Clarice Lispector Todos os Contos

Clarice Lispector Todos os Contos Clarice Lispector




Resenhas - Clarice Lispector Todos os Contos


49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Geórgia 26/08/2020

Dois anos lendo e relendo Clarice!
Foi muito interessante revisitar alguns contos que li na época do vestibular e conhecer muitos outros.

Ler Clarice algumas vezes sufoca, algumas vezes dá um nó na cabeça (desisti de entender ?o ovo e a galinha?) e quase sempre liberta alguma coisa lá dentro da gente. Adoro como ela brinca com o fluxo de consciência e constrói diálogos, adoro a ironia e a acidez também, adoro que se trate de uma leitura para ser sentida.

Essa mulher é uma bagagem literária obrigatória, o que ela faz com as palavras eu defino como feitiço - assim como minha professora de literatura definia. Meu conto preferido da vida é ?Perdoando Deus?.

Não sei se compreendo tudo que li e talvez reinterprete tudo diferente quando reler algum desses contos, mas o que fica após essa leitura é mais admiração. Clarice Lispector é uma imensidão a ser explorada (e não somos todos nós?).
comentários(0)comente



Maria 07/08/2020

Aquela bruxa que ninguém entende, mas todos amam.

Entre tantos contos magníficos, "Felicidade clandestina" continua sendo o meu favorito.

Quanta sensibilidade!
comentários(0)comente



Alexandre Kovacs / Mundo de K 07/06/2016

Clarice Lispector - Todos os Contos
Editora Rocco - 656 páginas - Prefácio e Organização de Benjamin Moser (lançamento Maio de 2016).

Uma bela e merecida homenagem à obra de Clarice Lispector que recebe pela primeira vez no Brasil um tratamento editorial compatível com a importância da sua obra. A antologia, lançada nos Estados Unidos no ano passado, foi relacionada na lista dos melhores livros de 2015 além de ter sido escolhida como uma das 12 melhores capas do ano, ambas as premiações pelo prestigiado New York Times. Em 2016 já levou o Pen Translation Prize de melhor tradução, provando que a sua trajetória internacional está apenas começando. Esta versão conta com um apaixonado prefácio ("Glamour e gramática") do seu melhor e mais fiel biógrafo, o escritor, editor, crítico e tradutor Benjamin Moser, que foi o grande responsável pela divulgação da autora no mercado internacional, lançando em 2009 "Why This World: A Biography of Clarice Lispector" (traduzido no Brasil como "Clarice" pela Cosac Naify), biografia incluída entre os 100 livros notáveis de 2009 pelo New York Times Book Review. Os contos de Clarice retornam afinal ao seu país de origem, apesar de serem universais, como fica cada vez mais evidente. Sejam todos bem-vindos ao culto da encantadora feiticeira Clarice Lispector.

A leitura (ou releitura) dos oitenta e cinco contos, permite comparar as diferentes fases de Clarice como escritora, desde os primeiros textos da adolescência até a maturidade. Os contos reunidos no capítulo inicial, "Primeiras histórias", resgatam a obra da juventude e foram publicados durante os anos em que estudava Direito no Rio de Janeiro antes do casamento com o diplomata Maury Gurgel Valente e de sua saída do Brasil, assim como também anteriores à sua estreia com o romance "Perto do Coração Selvagem". Ela nunca se adaptou ao exílio e, durante os dezesseis anos que viveu no exterior, a sua tendência à depressão se acentuou. Na verdade, sempre foi uma estrangeira no Brasil e em todos os países em que viveu, isto acabou beneficiando o seu processo criativo, libertando-a da normalidade, uma espécie de "alienação cultural produtiva", como destacou Benjamin Moser.

