Menina Má

Menina Má William March




Resenhas - Menina má


216 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Larissa.Souza 17/10/2017

Menina má( bem má mesmo)
Um clássico maravilhoso. Amei a escrita do autor, um livro rápido de ler e com uma história terrível e ao mesmo tempo "encantadora". Você fica horrorizado com os atos assassinos que a MENINA DE 8 ANOS comete. Eu fiquei de boca aberta numa cena de Rhoda e o Leroy mais pro final. Vale muito a pena ler esse livro, quando finalizei minha leitura, fiquei várias horas pensando nos atos ruins que Rhoda cometerá, pensando no final "trágico" (deveria ser às duas, não só uma). Fantasiamos tanto as crianças como um ser puro, sem maldade, e quando lemos esta história, surge a dúvida.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Aleh 16/10/2017minha estante
undefined




Gessika 10/10/2017

Antes de começar a ler , temos que ter em mente que foi escrita em 1954, quando começaram a estudar sobre problemas psicológicos. Sim, é uma história perturbadora, prende você do começo ao fim, e que fim em?
comentários(0)comente



thais.moore 04/10/2017

Bom
Uma historia um pouco perturbadora de se ler, porém nao é aquilo que provavelmente todo mundo espera quando comeca a leitura.

Christine é uma mae dedicada que cuida de sua filha Rhoda de 8 anos, enquanto seu marido esta no Chile a trabalho. Rhoda é um crianca perfeita aos olhos de todos, muito educada, organizada e limpa.Tudo esta indo bem ate que um incidente com um amigo de Rhoda , faz Christine comecar a pesquisar e se questionar algumas coisas e coincidências na vida de sua filha. A partir dai ela vai descobrindo muitas coisas perturbadoras a respeito dela e da filha.


Eu esperava uma historia relatando as maldades da famos menina Má, porém o livro se baseia mais nos pensamentos e visoes da mae dela ( claro isso tem um pq) , mas acho que explorou pouco a Rhoda.
Descobrindo um pouco da vida perturbada do autor e levando em consideração a epoca ( 1954) podemos entender um pouco o pq de algumas coisas na historia.

Senti falta de ser mais centrado na Rhoda, mas é uma historia boa de se ler sim. Nao senti medo em nenhum momento, porem tenho que aplaudir as reações da Rhoda a cada morte que acontecia, a menina é o bicho kkkk. O final foi o esperado, nada de novo. Recomendo a leitura pra quem gosta do gênero.
comentários(0)comente



The 02/10/2017

Livrão!
Quem diria que uma história tão simples pudesse ser tão boa não é mesmo? Menina Má é a reedição, caprichada a beça de um clássico publicado originalmente em 1954, neste livro conhecemos Rhoda, a menina comportada e extremamente educada para sua idade que na verdade tem uma mente sinistra. Acompanhamos o dilema da mãe Christine ao se deparar com seu próprio passado e ao lidar com as estranhezas que percebe na filha. Este livro trás a tona discussões a respeito da psicopatia, de quais fatores podem influenciar o aparecimento deste comportamento, como estas pessoas lidam com as situações, como as veem, e ainda o modo como lidamos com verdades difíceis, cada personagem, mesmo o coadjuvante trás em si uma lição a ser observada, mas a grande questão da trama fica entre mãe e filha e acompanhar esse enredo nos deixa envolvidos completamente, e ao final nos surpreende.
Um livrão que eu recomendo a todos que gostam do gênero.
comentários(0)comente



Nadi Rech 29/09/2017

Docemente perturbador <3
Menina Má é um livro muito instigante e que facilmente prende a atenção; você fica fascinado pelos personagens e pela personalidade de cada um deles, principalmente de Rhoda. Por ser um livro originalmente publicado em 1954, a linguagem dele é diferente do que costumamos ler nos dias de hoje e para mim, isso foi o charme irresistível da história. O livro não é enrolado, muito pelo contrário! Os principais acontecimentos da história se desenvolvem logo no início, deixando você com ainda mais vontade de descobrir o que pode vir a seguir!

