Paixão Libertadora

Paixão Libertadora Sophie Jackson




Resenhas - Paixão Libertadora


48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Pick a Book 11/04/2016

Paixão Libertadora - An Ounce of Hope
Li em fevereiro de 2016, no original: An Ounce of Hope (A Pound of Flesh, #2).

4 estrelas

Muitas atitudes do Max no primeiro livro A POUND OF FLESH (Desejo Proibido) me fizeram questionar se eu iria de fato gostar do livro dele. Entretanto, quando o conto LOVE AND ALWAYS (Eternamente Você) foi lançados temos um vislumbre de como seria a história dele e fiquei interessada. Queria gostar dele do mesmo jeito que amei o Carter. E ainda bem que atendeu as expectativas.

Só continue se tiver lido os livro 1 e 1,5.

AN OUNCE OF HOPE conta a história de Max O`Hare, melhor amigo de Carter, que por causa das pressões da vida, não aguentou e acabou entrando de cabeça no mundo das drogas. Não que ele fosse certinho antes, mas com a perda de seu filho e o fato da mulher da sua vida ter ido embora sem dar explicações, Max não viu outra saída chegando ao fundo o poço, como a gente lembra muito bem no livro um. Carter acaba encontrando uma casa de reabilitação para Max se tratar e dar um jeito na sua vida. E é ai que começa esse livro.

Aqui afundamos no drama da história do Max. Seus segredos, seu vício e principalmente seus medos. A primeira parte do livro é na clínica, mas nem por isso fica monótono. Entretanto, já deixo avisado que, como o primeiro, aqui está carregado de drama.

Quando Max sai da reabilitação, acaba indo visitar seu tio numa cidade pequena no interior da Virginia Ocidental. É lá que somos apresentados a Grace, uma mulher bonita que chega numa cidade do interior para recomeçar sua vida. Não é dito logo de cara qual é o problema dela, entretanto, com suas atitudes é fácil descobrir o que é. E como Max, tem seus segredos e seus medos. Por isso, como que duas pessoas quebradas irão conseguir ficar juntas?

Os dois se tornam amigos, mas tentam resistir as tentações. Entretanto quando decidem virar "amigos coloridos" é que o livro se torna sensual. Não diria que é um livro regado de sexo, porque não é. Mas as cenas descritas com os desejos dois dois, mostra, mais uma vez, que a Sophie Jackson sabe escrever cenas sensuais. Achei que a autora se deu muito bem nessa parte, porque ao mesmo tempo que narrava uma cena de desejo, indiretamente confortava duas pessoas que só queriam viver novamente e quebrava barreiras que eles achavam que não deveriam ser quebradas. E de certa maneira, uma terapia para ambos.

Todos os persoangens são cativantes. O tio e seus amigos juntos zuando com a cara do Max renderam cenas pra me fazer sorrir no meio de tanto drama. Os médicos do Max também foram personagens muito interessantes. Queria ver livros com eles.

Um personagem que aparece um pouco no livro um, ganha um pouco de destaque lá pelos 70% do livro fazendo a gente desejar saber o que aconteceu com ele, já que a autora dá uma pista bem pequenininha. O livro 3, "A Measure of Love" será dele, Riley Moore. E, claro, já to doida pra ler.

A única coisa que me incomodou em AN OUNCE OF HOPE foi a rápidez que terminou. Para um livro enorme como esse, era de se esperar que a autora desenvolvesse mais o final. Queria mais informações.

Ah! O próximo conto Fate and Forever (A Pound of Flesh #2.5) irá contar mais sobre o que tá acontecendo com Carter e Kat, e Max e Grace. Acho que teremos que esperar para saber mais.

A serie por enquanto tá assim:
- A Pound of Flesh (A Pound of Flesh, #1) - No brasil: Desejo Proibido
- Love and Always (A Pound of Flesh, #1.5) - No Brasil: Eternamente Você
- An Ounce of Hope (A Pound of Flesh, #2) - No Brasil: Paixão Libertadora

A seguir:
- Fate and Forever (A Pound of Flesh, #2.5) - Lançamento: 18 de abril de 2016
- A Measure of Love (A Pound of Flesh Book 3) - Lançamento: 07 de junho de 2016
Kah Fernandes 12/04/2016minha estante
Eu comecei o do Max hoje, mas concordo por hora meu amor eterno e ao Carter, amei amie até agora.


Fabi Lagassa 30/05/2016minha estante
O terceiro livro vai ser sobre qual personagem?estou no primeiro livro ainda...