"Como é que Clarice Lispector — logo ela — conseguiu triunfar? Ela vinha de uma tradição de fracasso, de uma tradição de falta de tradição, como escritora brasileira, como escritora, como mulher, mas talvez principalmente em consequência de suas origens. Seus primeiros anos de vida foram tão catastróficos que é um milagre que haja conseguido sobreviver. Nasceu em 10 de dezembro de 1920, numa família judia do oeste da Ucrânia. Era uma época de caos, fome e guerra racial. Seu avô foi assassinado; sua mãe foi violentada; seu pai foi exilado, sem um tostão, para o outro lado do mundo. Os restos dilacerados da família chegaram a Alagoas em 1922. Lá, seu brilhante pai, reduzido à condição de vendedor ambulante de roupas usadas, mal conseguia alimentar a família. Lá, quando Clarice ainda não tinha nove anos de idade, perdeu a mãe, levada pelos ferimentos sofridos durante a guerra. (...) Em 25 de maio de 1940, publicou o primeiro conto: "O triunfo". Três meses depois, seu pai faleceu aos cinquenta e cinco anos de idade. Antes de seu vigésimo aniversário, Clarice estava órfã. No início de 1943, ela se casou com um gentio, algo quase sem precedentes para uma moça judia no Brasil. No final daquele ano, pouco depois de ter publicado o primeiro romance, ela e o marido deixaram o Rio de Janeiro. Em um curto espaço de tempo, portanto, deixou sua família, sua comunidade étnica e seu país. Deixou também a profissão, o jornalismo, em que vinha se destacando." (Prefácio de Benjamin Moser - "Glamour e Gramática" - págs. 17 a 19)

Outro fato bem destacado por Benjamin Moser para explicar a mitologia de Clarice Lispector é que ela representa um caso raro de mulher burguesa que não começou a escrever tarde e não parou por causa do casamento ou dos filhos nem tampouco encerrou prematuramente a carreira devido ao consumo de drogas ou ao suicídio. Clarice declarou uma vez que não gostava de ser comparada a Virginia Woolf porque ela havia desistido: "O terrível dever é ir até o fim". Importante notar também que foi aberto espaço na literatura brasileira da época, saturada do realismo de Graciliano Ramos e Jorge Amado, para a vida urbana e a classe média, principalmente na visão das mulheres. Temas como o casamento, filhos, o tédio no cotidiano das donas de casa, a separação, os efeitos dolorosos do envelhecimento e a inevitável solidão no fim da vida são elementos que formam a matéria-prima de seu processo criativo.

Após o primeiro capítulo com os textos da juventude, são apresentados todos os contos publicados originalmente nos livros: “Laços de família” (1960), “A legião estrangeira” (1964), “Felicidade clandestina” (1975), “Onde estivestes de noite” (1974), “A via crucis do corpo” (1974) e “Visão do esplendor” (1975). Encerram esta edição dois contos incompletos publicados em “A bela e a fera” (1979), dois anos depois da morte da autora. É claro que seria impossível para qualquer escritor, mesmo para a feiticeira Clarice, manter o nível de "Laços de Família" — em que todos os contos são obras-primas da literatura universal — na totalidade de sua obra. De fato, existem variações de estilo à medida em que ela amadurece, algumas vezes bastante arriscadas, provando que a autora soube vencer o medo do fracasso e da experimentação, como ela própria declarou: "Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno voo e cai sem graça no chão."

"Laços de Família" foi publicado pela Editora Francisco Alves em 1960 e reuniu alguns contos escritos quando Clarice vivia nos Estados Unidos, tais como: "Mistério em São Cristóvão", "Os laços de família", "Começos de uma fortuna", "Amor", "Uma galinha" e "O jantar" e outros que foram publicados na revista Senhor, quando ela retornou ao Rio de Janeiro, em 1959. Segundo Fernando Sabino comentou na época, o livro seria: "exata, sincera, indiscutível e até humildemente o melhor livro de contos já publicado no Brasil". Érico Veríssimo disse a Clarice: "Não escrevi sobre seu livro de contos por puro embaraço de lhe dizer o que eu penso dele. Aqui vai: a mais importante coletânea de contos publicada neste país desde Machado de Assis". Realmente é muito difícil encontrar um conjunto de contos com tamanha perfeição técnica, não só no Brasil. Todas as vezes que releio "Feliz Aniversário" e "A imitação da rosa" me surpreendo com o alcance universal dos contos, verdadeiros clássicos.

