Sedução da Seda

Sedução da Seda Loretta Chase




Resenhas - Sedução da Seda


125 encontrados | exibindo 91 a 106
1 | 2 | 3 | 4 | 7 | 8 | 9


Jaque - Achei o Livro 02/08/2016

Macelline Noirot é a mais velha de três irmãs e ela está disposta a qualquer coisa para que seu ateliê se torne o mais famoso de toda Londres.
Conquistar Lady Clara Fairfax, noiva do Duque de Cleverdon e vesti-la com suas roupas é seu maior sonho, assim é certeza que as outras damas da sociedade irão começar à frequentar sua loja.
Como ela não consegue acesso até Clara, vai até a França para encontrar o Duque e tentar de alguma maneira que ele a apresente à futura noiva.
Entre jogos e apostas ela consegue o seu intuito, mas claro que a relação dos dois não pára por aí.

As primeiras páginas foram deliciosas, achei que teria um grande romance pela frente, mas passado esses primeiros momentos o livro deixou muito a desejar.
Marcelline não tem o menor escrúpulo. É capaz de qualquer ato para conseguir o que deseja mesmo que isso seja ilegal. A desculpa é que ela vem de uma família de trambiqueiros e isso não me convenceu.
Isso foi um fator para que eu não gostasse da personagem, fora que ela se acha a melhor de todas e repete isso o livro todo, aposta em roletas e vara a noite em mesa de carteados quando precisa de dinheiro.
Ou seja, nada lembra uma mocinha de romance de época e isso que é o diferencial desse gênero.
Nada contra as mocinhas lutarem por seu espaço, torço por isso nos romances, mas no caso de um histórico eu espero encontrar uns clichês que tanto gosto.
Menos, Marcelline, bem menos....

E o Duque também não foi um personagem que me encantou. Noivo desde sempre com Clara, trai ela sempre que tem uma oportunidade e corre atrás da Marcelline igual um cachorrinho.
Achei ele sem personalidade e sem objetivo nenhum. A história toda ele passa ou atrás da mocinha ou em bares bebendo.
O livro não me conquistou, um foi um balde de água fria em minhas expectativas quanto à série, mas provavelmente (um dia) lerei o segundo, já que a Loretta escreve muito bem e ainda tenho esperanças de encontrar outro "Príncipe dos canalhas".
Elaine 02/08/2016minha estante
Que pena! não vou me dar o trabalho de ler rs


Jaque - Achei o Livro 02/08/2016minha estante
Laine, pode ser que você goste... pelas resenhas eu sou a minoria ;-)


Elaine 02/08/2016minha estante
ah não sei, sabe essa história de época eu gosto de mocinhas com personalidade fortes mas delicadas, trambiqueiras iria me desiludir rsrsrs


Jaque - Achei o Livro 02/08/2016minha estante
Pois é :/


Josy.Novais 06/09/2016minha estante
Menina, pensei a mesma coisa. Detestei os personagens, odiei a arrogância de Marcelline e vamos ser sinceras sua total falta de carater. Não comprei a ideia da autora de digamos "malandragem" dela e de suas irmãs, as coisas que elas são capazes de fazer para se dar bem me icomodou e. muito


Jaque - Achei o Livro 07/09/2016minha estante
Isso mesmo, Josy :(




La Luna 24/07/2016

[Resenha] Sedução da seda – Loretta Chase
Resenha

Romance de época é o meu gênero literário favorito e dificilmente não gosto de um livro com esse tema, porém uma vez que leio muitos livros do gênero fica cada vez mais difícil encontrar livros com histórias originais e diferentes.

Sedução da seda começou de forma divertida e a trama me conquistou mais a cada página. A escrita da autora é incrível. O livro é sensual, divertido e emocionante. Faz você torcer pelos personagens e te deixa com aquele sorriso bobo no rosto, suspirando e desejando mais páginas.

A modista Marcelline Noirot, é uma mulher incrivelmente forte e trabalhadora que não se apega as regras da sociedade e não é uma daquelas solteironas desesperadas para conseguir um marido. Sua paixão pela profissão e por sua família torna a trama especial. Noirot é na verdade inspiradora e se tornou a minha protagonista favorita dos romances de época.

O duque de Clevedon também é um personagem maravilhoso e apaixonante. Ele é um imoral irresistível, está comprometido desde a juventude com sua amiga lady Clara Fairfax, mulher que ama e admira. Porém vê seu interesse despertado pela modista que insiste em vestir sua futura duquesa e faz o possível e o impossível para conseguir a nova cliente. Apesar de seu interesse na linda mulher ele é leal a noiva, um ponto do livro que me chamou a atenção, a lealdade pela amiga. Gostei demais da forma como a autora abordou esse triangulo amoroso.

Porém o melhor do livro foi a filha da protagonista, “Erroll” que me fez rir e me emocionar.
Todos os personagens que foram apresentados no livro são especiais e senti curiosidade de saber o que vai acontecer com cada um deles no próximo livro Escândalo de setim.

Indico esse livro para todos os amantes do gênero, este realmente é um romance maravilhoso.

Por Viviane Gonçalves
comentários(0)comente



Portal JuLund 13/07/2016

Sedução da Seda, @editoraarqueiro
Sedução da Seda é um livro lindíssimo, que chegou em minhas mãos graças à parceria com a editora Arqueiro. A cor predominante na capa é uma das minhas favoritas, mas não é só isso: ela possui um tom brilhante belíssimo, é uma obra muito bem feita. O livro é o primeiro de quatro, todos eles fazendo parte da série As Modistas.

São três irmãs costureiras, que moram na Inglaterra e possuem um ateliê chamado Maison Noirot (a última palavra é o sobrenome delas). A meta das irmãs é vestir a aristocracia e conquistar o maior número possível de clientes, principalmente ganhando da Trapos, como elas chamam a concorrência.