Malucas Por Romances 29/06/2016

Max *-*
Paixão Libertadora é o segundo livro da trilogia Desejo Proibido, publicado em Abril pela Editora Arqueiro. Como eu amei o primeiro livro eu estava aqui louca querendo ler. Para quem ainda não leu a resenha do primeiro livro é só clicar AQUI. Cada livro é um casal diferente, então pode ler essa resenha sem medo de spoilers rsrs.

"Depois de todas as pessoas que perdi na minha vida, sei que essa é a droga de verdade."

Nesse livro a história é sobre casal Max e Grace. Para quem leu o segundo livro conhece já o Max. Max é amigo de Carter o mocinho do primeiro livro que adora o biscoito óreo, se lembraram? Max é viciado em drogas e está com o coração quebrado. Um mocinho cheio de dramas e problemático. Um prato cheio para quem gosta mocinhos ão tão mocinhos assim.

No primeiro livro termina com Carter querendo ajudar o amigo internando ele em uma clínica e é a onde esse livro começa. Max que é viciado em cocaína está querendo se recuperar pelos seus amigos que sempre estão ali por ele. Max perdeu o filho e o amor da sua vida, por isso ele se entrega as drogas. Ele não acha que é capaz de ter um relacionamento com mais ninguém , até ele conhecer Grace.

Grace uma mocinha em busca de começar de novo. Ela também é cheia de dramas e mistérios. Não vou contar aqui o do por que da mocinha querer recomeçar de novo, porque se não vai perder a graça do mistério de Grace. Ela também está quebrada e acha que nunca mais vai ter um relacionamento. Até conhecer Max e gostar da amizade que eles tem. Será que dois quebrados são capazes de se curar um ao outro? Esse será todo o dilema do livro.

"Somos só nós dois. Seja corajosa comigo. Me deixe ver você."

Com as expectativa lá em cima comecei a leitura desse livro. Depois de amar Desejo Proibido, o primeiro livro da trilogia, sabia que ia amar esse também e não foi diferente. Já sabendo bastante de Max por causa do primeiro livro comecei a leitura sabendo que esse livro teria mais dramas que o primeiro, até mesmo porque a história pedia. Li o livro com o coração a mão torcendo para que tudo der certo para Grace e Max. Esse casal me fez suspirar. ri e até mesmo soltar algumas lágrimas. Esse casal é pura emoção.

Resenha completa no blog

site: http://malucaspor-romances.blogspot.com.br/2016/05/resenha-paixao-libertadora-trilogia.html#more
comentários(0)comente



Leituras e Delírios 03/03/2017

A história narra inicialmente a jornada de Max, uma pessoa solitária e explosiva, resultado do luto e abandono que sofreu por várias vezes em sua vida. Esse estado de perda constante, faz com que Max se torne viciado em drogas. É então que Carter, seu amigo e protagonista do primeiro livro, percebe que a situação só piora e não há outra saída a não ser interná-lo em uma clínica de reabilitação. Nessa clínica, Max recebe acompanhamento terapêutico com Elliot. Além de redescobrir a paixão que havia se distanciado por causa do luto, a pintura.

Ao completar o tratamento, Max percebe que não está pronto para voltar a sua antiga vida, então resolve adiar sua volta a Nova York e viaja a uma cidadezinha no interior, onde trabalha com seu Tio Vince na construção de uma casa.

Essa casa pertence a Grace Brooks, uma mulher apaixonada por fotografia e que, assim como Max, tem um passado obscuro que ela gostaria de nunca mais lembrar. Ela se muda para a cidade em busca de se redescobrir como mulher e encontrar a confiança que um dia teve, mas que seu ex-marido destruiu da forma mais covarde possível. Ao se encontrarem, os dois formam uma amizade que aos poucos se torna mais que isso, mas os traumas do passado impedem que seus sentimentos se consolidem em forma de amor.

Paixão Libertadora conseguiu me tocar de um jeito que poucos New Adults conseguiram. A história me prendeu desde o início, mesmo com ressentimento que eu tinha de Max por suas ações no primeiro livro.

Resenha completa no link!

site: http://www.leiturasedelirios.com.br/2017/02/paixao-libertadora-sophie-jackson.html
comentários(0)comente



Beta Oliveira 15/05/2016

É forte, é desconfortável, é devastador, é intenso, é sexy, busca a esperança em meio às trevas e ao sufocamento que dores muito intensas trazem à nossa alma. Mas não desiste. Nem quando isso parece ser a única opção. Talvez seja a lição das jornadas de Grace e de Max: sempre há uma chance. Basta a gente se predispor a buscar e lutar por ela.

