A Guardiã de Histórias

A Guardiã de Histórias Victoria Schwab




Resenhas - A Guardiã de Histórias


69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Pri Nunes @infinitoliterarioo 11/07/2019

Biblioteca de Almas
"A ignorância pode ser uma benção, mas só se superar a curiosidade. A curiosidade é a porta de entrada para o vício da compaixão." (Da)

RESENHA
A Victoria Schwab sabe te pegar de surpresa. Comprei esse livro pela capa e, na época, nem conhecia a autora, mas me surpreendi com o jeito de brincar com a escrita, hora leve hora carregada, de uma forma que te deixa curioso com o desenvolvimento dos personagens e da trama em si.
A Mac cresce demais nas suas escolhas e atos. Ela passa a entender que o arquivo existe para dar voz aos mortos, mas ela também entende a importância de dar adeus a quem se ama, que apesar de estar a um toque de distância devemos deixá-los ir, pois sua passagem aqui já terminou.
É uma dádiva e um fardo carregar a chave de Guardiã, porque você precisa mentir para aqueles que mais ama para mantê-los seguros. Precisa ser duas pessoas, ter duas vidas e lidar com algo que ninguém entenderia, apenas aqueles que dividem essa mesma tarefa.
O livro tem alguns pontos baixos, a história tem uma boa trama, mas a autora meio que carregou no romance juvenil em algumas partes, entretanto, para mim, não mexeu no contexto geral e a história te prende muito. Estou curiosa para ler os próximos livros da trilogia.

site: https://www.instagram.com/p/Bzy8rQ-DI4K/
comentários(0)comente



Marcia @belaspaginas 08/06/2019

A escrita te prende, depois que você entra é impossivel sair, é tudo muito original, muitos momentos não sabia em quem confiar, me vi desconfiando de tudo e todos, e não tinha ideia do que ia acontecer, o livro me prendeu pela curiosidade e mistério, e o que não esperava as parte de ação, ai ficou mais interessante. Em muitos momentos senti uma raivinha de Mac, mas sempre tentava me colocar no lugar dela, se eu tivesse perdido meu irmão, não farias as mesmas coisas? Por esse motivo, entendi. Pra quem gosta de se aventurar em universos fantásticos, e muitas reviravoltas, esse livro é uma boa escolha.
comentários(0)comente



Tatiane Silva 19/05/2019

Este é o primeiro livro da trilogia, com um enredo diferente do que já tinha visto, e que gostei, mas que poderia ter algumas partes exploradas de uma forma melhor do que descrito, mas ainda estou ansiosa para ler a continuação que já foi lançada " A guardiã dos vazios". Agora é aguardar essa leitura para ver quais desafios Mackenzie terá que superar.
comentários(0)comente



Rosi C. Caleffi 19/03/2019

Muito bom
Em A Guardiã de Histórias iremos conhecer "Os Estreitos", onde são armazenados nossas histórias, uma espécie de biblioteca em uma dimensão diferente da que conhecemos. Quando ocorre a morte de um indivíduo, a história dele vai para O Arquivo que fica em Os Estreitos, e lá permanecem arquivadas para sempre, porém, algumas histórias acordam e quando isso ocorre e ela consegue "fugir" desse arquivo, um guardião é o responsável por trazê-la de volta.

Nessa premissa incomum, iremos conhecer Mackenzie Bishop, que recebeu a chave do Arquivo de seu avô quando tinha 12 anos, mas já vinha sendo treinada a mais tempo para ser uma guardiã. Mac perdeu também seu irmão Ben, de dez anos, então fica complicado lidar com suas perdas e ainda sua condição após mudarem-se para o antigo hotel que virou condomínio, parece que seu "trabalho" ficou cada vez mais intenso.

No entanto, ela começa a reparar que tem algo muito errado. Alguém ou algo está apagando parte das Histórias e manipulando o Arquivo para que ninguém tome conhecimento do desenrolar de um assassinato ocorrido no Colorado há mais de 60 anos.