Continue lendo no

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/seducao-da-seda-editoraarqueiro
comentários(0)comente



Liachristo 13/07/2016

Sedução da Seda - Loretta Chase - Editora Arqueiro
Este é o primeiro livro da Série As Modistas de Loretta Chase. A série é composta por 4 livros, todos já publicados nos EUA.

Marcelline Noirot é a mais velha de três irmãs. Ela é uma jovem mulher determinada, ambiciosa e quase sem dinheiro. Ela e suas irmãs estão lutando há anos tentando fazer sua loja Maison Noirot ficar famosa. Mas é difícil conquistar a elite inglesa. Determinada a mudar isso, Marcelline persegue o Duque de Clevedon quando os jornais e os mexericos da sociedade indicam que ele está se preparando para voltar para a Inglaterra para se casar com sua amiga de infância, Lady Clara Fairfax.

Através da personagem Marcelline e suas irmãs, podemos ter a exata noção das dificuldades e da luta que as mulheres tinham para serem ouvidas e tratadas com respeito e confiança. E o quanto seria difícil sobreviver de sua arte.

Clevedon é daqueles aristocratas que precisa aprender algumas lições ao longo do caminho. Seu caráter é menos original: boa aparência, arrogante e egoísta, até certo ponto, com uma história familiar triste. Como um homem e como um Duque, Clevedon tem pouco para mostrar como ele é. Basicamente, levou uma vida dissipada e ignorou suas funções desde que herdou o título. Ele quer Marcelline, e mesmo que haja um casamento previsto em seu futuro imediato, ele deve tê-la, não importa as consequências. Ele é impulsivo e nem sempre considera como suas ações poderão afetar sua noiva Clara, Marcelline ou até mesmo a si próprio a longo prazo.

Você pode adivinhar o que acontece em seguida? Pode um Duque, que é tão bom como noivo de outra mulher, na verdade, ter um felizes para sempre com uma costureira?

Este resumo pode parecer detalhado o suficiente, mas mal arranha a superfície desta história um tanto complicada. Estes dois personagens enfrentam muitos problemas, a partir do fato de que ele é um Duque e ela é uma costureira que está determinada a ser um sucesso em seu comércio. Sim, você leu certo - Marcelline não se contenta em se tornar a esposa do duque e mãe de seus filhos - ela quer provar a todos que ela é, como ela afirma, a melhor costureira do mundo. Será que ela consegue?

No início de cada capítulo, há trechos de publicações da época, o qual acredito a autora tenha usado como fonte de pesquisa e eu achei que foi uma maneira brilhante de proporcionar autenticidade e contexto histórico para a história.

Mais uma vez a Editora Arqueiro realizou um ótimo trabalho. A capa é linda! As fontes são de bom tamanho. As páginas amareladas nos proporcionam conforto durante a leitura. Sem erros de revisão e uma diagramação simples e impecável.


site: http://www.docesletras.com.br/2016/07/resenha-seducao-da-seda-loretta-chase.html
comentários(0)comente



Bárbara @versosenotas 11/07/2016

Um romance em meio a tecidos, sedas e muitas cores!!!
“A MODISTA. Sob essa denominação, devemos incluir não apenas o trabalho da costureira... Bom gosto e imaginação são necessários, além de rapidez, discernimento e aprimoramento de vários estilos de moda, que estão sempre mudando nos mais altos círculos. (Guia de comércio inglês, 1818)”

Depois de ler tantos romances de época eis que me deparo, pela primeira vez, com um onde a protagonista não é uma dama inglesa, mas sim uma comerciante inglesa. Além dessa significativa mudança, vamos conhecer mais o trabalho das modistas e seu incrível trabalho com a moda. Ou seja, esse é o livro mais diferente que já li do gênero, mas posso adiantar que em nada ele perde para os demais.

Marcelline e as irmãs Sophia e Leonie são as proprietárias da Maison Noirot, uma loja que traz os vestidos mais lindos, diferentes e ousados da Inglaterra. Seu comércio ainda é recente, mas juntas elas se dedicam dia e noite para que a loja seja o ponto de referência de moda da cidade. Para isso, Leonie é a responsável pela administração, Sophia pela divulgação e Marcelline (a maior modista do mundo, como ela afirma) é a responsável por criar modelitos únicos e exclusivos. Elas não medem esforços para alavancar as vendas, mas isso pode trazer mudanças irreparáveis em suas vidas.

Diante da notícia da volta do duque de Clevedon e de seu provável noivado com Clara Fairfax, as três irmãs têm uma ideia louca e genial. Sendo mulheres espertas e ambiciosas que são, elas pretendem tornar a jovem Clara sua cliente e, assim, atrair as mais respeitáveis damas londrinas. Para isso, Marcelline segue para Paris e persegue o duque em seus últimos dias de férias. O plano era simples: ela iria chamar a atenção do cavalheiro com suas roupas incríveis e o convenceria de que sua futura duquesa precisaria de uma modista à altura do título. Um plano ousado e perigoso, mas essa era uma chance única que não poderia ser desperdiçada, mesmo que a beleza do duque mexesse tanto com a modista.

Clevedon é um homem que sempre teve dificuldade com a palavra responsabilidade. Há anos ele negligencia as responsabilidades que o seu título exige e vive em férias prolongados (mais que o respeitável) em Paris. No entanto, ele vê que sua volta à Inglaterra já passou da hora e que precisa assumir as tarefas típicas de um duque, principalmente, se casar para gerar herdeiros. Ao lembrar de sua amada Clara Fairfax, tudo fica mais doce e ele já começa a se sentir preparado para voltar, até que ele conhece uma mulher linda e provocante que mexe com toda sua estrutura.