A história é contada pelas impressões da mãe de Rhoda, onde acompanhamos suas angústias, medos e descobertas sobre a verdadeira herança genética da filha, que aos olhos dela pode ser uma assassina mas seu coração sabe que é apenas uma criança. Os conflitos que a mãe de Rhoda enfrenta no livro são fantásticos! O autor faz com que nos coloquemos no lugar dela e nos leva a refletir sobre como nós resolveríamos essa situação.

site: http://nadirech.com/?p=2814
comentários(0)comente



Sabrina 29/09/2017

Menina Má
Ótimo livro, antes de lê-lo vi o filme primeiro, gostei bastante da riqueza de detalhes, da pra imaginar as feições de Rhoda e todos seus planos maquiavélicos, uma garota fria que faz qualquer coisa para conseguir o que quer. E conta sempre com a proteção de sua mãe, mesmo sabendo que tudo o que faz é errado. Ótima leitura.
comentários(0)comente



Helen Chiapetti 26/09/2017


Uma obra intensa que me surpreendeu desde a primeira página.
Percebemos logo no início do livro que Rhoda é uma criança diferente. Muito educada e polida, meticulosamente agradável e organizada. Não é uma criança qualquer, que se suja e brinca despreocupadamente. Rhoda tem suas tarefas diárias meio que predeterminadas, mecânicas. Ela tem objetivos claros: ser a melhor em algo ou obter algum objeto para si.
Sua mãe, Christine Penmark nos é apresentada como uma pessoa normal, um tanto quanto boba e inocente. Porém, ela consegue perceber que a filha não é uma criança comum. Sente quando Rhoda faz algo apenas para agradar ou enganar alguém. Mas, como mãe, ela fecha os olhos para essas peculiaridades e pensa que isso pode passar com o tempo.

Contudo, esse seu comportamento omissivo com relação à filha muda quando um dos alunos da escola de Rhoda aparece morto em um piquenique. O tal menino havia ganhado a medalha de melhor caligrafia, tão almejada por Rhoda. Chistine começa e desconfiar que a filha possa ter algo a ver com a morte do garoto, e começa a ligar os pontos, avaliando o que também havia ocorrido em sua cidade anterior, quando uma senhora também morreu quando Rhoda estava por perto.

Para tentar descobrir algo sobre o comportamento de crianças assassinas, a mãe se aproxima de um jornalista que tem um vasto arquivo sobre casos de assassinatos inventando que está querendo escrever um romance; porém, acaba descobrindo algo muito mais terrível do que imaginava ser possível. Diante de revelações avassaladoras sobre seu próprio passado, toma uma difícil decisão com relação à sua filha.

O livro terminou de uma maneira espetacular, o que me fez pensar em um gancho para uma continuação. Claro que o autor já morreu há anos, mas a minha mente pirou né! Acho que todo leitor toma para seu próprio imaginário a criação das sequências não contadas.



Carol 26/09/2017minha estante
Uau, fiquei ainda mais curiosa !
Comprei o livro essa semana em uma promoção maravilhosa (saiu por 10.89) li o primeiro capítulo e já estou gostando muito também ;)


Helen Chiapetti 26/09/2017minha estante
Ele é muito bom, valeu muito a pena ler... que bom que pegou promoção, pois ele é sempre tão salgado!! boa leitura!


Carol 27/09/2017minha estante
Exatamente, mas olha, vale o preço rs obrigada !




Yas 18/09/2017

Super envolvente!
"Será a maldade uma espécie de semente que carregamos dentro de nós, capaz de brotar na mais adorável das crianças?


Rhoda Penmark, uma linda garotinha de 8 anos, com sua carinha de anjo, conquista todos ao seu redor (especialmente os mais velhos, é evitada pelas crianças). Mas apenas quem ela quer e se houver motivos para isso. Ela manipula como ninguém, sabe exatamente o que deve dizer para que gostem dela, para que façam o que ela quer.