Ousado, criativo, intrigante, melancólico, com toque de macabro e terror. Esses são os ingredientes desse livro que se passa em um mudo totalmente diferente, complexo e que me surpreendeu muito. 4 estrelas (4/5).
comentários(0)comente



Alessandra 09/03/2019

Vidas devidamente registradas.
Nossa existência é abarrotada de mistérios. Não sabemos de onde viemos e, muito menos, para onde vamos no pós morte. Porém, a autora deste livro tem uma ideia bem diferente para essa última incógnita.

A permanência entre os vivos deixa registros, marcas permanentes, torna-se História, com h maiúsculo mesmo. Os corpos, receptáculos dessa vivência, permanecem no Arquivo e, tal qual uma biblioteca, são catalogados e etiquetados, ficando dispostos cada um em sua devida gaveta.

Como em um "negócio" qualquer, algumas coisas podem dar errado e, dependendo do trauma causado na morte, uma História pode acordar e vagar pelos Estreitos em busca de respostas.

É aí que entra a obstinada Mackenzie, uma guardiã de Histórias responsável por mandá-las para o lugar de onde nunca deveriam ter saído.

A família de Mac têm uma trama triste, marcada pela perda e para ela é muito difícil separar o "trabalho" do coração quando se trata de enfrentar a morte do irmão caçula, apesar de todo conhecimento que adquiriu com seu encargo.

O livro tem um enredo bem interessante mas demora demais para pegar ritmo. Talvez o meu problema tenha sido a droga da expectativa. Quem nunca sofreu desse mal literário que atire a primeira pedra.

Victoria Schwab é queridinha no mundo dos livros, com várias publicações no Brasil. Cansei de ouvir o quanto suas histórias são maravilhosas e, por isso, fiquei achando que ia amar a leitura do início ao fim. Mas, verdade seja dita, ela me conquistou mesmo bem no finalzinho.

Tudo é muito arrastado e repetitivo no início, apesar de bem bolado. O drama familiar ficou mal explorado e perdeu sentido pelo fato da personagem fazer sempre o que quer, sem ligar para os pais. Foi bem inútil e não contribuiu para o desenvolvimento.

Existe um segundo volume entitulado "A Guardiã dos Vazios" publicado pela Bertrand Brasil. Quando eu colocar minhas mãos nele trago resenha para vocês e, aí sim, poderei dizer se essa narrativa merece ou não virar História, com h maiúsculo.

site: https://euamolivrosnovos.blogspot.com
comentários(0)comente



Lelle31 02/02/2019

Instigante, surpreendente e eletrizante. Tão criativo e mirabolante que é difícil parar de ler. A história tem um começo lento em decorrência de algumas explicações em relação a esse mundo fantástico criado por Schwab, mas com o decorrer da narrativa o livro vai ganhando intensidade e te prende até o último instante. Não importa se você está nos estreitos, no arquivo ou no exterior você precisa ler esse livro, que com certeza terá um lugar especial na minha prateleira de Guardiã.
comentários(0)comente



Adriana 22/01/2019

Espera mais
A ideia é boa, mas falta alguma coisa....
Não chegou a prender a minha atenção
comentários(0)comente



Renata 02/01/2019

A Guardiã de Histórias - Victoria Schwab
Mackenzie Bishop sofreu uma grande perda em sua vida: a morte do seu irmão Ben. Após um ano de sua morte, ela e seus pais tentam ter uma rotina normal como antes, mas a verdade está estampada nos olhares e atitudes que tomam.

Tudo muda quando sua mãe resolve mudar de casa com o pretexto de que faria bem a eles e que seria uma aventura. Como Mackenzie é uma Guardiã de Histórias, ela é sensível a toques pois consegue perceber o que as pessoas estão sentindo e ainda consegue ver o passado através de objetos e rastros de lembranças deixadas nos lugares, assim ela consegue caçar as Histórias nos Estreitos. Porém uma delas guarda um grande mistério que a intriga e começa a mergulhar em um grande enigma que abalará sua vida.