O encontro desses dois personagens é marcado por um desejo quase que palpável e isso é até um pouco estranho acontecer à primeira vista, mas de qualquer forma, só falta sair faísca pelo encontro do olhar entre Clevedon e Marcelline. Após esse primeiro choque, porém, a modista se recompõe e deixa clara suas intenções: eles tratariam apenas negócios. Obviamente, ela precisa convencer o duque a aceitar ser seu melhor cliente (na verdade, que Clara seja sua melhor cliente) e durante esses encontros, jogos e várias situações delicadas, o duque faz tudo para conquistar a “dama” que, por sua vez, luta contra seus sentimentos para ser totalmente profissional e não arruinar sua vida e de sua família.

Confesso que demorei a me sentir fisgada pela história, mas depois que isso finalmente aconteceu eu não conseguia mais largar o livro. E foi em meio a tecidos, sedas e muitas cores que vamos mergulhando cada vez mais nesse diferente romance de época. A química entre os personagens é avassaladora, os personagens são ousados e o diferente cenário aconchegante.

Senti que esse livro tem mais cenas “hot” que os demais e tudo fica mais picante justamente pela protagonista já ser “vivida”. Ela não tem papas na língua e nenhum tipo de pudor. Mais que isso, ela é calculista, destemida, ambiciosa e dominadora. Esse é um conjunto de adjetivos que eu não aprovaria em uma mesma pessoa, mas Marcelline faz com que nos simpatizemos com ela. Seu passado marcado pela dificuldade e sofrimento a tornou assim e acaba que se torna quase impossível criticá-la.

No entanto, a personagem nos conquista através do seu amor incondicional pelas irmãs mais novas e pela sua pequena filha; através do seu incrível dom com a moda e da sua força e determinação. Ela é o típico exemplo de mulher que poderia ser um nada, mas faz tudo para ter, no mínimo, uma vida digna. Como criticar uma pessoa assim?

O choque entre os mundos de Marcelline e Clevedon é gigante, afinal, não seria nada aceitável um duque ter um relacionamento com uma mera comerciante. No entanto, o sentimento entre eles cresce rápido demais e é claro que quão rápida a paixão nasce, quão rápido são os mexericos na alta sociedade. E agora? Será que Clara vai aceitar fazer seus vestidos com uma modista que está ameaçando seu futuro noivado? Será que as damas londrinas verão a modista com bons olhos? E a modista? Ela conseguirá se manter longe dos encantos do duque para manter viva sua loja e fonte de sustento? Só lendo para saber. :)

Esse é o primeiro livro da série “As Modistas” que conta com mais três livros. A diagramação, como sempre, está impecável, as folhas são amareladas e as letras estão com um aumento razoável. A leitura se tornou fluida depois que me envolvi mais com a história e amei conhecer um pouco mais sobre os trajes do século XIX. Indico!

Mais quotes:

“Você sabe que voltará. Para mais vestidos que lhe deem força para lidar com homens idiotas.”

"A vida não era uma roda que girava sem parar. Nunca voltava ao mesmo ponto. Não se limitava a um simples vermelho e preto e um leque de números. A vida ria da lógica. Sob o manto de ordem imposta pelo homem, a vida era uma total anarquia."

“Ela era incorrigível. Era a mulher mais insensível, calculista, irritante... E ele era um cãozinho, porque ainda a queria.”

Visite o blog: http://versosenotas.blogspot.com.br/ onde tem essa resenha e muito mais!!


site: http://versosenotas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Alice - @enjoybookss 09/07/2016

Sedução de Seda
Bom, a cada página você se sente envolvida com a personagem. Eu fiquei louca para saber o que acontecia no capítulo seguinte.

site: https://blogmixbooks.blogspot.com.br/2016/06/seducao-da-seda-da-loretta-chase.html
comentários(0)comente



Jucy 08/07/2016

A modista e o duque, um casal improvável!
Bem... comecei a ler esse livro com boas expectativas, embora não altas. Só li um livro da Loretta, O príncipe dos canalhas, fui com muita sede ao pote e infelizmente, não correspondeu as minhas aspirações. Então, fui com mais calma com esse, e ainda bem. Achei as 100 primeiras páginas maçantes, a leitura não fluía, e até achei que estava de ressaca literária, mas não rolou. Apesar de ter uma boa proposta, faltou algo para engrenar legal. Mas nem so de pontos negativos, se fez a estória. Amei o Clevedon, e todo o seu jeito impulsivo e bem humorado. Acho que a mocinha, Marcelline que não me convenceu, algo nela me incomodou a ponto de estragar minha leitura. Apesar de que do meio em diante, melhorou consideravelmente, e os pontos engraçados foram cruciais. E a princesa Errol? Ri horrores com ela, garota esperta! Enfim... Vou dar continuidade a série, tenho a sensação que o próximo livro pode ser melhor! Não foi minha melhor leitura de época, mas deu pra distrair!
comentários(0)comente



Silvana - Blog Prefácio 03/07/2016

Tanto Edward Noirot, como Catherine DeLucey,, pensavam estar dando o golpe do baú quando fugiram para se casar. Mas os dois estavam enganados. As duas famílias estavam falidas e quando descobriram isso, caíram na gargalhada. Desse casamento, nasceu três lindas garotas, as irmãs Marcelline, Sophia e Leonie, hoje proprietárias da Maison Noirot. Marcelline é o cérebro criativo, ela quem desenha os modelos. Sophie é quem convence as clientes a levar os vestidos e Leonie é a responsável pelos números. E quando elas descobrem que o duque de Clevedon está voltando para Londres para pedir Lady Clara Fairfax em casamento, elas veem nisso a oportunidade de conquistar as clientes tradicionais que ainda são fiéis as antigas modistas.