Após acontecer um acidente trágico em um passeio de escola, onde uma das crianças faleceu, a mãe de Rhoda, Christine, começa a investigar o acontecido. Inicialmente, ela passa a observar a analisar sua filha, tentando enxergar a verdadeira essência da criança. Depois, começa a ler sobre casos de crimes realizados por psicopatas, fica até obcecada no assunto. Embarcando nesta pesquisa e observando o dia a dia, Christine desvenda segredos do seu passado, que estavam até então, bem enterrados.

Durante este estudo, acaba descobrindo também que a própria filha é uma psicopata e que sempre a manipulou. Ela percebe isso nas mais singelas atitudes: falta de afeto por parte de Rhoda, ausência de amigos, inteligência acima da média, comporta-se igual a um adulto, muito bem educada, não aprecia brincadeiras da sua idade, e possui opinião fria e calculista sobre várias coisas.

Para estudantes da área da psicologia, este livro é excelente, pois é possível analisar um psicopata desde a infância, assim como suas ações. Há muitas reflexões, principalmente no aspecto 'família', pois caso Rhoda tivesse tido um tratamento diferente

Todos os personagens foram muito bem trabalhados, Rhoda é isenta de emoções e vemos isso em mais de uma situação, só se importa com seu bem estar; Christine ama a filha, é compassiva mas está angustiada com a ausência do marido, com as descobertas e sem saber o que fazer por Rhoda; Leroy, o zelador, implica com a menina pois repara suas atitudes;

A história gira em várias perguntas feitas por Christine: Onde ela errou? Rhoda já nasceu assim? Ou foi sua criação? Teria como mudá-la? Por ser um transtorno de personalidade antisocial, seria possível tratá-la?

Meu trabalho de TCC foi sobre isso

Menina má foi muito bem escrito, com uma narrativa envolvente e intrigante, acabou fluindo super rápido para mim. Quando peguei pra ler, pensei que sentiria medo ou que teria suspense, mas não teve nada disso. Contudo, ainda assim, conseguiu me fisgar do começo ao fim, ansiando sempre por mais. O enredo foi muito bem desenvolvido, especialmente por ter sido publicado em 1954 (quando não haviam muitas formas de pesquisa e estudo sobre o tema) e tem algumas cenas bem perturbadoras.

A edição está maravilhosa e impecável (desde o marcador rosa de cetim, até os desenhos infantis) A diagramação está excelente, a Darkside, como sempre, fez um ótimo trabalho.

O final foi bem dramático e me surpreendeu, porque se eu estivesse no lugar da protagonista, teria agido de uma forma diferente. Super recomendo.

site: http://youtube.com/blogliterarte
Jocasta | @curtaleitura 18/09/2017minha estante
Eu ADOREI esse livro!!! Fiquei com o coração na mão!!!




Valeria 16/09/2017

Extraordinário!
Precisamos prestar atenção em que ano o livro foi escrito (década de 50), e mesmo assim tem assuntos que são tabus ainda hoje. Achei imprevisível, os personagens secundários foram maravilhos e criveis, melhor até que a mãe da Rhoda.
E o que dizer dessa menina.. Eu adorei hahahha Só espero não topar com ela por ai rsrs
Recomendo muito o livro, um assunto muito interessante tratado com cuidado e mesmo com as minhas expectativas altas que eu tinha com o livro, ele ainda conseguiu me surpreender.
comentários(0)comente



Daiane.Engler 15/09/2017

Melhor leitura do ano!
Eu sequer tenho palavras suficientemente boas para começar a descrever o quanto esse livro me encantou, o quanto ele me prendeu e viciou do momento em que ele chegou as minhas mãos até a última página lida.

Eu vou tentar, porém...

Entrega mega rápida! Nota 10!
Capa, arte, diagramação. Nota 1000!

É meu primeiro livro da Darkside, e eu não podia ter ficado mais feliz com a compra. A arte do livro é maravilhosa e e história super, hiper, mega fantástica!

Não houve recomendações. Não sou muito disso, para ser franca. Foi um tiro no escuro e eu acertei em cheio. Talvez o fato de eu ser uma estudante de psicologia tenha me feito encantar ainda mais pelo livro, mas não, ele é bom, BOM MESMO! Não achei um único ponto negativo nele. Eu amei a forma incrível como o autor aborda o tema da psicopatia, amei como ele inseriu a Psicologia como um todo do começo ao fim do livro. Amei como March desenvolveu a trama toda, costurando os personagens e os diversos núcleos na histórias.