Logo nas primeiras páginas me senti próxima e encantada com a estória que é narrada pela Mackenzie. Estava prevendo que iria amar o livro e que superaria minhas expectativas.
A mãe da Mac está com o espírito de mudanças, sempre variando entre profissões, no seu estilo de rotina e agora de casa; ao passo que seu pai fica concentrado em seus livros e trabalho, ao mesmo tempo tenta apoiar sua esposa em suas opções, mas Mac não consegue entender como eles conseguem esconder o sofrimento em máscaras de felicidades. A morte de Ben ainda é constante e recente que está começando ainda a ser superada e isso a amedronta porque tem medo de perder como era seu irmão, o modo que ele se comportava, se arrumava e a encantava. Eu acabei sentindo a dor da personagem e fiquei conectada, parecia que eu fazia parte dessa família.


Mackenzie está se adaptando a sua nova casa e tentando se aproximar mais de seus pais, mas ser Guardiã não é uma tarefa fácil pois ela precisa mentir para aqueles que amam e evita o máximo possível de contato com as pessoas devido aos seus poderes. Sua mãe irá montar a Cafeteria Bishop e para conhecer mais os vizinhos do prédio, ela e Mac vão entregar bolinhos nos apartamentos e em um dos sete andares ela esbarra com Wesley, um garoto que usa delineador e veste-se de uma forma nada comum e depois desse encontro outros acontecem e surge uma inesperada amizade entre eles.

O que eu gostei na personagem é que sua narrativa é tão profunda e empática que fica impossível não sentir, imaginar e entrar na vida da nossa heroína. Kenzie é tão humana como nós, ela poderia ser eu, você ou qualquer um. A forma como descreve seus sentimentos, demonstra suas fraquezas e forças. É impressionante como ficava absorta em sua trajetória para resolver os mistérios e ia descobrindo uma intrínseca teia de mistérios e só sabia apenas a ponta do iceberg. De forma bela, intercala entre o presente e fragmentos de seu passado com seu avô Da, o responsável por torná-la Guardiã. A maioria dos capítulos tem essas lembranças tão lindas e importantes que mostra como ela conseguiu aprender a ser uma Guardiã e como ele foi importante em sua pouca vida, mesmo após quatro anos, ele ainda é presente em suas ações, quando lembra-se dos conselhos e aprendizados que teve.
Mesmo Da estando morto, a forma como ele é lembrado fraternal e carinhosamente, fez com que eu quisesse tê-lo como avô; não sei o que é ter um, mas com toda certeza queria que ele fosse como Da. A morte dos dois são constantemente relembradas de um jeito triste e ao mesmo tempo cativante e apaixonante. Você acaba sentindo a dor e a saudade que a personagem sente.

É uma narração bastante intensa. Mac é uma personagem muito introspectiva, não porque quer, mas por ser consequência de ser uma Guardiã. Você precisa despir-se e escolher ser outra pessoa no exterior.

Intrigante, essa é a palavra que define o desenvolvimento da estória. Desde de como o mundo é divido em O Exterior, que é o mundo em que vivemos, Os Estreitos que são onde as Histórias que acordam ficam vagando e tentando encontrar uma saída e o Arquivo que é onde ficam os “corpos” dessas Histórias. Pode parecer um pouco confuso no início, mas toda pessoa que morre, seu passado, lembranças, sua História, ficam armazenas em gavetas no Arquivo, como uma Biblioteca que guarda livros, sendo que nesse contexto ela guarda Histórias – com H maiúsculo – que não são só o passado, são marcas, impressões, uma vida deixada por essas pessoas.