Serão dois coelhos em uma cajadada só. Primeiro que quando alguém vai se casar com um duque, isso significa, vestido de noiva, enxoval e um guarda roupa completamente novo. E com com a nova cliente com certeza virão muitas outras. E segundo, Lady Fairfax se veste muito mal. Apesar de linda e dona de um dote invejável, o sonho de qualquer homem, Marcelline tem pena das roupas horríveis que a mãe de Clara obriga-a usar. E Marcelline sabe que para conseguir isso, ela terá que convencer o dono do dinheiro, e parte para Paris em busca do duque. Antes de se apresentar, ela estuda os gostos e hábitos do duque e claro que quando ele a vê, ele fica louco por ela, que está preparada para seduzi-lo. Mas quando o duque descobre suas intenções, ele fica furioso, porém até isso fazia parte do plano de Marcelline. O que ela não esperava, é que fosse se encantar pelo duque.

"Marcelline disse a si mesma que ele era apenas um homem e que ela entendia muito bem como esses seres funcionavam. Mas seu lado racional não tinha a minima chance de ser levado em consideração."

E Marcelline é pega em seu próprio jogo ao encontrar um adversário à altura. Os dois se vêem envolvidos em um jogo de sedução, que no fim não será bom para nenhum dos dois. E quando ela percebe, já aceitou uma aposta que faz com que toda sociedade parisiense acredite que ela é o novo bicho de estimação do duque. Para tentar consertar as coisas, Marcelline volta para Londres o mais rápido possível, pensando em uma boa história para contar, antes que as notícias de Paris cheguem aos ouvidos de todos. E ela consegue reverter a história a seu favor. O problema agora, é que o duque não sabe mais se ainda quer pedir a mão de Clara em casamento. Ele não consegue não comparar as duas, mesmo que sejam tão diferentes. E vai caber a Marcelline ajudar Clara a atrair a atenção do duque. Só que enquanto ajuda Clara, seu coração quer fazer exatamente o contrário do que diz sua mente.

"Poucas semanas se passaram desde que a conhecera, mas parecia que a desejava havia séculos. Parecia uma eternidade, na qual vivera de sonhos, fantasias e lembranças que o assaltavam, assombrando seus dias e noites. Agora, ele se sentia vivo, finalmente, depois de passar uma vida inteira andando como um sonâmbulo."

Já tinha lido dois livros da autora e amei os dois, por isso nem pensei duas vezes quando vi mais um livro dela nos lançamentos. Sedução de seda já começa com um enorme diferencial em relação a outros romances de época, a nossa protagonista não é uma solteirona a procura de casamento, pelo contrário, ela trabalha e não precisa de nenhum homem para sustentá-la. Ela não está preocupada com sua honra, ela nem liga para isso, o que importa são os clientes que ela vai conseguir e o dinheiro com que eles vão pagar seus vestidos. Essa ideia da autora escrever uma série sobre modistas foi muito boa, já que as modistas e outros trabalhadores são praticamente ignorados em outros romances do gênero. E também, essa categoria de trabalhadores sofrem na pele o preconceito dos considerados damas e cavalheiros.

A autora acertou, porque a história é maravilhosa e não vejo a hora de ler os outros livros com as irmãs da nossa protagonista. Novamente a autora me ganhou com seus diálogos inteligentes. E também ela não foca apenas no romance, tem toda uma história acontecendo em volta e novamente o suspense e a aventura tomou conta de boa parte da história. Marcelline é perfeita como protagonista. Ela é inteligente e sabe usar tudo o que acontece a sua volta a seu favor. Clevedon foi mais um que ganhou meu coração. Ele sabe o que quer e não se importa de fazer o que é certo, nem abre mãe de sua felicidade por causa dos costumes. E outra pessoa que eu gostei muito, foi da Clara. Ela seria a antagonista no caso, mas ela é tão legal que a gente fica torcendo por ela. A edição como sempre está impecável. A Arqueiro tem se destacado nos romances de época e essa capa foi mais uma que me ganhou. Recomendo o livro com certeza.


site: http://blogprefacio.blogspot.com.br/2016/06/resenha-seducao-da-seda-loretta-chase.html
comentários(0)comente



Blog MDL 02/07/2016

Marcelline Noirot é uma mulher decidida e que não acredita no poder da palavra impossível. Possuindo um talento nato para desenhar modelos de roupas inovadores, ela luta todos os dias para conseguir o seu lugar dentro da alta sociedade londrina. Entretanto, por mais que ofereça um trabalho exclusivo, nenhuma grande dama se tornou sua cliente e por isso as finanças da loja podem ficar ameaçadas. Desejando ganhar além de dinheiro, o devido reconhecimento, ela planeja dar um golpe infalível no duque de Clevedon: persuadi-lo a vestir a futura duquesa com os seus modelos. Sem nunca tê-lo visto, ela não estava preparada para o choque que seria encarar a sua beleza e enfrentar a sua obstinação diante do que deseja.

O duque de Clevedon passou um longo tempo fugindo das suas responsabilidades. Por ter herdado o título jovem demais, nunca se sentiu pronto para lidar com tudo o que viria junto com a sua denominação de duque. Por isso que mesmo tendo certeza do seu amor por lady Clara, ele não sentia que era o momento certo para se casar e pôr fim a toda diversão que estava tendo em Paris, ainda mais quando ele conheceu a bela Marcelline. Diferente das mulheres que ele estava acostumado a lidar, ela era extremamente direta com aquilo que queria e não segurava a sua língua afiada nem se sua vida dependesse disso. E quando ela revela as razões para estar diante dele, ele não pode fazer nada além desejá-la ainda mais.

