Cicatrizes

Cicatrizes K.A. Robinson




Resenhas - Cicatrizes


21 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Livros e Citações 30/06/2016

Como um todo Cicatrizes foi algo amargo de colocar para dentro.
Linda capa, um plot desejável, e uma autora de peso. Cicatrizes tinha tudo para vingar, mas não foi longe. Na verdade, nem chegou perto das minhas expectativas, que nem eram assim tão grandes. E, meu amigo, se você detesta triângulos já te aviso para fugir para as masmorras.

A trama gira em torno de Chloe, que foge para a universidade de West Virginia ao lado de seus melhores amigos em busca de um recomeço, mas é lá que sua vida dá uma louca guinada quando ela entra no caminho de Drake, vocalista de uma banda que tem todo aquele ar de badboy, e que está bem longe da zona de conforto de Chloe. E quando seu melhor amigo declara seu amor por ela, Chloe decide que o seguro é o caminho mais fácil a seguir, mas deixar Drake para trás está longe de ser uma tarefa fácil.


“Quem já viu uma trama como essa põe o dedo AQUI, que já vai fechar não adianta cho-cho- cho-cho-chorar!” Pois é, eu já vi, você já viu, mas nem por isso deixamos de ler livros como esse porque há sim chance de algo bom sair disso, não é de hoje que encontramos autores brincando com o clichê para trazer algo novo, só que não é o caso de K.A. Robinson. De alguma forma sua escrita é boa o suficiente para me levar até a última página, mas ao fechar o livro eu só conseguia me perguntar se valeria a pena bater com o Kindle em minha cabeça para ver se criava algum juízo (eu detesto triângulos amorosos como principal elemento de uma trama, não adianta insistir porque não desce).

Sim, eu leio livros com triângulos amorosos, mas normalmente há um equilibro, uma certa construção da história que torna tudo mais fácil de degustar, o que não ocorreu nesse livro. A autora insistiu no tal garoto bad boy, na garota que se acha feia mas é maravilhosa, ainda que bem tapada para nunca perceber que seu melhor amigo é apaixonado por ela, o que tornou tudo bem repetitivo e, por quê não dizer, tão chato como um jogo de ping pong, com nossa protagonista indo de um garoto para o outro.

Claro, ainda há o drama, algo que eu realmente queria levar a sério, mas como eu já citei, a autora não fugiu muito da linha do triângulo, logo deixou de se aprofundar no passado da protagonista a tal ponto que foi impossível formar uma ligação e empatia. Nas primeiras páginas do livro uma personagem interessante e forte nos é prometida, mas a realidade é outra.

Mas, calma, nem tudo está perdido. Ainda que a mocinha não seja uma de minhas favoritas, e o romance esteja bem longe de mexer comigo, o final atiça para que o leitor termine o livro desejando mais. Como eu disse, é interessante o suficiente para me levar até as últimas páginas, mas me pergunto se foi bom o suficiente para me fazer ir em frente com a série, afinal um livro é mais do que suas primeiras e últimas páginas, e como um todo Cicatrizes foi algo amargo de colocar para dentro.

site: www.livrosecitacoes.com
Lili 30/06/2016minha estante
A resenha tá bem divertida e como eu odeio triângulos vou fugir desse livro, o que é uma pena, a capa é linda.


Livros e Citações 30/06/2016minha estante
sim


Tayna 04/07/2016minha estante
Concordo plenamente com você, foi muito do muito que já estamos acostumados a ler em NA.


Silene C. Nogueira 01/08/2016minha estante
Foi o pior livro até hoje. Decepção total.


Samara 15/12/2016minha estante
Ia começar a ler ele agora, mas odeio triangulos, valeu pela informação




spoiler visualizar
Tha Silva 17/11/2017minha estante
Concordo totalmente. Nossa ela me tirou do sério . Traiu o Logan , o Drake , e pior , traiu a si mesma . Diz para que o Drake que o ama , e que vai resolver sua situação com o Logan , e então ela vai pra cama com o Logan . Afffffssssss !!!!