Todo Guardiã carrega dois itens importantes: uma folha de papel e uma chave. A folha de papel é onde recebem os nomes e idades das Histórias que acordaram e a chave é para abrir portas, isso mesmo, portas que levam às três divisões e ao Retorno – lugar onde retorna as Histórias para seus caixões e voltam a dormir. E em uma dessas caçadas, Kenzie encontra Owen Chris Clarke, uma História que não estava registrada em sua folha e isso a intriga, ainda mais quando ela descobre que esta tem relação direta com um assassinato que aconteceu há mais de cinquenta anos e que ninguém, aparentemente, sabe nada do que aconteceu.

Wes é um personagem divertido, charmoso e como ele diz “tem uma beleza estonteante” que não dá para resistir. Quando ele aparecia, já sabia que daria boas risadas. Assim como Mac, ele tem seus problemas familiares e os enfrenta da melhor forma possível. Era engraçado ler como ele conseguia mexer com a Mackenzie e isso a irritava e a divertia ao mesmo tempo; e esses dois ainda tem muita história e aventura para contar. Além dele, temos Owen que é oposto de Wes, ele é bastante sombrio, misterioso e enigmático, o que mexe bastante com a nossa heroína. Roland é outro personagem que chamou minha atenção: ele é bibliotecário e é quem mais ajuda Mackenzie, além disso, tem um papel fundamental na vida dela. Cada personagem tem sua personalidade que forma um enredo bastante agradável.


A autora soube muito bem como explorar o enredo, intercalando entre o passado e o presente, entre obrigações e escolhas. Não apenas criou personagens cativantes, mas uma história rica em detalhes. É fascinante como se tornam os Guardiões, A Equipe, Os Bibliotecários e como foi construída todo esse cenário criativo. Achei bastante diferente a ideia do livro. Não focou em romance pelo contrário, o livro todo roda em torno da descoberta do enigma que a história possui e quando eu pensava que tinha descoberto sobre tudo, acontece uma reviravolta que eu nunca imaginaria. Nossa, como me senti bastante trouxa e impressionada; a Vitoria conseguiu me enganar direitinho. Pois quando os mistérios e perigos começam a se fundir, e o jogo de “Quem é o assassino?” fica mais intenso e Mac não pode confiar em ninguém além de Roland, que está a par de “quase” tudo que ela está fazendo.

O final foi reconfortante e eu enlouqueci quando estava chegando nas últimas páginas, pois o ápice dos mistérios finalmente tinha chegado. Quando fechei o livro, me senti inspirada, reconfortava, admirada e apaixonada. Eu não consegui deixar de pensar na história porque foi extremamente linda!!! E fiquei muito feliz e eufórica ao saber que a continuação sairá ainda esse ano.

Eu indico demais essa obra, se você gosta de histórias leves e rápidas, você irá gostar. Se você gosta de histórias cativantes, provavelmente irá amar como eu e indicará para todo mundo.

Prepare-se para torna-se um Guardião.


comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 29/08/2018

A Guardiã de Histórias
A ideia da trama desse livro é sensacional. Imaginem um lugar gigantesco, infinito, onde existem corpos em gavetas, classificados, identificados e em cada um desses corpos está presa a história da vida dessa pessoa. Esse é o Arquivo e nossa protagonista tem a chave dele.

Ela é apenas uma dos muitos guardiões que existem e que ajudam a manter as histórias em seus devidos lugares, patrulhando os estreitos. Porém, no momento atual ela está uma verdadeira bagunça. Ela sempre foi forte e honrou muito a decisão do avô de lhe passar a chave, foi aceita antes da idade e se esforçou para não decepcioná-lo, mas seu irmão morreu. Desde então ela tem buscado memórias para não se esquecer dele, só que ela não pode fazer isso dentro do arquivo, ela não pode ter acesso ao irmão lá, não é pra isso que Guardiões existem.

“Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras.”

A mudança de casa e de ares não ajuda muito, pois ela acha que se distancia cada vez mais das coisas que a lembravam dele. Mas ela é forte, pulso firme e muito decidida e, talvez por eu ter captado toda essa vibe dela, não consegui engolir o arco que acontece entre ela e um personagem do livro e que é muito importante para o desfecho da história.