O texto completo está no Literatura de Mulherzinha, confira!

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2016/05/cap-1197-paixao-libertadora-sophie.html
comentários(0)comente



Gabi l Vai um spoiler aí? 08/09/2017

http://vaiumspoilerai.blogspot.com.br/2017/09/resenha-paixao-libertadora.html
No primeiro livro conhecemos a estória de Max, melhor amigo de Carter. Tentou se matar, perdeu os pais muito novo, conheceu uma garota chamada Lizzie, se apaixonou, noivou, a engravidou, mas perdeu seu filho e foi abandonado pelo amor. Se afundou ainda mais no tráfico e nas drogas, mas com a ajuda do seu amigo se internou em uma clínica de reabilitação para melhorar. Depois de três meses, decidiu se mudar da cidade grande para um pequeno interior, para continuar seu tratamento. E é lá que Max conhece Grace.

Grace teve um passado traumático. Quase morreu com causa de um marido perturbado e agora está tentando erguer sua vida em um novo lugar, na companhia de novas pessoas. E é nesse novo lugar que ela conhece Max.

Por conta de sua personalidade encantadora, Grace logo encanta Max, mas o rapaz está fugindo de relacionamentos e seu coração está totalmente fechado para o amor. Por conta dos seus traumas, Grace aceita a ajuda da amizade de Max para se reerguer e conseguir socializar e ser feliz outra vez. Por isso os dois decidem embarcar em uma amizade colorida para que ambos pudessem se ajudar, matando o desejo que flui entre os dois, mas sem se prender. Porém, os dois parecem estar desfrutando demais desse “relacionamento” e a linha entre a paixão e o amor é muito tênue entre os dois.



Logo pela sinopse podemos perceber que esse livro seria bem intenso e cheio de emoções á flor da pele. E com certeza foi, mas de uma maneira muito diferente do que eu esperava.

O livro começa com as estórias individuais de cada um e eu achei uma coisa maravilhosa, porque explica a vida deles antes de conhecerem um ao outro e ficamos sempre na expectativa de “é agora que eles vão se conhecer?” e “será que é agora?” o que é muito gostoso de acompanhar, como o nascimento e o desenvolvimento do relacionamento deles. Grace e Max, por serem tão marcados pelo passado, usam um ao outro como válvula de escape e a amizade que surge entre eles é tão forte que supera o desejo de “apenas sexo”.

Diferente de outros livros com um enredo parecido, onde os personagens querem só sexo, nesse podemos ver um sentimento muito real entre os dois que ultrapassa o desejo que um sente pelo outro. É algo bem real e bem lindo de acompanhar. O problema é a maneira que a autora narra.

Assim como no primeiro livro, as estórias são bem interessantes e convidativas. A trama é boa, mas a autora tem uma narrativa meio maçante e pouco chamativa. É algo que faltou no primeiro livro e também faltou nesse.

Os personagens são muito bonitos e cheios de emoções. O livro é cheio de cenas lindas e intensas, mas a narrativa mostra uma visão meio chata das coisas, o que nos deixa um pouco decepcionados.

Enfim, não é preciso ler o primeiro livro para ler esse, mas recomendo os dois. Realmente um ótimo trabalho e uma estória que vale muito a pena.
comentários(0)comente



Livros Encantos 26/05/2016

A escrita da autora é maravilhosa - Blog Livros Encantos
Como as pessoas lidam com as perdas?
Cada um lida de uma maneira e Max não conseguiu segurar a barra se afundou em bebidas, drogas até o ponto que seu amigo Carter o leva para uma clínica de recuperação, lá irá trabalhar com terapeutas, terá uma atividade extra como a pintura para estravasar suas emoções.
Acompanhamos Max desde o livro anterior, ele carrega tanta tristeza em seu peito devido a duas perdas que abalaram sua estrutura, ele perdeu o rumo e razão da vida, na clínica vai aos poucos falando sobre tudo o que lhe aconteceu, pois até falar sobre isso era difícil para ele, com a ajuda de seu Terapeuta Elliot e Tate seu professor e padrinho ele vai aos poucos ganhando confiança na vida novamente .
Nos poucos meses que esteve na clínica acompanhamos sua batalha árdua e diária contra o vício e suas dores da alma.
Ao sair da clínica e voltar para a realidade é um processo complicado afinal na clínica ele estava fechado cercado por pessoas e não exposto ao seu antigo vício abertamente.
Para recomeçar sem atrapalhar seus amigos decide ir ficar com seu tio Vene em uma cidade do interior, e lá conhece Grace uma mulher linda com um entusiasmo contagiante.