"A Legião Estrangeira" foi publicado pela Editora do Autor em 1964. A edição original era dividida em duas partes: "Contos" e "Fundo de gaveta". Há textos mais antigos, como "Viagem a Petrópolis", publicado num jornal em 1949, e "A pecadora queimada e os anjos luminosos", a única peça de sua carreira, que ela escreveu na Suíça. O conto "Mineirinho" é uma crítica social sobre um homicida que tinha uma namorada e era devoto de São Jorge, e que a polícia matou com "treze balas quando só uma bastava", uma violência que era prática comum já naquela época. Como bem destacado na biografia de Clarice, a "Legião Estrangeira" apresenta "uma forte ênfase nos mundos interiores de seus personagens, as obras de Clarice sempre tiveram um elemento abstrato. "Quando a arte é boa é porque tocou no inexpressivo" ela escreveu em G. H. "A pior arte é a expressiva, aquela que transgride o pedaço de ferro e o pedaço de vidro, e o sorriso, e o grito." E concluindo: "Tanto em pintura como em música e literatura, tantas vezes o que chamam de abstrato me parece apenas o figurativo de uma realidade mais delicada e mais difícil, menos visível a olho nu."

"Quanto ao corpo da galinha, o corpo da galinha é a maior prova de que o ovo não existe. Basta olhar para a galinha para se tornar óbvio que o ovo é impossível de existir. E a galinha? O ovo é o grande sacrifício da galinha. O ovo é a cruz que a galinha carrega na vida. O ovo é o sonho inatingível da galinha. A galinha ama o ovo. Ela não sabe que existe o ovo. Se soubesse que tem em si mesma um ovo, ela se salvaria? Se soubesse que tem em si mesma o ovo, perderia o estado de galinha. Ser uma galinha é a sobrevivência da galinha. Sobreviver é a salvação. Pois parece que viver não existe. Viver leva à morte. Então o que a galinha faz é estar permanentemente sobrevivendo. Sobreviver chama-se manter luta contra a vida que é mortal. Ser uma galinha é isso. A galinha tem o ar constrangido." ("A Legião Estrangeira" - "O ovo e a galinha" (pág. 306).

"A via crucis do corpo", publicado em 1974, é uma das obras mais polêmicas de Clarice, tendo sido considerado como "pornográfico" por parte da crítica literária, influenciada pelo ambiente repressivo da ditadura militar que moldava a sociedade da época. Nestes contos encontramos um travesti, uma stripper, uma freira tarada, uma mulher de sessenta anos que sustenta um amante adolescente, um casal de lésbicas assassinas, uma idosa de oitenta e um anos que se masturba e uma secretária inglesa que experimenta uma relação sexual com um alienígena do planeta Saturno em noite de lua cheia. Convenhamos que é um pouco demais até para o nosso tempo. Este livro reforçou a reputação de Clarice, já bastante difundida, de personalidade estranha e imprevisível, mas parece se encaixar na trajetória de experimentação e amadurecimento de uma escritora que não tinha medo de errar.

"Visão do Esplendor" foi publicado em 1975 pela Editora Francisco Alves e inclui "Brasilia" em versão inicial de 1962, escrita depois de sua primeira visita à nova capital, publicada em "A Legião Estrangeira" como "Brasília: Cinco Dias". A versão incluída nesta edição é a aumentada que escreveu após o seu regresso a Brasília, em 1974. Esta crônica, se podemos chamar assim, é tão bem escrita e criativa que marquei em amarelo praticamente todos os parágrafos do texto (além de boa parte da minha camisa). Em nossa época, na qual o cenário político é a estrela de todos os noticiários e os crimes de nossos representantes ficam cada vez mais evidentes, não deixa de ser interessante refletir sobre Brasília, o local onde dois arquitetos "não pensaram em construir beleza, seria fácil: eles ergueram o espanto inexplicado."