Eu consegui visualizar a personagem muito bem, mas toda vez que ela interagia com esse outro personagem em questão, que é o envolvimento amoroso dela no livro, eu via uma pessoa completamente diferente imergindo. Pra mim, a garota responsável e devota a honra do avô e ao trabalho que herdou não teria aquela postura. Talvez a de investigar e esperar, mas jamais a de se envolver (quem leu entenderá melhor). Dai acabei ficando de pé atrás com a história.

A escrita da Victoria Schwab é super fluída e leve, depois que se entra pra dentro do mundo é difícil sair sem ter terminado de ler e isso vai muito de encontro a tudo que já tinha ouvido falar sobre a autora, que tem um enorme sucesso internacional, e em breve terá outro livro seu de sucesso publicado por aqui. Um tom mais escuro de magia foi lançado sob seu pseudônimo e sairá aqui no Brasil pela Record.

Apesar de eu ter adorado a proposta de história e de o fato dessa biblioteca ser ao mesmo tempo louco e creepy e, claro, uma proposta fantasiosa do que aconteceria conosco, nossa consciência e memórias depois da morte, ao chegar ao fim do livro não fiquei com aquele desespero de seguir acompanhando a série. Acredito que The Archived seja composta por três livros, mas não tenho total certeza.

Algo que não posso deixar de mencionar aqui é a capa. Vi muita gente elogiando, mas vou ter que discordar dessa vez, pessoal. A chave tem grande importância na história e acho bacana estar em destaque, mas não sei qual a justificativa para a mudança da capa, especialmente porque a original é tão mais bonita. Não sei como serão as continuações ainda, mas espero que sigam a unidade já que a troca já foi feita. Talvez, se eu não conhecesse a outra não teria implicado tanto, mas já tendo conhecido o livro previamente, quase não reconheci o título por haver tamanha discrepância entre elas.

Mas Tamirez, não é você que não gosta de rostos em capas? De forma sutil assim gosto. E esse ar sombrio da parte de trás que representa os Estreitos, acredito eu, tem tudo a ver com a sensação que sentimos toda vez que ela entra nesse lugar atrás de caçar suas histórias. Essa capa passa tão mais, conta tão mais histórias e dá mais profundidade à trama, enquanto achei a nacional bastante simplista e sem muito apelo. Mas essa sou eu sendo chata, como já é de costume!

The Unbound, segundo volume, ainda não tem data de lançamento por aqui, mas esperamos que tenhamos notícias para o primeiro semestre de 2017.

Tendo dito tudo isso, gostei bastante do meu primeiro contato com a autora, adorei a proposta do livro, mas por vezes achei que Mackenzie não agia conforme a personalidade criada pra ela na história, o que me tirou um pouco da imersão da leitura. Ela parece ser uma personagem bem forte que ainda revelará muitas facetas na continuação dessa série.

Para os fãs de fantasia contemporânea, fica aqui a indicação de livro de uma autora que ainda era inédita entre nós brasileiros, mas que parece estar chegando com força total ;)

site: http://resenhandosonhos.com/guardia-de-historias-victoria-schwab/
comentários(0)comente



Kari 26/08/2018

Olá, vamos falar de mais uma livro da já consagrada por muitos, Victora Schwab. A Guardiã de Histórias é o primeiro volume da série The Archived #1.Ganhei esse livro de uma amiga querida, que hoje já não faz parte da minha vida, mas ainda é muito amada. Então esse livro tem um valor sentimental para mim imenso. Só para vocês saberem!

Mas vamos falar da história do livro e não da minha história de vida.. rsrsrs


Bom, a escrita da autora não me é nenhuma surpresa, eu conheço e costumo amar, pois ela sempre traz em seus enredos temas clichês, porém abordados de maneira incomum, surpreendente e inusitada.Sim, sim! Eu sou fã da autora! Ok!