Rhonda desperta na gente um tipo de estranho encanto.
Leroy é um arrogante e bobalhão... conheço tantos...
Sra. Breedlove é uma simpatia só, que as vezes irrita, mas vc acaba amando-a, novamente.
Christine é uma dessas muitas mamães com síndrome da Pollyana, e que fazem de tudo para não enxergar a realidade, ainda que ela esteja escancarada em sua cara... Eu não a culpo, apesar dos pesares... minha relação com ela foi uma construção interessante, e ao fim, bem... leia.

Bom Deus, como eu sentia falta de ler algo tão genial!
comentários(0)comente



gabiberries 08/09/2017

Menina má, livro bom
Gostei muito desse livro! Devorei em poucos dias.
O estilo de escrita é um pouco confuso, mas você se acostuma rápido. Ele usa várias palavras "difíceis", mas em momento algum fiquei sem entender o contexto. É só meio chique, antigo, sabe?
A história é previsível, porém te prende de qualquer jeito. Gostei muito do desenvolvimento e fiquei imaginando tudo como um filme em minha cabeça...
O final, que eu meio que já suspeitava que seria assim, é uma frustração danada! Não que seja ruim, pelo contrário, é bom -- mas aaaahhh que raiva!! Hahaha!
Confesso que comprei pela capa (fala sério, quem não compraria?), mas fiquei fãzona. Recomendo :)
NinaLeitora 11/09/2017minha estante
Tem o filme ja vistes? recomendo também!




Onde tudo é possível 03/09/2017

"O homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe." Será que essa máxima de Rousseau está mesmo correta? Ou será que ele não estudou as "duas faces da moeda"? Afinal, é possível herdar geneticamente a psicopatia?

RESUMO: O livro conta a história de Christine e Rhoda Penmark, mãe e filha que moram juntas em um apartamento (o pai da menina fica longe a maior parte do tempo à trabalho). Certo dia Rhoda vai para um piquenique oferecido pela sua escola, onde acaba acontecendo uma tragédia, Claude Daigle, um menino muito frágil e amoroso, morre afogado. Um mistério ronda sua morte, pois ele foi encontrado com marcas nas mãos e na testa. E Rhoda foi vista nas imediações do local do acidente. É assim que começa nossa história.

MINHA OPINIÃO: A leitura demora um pouco para fluir, no começo achei tudo um tanto confuso e estranhei a narrativa, pois é em terceira pessoa e alterna bastante entre os pontos de vista dos personagens, não achei isso uma coisa ruim, pelo contrário, o autor conseguiu intercalar muito bem os pensamentos dos envolvidos, apenas não estou acostumada com esse tipo de estrutura do texto. Depois de algumas páginas não consegui mais desgrudar do livro, fiquei muito aflita com a história. Gostei muito do livro, apesar do final não ter me agradado completamente, nos faz pensar se realmente podemos herdar esse tipo de comportamento, e em que grau o gene e o ambiente teriam influência sobre nossas ações. Recomedado à todos que gostem de uma boa história de suspense. Suspense sim, pois a história dessa família guarda muito mais segredos do que se imagina. ?
comentários(0)comente



28/08/2017

“Rhoda nunca foi desobediente, preguiçosa ou petulante, como algumas crianças são. Ela tem tantas qualidades. Só tem esse probleminha; essa peculiaridade de caráter.”

Olha, seria mil vezes preferível a desobediência, preguiça e petulância a somente esse “probleminha”.

A princípio tudo parece ter começado quando Rhoda, uma garotinha de oito anos aparentemente meiga, perde a medalha de melhor caligrafia da classe para um menininho tímido e esquálido. Dias depois a escola dela vai para uma excursão, num lugar com um lago para fazerem um piquenique de final de semestre. O menino é encontrado morto no lago, preso no cais com um machucado na testa e nas mãos. A medalha que ele ganhou e que foi presa com um alfinete em sua roupa não se encontra mais lá. Adivinha o que aconteceu?