"— Não chorei nenhuma vez em Brasília. Não tinha lugar. — É uma praia sem mar. — Em Brasília não há por onde entrar, nem há por onde sair. — Mamãe, está bonito ver você em pé com esse capote branco voando. (É que morri, meu filho). — Uma prisão ao ar livre. De qualquer modo não haveria para onde fugir. Pois quem foge iria provavelmente para Brasília. — Prenderam-me na liberdade. Mas liberdade é só o que se conquista. Quando me dão, estão me mandando ser livre. — Todo um lado de frieza humana que eu tenho, encontro em mim aqui em Brasília, e floresce gélido, potente, força gelada da Natureza. Aqui é o lugar onde os meus crimes (não os piores, mas os que não entenderei em mim), onde os meus crimes gélidos têm espaço. Vou embora. Aqui meus crimes não seriam de amor. Vou embora para os meus outros crimes, os que Deus e eu compreendemos. Mas sei que voltarei. Sou atraída aqui pelo que me assusta em mim. (...) — É urgente. Se não for povoada, ou melhor, superpovoada, será tarde demais: não haverá lugar para pessoas. — A alma aqui não faz sombra no chão." ("Visão do Esplendor" - "Brasília" - pág. 593)

Uma autora para se ler e reler sempre e que pode ser perigosa para a nossa sanidade, mas necessária. Cuidado, assim como a sua vida, nada é o que parece em Clarice, nunca. E, principalmente, não acreditem em nada que ouviram falar sobre ela, não esperem mais, leiam vocês mesmos, logo!
comentários(0)comente



@virginiagraciela 25/03/2020

Clarice eterna
Excelente coletânea pra quem é fã, para quem nunca leu Clarice e pode começar por esse que vai se se apaixonar.

Apesar de ter meus contos favoritos, não teve nenhum que achei ruim.

O meu favorito ainda é Felicidade clandestina, mas é até injusto com tanto conto bom reunido.

E as comemorações ao centenário vão continuar
comentários(0)comente



Evellyn.Souza 14/03/2020

Alguns contos são melhores que outros, mas Clarice é Clarice.
comentários(0)comente



Carla Verçoza 23/07/2020

Edição grandiosa, é um livro que li sem pressa, absorvendo cada conto. O fluxo de consciência, a prosa poética e densa, encanta. Grande parte das personagens são mulheres que já não cabem mais no papel que a sociedade espera delas em suas épocas, mesmo quando desempenham esses papéis com maestria e aparente alegria, há sempre um "no entanto..." gerando desassossego. Os contos são apresentados em ordem cronológica. As Primeiras Histórias são ótimas, já comprovando o talento da jovem Clarice. Os contos presentes em Laços de Família são os que menos gosto. Já havia lido o livro há vários anos e realmente não consegui me conectar muito com as histórias. Nos contos de A Legião Estrangeira destaco Os desastres de Sofia, Viagem a Petrópolis e A Solução, ambos sensacionais. Os contos escritos nos anos 70 são os que mais gosto e os contidos em A Via Crucis do Corpo são impressionantes e belíssimos!

"(...) nós todos somos fracassados, nós todos vamos morrer um dia! Quem? mas quem pode dizer com sinceridade que se realizou na vida? O sucesso é uma mentira." (O homem que apareceu)

"Estavam pedindo demais de minha coragem só porque eu era corajosa, pediam minha força só porque eu era forte. 'Mas eu?', gritei dez anos depois por motivos de amor perdido, 'quem virá jamais à minha fraqueza!'." (Os desastres de Sofia)
comentários(0)comente



Gabriel 08/06/2016

Fantástico!
O livro ficou incrível! Além de bonito, é muito mais prático do que comprar todos os livros dela separadamente. Os contos são maravilhosos! Vale muito a pena lê-los.
comentários(0)comente



Ray 28/05/2020

"Por outro lado, as pessoas que me cercavam moviam-se tranquilas, a testa lisa sem preocupações, num círculo onde o hábito há muito alargara caminhos certos, onde os fatos explicavam-se razoavelmente por causas visíveis e os mais extraordinários se ligavam, não por misticismo mas por comodismo, a Deus. Os únicos acontecimentos capazes de perturbar suas almas eram o nascimento, o casamento, a morte e os estados a eles contínuos. Ou engano-me e, na minha feliz cegueira, não sabia enxergar mais profundamente? Não sei, agora parece-me impossível que na zona escura de cada homem, mesmo nos mais pacíficos, não se aninhe a ameaça de outros homens, mais terríveis e dolorosos." Trecho do conto Obsessão, escrito por Clarice Lispector e publicado originalmente em 1941.
comentários(0)comente