Em A Guardiã de Histórias iremos conhecer um lugar chamado "Os Estreitos", onde são armazenados nossas histórias, uma espécie de biblioteca em uma dimensão diferente da que conhecemos, para simplificar. Quando ocorre a morte de um indivíduo, a história dele vai para O Arquivo que fica em Os Estreitos, e lá permanecem armazenadas ou arquivadas para todo o sempre, porém, algumas histórias acordam e quando isso ocorre e ela consegue "fugir" desse Arquivo, um guardião é o responsável por trazê-la de volta aos Arquivos para que assim permaneçam adormecidas junto à todas as outras.


Nessa premissa incomum, iremos conhecer Mackenzie Bishop, que apesar dos seus dezesseis anos é uma Guardiã de Histórias, tendo herdado a posição de Guardiã de seu avô, quando era apenas uma menina de doze anos. Seu avô lhe ensinou tudo aquilo que era necessário saber para que pudesse retornar os mortos aos seus devidos lugares. Mac perdeu também seu irmão Ben, de dez anos, então é meio complicado lidar com suas perdas e ainda sua condição de Guardiã e após mudarem-se para o antigo hotel que virou condomínio, parece que seu "trabalho" ficou cada vez mais intenso e necessário. Acontece que tem ocorrido muitas "fugas" cada vez mais frequentes, algo incomum e nem todas são pacíficas como de costume, muitas trazem violência e então ela começa sua investigação à cerca do que pode estar acontecendo.


Uma das coisas que eu preciso ressaltar sobre essa história é que Ben está logo ali, no Arquivo, e que poderia ser "acessado" facilmente por Mac se não fosse algo proibido pelas ordens do Arquivo; apenas um bibliotecário pode acessar onde a história de seu irmão dorme. Então ser a Guardiã lhe trás um enorme peso com certeza e saber tanto sobre algo pode ser tanto uma dádiva, quanto um fardo.


Nesse meio todo, Mac encontra Wes, que também é um Guardião e juntos começam a retornar as histórias devido aos problemas constantes que vem surgindo. Mas quem pensa que acaba por aí o enredo intrínseco, se engana, pois além disso tudo que já falei, existe um grande mistério sobre várias mortes que andam ocorrendo.. Sem saber se são mortes naturais, assassinatos ou acidentes.. O "cargo" de Mac está em perigo e a pergunta que todos queremos saber, é quem está acordando todas essas histórias, por qual motivo?


A história é bem diferente de muitas que eu já li e confesso que no começo tive um certo estranhamento para me conectar, mas quando entendi a história fluiu de forma fácil e curiosa; à cada página virada uma novidade, uma descoberta, uma surpresa.

O livro é narrado em primeira pessoa pela própria Mac e nos apresenta dois tempos, presente e outro passado, que nos remete a momentos com seu avô e nos faz entender o que ela é de fato e o que sua trajetória representa.

Mac é dessas personagens que te ganha logo de cara, sensível, inteligente, corajosa, teimosa e com muitos defeitos e qualidades que nos faz pensar nela não como uma personagem de livro, mas como uma pessoa real. Ela lida constantemente com a perda de seu irmão e a existência do Arquivo, isso nos mostra o quão palpável ela é. A condição de guardiã e suas perdas à torna solitária, então ao conhecer Wes, e traçar uma amizade com ele, começamos a ter esperanças de que ela possa ter um pouco de "normalidade" em sua vida.


Apesar de ficção e com um enredo bastante inusitado, a história nos fala sobre amor, perdas, luto, amizade, solidão, amadurecimento, aceitação, negação e muito mais.. Então para aqueles que as vezes pensam que tem apenas mais uma história para passar o tempo, não imaginam o quanto as entrelinhas ensinam e trazem reflexões importantes sobre a vida real!




site: http://www.alempaginas.com/
Márcia Naur 26/08/2018minha estante
Amo este livro!