Conforme a história vai se desenrolando, a gente entende que esse não é bem o começo da “carreira” sanguinolenta da menina. Na verdade, ela não faz nada disso por prazer. O autor chega a abordar, através de um jornalista criminal que faz amizade com a mãe da menina, que essas pessoas que praticam esses atos na verdade o fazem quando querem muito alguma coisa ou quando sentem que sua segurança está abalada. Ao decorrer da história, é justamente assim que Rhoda se comporta. A menina é fria e calculista. Sabe exatamente como se comportar para obter o que quer dos adultos e eles se derretem pelo jeitinho comportado dela. Mal sabem eles...

Paralelo a esse “probleminha” da Rhoda, tem o passado misterioso da mãe dela que seria uma forma de explicar o motivo da garota ser assim. Além disso, tem a mãe descobrindo aos poucos o que sua filha é e como lidar com isso quando ela tem a certeza absoluta do caráter da menina após testemunhar a filha em ação.

Adorei o final e achei que casou bem com o tom do livro.

A edição brasileira da Darkside está super caprichada. Tanto que foi isso que me chamou atenção antes de me atentar sobre o que era o livro. Acho que é uma das poucas vezes que a edição brasileira supera a de fora.
comentários(0)comente



Lu 22/08/2017

"Menina Má", originalmente publicado em 1954, não demorou para se tornar um grande sucesso. Era assustador, polêmico e violento, chegando a ser considerado pela crítica britânica como "apavorantemente bom". Todo esse pavor vem da linda garotinha de oito anos de idade, Rhoda, nossa protagonista malvada. Escondida atrás de uma carinha de anjo, Rhoda é responsável por alguns acontecimentos que chegam a arrepiar. A personalidade da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a pesquisar mais sobre psicopatas e seus crimes e, aos poucos, desvenda segredos sobre sua filha e sobre si mesma.

O livro não estava na minha TBR de Hallowen, mas quando tive a oportunidade de lê-lo, não deixei passar, já que todos os fãs de terror, suspense e mistério amam muito esse livro e falam muito bem de sua escrita e de como a história se desenrola. Queria ver com meus próprios olhos o que essa história guardava de tão bom assim.

"Se eu der para você uma cesta de beijinhos, o que você me dá de volta?"

No início do livro, podemos ler uma Introdução que diz o quanto o livro foi uma sensação quando foi publicado pela primeira vez e o quanto esse livro é muito bom, incrível e uma verdadeira realização artística. Não sei se a história não aconteceu pra mim ou se eu queria algo um pouco mais assustador, mas "Menina Má" não foi para mim o que as pessoas normalmente dizem que são para elas.

Não encontrei toda aquela maestria que a Introdução nos faz acreditar. É claro que o livro é muito bem escrito e Rhoda é uma personagem pra lá de bem construída, cheia de altos e baixos, assim como Christine, mas não encontrei nada de muito incrível ou inovador na história em si. É um livro com poucas reviravoltas ou revelações, na verdade é bem detalhado e um pouquinho parado demais, um pouco mais do que eu esperava que fosse.

"Aliviada, a menina limpou as lágrimas dos olhos. Ela sorriu seu famoso sorriso, mostrando a eficiente covinha rasa."

Acho que, após essa resenha, alguns fãs de "Menina Má" e da DarkSide vão me matar, mas espero que todos entendam que alguns livros funcionam para vocês e não para mim e vice-versa, mas mesmo com todos esses defeitos, "Menina Má" não é um livro ruim, é bem escrito e cheio de detalhes sobre a crueldade de uma menina em meio a sua inocência infantil.

Apesar da leitura não ter me feito cair de amores pelo livro ou pela história como eu pensei que aconteceria, não posso negar que "Menina Má" influenciou muitos outros meninos e meninas más pelo mundo, como Chucky, Annabelle e Samara, de "O Chamado".

(Resenha postada originalmente em 24/10/16)

site: http://lumartinho.blogspot.com.br/2016/10/menina-ma-william-march.html
comentários(0)comente



216 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |