asher, que deu a Cam o sopro de vida que ela tanto ansiava e não se permitia buscar. Asher, que ajudou Cam a abrir a mente e acreditar que milagres podem, sim, acontecer e que não necessariamente eles são da maneira que esperamos.

"A Menina Que Não Acredita em Milagres" é uma leitura que flui, detalhista e quase lúdica, com um narrador em terceira pessoa que nos emociona com sua descrição um tanto poética, não apenas dos acontecimentos, mas também das emoções das personagens. É um livro que nos mostra que devemos aproveitar o presente, sem nos prender ao passado e não nos ater apenas ao futuro. É o hoje que importa. São os momentos que vivemos agora que nos transformarão e nos darão as lembranças inesquecíveis e o aprendizado para o resto das nossas vidas. É um livro que fala sobre perdão e redenção. Sobre perdas, luto e esperança. Um livro que nos ensina a nunca esconder os nossos sentimentos, mas demonstrá-los. Principalmente para as pessoas que amamos. A reconhecer aquilo que nos é mais caro e não nos preocuparmos com pormenores. É um livro que nos ensina que a vida é, sim, dura, mas que todos temos forças para encarar os desafios e superar os obstáculos e, mesmo que, às vezes, isso não seja possível, pelo menos, podemos tentar. E é assim que nascem os nossos próprios milagres.

site: http://www.vailendo.com.br/2017/03/23/a-menina-que-nao-acredita-em-milagres-de-wendy-wunder-resenha/
comentários(0)comente



Nicoly Mafra - @nickmafra 01/05/2017

Resenha - A Menina Que Não Acredita Em Milagres
Este foi um dos livros que veio no kit de boas vindas da parceria com a Novo Conceito; não tinha lido a sinopse do livro e nem ouvido nenhum comentário, mas só pela capa e pelo título fiquei curiosa em relação com a leitura, e fiquei surpresa com o quanto eu gostei deste livro.

A Menina que não Acredita em Milagres conta a história de Campbell, ou Cam, uma garota de dezessete anos que está muito doente. Campbell vem lutando contra um câncer há um bom tempo e já participou de todos os tratamentos possíveis, mas nenhum conseguiu exterminar a sua doença.

Depois de sua mãe ter escutado comentários sobre uma cidadezinha milagrosa e cheia de magia chamada Promisse, Camp, sua mãe e sua irmã resolvem ir atrás de um milagre e embarcar em uma viagem e tentar encontrar a cura para a doença de Camp. Porém, Campbell não acredita em milagres, muito menos que encontrará uma cura milagrosa em uma cidadezinha no Maine. Porém, a viagem será mais reveladora do que o esperado.

Sou apaixonada por sick-lit; isso pode ser estranho, mas adoro ver os personagens superando muitos dos seus problemas, encontrando respostas e conseguindo realizar alguns dos seus desejos, e gosto ainda mais quando o livro passa uma mensagem bonita e não ficar apenas focado na doença do personagem. A mensagem de que a vida é cheia de magia e milagres e de que precisamos ficar atentos aos detalhes ao nosso redor, deixou-me realmente inspirada e muito feliz com a leitura.

Campbell é uma personagem incrível. Mesmo passando por momentos tão difíceis, a garota é engraçada e sarcástica e mesmo já sabendo que sua morte é eminente, conseguimos perceber que ela ainda tem muitas coisas que quer conquistar.

Adorei este livro! A leitura é suave e fluida, os personagens são interessantes e cativantes e eu adorei o enredo e toda a magia da história. Alguns momentos poderiam ter sido mais rápidos, mas mesmo assim a experiência com esse livro foi maravilhosa. Recomendo muito a leitura desse livro e espero que vocês possam aproveitá-la do mesmo modo que eu aproveitei.

site: www.instagram.com/nickmafra
Fabi 01/05/2017minha estante
ta na minha lista =)




Tayane Cristie 24/04/2017

A Menina Que Não Acredita Em Milagres - Wendy Wunder
A Trama: Campbell tem câncer e ele já está em um estágio que não a permite ter esperanças. Mas sua mãe não desistirá assim tão fácil, então ela junta Cam e Perry (sua filha mais nova) em um trailer para um road trip de Orlando até Promise, no Maine, uma cidade com fama de ser milagrosa. A sinopse dá a entender que o livro é mais religioso do que ele realmente é (aliás, a única manifestação de religião aqui é a avó de Cam ser católica), só queria deixar isso claro para ninguém ir ler esperando algo que não vai ter. Vários dos acontecimentos são bem apressados e algumas outras coisas têm uma explicação bem rasa que me deixou confusa em alguns momentos, além de eu não ter conseguido me conectar de verdade com os personagens. Câncer é um assunto delicado de se tratar, mas eu não consegui me sentir muito ligada emocionalmente com o que estava acontecendo, mas confesso que derramei uma lágrima ou duas no final.