João 05/06/2016

Finalmente
A possibilidade de ler os contos reunidos permite outras leituras. Essa reunião enriquece diretamente a visão panorâmica da obra da autora, além de favorecer a percepção de sua evolução (?) como escritora.
comentários(0)comente



Thais.Guerra 28/04/2020

INDESCRUTIVEL, nunca um livro, contos e palavras haviam me atingido de forma tao intensa e rápida. Eu consigo me ver em todas as personagens que mesmo tao singulares seguem uma vida tradicional do patriarcado. Nunca tinha me visto tanto em uma história. Virei fã numero 1 e agora quero ler todos os livros desse gênio perfeitamente imperfeita.
comentários(0)comente



Igor.Pinheiro 13/09/2020

Minhas impressões foram de que è um livro com contos bem diversos, onde uns vc entenderá a história diretamente, sendo que outros contos, è preciso da uma relida para entender melhor.
comentários(0)comente



mardem michael 25/10/2017

"Isso não é literatura. É Bruxaria."
O que dizer desta que foi, talvez, a mais importante experiência literária que tive em toda a minha vida? Nesta edição,Benjamin Moser, fez uma organização de (quase) todos os contos de Clarice Lispector em ordem cronológica. Até então, eu sempre gostei de Clarice, mas ainda não havia entrado em contato com a literatura dela de forma tão ampla e intensa. Foram 10 meses de leitura de contos que, apesar de serem em sua maioria curtos, trazem camadas profundas da vida e do pensamento humano. Clarice não é essa dos textos de internet aos quais as pessoas atribuem à sua autoria. Clarice não é autoajuda. Ela é enigma, mistério... Um mistério que nem ela mesma conseguia decifrar. Isso é o que fez e faz sua escrita tão surpreendente, tão genial. Sou outra pessoa após ter concluído essa jornada.
comentários(0)comente



Ju 12/08/2020

demorei muitos anos para poder entender a ler essa rainha do brasil. quando consegui me envolver nos contos dela, finalmente entendi a beleza de cada palavra que ela escrevia. fantástica! quase inacreditável.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 24/11/2016