Grace carrega sempre o bom humor e um sorriso aberto no rosto, assim como trás marcas no corpo e na alma, que a deixaram traumatizada, com sua auto estima abalada.
Com a chegada de Max eles passam a correr juntos e se tornam inseparáveis, até o momento que a atração fala mais alto e um acordo sem envolvimento nenhum é firmado.

Quem manda em nosso coração?
Quando Grace percebe já está apaixonada por Max por seu jeito simples e protetor com ela.
Max é uma bagunça só com relação a seus sentimentos Grace mexe demais com ele, mas o medo de não ser o que ela precisa o faz se afastar a magoando.
Após ter deixado o passado para trás com tudo esclarecido, Max enfim percebe que merecer ser feliz e vai em busca de quem lhe trás alegria, paz e amor...

O final foi contagiante com a entrega de Max em dar uma chance para serem felizes sem rótulos somente buscando a felicidade juntos .

Acompanhar Max e Grace foi um aprendizado, vi uma homem que perdeu toda sua esperança, afundar em um poço e se reerguer de maneira real, com medos, receios e uma vontade de voltar a viver.
Max é um homem em reconstrução, seu passado era um fardo muito pesado em seus ombros, muitas vezes precisamos dar um ponto final em algumas situações mal esclarecidas para que possamos seguir em paz e foi isso que Max fez seguiu em frente, com o lema um dia de cada. O modo como ele se importa com Grace e lhe passa segurança é tão gratificante de acompanhar, nem sempre o homem consegue entender os traumas, medos de uma mulher que sofreu muito, Max se portou como um verdadeiro homem que cuida das feridas de sua companheira , lindo e carinhoso que Grace merecia.

Grace passou por tanta coisa, teve suas emoções abaladas, com o corpo e alma ferida seguiu em frente, mas trouxe consigo medos e inseguranças que Max soube lidar a confortando, lhe passando segurança, a fazendo voltar a acreditar nela mesmo como mulher.
Duas pessoas feridas que se encontram, se completam sabendo lidar com as incertezas de cada um com uma única finalidade : serem felizes e recomeçar ...

A escrita da autora é maravilhosa, nesse segundo livro da série ela aborda temas pesados, como alcoolismo, violência sem deixar a leitura sobrecarregada, nos ensina como os recomeçar pode ser dolorosos, e ao mesmo gratificante.

Amei o livro, a descontrução e reconstrução desses personagens fortes e reais.

Um romance que nos ensina que não podemos perder a esperança de ser feliz, que os caminhos podem ser difíceis mas conseguiremos atravessar as fases complicadas principalmente se estivermos de mãos dadas com o amor ...

Capa linda com uma revisão impecável.

Joyce
Blog Livros Encantos

site: http://www.livrosencantos.com/2016/05/paixao-libertadora-sophie-jackson.html
comentários(0)comente



Apaixonadas por 19/06/2016

Paixão Libertadora - Apaixonadas por Livros
Paixão Libertadora é uma história bonita e sexy sobre redenção e segundas chances na vida. Eu amei Max quando lido Desejo Proibido, e fiquei muito animada para ler essa sequência, pois Max estava tão quebrado e eu precisava saber mais sobre ele, mas principalmente, eu precisava ler como ele iria receber a sua redenção e enfim ter um pouco de felicidade.

E realmente estou muito feliz em ter podido ler este livro lindo que me fez chorar tantas vezes, não só com história de Max , mas também com Grace. Ambos foram maltratados e danificados, mas juntos eles se curaram e, naturalmente encontrando no outro o que eles pensavam estar perdido para sempre.

Sophie Jackson escreve sobre alguns temas bastante sensíveis neste livro, sendo um deles a escolha de suicídio e abuso de drogas fortes. Ele lida com os efeitos do vício na vida do personagem e de todos aqueles que estão a sua volta.

Max O’Hare não consegue entrar em acordo com o seu passado. Depois de um episódio grave com Carter e Kat, o amigo decide ajuda-lo colocando Max em um programa de reabilitação, no início o processo é muito difícil para ele. Também foi difícil para mim acompanhar tudo pelo que ele passou, conhecer seu passado e todos os motivos pelo quais ele é o que é hoje.

O passado de Max é recheado de perdas traumatizantes, seu pai, a morte de seu filho Christopher e por último, mas não menos importante a forma como Lizzie o deixou sem uma palavra. Ele merecia mais, mais do que o silêncio.