Zilda Peixoto 02/02/2017

Um romance fraco e inexpressivo, um verdadeiro balde de água fria.
A louca do new adult está de volta, mas dessa vez bem mais contida, sem seus gritinhos exagerados ou qualquer outra manifestação de euforia. Esta sou eu, chocha, desanimada, completamente decepcionada após concluir a leitura de Cicatrizes, primeiro liro da série Torn, escrito por K.A. Robinson.

Quem acompanha o blog sabe que eu sou apaixonada pelo gênero new adult. Toda vez que surge um lançamento lá vou eu toda serelepe adquiri-lo. Na minha longa lista de livros lidos do gênero, até o momento, eu não havia lido nenhum livro que me decepcionasse tanto quanto Cicatrizes. Digo isso com muito pesar, pois eu nutria grandes expectativas. Isso é uma bosta, eu sei, por isso não devemos criar nenhum tipo de expectativa. Me dei conta de que o livro era realmente fraco já nos primeiros capítulos.

Em primeiro lugar preciso dizer que não criei nenhum tipo de resistência ao livro, não, pelo contrário, fui persistente. A prova disso que li o livro de uma única vez, mérito da autora que soube construir uma narrativa leve, fluída e que prende a sua atenção. Contudo,não foi suficiente para que o livro se tornasse um dos meus queridinhos. Muita coisa deu errado nesse livro. Os personagens, por exemplo, todos são adoráveis, cativantes, mas eu me pergunto: Por que cargas d'água a autora não os explorou como deveria? Sabemos que a carga dramática é muito recorrente nesse tipo de livro e isso é um dos seus pontos marcantes, mas é preciso fazer isso com propriedade. Não dá pra lançar um trauma, um problema qualquer sem que ele seja bem trabalhado ao longo da narrativa. E foi exatamente esse o primeiro erro grotesco da autora.

Chloe está iniciando o ano letivo na universidade de West Virginia ao lado de seus melhores amigos: Amber e Logan. Chloe está fugindo de muitos problemas e entrar para universidade lhe dá a falsa ilusão de que todos seus problemas ficariam para trás. O que Chloe não imaginava é que seria exatamente lá que ela arrumaria ainda mais problemas para sua vida.
Já no primeiro dia de aula Chloe senta ao lado de um dos caras mais mulherengos e cobiçados da universidade; o bad boy-cantor-tatuado Drake. E claro, ela se sente atraída por ele imediatamente. A atração por Drake é inegável, mas o carinha é oposto de tudo aquilo que ela desejou. Ela não consegue se enxergar ao lado de uma pessoa como Drake, pois Chloe têm um certo problema com sua aparência...blã... A garota é linda, têm um jeito peculiar de se vestir mas, suas roupas no estilo roqueira escondem na verdade sua verdadeira fragilidade e insegurança.

Logan, o melhor amigo, nutre um amor platônico desde sempre por Chloe e, claro, ela nunca desconfiou de nada (só mesmo sendo cega ou tapada porque Logan exagera no seu protecionismo). Enfim, Chloe desconhece os verdadeiros sentimentos de Logan, mas isso não quer dizer que o mocinho irá desistir de conquistá-la. Pois bem, apresentados os respectivos personagens vamos às primeiras constatações.

Cicatrizes é um livro repleto de clichês e que fique bem claro que eu curto histórias clichês, desde que bem construídas, caso contrário, será apenas mais um dramalhão no estilo mexicano. Em certos momentos foi exatamente assim que figurou o relacionamento de Chloe x Drake x Logan. Mas uma coisa é impossível negar: Drake é de longe o melhor, mesmo que por muitas vezes eu tenha o comparado com um pop star daqueles que protagonizam séries da Disney do que propriamente um astro de uma banda de rock.
Logan é um personagem chato, apesar de ter notado o esforço da autora em fazê-lo atraente e protetor. O cara simplesmente pira, têm ciúme da própria sombra e acha que é o dono de Chloe. Definitivamente, triângulos amorosos não funcionam. Eles só dão certo quando os carinhas envolvidos têm algo mais além de músculos e um p@! grande porque foi exatamente assim que Chloe os retratou.