Kari 26/08/2018minha estante
Também.. aguardando o 2 chegar aqui para ler


Márcia Naur 26/08/2018minha estante
Já está a venda. Espero que logo tenha para baixar.




The 31/07/2018

E se virássemos histórias...
Você já imaginou um mundo onde quando morremos nossas histórias são arquivadas em nossos corpos como em uma grande biblioteca? Pois é. V. E. Schwab, a rainha dos enredos surpreendentes pensou, e é sobre isso que se trata A Guardiã de Histórias. Mackenzie Bishop era apenas uma criança quando seu avó começou a treina-la para se tornar uma Guardiã, ele estava morrendo e precisava de alguém para sucedê-lo e Mac foi a escolhida, se tornando a Guardiã mais jovem da história, seus pais e seus amigos não sabem do seu ofício, que consiste em caçar histórias que acordam nos Estreitos, uma espécie de mundo intermediário entre a realidade e o Arquivo, onde ficam os mortos. Após a morte de seu irmão caçula, Mac e seus pais se mudam para um prédio que já foi um antigo hotel, e lá o volume de trabalho de Mac aumenta substancialmente, até que um mistério inexplorado do local chega a menina que ao explora-lo acaba descobrindo alguns podres dessa grande estrutura oculta.
Um livro bom da autora, que acaba tímido frente ao grande sucesso dos outros títulos, mas que vale a pena ler, e cuja continuação finalmente chegou ao Brasil recentemente. Me instigou a continuar lendo.
Recomendo dar a chance a essa história, que discute o luto, a morte, a justiça, a amizade, a ilusão, o amor entre tantos outros temas.
comentários(0)comente



Rita.Flôres 27/07/2018

Somos histórias que um dia serão arquivadas

Imagine alguém que já partiu não como um morto, mas como uma História. E imagine também que essa pessoa está guardada em prateleiras, como livros, arquivadas pela eternidade. E pense em como seria estar encarregada de cuidar para que nenhuma dessas Histórias saia de seu lugar e fique vagando por lugares indesejados ou escape para nosso mundo. Pois é! Mackenzie Bishop, de 16 anos, é uma dessas pessoas, uma Guardiã, que herdou o lugar de seu avô, Anthony Bishop, quando tinha apenas 12 anos. Ela e seus pais se mudam para um antigo hotel, hoje um condomínio, e ali o trabalho dela de impedir que as Histórias fujam do Arquivo fica mais intenso. Mac, como a chamam, ainda se sente muito abalada com a perda do avô e, depois, de seu irmão Ben, de apenas 10 anos, mas cumpre seu papel na medida do possível e começa a estranhar a multiplicação de fugas das Histórias, muitas vezes violentas, e resolve investigar. Ela, então, conhece Wes, outro Guardião, e com ele começa uma amizade até que, por problemas no Arquivo, eles começam a trabalhar juntos, resgatando as Histórias.
Mas há um mistério que envolve vários falecimentos, começando pelo de Regina, de apenas 15 anos, irmã de Owen, que Mac conhece nos corredores onde "caça" as Histórias e por quem tem uma queda. O que está por trás dessas mortes? Foram acidentes, suicídio ou assassinatos? Tudo começa a se complicar e Mac é ameaçada de perder seu cargo. Quem estará acordando as Histórias? Quem é o criminoso?
Eu custei a pegar esse livro para ler. Parecia tedioso, mas quanto engano! Um livro emocionante, cheio de ação, mistério e surpresas. Extremamente bem escrito, de fácil e agradável leitura, ele prende a atenção até a última página. Fiquei realmente apaixonada pela narrativa e posso dizer que é um dos melhores livros que li neste curto espaço de tempo! Acredito que até os "não-amantes" da leitura vão gostar, justamente por essa dinâmica e acontecimentos que se sucedem sem deixar sequer uma nota enfadonha. Uma das coisas que mais gostei foi a ideia de uma pessoa, na verdade, ser uma História. Eu nunca havia percebido, "sem-querer-e-já-querendo" ir fundo no delírio comum a todos os professores de literatura, que é isso o que realmente somos: várias Histórias, diferentes, ricas em detalhes, e, por isso mesmo, importantes e que devem ser lidas e respeitadas.
Leiam e, como eu, se apaixonem!