A autora deixa o leitor acompanhar todo o desenvolvimento do personagem na clínica, a queda dos seus bloqueios e o seu progresso lento com a terapia e a pintura, e logo depois vemos Max voltar ao mundo real, mas agora tentando juntar forças para resistir ao vício, ao mesmo tempo em que tenta seguir com sua vida sem que o seu passado interfira. Em Nova York, com seus amigos, sua oficina e sua vida anterior espreitando pelos becos. Mas há muitos gatilhos nesses ambientes e pessoas com quem ele conviveu e presenciaram o seu melhor e o seu pior, que ele precisa ir embora por um tempo.

Grace Brooks, que é cheia de vida e otimismo. Ela mudou-se para West Virginia querendo e precisando de um novo começo e para isso comprou uma casa. A protagonista da trama conseguiu seguir em frente depois de um passado cheio de dor e violência e mesmo assim consegue ter uma perspectiva verdadeiramente positiva sobre a vida. Ela tem cicatrizes por dentro e por fora, mas isso só demonstra que ela conseguiu sobreviver.

Max e Grace acabam se cruzando quando ele vai para o Condado de Preston ficar com o tio. Os dois estão muito feridos e querendo recomeçar a vida com paz, leveza e um pouco de felicidade. Ele é um enigma, um homem fechado que tem um passado de envolvimento com drogas e carros e balas. Ele quer superar e deixar tudo de ruim do seu passado para trás, embora saiba que seu pior inimigo é ele mesmo, mas por baixo disso tudo existe um homem compassivo e gentil.

Eles decidem serem amigos com benefícios, mas é claro que essa história não vai ser fácil assim para os dois, pois eles têm uma grande química e funcionam muito bem juntos, se entendem e se sentem confortáveis na presença um do outro, para Grace isso é novidade depois de tudo por que ela passou e para Max é assustador, ainda assim ele consegue ser um idiota e precisa ajustar suas atitudes em relação a ela e principalmente diante do que começa a sentir.

Se você leu até aqui e ficou imaginando que só há tragédias na história, está enganado, algumas partes são bem engraçadas, principalmente as que envolvem Tate o irmão de Riley e terapeuta de Max. A família do tio Vince também colabora para deixar a trama mais leve, com seu amor, carinho e união. As lembranças da infância de adolescência de Max são divertidas e compartilhadas em alguns trechos do livro fazendo com que o leitor enxergue outra faceta do protagonista.

Max demora muito a entender e se dar conta do que sente, principalmente quando seu passado volta a assombrá-lo, mas isso acaba servindo para ele finalmente entender do que e de quem realmente precisa para ter seu final feliz, ou pelo menos o início dele.

Sophie Jackson só confirma seu talento como escritora, envolvendo e contagiando o leitor com os sentimentos passados na trama e eu realmente espero com ansiedade pelos livros dos irmãos Tate e Riley.



site: http://www.apaixonadasporlivros.com.br/resenha-paixao-libertadora-de-sophie-jackson/
comentários(0)comente



Laine 20/02/2017

O melhor...
Max é tão lindo, tao intenso.
Ele consegue ser sutil mesmo passando por uma fase conturbada.
Estou completamente apaixonada por ele*-*
comentários(0)comente



Tashiro 28/07/2016

Paixão Libertadora, de Sophie Jackson
Olá,

Em março desse ano, eu resenhei ‘Desejo Proibido’ e ‘Eternamente Você’, da Sophie Jackson. Seria legal vocês darem uma lida antes na resenha dupla, mas não é obrigatório ter lido o livro e o conto antes desse que eu irei resenhar hoje. Uma das coisas que comentei era que eu tinha boas expectativas para esse segundo livro, e esperava que a escritora continuasse escrevendo da mesma forma cativante que ela conseguiu no início da trilogia.

Quem leu Desejo Proibido já sabia que o Max seria um trabalho difícil, conhece um pouco do que ele passou e a que nível ele chegou. Tão fundo no vício de cocaína, que era impossível o Carter conseguir reconhecer o amigo de infância. Contudo, ao ler esse primeiro livro, só queria que o Carter se afastasse do Max, que o isolasse. E no final é devastador entender o vazio e a dormência que o Max carrega, tudo porque ele amou Lizzie mais do que tudo na vida e um belo dia acordou e ela tinha ido embora logo depois do filho deles ter nascido morto.