Sexo nesse tipo de livro é um bônus extra, mas não podemos esperar apenas pegação. Têm que trabalhar no drama de cada personagem, apresentar os fatos que o tornaram problemáticos, explorar a dor, o ressentimento e os efeitos causados pelo trauma vivido. Foi nesse ponto que K.A. Robinson pecou e muito. A trama é rasa, pouco elaborada, mal explorada. Chloe fica na dúvida entre Drake e Logan. Fiquei esperando uma explosão de Drake, uma mudança de atitude de Logan, um posicionamento mais firme de Chloe. A autora prometeu uma personagem descolada, destemida, mas a transformou em algo infantil.

Não vou adentrar no dramas de Drake e Chloe. Basta que vocês saibam que Chloe foge de algo que aterrorizou seu passado. Drake é um cara solitário, perdeu seus pais ainda cedo e desde então vive cercado de mulheres. O passado os moldou e agora eles não sabem como lidar com tantas mudanças. Drake tinha tudo para fazer a figura do garoto-problema, o roqueiro pegador que não dá bola pra ninguém, mas acabou se tornando o cachorrinho número 2 de Chloe. Já Logan, o cachorrinho número 1, é um dos personagens mais chatos e inexpressivos que já vi. Sua relação com Chloe chega ser doentia, quase patética.

E o que dizer dos personagens secundários que, muitas vezes, tornam a narrativa mais atraente e dinâmica? Nesse caso, eles são apenas mero figurantes. Rachel, a colega de quarto de Chloe é alguém que está ali apenas para ocupar espaço, sem qualquer representação significativa. Os colegas e integrantes da banda de Drake são aqueles que apenas tocam instrumentos no fundo do palco. Jade é a única que dá as caras um pouquinho, mas seus diálogos são inexpressivos e pueris.
Cicatrizes tinha tudo para se tornar um livro incrível, elementos não faltaram, mas infelizmente, apresentou-se como uma trama fraca burlesca. Apesar de todas as ressalvas pretendo dar uma segunda chance a sua continuação. O final do livro deixa aquele gostinho de "quero mais" "e agora?". Fico na torcida para que no próximo livro a autora consiga trabalhar nisso da melhor forma possível.

Alerta de spoiler: fãs de Belo Desastre ficarão contentes em saber que têm algo sobre o romance na história. Ponto para K.A. Robinson, talvez o único. Aliás, a capa do livro é belíssima e a revisão cuidadosa, nesse quesito a editora Rocco está de parabéns.

De qualquer forma, quero recomendar a leitura de Cicatrizes, mas recomendo que não crie tantas expecativas. Para os que se iniciam no gênero pode ser uma boa pedida. Cicatrizes é um livro com uma pegada dramática leve. A escrita da autora é o principal atrativo: simples, fluída. Devido a isso a leitura transcorre facilmente e quando você percebe chegou ao fim sem grandes alardes. Mas caso você seja exigente e almeje um pouco mais do que testosterona eu recomendo que guarde suas energias para algo mais elaborado.

Leia a resenha completa no blog.

site: http://www.cacholaliteraria.com.br/2017/02/resenha-cicatrizes-de-ka-robinson-serie.html
Leila 02/02/2017minha estante
Sempre falam dos clichês, mas é quase impossível algo hoje em dia não ser clichê na literatura e no cinema. Tanta coisa já foi feita. E são os elementos clichês, por já estarem introjetados nas mentes de muitos leitores, que permitem a identificação destes com os personagens da obra. Agora, mesmo sendo clichê, tem que ser diferenciado. Tem que ter ALGO A MAIS.




Tayna 04/07/2016

Decepção
Uma capa tão linda para um livro tão...

Cicatrizes foi definitivamente uma decepção, a premissa do livro era interessante e atraente, porém a história não foi tão envolvente quanto imaginei.

A História de Chloe e Drake é muito do muito que já foi escrito. É previsível, clichê, com personagens chatos e forçados, eu amo um bom clichê, mas Cicatrizes não deu pra mim!