BENJAMIM MOSER é um fã declarado de CLARICE LISPECTOR. Tanto que já escreveu uma biografia e depois se enveredou numa pesquisa profunda para fazer a coletânea completa dos contos. É engraçado ver um estrangeiro fazer isso. Enquanto no Brasil nunca ocorreu de ninguém ter tido interesse em publicar um livro com todas as estórias (ou histórias) curtas da autora. Porém, brasileiro é assim mesmo. Geralmente espera alguém fazer lá fora para então trazer pra cá. Patético. No final desse volume há algumas explicações do porquê isso não ter acontecido anteriormente, mas sinceramente, não convence. Clarice Lispector - Todos os Contos foi publicado primeiro no Reino Unido e Estados Unidos. Foi considerado um dos melhores livros de 2015 e também levou o prêmio de uma das melhores capas do ano.
Pra quem não sabe, Clarice nasceu na Ucrânia, daí, ainda bebê de um mês, veio pro Brasil. Ela se dizia pernambucana. Estudou, cresceu, casou e então viveu muitos anos fora da nação brasileira. Há quem diga que ela é a maior escritora brasileira de todos os tempos.
Seus escritos, tanto contos, como artigos, trabalhos jornalísticos, etc. e tal nas décadas de 1940 até 1970 eram considerados por muitos como algo além de seu tempo ou mesmo subversivo, imoral e similares.
É comum novos leitores a conhecerem pelas frases espalhadas pelas redes sociais (da mesma forma que outros tantos escritores brasileiros e estrangeiros mortos e vivos, famosos e desconhecidos).
Então depois de sair lá fora esse calhamaço, decidiram por trazer pra cá a mesma edição com leves diferenças no tamanho e diagramação da capa. A versão brasileira tem título e nome da autora menor na lombada. Ainda na lombada, de onde se originam as rachuras (aqueles riscos rosas), na versão brasileira não está alinhado ao centro entre os lábios, na edição americana é mais caprichado. Fora isso, são outros detalhes, mas ínfimos.
A surpresa aqui foi terem mantido a mesma capa com a maior fidelidade possível da estrangeira. Capa dura e sobrecapa. É uma edição lindona, pequena, com 650 e tantas páginas. Mas... pra mim isso é o melhor deste volume.
Ele começa com um prefácio grande do organizador, onde lambe o cu da autora até o limite considerando-a como uma deusa da literatura. Então vêm os contos que tem enredos pobres, repetitivos, narrativas nada impressionantes no uso das palavras (o organizador de alguma forma quer passar em sua apresentação de que Clarice era mesmo fodona na arte da escrita). São textos fracos e que alguns deles décadas atrás causavam alguma polêmica, porém, nada que seja de impacto de verdade, pois mesmo hoje, com a sociedade atual, alguns contos são ainda considerados como uma afronta aos chamados bons costumes. Só que no meu caso como leitor de vasta bagagem, não vi algo que possa considerar como estupendo e impactante. Tem momentos interessantes, mas que logo passam.
Clarice dava vida às suas mulheres fazendo o possível para que transmitisse a sensação de realidade. Aqui e ali ela conseguia, lá não. E quando descrevia seus personagens masculinos, era um trabalho ruim demais.
Alguns dos últimos contos foram encomendados, e ali ela faz um comentário de que há quem tenha chamado esses textos de lixo. Só que pra mim, o que ela conseguiu fazer de mais ou menos bom, está em alguns daqueles parágrafos.
O conto que mais gostei, foi da menina ruiva sentada na calçada, quando passa uma senhora com um cachorro linguiça que olha pra guria. Foi o que realmente gostei de passear pelas linhas mesmo sendo tão pequeno o texto.
Claro, há aqueles onde vemos as diferenças sociais econômicas, a velhice, o abandono por outra pessoa seja por doença, anos de convivência ou mesmo a tal da paixão ou interesse carnal, a fome sexual de senhoras por jovens rapazes e por aí vai.
Enfim, o livro fica muito bonito na estante, mas não traz absolutamente nada de especial. A grande vantagem é para quem tem interesse em ter todos os contos ao invés de comprar vários volumes.
E claro, esse livro é muito bom para quem nunca leu nada. Ou para quem está iniciando suas aventuras literárias. Tá certo que alguns contos tem a narrativa muito, mas muito, muitíssimo precária (não se trata de complexidade), mas assim mesmo dá pra insistir e ler quaisquer dos 83 textos na ordem que quiser.
No final, a autora comenta um pouco sobre a produção de vários contos. Aliás, alguns destes contos na verdade mais parecem crônicas e tem até uma peça de teatro. Porém, assim mesmo foi muito bacana terem sido inclusos.
Enfim, esse é um daqueles livros que eu acreditava que entraria na minha lista dos melhores. Mas, meu gosto pessoal e técnico não se apaixonaram por Clarice. Pra alguns, a melhor escritora brasileira, pra mim, ela foi apenas uma escritora medíocre que teve nome e nada além disso.

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/LLSantosTextos/?fref=nf
Andy 15/06/2017minha estante
Acho que você levou muito pro pessoal o fato de detestar Clarice. Não gostar dela é um fato, mas chamar de medíocre? Acho que precisa rever seus conceitos como "leitor de vasta bagagem". E como resenhista você é péssimo.


Davenir 12/11/2017minha estante
Acho que faltou embasar a crítica. Ficou no "ela é uma escritora medíocre" porque eu disse e pronto.


lispector 07/03/2019minha estante
É possível vermos alguém que se diz com "vasta bagagem de leitura" e não consegue apreciar Clarice Lispector, uma mulher que conseguiu fazer milhares de pessoas sentirem algo impressionante com a leitura,não concordo com a sua opinião,já que para mim o prefácio é maravilhoso e os contos nada repetitivos, retratam a época de forma magestosa e com aquele jeitinho da Clarice, mas cada um tem sua opinião, eu respeito a sua,mesmo acreditando que a Clarice é um ícone a ser ressaltado.




Julia 14/07/2020

Denso e muito bom
Eu adorei! É um livro bem denso, como a própria Clarice é. Se faz necessário de muita atenção e seus contos trazem análises literárias incríveis! Recomendo!
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4