Paixão libertadora começa numa melancolia, e logo na primeira frase você consegue sentir a dor absurda com que o Max vive. Lá está ele contando sobre a primeira vez em que pensou em suicídio, após o pai dele morrer depois de 18 meses lutando contra um câncer agressivo. Foi a primeira vez que ele bateu fundo no poço dos vícios. Até que ele conheceu ela, a mulher que o reergueria para depois esmagá-lo.

Os dez primeiros capítulos do livro foram perfeitos para me conquistar, escritos de forma que entendemos pelo que o Max está passando na reabilitação e sabemos mais sobre sua estória, porque ele fala conosco para depois percebermos que ele está falando na verdade com seu terapeuta. Ele não é bom em se expressar, não consegue falar. Na primeira vez que ele quer falar sobre o que mais o aflige, ou seja, Lizzie, ele tem um ataque de pânico. E nesse momento fiquei tão envolvida, que a sensação era de como se eu estivesse ali com falta de ar, cheia de pensamentos caóticos, morrendo junto dele.

Elliot, terapeuta de Max, ciente da dificuldade que ele tem de se expressar, indica sessões de pintura. De primeiro, Max acha uma idiotice. Ele gostava de pintar antigamente, mas apenas muros e prédios. Ele quer melhorar, parar de decepcionar os amigos, deixar o Carter orgulhoso e mostrar que seus esforços não foram em vão. Ele sabe que é a última chance dele e se as sessões vão surtir efeito, okay, vamos lá. Interessante aqui, e necessário, é que o médico que auxilia essas sessões, Tate, é o irmão de Riley — amigo de Max e Carter, que estava preso na mesma época que Carter em Arthur Kill. Max vai muitas vezes durante o livro recorrer a Tate, mesmo depois da reabilitação, já que Tate é seu padrinho.

Logo depois que o Max sai da reabilitação, ele vai morar com o Carter e a Kat, mas as coisas não funcionam bem e então ele decide ir para uma cidade pequena no Condado de Preston, onde seu tio mora. É maravilhoso ver que logo na primeira semana ele tem certeza de que ele fez uma boa decisão, que realmente precisava se afastar e, sim, eu contei boa parte do livro. Sim, outra vez, é agora que a vida dele vai cruzar com a de Grace Brooks, outra pessoa que passou por coisas muito dolorosas na vida. É óbvio que ela tem um trauma; não apenas é reservada, mas está tentando retomar o controle. Ela, assim como Max, recebe acompanhamento psicológico. Porém, os traumas de cada um são diferentes e de certa forma se encaixam.

Grace é muito retraída, mudou-se para o Condado de Preston para poder seguir adiante e começar a tocar a própria vida. Ela arranjou um trabalho no bar local, empenha-se na reforma de uma casa antiga, e está tirando fotos e fazendo amigos. Assim que ela vê o Max fica interessada nele e eles acabam criando uma amizade de suporte mútuo. Ele a acha muito transparente, as emoções sempre visíveis e sem manipulação, e ela o compreende como ninguém. Cada um tem sua rede de apoio, uma coisa que é essencial para a recuperação de ambos, principalmente de Max, ao mesmo tempo que eles precisam de espaço.

Esse livro vai primeiro explorar uma mensagem simples: você precisa melhorar por você, primeiro por você, pense em você, nesse momento seja egoísta. Vai falar também sobre como é importante ter ajuda profissional e não se isolar das pessoas que te amam. O quanto você vale, o quanto você merece e quais são seus limites. Confiar. Amar a si mesmo. Ame-se primeiro para poder amar alguém depois. Não usar as pessoas como muleta, estar perto de alguém porque você quer e não porque você precisa.

Normalmente, eu leio romances que trazem mensagens que eu não concordo, mas gosto dos livros. Porém, Paixão Libertadora acertou em cheio em algo que eu acredito piamente, que é o amor próprio. Não é um homem que supera as dificuldades pela mulher que ele ama, mas um homem que se superou, que foi à luta e que cansou de sentir vergonha das péssimas decisões que tomou no passado, e depois compreendeu que estava amando uma mulher gentil, bonita e talentosa. Ao mesmo tempo em que vemos essa mulher se superar também, ganhar alto-estima e não deixar seu passado governá-la. Então, é fácil entender que eles precisam se encontrar e serem felizes em separado antes de serem felizes juntos.