Em "Sedução da Seda" nós temos personagens de personalidade e atitudes dúbias. Diferente do que costumamos ver nós livros de romance de época, esses desvios de caráter não estão presentes apenas nas figuras masculinas, pelo contrário, eles se estendem e alcançam as mulheres dessa história. E é a isso que eu atribuo a enorme quantidade de críticas que li a respeito do comportamento desses personagens. Verdade seja dita, independente de lermos esses livros com o pensamento de que eles se passam em outra época ou não, alguns leitores ainda não conseguem digerir com facilidade uma postura mais proativa das mocinhas - principalmente, se isso significa competir com os heróis na execução de canalhices de toda sorte.

Engraçado que o principal argumento das pessoas que não gostaram da história, foi justamente o que mais me atraiu nela. Além, é claro, da escrita impecável de Loretta Chase, temos personagens que são marcantes cada um a sua maneira. Marcelline é o tipo de pessoa que choca com a sua autencidade e sua falta de escrúpulos, ela possui uma determinação nata para perseguir aquilo deseja tal qual o duque, porém, enquanto ele leva isso para um âmbito pessoal, ela o utiliza para atingir o sucesso que deseja. Ela estaria errada por ser ambiciosa e não se importar com as consequências de suas ações? Sinceramente, essa é uma questão subjetiva e que adentra o campo da ética, da moral e da educação.

É por isso que aceito sim a desculpa dela de ser inescrupulosa por causa dos pais. Afinal, se o seu referencial lhe apresenta as falcatruas, as enganações e o mal caratismo como coisas que podem ser realizadas sem punição, como lutar contra isso por si só? Ainda mais em situações limítrofes? Pois bem, mesmo que essa resenha esteja parecendo uma tese de defesa, acredito que é importante analisar todas essas pontuações mesmo que o foco principal seja no romance. Penso que os livros são uma fonte riquíssima de conhecimento haja vista o seu poder de colocar o indivíduo em situações que talvez de outra maneira ele não tivesse contato, e a sua magia se torna ainda maior quando eles são capazes de mostrar que a vida e as pessoas não são perfeitas e não condizem com a nossa idealização, mas sim com a sua própria realidade de vida.

Tendo isso em mente, posso dizer sem sombra de dúvidas que "Sedução da Seda" foi uma história deliciosa de ser acompanhada. O gênio forte de Noirot fez um contraponto ideal para a maneira relapsa que Clevedon encara as suas responsabilidades. Gostei da abordagem de Chase nesse sentido, pois mostra de maneira muito palpável como a mulher também pode ser a figura racional de uma relação. A respeito do triângulo amoroso, ele funciona mais como um termômetro entre o casal do que como uma disputa de fato. É difícil saber a extensão dos danos disso em Clara nesse livro, porém, conseguiremos entender melhor as minúcias do que ocorreu no quarto volume da série que será dedicado a ela.

Aliás, pela frente conheceremos um pouco mais das irmãs de Marcelline que são tão ardilosas quanto ela, por isso se você não gostou da premissa desse livro, é pouco provável que gostará dos demais volumes de "As Modistas". Entretanto, se depois de tudo o que disse lhe restou um desejo de conhecer esses personagens, indico a leitura veementemente. Você pode odiar? Com toda certeza. Mas você também poderá ver o mesmo que eu: personagens humanos e que dão vazão a essa humanidade através de suas gigantescas falhas e a vontade imensurável de acertar.

site: http://www.mundodoslivros.com/2016/06/resenha-seducao-de-seda-por-loretta.html
comentários(0)comente



Mundo de Tinta 28/06/2016

Marcelline Noirot não sabe o que é desistir, não importa o que seja, ela dá um jeito de conseguir. E o premio da vez é vestir a futura duquesa de Clevedon, Lady Clara Fairfax. E a técnica da moça foi atrair o próprio duque. Uma mulher linda e muito bem vestida, quem resiste?! O duque é que não foi, na verdade ele ficou obcecado pela morena de sangue quente. O que ela não esperava era perder o controle da situação e dessa forma ter que fugir de Paris antes que ficasse pior
“... A vida não era uma roda que girava sem parar. Nunca voltava ao mesmo ponto. Não se limitava a um simples vermelho e preto e um leque de números. A vida ria da lógica.
Sob o manto de ordem imposta pelo homem, a vida era uma total anarquia. Mesmo assim, toda vez que ela atrapalhava seus planos, Marcelline fazia outros e recuperava alguma coisa. Algumas vezes, até triunfava. Sua grande característica era a resiliência.
Independentemente do que acontecesse naquela noite, ela tiraria o maior proveito possível.” Pág. 59
Mas Marcelline tinha seus motivos para enfrentar a vida sempre de frente e de cabeça erguida. Suas responsabilidades eram tamanhas que a moça não tinha tempo de se acovardar nem sentir medo.
“... Ele a julgara mal. Havia formado uma ideia errada a seu respeito.
A loja não era um buraco em uma esquina, mas um estabelecimento adequado e bonito. A jovem tinha família. Era mãe.
Ele não devia confiar nela. Disso tinha certeza. Quanto a todo o resto... Ele a julgara errado, a entendera mal e, agora, sentia-se outra vez no mar.
Um mar bem agitado.” Pág. 111
E assim várias situações vão surgindo, aproximando cada vez mais esses dois. Mas Marcelline não perdia seu foco que era ter como cliente a futura esposa de Clevedon. Mas o duque não estava enxergando as coisas da mesma forma.
“... Ela lembrou a si mesma que duques não eram como os outros homens. Conseguir o que queriam, durante toda a vida, causava danos aos seus cérebros.” Pág. 251
E dessa forma, esses dois se atraem e se repelem esperando pra ver quem desiste primeiro...
Gentem... que livro fofo!!
Primeiro livro da Loretta que leio e fiquei apaixonada pelo estilo dela. Adorei a forma como ela explora as outras classes sociais. A grande maioria dos romances de época se prende a nobreza e a realeza, mas Loretta entra no mundo dos burgueses com vontade e nos mostra toda a dificuldade, toda a determinação que era necessário pra ser notado pela nobreza, que sempre era o objetivo.
Loretta nos presenteia com uma história de amor, renúncia, determinação e conquistas super merecidas.
Essencialmente recomendável!

site: http://blogmundodetinta.blogspot.com.br/2016/06/resenha-de-tinta-seducao-da-seda.html
comentários(0)comente



Malucas Por Romances 26/06/2016

Acho que estou ficando viciada em romances de época haha
Sedução da Seda é o primeiro livro da série As Modistas, lançamento desse mês da Editora Arqueiro. Já li outros livros da autora Loretta Chase como: O Príncipe dos Canalhas e O Último dos Canalhas, também publicados pela Editora Arqueiro, então não tive dúvidas e pedi para resenha. Amo a escrita da autora. Embarquei nessa leitura já sabendo que ia amar.

"Sua mente parecia ser um livro aberto para aquela mulher, que já havia passado pelo sumário e a introdução, indo diretamente ao primeiro capítulo."

O livro conta a história de Macelline Noirot, ela é a mais velha entre 3 irmãs. Elas são modistas e fazem de tudo para conquistar novos clientes. Macelline vai à Paris só para se encontrar com o Duque Clevedon com o objetivo da fazer as roupas de lady Clara, que será em breve a duquesa. Para isso ela vai entrar num jogo arriscado de sedução que ela pode sair queimada. Ela é ambiciosa e se for preciso vai seduzir o Duque Clevedon, mas o feitiço pode virar contra o feiticeiro.

Quando o livro chegou fiquei super animada para ler. Já estava a um bom tempo sem ler romances de época e estava com saudades de viajar em uma época de vestidos lindos e carruagens. Esse ano vou ler muito mais romances de época porque a nossa parceira Editora Arqueiro está lançando vários esse ano, e claro que vou acompanhar as séries. Foi com a editora que tomei gosto pelos romances de época. Muito bom ir para uma época sem sair do lugar. Isso só os livros são capazes de proporcionar.


O livro me chamou atenção por causa do tema modista e claro por essa capa super bonita. Amo os vestidos de época e nessa história com certeza não vai falta vestidos e seus detalhes para você sonhar. A autora escreve com uma riqueza de detalhes que é impossível você não se imaginar em um lindo vestido dessas modistas.

"As mulheres são caprichosas e difíceis de agradar, é verdade. Os homens, por sua vez, são mais fáceis, porém têm muitos caprichos."

Macelline Noirot tem um ateliê junto com suas três irmãs. Ela é ambiciosa e de certa forma a frente do seu tempo. Ela faz de tudo para que o ateliê vire um sucesso e que fique tudo bem com sua família, Uma mocinha que sabe o que quer.

Resenha completa no blog

site: http://malucaspor-romances.blogspot.com.br/2016/05/resenha-seducao-na-seda-as-modistas.html
comentários(0)comente



Beta Oliveira 26/06/2016

Se o terço inicial é marcado pela provocação, o meio é sedução e paixão explosiva, já a reta final fica romântica. Foi agradável e divertida. E se não fosse as partes que me deram a sensação de trama arrastada, eu daria nota máxima.

No Literatura de Mulherzinha, o texto completo do 1º livro da série As Modilstas, de Loretta Chase da Editora Arqueiro.

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2016/06/cap-1206-seducao-da-seda-loretta-chase.html
comentários(0)comente



Nanda | @bluecandybooks 26/06/2016

Adorei
Eu não tinha o costume de ler muitos livros de época, na verdade eu comecei a investir nesses livros esse ano, meu primeiro foi o Duque e eu, e agora, depois de tantos elogios a respeito desse livro, resolvi ler também.

Sedução da seda conta a história de Marcelline Noirot, uma modista em Londres que faz vestidos únicos e chiques para as mulheres da alta nobreza, esposas de condes, viscondes, etc. Ela mora com as duas irmãs que assim como ela também são modistas, e uma filhinha de 6 anos. Toda a ambição de Marcelline é centrada na loja dela e em fazer vestidos para as mulheres de posições mais altas da sociedade, até que um dia ela fica sabendo do casamento do duque de Clevedon com a Marquesa Lady Clara e resolve correr atrás do Duque para fazê-lo convencer a noiva de fazer seu vestido de casamento em sua loja. Mas, o que começou apenas como um jogo de ambições e objetivos visando a loja, acaba em romance, Marcelline acaba por se apaixonar pelo Duque e ele por ela, e MON DIEU que romance! rs

Marcelline é sedutora, tem pose, é firme e forte, uma mulher única na sociedade londrina daquela época. Suas irmãs são do mesmo jeito, e devido ao tanto de problemas que elas passaram durante a vida, vemos o quanto são fortes e unidas.
O Duque é um mulherengo,engraçado e não se importa com nada realmente importante na vida, vive a vida de qualquer jeito, só pegando mulheres e jogando, até que Marcelline surge em sua vida e transforma de cabeça para baixo.

Eu amei o romance deles, era engraçado, intenso, sexy e um tanto dramático, típico de um romance inglês daquela época, são tão divertidos os dois juntos, você só consegue torcer por eles do começo ao fim. Tem também a noiva do duque mas ela fica um pouco de escanteio quando ele começa a correr atrás de Marcelline, e o que eu achei divertido foi o fato de um rapaz como ele sempre tão despreocupado e tal, correr atrás de uma mulher, nem ele mesmo consegue acreditar nessa mudança rs.

Apenas uma coisa me incomodou no livro, foi o fato de Marcelline às vezes ficar se colocando pra baixo, isso foi meio chato em alguns momentos, mas os outros momentos do livro compensaram esse e por isso levou um 5. Já estou louca para ler os outros livros com as irmãs de Marcelline.