A ideia de K.A Robinson foi inteligente: Dois jovens que possuem almas feridas e necessitam recomeçar, mas o desenrolar do livro não funcionou. Um triângulo amoroso com o cara bonzinho e o bad boy já está batido.

Por fim acredito que o livro é até legal pra passar o tempo, o li em um dia, mas não chega a ser tão maravilhoso como a premissa havia insinuado. Só é um BOM livro e eu esperava uma EXCELENTE história.
comentários(0)comente



GabiCrivellente 06/06/2016

RESENHA – Cicatrizes (K.A. Robinson)
Foram poucos os relacionamentos de Chloe até a chegada à universidade. Ela escolheu ingressar na West Virginia e cursar Psicologia pela oportunidade de permanecer perto de Amber, a melhor amiga, e Logan, o fiel escudeiro e amigo desde os tempos de ensino médio. Chloe nunca teve uma boa convivência com a mãe, drogada e desequilibrada.
Mas justamente no primeiro dia de aula, o destino de Chloe começa a ser traçado em outra direção. É quando ela senta ao lado de um típico bad boy tatuado, piercings nos lábios e nas sobrancelhas. O coração bate mais forte, a respiração fica alterada, e a boca seca. Drake Allen é o motivo. Dono de um mustang e vocalista da banda Breaking the Hunger, o rapaz é bastante assediado pelas fãs e não se prende a ninguém.
Drake não resiste à troca de olhares com Chloe, quando se esbarram pela primeira vez na sala de aula. É o início de uma relação com muitos obstáculos, movida por desejo e paixão intensos. Mas Drake se declara num momento em que Chloe, desiludida, resolve ceder aos encantos de Logan, o melhor amigo, que há anos nutre um amor platônico, e que finalmente tem coragem de se declarar.
Seria válido trocar um amor seguro por um músico bad boy, ou mais cômodo manter a amizade disfarçada de namoro? De um lado, Logan, lindo, gentil e carinhoso. De outro, Drake, uma paixão rude e avassaladora. Mas por que será que os caminhos do coração indicam sempre as curvas mais tortuosas? Chloe decide então seguir em frente na busca pela felicidade, mas não contava que o passado voltaria a bater em sua porta.
Então amigos leitores, a história é focada na indecisão da Chloe sobre com quem ela deve ficar, o melhor amigo ou o bad boy roqueiro.
Inicialmente, eu esperava muito deste livro, por ser um New Adult – um dos gêneros que mais gosto de ler. Para quem não conhece essa classificação de gênero literário, de acordo com o Publishnews, “Essa categoria é definida por temas que interessam especificamente a seu público: o jovem que inicia a vida adulta e passa por transições, como morar fora de casa, longe dos pais ou da família, a busca pela independência etc. Muitas vezes os livros refletem o ambiente universitário ou falam das primeiras experiências, como a primeira transa, casamento, primeiro emprego, e abordam questões e valores importantes para a geração, como qualidade de vida, desenvolvimento sustentável, perspectivas de futuro etc. Ninguém duvida que esse começo da vida adulta carrega uma série de indagações e anseios próprios, sempre muito intensos.”
Mas, neste aqui a história não me conquistou. A sensação que tive foi que a autora se inspirou nos livros “Intenso Demais” (S.C. Stephens) e “Belo Desastre” (Jamie McGuire). Inclusive a personagem Rachel, colega de quarto da Chloe, faz referência ao personagem Maddox, que faz parte deste último livro. Além disso, é possível perceber muita semelhança, inclusive atitudes, com os personagens desses livros.
Porém, um dos pontos negativos foi que senti que faltou alguma coisa nos personagens da Robinson.
Todavia, apesar de parecer contraditória, acho que a leitura não foi tão ruim. Pois alguns personagens me conquistaram, como a Amber e o Logan. Apesar de que se eu fosse escolher com quem ela deveria ficar, meu voto iria para o Drake. Desculpa, gosto de personagens bad boys (rsrsrs).
Já no final do livro acontece uma cena que demonstra que talvez no segundo livro aconteçam algumas reviravoltas na trama. E, por conta disso, fiquei com vontade de ler a continuação.