Sophie Jackson se superou nesse livro com certeza. A forma como ela trabalhou cada personagem e encaixou o passado deles foi incrível. Também gostei do fato de a protagonista ser negra, mas isso não faz diferença alguma na estória. Ela é admirada pelos homens, mas não sexualizada. Ela não é um símbolo sexual, não está ali para representar as mulheres negras e seus esteriótipos, ela é somente ela. Uma mulher que passou por maus momentos e está vivendo cada dia sendo feliz ao seu jeito, encontrado alegria em qualquer coisa.

site: https://silenciocontagiante.wordpress.com/2016/07/26/resenha-paixao-libertadora-de-sophie-jackson/
comentários(0)comente



Tayna 21/06/2016

Max <3
Não é segredo pra ninguém que Sophie Jackson tem um poder sobre mim fenomenal, tudo que essa mulher escreve, eu acho maravilhoso.

Paixão Libertadora narra a vida de Max O'hare (Quem já leu Desejo Proibido o conhece um pouquinho) , um viciado em drogas em recuperação. Após perdas e abandonos durante toda a sua vida, Max chegou em seu limite, entregue as drogas, bebidas e quase cometendo um homicídio em um ente querido, ele decide recomeçar iniciando sua jornada em uma clínica de reabilitação onde aprende a lidar com seus vícios e fantasmas do passado.
Quando sua jornada na clínica chega ao fim, Max não consegue se integrar a sua antiga vida em Nova York, decidindo então viver com o Tio no condado de Preston.
Longe da antiga vida Max conhece a divertida e amável Grace, uma jovem repleta de cicatrizes, visíveis e invisíveis, que também está a procura de um recomeço. Ambos com seus passados e histórias pra compartilhar iniciam uma amizade pouco convencional, mas que os ajudam a entender que o futuro pode ser muito melhor que o passado.

Sophie tem uma mágica em sua escrita impressionante. Ela escreve sobre pessoas. Pessoas essas que podem ser encontradas no meu bairro, na minha cidade, um amigo de um amigo. São pessoas que acertam, erram e tentam de novo. Seus personagens são bem construídos, pensados e sua narrativa prende até os mais dispersos dos leitores.

Posso ler Paixão libertadora sem ter lido Desejo Proibido? Sim, pode. Mas eu recomendaria a leitura de ambos e na ordem, o segundo livro trás vários spoilers do primeiro e é interessante acompanhar os personagens amadurecendo.
comentários(0)comente



Fernanda 10/05/2016

Paixão libertadora:
Resenha no blog:

site: http://www.segredosemlivros.com/2016/05/resenha-paixao-libertadora-sophie.html
comentários(0)comente



ELB 31/01/2017

Every Little Book
“Era isso que ele queria mais que tudo: uma existência sem dor”.

Olá pessoal! Começo a resenha de hoje avisando que se trata do segundo livro de uma trilogia, mas cada livro é sobre um casal, então pode seguir lendo, mesmo que não tenha lido o primeiro livro... está livre de spoiler ;) Apesar disso, sugiro que leia a primeira história, que é onde conheceremos Max, o personagem principal deste segundo livro.

Max é um cara atormentado por um passado bastante problemático. Perdeu a mãe quando ainda era uma criança, até que também perdeu o pai quando era um jovem rapaz, sempre envolvido em rolos e confusões com seu melhor amigo, Carter (personagem do primeiro livro

site: http://www.everylittlebook.com.br/2016/05/resenha-paixao-libertadora-sophie.html
comentários(0)comente



Atitude Literária 14/05/2016

Pura emoção.
PAIXÃO LIBERTADORA é o segundo volume da série Pound of Flesh e vem nos apresentar duas pessoas feridas procurando por libertação do passado, buscando uma cura, uma maneira de cicatrizar as feridas e recomeçar. Duas pessoas que buscam tranquilidade, seu espaço no mundo, paz de espírito. Duas pessoas que mesmo sem saber, sem querer, buscavam um novo amor, uma nova fonte de força e esperança para acordar todos os dias e apenas viver.

Em Desejo Proibido, livro que contou a história de Carter, tivemos pequenos vislumbres de seu melhor amigo MAX, um jovem problemático que em alguns momentos chegou a despertar minha antipatia, justamente por não entender a maneira como ele agia. Então, a autora sabiamente vem e nos apresenta sua história, revelando o outro lado, a outra face de um jovem perdido em si mesmo.

Max sofreu terríveis perdas em seu passado. Carrega um coração quebrado e amargurado, assim como, uma alma aflita e despedaçada. Infelizmente em meio a tanta dor, não soube como reagir, não encontrou maneiras de extravasar e acabou buscando consolo em um caminho tortuoso e enganosamente mais fácil: Drogas, bebidas e sexo. Fragilizado e inconstante ele não consegue ver o quanto sua vida tem se esvaído por entre seus dedos, a maneira como sua vontade de viver tem diminuído e em como a depressão o tem assolado dia após dia. Entretanto Carter enxerga isso, ele já se viu na mesma posição e sabe que tudo que Max precisa é de apoio, que alguém venha em seu socorro e o resgate, e ele o faz, consegue com que ele seja internado em uma ótima clínica de reabilitação.