Os Personagens: Gostei de Cam ser uma protagonista diversificada (ela é metade samoana e metade italiana) e de ter a habilidade de dançar hula. Ela cresceu em Orlando e sua família sempre trabalhou na Disney, então dançar é uma coisa que ela faz desde sempre. Cam é cética quanto à cidade milagrosa, mas vê em Promise a chance de completar sua Lista do Flamingo (uma lista de coisas a fazer antes de morrer, mas ela e sua amiga Lily não quiseram chamá-la assim). Achei bem bizarra a forma como Cam completa o primeiro item da lista na cidade, principalmente pela autora depois tratar aquilo como se não fosse nada. Cam é uma boa protagonista, mas a forma da autora de conduzir a história não me deixou me importar muito. Também gostei da mãe e da irmã de Cam, elas eram bem espirituosas e divertidas. Asher também foi legal e achei os dois bem fofos juntos. Mas, num todo, para mim os personagens secundários ficaram bem unidimensionais, sem muito pano de fundo, quase sem personalidade em alguns aspectos.

Capa, Diagramação e Escrita: Achei a capa bem fofa, principalmente pelos flamingos (que têm outra participação na história além da lista de Cam e Lily). A diagramação também está boa, bem simples, mas confortável para leitura. Na minha opinião, faltou um pouco de personalidade na escrita da autora. Mesmo com a diversidade em alguns aspectos da trama, ainda me pareceu um livro genérico enquanto lia. Ainda assim, a resolução da briga entre Cam e Lily e o final foram bem reais.

Concluindo: Esse não é um livro ruim, de forma alguma. Mesmo com os problemas que eu encontrei, ele conseguiu me entreter enquanto lia e algumas passagens conseguiram ser bem divertidas. Se você gosta desse tipo de leitura, vale a pena dar uma chance e tirar suas próprias conclusões.

site: Confira essa e outras resenhas em http://www.fomedelivros.com
comentários(0)comente



Lendo Por Aí 24/04/2017

Campbell tem câncer. Não um ou dois. Vários. A coisa se espalhou pelo corpo todo e nada mais pode ser feito. Nada além de esperar. A morte um dia chega pra todo mundo mas, para Cam, ela vai chegar antes do seu aniversário de 18 anos. E é por isso que ela tem que correr atrás de realizar todos os itens da lista feita junto com a melhor amiga, Lily, e viver o mais intensamente possível.
?
Além do câncer, Cam tem uma mãe determinada a não desistir jamais, e uma meia-irmã apaixonada por unicórnios, que não se importa em ficar em segundo plano por conta da doença dela.
?
A mãe, Alicia, decide que é hora de deixar Orlando para trás e partir para uma aventura de verão no Maine, em busca de uma cidade onde supostamente acontecem milagres. O problema é que Cam não acredita em milagres.
?
Chegando em Promise, acontecimentos inusitados acontecem, como, por exemplo, Cam se apaixonar. E ser correspondida. Será mesmo que milagres existem?
?
Eu gostei muito desta leitura. Ri muito, me encantei com a leveza dos acontecimentos criados pela autora e com a delicadeza com que ela tratou de um tema tão brutal, como a morte iminente de uma pessoa tão jovem. Ela foi aos pouquinhos, colocando um sorriso aqui e outro ali, e quando eu estava pensando "ai, meu Deus, que lindo ??", ela foi lá e arrancou meu coração, pisou em cima igual ao Seu Madruga e depois deu pra fábrica de salsicha. E por mais que eu tenha terminado a leitura arrasada (porque eu me apeguei), ao mesmo tempo, senti que valeu a pena. Não só ter lido. A vida de Campbell. Esta sim, valeu a pena.
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3