RESENHA COMPLETA:

site: http://academialiterariadf.blogspot.com.br/2016/05/resenha-cicatrizes-ka-robinson.html#comment-form
comentários(0)comente



Sah (@perolasliterarias_ ) 13/08/2016

Resenha - Cicatrizes, K.A Robinson.
Junte uma capa atrativa, um enredo clichê - quem não gosta rs - e teremos Cicatrizes. Confesso que eu esperava mais desse livro.

No começo temos uma premissa que promete grandes emoções, mas isso fica embaralhado no meio de um triângulo amoroso. Sim não leram errado, tem triângulo nessa história.

Chloe teve uma infância de merda, sendo maltratada pela mãe tudo o que ela queria era fugir, e enfim sua oportunidade surge. Ao partir para a faculdade de West Virgínia Chloe espera deixar para trás mais que seus medos. Curtindo a faculdade com seu melhor amigo Logan e sua amiga do peito Amber.

Drake é o típico badboy cheio de piercing pelo corpo - em cada lugar - e várias tatoo espalhadas pelo corpo ele é um atrativo e tanto para Chloe. Logo surge uma amizade permeada por estranhos momentos de paquera.

O que tinha pra ter um diferencial, dois jovens que precisam esquecer o passado e recomeçarem uma nova vida, peca quando a autora ao invés de se aprofundar no passado de Chloe para entendermos o que aconteceu com ela, a autora foca no bendito triângulo só eu acho chato esses triângulos? É quando a protagonista resolve baixar a vagaba e jogar com os dois.

O livro tinha enredo não pra fugir do clichê, mas pra ser melhor do que foi. A autora focou muito na relação do triângulo e, nós, leitores não conseguimos sentir empatia e nem um grau de compreensão pelas escolhas de Chloe. Sinceramente por várias vezes me peguei xingando a garota. Ficou o livro inteiro em um chove não molha, hora molha o biscoito no leite de um hora de outro e depois se fazia de "coitada de mim" os personagens são rasos sem profundidade pra nós nos apegarmos.

O livro fica bom mais pro final, tipo o último capítulo mesmo que é quando as coisas parecem que vão acontecer e adivinhem? O livro acaba! Então a frustração será à espera pela continuação.
Vanessa Motaa 14/08/2016minha estante
Não, Sah! você definitivamente não é a única! detesto livro de triângulos amorosos e o quanto as mocinhas ficam passadas no estilo "ai! não sei qual deles escolho" - mas sempre fica com os dois. Ughhhh!


Sah (@perolasliterarias_ ) 05/10/2016minha estante
Kkkkkk Vanessa foi bem isso mesmo. Ela pegou os dois e se fez de vítima o tempo todo!!! Kkkk




Juh 20/06/2016

clichê do bem mediano
Sabe quando vc cria expectativas em cima de algo e não é correspondido? pois é. Aconteceu comigo e esse livro. To bem triste por isso, pq realmente esperava mais dele. A história é fraca e sem nexo e as complicações que surgem são tão.. desnecessárias. É como se a autora fora obrigada a colocar um drama no livro e sei la.. não funcionou. Acabou que ela deixou a mocinha se tornar alguém insuportavelmente imatura e irresponsável. No final eu nem queria mais ou torcia pra ela ser feliz no final. E saber que vai ter continuação.. não me anima muito. O final não instigou nem um pouco. O livro todo pra mim foi encheçao de salsicha .-.
comentários(0)comente



Gabi | @ps_gabih 01/08/2016

Cicatrizes é o primeiro livro da série TORN, nele Chloe uma jovem universitária conhece Drake, músico que pega matéria com ela.

Logo ela fica louca por ele (aquele negócio tão instantâneo quanto café solúvel), só que ele é aquele bad boy e tal.
Em contrapartida, Landon, o melhor amigo dela resolve expor o seu não mais recluso amor por ela.