Costumo dizer que para voltar a subir às vezes precisamos chegar ao fundo do poço, bater os pés, ganhar impulso e então voltamos a subir. E Max experimenta isso, durante seus três meses de estadia na clinica ele precisa lidar com todo o processo de desintoxicação, aprender a lidar com suas emoções, enfrentar seu passado e se manter firme. Até que possa sair de lá e então... Lidar com o recomeço.

Grace necessitava de uma segunda chance. Ela tem vontade viver, se livrar de seus medos e traumas. Uma mulher de beleza refinada, vibrante e misteriosa. Algo em seu passado deixou cicatrizes tanto físicas quanto emocionais, marcas que insistem e assombrá-la, mas que ela está disposta a enfrentar e deixar para trás. E é pensando nisto que ela se muda em busca de um novo começo.

Não preciso mencionar que ambos acabam por se encontrar em meio a esta busca por algo novo, que seja capaz de libertá-los do medo constante de seguir em frente. Assim como não preciso dizer que nada na caminhada deles será simples ou descomplicado. Mas posso dizer que vale a pena cada página lida.

“Vejo um homem que quer muito melhorar, que se arrepende das decisões ruins que tomou, que quer consertar as coisas e seguir em frente com a vida. Vejo um homem morrendo de medo de se arriscar e de confiar, mas desesperado para fazer isso. Vejo um homem em frangalhos, mas que está tentando. Vejo esperança.”

Foi uma experiência incrível conhecer o verdadeiro Max, aprender sobre ele e compreender o porquê de suas escolhas. Se me apaixonei por ele ao longo dos capítulos? Sim, provavelmente o tenha feito. Max é um homem amoroso, gentil, que cometeu erros e fez escolhas ruins. Mas que teve coragem o suficiente para enfrentar as consequências. Grace é uma mulher incrível, que mesmo marcada e hesitante quanto a voltar a se envolver e confiar possui um coração grande demais para seu próprio bem e acolhe Max dentro dele. O romance entre eles vai surgindo aos poucos, é um olhar, um toque, uma gentileza, pequenas atitudes que despertam a admiração, respeito e que tudo junto torna-se amor.

"Ela estava se apaixonando mais rápido e de forma mais intensa do que pretendera, e não tinha como impedir."

Realmente me surpreendi com o enredo e a maneira sutil com a qual a autora trabalhou o desenrolar da trama. Mostrando-nos que todos merecemos segundas e terceiras chances. Que para superar obstáculos primeiro precisamos querer vencê-los. E que ninguém é tão alto suficiente a ponto de não precisar de ninguém. Família e amigos, podem sim fazer a diferença em nossas vidas. Ninguém é perfeito, errar é inevitável, cair e se machucar também, mas todos podemos escolher superar e é isso que faz a diferença. E sim caros leitores, aquele velho e doce clichê, o AMOR é capaz de libertar e curar, não que ele seja a formula do sucesso, mas ele é o que nos impulsiona a querer ser melhor. Suspirei, sorri, chorei e vibrei.

"Somos só nós dois. Seja corajosa comigo. Me deixe ver você."

Não posso deixar de mencionar os personagens secundários, como me divertir com eles. Foram eles os responsáveis por trazer leveza à obra e o fizeram com maestria.

A autora foi sensacional, criou uma história envolvente, repleta de emoções e sentimentos, viciante e fluida. Deixo aqui mais que minha recomendação de leitura. Se você está procurando por um romance emocionante e arrebatador, uma leitura rápida e envolvente, PAIXÃO LIBERTADORA é a escolha certa.

Espero ter sido capaz de transmitir até vocês o quanto a obra é linda e quem sabe despertado o seu interesse de leitura.

E agora meu peito se aperta de ansiedade, pois a autora deixou pequenas dicas do que veremos no terceiro volume da série e algo me diz que encontrarei neste livro o meu preferido.


Amei a capa, a diagramação e o cuidado da editora com a obra.

site: http://www.atitudeliteraria.com.br/2016/05/resenha-paixao-libertadora-serie-pound.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Janina.Andrade 24/09/2017

Super bem escrito
Assim como os primeiros livros, fiquei apaixonada pela escrita. Super indico
comentários(0)comente



48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4