Não posso deixar de citar minha frase favorita do livro, que não foi feita pela protagonista, mas pela secundaria e me identifiquei bastante com essa citação;

"(...) Se vai ser assim, você melancólico e distraído cada vez que cair na luxúria por alguma mulher... bem, não tenho estômago para tanto. Não vou tolerar uma coisa dessas. Não por um ducado. Não por três ducados. Eu mereço mais do que o papel de uma esposa que aceita tudo calada. Eu sou uma mulher interessante. Eu leio. Tenho opiniões. Eu aprecio poesia, tenho senso de humor... Eu mereço ser amada. Verdadeiramente amada; mente, corpo e alma. Caso não tenha notado, existe uma fila de homens prontos para me oferecer tudo isso. Por que cargas d'Água eu aceitaria um homem que não pode me dar nada além de amizade? Por que eu deveria aceitar você?"

Só esse trecho já merece 5 estrelas né? Kk enfim, livro maravilhoso, adorei, amei. Mais que recomendado!
comentários(0)comente



Quel 24/06/2016


Sedução da Seda é o primeiro livro da Série As Modistas que compõem 4 volumes, onde os 3 primeiros volumes relata a história de uma das talentosas e ambiciosas irmãs Noirot: Marcelline, Sophia e Leonie.

Descendentes dos infames Deluceys, uma família de notórios vigaristas aristocratas, elas chegaram a Londres para sacudir o mercado da alta costura dos anos 1830. E para alcançar o sucesso e transformar a Maison Noirot na butique preferida das nobres inglesas, essas brilhantes mulheres de negócios farão qualquer coisa. Afinal, se por um lado lhes faltam escrúpulos, por outro sobram imaginação, audácia e muita malícia.

O quarto volume relata a história de Lady Clara, personagem citada neste primeiro volume. Apesar de estar ansiosa para conhecer a história das irmãs, Sophia e Leonie, estou com expectativas para o romance de Lady Clara que neste volume não teve um final feliz apesar de merecê-lo.

Em Sedução da Seda fui apresentada a uma incrível história de amor que é até capaz de fazer com que o mundo acreditasse que esse casal foram perfeitos um para o outro, ou quase todos.

Quando a Editora Arqueiro anunciou a alguns anos atrás que estaria trazendo uma série da Loretta Chase eu não imaginava que mais uma série de romances de época fosse conquistar meu coração.

As Modistas é uma série com uma abordagem muito diferente do que conferimos nos demais romances do gênero, e não é somente por ter como tema os prazeres que a costura trás para algumas mulheres. O que vemos é três mulheres que cresceram em meio a uma sociedade exigente que zela acima de tudo um bom matrimônio, construindo seus próprios cominhos independentemente para onde eles a levarão, pois o principal foco é a independência financeira das irmãs que fora afetadas devido ao histórico deixado por seus pais.

Marcelline Noirot é a mais velha de três irmãs que chegaram a Inglaterra ainda muito jovens. As irmãs Noirot passaram anos para construir o atelier, Maison Noirot que apesar de ter algumas boas clientes ainda não é bem conhecido na sociedade inglesa. E é justamente por essa situação que Marcelline Noirot após ser informada que o Duque de Clevedon esta a retornar para Londres com o intuito de oficializar seu casamento com Lady Clara Faifax, toma como missão fazer com que o Clevedon a ajude a convencer sua futura esposa, Lady Clara que o Maison Noirot será o atelier que fará o seu vestido de casamento.

Sendo assim, Marcelline toma como única alternativa seduzir o Duque de Clevedon. Porém, não é a sua intenção prosseguir com tais façanhas, pois nada seria mais grave que uma modista com fama de seduzir os companheiros de suas clientes.

Clevedon e Lady Clara são amigos de infância e desde muito jovem foram prometidos um ao outro, apesar do noivado de fato nunca ter sido selado. No entanto, apesar de ter a intenção de selar de uma vez o compromisso com Lady Clara, após conhecer Marcelline seu único foco é tê-la em sua cama.

Eu estou costumada a este tipo de infidelidade nos romances de época, não que seja uma regra porém isso é muito dito nesses romances, desta vez eu fiquei muito triste com essa situação, pois Lady Clara é uma jovem linda e não merece esse tipo de atitude de um homem que a fez esperar por anos, mas a boa notícia é que sua família é tão importante que quem sairá escandalizado, afetado é o próprio Duque de Clevedon caso o fato venha a público.

Não sei como me sinto a respeito do Duque de Clevedon, é notável como ele é encantador, mas é um devasso, um libertino irresponsável, egoísta sem um propósito na vida além de desfrutar dos seus prazeres.


" Elas tinham visto Senhora Clara Fairfax em várias ocasiões. Sua beleza era impressionante: de cabelos louros e de olhos azuis e pele clara. Desde seus numerosos incluíam alta classe, uma linhagem impecável e um dote esplêndido; os homens se jogavam a seus pés onde quer que ela passasse. "


Marcelline apesar de mostrar interesse por Clevedon quer que este casamento aconteça, porque embora Lady Clara seja só uma propaganda para o Maison Noirot, provavelmente não haverá um outro casamento de alguém com metade do prestigio de Lady Clara.


"(...) Uma imagem do mundo que ele havia deixado de lado lhe veio à mente: um mundo pequeno, chato, com seus dias e noites vazios, e as diversões inúteis com as quais tentou preenchê-lo. Lembrou-se de lorde Warford lhe dizendo: “Você parece determinado a desperdiçar a sua vida. "


O que notei a cada virar de páginas ao ver o caminho em que o jogo de sedução de Marcelline levava estes personagens foi que apesar de sua falta de escrúpulos, ela é determinada e sabe o que quer, pois a partir do momento em que decidiu ter está missão fez o possível e o impossível para se sair vitoriosa e isso foi o que mais admirei nesta personagem, sua garra e força de vontade, para ela não importa o que a sociedade ache a seu respeito, ela é capaz de tudo por sua filha de 6 anos, Lucie Cordelia e irmãs.