Em tempo: Victoria Schwab é autora de A Bruxa de Near, pela Editora Planeta.

site: https://paragostardeler1.blogspot.com/2017/01/resenha-guardia-de-historias.html
comentários(0)comente



Bruna 06/06/2018

Completamente apaixonante e perfeito!
Aquele tipo de livro que a gente namora, inclui na lista... e se surpreende!
Eu escolhi ele por acaso estava barato levei e não me decepcionei em nenhum momento!

Mackenzie não é uma garota normal! mas bem que gostaria! Ela é uma Guardiã de Histórias! Histórias são uma impressão que tem a forma do corpo humano de uma pessoa que já morreu e neste receptáculo é guardada todas as lembranças dessas pessoas, imagine um lugar onde as pessoas são guardadas como livros em prateleiras!
Mac está enfrentando muitos problemas, teve que mudar de cidade, e com isso, perder a pouca normalidade que tinha com sua melhor melhor amiga, mesmo ela não sabendo de nada sobre sua vida secreta!

Só que seu trabalho aumentou consideravelmente, muitas Histórias estão fugindo das prateleiras e a missão dela é não deixar que elas fiquem pelos corredores... ou pior... saia para o mundo real! A chamada Biblioteca está passando por alguns "problemas técnicos" (que depois de um tempo a gente percebe ser propositais! tudo para acabar com a vida de nossa heroína!)

Mac é uma personagem fantástica! Tão humana em suas dúvidas e sonhos que parece uma amiga que você está acompanhando ali, bem de pertinho! Acaba sendo bem legal ver a evolução da personagem em toda sua essência! Wesley também é um personagem Fantástico! Engraçado, simpático e charmoso ele se torna uma figura mais do que necessária na vida da Mac, tornando sua realidade mais leve e a ajuda bastante nos momento difíceis!

Impossível não amar! 5 estrelas... (mas com vontade de dar 10!!!) e favoritado com toda a certeza!
(Querendo muito uma continuação!)
comentários(0)comente



Aline Sampaio 16/05/2018

MARAVILHOSO
Quando vi esse livro na prateleira de uma livraria, fiquei curiosa quanto ao título, o que foi o primeiro a me chamar atenção. Depois disso, li a sinopse e fiquei ainda mais curiosa. Eu precisava comprar este livro. Eu queria muito, mas estava sem dinheiro… Porém, para a minha felicidade, estava perto do meu aniversário e minha mãe me presenteou com esta história.

Bem, “A Guardiã de Histórias”, conta a história de Mackenzie, mas conhecida como Mac. Uma menina de dezesseis anos que possui um emprego fora dos padrões normais, um emprego herdado de seu avô. Ela é uma guardiã, uma guardiã de histórias, também conhecidos como almas.

Aline, como assim? Explica isso direito! .

Para entender melhor, leia a resenha completa no blog. Rsrsrsrs

site: http://www.cantinhodaamiga.com.br/2018/04/resenha-guardia-de-historias.html
comentários(0)comente



Deia 12/05/2018

Feliz
Comprei esse livro no meio do ano passado, ficou quase um ano na prateleira, pena, deveria ter pego antes. Uma história empolgante, envolvente. A mitologia que a autora criou é simples de fácil entendimento e o principal uma personagem feminina forte, cansada de ler heroínas cheias de "mimimi". Não achei nada confuso, gostei do Ping pong entre passado e presente, precisava para entendermos o treinamento de Mac. O final é bem amarrado, não fiquei com nenhuma dúvida, o livro termina aberto a continuação, mas sem um gancho específico, assim vc não se frustra em esperar o próximo. Eu recomendo!
comentários(0)comente



69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5