Então o que ela faz? Fala com Drake sobre isso, que diz que ela tem que dar chance ao Landon. Ela vai lá , fica bêbada e dá ao menino. Mais que uma chance.......... kkkkk

Acontece que agora Drake quer a Chloe e a merda tá armada..

Enfim, é aquele new adult clichê mesmo. Mas insisti na leitura porq a Chloe está fugindo da mãe bêbada e drogada, loucona e eu queria ler a treta.

E o livro terminou de um jeito que eu pensei... para, que vcs vão me obrigar a ler o segundo pra saber como termina a treta???


Pelo título e sinopse eu esperava mais do livro (aquelas que lêem pelo título/capa/sinopse), mas ficou tudo muito água com açúcar. A autora tinha temas incríveis para se aprofundar, mas acabou sendo totalmente superficial.

Foi legal ler pra ocupar o tempo....
comentários(0)comente



Tha Silva 17/11/2017

Horrível!
Só digo uma coisa, Chloe é uma va#@& !!!!!
comentários(0)comente



Tais 19/12/2017

Cicatrizes - Blog Leitor Unicórnio
Cloe teve uma infância difícil, filha de uma viciada era abandonada para sua mãe ir a festas, foi criada a maior parte do tempo pelos pais da melhor amiga. Mas ela conseguiu dar a volta por cima, agora está indo para a universidade junto com seus melhores amigos Logan e Amber.

Só que ela não esperava se interessar por Drake já no primeiro dia de aula. Drake Allen é aquele típico bad boy, vocalista de uma banda ou seja todas as mulheres eram apaixonadas por ele mas está longe da zona de conforto da Cloe.

- Isso não muda nada, Drake. Nós dois somos uns fodidos, mas juntos somos um turbilhão. Nada que surja em nosso caminho vai sobreviver.

Estava com altas expectativas para o livro e acabei me decepcionando, esperava muito mais da protagonista que ficou num chove não molha o livro inteiro e isso me irritou muito. A autora para mim colocou um triângulo amoroso onde não precisava, isso só trouxe dramas desnecessários já que o final é bem previsível.





site: http://leitorunicornio.blogspot.com.br/2017/12/cicatrizes-de-ka-robinson.html
comentários(0)comente



Vithsan 22/07/2016

Cicatrizes abertas.
O livro tem uma capa belíssima, entretanto é apenas isso para mim. Não achei uma história muito cativante, ela poderia ter aprofundado mais o envolvimento entre os personagens, a história passou muito rapidamente, o que tornou, para mim, uma leitura confusa.
comentários(0)comente



@literatudo_ig (Luh) 14/05/2017

Sinônimo do clichê ruim, afff.
Paula 17/06/2017minha estante
TOTAAALL! Ai como odiei esse livro!


@literatudo_ig (Luh) 20/05/2018minha estante
eu também, não sei como consegui terminar




Suyara 10/02/2017

Livro péssimo, detestei, na minha opinião ela pegou o travis maddox e dividiu em dois personagens, até alguns trechos pareciam muito com belo desastre. Não teve nada de emocionante na estória, o velho clichê que conhecemos.
comentários(0)comente



Izabelly 20/07/2018

Mais do mesmo
O livro tem mais do mesmo de todos os romances que temos por aí. É um passatempo mas não te prende. Não senti vontade de ler a continuação e só terminei o livro porque não consigo parar no meio. Mas demorei bastante pra ler.
comentários(0)comente



Mayhara 03/01/2019

Que guria chata!!
Queria dar meia estrela, mas no computador não consigo, de tão ruim que esse livro é.
Pra começar achei mal escrito, falas muito mecânicas e o desenvolvimento corria muito rápido, aliás, que desenvolvimento? A autora saía jogando situações sem construir nada.

A personagem principal é o pior, ela é muito, mas muito chata! Credo, não sei como as pessoas a suportam, não é a toa que a mãe dela some e fica meses sem dar qualquer vestígio. É uma infantilidade, fica brincando com o sentimento dos outros sem motivo algum.

Queria desler, sério! Ando muito desastrada com meus livros de início de ano. =(
comentários(0)comente



21 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2