O Duque de Clevedon me surpreendeu, apesar de esperar por tal atitude cavalheiresca de sua parte, fui surpreendida com o final, é surpreendente como os Romances de Época são capazes de apresentar nitidamente a evolução de um personagem marcado por atos e atitudes inapropriadas com um simples, talvez não tão simples, ato nobre.


Sedução da Seda me deu como mensagem que as mulheres podem triunfar, mesmo com as dificuldades impostas pela sociedade, nós somos capazes de alcançarmos nossa independência, e respeito. Seguindo por caminhos, espinhosos ou não, superamos as cicatrizes do passado e construímos uma nova história, uma história melhor.


site: https://raquel-ebooks.blogspot.com
comentários(0)comente



Greice Negrini 22/06/2016

Um sonho em vestidos!
Londres no século XIX foi o lugar escolhido pelas irmãs Noirot para instalarem seu ateliê. Marcelline é a irmã mais velha de três mulheres lindas que foram deixadas por pais cuja especialidade sempre foi a de enganar pessoas ricas, mas a cólera que invadiu a Europa os levou para outro lugar no além. Depois disto e de um casamento que também levou seu marido, Marcelline precisava sobreviver e a única coisa que as irmãs sabiam fazer bem eram costurar e criar grandes obras em vestidos e vestimentas para as mulheres. Assim surgiam as grandes modistas, as quais se denominavam.

Clevedon já estava há três anos viajando pela Europa e agora em Paris também aproveitava ainda mais as mulheres bonitas. Desde pequeno convivera com a família Fairfax e por ter ficado órfão cedo demais eram eles que cuidavam de toda sua herança de duque. E era também a promessa dele de se casar com Clara Fairfax, depois que ele resolvesse todas as questões de sua vida. Mas a verdade é que agora já tinha passado tempo demais e Clara estava esperando por ele e apesar de tudo ele ainda não havia voltado para Londres para pedir a mão de sua grande amiga e pretendente em casamento.

As Noirot apesar de possuir uma loja bonita, ainda não conseguiram as grandes clientes de Londres e tudo o que precisam é conquistar uma grande cliente e assim fazer com que a nobreza da cidade se encante e logo começará a chover pedidos de novos vestidos. Para isto Marcelline tem a ideia de conquistar a atenção do duque Clevedon para que ele faça com que sua futura esposa aceite ser atendida pelas modistas e assim conseguirem toda a realeza de Londres.

Quando Marcelline consegue chamar a atenção de Clevedon e deixa claro a ele que o que precisa e o que quer é somente a atenção de sua futura duquesa, o que ele entende é a inusitada sensação de estar sendo roubado, mas aos poucos começa a conhecer a mulher encantadora que tem a sua frente e aos poucos vai ficar na dúvida entre seu encanto por Marcelline ou seu amor e amizade por Clara Fairfax.

Nem preciso falar o quanto a editora Arqueiro teve um gosto belíssimo para a capa da saga As Modistas. O glamour foi totalmente captado nesta saga e só pela introdução de Sedução da seda dá para alguns leitores confessarem que escolheram o livro pela capa que foi um tanto verdadeiro no meu caso, mesmo amando a autora e os romances de época. Mas como não se afeiçoar em capas tão lindas e bem trabalhadas? Para você que ainda não leu a história pode ficar tranquiliza que ela é totalmente coerente com a personagem de Marcelline, não somente pelos vestidos que ela cria, mas também pelas características físicas.

Quem gosta do quesito das vestimentas dos romances de época vai gostar bastante desta obra. Como retrata um ateliê de costura, tem bastante relato de tecidos, rendas, modelos de vestidos diferentes e todos os apetrechos utilizados na época. Ás vezes me pego pensando como alguém conseguia usar tantas peças ao mesmo tempo e ficar de pé porque parece que pesa horrores, mas é totalmente lindo ao meu ver. É muito legal ficar imaginando as diversas peças que a leitura deixa claro que Londres sempre foi muito pior em classe do que Paris.

Um ponto positivo também nesta obra é que mesmo que saibamos que todo romance de época tem o seu clichê, este ficou bem mais suave. Ficou mais focado no lado do ateliê em si e em quanto as irmãs lutavam para conseguir fazê-lo crescer com o jeito e o encanto delas. Mas também tinha a forma de Clevedon e Marcelline de estarem sempre juntos ou se esbarrando e não ficava aquela coisa chata de cenas de gato e rato, apesar de que os diálogos serem tempestuosos em certos momentos.

A personalidade de Marcelline é ótima. Ela deixa bem claro suas intenções é claramente inteligente e sagaz. Você se apega fácil a tudo e a todos e fica torcendo até mesmo por personagens secundários.
Fiquei tão feliz por esta obra diferenciada que não foca só no casal o tempo todo. E como também é mais ingênua. Já li outros livros de Loretta Chase com a saga dos Canalhas e nesta obra parece que ela mudou o jeito de escrever, ficou mais pomposo para o lado da moda.

São mais três livros para a saga de As Modistas e mais duas irmãos, então fico totalmente curiosa para saber qual será o quarto livro da saga! Mas também espero ansiosa o segundo livro, que será sobre a irmã ruiva, Sophie Noirot em Escândalo de Cetim.


site: www.blogandolivros.com.br
comentários(0)comente



125 encontrados | exibindo 91 a 106
1 | 2 | 3 | 4 | 7 | 8 | 9